Reavivados por Sua Palavra


Deuteronômio 14 by jquimelli
28 de março de 2019, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/deuteronomio/dt-capitulo-14/

Porque os israelitas foram separados para o Senhor, Moisés os lembra de novo, como fizera em Levítico 11, quais animais cuja carne se poderia comer e quais eram impuros. A condição de separação e consagração dos israelitas deveria ser completamente incorporada ao seu estilo de vida e suas escolhas. Embora a “bebida forte” referida neste capítulo (v. 26) seja a fermentada, isto não era o ideal de Deus para Seu povo, assim como a escravidão e a poligamia. A instrução de Paulo para glorificar a Deus em tudo, até mesmo no que nós bebemos (1Co 10:31; 1Co 6:19-20), nos aconselha a abandonar tudo o que é prejudicial para o organismo.

O conceito de um “segundo dízimo” – distinto do primeiro dízimo, de uso exclusivo para o sustento dos sacerdotes e levitas – mostra-nos a importância de repartir de nossa abundância com aqueles que têm menos. Isto incluía os “sem terra” (hoje também incluímos os “sem teto”), o migrante, os marginalizados, os pobres e os refugiados. Ellen White nos lembra de nossa obrigação para com o pobre desamparado, com estas palavras: “Quando se tem feito o que é possível para ajudar o pobre a se ajudar a si mesmo, restam ainda a viúva e o órfão, o velho, o inválido e o enfermo, os quais requerem simpatia e cuidado.” A Ciência do Bom Viver, p 137/202.

Cindy Tutsch
Diretora Associada aposentada do Patrimônio Ellen G. White

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=413
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



DEUTERONÔMIO 14 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
28 de março de 2019, 0:55
Filed under: Sem categoria



DEUTERONÔMIO 14 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
28 de março de 2019, 0:45
Filed under: Sem categoria

No estudo do capítulo anterior vimos como Deus preza pela verdade. A doutrina pode ser adulterada, mas não tem aprovação de Deus. Há falsos profetas, apóstolos, mestres, e, até falsos cristãos.

Ignorantes em relação à Bíblia torcem Sua mensagem para sua própria destruição e a de seus adeptos (II Pedro 2:1-3; 3:16). No texto em apreço, escrito por Moisés sob a inspiração do Espírito Santo, muitos têm-se desviado do seu verdadeiro significado.

Deus quer um povo santificado, separado do pecado, descomprometido com o erro, e avesso à corrupção (vs. 1-2). Diante disso, dois pontos são destacados:

1. Alimentação dos servos de Deus difere dos que servem ao seu bel prazer (vs. 3-21);

2. Os recursos dos que servem a Deus são usados diferentemente daqueles que servem ao orgulho/egoísmo, aos seus próprios interesses corruptos (vs. 22-29).

Em relação ao primeiro ponto, quase todas as instituições religiosas o descartam; já o segundo ponto, muitos o distorcem/deturpam.

Sobre o primeiro ponto, muitos consideram errado beber, fumar, usar drogas; mas, aprovam comer carnes que Deus declarou serem imundas, impróprias ao cristão, como porco e derivados: bacon, salame, banha, mortadela, calabresa, linguiça, etc.

Sobre o segundo ponto há várias controvérsias. Os que interpretam as Escrituras conforme suas próprias intenções (II Pedro 1:19-21) declaram que o dízimo pode ser usado conforme cada um propor no coração, não apenas entregar na igreja para evangelismo.

Em Tese de Conclusão de Curso (TCC), de Teologia, no UNASP-EC, Alex Adriano Machado destacou, sobre o dízimo em Deuteronômio 14 que, “a interpretação de um único dízimo, não exclusivo aos levitas, não é razoável, pois conduziria a tribo de Levi ao empobrecimento. A insistência nesta ideia macula todo o ensino bíblico sobre os dízimos e torna questionável a própria Bíblia, tendo em vista a irreconciliável contradição entre Dt 14 e Nm 18. Além disso, compromete seriamente a pregação do evangelho, uma vez que o próprio indivíduo define onde aplicar o dízimo. Uma investigação minuciosa das Escrituras não admite tal interpretação”.

Em seguida, Machado atesta que a Bíblia apresenta claramente três espécies de dízimos: O destinado totalmente aos levitas, o anual e o trienal.

Estude mais para não ser enganado! Não permita que o dinheiro, ou teu ventre, seja teu deus!

“Senhor, torna-nos santos… Amém!”– Heber Toth Armí.



DEUTERONÔMIO 14 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
28 de março de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Porque sois povo santo ao Senhor, vosso Deus, e o Senhor vos escolheu de todos os povos que há sobre a face da terra, para Lhe serdes Seu povo próprio” (v.2).


A expressão “Filhos sois do Senhor” (v.1) revela o grau de relacionamento que Deus deseja manter com o Seu povo. Como um Pai amoroso e justo, Deus ama e zela por Seus filhos ensinando-lhes os princípios inegociáveis de Sua Palavra e como mantê-los em seus corações como regra de fé e prática. Algumas leis dadas a Israel demandavam abnegação e separação quanto aos costumes pagãos. A mutilação, ou autoflagelo, era comumente praticada pelos moradores de Canaã, principalmente em rituais fúnebres. Como povo santo ao Senhor, a nação eleita deveria se abster de tais costumes.

Outro ponto que era totalmente ignorado pelos cananeus era o da alimentação. O consumo de carnes imundas era comum. Portanto, Israel deveria abster-se de ter uma dieta igual às demais nações, e seguir as orientações deixadas por Deus quanto ao consumo de animais. O Senhor foi muito claro: “Não comereis coisa alguma abominável” (v.3). Como Criador, Ele bem sabe as implicações decorrentes à saúde humana pelo consumo da carne de certos animais e o quanto a dieta está intimamente relacionada à saúde mental. Eis um assunto que requer uma reflexão mais séria de nossa parte.

Já o dízimo foi incluído pelo Senhor como fazendo parte da adoração. Quando o adorador levava ao tabernáculo a décima parte de suas rendas, reconhecendo a Deus como o seu Senhor e Mantenedor, também estava a aprender a valiosa lição do temor do Senhor. Temer a Deus, prestar-Lhe reverência e profundo respeito deve ser o jornadear de todo cristão. Quando devolvemos o que é de Deus, através de nossos dízimos e ofertas, visando adorar a Deus e ajudar o nosso próximo, declaramos a Quem pertencemos.

Este capítulo é uma explícita declaração de que o povo de Deus é um povo com costumes diferentes, com uma alimentação diferente e com uma visão de dinheiro diferente da visão capitalista mundial. Não podemos e não devemos nos conformar “com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Rm.12:2). A nossa vida é um dom de Deus e é preciosíssima aos Seus olhos. Portanto, o que fazemos, o que comemos e como adoramos é sim do interesse divino e define para onde estamos indo.

Como testemunhas de Jesus, filhos do Senhor, que cheios do poder do Espírito Santo possamos escolher, “todos os dias” (v.23), viver aqui “em santo procedimento e piedade, esperando e apressando a vinda do Dia de Deus” (2Pe.3:11 e 12). Para tanto, vigiemos e oremos!

Bom dia, filhos do Senhor!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Deuteronômio14 #RPSP

Comentário em áudio:
https://www.youtube.com/user/nanayuri100

 



TATUAGENS E AUTOLACERAÇÃO NA RELIGIÃO ANTIGA by jquimelli
28 de março de 2019, 0:07
Filed under: Sem categoria

(Ver tb Lev 19) Nas antigas religiões pagãs, acreditava-se que as tatuagens protegiam a pessoa de mágicas perniciosas. Algumas tatuagens também indicavam que a pessoa pertencia a certo deus ou culto (análogo ao fato de que os escravos eram marcados com ferro ou tatuados).

A mais antiga evidência de tatuagens do antigo Oriente Médio provém de algumas estatuetas de fertilidade feitas de terracota do Período Neolítico, descobertos na Jordânia. No Reino Médio do Egito, tatuagens associadas a Ator (a deusa da fertilidade) foram descobertas na múmia de uma sacerdotisa e em estatuetas de terracota. Essas estatuetas denominadas “noivas do morto”, estavam sexualmente ligadas ao renascimento, como forma de assegurar a ressurreição do falecido … No templo mesopotâmio, os escravos eram marcados com ferro ou tatuados com o símbolo do respectivo templo ao qual pertenciam.

Como a tatuagem, a autolaceração no antigo Oriente Médio estava associada com a morte, porém as mulheres da Mesopotâmia se cortavam em sinal de tristeza; e no culto à fertilidade, dedicado a Baal, a autolaceração também estava associada com o lamento pela deidade falecida.

É provável que a proibição bíblica às tatuagens e à autolaceração pelos mortos (Lv 19.28) tivesse em mente o antagonismo a determinadas práticas idólatras, especialmente os ritos religiosos eróticos associados com os mortos. O AT trata a tatuagem e o desfiguramento corporal como práticas inerentemente pagãs e depravadas (cf. Dt 14.1; 1Rs 18.28).

Bíblia de Estudo Arqueológica NVI Vida.



DEUTERONÔMIO 14 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
28 de março de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria



DEUTERONÔMIO 14 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
28 de março de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria

1143 palavras

Israel devia ser um povo distinto. Devia evitar as lamentações dos pagãos (1, 2) e os alimentos imundos (3-21). Sua consagração também precisava ser demonstrada com os dízimos que viessem a dar (22-29). Bíblia Shedd.

1, 2 Rapar a cabeça como sacrifício a uma deidade era costume dos pagãos da terra, e os israelitas foram proibidos de seguir essa prática (Lv 21.5; Dt 14.1). O costume praticado pelas nações vizinhas que consistia em rapar toda a cabeça , à exceção de um pequeno caminho no centro, também era proibido (Lv 19.27; 21.5). Bíblia de Estudo Arqueológica NVI Vida.

1 Filhos sois do SENHOR. Esta é uma relação íntima que traz consigo pesadas responsabilidades (ver Is 1:2; 63:8, 16; 64:8; Jr 3:14, 19, 22; Os 11:1-4; Ml 2:10). CBASD – Comentário Bíblico Adventista, vol. 1, p. 1098.

Não façam cortes no corpo (NVI). Comparar com o costume dos adoradores de Baal (1Rs 18:29). Este costume aparece também nos textos cananitas de Ras Shamra, a antiga Ugarit, onde mesmo o maior deus, ‘El, se cortava em sinal de pesar. … Em algumas partes do mundo hoje as pessoas se cortam em pesar em várias ocasiões. CBASD, vol. 1, p. 1098, 1099.

3-21 Esta seção e Nm 5.1-4 são as principais referências à legislação entre o limpo e o imundo, fora de Lv 11-15. Bíblia de Genebra.

3 Coisa alguma abominável. A declaração se refere a coisas “abomináveis” por razões sanitárias, higiêniocas ou por outra ordem. Comparar com as declarações do apóstolo Paulo (1Tm 4:4; Rm 14:14). CBASD, vol. 1, p. 1099.

4 Os animais. Os primeiros animais mencionados são os comumente oferecidos em sacrifício. CBASD, vol. 1, p. 1099.

5 O veado … o gamo. Os animais citados neste verso não eram oferecidos em sacrifício. CBASD, vol. 1, p. 1099.

A lebre e o arganaz. Só aparentemente é que podem ser considerados ruminantes, pois na realidade não o são. Bíblia Shedd.

11 Toda ave limpa comereis. Como a pomba, a perdiz e a codorniz e supostamente outras (cf. Lv 11:13-19). CBASD, vol. 1, p. 1099.

Nenhuma fórmula simples é dada aqui para identificar as aves limpas. As aves de rapina, geralmente, eram consideradas imundas, provavelmente por causa de seu contato frequente com carniça. A carne de tais aves podia, igualmente, apresentar um risco à saúde. Algumas das aves citadas nos vs. 12-18 não podem mais ser identificadas precisamente. Bíblia de Genebra.

13. O açor. O abutre calvo é comum no Oriente. CBASD, vol. 1, p. 1099.

19 Todo inseto que voa. Ver Lv 11:20. Literalmente, “tudo o que se move em enxames”, em referência a diferentes insetos que voam e não a pássaros. CBASD, vol. 1, p. 1099.

20 Ave. Literalmente, “as coisas que voam”. Não é uma referência do v. 11, que trata de pássaros, mas uma referência a insetos limpos, como algumas espécies de gafanhotos, considerados  iguaria em algumas regiões orientais mesmo atualmente (Lv 11:21, 22). CBASD, vol. 1, p. 1099.

21 Que morreu por si. Literalmente, “qualquer carcaça”, isto é, de animal que morreu de doença ou de outra forma. CBASD, vol. 1, p. 1099.

Estrangeiro. Um estrangeiro incircunciso que não praticou idolatria e que foi permitido viver entre os hebreus. “Estrangeiros” não eram obrigados a seguir todos os regulamentos levíticos e cerimoniais. CBASD, vol. 1, p. 1099.

Estranho. Isto é, o estranho que está de passagem por razões comerciais ou por outro propósito, que não havia de estabelecido permanentemente entre os hebreus. CBASD, vol. 1, p. 1099.

Povo santo. Literalmente, “um povo de santidade”. O fato de serem separados e o nível de consagração que tinham que alcançar deviam estar sempre diante de Israel como norma de vida. A palavra “santo” é também usada para descrever o caráter de Yahweh e o tabernáculo, seus instrumentos e sacrifícios (ver Lv 11:44-45). CBASD, vol. 1, p. 1100.

Não cozerás o cabrito no leite da sua própria mãe.  Era um costume cerimonial dos cananeus, e por isso foi proibido. Além disso era uma violência à compaixão, para se satisfazer à gulodice. Bíblia Shedd.

Para explicação desta prática idólatra, ver com. de Êxodo 23:19 (ver também Êx 34:26). CBASD, vol. 1, p. 1100.

22 Dízimos. Em geral, se considera que o dízimo mencionado neste versículo é o segundo dízimo, que devia ser despendido como um banquete sagrado perante o Senhor, no tabernáculo. Em Deuteronômio 14:28 e 26:12-15, esse segundo dízimo também é mencionado. Esse dízimo era diferente do primeiro, que era dedicado exclusivamente à manutenção dos sacerdotes e levitas (Nm 18:21, 26). CBASD, vol. 1, p. 1100.

23 Perante o SENHOR … comerás. Onde de ser uma exigência pesada, a entrega dos dízimos seria uma ocasião de alegre celebração adorações (12.7, nota; cf 2Co 9.7). Bíblia de Genebra.

No lugar. O povo iria ao lugar escolhido por Deus para os serviços e festas religiosas. Comeriam juntos, como família, em comunhão diante do Senhor. Essas ocasiões eram designadas para promover a vida religiosa. Várias lições eram ensinadas, como a necessidade de ofertar conscientemente para propósitos religiosos e práticos, a caridade ao necessitado (ver com. de Lv 7:15), a comunhão sagrada diante do Senhor e o fortalecimento dos laços familiares. CBASD, vol. 1, p. 1100.

Comparar com Deuteronômio 12:5-7. O segundo dízimo devia ser comido perante o Senhor. Isto devia ser feito por dois anos; então, no terceiro (e, portanto, também no sexto) ano se aplicavam as instruções do verso 28. O sétimo ano era sabático, no qual a terra não era cultivada. Não se exigia nenhum dízimo, pois não havia colheita. CBASD, vol. 1, p. 1100.

Os dízimos do teu cereal. Não pode ser referir ao primeiro dízimo entregue aos levitas, visto que o povo comum não podia participar dele, apenas os sacerdotes. CBASD, vol. 1, p. 1100.

Aprendas a temer. O cumprimento consciente desses requisitos divinos impressionaria o adorador com o temos do Senhor e encorajaria constante comunhão com Ele. CBASD, vol. 1, p. 1100.

25 prata. Pedaços de prata, com vários pesos, eram meios de troca comuns, mas não na forma de moedas (v. nota em Gn 20.16). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Na tua mão. Literalmente, “cercar” (ver Is 29:3; Jr 21:4; 37:5). O dinheiro devia ser envolto de alguma forma e atado ao punho ou braço. CBASD, vol. 1, p. 1100.

26 O que deseja. A necessidade de suprir os adoradores que vinham de longe com artigos necessários para a festa fez com que se instalasse um mercado na área do templo em Jerusalém. Os sacerdotes de mentalidade mundana logo tiraram vantagem dessa situação e a converteram numa fonte de lucro pessoal (ver Jr 6:13; 23:11). CBASD, vol. 1, p. 1100, 1101.

Bebida forte. O “vinho” e a “bebida forte” mencionados nestes versículos eram fermentados. No passado, Deus muitas vezes relevou a ignorância que motivava práticas que Ele não aprova. … Nenhum [vinho e a bebida forte] era estritamente proibido , exceto para quem desempenhava tarefas religiosas e também para os que se ocupavam na administração da justiça (Lv 10:9; Pv 31:4, 5). O mal do “vinho” e da “bebida forte” foi claramente assinalado, e o povo foi aconselhado a se abster dessas bebidas (Pv 20:1; 23:29-33). ,,, As bebidas embriagantes “destroem o santuário de Deus” e seu uso não pode ser considerado um meio de glorificar a Deus (1Co 6:19, 20; 10:31). … Não há desculpa para o argumento de que não há nada de errado em usar bebida alcoólica, alegando-se que Deus uma vez permitiu isso. Como observado, Ele também permitiu práticas como a escravidão e a poligamia. A Bíblia adverte que os “bêbados” não herdarão o reino de Deus” (1Co 6:10). CBASD, vol. 1, p. 1100, 1101.




%d blogueiros gostam disto: