Reavivados por Sua Palavra


Dez Dias de Oração – todo o material by jquimelli
3 de março de 2019, 14:00
Filed under: Sem categoria

Caro leitor,

reunimos aqui, em uma só postagem, os endereços do material dos Dez Dias de Oração traduzido da página da Associação Geral, https://www.tendaysofprayer.org/.
Você pode enviar esta página a alguém (link) ou pode acessá-la a qualquer tempo, aqui, ao lado, na coluna da esquerda.

Dez Dias de Oração – promessas bíblicas a reivindicar ao orar

Introdução – Mundial

Dez Dias de Oração – DIA 1 – Mundial

Dez Dias de Oração – DIA 2 – Mundial

Dez Dias de Oração – DIA 3 – Mundial

Dez Dias de Oração – DIA 4 – Mundial

Dez Dias de Oração – DIA 5 – Mundial

Dez Dias de Oração – DIA 6 – Mundial

Dez Dias de Oração – DIA 7 – Mundial

Dez Dias de Oração – DIA 8 – Mundial

Dez Dias de Oração – DIA 9 – Mundial

Dez Dias de Oração – DIA 10 – Mundial

Dez Dias de Oração – SÁBADO FINAL

Guia para a Liderança – Mundial

Revista 10 DIAS DE ORAÇÃO – DSA

Dez dias de oração – Vídeo convite

Dez dias de oração – DSA

Dez dias de oração – MUNDIAL (em inglês)



NÚMEROS 25 by jquimelli
3 de março de 2019, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/numeros/nm-capitulo-25/

Disciplinar uma criança talvez seja a coisa mais difícil que um pai amoroso precise fazer. Às vezes, a disciplina, a intervenção para a mudança de um mau comportamento, pode ser alcançada pelo ensino ou pela negociação, mas às vezes o mau comportamento é tão notório e enraizado que é necessário um castigo.

Na maioria das vezes em que minha filha precisava ser corrigida (uma menina muito sensível e colaborativa), eu geralmente o fazia através de uma conversa firme, mas gentil. Em uma ocasião, quando eu gentilmente falava com ela, ela começou a chorar. Eu a abracei e beijei sua bochecha. Ela me prometeu que nunca faria isso de novo e nunca mais o fez.

Isaías chamou a disciplina aplicada por Deus de “ato estranho”. Isaías 28:21. Um pai amoroso nunca sente prazer em disciplinar com castigo seus amados filhos.

No caso de Zimri (o homem israelita) e Cosbi (a mulher midianita), a fim de disciplinar adequadamente e proteger o povo de Deus, foi necessário aplicar um castigo muito severo. Foi difícil para Deus. Eles eram seus filhos amados. Foi difícil para Moisés. Ele era parente dos midianitas através de sua esposa (Êxodo 18:1-2).

Disciplinar alguém é algo bem difícil, mas, quando feita no Espírito de Cristo, é uma expressão de amor; é o que mais pode beneficiar aquela pessoa.

Kevin Wilfley
Diretor do Ministério de Oração
União do Pacífico Norte dos Adventistas do Sétimo Dia EUA

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=388
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



NÚMEROS 25 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
3 de março de 2019, 0:55
Filed under: Sem categoria



NÚMEROS 25 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
3 de março de 2019, 0:45
Filed under: Sem categoria

É bom quando Deus transforma maldições em bênçãos, mas é tenebroso quando Satanás transforma bênçãos em maldições. Deus fez o sexo para ser bênção na vida matrimonial assim como Deus fez a mulher para ser bênção na vida do homem (e vice versa).

Quando ela deixa-se usar por Deus, tal mulher será uma bênção; entretanto, quando ela permite ser seduzida pelo diabo será maldição tenebrosa.

Convido você a mergulhar no texto bíblico. No capítulo anterior, Balaque e Balaão seguiram, cada um o seu caminho. Cada um voltou para sua casa. Agora observe:

1. As mulheres moabitas seduziram os homens do povo de Deus e os levaram a adorar deuses pagãos, o que resultou na morte de 24.000 pessoas (Números 25).

2. As mulheres fizeram isso seguindo o conselho de Balaão (Números 31:16). Sendo que ele já havia voltado a sua terra, como entender essa questão?

• Supõe-se que Balaão ficou pensando em como resolver o fato dele não conseguir amaldiçoar ao povo de Deus.
• Ele pode ter concluído que Deus não Se afasta de Seu povo e, consequentemente, o povo será sempre invencível, protegido e abençoado; mas, se o povo envolver-se com o pecado, o povo se afastaria de Deus e seria tão fraco que criariam armadilhas para sua própria destruição.
• Balaão voltou com a ideia maquiavélica: Orientou Balaque a selecionar as mulheres mais sensuais, dizer a elas para seduzir os homens de Israel e, quando estiverem embebidos de paixão por elas, fizessem chantagem: Eles só poderiam tocar nelas se fossem adorar seus deuses em sua terra. Magnífico!
• A idolatria e a prostituição afastaram o povo de Deus de Sua proteção e a praga veio com destruição.

3. Fineias, neto de Arão, resolveu drasticamente o problema da praga mortal ferindo aos últimos amantes do pecado. Ah! Moisés recebera ordens de Deus para enforcar aqueles que encabeçaram o pecado.

O pecado seduz, cega, entorpece e mata. Pecado atrai a ira de Deus, pois afasta dEle aos que Ele ama. Por outro lado, Deus abençoa, promove e cuida de quem O ama, se compromete com a moralidade, e ousa combater ao pecado.

Cuidado para que o pecado não torne as bênçãos de Deus em maldições. Viva a plenitude das bênçãos sem corrupções… e serás bem-aventurado! – Heber Toth Armí.



NÚMEROS 25 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
3 de março de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Habitando Israel em Sitim, começou o povo a prostituir-se com as filhas dos moabitas” (v.1).


Ao chegarem a Sitim, lugar agradável, após uma fase de vitórias e de tranquilidade, Israel caiu no perigo do comodismo. Começaram a ceder aos encantos das mulheres moabitas de forma sutil, até que o seu pecado tornou-se público e ousado. Unindo-se à luxúria e idolatria daquelas mulheres, os homens do povo permitiram que a razão fosse apagada e o governo do próprio eu tomasse posse total de sua existência. Completamente obscurecidas as entradas da alma, “o povo comeu e inclinou-se aos deuses delas” (v.2), desafiando a autoridade de Deus e trazendo maldição para dentro do acampamento.

Estava em risco a segurança e a posteridade de Israel. Não alcançando o seu intento por encantamentos e maldições, Balaque, orientado pelo próprio Balaão, lançou no meio de Israel a terrível semente da licenciosidade. Suas mulheres eram as iscas, e os filhos de Israel a presa. Tão degradante é a quebra do sétimo mandamento, e tão ampla em suas consequências, que o Senhor compara a idolatria ao adultério. Entregue as faculdades do homem aos enganos de seu coração, e a sedução logo trata de corromper o intelecto às mais baixas paixões. A sanidade é comprometida e todo o corpo é contaminado pelos desejos de consumir o que não lhe convém.

Quando o jovem José esquivou-se e fugiu da sugestão sedutora da mulher de Potifar (Gn.39:12), unido o seu esforço pessoal à bênção divina, o jovem hebreu tornou-se uma fortaleza impenetrável e Satanás não mais poderia corrompê-lo. “Juntando-se Israel a Baal-Peor, a ira do Senhor se acendeu contra Israel” (v.3), porque seu pecado fez do povo de Deus uma cidade sem muros, completamente vulnerável às ciladas inimigas, passível de ser dizimado pelo mal que eles mesmos acolheram. A maldição que o Senhor não permitiu ser lançada dos montes, Israel recepcionou pela porta da frente.

A imagem esmagadora e deprimente dos corpos sem vida dos homens israelitas, e principalmente de seus líderes, causou uma comoção sem precedentes. “Moisés e toda a congregação dos filhos de Israel… choravam diante da tenda da congregação” (v.6). Mulheres perderam seus maridos, mães lamentavam-se por seus filhos, filhos choravam e buscavam compreender o que significava tão grande terror. Mas enquanto os juízes de Israel prosseguiam em executar a ordem divina e Israel lamentava tão grande ruína, “um homem dos filhos de Israel” (v.6), “príncipe da casa paterna dos simeonitas” (v.14), ousada e publicamente, desafiou a ira de Deus entrando no arraial a fim de fornicar com uma princesa dos midianitas.

Aterrado pelo horror que tinha de contemplar e com um senso de profundo temor e reverência diante do Senhor, Fineias, neto de Arão, sentindo o seu coração arder pelo zelo de Deus, “levantou-se do meio da congregação, e, pegando uma lança” (v.7) matou Zinri e Cosbi em pleno ato, “então a praga cessou de sobre os filhos de Israel” (v.8). A este zeloso descendente de Arão, foi feita a promessa “do sacerdócio perpétuo; porquanto teve zelo pelo seu Deus e fez expiação pelos filhos de Israel” (v.13). A linhagem real dos pecadores não foi levada em conta na hora da punição. Pelo contrário, o título de líder de Zinri lhe conferia uma responsabilidade superior aos comuns do povo. Sua posição privilegiada deveria ser de igual forma honrada e admirada através de uma vida de santa consagração diante de Deus.

Amados, quanto mais o tempo passa, costumes e tradições que dantes faziam parte da cultura de um povo, sofre mudanças e adaptações. Algumas se fazem necessárias e não implicam em quebra de princípios. Outras, contudo, são verdadeiras “mulherinhas” que, no princípio, não aparentam ser uma ameaça, mas cuja concessão cumulativa vão moldando o caráter a condescender com o mal, até que este seja considerado aceitável. Quanto a isto, a Palavra de Deus é muito clara: “Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal; que fazem da escuridade luz e da luz, escuridade; põem o amargo por doce e o doce, por amargo!” (Is.5:20). A igreja de Deus ganharia muito em levar em grande conta esta solene advertência e princípio eterno. Mas aqueles sobre os quais Deus investiu no cargo da liderança de Seu povo recai tal palavra com peso sobremodo maior.

Meus irmãos e líderes ungidos de Deus, o propósito do Senhor em todo tempo tem sido o de zelar pela identidade de um povo santo, sacerdócio perpétuo, que receberá o Seu galardão no último Dia. Não tropeçamos em montes, mas em pequenas pedras. É pelo uso da sutileza e de pequenas concessões, que Satanás vai degradando a mente humana e tornando-a insensível aos apelos do Espírito Santo. Semelhante a José, que vivendo em integridade diante de Deus, as tentações não encontrem uma só brecha em nossa vida. “Sujeitai-vos, portanto, a Deus; mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós” (Tg.4:7).

Feliz semana, sacerdócio perpétuo de Deus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Números25 #RPSP

Comentário em áudio:
https://www.youtube.com/user/nanayuri100



NÚMEROS 25 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
3 de março de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria

857 palavras

1-3 A combinação de pecado sexual e idolatria foi ideia de Balaão (ver 31:16; Ap 2:14), o mesmo Balaão que havia abençoado Israel e parecia estar do seu lado. … Devemos ser cuidadosos em pesar as palavras e atos daqueles que dizem oferecer auxílio espiritual. Life Application Study Bible Kingsway.

Sitim. Outro nome para a região onde Israel se mobilizou para a conquista de Canaã; ficava no outro lado do rio Jordão, oposto à antiga cidade de Jericó (v. Js 2.1). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Foi a partir deste lugar que Josué enviou, posteriormente, alguns homens para espiar a terra de Canaã nas proximidades de Jericó (Js 2:1; 3:1). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 995.

prostituir-se. Ordinariamente esta terminologia é usada para designar imoralidade sexual (não necessariamente paga), cometida por mulheres (Gên. 38:24; Lev. 21:9; Deut. 22:21, etc.). Aqui ela se refere a homens israelitas se envolvendo em sexo pecaminoso mais a imoralidade espiritual da interação com seres sobrenaturais que não o Deus do concerto (desconsiderando as advertências de Êx. 34:15) (Andrews Study Bible).

Estas convidaram o povo. O astuto Balaão encorajou mulheres moabitas a seduzir os israelitas (31:16). Ele voltou para casa após falhar em amaldiçoar Israel (24:25). Contudo, retornou para conseguir fortuna por salvar Moabe, quando retornou com a brilhante idéia de usar mulheres para convidar israelitas para festas sacrificais pecaminosas (que incluíam carne, como benvinda mudança do maná; comparar com Prov. 7:6-27), para que eles participassem de idolatria, perdessem suas bênçãos e Deus mesmo os destruísse. Assim a nova geração cairia na mesma cilada que quase destruiu seus pais (Êx. 32). Infelizmente, a muito bem sucedida e diabólica estratégia de seduzir o povo de Deus à apostasia através de comida e sexo sobreviveu neles (Apoc. 2:14) (Andrews Study Bible).

juntando-se Israel a Baal-Peor. Desafiando abertamente a aliança estabelecida entre o Senhor e Israel, os israelitas uniram-se ao deus falso através de sua adoração idólatra. Bíblia de Genebra.

Baal era o mais popular deus de Canaã, a terra na qual Israel estava para entrar. Representado por um touro, símbolo da força e fertilidade, ele era o deus das chuvas e da colheita. Os israelitas foram continuamente atraídos à adoração de Baal, no qual a prostituição desempenhava papel importante, através de seus anos em Canaã. Life Application Study Bible Kingsway.

enforca-os. Os israelitas deveriam executar, empalar e expor em vez de enterrar os cadáveres (comparar com 1 Sam. 31:10; 2 Sam. 21:3-14) dos líderes dos que haviam levados outros a apostasia. Este duro tratamento mostrava a ira de Deus contra eles (ver Deut. 21:22-23; Gál. 3:13) e deveria desarraigar o mal (Deut. 1:3) para que a nação inteira não fosse destruída (Andrews Study Bible).

6 A frase “trouxe a seus irmãos” [ARA] se refere ao aposento mais íntimo da tenda de uma pessoa. Claramente a mulher foi trazida para dentro de sua tenda para sexo. Life Application Study Bible Kingsway.

uma mulher midianita. Os midianitas, que eram aparentados dos israelitas (Gên. 25:1-2) e especialmente de Moisés (Êx. 2:16-22), eram parceiros com Moabe contra Israel (Núm. 22:4,7) (Andrews Study Bible).

Finéas. Sendo filho de Eleazar, o atual sumo sacerdote (Arão havia morrido, 20:28), Finéias havia herdado a posição de líder dos levitas, que cuidavam e guardavam o santuário (3:32). Portanto tinha acesso a armas e sabia usá-las para livrar o sagrado acampamento do mal (Andrews Study Bible).

a praga cessou. A retidão de Finéias, futuro sacerdote de Israel, executou a justiça, Sl 106.30, e fez cessar a maldição que, causada pela idolatria do povo, se atribui ao conselho de Balaão que, segundo as tradições israelitas, foi a causa dessa prostituição com as filhas dos moabitas, v 1; Ap. 2:14, 20; Nm 31:16. A retidão perfeita de Cristo afasta o julgamento merecido por nós, os que nEle cremos (Bíblia Shedd).

Os 24.000 mortos (v.9) foi a maior quantidade de israelitas que morreram pela retribuição divina em qualquer período da jornada entre o Egito e Canaã (comparar com os 14.700 em 16:49 [rebelião de Corá/Coré]) (Andrews Study Bible).

11 Meu zelo. Note o leitor que Finéias é aqui destacado como quem incorporava o próprio zelo de Deus pela pureza de Seu povo. Tal zelo mereceu para Finéias a recomendação divina e a promessa de um sacerdócio perpétuo (v. 13). Bíblia de Genebra.

Este ato de Finéias revelou que ainda havia entre o povo quem mostrasse zelo pelas coisas de Deus, zelo em vindicar a retidão. Por isso, Deus reconheceu seu ato, ao ponto de o considerar um ato de expiação (v 13), aliás, a única ocasião descrita do Antigo Testamento na qual um ato, individual, não prescrito pela Lei, foi aceito como uma expiação, que escudou o povo contra a ira de Deus (Sl 106.31) (Bíblia Shedd).

Esse filho de Eleazar contrasta com a impiedade e descaso dos seus tios, Nadabe e Abiú. Bíblia de Estudo NVI Vida.

17 afligireis os midianitas. A conspiração midianita equivaleu a uma declaração de guerra. Para mostrar Sua justiça e proteger Seu povo, Deus instruiu que os midianitas deveriam ser punidos (cf. cap. 31). Os israelitas nunca estariam seguros se Deus permitisse que seus vizinhos os atacassem (Andrews Study Bible).

18 O paganismo ao redor de Israel sempre levava ao povo de Deus à idolatria. O mundanismo ao redor da igreja sempre quer levá-la ao caso de Peor e ao caso de Cosbi, ou seja, à impureza da carne e do espírito, 2 Co 7.1 (Bíblia Shedd).



NÚMEROS 25 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
3 de março de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: