Reavivados por Sua Palavra


GÊNESIS 20 by jquimelli
1 de novembro de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/genesis/gn-capitulo-20/

Abraão, que era tão humano e falível quanto nós, não havia aprendido a lição de seu erro no Egito. Ele repete agora a mesma decepção com Abimeleque, rei dos filisteus. Quao frequentemente representamos mal a Deus quando deveríamos ser seus representantes diante do mundo. Quantas vezes nós representamos mal a Deus, quando deveríamos ser seus representantes perante o mundo?

Deus poupou Abimeleque de pecar involuntariamente ao aparecer a ele em um sonho (v. 6), mas Deus não havia rejeitado Seu amigo Abraão. Deus instruiu Abimeleque que o profeta errante iria rezar por ele e ele viveria (vv. 7,17-18). Quando confrontado pelo rei pagão a respeito de sua desonestidade, Abraão confessou que pensara (erradamente) que as pessoas daquele lugar não temiam a Deus (vv. 9-11). Na verdade, ele tentava racionalizar sua mentira (vv. 12-13).

Será que estamos, às vezes, nos sujeitando à vergonha quando aqueles que consideramos incrédulos acabam por ser mais justos do que nós? Deus está também trabalhando nas vidas dos “ímpios”, para salvá-los. Devemos ter cuidado para não julgá-los, pois eles também são preciosos aos olhos de Deus, e eles podem ter mais integridade do que nós, ao menos por algumas vezes.

Edwin Reynolds
Professor, Southern Adventist University

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=253
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli

Ouça este texto em áudio:



GÊNESIS 20 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
1 de novembro de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



COMENTÁRIO GÊNESIS 20 – PR. HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
1 de novembro de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

GÊNESIS 20 – O pecado arruinou o caráter de nossos primeiros pais na queda, no Jardim do Éden. A natureza humana tornou-se depravada e corrompida, complicada e difícil de aprender o que é certo.

Antes de avançar considere estes pensamentos sobre Abraão:

• “Quando o Senhor chamou Abraão para sair do meio de uma cultura pagã e pecaminosa, isso foi uma escolha soberana. Não sabemos por que motivo, entre outros possíveis candidatos, Deus decidiu usar Abraão. Mas sabemos pelo exemplo de Noé (Gn 6:8-9) que quando o Senhor trata conosco, Ele inicia Seus atos de misericórdia falando com aqueles que estão com o coração aberto para a verdade. A partir da resposta que Abraão deu ao chamado de Deus, ele parecia ser esse tipo de homem, mesmo que estivesse tão entregue à idolatria quanto seu pai (Js 24:2)” (Gene Getz).

• “Abraão tinha crescido em meio de superstição e paganismo. Mesmo a casa de seu pai, pela qual o conhecimento de Deus tinha sido preservado, estava a entregar-se às influências sedutoras que os rodeavam, e ‘serviram a outros deuses’ (Josué 24:2) em vez de a Jeová” (Ellen G. White).

Apesar de descender de uma família pagã, a família de Abraão deveria ser bênção em meio a uma sociedade apodrecida pela contaminação do pecado; contudo, em sua jornada, ele teve muitas falhas, ficando, assim, evidente que crentes do calibre de Abraão podem cair em tentação. Observe:

1. Chamados para serem bênçãos (Gênesis 12:1) pessoas que dependem de si mesmas e não de Deus, semeiam maldição. Ao chegar mentindo em Gerar, Abraão provocou a desgraça ao rei Abimeleque. Apesar de seu erro crasso, a graça que o havia alcançado agora intervém para impedir maiores desgraças (vs. 1-10).
2. Pecados dos crentes agravam quando não existe humildade para reconhecer erros e pedir perdão. Como Abraão, possuímos habilidades para justificar erros, não para admiti-los. Todavia, Deus age graciosamente para transformar Seus filhos. Abraão deveria interceder pela família de Abimeleque; ao proceder deste modo, houve cura da maldição que se alastrou como praga (vs. 11-18).

Nascido em um mundo contaminado, como Abraão somos pecadores orgulhosos; entretanto, o mesmo Deus que lhe estendeu graça quer moldar-nos graciosamente para que sejamos bênçãos num mundo desgraçado pelo pecado. Para isso também fomos chamados!

“Senhor, molda-nos” – Heber Toth Armí.



GÊNESIS 20 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
1 de novembro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Disse Abraão de Sara, sua mulher: Ela é minha irmã…” (v.2).


Não bastasse a experiência vivida no Egito e a reprovação do Senhor quanto à sua mentira, Abraão novamente provou que não passava de um homem fraco e dependente da graça divina. Temos a tendência de colocar seres humanos em pedestais, quando, na verdade, eles nunca teriam alcançado suas conquistas não fosse a boa mão do Senhor. A saída da casa de seu pai, suas peregrinações, a demora em ter um filho, tudo isso serviu como propósito de Deus para forjar-lhe o caráter. Certamente Abraão foi um homem diferenciado, mas não deixava de ser um homem sujeito a fraquezas e imperfeições.

A beleza de Sara é revelada pela Bíblia como incomum. De feições raras, sua formosura era tão encantadora que já no início de suas peregrinações Abraão a fez prometer que em todo lugar onde entrassem, ela diria a respeito dele: “Ele é meu irmão” (v.13). Agora imaginem esta situação ocorrendo com uma mulher de noventa anos! Sara gozava de uma espécie de “jovial velhice”. Deus conservara seu corpo a fim de logo cumprir Sua promessa. Mas o favor divino encontrou o temor humano. Ao entregar sua esposa a Abimeleque, Abraão não só a expôs ao perigo, mas também abriu brechas à possibilidade de frustrar o cumprimento da promessa: “Abençoá-la-ei e dela te darei um filho; sim, Eu a abençoarei, e ela se tornará nações; reis de povos procederão dela” (Gn.17:15).

Quantas vezes o Senhor tem provado o Seu amor para conosco e nós simplesmente respondemos com incredulidade, agindo pelos impulsos de nossas emoções. Foi assim quando Abraão resolveu dar ouvidos ao conselho de Sara casando-se com Agar. Foi assim, quando ele mentiu ao rei do Egito. E foi assim quando, pela segunda vez, declarou o que ele defendeu como uma “meia verdade” (v.12). Mas as perguntas que não querem calar saíram da boca de Abimeleque como se ditas por Deus: “Que é isso que nos fizestes?” (v.9); “Que estavas pensando para fazeres tal coisa?” (v.10).

Este episódio, bem como os demais que revelam as fraquezas de Abraão, não contradizem a fé do profeta de Deus, eles só reforçam a verdade sobre a salvação: ela provém da maravilhosa graça de Deus, através de Jesus Cristo. Como bem confessou Abraão, “eu que sou pó e cinza” (Gn.18:27), quando confessamos ser esta a nossa condição perante o Senhor, estamos reconhecendo a nossa total dependência dEle. Um alto preço foi pago por nosso resgate “antes da fundação do mundo” (1Pe.1:20). Um plano perfeito foi estabelecido para salvar a raça caída. Mas o ser humano fez do sacrifício de Cristo algo comum, como se não passasse de um símbolo religioso e nada mais. Se a beleza de uma mulher de idade avançada não podia atravessar reinos sem ser notada, porque a beleza da salvação em Cristo tem sido passada por alto como se fosse uma mensagem ultrapassada?

O fato é, meus irmãos, que não há desculpas para o pecado. É certo que Abimeleque foi enganado, mas Deus o avisou sobre tal engano e lhe deu a oportunidade de fazer o que era correto. Abraão, por sua vez, também teve a oportunidade de se desculpar, mas usou de desculpas para não admitir o seu erro. Só que, independente de nós mesmos e de nossas imperfeições, Deus é fiel. Abraão ainda tinha muito a crescer e aprender debaixo da paciência e da misericórdia do Senhor. Não é diferente conosco, amados. Fomos escolhidos por Deus para a salvação em Cristo Jesus e ai daquele que se coloca em nosso caminho como pedra de tropeço:

“Coisa perigosa é ocasionar dano a um filho do Rei do Céu. O salmista se refere a este capítulo da vida de Abraão, quando diz, falando do povo escolhido, que Deus ‘por amor deles repreendeu reis, dizendo: Não toqueis nos Meus ungidos, e não maltrateis os Meus profetas’ (Sl.105:14,15; Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p.85).

Abraão aprenderia da forma mais dolorosa a confiar plenamente no Senhor e em Sua Palavra. Não encaremos os momentos difíceis como sendo para o nosso malefício, mas sejamos confortados com a certeza de que há um Deus no Céu que não desampara os Seus filhos, que das nossas fraquezas suscita forças (2Co.12:10) e que nos está preparando para entrarmos na Canaã Celestial.

Bom dia, salvos pela graça maravilhosa de Deus em Cristo Jesus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Gênesis20 #RPSP



GÊNESIS 20 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
1 de novembro de 2018, 0:10
Filed under: Sem categoria



GÊNESIS 20 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
1 de novembro de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria
922 palavras

1-18 O homem de fé falha pela segunda vez em teste de fé. Um teste adicional será necessário (Andrews Study Bible).

1 Desta vez Abraão escolheu se estabelecer em Gerar, uma cidade localizada a meio caminho entre Berseba [Beer-sheva – o poço da aliança] e Gaza, na fronteira sul de Canaã. Gênesis 21:32 liga Abimeleque com os filisteus. Os filisteus, conhecidos do tempo dos juízes, tinham se estabelecido ao longo da costa caananita  (Andrews Study Bible).

Neguebe se refere à parte meridional da Palestina (a palavra quer dizer: “Terra do Sul”), que é deserta em sua maior parte. Ainda hoje é chamada Negueb ou Negev. Gerar ficava a cerca de 10 km ao sul de Gaza, na fronteira da Filístia (Bíblia Shedd).

2 Como em Gên 12.12, Abraão consente em proferir uma meia verdade para proteger sua vida e propriedade. O relato bíblico dos deslizes de tão extraordinária personalidade como o era Abraão, é indício seguro da inspiração divina. Seria despropositado admitir-se que um judeu incluísse o registro dos pecados do grande pai da pátria, se só tivesse por objetivo descrever a história (Bíblia Shedd).

Abimeleque. Lit. “meu pai é rei” ou “pai de um rei” [av=pai; melech=rei]. Este Abimeleque era, provavelmente, o pai ou avô do Abimeleque encontrado por Isaque (26.1). Um governante de Tiro (cerca de 1375 a.C) tinha este nome, que talvez fosse um título real (Sl 34; cf 1Sm 27.2) (Bíblia de Genebra).

Mandou buscá-la. Ver 12.15. Um pouco antes da concepção de Isaque (18.10-14; 21.1-2), o plano da redenção através da descendência de Abraão foi colocado em perigo. Mais uma vez, percebe-se que a salvação depende do Senhor fiel, não de seres humanos infiéis; o Senhor protegeu a pureza de Sara (vs 4,6) (Bíblia de Genebra).

sonho. Modo divino de comunicação, mesmo àqueles externos à comunidade da aliança (28:12; 40:5; Num. 22:9,20). Punido de morte. Adultério era considerado um grande pecado entre muitos povos semíticos, como visto em muito contratos de casamento egípcios e ugaritas (Andrews Study Bible).

Muitos códigos de lei antigos, incluindo o de Hamurábi, continham provisões para se lidar com o adultério (Bíblia de Genebra).

4-5 A defesa de Abimeleque é razoável e destaca que nenhuma relação sexual havia acontecido, fato confirmado por Deus em vv. 6-7 (Andrews Study Bible).

Com sinceridade de coração. Deus julga as pessoas que não tem a lei escrita de acordo com as suas consciências (3.8; 6.9; Rm 2.14) (Bíblia de Genebra).

5-9 Algumas pessoas que estão fora dos nossos círculos cristãos exibem uma moral tão elevada, que chega a envergonhar-nos. Ela aparece inesperadamente nos caracteres mais improváveis, como aqui na repreensão de Abimeleque a Abraão. […] Deus tem comunicação direta com tais homens, mas eles precisam de nossa oração e do nosso auxílio. (Ver os versículos 3 e 17.) (Comentário Bíblico Devocional – Velho Testamento).

pecares contra mim. Esta é uma nota muito instrutiva a respeito do pecado que é, precipuamente, contra Deus e só secundariamente contra a pessoa envolvida. Esta verdade foi de muito auxílio a José na hora da tentação (39.9). É, também, o fator decisivo entrevisto na confissão feita por Davi depois de cometer adultério e assassínio (2 Sm 12.13) (Bíblia Shedd).

profeta. Enfatiza o papel intercessório do profeta. Abraão foi a primeira pessoa na Bíblia chamada de “profeta” (Andrews Study Bible).

Abraão era um homem de Deus que recebia revelações e intercedia por outros (12.7; 15.1; 18.17) (Bíblia de Genebra).

Sua significação é “porta-voz de Deus”, denotando a relação especial mantida entre Abraão e Deus que lhe revelava Sua vontade e sua mensagem de modo direto (Bíblia Shedd).

chamou todos os seus servos. Por vezes, quando um filho de Deus se obstina em pecar, Deus o leva a uma condição de opróbrio mediante a revelação pública de seus erros. Que vergonha aquela, para Abraão, verificar que Abimeleque se demonstrava mais “temente a Deus” do que ele! (Bíblia Shedd).

11 temor de Deus. Diferente de “temor do Senhor”. Este último significa respeito pela revelação especial da Escritura (Sal. 19:9; 34:11); o primeiro se refere a uma revelação mais geral e é frequentemente ligada à consciência humana (2 Cr. 20:29; Sal. 36.1). Abraão interpretou totalmente errado a situação, o que causou grande sofrimento a Abimeleque. Ele está, contudo, em “boa” companhia ao exemplo de Jonas (Jon. 3:5-4-11) (Andrews Study Bible).

A falta de absoluta sinceridade se mostra no esforço por parte de Abraão de culpar, literalmente, “os deuses (ou Deus) que me causaram andar errante…” (13). Até parece um homem do mundo falando com outro (Bíblia Shedd).

14-16 Abimeleque dá a Abraão presentes especiais  e também paga uma “taxa de honra” de 1.000 peças de prata (ou shekels) – uma quantia fabulosa, considerando que trabalhadores babilônicos recebiam meio shekel por mês (Andrews Study Bible).

16 a teu irmão. A convenção social obrigava que o presente a Sara fosse dado através do cabeça masculino da família (Bíblia de Genebra).

perante todos estás justificada. NVI: para reparar a ofensa feita a você. Hebraico: para que lhe seja um véu para os olhos (Bíblia NVI).

Abimeleque estava inculpável na situação e não tinha qualquer obrigação com Abraão ou Sara (v. 6). Em consideração ao Deus de Abraão, entretanto, Abimeleque busca restaurar a honra que Sara possa ter perdido diante dos outros (Bíblia de Genebra).

17-18  orando Abraão. A oração intercessória de Abraão abre o útero das mulheres da casa de Abimeleque. Note a ironia: se Deus pode responder a oração de Abraão em favor de mulheres pagãs, quanto mais pela mulher de Abraão? (Andrews Study Bible).

Ainda que Abraão, por falta de fé na providência de Deus e na sua proteção, tenha transgredido, ele é restaurado à comunhão. Quando ele ora, Deus responde. Assim também acontece com todo crente verdadeiro que confessa seu pecado e volta-se para a comunhão com Deus (cj 1 Jo 1.9-2.2) (Bíblia Shedd).




%d blogueiros gostam disto: