Reavivados por Sua Palavra


HEBREUS 4 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ
21 de agosto de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

HEBREUS 4 – No capítulo 3, o escritor inspirado “faz uma longa citação do Salmo 95 e fala dos descrentes que foram amaldiçoados por Deus e morreram no deserto. Embora o autor fale de descrentes no capítulo 3, ele se dirige e crentes no capítulo 4. A admoestação em 3.12-14 é agora resumida e é substancialmente aumentada em 4.1-11. A questão que é levantada é esta: A promessa de entrar no descanso de Deus que foi dada aos israelitas, mas perdida por causa da descrença, ainda é válida em nossos dias? A resposta é um sonoro sim. A mensagem de entrar no descanso que Deus promete é a mesma e ainda exige a aceitação pela fé. A certeza é que ‘nós que cremos entraremos no descanso’ (Hb 4.5)” (Simon Kistemaker).

As promessas do Antigo Testamento não caducaram com a descrença dos judeus, nem com a morte de Cristo. Na verdade, elas foram ampliadas. O descanso de Deus para Seu povo não é mais em algum lugar desse planeta, mas primeiramente em Jesus, o qual guiará e levará o crente para a Canaã Celestial, ou Pátria Superior (Hebreus 11:9-10, 16; 13:14).

• A continuidade da sacralidade do sábado, que nos instiga ao descanso semanal até hoje, nos garante o cumprimento do descanso na eternidade (vs. 1-11);
• A vivacidade e a perspicácia da Palavra de Deus, se devidamente utilizada, capacita e prepara o crente para o descanso eterno com o Deus da Palavra (vs. 12-13);
• A habilidade e autoridade de Cristo como Sumo Sacerdote dos que conservam firmes a sua confissão de fé, é a garantia total de que, apesar da nossa fraqueza, podemos nos apropriar da promessa divina (vs. 14-16).

Há uma linda música, cujo título é Before The Throne of God Above, da qual postarei algumas frases traduzidas:

Diante do trono de Deus nas alturas;
Eu tenho uma justificação forte e perfeita.
O Sumo Sacerdote cujo nome é Amor
Que sempre vive e advoga por mim.

[…]

Quando Satanás me tenta ao desespero
E mostra a culpa dentro de mim,
Para cima eu olho e vejo lá,
Aquele que deu um fim a todo meu pecado.

[…].

Minha alma é comprada pelo Seu sangue,
Minha vida está escondida com Cristo nas alturas…

Experimentemos essa realidade! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



HEBREUS 4 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS
21 de agosto de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

382 palavras

1 Sendo-nos deixada a promessa. A promessa de entrar no “descanso” de Deus não foi retirada como resultado dos repetidos erros de Israel. A promessa continua válida e se repete a cada geração. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 7, p. 448.

Tenha falhado. Ou seja, assim como o antigo Israel não havia conseguido entrar no prometido descanso de Deus. CBASD, vol. 7, p. 449.

3 Descanso. 0 descanso em que os cristãos, incluindo os de origem judaica, entram é o mesmo ao qual Deus tinha convidado o antigo Israel a entrar. É um descanso de alma que resulta da entrega total a Cristo e da integração da vida ao propósito eterno de Deus. CBASD, vol. 7, p. 449.

6 Não entraram. A geração de israelitas que deixou o Egito “não entrou” na terra da promessa, e os que entraram em Canaã, como nação, nunca entraram no descanso espiritual que Deus lhes propôs. CBASD, vol. 7, p. 452.

Povo de Deus. Ou seja, os cristãos, que agora são o povo escolhido de Deus tão verdadeiramente quanto os israelitas o foram no passado. CBASD, vol. 7, p. 455.

11 Esforcemo-nos. Ou, “sejamos zelosos”, “façamos todo o esforço”. É necessário esforço diligente e determinado a fim de entrar no “descanso” de Deus. CBASD, vol. 7, p. 455.

A fim de que ninguém. Aquele que se esforça para “entrar naquele descanso” se desvia da armadilha da descrença em que o antigo Israel caiu. CBASD, vol. 7, p. 455.

12 Pensamentos e propósitos. Ou, “pensamentos e motivos”, “pensamentos e intenções”. Como uma lâmina afiada que separa “juntas” de “medulas”, os claros princípios da “palavra de Deus” discernem entre o bem e o mal, entre os pensamentos e motivos certos e errados. CBASD, vol. 7, p. 456.

14 Conservemos firmes. Do gr. krateõ, “ter a posse de”, “reter”, como a própria vida. Cristo é digno de nossa plena fé e confiança, e nada deve ser permitido entre nós e Ele. CBASD, vol. 7, p. 457.

15 A nossa semelhança. Em todos os aspectos, a não ser pelo pecado.Ele Se tornou um conosco. CBASD, vol. 7, p. 457.

16 Para socorro em ocasião oportuna. Isto é, em tempos de tentação. Precisamos da graça para suportar as dificuldades e o sofrimento, bem como para vencer a tentação. Aquele que vai diariamente ao trono da graça para novos suprimentos de misericórdia e graça entra no “descanso” que Deus provê a todo crente sincero. CBASD, vol. 7, p. 458.

 

by tatianawernenburg



HEBREUS 3
20 de agosto de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/hebreus/hb-capitulo-3-2/

Ao lermos Hebreus 3 e pensarmos na enorme oportunidade desperdiçada pela geração israelita do deserto de entrar na terra prometida, podemos ser tentados a pensar que teríamos feito diferente caso estivéssemos na mesma situação. O autor de Hebreus diz, entretanto, que “hoje” temos exatamente a mesma oportunidade. Se quisermos, podemos entrar no descanso de Deus.

Por que Israel falhou aonde Jesus venceu? Penso que isso tem a ver com o “engano do pecado” (Hb 3:13 ARA). O pecado sugere que a única coisa que importa é “o hoje”. Quando a nossa segurança do “hoje” está ameaçada, tendemos a esquecer do cuidado de Deus no passado e suas promessas para o futuro, porque as exigências do presente sequestram nossa atenção.

Deus, no entanto, nas palavras do Salmo 95, convida-nos a fazer o oposto: a romper o domínio da urgência, a escravidão do presente, e “hoje” nos lembrarmos tanto do cuidado que Deus tem demonstrado no passado quanto de Suas promessas para o futuro. Então, e somente então, entramos em Seu descanso.

Felix H. Cortez
Universidade Andrews
Estados Unidos

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=1382
Comentário original completo: https://reavivadosporsuapalavra.org/2015/05/27
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Gisele Quimelli e Jeferson Quimelli
Comentário em áudio: Pr. Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/ReavivadosB/Reavivados20-08-2018.mp3

Áudio online [voz Valesca Conty]:



HEBREUS 3 – COMENTÁRIO PR Heber Toth Armí
20 de agosto de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

HEBREUS 3 – Pode ser que acostumamo-nos com o fato de sermos cristãos; consequentemente, relaxamos e nos acomodamos num estágio, quando deveríamos continuar avançando. O livro de Hebreus visa tirar-nos de nossa zona de conforto e apelar veementemente pela nossa consagração incessante.

Veja que este livro foi elaborado visando alcançar desde o culto ao iletrado. “Hebreus começa como um tratado, transcorre como um sermão e termina como uma carta. A carta tem linguagem, estilo e estrutura cuidadosamente elaborada. É o livro do Novo Testamento cuja linguagem mais se aproxima dos clássicos gregos e tem a mais refinada retórica de seu tempo” (Álvaro César Pestana).

O capítulo supracitado tem a seguinte síntese, conforme Simon Kistemaker:

A. Uma comparação entre Jesus e Moisés (vs. 1-6);
B. Uma advertência contra a descrença:
1. Escrituras (vs. 7-11);
2. Aplicação (vs. 12-15);
3. Conclusão (vs. 16-19).

Para meditar:

• Na jornada cristã é importante aceitar o apelo para considerar o Apóstolo e Sumo Sacerdote de nossa confissão: Jesus Cristo, maior que Moisés em honra e glória.

• A perseverança que o cristão deve prezar difere grandemente da premissa: “Uma vez salvo, salvo para sempre”. Por isso, “seremos companheiros de Cristo se continuarmos firmes até o fim na confiança que temos tido desde o princípio” (v. 14).

• Os crentes precisam ser confrontados pelas palavras do Espírito Santo: “Hoje, se ouvires a Sua voz [de Deus], não endureçais o vosso coração…” tanto quanto os descrentes e incrédulos.

• Rebelar-se contra Deus significa rejeitar a vida presente e a futura. Incredulidade só resulta em fatalidades.

• A desobediência tem sua raiz na incredulidade. A piedade prática tem sua raiz na consagração diária e submissão à Palavra de Deus.

• O passar do tempo não deve resultar num endurecer do coração, mas em amolecer, para que não venhamos esmorecer antes de chegar ao nosso destino.

• “Os cristãos hebreus compunham uma ‘igreja cansada’ e prestes a se desviar. A carta vai tentar impedir o desvio pelo fortalecimento da fé e esperança” (Pestana).

• O apelo incrustrado em cada página de Hebreus deve nos despertar para a realidade de perseverar.

O agora é a certeza que temos para tomar a decisão certa ao lado da salvação, amanhã é incerto.

Por conseguinte, nunca deixe para amanhã o que se deve fazer hoje! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



Hebreus 3 – Comentários Selecionados
20 de agosto de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

778 palavras

1 Santos irmãos. Todos os crentes são “irmãos” em Cristo. Considerando, porém, que Hebreus é dirigido principalmente aos judeus cristãos, o termo “irmãos” aqui parece se referir a esse grupo mais restrito. O assunto dos capítulos seguintes, as lições da história do antigo Israel, seria particularmente significativo para os “irmãos” judeus em Cristo. Eles são chamados de “santos”, no sentido de que sua vida era dedicada a Deus, não no sentido de que eles não tinham falhas ou deficiências. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 7, p. 439.

2 Fiel. A referência aqui é à fidelidade de Jesus a toda a Sua missão na Terra. Na encarnação, Ele Se humilhou, abriu mão das prerrogativas da Divindade. Tomando a natureza humana, suportou as privações e tentações que cercavam Sua vida na Terra e avançou com determinação e coragem para a cruz. Em todas as coisas, Ele foi fiel ao plano que tinha sido definido antes da criação do mundo. A salvação é grande por sua realização: a renovação do corpo, alma e espírito, e a exaltação da humanidade a um lugar no Céu. CBASD, vol. 7, p. 439.

Para testemunho. A vida e o serviço fiel de Moisés antecipavam a fidelidade de Cristo quando viesse à Terra. Na verdade, todo o sistema cerimonial instituído por Moisés, sob a direção de Deus, deveria servir “para testemunho das coisas que haviam de ser anunciadas”. Era um “testemunho” do ministério de Cristo como “o Apóstolo e Sumo Sacerdote da nossa confissão”. CBASD, vol. 7, p. 441.

8 Não endureçais o vosso coração. Ou seja, não rejeiteis nem negligencieis o apelo misericordioso da voz de Deus. CBASD, vol. 7, p. 442.

Viram as Minhas obras. Ou seja, os israelitas testemunharam múltiplos casos da providência divina, que deveriam ter sido suficientes para levá-los a uma experiência de plena confiança na sabedoria e no poder de Deus. Houve repetidas ocasiões em que Deus poderia tê-los abandonado para seguir seus próprios caminhos perversos. Mas, misericordiosamente, Ele continuou pacientemente a suportá-los. CBASD, vol. 7, p. 443.

12 Perverso coração de incredulidade. Esta sempre fora raiz da dificuldade na relação da humanidade com Deus. Assim foi com Israel no deserto e, mais tarde, na terra de Canaã. Essa mesma dificuldade impede que os cristãos nominais entrem na experiência do “descanso” que é possível por uma verdadeira fé em Cristo. A falta de fé de Israel está em contraste com a fidelidade de Moisés e de Cristo. CBASD, vol. 7, p. 445.

13 Engano. Ou, “ilusão”, “fraude”. As pessoas são atraídas para o pecado porque este parece desejável. Quando Eva viu que o que Deus tinha advertido a não comer parecia “bom”, “agradável” e “desejável”, ela cruzou a linha que separa a justiça e o pecado. O cristão sincero deve cuidar quando qualquer coisa contra o que Deus advertiu começa a parecer atraente e desejável. Quando o que Deus disse ser errado começa a parecer bom, o cristão pode saber que está no terreno encantado de Satanás, em que as coisas parecem ser opostas ao que realmente são. CBASD, vol. 7, p. 446.

14. Participantes de Cristo. Ou, “participantes em Cristo”. O cristão tem parte na vitória e no caráter do bendito Senhor. Participa dos benefícios e das bênçãos que a Jesus cabe desfrutar, como resultado do grande sacrifício na cruz e de Seu ministério como sumo sacerdote nas cortes celestiais. A união com Cristo, aqui e agora, é uma experiência preciosa. Este é o “descanso” em que devemos entrar. CBASD, vol. 7, p. 446.

Desde o princípio. Depois de um tempo, a fé envolvente que acompanha a conversão pode se arrefecer, e o coração cálido pode esfriar. Feliz o cristão que preserva sua primeira fé ao longo da vida. CBASD, vol. 7, p. 446.

16 Quais. Ou seja, os que se rebelaram em Cades-Barneia. Este é um eufemismo, pois quase todos os libertados do Egito estavam envolvidos na rebelião e pereceram no deserto. CBASD, vol. 7, p. 447.

19 Não puderam entrar. A geração de israelitas cuja rebelião atingiu o clímax em Cades-Barneia foi impedida de entrar na terra prometida por causa desse problema fundamental, e não por um ato arbitrário da parte de Deus ou porque Moisés houvesse falhado em prover liderança eficaz. Moisés foi “fiel em toda a casa de Deus” e, por isso, não pode ser acusado dessa falha. A falta de fé daquela geração, demonstrada pela desobediência, tornou impossível que entrasse na terra. CBASD, vol. 7, p. 447.

Incredulidade. A “falta de fé” do povo contrasta com a fidelidade de Moisés. Se o povo tivesse sido mais semelhante a ele, poderia ter entrado na terra. Assim como Moisés, Cristo também é “fiel” e não pode ser responsabilizado pela falha de alguns cristãos em entrar no “descanso” espiritual prometido. Esta é a lição extraída pelo autor da experiência do antigo Israel. CBASD, vol. 7, p. 447.

 

by tatianawernenburg



COMENTÁRIO DE HEBREUS 2 – Pr. Heber Toth Armí
19 de agosto de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

HEBREUS 2 – O Cristo que muitos creem, seguem e pregam pode não ser o Cristo apresentado nas páginas de Hebreus – livro que visa fornecer informações que completa o que já foi revelado nos evangelhos.

Portanto, vale a pena estudar os treze capítulos desse livro a fim de obter informações relevantes, complementares e exclusivas sobre Jesus. A Palavra de Deus não pode ser ignorada; senão, nossa vida será prejudicada.

Warren W. Wiersbe divide o livro em três partes:

· Uma pessoa superior: Cristo (1-6)

· Um sacerdócio superior: Cristo e Melquisedeque (7-10)

· Um princípio superior: fé (11-13).

A primeira parte possui sete pontos que merecem nossa consideração:

1. Cristo comparado com os profetas (1:1-3);

2. Cristo comparado com os anjos (1:4-2:18);

3. Exortação: Não nos afastemos da Palavra (2:1-4);

4. Cristo comparado com Moisés (3:1-4:13);

5. Exortação: Não duvidemos da Palavra (3:7-4:13);

6. Cristo comparado com Arão (4:14-6:20);

7. Exortação: Não nos tornemos insensíveis à Palavra (5:11-6:20).

Desprovidos da Palavra de Deus, certamente estaremos fadados ao erro. E nada é mais errado do que crer num Jesus imaginado ou inventado pela mente humana, que não foi revelado na Palavra. Reflita, agora, nos pontos do segundo capítulo:

· O crente que não tem tempo para estudar a Palavra de Deus está provocando a deterioração de sua fé, arruinando sua espiritualidade e bloqueando seu relacionamento com Cristo (vs. 1-2).

· Aqueles que negligenciam a Palavra de Deus certamente terão que lidar com Sua disciplina e Seu juízo (vs. 3-4).

· Jesus, sendo divino, encarnou-Se, tornand0-Se humano para vencer o pecado, a morte e o diabo, visando que, o pecador condenado, possa ser justificado, absolvido e santificado (vs. 5-18).

Porquanto, “esquecemo-nos de que Jesus, a Majestade do Céu, sofreu sendo tentado? Jesus não permitiu que o inimigo O puxasse para dentro do lamaçal da incredulidade, ou que O empurrasse para o lado do desânimo e do desespero. Muitas pessoas, porém, são fracas em poder moral porque não praticam as palavras de Cristo” (Ellen G. White).

Tudo o que Jesus sofreu, foi para tornar-nos vitoriosos. A nossa derrota deveria ter como única justificativa nosso distanciamento de nosso poderoso Salvador, não nossa carnalidade ou a força e habilidade do diabo.

Devemos nos fortalecer diariamente através do estudo incessante da Palavra de Deus! Precisamos reavivar-nos urgentemente! – Heber Toth Armí.



Hebreus 2 – Comentários Selecionados
19 de agosto de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

424 palavras

1 Importa que nos apeguemos, com mais firmeza. Ou, “prestemos mais atenção”. É o Filho, o próprio Deus, que tem falado. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 7, p. 431.

3 Tão grande salvação. É grande pelo fato de Deus ser o autor da mesma e por causa do custo, a vida do Filho de Deus. A salvação é grande por sua realização: a renovação do corpo, alma e espírito, e a exaltação da humanidade a um lugar no Céu. CBASD, vol. 7, p. 432.

5 O mundo que há de vir. Uma referencia ao reino da glória que será inaugurado no segundo advento de Cristo. CBASD, vol. 7, p. 433.

10 Conduzindo muitos filhos à glória. Assim como Cristo foi glorificado após a humilhação, Sua morte expiatória resulta na glorificação de todos os que creem. O título é escolhido para mostrar a relação entre Cristo, o Filho, e Seus irmãos redimidos. CBASD, vol. 7, p. 434.

13 Que Deus Me deu. Em sua oração antes da experiência do Getsêmani, Cristo Se referiu oito vezes aos discípulos como Lhe tendo sido dados por Deus. Ele não atribuiu honra a Si mesmo, mas deu glória a Deus pelo resultado de Sua obra. CBASD, vol. 7, p. 435.

15 O pavor da morte. Esta é a condição dos não redimidos. Milhões são escravos do pecado e anseiam por libertação. Temem o presente, o futuro, a vida e a morte. Existe esperança, conforto ou libertação? Sim, porque Cristo destruiu o poder de Satanás e aboliu a morte. CBASD, vol. 7, p. 436.

16 A descendência de Abraão. Aqui, provavelmente sinônimo de “ser humano”. A descendência mencionada é a espiritual. CBASD, vol. 7, p. 436.

17 Em todas as coisas. Cristo devia Se tornar homem tão completa e plenamente que nunca se pudesse dizer que Ele desconhecia qualquer tentação, tristeza, provação ou sofrimento pelos quais as pessoas passam. CBASD, vol. 7, p. 437.

Sumo Sacerdote. O tema de Cristo como sumo sacerdote é introduzido aqui e detalhado à frente (Hb 3; 5; 7-10). CBASD, vol. 7, p. 437.

18 Tendo sido tentando. Do gr. peirazo, “testar”, “provar”, “tentar”. A natureza humana de Cristo sentiu a força da tentação. Caso contrário, Ele não teria entendido a luta terrível de um pobre pecador poderosamente tentado a ceder. Cristo foi tentado em todos os aspectos “à nossa semelhança” (Hb 4:15). Na verdade, Ele sofreu sob a tentação. O cálice não foi removido, apesar de sua oração. Ele precisava bebê-lo. CBASD, vol. 7, p. 437.

Poderoso em socorrer. Ou, “capaz de ajudar”. Ao resistir com sucesso à tentação e suportar pacientemente o sofrimento, Cristo venceu o tentador. Agora, lutamos com um inimigo derrotado. A vitória de Cristo é a nossa vitória. CBASD, vol. 7, p. 437.

 

by tatianawernenburg




%d blogueiros gostam disto: