Reavivados por Sua Palavra


GÊNESIS 25 by jquimelli
6 de novembro de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/genesis/gn-capitulo-25/

Neste capítulo nós nos despedimos de Abraão e somos apresentados a Jacó, cujos filhos se tornaram os líderes das doze tribos da nação de Israel. É através da nação de Israel que Deus cumprirá Sua promessa feita a Abraão de fazer a sua família uma grande nação e abençoar todo o mundo através dessa nação (Gn 12:1-3). Em última análise, Jesus nasceria da família de Abraão e seria a maior bênção e cumprimento final da promessa de Deus a Abraão (Mt 1:1-17; Gl 3:16-17).

Mas antes da história dos filhos de Jacó e da formação da nação de Israel, devemos ouvir a história de Jacó, cujo nome é mudado para Israel. Temos de aprender de sua experiência de vida e acompanhar sua jornada desde o engano e maldade (Gn 25:29-34; 27:36) até chegar a príncipe com Deus (Gn 32:28). Deus transforma o caráter de Jacó e, finalmente, muda seu nome como prova da transformação.

A história de Jacó é realmente a história de cada filho de Deus. Durante estes próximos dias tente ler a história de Jacó como se fosse a sua própria história.

Douglas Tilstra
Diretor de Vida Acadêmica
Walla Walla University

Postado no blog mundial em: https://www.revivalandreformation.org/?id=249
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli

Ouça este comentário em áudio:



GÊNESIS 25 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
6 de novembro de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



GÊNESIS 25 – COMENTÁRIO PR. HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
6 de novembro de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

GÊNESIS 25 – Nesta vida, nada é perfeito. Muitas vezes precisaremos tomar rumos nunca dantes sonhados. A morte de um membro da família altera o curso da vida radicalmente. Decisões nunca planejadas serão tomadas que poderão chocar alguns.

Abraão casou-se outra vez após a morte de Sara. Além de ter Isaque com Sara – sua esposa, e Ismael com Hagar – a escrava da esposa –, Abraão teve mais seis filhos com Quetura/Cetura. Essa informação pode ser novidade para muitos e pode chocar a alguns; todavia, Deus não ocultou isso de nós (vs. 1-3);

Abrão morreu após ter vivido 175 anos. Antes, porém, de morrer, dividiu seus bens para que não houvesse brigas por herança entre seus oito filhos. Seria muito bom e sábio da parte de todo pai se assim procedesse antes de morrer (vs. 5-6).

Maduro pelas vicissitudes da vida, pelas vitórias divinas alcançadas, realizado com o filho da promessa e mais sete filhos, fortalecido na fé e moldado pela dependência de Deus, Abraão “morreu numa velhice feliz, idoso e saciado de dias, e foi reunido à sua parentela. Isaac e Ismael, seus filhos, enterraram-no na gruta de Macpela” junto a sua esposa (vs. 7-11, BJ).

Ismael tornou-se uma grande nação, conforme Deus prometeu (17:20). Embora tenha-se desviado devido à forte influência idólatra da família egípcia de sua mãe, “em seus últimos dias arrependeu-se de seus maus caminhos, e voltou ao Deus de seu pai” (Patriarcas e Profetas, p. 174). Ele morreu com a idade de 137 anos e deixou doze filhos que foram doze chefes de clãs (vs. 12-18).

Por ter-se arrependido antes de morrer, Ismael estará no Céu juntamente com seu pai Abraão! Se arrependermos o quanto antes, também estaremos e, os conheceremos lá!

Isaque orou durante 20 anos para que sua esposa tivesse filhos e Deus atendeu a sua súplica. Lição: Nunca desista de orar, certamente Deus irá compensar-te!

Ainda neste capítulo uma nova saga começa: a dos dois irmãos gêmeos que competiam entre si antes mesmo de nascer. No ventre de sua mãe eles já mostraram seu destino e Deus revelou o futuro desses dois filhos de Isaque. Logo na juventude, o visionário Jacó almejou a primogenitura que pertencia ao relapso Esaú e, o duelo avançou… (vs. 19-33).

Destaque mais lições deste capítulo… – Heber Toth Armí.



GÊNESIS 25 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
6 de novembro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Cresceram os meninos. Esaú saiu perito caçador, homem do campo; Jacó, porém, homem pacato, habitava em tendas” (v.27).


A vida dos grandes homens e mulheres de Deus do passado nos deixaram um legado de fé, fidelidade e temor a Deus. Voluntariamente permitiam que o Senhor lhes indicasse o caminho a ser seguido e buscavam servi-Lo. Não obstante, também eram homens como nós, sujeitos “aos mesmos sentimentos” (Tg.5:17) e, com muita frequência, podemos comprovar isso nas Páginas Sagradas. Não sabemos exatamente em que período Abraão tomou para si “outra mulher” (v.1), mas, certamente, o Senhor deixou bem claro que sobre o Seu propósito original estava a Sua bênção: “Depois da morte de Abraão, Deus abençoou a Isaque, seu filho” (v.11).

Mesmo habitando em tendas, afastado dos costumes e tradições pagãs das cidades circunvizinhas, a natureza humana mostrava a sua real condição pecaminosa. Abraão não só maculou os laços sagrados de seu matrimônio, como também abriu brechas para inculcar na mente de seus demais filhos a predileção divina referente a Isaque. Isaque não era o preferido de Deus, mas o cumprimento da promessa feita por Ele a Abraão. Por vinte anos Isaque “orou ao Senhor por sua mulher, porque ela era estéril; e o Senhor lhe ouviu as orações, e Rebeca, sua mulher, concebeu” (v.21). Já no ventre, a luta era sentida e o primeiro lugar disputado.

Infelizmente, os sentimentos de Abraão e as lições aprendidas de sua especial eleição, motivaram Isaque a apegar-se mais a um filho do que ao outro. Esaú mostrava-se um homem forte e decidido. Aos olhos de seu pai, não poderia haver outro mais capaz para assumir a liderança da família e dar continuidade à descendência de Abraão. Jacó, por sua vez, era homem pacífico, sossegado. Enquanto Esaú empreendia planos e era ávido por grandes aquisições, Jacó apreciava a vida pacata e a simplicidade de suas habitações. Em tudo eram diferentes e em tudo divergiam. Fossem, porém, ensinados a unir suas diferenças para um bem comum, muitos sofrimentos poderiam ter sido evitados.

Como primogênito e herdeiro por herança, Esaú não cogitava a possibilidade de perder o seu direito adquirido. Mas Jacó, influenciado por sua mãe, aproveitou-se de uma situação casual para conquistar para si o que Deus já havia dito que seria seu. E, como no Éden, Esaú foi vencido pelo apetite, rebaixando sua primogenitura à estatura de um “cozinhado de lentilhas” (v.34). Da mesma forma, nós não estamos livres de sofrer pelas consequências de nossas próprias escolhas. “Porque Deus amou ao mundo” (Jo.3:16) já é um recado bem claro de que “para com Deus não há acepção de pessoas” (Rm.2:11). Contudo, Ele que conhece o fim desde o princípio, também conhece o coração humano e suas intenções. Nossos erros ou acertos não servem de termômetro de santidade. Deus conhece os Seus e os identifica desta forma ainda que tudo conspire de forma contrária. Não despreze o seu direito como filho ou filha do Rei do Universo! Não permita que nada neste mundo substitua a herança que Cristo conquistou para você!

Bom dia, herdeiros da vida eterna!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Gênesis25 #RPSP

Comentários em áudio:

https://www.youtube.com/user/nanayuri100

https://www.youtube.com/channel/UCzzqtmGdF4UqBopc6CRiqLA



GÊNESIS 25 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
6 de novembro de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria

594 palavras

1-11 Última menção de Abraão na história. Ele teve outra esposa, que parece ser descrita como uma concubina (v. 6). Seus filhos são suficientemente importantes para serem incluídos em uma breve genealogia, mas ao mesmo tempo são insignificantes para as bênçãos divinas e são mandados embora para proteger Isaque (Andrews Study Bible).

8-10 A descrição da morte de Abraão utiliza uma linguagem tradicional, enfatizando o avançado de sua idade. Seu corpo foi enterrado no sepulcro da família, aonde Sara já estava enterrada (23.19). A expressão “foi reunido ao seu povo” não denota movimento da alma, mas sim o inevitável destino pós queda da humanidade: todos iremos morrer. Isto é destacado fortemente no Pentateuco (25:17; 35:29; 49:33; Deut. 32:50) (Andrews Study Bible).

Esaú tinha 15 anos [tb Jacó] quando Abraão morreu (Bíblia Shedd).

9 Nascimentos e mortes unem as famílias (Comentário Bíblico Devocional – Velho Testamento).

11 Beer-Laai-RoiIsto é, poço daquele que vive e me vê (Bíblia NVI).

12-18 A genealogia de Ismael é incluída, marcando o cumprimento das promessas para Agar (16:10) e Abraão (17:20). Os doze filhos refletem as unidades tribais de Israel (35:22b-26) (Andrews Study Bible).

18 Havilá ficava, provavelmente, perto do Sinai, ao noroeste da Arábia. Sur era um povoamento fortificado, mantido pelo Egito com a finalidade de antepor uma barreira contra os nômades orientais. Toda a área fica, portanto, compreendida pela Arábia setentrional [norte] (Bíblia Shedd).

19-34 Como Sara, Rebeca era estéril e somente concebeu devido a intervenção divina e orações de seu marido Isaque após vinte anos de casamento (v. 26) (Andrews Study Bible).

20 Padã-Arã. Provavelmente na região noroeste da mesopotâmia (Bíblia Shedd).

22 lutavam. Forte expressão significando literalmente “batendo um no outro” (Deut. 28:33; Jz. 9:53).  O tema do conflito progride desde o útero, passando pelo parto (Gên. 25:26), suas profissões diferentes (v. 27) e preferências opostas às dos pais (v. 28) (Andrews Study Bible).

23 A resposta divina antecipa o conflito entre os dois filhos de Isaque e destaca a proeminência  da eleição divina sobre as  tradições estabelecidas dos direitos do primogênito (Andrews Study Bible).

25 Esaú significa “cabeludo”. Em muitos aspectos ele era mais atraente e insinuante que Jacó, mas faltava-lhe uma coisa importante: a fé. Não era só o caso de ser ele um materialista (Hb 12.16) pois que, também Jacó assim se revelara na primeira fase de sua vida. O fato, porém, era que Esaú não depositava confiança nas promessas divinas, nem atribuía qualquer valor à aliança estabelecida com Abraão. Jacó, por outro lado, estava confiante e buscava tais promessas. Deus o abençoara e submetera-o à disciplina (Bíblia Shedd).

26 Jacó, “aquele que segura o calcanhar”, portanto, “Suplantador”, o que tira vantagem sobre outros pela astúcia (Bíblia Shedd).

29-34 Jacó tira vantagem da situação e ganha o direito de primogenitura trocando-o por um cozido, procurando forçar a mão de Deus. A rápida refeição de Esaú (marcada por quatro verbos em rápida sucessão [comeu, bebeu, levantou-se, saiu]), dado em troca do direito de primogenitura, mostra a tolice de Esaú (Heb. 12:16) (Andrews Study Bible).

30 Edom significa “vermelho”, associa-se ao fato de ser esta a cor de Esaú (25), bem como a cor do prato de lentilhas, pelo qual ele negociara seu direito de primogenitura (Bíblia Shedd).

31 O direito de primogenitura tinha referência a certos privilégios atribuídos ao filho mais velho: 1) Porção dobrada dos haveres paternos, depois da morte deste; 2) Direito de exercer o sacerdócio sobre a família; Em relação à família de Abraão, a primogenitura incluía mais este direito: 3) Ficar na linha genealógica direta do Salvador por vir. (Bíblia Shedd).

Tais privilégios nada eram na opinião de Esaú, e ele se sentia muito satisfeito em desfazer-se de tudo o que implicavam, se somente pudesse obter a satisfação imediata dos apetites (Comentário Bíblico Devocional – Velho Testamento).



GÊNESIS 25 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
6 de novembro de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: