Reavivados por Sua Palavra


GÊNESIS 43 by jquimelli
24 de novembro de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/genesis/gn-capitulo-43/

Na longa história de Gênesis 43, vejo algumas coisas que me lembram o Apocalipse. Por exemplo, a palavra “abominação” é usada pela primeira vez neste capítulo (v. 32). Foi assim que os egípcios viam pastores e isso levou a uma separação em dois grupos. Felizmente, Deus não viu os hebreus como abomináveis. Em Apocalipse 21:27, encontramos o último uso da palavra – aqueles que fazem abominação não são encontrados no livro da vida.

A cena de José comendo com seus irmãos me faz lembrar daquela maravilhosa ceia das bodas do Cordeiro, onde os escolhidos se reunirão na longa mesa de prata para comer a comida servida pelo Rei Jesus. E nessa mesa o ímpio não encontrará lugar. Eles não podem entrar no Céu porque fizeram coisas que Deus chama de “abominação”.

Além disso, foi incrível ver Ruben e Judá dispostos a sacrificar tanto para salvar seu irmão mais novo. Eles passaram no teste que José planejou, onde eles nem sabiam que estavam sendo testados! O espírito voluntário destes irmãos me lembra este verso:

“Pois quem quiser salvar a sua vida, a perderá; mas quem perder a sua vida por minha causa, este a salvará”. (Lc 9:24 NVI)

Timothy Chin
Aluno do iEAT
Instituto de Treinamento da Ásia Oriental, Malásia

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=289
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli

Ouça em áudio (Voz: Valesca Conty):



GÊNESIS 43 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
24 de novembro de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



GÊNESIS 43 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
24 de novembro de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

GÊNESIS 43 – As Escrituras Sagradas devem afetar a cultura, não a cultura afetar as Escrituras. Nossa bagagem cultural não deve moldar nossa interpretação da Palavra de Deus, a revelação de Deus deve determinar nossa cosmovisão de tudo.

O foco de Deus não era somente José, mas também a família de José que, aparentemente, acomodara-se numa superficialidade espiritual. Aliás, o foco de Deus era e continua sendo operar no mundo inteiro a fim de resgatar a humanidade do pecado e suas consequências, independente da cultura.

As atitudes de José frente às crueldades de seus irmãos são sobrenaturais, estão além de serem naturais. O processo demorou, mas Deus prosperou – Louvado e exaltado seja Seu precioso nome!

Agora José estava pronto para colaborar com Deus na restauração de seus irmãos. Por meio de José, suas estratégias e testes, a consciência cauterizada de seus irmãos irá se despertar. Charles R. Swindoll, destaca deste relato os seguintes passos em relação à consciência:

• O primeiro passo para evitar uma consciência cauterizada é assumir a responsabilidade pela nossa culpa pessoal;
• Quando Deus ativa uma consciência cauterizada começamos a ganhar uma perspectiva diferente;
• Deus também ativa a consciência cauterizada quando recebemos expressões imerecidas de graça.

Após isso, no capítulo em questão, encontramos as seguintes divisões, conforme destaca Victor P. Hamilton: Os irmãos regressam ao Egito com Benjamim:

1. Desavenças entre pai e filhos (vs. 1-10);
2. Israel dá permissão para que Benjamim fosse com eles ao Egito (vs. 11-14)
3. Os irmãos regressam ao Egito (vs. 15-25);
4. José e Benjamim se encontram (vs. 26-34).

Deus usa meios inimagináveis para tratar nossos medos, traumas e passados negros. A transição para a restauração é um processo, por vezes, doloroso, difícil. Quanto mais difícil nos fazemos, pior será para nós, pois nosso passado errado e tenebroso irá ditar nossos comportamentos e pensamentos, os quais serão medonhos.

Medo, insegurança, angustia e incertezas tomam conta do coração dos pecadores e Deus quer eliminar tudo isso aplicando a paz que vem da reconciliação. A restauração da família indubitavelmente passa pelo reconhecimento da culpa, o que só acontece se Deus despertar a consciência.

Deixe Deus restaurar tua consciência a fim de restaurar tua família. Deus quer restaurar tua vida e a vida de tua família. Você permiti?

Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



GÊNESIS 43 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
24 de novembro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Levantando José os olhos, viu a Benjamim, seu irmão, filho de sua mãe, e disse: É este o vosso irmão mais novo, de quem me falastes? E acrescentou: Deus te conceda graça, meu filho” (v.29).


Como quem gostaria de nunca mais sentir fome, Jacó suportou até onde pôde a escassez de alimento. Esgotado porém o mantimento trazido do Egito, viu-se obrigado a mandar seus filhos novamente ao lugar que ameaçava roubar-lhe o terceiro filho. Foi quando Judá, o mesmo que arquitetara o plano para se ver livre de José, pronunciou-se como o garantidor da vida de Benjamim. Desta vez suas palavras eram verdadeiras e percebendo Jacó a convicção de quem estaria disposto a dar a sua vida, permitiu a partida de seu caçula sob a tutela de Judá e dos demais. Mas assim como um dia enviara presentes a Esaú a fim de lhe aplacar a ira, procurou fazer o mesmo com o governador egípcio. Os pacotes com o melhor da terra foram preparados e, abençoando seus filhos, os despediu com a angústia de quem poderia nunca mais retornar a vê-los.

Chegando ao Egito, a caravana de Israel foi logo conduzida à presença de José, que vendo a Benjamim, deu ordens de que fossem levados à sua casa. Com grande temor seguiram o “mordomo da casa de José” (v.19) e lhe explicaram a razão de sua ansiedade. Qual não foi sua surpresa, ao ouvir aquele serviçal egípcio lhes falando como um que conhecia o Deus de Israel: “Paz seja convosco, não temais; o vosso Deus, e o Deus de vosso pai, vos deu tesouro dos sacos de cereal”, e, confortando-lhes o coração, “lhes trouxe fora a Simeão” (v.23), que mais tinha aparência de convidado do que de encarcerado. Apesar de tratados com muitas gentilezas, os filhos de Israel cuidaram de preparar “o presente, para quando José viesse” (v.25).

Chegando José a casa” (v.26), aquele presente o fez lembrar-se de seu pai, e na esperança de que ainda poderia vê-lo, perguntou-lhes: “Vosso pai, o ancião de quem me falastes, vai bem? Ainda vive?” (v.27). Mas foi quando avistou seu irmão Benjamim, “filho de sua mãe” (v.29), que suas emoções vieram a tona e precisou ausentar-se para chorar. Recompondo-se, retornou à presença de seus irmãos e deu ordens para que os servissem a refeição, sendo que, para Benjamim, a porção “era cinco vezes mais do que a de qualquer deles” (v.34). José estava disposto a tratá-los com misericórdia e a estender-lhes o perdão. Não sabia, porém, se eles estavam prontos para isso. Se àquele tempo o simples fato de José possuir uma roupa melhor os fez sentir um ódio homicida, que dirá se soubessem que ele ocupava o mais alto cargo na maior potência mundial daquela época! O grande teste final estava por vir.

Quando somos feridos, cada um de nós possui uma reação diferente. A depender das circunstâncias, o nosso coração é direcionado para a constante recordação da dor. Contudo, existem dois remédios, ou dois antídotos, que Deus usa a fim de oferecer cura ao coração machucado: a distância e o tempo. Os longos anos de separação foram sarando em José a ferida causada pela violência e desprezo de seus irmãos. Nem sempre conseguimos ficar distantes de quem nos machuca, mas podemos sim evitar os confrontos e estabelecer um espaço seguro onde estejamos protegidos não só das lembranças dolorosas, mas também do perigo de prorrogar e intensificar sentimentos que nos machucam ainda mais.

Podemos e devemos exercitar o perdão para com todos, mas o Senhor que sonda os corações conhece qual seja exatamente a forma de nos conduzir ao perdão e respeita a nossa individualidade. José era um homem de Deus, mas também era um ser humano como você e eu, e precisava de cura tanto quanto seus irmãos. O perdão é o único tratamento em que oferece a cura para quem dá e para quem recebe. Talvez ainda não tenha chegado o seu tempo de liberar o perdão. Talvez a recordação da dor esteja constantemente diante de você. Mas o mesmo Deus que era com José deseja derramar em seu coração o amor na Pessoa dAquele que, mesmo ferido, humilhado e desprezado, teve olhos de misericórdia para com Seus algozes, dando-lhes a “sentença” do perdão: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lc.23:34). Abra o seu coração e receba a mais linda e feliz cura!

Feliz sábado, curados pelo perdão!

Desafio do dia: Siga a ordem do Mestre: “amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem” (Mt.5:44), e seja feliz.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Gênesis43 #RPSP

Comentários em áudio:
https://www.youtube.com/user/nanayuri100
https://www.youtube.com/channel/UCzzqtmGdF4UqBopc6CRiqLA



GÊNESIS 43 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
24 de novembro de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria

1264 palavras

1-34 Através de José, o misericordioso (v. 14), provisor (v. 23) e gracioso (v. 29) Deus dos patriarcas começa a trazer paz àquela família dividida (vs. 23.26-28). Bíblia de Genebra.

2 Voltai. Quando o cereal trazido do Egito foi todo consumido e a fome persistia devido à contínua seca, Jacó pediu aos filhos que voltassem ao Egito para buscar “um pouco de mantimento”. Não foram os filhos que tomaram a iniciativa; eles sabiam que seria inútil voltar sem Benjamim, mas também sabiam que era aparentemente impossível fazer o pai mudar de ideia. Judá, tornando-se o porta-voz dos outros, disse com firmeza que eles não iriam a menos que Benjamim fosse com eles, uma vez que o governante egípcio havia declarado solenemente que não veriam sua face sem o irmão mais novo. Judá, o quarto filho de Jacó, foi o porta-voz dessa vez porque Rúben, o filho mais velho, já havia sido recusado, Simeão estava  numa prisão egípcia e Levi provavelmente havia perdido a confiança do pai devido a sua traição contra os siquemitas (Gn 34). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 480.

Judá lhe disse. A partir desse momento, Judá passou a ser porta-voz de seus irmãos (cf. v. 8-10; 44.14-34; 46.28). Sua tribo passaria a ter preeminência entre as 12 (v. 49.8-10), e ele mesmo seria o antepassado de Jesus (v. Mt 1.2, 17; Lc 3.23, 33). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Eu serei responsável. Judá oferece a si mesmo como fiador da segurança d Benjamim – gesto ainda mais generoso que o de Rúben (v 42.37). Bíblia de Estudo NVI Vida.

A nobreza de caráter, tão evidente na linguagem de Judá, é ilustrada mais tarde em seu apelo emocionado diante de José (Gn 44:18-34). Uma grande mudança deve ter ocorrido em seu caráter desde os incidentes registrados em Gênesis 37 e 38. CBASD, vol. 1, p. 481.

Ao passo que Rúben não fora capaz de persuadir a Jacó da absoluta necessidade de consentir na ida de Benjamim ao Egito, quando se tornara inevitável voltarem para adquirirem alimentos, Judá o persuadira. Rúben tinha prometido as vidas de deus dois filhos, caso não lhe fosse possível trazer a Benjamim, são e salvo ao pai (42.37). Judá, porém, se ofereceu a si mesmo. Vem-nos, imediatamente ao pensamento aquEle divino Descendente de Judá, quando refletimos no emprego da palavra “culpado” (lit “pecado”, em hebraico hatta) “Serei, para contigo para sempre”. Cristo deu a sua vida “como oferta pelo pecado” (Is 53.10) e “foi feito pecado por nós” (2 Co 5.21) a fim de que pudesse levar-nos salvos para o Pai Celestial. Bíblia Shedd.

14 Todo-Poderoso (El-Shaddai). Jacó resigna-se com relutância, ante o fato inegável traçado pela soberania de Deus – se Benjamim não fosse, toda a família ficaria sujeita a perecer de fome, mas, indo, caso não voltasse com vida, pouco lhe conviria viver. Não obstante, o Senhor vive para sempre. A Jacó só resta descansar no Senhor a sua confiança. Bíblia Shedd.

se eu perder os filhos. Embora Jacó tivesse fé na proteção divina, logo na declaração seguinte ele revela incerteza quanto a Deus abençoar seus filhos pecadores. Eles eram imprevisíveis e podiam arranjar problemas mesmo onde não havia razões para tal. Num espírito de resignação, ele se submeteu à vontade divina, qualquer que ela fosse. CBASD, vol. 1, p. 481.

A oração de Jacó ecoa uma oração anterior (32:10-11). Deus, o “Poderoso” (17:1, 28:3; 35:11; 48:3; 49:25) e capaz, não somente de dar filhos à estéril, mas também proteger Seu filho (Andrews Study Bible).

15-23 Na chegada de Benjamim ao Egito, José o reconhece e prepara uma festa. Por causa da superamistosa recepção, os irmãos de José suspeitam de algo (v. 18) e, consequentemente, decidem relatar o achado de seu dinheiro. Ele passam pelo teste anterior (42:26-28) e relatam ao mordomo de José o incidente com o dinheiro devolvido (Andrews Study Bible).

23 o vosso dinheiro me chegou a mim. O mordomo, aparentemente a par dos planos de José, acalmou-os com a certeza de que o dinheiro chegara até ele, e que a reaparição do dinheiro deles devia ser explicada como um ato de Deus. Como para banir-lhes todos os temores, trouxe Simeão até eles e, com verdadeira cortesia oriental, tratou-os como convidados, dando-lhes água para lavarem os pés e ração para alimentar os animais de carga.CBASD, vol. 1, p. 482.

O tema central em todo o relato da vida de José (Gn 37-50) consiste na demonstração da soberania divina. Bíblia Shedd.

24-25 José dá a eles a tradicional saudação oriental, que inclui lavar os pés, prover comida para seus animais e troca de presentes (18:4; 19:2; 24:32; Lucas 7:44) (Andrews Study Bible).

26-28 e prostraram-se. É repetida para mostrar como os sonhos de José se cumpriram profeticamente (cf 37.7,9 com 42.6). Bíblia Shedd.

26-31 Importante diálogo entre José e seus irmãos, que não suspeitavam de nada. Tocado pelas boas novas a respeito de seu bem amado pai e pelo encontro com Benjamim, José se retira e chora. se movera no íntimo. A mesma expressão é utilizada para descrever os sentimentos de uma mãe por seu filho moribundo (1 Rs. 3:26) (Andrews Study Bible).

29 Deus te conceda graça. José reservou uma saudação especial para seu amado e verdadeiro irmão (cf Nm 6.25; Rm 1.7). Biblia Shedd.

30 porque se movera no seu íntimo. Esta foi a segunda vez em que José foi dominado pela emoção; a primeira foi quando seus irmãos falavam entre si sobre sua crueldade para com ele (Gn 42>21). Agora foi a presença de seu próprio irmão, que ele não via havia longos 22 anos, que despertou suas emoções. Então, “suas entranhas se comoveram” (BJ). … Uma vez que desejava testar a atitude dos irmãos com relação a Benjamim, ainda não estava pronto para se dar a conhecer, e se retirou apressadamente, com receio de não ser capaz de prosseguir com o plano até o fim. Durante a refeição, quando o esperado era conversar livremente, José teria uma excelente oportunidade para observar a atitude deles. recompondo-se, lavou o rosto, voltou para onde estavam os irmãos e ordenou que a refeição fosse servida.CBASD, vol. 1, p. 482.

32-34 A ordem dos assentos dos irmãos deveria dar a eles uma pista da identidade de José. Apesar de Benjamim receber porções cinco vezes maior que a de seus irmãos, nenhuma inveja é notada, satisfazendo, portanto, outro teste. A aversão dos egípcios em comer com estrangeiros (v. 32) é bem conhecida de fontes clássicas (p. ex., Heródoto, Strabo). Outra abominação aos egípcios envolvia o pastoreio (46:34). Canaanitas eram considerados bárbaros e incivilizados (Andrews Study Bible).

Os antigos egípcios sempre eram rigorosos no assunto de associação com estrangeiros. Consideravam-se a classe mais elevada de seres humanos. Autodenominavam-se “pessoas”, enquanto que os outros eram mais ou menos bárbaros, criaturas intermediárias entre eles e o reino animal. A aversão aos estrangeiros se revelava notavelmente no cotexto da alimentação. Os hebreus, por exemplo, abatiam e comiam animais considerados pelos egípcios como sagrados. Segundo o relato de Heródoto (11.41), nenhum egípcio usaria a faca, o garfo ou a panela de um grego, nem comeria carne deu um animal limpo cortada com a faca de um grego.CBASD, vol. 1, p. 482, 483.

33 se maravilhavam. A capacidade misteriosa de colocar os irmãos na ordem certa elevaria a apreensão de interpretação divina perseguindo-os. Bíblia Shedd.

Descobrindo que seus ligares à mesa foram ordenados de acordo com a idade de cada um, eles olharam uns para os outros com espanto, convencidos de que esse augusto dignitário havia sido avisado de maneira sobrenatural sobre a idade deles.CBASD, vol. 1, p. 483.

34 cinco vezes. Benjamim era o convidado de honra. … José procurou testar seus irmãos para descobrir o verdadeiro sentimento deles para com Benjamim e, assim, para consigo mesmo. Desejava ver se invejavam e odiavam o irmão mais novo por causa de sua origem materna, como haviam anteriormente invejado a ele próprio.CBASD, vol. 1, p. 483.

Seu comportamento (“beberam e se regalaram com ele”) indicou que seu arrependimento fora genuíno. Bíblia de Genebra.



GÊNESIS 43 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
24 de novembro de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: