Reavivados por Sua Palavra


Números 17 – Comentado por Rosana Barros
27 de maio de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“O bordão do homem que Eu escolher, esse florescerá; assim, farei cessar de sobre Mim as murmurações que os filhos de Israel proferem contra vós” (v.5).

Além da liderança de Moisés, o sacerdócio de Arão também foi posto em dúvida pelos filhos de Israel. Cada tribo reivindicava como seu o direito da eleição divina. Fomentando inveja, discórdia e ruins suspeitas, alegavam não haver democracia. A notícia de que tal geração não entraria na terra prometida provocou-lhes grande tensão e anseio por um líder que os conduzisse para onde desejavam ir. A liderança de Moisés já havia sido confirmada. Precisavam também de uma prova inequívoca da vocação dada a Arão e sua linhagem como detentores do ofício sacerdotal.

Aos filhos de Israel foi dada a ordem de separar um bordão sobre o qual estaria o nome do cabeça de cada tribo, ao todo, “doze bordões” (v.2). Esses bordões seriam colocados no santuário, diante do Testemunho, ou seja, diante da arca da aliança. A vara de madeira sem vida do homem a quem Deus havia escolhido como líder de Seu tabernáculo floresceria, cessando então as murmurações quanto à eleição sacerdotal. Assim aconteceu e “Moisés pôs estes bordões perante o Senhor, na tenda do Testemunho” (v.7). “No dia seguinte, Moisés entrou na tenda do Testemunho, e eis que o bordão de Arão, pela casa de Levi, brotara, e, tendo inchado os gomos, produzira flores, e dava amêndoas” (v.8).

A eleição divina não é regida pelos padrões humanos. Deus não escolhe por partidarismo ou grau de excelência. O Pai olha do Céu para aqueles cujos corações anseiam por uma experiência real com Ele. Aqueles pelos quais Cristo orou: “É por eles que Eu rogo; não pelo mundo, mas por aqueles que são Teus” (Jo.17:9). Estes são “o bom perfume de Cristo” (2Co.2:15), produzindo muito fruto. Em sua vida e obras não procuram revelar justiça própria, mas, cheios do Espírito Santo, são verdadeiras testemunhas do poder transformador do evangelho.

Deus apela ao Seu povo, povo peculiar, separado para uma obra que excede em poder e luz a todas que já foram dadas ao homem realizar, que desperte para a solenidade do tempo que se chama hoje. Hoje, e não amanhã; hoje, e não em datas especiais ou imaginárias, somos chamados a perfumar o mundo com as boas-novas da salvação e recolher os frutos de nossa lida nesta terra. Muitos têm questionado: “acaso expiraremos todos?” (v.13). Cristo voltará em nossa geração, ou ainda haverá outra? Creio não ser esta a indagação correta a ser feita, e sim: Acaso estamos prontos? Faremos o que estiver ao nosso alcance para que esta seja a última geração da Terra?

A atenção de Deus está voltada para todo aquele que O tem buscado com inteireza de coração. De todas as nações da Terra, Ele ouve corações a suplicar por auxílio e a quedar-se em humilhação e genuíno arrependimento. Há uma obra a ser realizada a título de urgência e poucos são os que estendem suas mãos em clamor por mais poder. A porção adicional de azeite aguarda somente o pedido daqueles que farão dela o combustível eficiente para o avanço da última grande obra. Não desanimemos, amados! Mas também não abandonemos a nossa torre de vigia. Vigiai e orai! Eis qual deve ser o nosso constante esforço. Olhemos para além do véu, de onde Cristo ministra a nosso favor. Avancemos confiantes de que Ele estará conosco “todos os dias, até à consumação do século” (Mt.28:20).

Perseveremos em pedir pelo Espírito Santo e Ele continuará convertendo os nossos caminhos em trajeto santo e agradável a Deus, cheio de flores e frutos para a Sua eterna glória. Vigiemos e oremos!

Bom dia, bom perfume de Cristo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Números17 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



Números 16 – Comentado por Rosana Barros
26 de maio de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“E disse à congregação: Desviai-vos, peço-vos, das tendas destes homens perversos e não toqueis nada do que é seu, para que não sejais arrebatados em todos os seus pecados” (v.26).

A incredulidade de Israel frente ao relatório pessimista dos dez espias lhe causou a danosa consequência de uma quarentena no deserto. Inconformados com o resultado de sua rebelião, Corá, Datã e Abirão, com mais duzentos e cinquenta “varões de renome” (v.2) do povo, “se ajuntaram contra Moisés e contra Arão” (v.3). Não aceitavam a sentença divina e lançaram sobre seus líderes o pesado fardo da culpa. Pensavam poder assumir a liderança e ainda julgavam ser isto a coisa certa a se fazer. Uma falsa segurança tomou conta de seus corações endurecidos e, por serem a maioria e a nata da nação, consideraram aquele protesto como o primeiro passo de sua vitória rumo à terra prometida.

Ao mandar chamar Datã e Abirão, Moisés recebeu uma resposta ousada e rebelde, a confirmação de que seriam sempre um estorvo à sua liderança. Pela primeira vez, a Escritura relata uma atitude inversa ao seu caráter manso: “Moisés irou-se muito” (v.15). O grande líder, porém, não ousou usar de sua ira para ferir seus inimigos, confiando na justiça divina. Em contrapartida, ostentando espírito de liderança e exibindo sua predileção entre o povo, “Corá fez ajuntar contra eles [Moisés e Arão] todo o povo à porta da tenda da congregação” (v.19). Todos contra dois. Este foi o resultado da sedição causada pelos príncipes do povo.

Imaginem o que não sentiu Moisés ao contemplar todo Israel contra ele. O mesmo Moisés que deixou a sua pacata vida de pastor de ovelhas para liderar milhares de milhares pelo deserto; o mesmo que, diante da ira de Deus, ofereceu a sua salvação a fim de poupar a vida do povo. Novamente, Deus ameaçou destruir os filhos de Israel. Mas aqueles que tinham o espírito de verdadeiros líderes intercederam por seus irmãos. E diante da ordem do Senhor, os agitadores que antes atraíram milhares para junto de si, viram todo o povo afastar-se deles como quem fugia de leprosos. Sua ambição, egoísmo e rebeldia havia contaminado suas famílias e os levou, a todos, à mesma condenação.

Da mesma sorte, “no dia seguinte”, um novo tumulto se instalou e “toda a congregação dos filhos de Israel murmurou contra Moisés e contra Arão” (v.41). A morte daquelas famílias foi colocada na conta deles: “Vós matastes o povo do Senhor” (v.41). Não bastasse a tragédia do dia anterior, Israel suscitou algo pior, dando início a uma corrida contra o tempo a fim de cessar a praga do meio do arraial. Após correr “ao meio da congregação” e fazer expiação por ela (v.47), Arão se colocou “em pé entre os mortos e os vivos; e cessou a praga” (v.48). A mortandade naquele dia foi de “catorze mil e setecentos, fora os que morreram por causa de Corá” (v.49).

Foi por meio de uma rebelião que Lúcifer iniciou sua obra no Céu, enganando terça parte dos anjos. E será por meio de uma rebelião que cumprirá seu portento, “para enganar, se possível, os próprios eleitos” (Mt.24:24). Instalado o tumulto nas esferas moral e espiritual, Satanás tem instigado uma atitude de rebeldia, mesmo entre o professo povo de Deus. Notem que a rebelião inicial de Corá envolvia homens de influência, homens eleitos pela própria nação para serem seus príncipes. Entretanto, Deus desaprovou a conduta e as intenções de todos eles. Nenhum deles escapou do juízo divino.

A nossa confiança deve estar depositada em Deus e em Sua Palavra. Moisés e Arão eram depositários do claro e fiel “assim diz o Senhor”, e semelhante à sua experiência, os fiéis servos de Deus dos últimos dias têm sofrido a indiferença e perseguição daqueles que não têm o temor do Senhor. O apóstolo Paulo já nos alertou quanto a isto: “Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos” (2Tm.3:12). E quanto mais o tempo passa, mais difícil tem sido e mais evidente fica de que não precisamos ir tão longe para sofrer por causa da nossa fé.

A rebelião de Corá, Datã e Abirão permanece infiltrada na igreja como um veneno letal contra os que agem no mesmo espírito. Envenenam o corpo de Cristo, a si mesmos e suas famílias. À cada manifestação de desobediência obstinada, tomam uma leve dose do mal que os destruirá caso não mudem de atitude. Infiltrados entre o trigo, muitas vezes não podem ser discernidos, mas perto está o dia em que chegará “a hora de ceifar, visto que a seara da terra já amadureceu” (Ap.14:15). E semelhante aos duzentos e cinquenta príncipes de Israel, será a sorte de quem não se arrepender (v.35).

A maravilhosa graça de Cristo ainda está à nossa disposição. Ele tem intercedido por nós, junto ao Pai, constante e incansavelmente. A praga do pecado tem ceifado a vida de milhares todos os dias. Mas o grande Dia do Senhor se aproxima quando, finalmente, o nosso Intercessor irá declarar: “cessou a praga” (v.50). Não devemos perder tempo com discussões que não edificam, mas seguir o exemplo de Moisés e Arão, que intercediam pelo povo e confiavam no agir de Deus. Disto depende a nossa salvação, da nossa casa e de muitos que esperam ver Jesus em nós. Vigiemos e oremos!

Bom dia, salvos pela maravilhosa graça de Cristo Jesus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Números16 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



Números 15 – Comentado por Rosana Barros
25 de maio de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Eu sou o Senhor, vosso Deus, que vos tirei da terra do Egito, para vos ser por Deus. Eu sou o Senhor, vosso Deus” (v.41).

Em cada registro sobre as ofertas que deveriam ser dadas ao Senhor, há uma nova descoberta, uma nova percepção acerca dos propósitos divinos. Além de usar do método de repetição a fim de impactar a mente humana com as coisas sagradas, Deus também acrescenta novas informações que ampliam nossos horizontes para a compreensão de verdades e princípios eternos. Não era desejo do Senhor que Israel tomasse apenas para si o privilégio de tê-Lo como Deus, mas que fosse uma nação receptiva a todo o estrangeiro que quisesse conhecer e servir ao único Deus verdadeiro: “como vós, assim será o estrangeiro perante o Senhor” (v.15).

As mesmas leis, os mesmos ritos cerimoniais deveriam ser observados pelos naturais e estrangeiros. Todos eram iguais perante o Senhor. E se todos, por ignorância, errassem e não cumprissem “todos estes mandamentos” (v.22), tinham de assumir o erro levando uma oferta pelo pecado e “um novilho, para holocausto” (v.24). O sacerdote faria expiação por toda a congregação e seriam perdoados. O mesmo critério era usado de forma individual, tanto para o natural quanto para o estrangeiro. A pessoa, porém, que fizesse “alguma coisa atrevidamente” (v.30), injuriando ao Senhor e desprezando a Sua Palavra, seria eliminada do meio do povo e levaria sobre si a sua iniquidade.

Antes mesmo de proferir os dez mandamentos no monte Sinai, o Senhor provou o Seu povo quanto à observância do sábado. O quarto mandamento já inicia declarando a sua pré-existência: “Lembra-te do dia de sábado para o santificar” (Êx.20:8). Ao recolherem o maná em dobro na sexta-feira, estavam lançando um firme alicerce espiritual de confiança na provisão de Deus. A morte do homem que colheu lenha no sábado não foi um ato sanguinário e cruel de um Deus tirano, não tinha o objetivo de vingança. Também não foi um pecado por ignorância, mas, o Senhor que sonda os corações sabia que, atrevidamente, o homem havia desprezado o mandamento, assumindo a fatal consequência de seu pecado: “porque o salário do pecado é a morte” (Rm.6:23).

As borlas eram franjas na parte inferior das vestes e serviam como um símbolo, uma lembrança dos mandamentos do Senhor. Foi na borla da veste de Cristo que a mulher com o fluxo de sangue tocou e foi curada (Lc.8:44). Até mesmo na vestimenta, Israel deveria reproduzir a vontade de Deus. Ao contrário do que o mundo tem pregado, o Senhor nos diz: “não seguireis os desejos do vosso coração, nem dos vossos olhos, após os quais andais adulterando” (v.39). O mundo está sendo tomado por um cristianismo emocional sustentado pelo fundamento arenoso e instável da vontade humana. O princípio estabelecido por Deus em Sua Palavra de que todos devem participar da verdadeira adoração não inclui, em parte alguma, o desejo do coração humano. Aquele que detalhadamente definiu como deveria ser adorado pelo antigo Israel é O mesmo que concedeu à Sua igreja militante o conhecimento profético para os últimos dias.

Segundo Ellen White, o mesmo princípio é aplicado na igreja de Deus, hoje. Ela escreveu:

“A igreja é o instrumento de Deus para a proclamação da verdade, por Ele dotada de poder para fazer uma obra especial; e se ela for leal ao Senhor, obediente a todos os Seus mandamentos, nela habitará a excelência da graça divina. Se for fiel a sua missão, se honrar ao Senhor Deus de Israel, não haverá poder capaz de a ela se opor” (Minha Consagração Hoje, CPB, p.249).

Para cada indivíduo há um chamado. Para cada embaixador de Deus na Terra há um ou mais dons a serem multiplicados. Mães, assumi vossa sagrada obra; vasculhai os Testemunhos como em busca de um tesouro perdido; praticai os ensinos ali contidos na certeza de que o Senhor lutará por vós e salvará os teus filhos (Is.49:25). Pais, há uma vasta coleção de conhecimento à vossa disposição; tendes uma grandiosa obra a executar como sacerdotes do lar; desviai-vos do exemplo de Eli (1Sm.2:29). Filhos, vosso dever constitui em honrar a Deus e a sua família; procurai dominar vossas paixões buscando ao Senhor como Daniel, que três vezes ao dia punha-se de joelhos em meio à ímpia Babilônia (Dn.6:10); procurai fugir das tentações à semelhança de José, que fugiu da oferta sensual da mulher de Potifar (Gn.39:12). Depositemos, hoje, a nossa vida no altar do Senhor!

Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus” (1Co.10:31). Vigiemos e oremos!

Bom dia, santos do Altíssimo!

* Oremos pelo batismo do Espírito Santo. Oremos uns pelos outros.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Números15 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



Números 14 – Comentado por Rosana Barros
24 de maio de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“O Senhor é longânimo e grande em misericórdia, que perdoa a iniquidade e a transgressão, ainda que não inocenta o culpado, e visita a iniquidade dos pais nos filhos até à terceira e quarta gerações” (v.18).

A incredulidade tomou conta de todo o acampamento. Decididos a retornar ao Egito sob as ordens de um novo capitão, os filhos de Israel lançaram mão de pedras com o objetivo de dar fim a Moisés, Arão e aos dois espias que ameaçavam os seus planos. O Senhor, no entanto, Se manifestou em defesa de Seus servos e para declarar o veredito contra a nação que O afrontou. De Moisés, Deus suscitaria um “povo maior e mais forte” (v.12), concedendo à sua descendência a herança que Israel havia desprezado. A reação do provado líder, porém, manifestou a misericórdia e o amor do Oleiro em seu caráter. Intercedendo pelo povo, rogou ao Senhor que o perdoasse mais esta vez.

O perdão não anula a justiça divina. A respeito daquele grande pecado, o Senhor disse: “Eu lhe perdoei” (v.20), mas não poderia permitir que fossem ocultas as consequências da iniquidade. Os que desprezaram o “assim diz o Senhor” para seguir palavras humanas não entrariam na terra prometida. No entanto, Calebe e Josué entrariam na terra que espiaram e a sua descendência a possuiria, “visto que [neles] houve outro espírito, e [perseveraram] em” seguir ao Senhor (v.24). E ao povo foi dada a ordem de mudar de rumo e caminhar “para o deserto, pelo caminho do mar Vermelho” (v.25). Ou seja, ao invés de avançar, Israel deveria regressar. Iniciava ali a jornada de quarenta anos que deixaria para trás uma geração rebelde e suscitaria uma geração que tomaria posse da promessa: “Mas os vossos filhos[…] farei entrar nela; e eles conhecerão a terra que vós desprezastes” (v.31).

Uma grande confusão se instalou em Israel ao contemplarem a morte dos dez espias “que infamaram a terra” (v.37). Percebendo a gravidade da situação e a seriedade das palavras divinas ditas por Moisés, “levantaram-se pela manhã de madrugada e subiram ao cimo do monte, dizendo: Eis-nos aqui e subiremos ao lugar que o Senhor tem prometido, porquanto havemos pecado” (v.40). A este despertamento atrasado, contudo, veio a perturbadora resposta: “Não subais, pois o Senhor não estará no meio de vós, para que não sejais feridos diante dos vossos inimigos” (v.42). Mais uma vez Israel não deu ouvidos ao profeta de Deus. E com que angústia de alma padeceu Moisés ao ver a teimosia de um povo retornando ferido e derrotado! Com que agonia viveu o restante de sua peregrinação sabendo que todo aquele povo, fora Calebe e Josué, seria consumido no deserto e ali seria sepultado!

Amados, cada cena da jornada de Israel é um chamado de Deus para que o Seu povo desperte para o tempo de sua peregrinação. À semelhança de Israel, estamos às portas do cumprimento da derradeira promessa. Como Josué e Calebe, Deus tem um remanescente fiel sendo enviado ao mundo tendo nos lábios e no coração o último clamor. Homens e mulheres que têm sido desprezados e até mesmo ameaçados pelos impenitentes, mas acolhidos e levados a sério pelos pequeninos e humildes de coração. Em tom de maior urgência, o Senhor declara, hoje: “Até quando Me provocará este povo e até quando não crerá em Mim, a despeito de todos os sinais que fiz no meio dele?” (v.11).

Prestes a cruzar a linha de chegada, às vésperas de encerrarmos a nossa carreira, em tempo de solene advertência, precisamos de olhos e ouvidos espirituais, para como Josué e Calebe, manter firme a nossa fé nAquele que jamais deixa de cumprir as Suas promessas. Milhares têm aderido à mesma ideia do antigo Israel: “Levantemos um capitão e voltemos para o Egito” (v.4), e sob a bandeira de um falível mortal, desprezam a bandeira vitoriosa do Príncipe Emanuel. Mas o período de graça, que se apressa para o seu limite, não postergará o tempo determinado para o seu fim e, amedrontados pela ruína daqueles que antes seguiram como seus mentores em lugar do que está escrito, passarão por um falso despertamento que resultará em frustração e completa derrota.

Se Israel houvesse aceitado a disciplina e a correção do Senhor como oportunidades de crescimento e aperfeiçoamento do caráter, jamais teria escolhido o lado pessimista dos dez espias. Como temos encarado as provas que enfrentamos? Não pense ninguém que o Senhor poupará alguma iniquidade em Seu juízo final. Ele está separando a escória do ouro e o joio do trigo. Despertemos para “o tempo sobremodo oportuno, eis, agora, o dia da salvação” (2Co.6:2)! A igreja de Deus está sendo sacudida. E o Espírito Santo está selando os últimos “Josués” e “Calebes”, “que suspiram e gemem por causa de todas as abominações que se cometem no meio dela” (Ez.9:4). Enquanto isso, como Israel subiu ao monte a fim de tentar reaver o tempo de oportunidade desperdiçado, se apressa o tempo em que os que rejeitaram a verdade “andarão de mar a mar e do Norte até ao Oriente; correrão por toda parte, procurando a Palavra do Senhor, e não a acharão” (Am.8:12).

Prepara-te, Israel de Deus! “Está perto o grande Dia do Senhor; está perto e muito se apressa. Atenção!” (Sf.1:14). Vigiemos e oremos!

Bom dia, “Josués” e “Calebes” dos últimos dias!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Números13 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



Números 13 – Comentado por Rosana Barros
23 de maio de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Então, Calebe fez calar o povo perante Moisés e disse: Eia! Subamos e possuamos a terra, porque, certamente, prevaleceremos contra ela” (v.30).

Os filhos de Israel finalmente estavam chegando às portas da terra prometida. Todo o sofrimento passado recebeu uma dose de doce alívio ao avistarem os doze príncipes de Israel a caminho da missão de espiar a terra. Grande era a expectativa do povo. Como seria, afinal, a terra da liberdade? Teria lugar suficiente para todos? “Vede a terra” (v.18), foi a ordem inicial de Moisés para os doze espias, a fim de que capturassem todas as informações possíveis. “Tende ânimo” (v.20) foi a sua ordem final, para que independente do que vissem, permanecessem confiantes no poder de Deus.

Aqueles homens “subiram e espiaram a terra” (v.21). Eles viram uma terra com dimensões a perder de vista, montanhas verdejantes e campos e mais campos de cujo solo brotava as riquezas da flora local. Viram também os moradores que exibiam o vigor da saúde e a estatura semelhante a de nossos primeiros pais. Era, sem dúvida alguma, um lugar de tirar o fôlego, principalmente, da ótica de quem havia saído do cativeiro para o deserto. E, carregando um único cacho de uvas sob os ombros de dois deles, retornaram com seus corações em polvorosa, descartando por completo a possibilidade de Israel conquistar aquele lugar.

Dois deles, no entanto, Calebe e Oseias, a quem “Moisés chamou Josué” (v.16), tendo as manifestações de Deus e Seu cuidado constante para com Israel bem fixos na mente, estavam dispostos a enfrentar e contra-argumentar o pessimismo de seus demais companheiros. “Ao cabo de quarenta dias” (v.25) eles retornaram ao acampamento. Dez dos espias iniciaram o seu discurso, a princípio, com inegáveis indícios da realidade de que verdadeiramente era uma terra que manava “leite e mel” (v.27). Isto eles não podiam negar. Contudo, a continuação de suas notícias começa a mudar a feição dos filhos de Israel; em questão de segundos, eles passaram da alegria para o medo. Percebendo o resultado do “noticiário” daqueles príncipes, Calebe “fez calar” (v.30) a todos, e a plenos pulmões gritou o brado da vitória: “Eia! Subamos e possuamos a terra, porque, certamente, prevaleceremos contra ela” (v.30).

Diante de dez reclamações e duas defesas, Moisés estava diante da maior sedição que haveria em Israel, superando até mesmo a idolatria no Sinai. Aquela geração selaria o seu destino final como errantes pelo deserto. Um dia, Deus enviou a este mundo o Seu Filho unigênito. Jesus nasceu, viveu e morreu para que você e eu fôssemos libertos do cativeiro do pecado e para que, muito em breve, possamos passar do deserto desta vida para o gozo da Terra que Ele prometeu nos preparar (Leia Jo.14:1-3). O antigo Israel estava prestes a provar o antegozo da eternidade. Estava às vésperas de entrar no lugar que poderiam chamar de lar. Mas escolhendo dar ouvidos às palavras de depreciação e dúvida acerca das promessas divinas, toda uma geração cairia no deserto sem avançar um passo sequer em direção à Canaã.

O apóstolo Pedro nos advertiu de que, nos últimos dias, surgiriam muitos “escarnecedores com os seus escárnios, andando segundo as próprias paixões e dizendo: Onde está a promessa da Sua vinda? Porque, desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação” (2Pe.3:3-4). Estamos, amados, buscando com súplicas a força, a resistência e a fé de Josué e Calebe? Eu não sei vocês, mas eu estou cansada, irmãos! Sinto a minha fragilidade aflorar a cada passo que dou neste mundo escuro. Percebo que o grande conflito está sendo decidido em cada coração. Um Armagedom individual está acontecendo na minha e na sua vida. E de que lado nós estamos? Daqueles que desistem porque julgam difícil alcançar a promessa? Que olham para as dificuldades esquecendo-se do poder de Deus? Ou daqueles que confiam nos méritos de Quem conquistou a nossa vitória na cruz do Calvário?

Seja esta a minha e a sua oração:
Ó, Deus Todo-Poderoso, nestes momentos finais que antecedem a nossa entrada no Lar eterno, reveste-nos com a Tua armadura e faz-nos Calebes atuais, que farão soar a todas as nações da Terra o último brado da vitória! Te oramos, em nome de Cristo Jesus, Amém!

Eis a resposta de Jesus neste tempo tão difícil:
A Minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza” (2Co.12:9). Vigiemos e oremos!

Bom dia, aperfeiçoados no poder de Deus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Números13 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



Números 12 – Comentado por Rosana Barros
22 de maio de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Era o varão Moisés mui manso, mais do que todos os homens que havia sobre a terra” (v.3).

De todas as virtudes do Espírito Santo, a mansidão ganhou destaque na vida de Moisés. Uma prova inequívoca da transformação realizada por Deus em sua vida. Aquele que matou um egípcio e o enterrou na areia, e que enxotou sozinho os algozes das filhas de Jetro, mostrou que a influência de uma real comunhão com Deus produz o divino fruto no caráter. Moisés tornou-se, portanto, um padrão de mansidão. Seu tato para com o povo era sempre pacífico e suas palavras, ainda que por vezes de advertência, eram carregadas de uma santa paz. A atmosfera que o cercava promovia um respeitoso temor entre o povo e ninguém ousava duvidar de sua eleição divina. Ninguém, não fosse a inveja e a cobiça de seus próprios irmãos.

Escolhido como chefe espiritual da nação, sumo sacerdote do templo de Deus, Arão era responsável por reger as atividades no santuário. E, juntamente com Miriã, viram em Zípora, mulher de Moisés, a desculpa para alimentar seus amargos sentimentos. A liderança mosaica despertou neles a insatisfação de terem que submeter-se a seu irmão mais novo. É provável que Miriã tenha sido a parte que instigou a dúvida e semeou a intriga no coração de Arão. O castigo que lhe foi aplicado deixa isto evidente.

Além de enfrentar, todos os dias, os ânimos acalorados do povo, Moisés teve de lidar com a sedição de seus próprios irmãos. Instigado por Miriã, Arão poderia ter resistido às suas ruins suspeitas, mas, semelhante à sua fraqueza ao confeccionar o bezerro de ouro, permitiu ser novamente influenciado. Convocados pelo Senhor para um encontro particular, os três irmãos foram à tenda da congregação. Primeiro, Deus separou Moisés de seus irmãos, chamando apenas Arão e Miriã para que se apresentassem diante dEle. O sofrido líder foi ali poupado da conversa que resultou na lepra de sua irmã.

A respeito do protesto dos irmãos, “o Senhor o ouviu” (v.2). Nada há encoberto que o Senhor não tenha conhecimento. Antes mesmo que aquele comentário inicialmente tímido se revertesse em mais um fardo sobre Moisés, e resultados desastrosos sobre os próprios envolvidos, Deus cuidou de cortar o mal pela raiz. Moisés não era somente um profeta, mas um amigo do Senhor. “Boca a boca” (v.8) e face a face conversava com Deus. Arão e Miriã sentiram suas faces empalidecerem diante do questionamento divino: “como, pois, não temestes falar contra o Meu servo, contra Moisés?” (v.8). E, diante da praga instantânea de Miriã, rogando a Moisés que intercedesse a favor dela, Arão só pôde concluir: “loucamente procedemos e pecamos” (v.11).

Sutilmente, o inimigo lança mão de seus agentes humanos para instigar a inveja, a intriga e a fofoca. Diálogos duvidosos, conversas influenciadoras e comentários maldosos dão o start na contenda entre irmãos. Eis um problema que não escolhe classe social, grau de parentesco ou idade. Basta haver duas pessoas unidas na mesma disposição de criticar alguém que rapidamente é submetido a “júri popular”. Este tem sido um dos principais agravantes da queda espiritual na igreja de Deus, uma das estratégias mais eficazes de Satanás. E enquanto ele distrai o professo povo de Deus em conflitos internos, há multidões perecendo famintas da Palavra e do amor de Cristo através daqueles que, qual Moisés, deveriam refletir o caráter divino.

Há um mundo que geme com grandes dores espirituais, físicas e emocionais. Perderemos tempo e colocaremos em risco a nossa salvação e de outros para reclamar posições e direitos que não nos pertencem? Gastaremos os instantes finais que ainda temos alimentando a nossa natureza carnal? Ou, como Moisés, nos submeteremos à influência do Espírito Santo a nos moldar o caráter para a glória de Deus? Oh, amados, a maledicência é uma lepra cujas chagas consomem a alma, condenando-a à ruína eterna!

Ó Deus, rogo-Te” (v.13), que o Senhor cure o Teu povo desta praga maldita e o recolha de volta ao Teu aprisco como povo purificado e “mui manso” (v.3)! Em nome de Cristo Jesus, Amém!

Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra” (Mt.5:5). Vigiemos e oremos!

Feliz semana, mansos do Senhor!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Números12 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



Números 11 – Comentado por Rosana Barros
21 de maio de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Porém Moisés lhe disse: Tens tu ciúmes por mim? Tomara todo o povo do Senhor fosse profeta, que o Senhor lhes desse o Seu Espírito!” (v.29).

Vivendo como peregrinos no deserto, os filhos de Israel enfrentavam muitas privações, mas o cuidado e o zelo do Senhor para com eles não lhes deixava faltar nada quanto às suas necessidades básicas. A água da rocha e o maná eram uma prévia da fartura que encontrariam em Canaã e deveriam ser motivo de grande gratidão. Acostumados, porém, com os alimentos do Egito, permitiram que seus desejos os dominassem a ponto de assumirem uma atitude de queixa e murmuração. Atitude incitada pelo “populacho” (v.4), o povo híbrido, que ficava nas extremidades do acampamento. O apetite dominou a razão, acendendo-se assim a ira de Deus como fogo consumidor. Então Moisés orou pelo povo e “o fogo se apagou” (v.2).

Em frente à tenda de Moisés, família após família apresentava a sua queixa e, com lágrimas, expressava o seu desejo pelos alimentos da terra do exílio. Vendo Moisés que novamente a ira de Deus se havia acendido contra o povo, com o coração quebrantado, depôs diante do Senhor o seu pesado fardo. O grande líder reconheceu a sua impotência diante da obra de guiar pelo deserto um povo tão obstinado e rebelde, que conservava no coração as coisas do Egito. Pedindo a morte, Moisés demonstrou um alto grau de sofrimento emocional, pensando ser esta a solução para a sua profunda angústia.

A resposta divina veio em forma de setenta homens designados para auxiliar o grande líder, dividindo com ele as agruras do deserto. Disse o Senhor a Moisés: “tirarei do Espírito que está sobre ti e o porei sobre eles” (v.17). No tempo determinado, “o Espírito repousou sobre eles, [e] profetizaram” (v.25). Dois deles, porém, Eldade e Medade, não foram à tenda da congregação como dito pelo Senhor. Porém, o mesmo Espírito foi derramado sobre eles, de modo que profetizavam no arraial. Josué, “servidor de Moisés” (v.28), entendeu que a atitude daqueles dois era uma espécie de ameaça à liderança de Moisés. Este, no entanto, demonstrou genuíno interesse em que todo o povo pudesse experimentar da suave e confortante companhia do Espírito Santo.

Quando o apetite e as paixões carnais assumem o controle da mente humana, o homem fica limitado a enxergar tão somente o corruptível. Furtado o coração pela cobiça, tornam-se irracionais as suas ambições, frustradas as suas aspirações, entrando em um processo de constante insatisfação. O insuperável Educador utiliza Seus métodos de ensino conforme a necessidade de Seus aprendizes. Contornando o arraial de codornizes, o Senhor não exagerou em Sua provisão, mas deu ao povo exatamente na medida que desejavam. Através de sua glutonaria, Israel experimentou os resultados de permitir que a vontade própria assuma o lugar da “boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Rm.12:2).

Assim como Moisés desejou que o Espírito Santo fosse derramado sobre todo o povo, o Senhor deseja derramar o Seu Espírito “sobre toda carne” (Jl.2:28). Mas como apenas setenta homens dentre os filhos de Israel estavam prontos para recebê-Lo, assim também, hoje, poucos têm se preparado para receber a chuva serôdia. Desde o princípio, Satanás tem usado o apetite para desvirtuar o homem da vontade de Deus. Ele bem sabe a intrínseca relação que há entre o corpo e a mente, e é especialista em induzir dietas que promovam o vício, a doença e o bloqueio da razão para a clara compreensão do “assim diz o Senhor”. Há luz suficiente para que não sejamos alvos desta estratégia maligna. Temos aceitado e praticado a luz que nos foi dada?

Não há ruptura entre mente, corpo e espírito. O homem é um ser holístico, e como tal precisa buscar a nutrição ideal de cada aspecto de sua vida. É um processo que requer renúncia, paciência, confiança na provisão divina e completa dependência de Deus. E eu encerro hoje com a advertência de parte da luz que nos foi dada, através de Ellen White:

“Meu irmão e minha irmã, tendes uma obra a fazer que ninguém pode fazer por vós. Despertai de vossa letargia, e Cristo vos dará vida. Mudai vosso modo de viver, de comer e de beber, e vosso sistema de trabalho. Enquanto continuardes no caminho que tendes seguido por anos, não podereis discernir com clareza coisas eternas e sagradas. Vossas sensibilidades estão embotadas, e vosso intelecto obscurecido. Não tendes estado a crescer em graça e no conhecimento da verdade como é vosso privilégio. Não tendes crescido em espírito, mas aumentado em trevas” (Conselhos Sobre o Regime Alimentar, p.45).

Vigiemos e oremos!

Feliz sábado, cheios do Espírito Santo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Números11 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



Números 10 – Comentado por Rosana Barros
20 de maio de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Se vieres conosco, far-te-emos o mesmo bem que o Senhor a nós nos fizer” (v.32).

Ao som de um único instrumento, todo o povo compreendia a mensagem a ser transmitida. Em suas celebrações, assembleias solenes, preparação para marchar, ou até mesmo para a guerra, havia um sonido certo de trombeta. Na devida ordem, cada lado do acampamento entendia que havia chegado a sua vez de partir. Não havia desculpas para o descaso, pois todo o Israel sabia discernir a mensagem que cada toque deveria transmitir. De todos os toques, o toque a rebate era uma espécie de alarme. Era um prenúncio de que algo estava para acontecer, geralmente, alertando-os de algum confronto inimigo.

Antes de Israel iniciar as suas peregrinações no deserto, “jornada após jornada” (v.12), ainda estava na companhia de Moisés o seu cunhado, Hobabe. Vendo que este pretendia voltar à sua terra, Moisés rogou que ele permanecesse com eles e participasse das bênçãos que o Senhor daria a Seu povo Israel. Certamente, o líder de Israel reconheceu em Hobabe a experiência de quem sabia como sobreviver no deserto, além da afeição que lhe tinha. Podemos dizer que Hobabe representa aqueles que estão sendo convidados a fazer parte do povo de Deus e que estão recebendo a solene advertência: “Retirai-vos dela, povo Meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos” (Ap.18:4).

A trombeta é um instrumento apocalíptico que vem anunciando ao mundo, ao longo da história, de que o fim aproxima-se de seu cumprimento. As sete trombetas que o apóstolo de Patmos viu na mão dos sete anjos (Ap.8:2), estavam para ser tocadas, e cada uma representa um tempo profético na história da humanidade. Segundo a profecia bíblica, a sexta e penúltima trombeta anuncia um desastre sem precedentes. Momentos calamitosos que antecedem o soar da última trombeta. Mas que, apesar de ser um sonido de juízo sobre a Terra, os homens não se arrependeram de suas obras más, permanecendo em sua idolatria, assassínios, feitiçarias, prostituição e furtos (Ap.9:20-21).

Diante de um quadro tão desanimador às vésperas de soar a sétima trombeta, porém, João viu outro anjo forte que anunciou o surgimento de um povo através do estudo de um “livrinho” (o livro de Daniel), mas que qual foi com João, doce à boca e amargo ao estômago, sofreria um grande desapontamento com a mensagem que antes lhes havia causado grande alegria (Ap.10:1-11). Os mileritas acreditavam que o fim do período anunciado pelo profeta Daniel, das “duas mil e trezentas tardes e manhãs” (Dn.8:14), culminaria no retorno de Cristo à Terra, quando, na verdade, era o princípio do juízo investigativo no Céu. Jesus passou do lugar Santo para o lugar Santíssimo do santuário celeste, e esta fase de Seu ministério começaria pelos de casa (Ap.11:1-2; 1Pe.4:17).

Um pequeno grupo de crentes, ainda que decepcionados pelo terrível desapontamento, acreditaram que o Senhor tinha algo a lhes falar através daquela prova. Descobriram, então, que aquela data de 22 de outubro de 1844 não era o fim, mas o começo do fim. Pois “é necessário que ainda profetizes a respeito de muitos povos, nações, línguas e reis” (Ap.10:11). Nascia a partir dali, uma igreja profética com a missão de pregar o “evangelho eterno[…] aos que se assentam sobre a terra, e a cada nação, e tribo, e língua, e povo” (Ap.14:6); um atalaia de Deus a fim de dar ao mundo o sonido certo da trombeta. De chamar os servos do Senhor que ainda se encontram em Babilônia para participar junto conosco da grande ceia do Senhor, das “boas coisas” (v.29) que Ele prometeu ao Seu povo.

Levanta-Te, Senhor” (v.35), tem sido o clamor daqueles que peregrinam pelo deserto deste mundo e percebem a brevidade dos tempos. Há um inimigo cruel e desleal no encalço dos filhos do Reino e que tem agido apressadamente, “sabendo que pouco tempo lhe resta” (Ap.12:12). É tempo de consagrar-se ao Senhor e revestir-se de toda a Sua armadura, “para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo” (Ef.6:11). O Espírito Santo está recrutando os últimos escolhidos de todas as nações. Como Moisés, precisamos chamar nossos amigos e familiares que ainda se encontram em zona de risco. A última trombeta está para ser tocada. Não há tempo a perder. Que a nossa vida, nas mãos do Senhor, seja um instrumento de salvação a Seu comando e que, de nosso coração, saia o constante e urgente clamor: “Volta, ó Senhor, para os milhares de milhares de Israel” (v.36).

Amém! Vem, Senhor Jesus!” (Ap.22:20). Vigiemos e oremos!

Bom dia, Israel de Deus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Números10 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



Números 09 – Comentado por Rosana Barros
19 de maio de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Segundo o mandado do Senhor, se acampavam e, segundo o mandado do Senhor, se punham em marcha; cumpriam o seu dever para com o Senhor, segundo a ordem do Senhor por intermédio de Moisés” (v.23).

As festas cerimoniais que compunham o calendário de Israel eram celebradas em datas fixas, instituídas pelo próprio Deus. E a festa inaugural era a Páscoa. No tempo determinado, os filhos de Israel deveriam rememorar a noite em que o Senhor livrou os primogênitos do Seu povo e o libertou do cativeiro egípcio. A Páscoa era um símbolo de remissão e libertação; uma data para ser observada em família e um privilégio concedido a naturais e estrangeiros. Todos eram convidados a “celebrar a Páscoa ao Senhor” (v.14). Mas todo aquele que negligenciasse tal privilégio, deveria ser eliminado do povo, levando “sobre si o seu pecado” (v.13).

A Páscoa simboliza a entrega do Cordeiro de Deus, que “tomou sobre Si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre Si” (Is.53:4). O sangue de Cristo foi derramado para que fôssemos salvos do salário do pecado. Seu sacrifício abriu para nós uma janela de liberdade rumo à manhã gloriosa de Sua segunda vinda. Em cada memória de Israel acerca daquela noite definitiva, havia um cântico especial ao Senhor que os livrou e os salvou. O sangue nos umbrais das portas os selou para a vida, enquanto aguardavam apercebidos a ordem para partir. Muitos não têm a mesma disposição e prontidão, como o foi com os filhos de Israel. Mas, então, a porta da graça será fechada, e como nos dias de Noé, só perceberão quando o povo do advento já estiver selado em segurança na arca da salvação.

Jesus percorreu o caminho da cruz, nos ensinando, à cada passo, que confiar em Deus é a nossa única segurança. Precisamos atender ao conselho de Moisés: “Esperai, e ouvirei o que o Senhor vos ordenará” (v.8). Em um mundo altamente acelerado e imediatista, esperar parece perda de tempo. É desanimador o status mundial de quanto mais rápido melhor, e acabamos perdendo de ouvir o que o Espírito de Deus tem a nos falar. Aqueles que estavam imundos aguardaram a resposta divina e o Senhor lhes indicou uma Páscoa especial para que eles tivessem tempo de se purificar. Deus não quer “que ninguém se perca, senão que todos cheguem ao arrependimento” (2Pe.3:9). Esperar em Deus pode ser sinônimo de segunda chance.

A nuvem da presença de Deus que ficava acima do santuário era a bússola de Israel. “Quando a nuvem se erguia de sobre a tenda, os filhos de Israel se punham em marcha; e, no lugar onde a nuvem parava, aí os filhos de Israel se acampavam” (v.17). A única alternativa era esperar, “segundo o mandado do Senhor” (v.20). Nem sempre os caminhos que o Senhor traça para nós são tranquilos e livres de perigos. Por vezes, precisamos lidar com inimigos. Outras vezes, com o calor de nossos desertos. Ainda outras, com a nossa própria teimosia. Uma coisa é certa: quer acampados, quer em marcha, a constante presença de Deus é uma garantia segura e eterna a todos os que O amam.

Vejamos a descrição do cenário pascal, nas palavras de Ellen G. White:

A Páscoa devia ser tanto comemorativa como típica, apontando não somente para o livramento do Egito, mas, no futuro, para o maior livramento que Cristo cumpriria libertando Seu povo do cativeiro do pecado. O cordeiro sacrifical representa o ‘Cordeiro de Deus’, em Quem se acha nossa única esperança de salvação. Diz o apóstolo: ‘Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós’ (1Co.5:7). Não bastava que o cordeiro pascal fosse morto, seu sangue devia ser aspergido nas ombreiras; assim os méritos do sangue de Cristo devem ser aplicados à alma. Devemos crer que Ele morreu não somente pelo mundo, mas que morreu por nós individualmente. Devemos tomar para o nosso proveito a virtude do sacrifício expiatório” (Patriarcas e Profetas, CPB, p.192).

Sede, pois, irmãos, pacientes, até à vinda do Senhor. Eis que o lavrador aguarda com paciência o precioso fruto da terra, até receber as primeiras e as últimas chuvas. Sede vós também pacientes e fortalecei o vosso coração, pois a vinda do Senhor está próxima” (Tg.5:7-8). Vigiemos e oremos!

Bom dia, pacientes e perseverantes peregrinos!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Números9 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



Números 08 – Comentado por Rosana Barros
18 de maio de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“E separarás os levitas do meio dos filhos de Israel; os levitas serão Meus” (v.14).

O candelabro ou menorah era um dos três móveis que ficavam no lugar Santo do santuário. Sua função era manter o ambiente sempre iluminado. A sua significação, porém, é bem mais ampla e abrangente. Ele representa a Cristo como a Luz do mundo e se expande como um símbolo do Espírito Santo, da Igreja e das Escrituras, conforme está escrito (Jo.8:12; Mt.25:1-13; Mt.5:14; Sl.119:105). A luz que emana de Deus através de Cristo Jesus é a fonte de todo poder na vida do cristão. Seu Espírito nos ilumina por meio de Sua Palavra e nos habilita a viver como igreja que irradia o fulgor do Sol da Justiça. E diante de um mundo que se apressa para o fim, precisamos manter acesa a chama que nos conduzirá às bodas da eternidade (Mt.25:4).

Como já estudamos, a tribo de Levi foi separada por Deus para o Seu santo ofício na tenda da congregação. Mediante tamanha responsabilidade, o Senhor instituiu uma cerimônia de purificação para os filhos de Levi, através de água e sangue. Além de se lavar e lavar as suas vestes, também deveriam oferecer sacrifícios e holocaustos perante o Senhor. A sua eleição deveria causar-lhes um forte senso de missão e de consagração. O Senhor os habilitaria a lidar com as coisas santíssimas conforme as instruções dadas aos gersonitas, aos coatitas e aos filhos de Merari. Não deveriam jamais mover um objeto sequer do santuário fora daquilo que o Senhor mesmo havia ordenado através de Moisés.

Por analogia, podemos dizer que nós somos os filhos de Israel e nossos pastores e obreiros, os levitas “para o serviço do Senhor” (v.11). Semelhante à ordem dada a Israel, o Senhor nos chama para erguermos as nossas mãos sobre Seus ministros; para nos unirmos a eles em cooperação e, assim, sermos todos úteis em Sua obra. Bem como cada homem a serviço do santo ministério deve buscar viver de acordo com as prescrições divinas, em plena harmonia com a Palavra de Deus e zelando pelas ovelhas de Seu rebanho. Toda igreja que entende que a seara do Senhor só funciona por meio do mutualismo, irmão cooperando com irmão, é uma igreja que cresce e que dá frutos. A ação do Espírito Santo é notoriamente vista em todos os que praticam este ideal, tornando-os uma luz singular em meio às trevas de um mundo exclusivista e materialista.

Há uma mensagem final a ser dada, um sonido certo de trombeta a ser anunciado, um tempo de purificação e consagração a ser obedecido. Aos observadores do santo sábado do Senhor, aos que temem e dão glórias “Àquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas” (Ap.14:7), há uma luz disponível para fins eternos. Ainda que opositores se levantem, ainda que o nosso próprio “eu” nos seja a nossa pior prova ou não consideremos ser aptos para o serviço do Senhor, o mesmo Deus que chamou de Seu primogênito uma das menores tribos de Israel, nos chama hoje para fazermos parte das primícias que dentro em breve Ele virá buscar. Ligados a Cristo Jesus, todos nós, pastores e ovelhas, marcharemos confiantes de que o retorno do nosso Senhor “ainda está para cumprir-se no tempo determinado, mas se apressa para o fim e não falhará; se tardar, espera-o, porque, certamente, virá, não tardará” (Hq.2:3). Vigiemos e oremos!

Bom dia, luz do mundo!

* Oremos pelo batismo do Espírito Santo. Oremos uns pelos outros.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Números8 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100




%d blogueiros gostam disto: