Reavivados por Sua Palavra


GÊNESIS 21 by jquimelli
2 de novembro de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/genesis/gn-capitulo-21/

O filho prometido nasceu “na época fixada por Deus em Sua promessa” (v. 2 NVI). Compare com Gálatas 4:4. Deus nunca falha em Suas promessas, e Ele sempre age na hora certa. Abraão também manteve a sua parte do pacto, circuncidando Isaque no oitavo dia “conforme Deus lhe havia ordenado” (v. 4 NVI).

Ismael, agora com 14 anos de idade (cf. 16:16; 17: 24-26), escarnecia do nascimento de Isaque, não só por se sentir superior, mas também por ciúmes pela alegria que seu irmão mais novo havia trazido para a casa (vv. 6 -8) e porque as divinas promessas se cumpririam através de Isaque (v 12; cf. 17:19). Apesar das promessas feitas a Ismael e seus descendentes (17:20; 21:13), o pacto da salvação da raça humana através da semente prometida da mulher (Gn 3:15; 12:3; Gl 4:4-5) ocorreria através de Isaque (Gên 21:12). Compare essa situação com a alegoria que Paulo descreve em Gálatas 4:21-31. Que lições temos aqui para nós?

Apesar de anteriormente Abraão ter apresentado imperfeitamente os princípios corretos na presença de Abimeleque, rei de Gerar, na terra dos filisteus (Gên 20), Abimeleque observa que Deus está com Abraão em tudo o que ele faz (v 22), e insiste que Abraão faça uma aliança com ele para para que retornem a um bom relacionamento (v 23; cf. 20:14).

Podem os observadores dizer que, apesar das nossas falhas, Deus está conosco em tudo o que fazemos? Desejam eles entrar em uma relação de aliança conosco, porque Deus está conosco?

Edwin Reynolds
Professor, Southern Adventist University

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=251
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



GÊNESIS 21 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
2 de novembro de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



COMENTÁRIO GÊNESIS 21 – PR. HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
2 de novembro de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

GÊNESIS 21 – Ser chamado e abençoado por Deus não torna automaticamente pecadores em santos, nem em abençoadores. Leia atentamente aos versículos do capítulo em pauta. Com oração dedique-se à meditação a fim de que os ensinamentos ali contidos nutram o teu coração.

Após um momento de reflexão, aprofunde-se observando estas análises:

1. Quando aconteceu o cumprimento da promessa do nascimento de Isaque (vs. 1-7) as atitudes do casal Abraão e Sara não foram dignas de imitação. Após discussões, a serva Hagar e seu filho foram despejados, descartados como objetos imprestáveis, com pouco suprimento para perambular por um deserto infindo (vs. 8-21).
2. Além disso, Abimeleque suspeitou de Abraão; por isso, preferiu fazer uma aliança com ele. Contudo, os benefícios dessa aliança favoreceram a Abraão, não a Abimeleque. O crente Abraão não era um piedoso abençoador altruísta, mas um negociador egoísta (vs. 22-34).

Ao analisar o relato bíblico, fica evidente que, a todo instante Deus atua na desgraça humana, através de seus atos de graça. Mesmo após Abraão resolver dois conflitos (um familiar e outro econômico), do próprio jeito, Deus estava agindo para abençoar a todos. Olhe novamente para a mensagem do capítulo.

Note que há lições úteis para se aplicar a nossa vida nos dias atuais:

• Assim como Hagar, quando pensamos que a situação exige de nós um ponto final em nossa história, Deus entra em cena para dar início a um novo capítulo a nossa história de vida.
• Quando problemas familiares, brigas, desvalorização e rejeição atingem o máximo do sofrimento, como quando aconteceu com Hagar ao esperar a morte de seu filho com seu ex-proprietário (Abraão), a graça divina interfere para colocar limites à desgraça e oferecer livramento aos arruinados pelos erros de outros.
• Por mais falhos que sejamos ou por mais complicada que seja nossa situação familiar ou financeira, certamente o plano de Deus é abençoar-nos graciosamente.

Assim como Deus abençoava Abraão e Sara em seus erros, abençoava à egípcia Hagar e seu filho (Ismael), quer graciosamente te abençoar também – independente da situação em que você se encontra neste momento. Entretanto, você…

• …precisa ouvir a voz de Deus;
• …deve prestar atenção ao que Deus te falar; e,
• …seguir diligentemente às orientações de Sua Palavra.

Saiba que Deus está no controle; então, reaviva-te! – Heber Toth Armí.



GÊNESIS 21 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
2 de novembro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“E disse Sara: Deus me deu motivo de riso; e todo aquele que ouvir isso vai rir-se juntamente comigo” (v.6).


Finalmente chegara o “tempo determinado” (v.3). Finalmente Abraão seguraria nos braços o tão almejado filho da promessa. Após longa espera e momentos de expectativa, aquele casal de idosos contemplou o milagre em forma de um recém-nascido. Quando o Senhor disse a Abraão que de Sara lhe daria um filho, ele “se riu” (Gn.17:17). Da mesma forma, quando Sara ouviu o prenúncio de sua gravidez, “riu-se, pois, Sara no seu íntimo” (Gn.18:12). Deus transformou o que julgamos ter sido uma atitude de incredulidade, em verdadeiro motivo de riso. Nada mais poderia ter causado tantos sorrisos e tanta alegria àquele longevo casal do que aquele filho. Isaque era a prova visível da fidelidade do Deus a quem serviam.

Havia, contudo, o filho da serva, que, sob a influência de sua mãe, tornou-se uma ameaça à segurança de Isaque. Nutrido o sentimento de inveja pelo título dado a Isaque de herdeiro da promessa, Ismael crescia sentindo-se injustiçado em seu direito de primogenitura. Por certo, o desmame de Isaque ter sido elevado à ocasião de grande celebração, foi a gota d’água para ele. Em seus olhos, Sara pôde ver o ódio homicida de quem poderia cometer o mesmo erro de Caim. Não foi por capricho que ela disse a Abraão que mandasse embora Agar e seu filho, nem tampouco pelo orgulho da maternidade, mas foi temendo pela vida de Isaque.

Aquele pedido, contudo, “pareceu mui penoso aos olhos de Abraão” (v.11). Como despediria um filho com sua mãe sem terem para onde ir? Como dizer adeus àquele que por tantos anos lhe fora o consolo na velhice? A ordem de Deus pode soar para nós como severa, mas Ele jamais falha em Suas palavras e ações. Seguir a orientação de Sara era o melhor a se fazer. É certo que o patriarca teve que pagar o preço esmagador de mandar embora um filho. Mas Ismael cresceria sempre vendo e ouvindo que de Isaque Deus suscitaria um povo escolhido, verdade esta que o seu coração não estava disposto a conviver e nem a aceitar. O Senhor proveu grande livramento, para ambos os lados, quando anuiu com a despedida de Agar e Ismael.

Os olhos de Deus, contudo, repousavam sobre a criança gerada de Abraão e Agar. Quando “ela saiu, andando errante pelo deserto” (v.14), Ele já estava lá para socorrê-la. Mas existe um momento nos desertos desta vida em que não conseguimos mais enxergar a possibilidade de continuar. Agar só conseguia ver a sede do menino. Fixando os olhos no que achava não ter mais solução, “levantou a voz e chorou” (v.16). Notem que a Bíblia não diz que Deus ouviu o lamento de Agar, e sim “a voz do menino” (v.17). A voz de uma criança moveu o coração de Deus, enquanto sua mãe foi interrogada: “Que tens, Agar?” (v.17). Ela sabia que por trás daquela pergunta havia a inquestionável verdade de que ela mesma provocara o seu próprio infortúnio. A inveja e a discórdia de Ismael não fora herança de nascimento, mas da influência direta de sua mãe que construiu o seu caráter, “tijolo” por “tijolo”, na ganância de possuir o que não lhe pertencia.

Pela segunda vez, Agar foi alcançada pela misericórdia divina e “abrindo-lhe Deus os olhos” (v.19), percebeu que a solução de seu problema estava a poucos passos de distância. E, apesar da decisão precipitada de Abraão e Sara em gerar um filho da escrava, apesar da rebeldia de Agar ou de seu filho não ser o filho da promessa, “Deus estava com o rapaz” (v.20). “Por esse tempo” (v.22), o rei Abimeleque, reconhecendo que Abraão servia ao Deus Todo-Poderoso, fê-lo jurar que não mais usasse de mentiras para com ele e nem com os seus descendentes. Pelo que Abraão jurou e defendeu um direito que era seu sobre um “poço de água” (v.25).

Percebam, amados, que este poço era o mesmo “poço de água” (v.19) em que Agar foi dar de beber a seu filho, no deserto de Berseba (v.14 e 31). Ou seja, antes que Agar e Ismael chegassem àquele deserto, Deus já havia movido Abraão a ali cavar o poço que lhes salvaria a vida. E Abraão já havia plantado “tamargueiras em Berseba” (v.33), uma espécie de arbusto. E onde foi que Agar refugiou Ismael do calor do deserto? “Colocou ela o menino debaixo de um dos arbustos” (v.15). Deus já providenciou a solução para cada um de nossos problemas, precisamos apenas pedir como uma criança e Ele abrirá os nossos olhos para enxergarmos as Suas bênçãos. Vá até Jesus com a humildade e a dependência de uma criança e Ele lhe dará da água que jamais esgota: “Aquele que tem sede venha, e quem quiser receba de graça a água da vida” (Ap.22:17).

Bom dia, saciados pela água da vida!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Gênesis21 #RPSP



GÊNESIS 21 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
2 de novembro de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria
927 palavras

visitou. Marca uma intervenção direta divina. A mesma expressão é utilizada em 1 Sam 2:21 quando Deus dá um filho à estéril Ana. Quando Deus “visita” Seu povo, Ele age como Salvador (Êx. 4:31) ou como Juiz (Êx. 20:5; 34:7) (Andrews Study Bible).

cumpriu. Este é um maravilhoso comentário a respeito da natureza de Deus que exulta em realizar os que aos homens parece impossível, cumprindo sua promessa feita aos que creem em Sua palavra (cf Gn 17.15,16) (Bíblia Shedd).  

na sua velhice, no tempo determinado. Ver 17.17,24; 18.11-14. O grande descendente de Abraão também veio no tempo determinado (Gl 4.4) (Bíblia de Genebra).

6-7 riso. O riso de incredulidade (17:17) se tornou um riso de alegria  (Andrews Study Bible).

7 Abraão e Sara estavam resignados a aceitar Ismael, como se este desse cumprimento à promessa de Deus. Não obstante, os padrões divinos são muito mais excelentes (Gl 4.22-31).

desmamado. Importante rito de passagem, marcando a transição da primeira para a segunda infância [infancy to childhood]. O desmame geralmente acontecia após os três anos de idade (1 Sam. 1:22-25) (Andrews Study Bible).

Este rito de passagem do perigoso estágio dos primeiros anos até a parte posterior da infância ocorria por volta dos três anos de idade. Aqui a ocasião é celebrada com um banquete (Bíblia de Genebra).

caçoava. A raiz hebraica é a mesma do nome de Isaque, mas se refere a uma risada desejando dano ou mal (19:14; Êx. 32:6; Jz. 16:25) ou abuso (Andrews Study Bible).

10 Rejeita. A ponto de deserdar (cf. 25.5-6). escrava. A palavra hebraica aqui difere da que foi traduzida por “serva” em 16.1. Em sua ira, Sara enfatiza a posição servil de Agar – uma indicação da animosidade entre as duas rivais (Bíblia de Genebra).

11 Abraão fica angustiado pelo pedido de Sara de não deixar herança para Ismael (Andrews Study Bible).

As leis da época, reveladas nos tabletes de Nuzi, indicam não só o fato de que o filho da esposa tinha precedência sobre o filho da escrava no caso de herança, mas também que o filho da serva não podia ser expulso depois do nascimento do filho da esposa (Bíblia Shedd).  

12 Deus desfez os receios de Abraão, asseverando-lhe que Isaque era, realmente, o continuador da linha genealógica da bênção prometida (Bíblia Shedd).  

12-13 Deus endossa o pedido de Sara, mas inclui uma bênção especial para Ismael. Note-se que Ismael não é referenciado em todo o capítulo (Andrews Study Bible).

14-16 Expulsão de Hagar e Ismael. Um odre de água poderia conter em torno de 3 galões (ou 11 l). menino. O texto indica aqui uma pessoa inexperiente e não necessariamente sugere idade (veja também Prov. 7:7). Ismael tem aqui em torno de 16 anos de idade (Andrews Study Bible).

17 A referência ao fato de Deus ter ouvido (Ismael significa “Deus ouve”) a voz de Ismael, indica que Abraão lhe havia ensinado a orar (Bíblia Shedd).  

17-19 Deus ouve a voz do menino e fala à sua mãe, prometendo uma bênção inesperada. Ele abre os olhos de Agar (22:13; 2 Reis 6:17). Note a ligação entre Gên. 21 e 22. Ambas as sementes de Abraão, a natural e a não natural, experimentam teste de Deus e ambas as histórias compartilham poderosos paralelos: 1) jornada ao desconhecido sob o comando do Senhor; 2) provisão para a jornada; 3) filhos levado a ponto de morte; 4) intervenção do mensageiro de Deus; 5) pai/mãe subitamente vê a solução para a situação; 6) promessa de bênção divina (Andrews Study Bible).

19 Clamemos a Deus; ele abrirá fontes no meio de nossos desertos. Por trás do doloroso destino de Hagar e seu filho o plano divino estava em execução. O ensino da Escritura é o seguinte: nossa vida está sendo dirigida e nossos passos, preparados. Nós devemos nos preocupar somente em encontrar o caminho. Peçamos a Deus para abrir nossos olhos para que vejamos as fontes que há junto de nós, bem como o caminho que se abre á nossa frente (Comentário Bíblico Devocional – Velho Testamento).

21 deserto de Parã. Uma região na porção centro-leste da península do Sinai. A partida de Ismael da família sela seu destino; ele não herdará as promessas divinas de descendência e terra (Bíblia de Genebra).

22-34 Direitos de água eram cruciais (cap. 26) (Andrews Study Bible).

Através da bênção divina, Abraão e sua casa tornaram-se uma presença numerosa na terra (14.13; 23.6). O fato de que um rei filisteu e seu comandante buscaram uma aliança permanente de não-agressão com Abraão e seus descendentes nos dá uma evidência concreta das ricas bênçãos pactuais de Deus sobre Abraão (Bíblia de Genebra).

22 Abimeleque, aqui, pode ser ou não o mesmo rei referido no capítulo 20. Não se tratava de um nome pessoal, e sim, de um título como os de Faraó, rei, ou presidente. Deus é contigo. Empolgante característica dos patriarcas (Isaque, 26.12, 28; Jacó, 30.27; José, 39.3) (Bíblia Shedd).  

30 sete cordeiras. A oferta de sete cordeiras, feita por Abraão, é descrição de uma das maneiras pelas quais se estabeleciam alianças. O nome Berseba (“fonte dos sete”) indica que o poço era reconhecido como pertencente a Abraão mediante ajuste solenemente celebrado (Bíblia Shedd).  

33 plantou Abraão tamargueiras. Antes da centralização do culto no Tabernáculo ou no templo, era costume plantarem-se árvores como memorial relacionado com certos acontecimentos religiosos. Abraão assim procedeu em Berseba e prestou culto ao Deus da Eternidade (heb El Olam) que é de eternidade a eternidade, nome particularmente apropriado quando em conexão com o estabelecimento de uma aliança. Cada nome de Deus, em Gênesis, revela um novo aspecto de sua auto-revelação (cf 14.18; 16.13; 17.1; 33.20; 35.7) (Bíblia Shedd).  

Onde quer que o cristão habite ele deveria orar, deixando atrás de si sempre árvores e poços (Comentário Bíblico Devocional – Velho Testamento).

34 foi… morador. O termo hebraico aqui pode ser traduzido como “residente de curta permanência”. O termo denota um estrangeiro residente (Êx. 6.4; Hb 11.9,13) (Bíblia de Genebra).



GÊNESIS 21 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
2 de novembro de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: