Reavivados por Sua Palavra


Êxodo 15 – Comentado por Rosana Barros
16 de dezembro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“O Senhor é a minha força e o meu cântico; Ele me foi por salvação; este é o Meu Deus; portanto, eu O louvarei; Ele é o Deus de meu pai; por isso O exaltarei” (v.2).


Com Sua destra “gloriosa em poder” (v.6), Deus guiou o Seu povo na travessia do Mar Vermelho. Este episódio despertou o temor nas demais nações. Perante tamanho livramento, os filhos de Israel foram tomados de uma gratidão sem precedentes. O Senhor abateu os egípcios com mão poderosa e guiou o Seu povo à liberdade de servi-Lo. O Deus de Abraão, seu pai, guerreou por eles. Havia um profundo reconhecimento pelos benefícios do Senhor e certeza de Seu perfeito cuidado. Parecia que dali por diante tudo daria sempre certo. Os inimigos que mais temiam estavam mortos. E, pela primeira vez após quatrocentos e trinta anos, Israel se sentiu livre.

Havia um desejo claro do povo em estabelecer a sua morada na habitação de Deus. Sabiam que a terra prometida estava à distância de apenas alguns dias de viagem. Sua esperança aumentaria a cada romper do dia. Ora, se Deus havia desbaratado as hostes de Faraó, certamente faria o mesmo com os exércitos das demais nações. A recente experiência do Mar Vermelho lhes concedeu esta confiança. E o cântico que irrompera em vozes de louvor, fora sucedido pelo cântico de Miriã e das mulheres, que os seguiram “com tamborins e danças” (v.20). Mas tão logo se deparassem com a próxima dificuldade, os louvores e os pulos de alegria seriam substituídos pela murmuração de um povo que constantemente revelaria a sua incredulidade.

Três dias depois, a grande festa de louvor e gratidão foi substituída pela descrença e reclamação. Que mudança! Não somos nós assim também? Mas não precisa ser assim. Há bênçãos sem medida reservadas para todo aquele cujo coração fala a linguagem da gratidão. Aquele que reconhece a sua constante dependência de Deus vive mais e melhor. Sua vida não está limitada a boas circunstâncias. Cada momento de alegria e cada momento de prova tornam-se oportunidades de louvar a bondade do Senhor e Seu poder em subjugar todo o mal. O Deus que transformou as águas amargas em águas doces é O mesmo que deseja nos tirar deste mundo de pecado e nos levar “à habitação de [Sua] santidade” (v.13). Mais do que um povo que deseja o Céu, há um Céu que deseja a nossa salvação!

Hoje é dia de louvar ao Deus que nos prometeu: “voltarei, e vos receberei para Mim mesmo, para que, onde Eu estou, estejais vós também” (Jo.14:3). Hoje é dia de ouvir “atento à voz do Senhor, teu Deus”, e fazer “o que é reto diante dos Seus olhos”, e dar “ouvidos aos Seus mandamentos”, e guardar “todos os Seus estatutos”. Se assim o fizer, “nenhuma enfermidade virá sobre ti”, das que o Senhor enviou “sobre os egípcios”, porque Ele é “o Senhor, que te sara” (v.26). Deus quer cuidar de você. Não permita que as amarguras do deserto te façam esquecer que você tem um Deus que luta por você e que já venceu. Você foi adquirido pelo sangue de Cristo para salvação! Que o seu dia seja um dia de louvor e de gratidão ao Senhor que te salvou.

Feliz semana, povo adquirido pelo Senhor!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Êxodo15 #RPSP

Comentários em áudio:
https://www.youtube.com/user/nanayuri100
https://www.youtube.com/channel/UCzzqtmGdF4UqBopc6CRiqLA



Êxodo 14 – Comentado por Rosana Barros
15 de dezembro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Disse o Senhor a Moisés: Por que clamas a Mim? Dize aos filhos de Israel que marchem” (v.15).

Os filhos de Israel receberam a ordem de Deus de retroceder de sua marcha para acamparem-se “junto ao mar” (v.2). Aquela parada logo chegou aos ouvidos de Faraó, que tomando os filhos de Deus por “desorientados na terra” (v.3), reuniu toda a sua força bélica e partiu para o que pensara ser uma batalha ganha. A reação temerosa do povo ao avistar Faraó e seu exército é uma prova de que as manifestações sobrenaturais não são em si suficientes para sustentar a fé. Mesmo depois de terem sido testemunhas oculares dos grandes prodígios do Senhor, Israel precisava aprender a indispensável e diária lição da confiança em Deus. Lição esta que confirmaria a fé de uns e a descrença de outros.

Antes de Israel estar cercado por um exército covardemente armado e pelas águas do mar, estava cercado pelo medo. Creio que Moisés seria severamente agredido ou quem sabe morto, não fosse a imediata intervenção divina. O Senhor dos Exércitos se interpôs entre os egípcios e o Seu povo. Para os egípcios a nuvem de Deus “era escuridade”, mas para os filhos de Israel “esclarecia a noite” (v.20). Para os filhos da desobediência, Deus e Seus feitos não são dignos de consideração, mas para os filhos da obediência, Deus e Seus milagres lhes ilumina a vida. Andando “pelo meio do mar em seco” (v.22), Israel não tinha mais o mar como um obstáculo intransponível, mas como um muro de proteção “à sua direita e à sua esquerda” (v.29) e como o carrasco de seus inimigos.

Sem dúvida alguma, este foi o episódio que mais marcou o início da jornada de Israel. Deus já havia provado ser o Criador do céu, através das pragas da chuva de pedras e da escuridão, além de revelar-Se como o Criador da terra, transformando o pó da terra em piolhos. Chegada era a hora de revelar-Se como o Criador do mar, o que foi notoriamente visto pelos egípcios e reconhecido pelos israelitas. A verdadeira liberdade consiste na adoração Àquele que fez “os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há” (Êx.20:11). Logo, o Senhor lembraria o Seu povo do selo de Sua criação (Êx.20:8). O sábado é o presente do Criador à criatura como memorial eterno da criação e da redenção.

Nos dias em que antecedem o triunfante retorno de Cristo, a realidade que nos cerca deixa cada vez mais claro de que “o mundo inteiro jaz no maligno” (1Jo.5:19). Para onde olhamos há inimigos e um mar de tribulações. E muitos, encurralados pelas circunstâncias, têm acreditado que atentar contra a própria vida é a única saída. Outros, buscam logo um culpado ou um alvo para descarregar as suas emoções. Alguns ainda, frustrados, julgam ser melhor voltar à escravidão do pecado do que colocar o pé na água. E no meio deste emaranhado de situações, o Espírito Santo não desiste de nos consolar: “Não temais; aquietai-vos e vede o livramento do Senhor que, hoje, vos fará” (v.13).

Que neste sábado do Senhor, você não olhe para os inimigos ou para a fúria do mar. Que os teus olhos se abram para ver “o Anjo de Deus” (v.19), que te protege por detrás e por diante. Que, pelos olhos da fé, você enxergue a gloriosa nuvem que ilumina o teu caminho e que não permite que o inimigo toque em um só fio do teu cabelo. Acredite, assim como foi com Israel, o mar passa, os inimigos passam, o deserto desta vida já tem hora e data marcadas para terminar e, muito em breve, nos uniremos às vozes do Céu, dizendo: “O reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do Seu Cristo, e Ele reinará pelos séculos dos séculos” (Ap.11:15).

Feliz sábado, povo que marcha para o Céu!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Êxodo14 #RPSP



Êxodo 13 – Comentado por Rosana Barros
14 de dezembro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Nunca se apartou do povo a coluna de nuvem durante o dia, nem a coluna de fogo durante a noite” (v.22).


Arregimentada para a grande marcha, a multidão dos filhos de Israel recebera as últimas instruções de Moisés sobre a consagração dos primogênitos do povo. As primícias da madre deveriam ser consagradas a Deus de forma especial; “os machos serão do Senhor” (v.12), como um símbolo da aliança feita com Abraão, Isaque e Jacó e da aliança eterna que Cristo, o Unigênito de Deus, viria confirmar. Vimos que a celebração da festa dos pães asmos possuía uma conotação de purificação, de santificação. Assim como, naqueles dias, nenhum fermento deveria ser encontrado em todo o território de Israel, também Israel deveria livrar-se de todos os costumes pagãos que traziam consigo da terra do Egito.

Novamente, o Senhor reforçou um dos princípios que rege a verdadeira educação: a transmissão de pai para filho. “E será como sinal na tua mão e por memorial entre teus olhos; para que a lei do Senhor esteja na tua boca” (v.9). Aos pais cumpria o dever de perpetuar a lei de Deus e torná-la a primazia na vida de seus filhos. Como um sinal de identificação, deveriam cumpri-la de todo o coração a fim de que, pelo exemplo, ensinassem seus filhos a verdadeira adoração. Creio que todos nós temos um testemunho a dar acerca da atuação da graça de Deus em nossa vida. Como pais, a nossa responsabilidade constitui em um hábil e constante serviço. Tal obra é considerada pelo Céu como a maior escola missionária da Terra.

A vida de cada pai e de cada mãe de Israel deveria instigar seus filhos a lhes perguntarem: “Que é isso?” (v.14). Cada pai e cada mãe, hoje, deve buscar viver a lei do Senhor movidos pelo amor que têm pelo Senhor da lei. A nossa resposta ao resgate feito pelo nosso Salvador, deve ser sempre esta: “O Senhor com mão forte nos tirou da casa da servidão” (v.14). A nossa vida deve ser uma constante declaração de que Cristo nos “chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz” (2Pe.2:9). Aquele que está em Cristo Jesus “é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas” (1Co.5:17). E é esta novidade de vida, é esta transformação que promove o desejo nos filhos em saber como seguir no caminho estreito. O exemplo sempre foi e sempre será o melhor método de educação do lar.

Não existe tarefa mais difícil e melindrosa do que a educação de filhos. Somos limitados e falhos no que diz respeito à nossa natureza pecaminosa, mas, arraigados em Cristo, somos por Ele instruídos e capacitados para tão sagrada obra. Semelhante a coluna de nuvem que guiava o povo durante o dia e a coluna de fogo que os guiava durante a noite, o Senhor promete ser conosco se confiarmos em Sua provisão. Ele deseja nos salvar e salvar a nossa família. Há um desejo ardente de Deus por salvar o nosso lar! E para isso, precisamos buscar a santificação, deixando para trás tudo aquilo que pode se tornar em pedra de tropeço durante a caminhada. Deus está disposto a caminhar conosco “de dia e de noite” (v.21). Aceite a Sua companhia e Ele, o “Senhor, seu Deus, naquele dia… salvará [você e sua família], como ao rebanho do Seu povo; porque [vocês] são pedras de uma coroa e resplandecem na terra dEle” (Zc.9:16).

Bom dia, famílias que caminham com o Senhor!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Êxodo13 #RPSP

Comentários em áudio:
https://www.youtube.com/user/nanayuri100
https://www.youtube.com/channel/UCzzqtmGdF4UqBopc6CRiqLA



Êxodo 12 – Comentado por Rosana Barros
13 de dezembro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Porque, naquela noite, passarei pela terra do Egito e ferirei na terra do Egito todos os primogênitos, desde os homens até aos animais; executarei juízo sobre todos os deuses do Egito. Eu sou o Senhor” (v.12).


O Senhor instituiu a Páscoa e a Festa dos Pães Asmos antes da saída dos filhos de Israel do Egito. As duas celebrações comporiam o calendário judeu das festas cerimoniais anuais. A primeira, que inaugurava as demais, representava libertação. O sacrifício de “um cordeiro para cada família” (v.3) simbolizava o sacrifício de Cristo e Sua obra de salvação em cada lar de Seus filhos, como está escrito: “Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa” (At.16:31). “O cordeiro… sem defeito” (v.5), o sangue nos umbrais das portas (v.7) anunciavam o plano da redenção em Cristo Jesus. Assim como o plano original do Criador girava em torno da família, o plano de resgate da raça humana possui o mesmo objetivo. É desejo do Senhor que cada casa seja redimida pelo sangue do Cordeiro e que todos estejam preparados, com “lombos cingidos, sandálias nos pés e cajado na mão” (v.11), como Seu exército militante rumo ao triunfo.

Há um claro recado em toda a Escritura acerca do resultado do pecado, “porque o salário do pecado é a morte” (Rm.6:23). O fermento tornou-se um símbolo de impureza e pecado, e os pães asmos, ou pães sem fermento, materializavam a pureza e ausência de corrupção, como o foi Jesus, o Pão da Vida. Deus desejava purificar o Seu povo e elevá-lo à estatura de Cristo. E para isso, Israel precisava compreender que o Senhor deve ser entronizado no coração como o primeiro e o último. A inauguração da celebração com uma “santa assembleia” (v.16) e o encerramento sendo realizado de igual forma, promovia a atmosfera de comunhão plena e educava o povo a antes de celebrar, adorar. A verdadeira adoração consiste no reconhecimento não apenas dos benefícios do Senhor, mas também na renúncia de tudo aquilo que possa tomar-Lhe a adoração que só a Ele é devida.

Deus deixou “para [nós] outros e para [nossos] filhos” (v.24) a Sua Palavra em linguagem humana. Um tesouro que deve ser transmitido de geração em geração. “Quando [nossos] filhos [nos] perguntarem” (v.26) a respeito das Sagradas Letras, é nosso dever ensinar-lhes e que eles percebam que tudo o que têm aprendido pode ser notoriamente visto através de nosso fiel proceder. Israel estava prestes a viver a maior experiência de sua existência. A décima e última praga abriu caminho para que iniciassem uma árdua e longa jornada até o lugar prometido. Uma multidão carregada dos despojos do Egito saíra às pressas da terra da opressão, de forma que “não haviam preparado para si provisões” (v.39). Naquele mesmo dia, “todas as hostes do Senhor saíram da terra do Egito” (v.41). Um momento que deveriam “todos os filhos de Israel comemorar nas suas gerações” (v.42).

Infelizmente, a marcha que começou com celebração e adoração, foi perdendo o compasso da fé, de modo que a transmissão de valores e os ensinos mosaicos foram sendo esquecidos e paulatinamente, abandonados. O registro da história de Israel é uma das maiores provas do amor incondicional de Deus e de Suas infinitas misericórdias. Em nosso contexto, como povo de Deus dos últimos dias, será que estamos distantes de incorrer no mesmo erro do antigo Israel? Eis o nosso discurso: “Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma”. Eis a realidade: “e nem sabes que és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu” (Ap.3:17). A nossa terrível condição só pode ser mudada caso aceitemos a completa e perfeita intervenção divina. Ao abrirmos a porta da nossa vida para Cristo, a primeira coisa que Ele nos promete não é a realização de uma festa em nossa casa, e sim que Ele será o primeiro a nela entrar: “entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, Comigo” (Ap.3:20). Busquemos viver, a cada dia, uma experiência pessoal com Cristo, entregando nossa família no altar do Senhor, e Ele “não permitirá ao Destruidor que entre em [nossas] casas, para [nos] ferir” (v.23).

Bom dia, famílias lavadas pelo sangue de Cristo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Êxodo12 #RPSP

Comentários em áudio:
https://www.youtube.com/user/nanayuri100
https://www.youtube.com/channel/UCzzqtmGdF4UqBopc6CRiqLA



Êxodo 11 – Comentado por Rosana Barros
12 de dezembro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Moisés disse: Assim diz o Senhor: Cerca da meia noite passarei pelo meio do Egito” (v.4).


Antes mesmo de derramar a primeira praga sobre o Egito, o Senhor havia declarado a Faraó: “Digo-te, pois: deixa ir Meu filho, para que Me sirva, mas, se recusares deixá-lo ir, eis que Eu matarei teu filho, teu primogênito” (Êx.4:23). Desconsiderando as palavras do Senhor, Faraó revelou o que um ser humano que não conhece a Deus é capaz de fazer. A supremacia de seu trono era o seu deus e o seu orgulho a fonte de todo o mal que lhe endurecia o coração cada vez mais. Mesmo diante de tanta resistência, o Senhor postergou o luto de Faraó nove vezes até que finalmente chegada era a hora do fatídico dia: “Haverá grande clamor em toda a terra do Egito, qual nunca houve, nem haverá jamais” (v.6).

Pela primeira vez, a Bíblia diz que Moisés saiu da presença de Faraó “ardendo em ira” (v.8). Não foi tarefa fácil para ele ver a sua terra natal sendo arrasada pelas pragas, resultado da teimosia do rei. Para um homem que vivera quarenta anos na pacata ocupação de pastor de rebanhos, foi um extremo desgaste testemunhar as trágicas consequências de um coração delinquente. Enquanto a sua liderança era pensando no benefício de seu povo, a liderança de Faraó revelava o egoísmo de quem não se importava com seus liderados, desde que seus desejos egoístas fossem satisfeitos.

Seca, insalubridade, doenças, fome, medo. Grande fora a ruína do país que dantes se destacara por sua fartura e inigualável arquitetura. Restara apenas uma nação fragilizada e marcada pela insanidade de um rei tolo. A tolerância e a paciência de Deus não possuem precedentes, mas também não podem ultrapassar o limite estabelecido por Ele. Este limite tem a ver com libertação e salvação. Deus jamais negará um só segundo de Sua paciência se estiver em jogo nem que seja uma vida apenas. É a Sua longanimidade que ainda sustenta este mundo caótico na esperança de salvar a todos (2Pe.3:9).

O Senhor concedeu a Moisés alguém que o apoiasse e encorajasse na difícil missão de libertar os filhos de Israel. Sem dúvida alguma, a companhia de Arão foi para ele como um oásis no deserto. Precisamos estar em constante comunhão com Deus e com nossos irmãos a fim de sermos fortalecidos em nossa árdua jornada. Precisamos estabelecer vínculos fraternos com pessoas que nos ajudem a crescer e avançar. No caminho à Terra prometida, encontraremos muitos corações endurecidos, incapazes de amar.

Seja a nossa vida um testemunho do amor e da misericórdia de Deus. Assim como Moisés revelava a Faraó a Palavra do Senhor e se retirava de sua presença, que sejamos sábios e prudentes em nossos relacionamentos, revelando a vontade de Deus e fazendo o bem sem permitir que a dureza de coração de alguns abale as nossas emoções e a nossa fé. Que nos momentos finais da história desta Terra façamos parte do “Israel de Deus” (Gl.6:16), que, composto por irmãos que se amam mutuamente, caminha a passos firmes “para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” (Fp.3:14).

Bom dia, alvos da misericordiosa paciência de Deus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Êxodo11 #RPSP

Comentários em áudio:
https://www.youtube.com/user/nanayuri100
https://www.youtube.com/channel/UCzzqtmGdF4UqBopc6CRiqLA



Êxodo 10 – Comentado por Rosana Barros
11 de dezembro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Agora, pois, peço-vos que me perdoeis o pecado esta vez ainda e que oreis ao Senhor, vosso Deus, que tire de mim esta morte” (v.17).


Após sete terríveis pragas, Faraó não mais endureceu o coração, mas, de fato, estava “de coração endurecido” (Êx.9:35). Uma vida que continuamente se recusa a dar ouvidos à voz de Deus, corre o sério risco de fechar de uma vez por todas a porta do coração. Petrificado pela soberba, o orgulhoso monarca permanecia firme em seu propósito de não deixar ir os filhos de Israel. Não obstante a sua oposição, o Senhor a usaria para fazer os Seus “sinais no meio deles” (v.1) e para que as futuras gerações de Seu povo soubessem que Ele é o Senhor (v.2).

Mesmo diante da incredulidade irredutível de Faraó, Deus não desistia de lhe falar, apelando-lhe à consciência: “Até quando recusarás humilhar-te perante Mim?” (v.3). Enquanto o seu antecessor reconheceu, através de José, o Senhor como Deus verdadeiro, ele permanecia negando obedecer-Lhe a voz e trazendo ruína sobre toda a terra do Egito. As consequências da oitava praga foram aterradoras, de forma que a fala de Faraó parecia bem convincente de que, finalmente, não só deixaria ir o povo de Deus, mas também de que o seu próprio coração havia sido quebrantado. Contudo, motivações erradas produzem frutos indignos da bênção divina. Como a escuridão que dominava o coração de Faraó, toda a terra do Egito seria mergulhada em densas trevas.

Ignorando as advertências da Palavra de Deus, muitos têm caminhado como que tateando no escuro enquanto sustentam a falsa ideia de que está tudo bem. Cerrando o coração aos apelos do Espírito Santo, insistem em desafiar o poder do Senhor e ignorar Seus instrumentos humanos enviados para o próprio benefício deles. E confundindo liberdade com libertinagem preferem arriscar a própria vida e a de outros, a ter que se submeter à vontade de Deus. Muitos egípcios morreram por causa da teimosia de seu governante. De igual modo, milhares têm perecido devido à impiedade dos que os cercam. As escolhas erradas que fazemos não nos afetam apenas, mas podem tornar-se flechas fatais na vida de outros.

Você e eu, recebemos do Senhor uma missão desafiadora e urgente. Proclamar ao mundo as verdades de Sua Palavra. Há um “Egito” que precisa conhecer a Deus, e mesmo que nem todos aceitem a Cristo como Senhor e Salvador de suas vidas, certamente alguns o farão. Quando Jesus voltar, “nem uma unha ficará” (v.26) daqueles que O amam. Mas todo aquele que resistir ao último chamado de Deus, morrerá em seus pecados no dia em que vir o Seu rosto. Aproxima-se o tempo em que a graça estará encerrada e após um curto período de “trevas espessas” (v.22), quando o relógio deste mundo marcar a hora mais escura, brilhará o Sol da Justiça trazendo em Seus raios a luz triunfante da salvação.

Há uma Canaã prometida para você e para mim. Que estejamos prontos para subir, fazendo a vontade de Deus em todo o momento, “até que cheguemos lá” (v.26).

Bom dia, aqueles que amam ao Senhor!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Êxodo10 #RPSP

Comentários em áudio:
https://www.youtube.com/user/nanayuri100
https://www.youtube.com/channel/UCzzqtmGdF4UqBopc6CRiqLA



Êxodo 9 – Comentado por Rosana Barros
10 de dezembro de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Mas, deveras, para isso te hei mantido, a fim de mostrar-te o Meu poder, e para que seja o Meu nome anunciado em toda a terra” (v.16).


O Egito estava em colapso. A população, afetada pelas manifestações divinas, gemia diante da possibilidade de novas pragas. De forma que alguns do povo começaram a temer a palavra do Senhor e obedecer às orientações dadas por Moisés. Peste nos animais, úlceras e chuva de pedras arrasaram aquela superpotência da antiguidade de uma forma tão grande, que o Egito jamais voltaria a ser uma nação de destaque novamente. Tudo o que o Senhor fizera ganharia notoriedade mundial e todos os povos saberiam quem era o Deus de Israel.

O Senhor designou certo tempo” (v.5) para a realização de Seu quinto prodígio. Ele jamais manifesta a Sua ira sem que haja tempo para o homem se arrepender. Mais uma vez, Faraó recebeu o prazo divino, mas ao invés de buscar ao Senhor diante dos resultados de sua rebelião, “mandou ver” (v.7) se realmente os animais dos hebreus não haviam sofrido dano. E, tomando ciência de que, em Gósen, havia paz e tranquilidade, de novo endureceu o coração, de forma que Deus ainda mostraria outras revelações de Seu poder.

Para quem dizia não conhecer ao Senhor, Faraó tornou-se instrumento involuntário para revelar ao mundo inteiro que só o Senhor é Deus. Após terem sofrido com muitas úlceras, “o Senhor deu trovões e chuva de pedras, e fogo desceu sobre a terra” (v.23). Toneladas de pedras caíam do céu ao chão, ferindo homens, animais e vegetação. O som dos trovões era tão intenso e alto e a chuva e o fogo causaram tanta ruína e sofrimento, que o próprio Faraó, pela primeira vez, reconheceu a sua condição de pecador e ao Senhor como justo Juiz. E pedindo que os líderes de Israel orassem por ele, não mostrou resistência quanto a permitir que o povo finalmente fosse mandado embora. Mas, cessada a chuva, “tornou a pecar” (v.34), cauterizando o coração, tornando-o cada vez mais endurecido.

Deus nunca avalia ninguém pelo que tem ou pela situação em que se encontra. Deus olha para o que somos e sonha com o que podemos ser se apenas aceitarmos a Sua graça transformadora. A presunção, o orgulho e a cobiça são a escória da maldade, muitas vezes disfarçados das vestes da humildade. Muitos há que, à semelhança de Faraó, demonstram arrependimento e confessam seus pecados, mas basta a tempestade passar para que tornem a pecar e endurecer o coração. Não possuem intenções sinceras e nem o desejo real de fazer a vontade de Deus. Baseados em conceitos criados pelo próprio coração rijo de maldade, aparentam arrependimento, mas na primeira oportunidade, demonstram o que realmente contém dentro de si.

Meus irmãos, será que realmente estamos sendo tementes à Palavra do Senhor, ou não estamos lhe dando a devida importância deixando o que temos e somos ao relento, onde facilmente podemos perecer? Há livramento e segurança para aqueles que permanecem no aprisco do Senhor; para aqueles que entendem que praticar a Palavra de Deus não é um teatro, não é um discurso convincente, e sim o temor genuíno de quem verdadeiramente se dispõe a conhecer ao Senhor e adorá-Lo com inteireza de coração. A todo aquele que ainda não fez esta entrega total e completa, ainda há esperança. Ainda não foi encerrada a maravilhosa obra da graça de Cristo. Entregue o seu enganoso coração aos cuidados do Senhor e, certamente, Ele não permitirá que caia sobre você a chuva da destruição e sim a chuva de poder do Espírito Santo.

Bom dia, tementes à Palavra do Senhor!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Êxodo9 #RPSP

Comentários em áudio:
https://www.youtube.com/user/nanayuri100
https://www.youtube.com/channel/UCzzqtmGdF4UqBopc6CRiqLA




%d blogueiros gostam disto: