Reavivados por Sua Palavra


O apoio de Jesus sob forte tentação – Dt 6 e 8! by jquimelli
20 de março de 2019, 6:05
Filed under: Sem categoria

Em que porções da Bíblia você se apoiaria quando em fortíssima tentação?

Jesus utilizou Deuteronômio 6 e 8!

Faria muito bem meditar atenta e profundamente nestes versos.



DEUTERONÔMIO 6 by jquimelli
20 de março de 2019, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/deuteronomio/dt-capitulo-6/

Depois da emocionada declaração de amor feita por Deus no capítulo anterior (5:29), não é de admirar que Moisés tenha dito: “Ouça, ó Israel: O Senhor, o nosso Deus, é o único Senhor. Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todas as suas forças.” (v. 4-5 NVI). Porque “Deus é amor” (1 João 4:8-16).

Ele não está interessado em um conhecimento superficial. Ele anseia por um relacionamento íntimo. Deus deseja que os seres humanos saibam que pertencem a Ele porque Ele lhes deu vida e morreu por eles, para que possam viver para sempre.

Ao longo da história, Cristo é muitas vezes deixado do lado de fora da porta dos corações de seu povo. Mas ele ainda os ama. Ele promete a Laodiceia que se eles O deixarem entrar em suas vidas, irão sentar-se com Ele no Seu trono, após o Segundo Advento (Ap 3:21).

Ninguém no universo tem amor maior! Cristo deseja morar com você hoje e lhe dar muito mais do que apenas bênçãos físicas. Ele quer que você O convide a reinar dentro do seu coração, como uma antecipação do seu reinado com Ele para sempre.

Norman Gulley
Southern Adventist University

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=405
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



DEUTERONÔMIO 6 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
20 de março de 2019, 0:55
Filed under: Sem categoria



DEUTERONÔMIO 6 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
20 de março de 2019, 0:45
Filed under: Sem categoria

A família é um bem dos mais preciosos desprezados por muitos. A falta de sábia afetividade à família resulta numa falha imensa em nossa sociedade.

Uma das mais ferozes destruições da sociedade está no pouco investimento na educação. A falta de informação promove a acomodação iludindo pais a crerem que professores devem fazer o que eles não fizeram. A Bíblia mostra outra visão!

“Deuteronômio é um dos livros mais notáveis do Antigo Testamento. Nenhum outro livro da Bíblia exerceu maior influência sobre a religião no lar e na vida pessoal em todas as eras”, analisa J. A. Thompson.

Este capítulo oferece-nos os seguintes pontos:

• Respeitar, honrar/temer ao Senhor como o único Deus é prática que deve ser assimilada pelos pais, filhos e netos todos os dias, durante a vida inteira (vs. 1-4);
• Amar a Deus de forma plena é o segredo da verdadeira religião antes de passá-la aos filhos (v. 5);
• Esse respeito e amor por Deus na prática devem ser transmitidos aos filhos intensa e didaticamente, até que eles acatem na vida diária a essência da verdadeira religião (vs. 6-9);
• Sempre reconhecer em família que Deus é o Autor da vida, Doador de saúde, forças, habilidades e oportunidades diante de qualquer prosperidade (vs. 10-12);
• Nunca trair ao Senhor servindo, adorando ou venerando seres ou coisas no lugar dEle (vs. 13-16);
• Seguir estritamente as orientações de Deus a fim de que a vitória seja experimentada e o sucesso seja o estilo de vida (vs. 17-19);
• Testemunhar aos filhos sobre as maravilhas que Deus operou e opera diariamente através de proteção, cuidado e provisão em nossas dificuldades e atividades (vs. 20-25).

A adoração deve ser absoluta. Deve ocupar todo tempo em todo lugar. Não deve existir hora marcada para se falar de Deus e viver Seus propósitos, isto deve acontecer o tempo todo, em todo lugar e em toda e qualquer situação.

Os filhos não devem ser informados sobre Deus, eles devem ver nos pais o reflexo do caráter divino. Legalismo estéril educará filhos frágeis na fé. Filhos precisam ser formados!

Cacoetes religiosos no lar não incutem amor fervoroso por Deus nos filhos!

As palavras convencem, o exemplo arrasta. “O exemplo não é a coisa principal da vida – é a única coisa” (Albert Schweitzer). Portanto, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



DEUTERONÔMIO 6 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
20 de março de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Ouve, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor” (v.4).


Neste capítulo está contido o Shemá que, em hebraico, significa “ouve”. Este trecho das Escrituras revelava a necessidade em que Israel desse ouvidos aos mandamentos, estatutos e juízos do Senhor, tendo como esteio legal o amor: “Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força” (v.5). Os três aspectos (mental, espiritual e físico) deveriam estar em plena ligação com Deus. Não se tratava de uma subserviência cativa, mas de uma adoração voluntária; a ordem de Deus obedecida por amor.

Esta obediência, porém, deveria ultrapassar os limites individuais do coração dos pais e servir de escola na vida dos filhos. A gentil e paciente educação deveria ser a tônica de cada lar israelita. Competia aos pais ensinar seus filhos através da rotina diária que Deus era o único Senhor. O sinal na mão e “por frontal entre os olhos” (v.8) significa o caráter não somente teórico, mas também prático da Palavra de Deus. Cada pai e cada mãe que compreenda a sua responsabilidade doméstica, deve buscar no Senhor uma vida de santidade, tendo como objetivo principal o aperfeiçoamento do caráter, seu e de seus filhos.

Uma vida de obediência gera três coisas muito importantes:

  1. Temor a Deus: “para que temas ao Senhor” (v.2) – Eis a primeira voz angélica para os nossos dias: “Temei a Deus e dai-Lhe glória, pois é chegado o dia do Seu juízo” (Ap.14:7). Temer a Deus não significa ter medo de Deus, e sim o respeito como reconhecimento por quem Ele é, como continua dizendo o primeiro anjo: “… e adorai Aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas” (idem). Eu preciso deixar bem claro diante do Universo que eu e a minha casa servimos, adoramos e tememos ao Deus Criador;
  2. Recompensas aqui e no porvir: “casas cheias de tudo o que é bom… poços abertos… vinhais e olivais” (v.11); “para que bem te suceda, e entres, e possuas a boa terra” (v.18); “para o nosso perpétuo bem” (v.24). O Senhor não nos prometeu apenas bênçãos neste mundo, afinal, antes de chegar a Canaã, Israel teve de atravessar o deserto. Contudo, há bênçãos prometidas para todo aquele que busca fazer “o que é reto e bom aos olhos do Senhor” (v.18). Mas ainda que as adversidades atinjam o lar dos filhos de Deus, as recompensas eternas sobrepujam todo e qualquer sofrimento transitório. Além do mais, a prosperidade aqui também pode ser uma ameaça, por isso, “guarda-te, para que não esqueças o Senhor” (v.12)
  3. A justiça de Deus: “Será por nós justiça, quando tivermos cuidado de cumprir todos estes mandamentos perante o Senhor, nosso Deus, como nos tem ordenado” (v.25). A justificação pela fé é atribuída a todo aquele que crê em Jesus como Senhor e Salvador de sua vida. Isto é fato. Entretanto, este “crê” muitas vezes é entendido de forma equivocada, como se não dependesse de nenhuma resposta de nossa parte. A fé requer de nós mudança de rota, renúncia e, por vezes, o risco de morte. Lembremos de Abraão que saiu da casa de seu pai para ir a uma terra desconhecida, e que estava disposto a sacrificar o próprio filho para obedecer ao mandado do Senhor. Ou de Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, que entregaram seus corpos para serem queimados mesmo não tendo conhecimento do livramento divino.

Antes da obediência, amados, vem o amor, e, somente pela “fé que atua pelo amor” (Gl.5:6), podemos experimentar a graça de um coração e de um lar regido pelo Espírito Santo. Quando nossos filhos questionarem a nossa fé, seja esta a nossa resposta, por palavras e por exemplo: “O Senhor nos ordenou cumpríssemos todos estes estatutos e temêssemos o Senhor, nosso Deus, para o nosso perpétuo bem, para nos guardar em vida, como tem feito até hoje” (v.24).

Vigiemos e oremos!

Bom dia, famílias vitoriosas em Cristo Jesus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Deuteronômio6 #RPSP

Comentário em áudio:
https://www.youtube.com/user/nanayuri100



DEUTERONÔMIO 6 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS – SHEMÁ by jquimelli
20 de março de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria
1913 palavras

Deus quer nossa devoção exclusiva. Moisés exorta à obediência (1-3), enuncia o grande mandamento (4,5), apresenta os meios pelos quais as obrigações do pacto devem ser lembradas (6-9), adverte a Israel contra vários perigos (10-19) e diz aos pais como devem instruir os filhos (20-25) (Bíblia Shedd).

Temas ao Senhor A palavra heb. “temer” significa “ter pavor diante de”, “reverenciar”,”honrar” (Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 1).

para que bem te suceda O usufruto contínuo de Canaã da parte de Israel, bem como o usufruto do jardim do Éden por Adão, dependia da contínua fidelidade ao Senhor (Bíblia Shedd).

terra que mana leite e mel. Os israelitas poderiam ter conquistado tudo isto 40 anos antes. Números 13 e 14 explicam como o povo perdeu essa chance. Agora Moisés estava determinado a ajudar o povo a não incorrer no mesmo erro aguçando seu apetite pela linda terra e então explicando as condições para nela entrar. Life Application Study Bible.

4-9 Esta passagem provê o grande tema de Deuteronômio. Ela estabelece um padrão que nos ajuda a relacionar a palavra de Deus com nossas vidas diárias. Devemos amar a Deus, pensar constantemente em Seus mandamentos, ensinar Seus mandamentos a nossas crianças e viver cada dia de acordo com as diretrizes de Sua palavra. Deus enfatizou a importância dos pais ensinarem a Bíblia a seus filhos. A igreja e as escolas cristãs não podem ser uma evasão desta responsabilidade. Life Application Study Bible.

4,5 O grande mandamento (Mc 12:29,30) é essencialmente uma reafirmação do primeiro mandamento do decálogo em forma positiva. Não há muitos deuses mas UM Senhor, que é soberano e sem igual; assim, Israel teria de ter uma só lealdade. Esta é a verdade básica da qual tudo o mais depende (Bíblia Shedd).

Ouve, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Este versículo, frequentemente chamado de Shemá, com base na palavra inicial que significa “ouve”, tornou-se a grande confissão de fé monoteísta de Israel, sendo recitada todas as manhãs e finais de tarde pelos judeus (cf Mc 12.29). Bíblia de Genebra.

Literalmente, “Yahweh nosso Deus, Yahweh [é] Um” (Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 1)

Ou: “O Senhor, o nosso Deus, é um só Senhor”, ou “O Senhor é nosso Deus, o Senhor é um só”; ou ainda “O Senhor é nosso Deus, o Senhor somente”. Nota NVI. [“Escuta, ó Israel: O Senhor, nosso Deus, o Senhor é um!” v. NKJV.]

O monoteísmo – a crença em somente um Deus – era uma característica distintiva da religião hebraica. Muitas religiões antigas acreditavam em muitos deuses. … Este era um importante entendimento para a nação judaica porque eles estavam prestes a entrar em uma terra habitada por muitas pessoas que acreditavam em muitos deuses. Life Application Study Bible.

Esta grande proclamação, que se tornou mais tarde o centro da adoração diária judaica, enfatiza a unidade essencial do Senhor, o único Deus (comparar 4:35, 39). A palavra hebraica para “um” [echad ou ‘ehadh] é também usada para se referir a homem e mulher em Gênesis para Adão e Eva se tornando “uma carne” – dois seres se tornando “um”. À luz do NT, isto significaria que a santa Trindade de Pai, Filho e Espírito Santo (Mat. 28:19) é misteriosamente unida como uma divindade unificada (comparar Col. 1:19; 2:9). A unicidade de Deus pode também ser entendida no sentido que Ele é o único para Seu povo (comparar com Zac. 14:9 para todos os povos). Este é o conceito por trás do primeiro mandamento (Deut. 5:7; Êx. 20:3). Para mais sobre a pluralidade da Trindade, ver Gên. 1:26; Mat. 28:19 (Andrews Study Bible).

A palavra hebraica aqui empregada para “único” (‘ehadh), significa uma palavra composta, e, portanto, não excluía o conceito cristão de uma Trindade de Pessoas dentro daquela unidade. A palavra hebraica que expressa unidade absoluta é yahidh, e nunca é usada para expressar a unidade da Deidade (Bíblia Shedd).

Em  contraste marcante com as nações vizinhas, que eram politeístas, os hebreus criam em um único Deus. Esta profissão de fé tem sido uma espécie de senha do povo hebreu por mais de três mil anos (ver Mc 12:29). O apóstolo Paulo declara que esta verdade é fundamental para o cristianismo (1Co 8:4-6; Ef 4:4-6). Antes do descobrimento dos rolos do Mar Morto, o manuscrito mais antigo existente do AT era o papiro Nash, do 1º século a.C., que contém o decálogo e Deuteronômio 6:4 e 5) (Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 1).

Amará, pois, o Senhor teu Deus, de todo o coração … alma…força. Em Mat. 22:37-40, Jesus citou este verso de Deuteronômio como “o primeiro e maior mandamento” da lei. Então, Ele citou Lev. 19:18 (“amarás o teu vizinho/próximo como a ti mesmo”) e declarou: “Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas.”  Portanto, Jesus considerou os princípios do amor por Deus e pelos outros seres humanos como a base da Escritura, ainda mais básicos que os Dez mandamentos, que proveem princípios baseados nos dois tipos de amor. O fato de  que amor é fundamental não deveria surpreender porque a Bíblia expressa o caráter de Deus como sendo amor (1 João 4:8) (Andrews Study Bible).

O tipo de amor que Deus quer (v. 5): 1) Um amor que envolve a todo o nosso ser (coração, alma); 2) Um amor que se entrega inteiramente (todo, toda, tudo); 3) Um amor que é ativo (a tua força).

Essa é a linguagem da devoção. Deus não exige mera obediência externa a alguma lei, mas o amor de todo o coração e a dedicação da pessoa inteira (Pv 23.26). Bíblia de Genebra.

6,7 Tornando a Palavra de Deus de valor prático: 1) Em nossas vidas pessoais (v.6); 2) Na instrução de nossos filhos (7ª); 3) Em nossa conduta diária (7b) (Bíblia Shedd).

Inculcarás A palavra assim traduzida significa “afiar”, “aguçar” (ver Dt 32:41); Sl 64:3; 140:3; Is 5:28). Portanto, denota um ensino claro e incisivo. Os pais têm grande responsabilidade em instruir seus filhos dia após dia (Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 1).

Se você quer que seu filho siga a Deus, deve fazer Deus parte de sua experiência diária. Você deve diligentemente ensinar seus filhos a verem Deus em todos os aspectos da vida, não apenas naqueles relacionados à igreja. Life Application Study Bible.

as atarás como sinal Os judeus antigos, interpretando à letra este versículo, encerraram em pequenas caixas, chamadas filactérios, alguns passos escritos da Lei, que atavam depois à cabeça ou às mãos (Bíblia Shedd).

umbrais… portas Isto é, em lugares de destaque para servir como lembranças frequentes (ver tb 11:20).  As portas poderiam ser as da cidade. Os judeus interpretam isto literalmente. Tais inscrições nas estruturas eram muito comuns no mundo antigo. Hoje as pessoas comumente colocam lembretes nas geladeiras (Andrews Study Bible).

10-13 Moisés advertiu às pessoas que não se esquecessem de Deus quando entrassem na terra prometida e se tornassem prósperas. a prosperidade, mais do que a pobreza, pode embotar nossa visão espiritual porque ela  tende a nos tornar auto suficientes e ansiosos em adquirir mais e mais de tudo – com exceção de Deus.O mesmo pode acontecer com nossa igreja. Uma vez que nos tornamos bem sucedidos em termos numéricos, programas e edificações, podemos facilmente nos tornar auto suficientes e menos sensíveis de nossas necessidades de Deus. Isto nos leva a nos concentrar em auto preservação em vez de gratidão e serviço a Deus. Life Application Study Bible.

12 Casa da servidão Literalmente, “casa de escravos”. Nesse caso, o lugar onde Israel morava antes, o Egito, é referido como “casa” (Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 1).

13-16 Jesus citou estes versículos por ocasião de Sua tentação (Bíblia Shedd).

13 Citado parcialmente por Jesus em resposta à tentação de Satanás (Mt 4.10; Lc 4.8). Jesus também citou Deuteronômio em resposta às duas outras tentações do diabo [também 6:16 e 8:3]. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Jurarás Isto é, obrigar-se a algo sob juramento. A palavra assim traduzida é da mesma rais do numeral sete. A implicação é que quando alguém “jura” ele se compromete sete vezes, significando uma obrigação da qual nada pode livrá-lo (Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 1).

outros deuses Esta ordem está intimamente ligada ao v. 13; não deviam sequer mencionar o nome de outros deuses (Êx 23:13; Js 23:7; Jr 5:7) (Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 1).

16 Não tentarás o Senhor Cf Sl 95:8,9 e Hb 3.15. Israel não devia ser presunçoso ao ponto de submeter Deus a um teste, buscando prova de Sua presença e poder. Devemos confiar na suficiência de Sua Palavra (Bíblia Shedd).

Literalmente “testar”, “tentar”, “provar”. Nesse caso, não tem o sentido moderno de incitar ao pecado. A mesma palavra é usada ao se referir ao ato de Deus de “provar” ou “testar” o ser humano, para desenvolver  seu caráter e fortalecer a fé e a lealdade a Ele (ver Gn 22:1; Êx 20:20; Dt 8:2, 16; Dn 1:14). … Em Massá, Israel reverteu o processo e de forma desafiadora pôs Deus á prova (Êx 17:2, 7). Quando Satanás desafiou Cristo a de jogar do pináculo do templo, Cristo citou Deuteronômio 6:16 (Mt 4:7). Se Cristo tivesse seguido a sugestão, teria demonstrado presunção em vez de fé. A presunção é a contrafação da fé (Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 1).

O tentaste em Massá Ver Êx. 17:1-7. Massá significa “Lugar de teste”. Aqui os israelitas testaram Deus no sentido negativo da ingratidão e rebeldemente questionaram se Ele estava ou não entre eles (Êx. 17:7), a despeito das miraculosas maneiras pelas quais Ele os tinha libertado. Por contraste, existe um modo positivo de testar o Senhor, experimento Suas promessas de bênção (Mal. 3:10; comparar com Sal. 34:8) (Andrews Study Bible).

19 todos os teus inimigos Isto é, todos os que se opunham à ocupação da terra prometida pelo povo de Israel. Com a persistente recusa em honrar o verdadeiro Deus, eles fizeram a si mesmos inimigos dEle, e por conseguinte os inimigos de Seu povo escolhido (Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 1).

20 quando teu filho te perguntar Ver Êx 13:14. Sempre foi o propósito de Deus que os pais assumissem a responsabilidade de instruir os filhos nos deveres para com Deus (Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 1).

que significam os testemunhos A Palavra de Deus é válida para cada geração. Nossa responsabilidade é compreender a Sua palavra para que possamos prestar adoração e serviço inteligente, a fim de transmitir a outros essa grande herança (Bíblia Shedd).

23 Dali nos tirou A libertação miraculosa do povo da escravidão literal deveria ser sempre lembrada como evidência do poder de Deus e das exigências que Ele faz. A libertação do Egito implica também libertação do pecado (ver Rm 6:12-23; 8:21) (Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 1).

24 Para o nosso perpétuo bem Tudo o que Deus requer do ser humano é para seu próprio bem. As restrições que impõe são uma proteção contra os perigos espirituais que podem não ser aparentes. Um pastor não constrói um redil ao redor das ovelhas para impedi-las de se divertirem com o lobo, mas sim para preservá-las (Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 1).

25 será por nós justiça Ver também 24:13. Aqueles que seguem os comandos de Deus estão corretos, sem medo de condenação (contrastar com 15:9; 24:15). Claro está, porém, que esta retidão não soluciona o problema de que todos nós pecamos (Rom. 3, especialmente v. 23) (Andrews Study Bible).

A lei desvenda o padrão de conduta que é justiça perante Deus. Justiça, heb tsdhaqah, é uma das palavras-chaves do Antigo Testamento. Significa tudo aquilo que é reto, justo e verdadeiro, resumindo num “juízo de justiça” (18.18) ou “num peso inteiro e justo” (22.15), cf. Pv 24.15; 25.5 (Bíblia Shedd).

Literalmente, “justiça será [creditada] a nós”. Isso sugere que a submissão à revelada vontade de Deus, com a força que Ele provê em Cristo (Rm 8:3, 4; Gl 2:20), é aceita como se a “justiça” fosse própria do ser humano. A justificação se dá somente pela fé (Rm 5.1), mas “a fé sem obras é inoperante” [ou: apenas uma “crença abstrata”, cf. prof. Wilson Endruveit] (Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 1).



DEUTERONÔMIO 6 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
20 de março de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: