Reavivados por Sua Palavra


GÊNESIS 22 by Jeferson Quimelli
3 de novembro de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/genesis/gn-capitulo-22/

Deus havia prometido a Abraão um herdeiro e descendência tão numerosa como as estrelas do céu (Gn 15:4, 5). Mas em Gênesis 22, quando o herdeiro de Abraão, Isaque, já é quase um homem, Deus ordena a Abraão que o sacrifique como um holocausto [oferta queimada].

Como alguém deve proceder quando a ordem de Deus parece contradizer à Sua promessa? No passado Abraão havia tentado salvar sua família dizendo que sua esposa Sara era sua irmã e havia tentado cumprir a promessa de Deus de um filho tendo relações com a serva de sua esposa. Mas agora Abraão está finalmente pronto para viver de acordo com o que Deus lhe havia perguntado antes do nascimento de Isaque: “há coisa demasiadamente difícil para o Senhor?” (Gên 18:14).

Quando Isaque lhe pergunta: “onde está o cordeiro?”, Abraão responde: “Deus mesmo há de prover o cordeiro para o holocausto, meu filho” (Gn 22:8 NVI). E no mesmo lugar onde os sacrifícios do templo seriam oferecidos e perto de onde Jesus iria morrer para nos salvar da morte, Deus providenciou um cordeiro substituto no lugar de Isaque.

Quando as ordens de Deus parecem ser impossíveis de serem obedecidas, você está disposto a confiar na promessa de Deus? A Boa Nova de que Jesus morreu para que você possa ter a vida eterna lhe dá fé para obedecer a todos os mandamentos de Deus?

Douglas Jacobs
Professor, Southern Adventist University

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=252
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



GÊNESIS 22 – COMENTÁRIO ADICIONAL ROSANA BARROS by Jeferson Quimelli
3 de novembro de 2018, 0:58
Filed under: Sem categoria

Abraão foi severamente provado, e em nenhum momento duvidou da ordem divina. Como um tipo do Pai Celeste, deveria tomar o seu único filho, a quem tanto amava, e oferecê-lo em holocausto sobre um monte.  

Ainda de madrugada, o fiel ancião levantou-se e seguiu na mais angustiante viagem de sua vida. A partir do pé do monte, seguiram somente Abraão e Isaque. Sobre Isaque foi colocada a madeira, enquanto Abraão tinha nas mãos os instrumentos de morte. Ao perceber o que estava para acontecer, Isaque não mostrou qualquer resistência e o velho pai teve certeza da nobreza de caráter de seu precioso filho. Abraão ergueu o cutelo, mas do Céu, ouviu a voz familiar a impedi-lo de prosseguir com o intento. Ao erguer os olhos, viu a salvação. 

Amados, um dia, Deus tomou Seu Filho amado e O levou para o sacrifício. Só que no monte do Calvário não houve substituto que O favorecesse. Naquele dia de densas trevas, o verdadeiro Cordeiro de Deus foi morto. Assim foi provido o preço de nosso resgate.  

A história de Isaque é profética. É o relato que mais se aproxima da história da cruz .Louvado seja Deus por seu imenso amor! 

Rosana Garcia Barros  



GÊNESIS 22 – ÁUDIO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUAREZ by Jeferson Quimelli
3 de novembro de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



COMENTÁRIO GÊNESIS 22 – PR. HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
3 de novembro de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

GÊNESIS 22 – O que Deus mais quer que saibamos é sobre a salvação; em contrapartida, Satanás faz tudo para impedir-nos de entender tão precioso e relevante assunto.

O Evangelho antes do “Evangelho” foi sempre o mesmo. A graça, antes de sua plena manifestação na cruz foi sempre a mesma. No Antigo Testamento o método de salvação tinha a mesma forma e o mesmo endereço, só a didática era diferente!

Neste relato do “sacrifício” de Isaque, o filho da promessa, por seu pai Abraão, o pai da fé, observamos estes três importantes pontos:

1. Didaticamente Abraão representava a Deus Pai (vs. 2-3, 16);
2. Didaticamente Isaque prefigurava a atitude de Jesus, o Deus Filho (vs. 6-10);
3. Didaticamente o cordeiro simbolizava o sacrifício de Cristo (vs. 8, 13-14).

Abraão era pecador e deveria pagar com a vida o preço de seu pecado. Isaque era pecador e deveria pagar com a vida o preço do seu pecado. Nós somos pecadores e devemos pagar com a vida o preço de nosso pecado. Assim como Isaque deveria morrer de verdade, também deveria Abraão e cada um de nós.

Assim como câncer não se cura com aspirina, pecado não se cura com qualquer coisinha simples. Obediência, práticas, rituais e cerimônias religiosas não podem, de forma alguma, curar a desgraçada doença do pecado. Contudo, para Deus a pior doença tem cura.

Cada pecador deste mundo deveria morrer – o que está ilustrado em cada sacrifício do Antigo Testamento. Como Isaque, deveríamos estar sobre o altar de sacrifícios, mas Cristo, o Cordeiro de Deus, assumiu nosso pecado. Nossos terríveis pecados levaram Jesus à morte. O preço foi alto demais, altíssimo!

Isaque era extensão da vida de Abraão. Se Isaque morresse sem filhos implicava também a morte de Abraão. Mas ambos tiveram a oportunidade de viver, devido à morte de um cordeiro substituto, o qual apontava para Cristo. Assim como o cordeiro inocente assumiu o lugar do culpado, Jesus assumiu nosso lugar.

Assim como o cordeiro morreu em lugar de Isaque, Jesus morreu em nosso lugar. Portanto, em Cristo, e somente através dEle, seremos livres da condenação. Assim como Abraão entregou seu filho, Deus nos entregou o Seu – o verdadeiro Filho da Promessa. Aleluia!

Conheça, experimente e viva o plano da salvação. Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



GÊNESIS 22 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
3 de novembro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Então, lhe disse: Não estendas a mão sobre o rapaz e nada lhe faças; pois agora sei que temes a Deus, porquanto não Me negaste o filho, o teu único filho” (v.12).


De todos os homens que foram tipos de Cristo no Antigo Testamento, certamente o capítulo de hoje aponta Isaque como o protagonista do relato que mais se aproxima da história da cruz. Abraão foi severamente provado, mas como aquele que conhecia a voz do seu Deus, em nenhum momento duvidou da ordem divina, e, como um tipo do Pai Celeste, deveria tomar o seu único filho, a quem tanto amava, e oferecê-lo em holocausto sobre um monte (v.2). Ainda de madrugada, o fiel ancião se levantou e seguiu na mais angustiante viagem de sua vida. “Erguendo Abraão os olhos” (v.4), viu o lugar do sacrifício.

A partir dali, era somente ele e Isaque. Seus servos não poderiam ter parte alguma naquele holocausto. Mas ele fez uma promessa: “voltaremos para junto de vós” (v.5). Sobre Isaque foi colocado o peso da lenha, enquanto Abraão tinha nas mãos os instrumentos de morte. “Assim, caminhavam ambos juntos… seguiam ambos juntos” (v.6 e 8). Ao perceber o que estava para acontecer, Isaque não mostrou qualquer resistência e o velho pai teve certeza da nobreza de caráter de seu precioso filho. O cutelo foi erguido, mas do Céu, ouviu a voz do seu Senhor a impedí-lo de prosseguir com o intento. Novamente, Abraão ergueu os olhos, mas, desta vez, ele viu a provisão de Deus.

Amados, um dia, Deus tomou Seu Filho, seu único Filho, a Quem tanto ama, e O levou para um sacrifício. Jesus levou sobre Si não apenas o peso do madeiro, mas de pecados que jamais cometeu. No monte do Calvário não houve substituto que O favorecesse, mas Ele mesmo Se fez substituto por nós. Enquanto cruzava a via dolorosa, Ele e o Pai “seguiam ambos juntos” (v.8). Era uma obra exclusivamente divina. Aos Seus servos, Ele já havia dito: “Não se turbe o vosso coração… voltarei e vos receberei para Mim mesmo” (Jo.14:1-3). Naquele dia de densas trevas, o verdadeiro Cordeiro de Deus foi morto e “no monte do Senhor” (v.14) foi provido o preço de nosso resgate. “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo o que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo.3:16). Creia nesta preciosa promessa e, assim como “voltou Abraão aos Seus servos, e, juntos, foram para Berseba, onde fixou residência” (v.18), Cristo voltará para buscar os Seus servos e os levará para fixar residência na Cidade de Deus!

Que Deus vos conceda um lindo e feliz sábado!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Gênesis22 #RPSP



GÊNESIS 22 – COMENTÁRIOS ADICIONAIS by Jeferson Quimelli
3 de novembro de 2018, 0:06
Filed under: Sem categoria

261 palavras

Eu e o rapaz. Cada um dos três verbos da sequência a seguir está na primeira pessoa do plural. A tradução não reflete a fé profética implícita no hebraico. Literalmente, Abraão disse aos dois servos: “Eu e o rapaz – nós iremos até lá, nós adoraremos e nós voltaremos.”Embora não compreendesse o propósito de Deus, ele acreditava que Deus ressuscitaria Isaque dos mortos (Hb 11:19). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 356.

Edificou Abraão um altar. Ao chegar ao local onde séculos mais tarde estaria o templo, pai e filho ergueram um altar. Salém, a cidade de Melquisedeque, ficava a curta distância ao sul. Mas um pouco mais adiante, a noroeste, ficava a colina mais tare conhecida como Gólgota. CBASD, vol. 1, p. 358.

14 O SENHOR proverá. Abraão deu ao local o nome de Yahweh-jireh, “O SENHOR proverá”. CBASD, vol. 1, p. 359.

17 Possuirá a cidade de seus inimigos. Isso é provavelmente uma predição de que seus descendentes seriam vitoriosos sobre os inimigos na futura conquista de Canaã. Pode incluir Também o triunfo da verdade sobre os sistemas religiosos pagãos, isto é, a conversão dos pagãos através do esforço dos pagãos missionários dos filhos espirituais de Abraão. CBASD, vol. 1, p. 359.

23 Betuel gerou a Rebeca. Nada se sabe dos outros filhos de Naor; somente sobre Betuel, o filho mais novo. Betuel é importante por ser o pai de Laboratório e Rebeca (ver Gn 24:15, 24, 47, 50; 25:20; 28:2, 5). O nome Betuel, literalmente “habitação de Deus”, pode indicar que ele era um homem piedoso. A omissão do nome de Labão nesta lista sugere que ele ainda não era nascido. CBASD, vol. 1, p. 360.



GÊNESIS 22 – ÁUDIO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Jeferson Quimelli
3 de novembro de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria



GÊNESIS 22 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
3 de novembro de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria

1556 palavras

prova. Trata-se, aqui, de uma prova para o fortalecimento da fé que Abraão possuía e não de uma tentação para o mal (cf Tg 1.12-15). Tal prova consistia na requisição daquilo que lhe era mais caro, aquilo que lhe era absolutamente indispensável e de maior valor (2). Esta prova, em vez de destruí-lo, traz Abraão ao cume de sua vida, seguindo a Jesus (Bíblia Shedd).

Eis-me aqui! O mesmo exemplo de Moisés (Êx. 3.4), Samuel (1Sm 3.4) e Isaías (Is 6.8). Ver também as próprias palavras de Cristo no mesmo sentido (Hb 10.7; cf Sl 40.7-8) (Bíblia de Genebra).

toma… oferece. O comando divino é atenuado por uma partícula de súplica (“please”) que não é refletida na tradução da Nova Bíblia King James [e na João F Almeida] (Andrews Study Bible).

teu único filho… a quem amas. Isaque é o filho amado, o único filho da promessa (25.1-18). Ismael foi deserdado e mandado embora (21.10,14), deixando Isaque como único filho de Abraão. Estes termos são aplicados a Cristo no Novo testamento (Mt 3.17, 17.5; Jo 3.16; Ef 1.6; 2Pe 1.17) (Bíblia de Genebra).

terra de Moriá.  Mais tarde, este lugar veio a ser o local do templo em Jerusalém (2 Cr. 3:1).  (Bíblia de Genebra).

A região montanhosa que circunda Jerusalém é a “terra de Moriá” (lit. “O mostrado por Jeová”). Abraão construiu o altar na montanha (cf v 9) onde, mais tarde, apareceu o Anjo do Senhor a Davi (2 Sm 24.16, 17; cf 2 Cr 3.1) e, subsequentemente, situara-se o templo. (Bíblia Shedd).

A distância de Berseba a Jerusalém  é de aprox. 50 milhas (80 km), que corresponde a três dias de viagem (Gên. 22:4) (Andrews Study Bible).

oferece-o. Texto extremamente difícil. Sacrifícios humanos são claramente proibidos na lei do VT (Lev. 18:21; Deut. 12:31; 18:10). A referência à “prova” de Deus (Gênesis 22:1) prepara o leitor para aguardar um julgamento (Andrews Study Bible).

Em princípio, esta ordem nos deixa perplexos. Sem conhecer o que Deus realmente queria (cf. Êx 13.11-13; 22.29; 34.19-20), a ordem parece contradizer o sexto mandamento (Êx 20.13). À medida em que a narrativa se desdobra, entretanto, fica evidente que o teste era para verificar se Abraão levaria adiante a preparação para o sacrifício enquanto procurava se ater firmemente à promessa de 21.12: “porque por Isaque será chamada a tua descendência.” Abraão sabia que Deus se comprometera a manter a promessa e que Isaque, uma vez morto, não daria continuidade à linhagem da promessa. Hb 11.19 revela o segredo de Abraão: este concluiu que “Deus era poderoso até para ressuscitá-lo (Isaque) dentre os mortos” (Bíblia de Genebra).

holocausto. Sacrifício totalmente queimado  (Bíblia NVI).

3 A obediência de Abraão foi imediata. Ele se levantou cedo, de madrugada. Foi exata. Foi executada em espírito de culto. Foi contagiosa, porque Isaque usou, falando ao pai, a mesma expressão que este usara para com Deus: “Eis-me aqui” (Comentário Bíblico Devocional – Velho Testamento).

terceiro dia. Frequentemente um momento decisivo em histórias bíblicas (31:22; 34:25; Êx. 19:11; Jz. 20:30; Est. 5:1; Mat. 16:21; Mc. 9:31; Lc. 9:22, etc.) (Andrews Study Bible).

Eu e o rapaz. Cada um dos três verbos da sequência a seguir está na primeira pessoa do plural. A tradução não reflete a fé profética implícita no hebraico. Literalmente, Abraão disse aos dois servos: “Eu e o rapaz – nós iremos até lá, nós adoraremos e nós voltaremos.”Embora não compreendesse o propósito de Deus, ele acreditava que Deus ressuscitaria Isaque dos mortos (Hb 11:19). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 356.

voltaremos. Um expressão de fé, semelhante à resposta de Abraão em Gên. 22:8 (Andrews Study Bible).

Era a firme convicção de Abraão que ele e Isaque, de fato, voltariam. Sua fé, destacada em Hb 11.17-19, se fundamentava sobre a promessa de Deus claramente proferida, “… por Isaque será chamada a tua descendência” (21.12) (Bíblia Shedd).

7 Isaque perguntou: “Onde está o cordeiro?” João Batista dá a resposta em João 1.29 (Comentário Bíblico Devocional – Velho Testamento).

8 Deus proverá… o cordeiro. Este versículo é profético, tanto na experiência de Abraão, como concernente à primeira vinda de Cristo e sua morte sacrifical por nós (cf Jo 1.29 e Rm 5.8). O v 5 deixa patente que Abraão admite que Isaque haveria de voltar com ele, que por efeito de uma intervenção especial antes de oferecê-lo, quer pela ressurreição da vítima (Hb 11.19) (Bíblia Shedd).

Edificou Abraão um altar. Ao chegar ao local onde séculos mais tarde estaria o templo, pai e filho ergueram um altar. Salém, a cidade de Melquisedeque, ficava a curta distância ao sul. Mas um pouco mais adiante, a noroeste, ficava a colina mais tare conhecida como Gólgota. CBASD, vol. 1, p. 358.

amarrou. Após a construção do altar, Isaque é “amarrado” e colocado sobre o altar. Devido ao foco sobre a fé de Abraão, o autor bíblico proveu muito pouca informação sobre a reação de Isaque. Desde que ele era forte o suficiente para carregar a lenha, ele certamente teria sido capaz de resistir ao idoso pai. A amarração da vítima sacrifical não aparece em mais nenhum outro lugar no VT e dá o nome (aqedah) à história na literatura judaica (Andrews Study Bible).

10 e, estendendo a mão, tomou o cutelo Descrição em câmera lenta do momento mais comovente de Abraão (Andrews Study Bible).

11  Abraão! Abraão!  O duplo chamado a Abraão expressa urgência. Abraão tinha passado no teste, mas seu compromisso, obediência e sofrimento são somente uma sombra do imenso sacrifício de Cristo que é o verdadeiro Cordeiro que salva o mundo (Mc. 10:45; Jo. 1:29, 36; 2 Cor. 5:17-21; 1 Ped. 1:18-19). Abraão vê o cordeiro no arbusto (compare com Gên. 21:19) e o oferece “em lugar de seu filho”, uma clara referência ao concerto de substituição (Andrews Study Bible).

Foi somente no último instante que o cordeiro foi mostrado e houve a substituição. Só quando chegamos ao monte do sacrifício é que vemos o livramento de Deus. Só quando Faraó já tinha quase alcançado Israel foi que se abriu um caminho no mar Vermelho. Foi pela madrugada que Jesus veio andando sobre a água. O anjo libertou Pedro pouco antes da execução. Deus nunca chega um instante mais cedo ou mais tarde (Comentário Bíblico Devocional – Velho Testamento).

12 não me negaste… o teu único filho. Há um paralelismo admirável entre o acontecimento aqui descrito e o oferecimento de Cristo por nós: 1) Ambos, tanto Isaque como Cristo, foram obedientes até à morte (observe-se o fato de que Isaque era, então, um jovem e, como tal, bem mais forte do que o era Abraão, v 6); 2) Ambos, tanto Abraão como Deus, o Pai celestial, “não poupou a Seu próprio Filho, antes por todos nós O entregou” (Jo 3.16 e Rm 8.32); 3) O cordeiro que viera a substituir Isaque é paralelo a Cristo, que se ofereceu em substituição por todos nós que nEle cremos (Hb 10.5-10); 4) Ambos, tanto Isaque como Cristo, foram restaurados (cf Hb.11-17-19). (Bíblia Shedd).

13 em lugar de seu filho. O propósito substitutivo do sacrifício é evidente e prenuncia o sacrifício de Cristo, que morreu em nosso lugar (Mc 10.45; Rm 8.32; 2Co 5.21; Tt 2.14) (Bíblia de Genebra).

14 O SENHOR Proverá. Lit “Jeová-Jireh“. É a mesma expressão que Abraão usou no v 8 (Bíblia Shedd).

A palavra hebraica aqui traduzida por “proverá” significa “ver” ou “prover” (usada nos vs. 4.8, 13-14). O nome que Abraão dá ao lugar demonstra que ele percebe a revelação do propósito salvífico deDeus (Bíblia de Genebra).

16 Jurei, por mim mesmo. Deus reforça a certeza da Sua promessa infalível deste juramento (15.8-21; 22.17; Hb 6.13-18). Enquanto os serres humanos pecadores e falíveis juram por uma autoridade maior do que eles mesmos, Deus, o Ser e Autoridade Supremos, jura por si mesmo (Hb 6.13) (Bíblia de Genebra).

não me negaste o teu único filho. A ação de Abraão aponta para a provisão de Deus de “seu único filho” como o sacrifício final pelo pecado (Jo 3.16; Rm 8.32) (Bíblia de Genebra).

17 descendência como as estrelas… a areia. Tão somente neste (sic) século XX é que a correlação exata existente entre o número de estrelas e grãos de areia se tem tornado conhecida. Enquanto se sabe que, somente cerca de trezentas estrelas são visíveis a olho nu, a invenção de telescópios capazes de atingir a mais de um bilhão de anos-luz através do espaço, tem permitido a certo cientista de renome, afirmar que o número total de estrelas equivale ao número de grãos de areia existentes em todas as praias do globo. Entretanto, não é pelo número dos descendentes de Abraão que o mundo haveria de ser bendito (8), mas sim, mediante o descendente único, isto é, Cristo (cf Gl 3.16) (Bíblia Shedd).

Possuirá a cidade de seus inimigos. Isso é provavelmente uma predição de que seus descendentes seriam vitoriosos sobre os inimigos na futura conquista de Canaã. Pode incluir Também o triunfo da verdade sobre os sistemas religiosos pagãos, isto é, a conversão dos pagãos através do esforço dos pagãos missionários dos filhos espirituais de Abraão. CBASD, vol. 1, p. 359.

20-24 Uma breve nota genealógica prepara o caminho para o cap. 24 e à importante questão de encontrar uma esposa adequada ao filho prometido (e redimido) (Andrews Study Bible).

Esta seção final do relato de Tera fornece a transição da liderança patriarcal deAbraão para Isaque (2.4). Ela narra a morte de Sara (cap. 23), o casamento de Isaque com Rebeca (cap. 24), a exclusão de outros filhos de Abraão, deixando Isaque como único herdeiro, (25.1-6) e a morte de Abraão (25.7-11) (Bíblia de Genebra).

23 Betuel gerou a Rebeca. Nada se sabe dos outros filhos de Naor; somente sobre Betuel, o filho mais novo. Betuel é importante por ser o pai de Laboratório e Rebeca (ver Gn 24:15, 24, 47, 50; 25:20; 28:2, 5). O nome Betuel, literalmente “habitação de Deus”, pode indicar que ele era um homem piedoso. A omissão do nome de Labão nesta lista sugere que ele ainda não era nascido. CBASD, vol. 1, p. 360.




%d blogueiros gostam disto: