Reavivados por Sua Palavra


OSÉIAS 1 by Jeferson Quimelli
20 de novembro de 2017, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário Devocional

Ao tempo de Jeroboão II, em tempos de paz, o reino do norte prosperou e o território de Israel ampliou seu território a um tamanho quase igual àquele do tempo de Salomão (2 Reis 14:25).

Neste tempo em que Elias e Eliseu trabalharam fielmente para Deus, Ele escolheu mais dois profetas, Amós e Oséias, para trabalhar em favor do Reino do Norte de Israel. Oséias foi o último profeta a falar às pessoas de lá. A idólatra e corrompida adoração dos bezerros de ouro e Baal foram predominantes, e os males sociais se tornaram intoleráveis durante o período próspero de Jeroboão II (793-753 aC). Neste período, durante cerca de 30 anos, as mensagens de Oséias foram dadas ao norte de Israel (755-725 aC).

Perto do fim do longo reinado de Jeroboão II (793-753BC), Deus falou para Oséias tomar (de volta) a esposa adúltera (v. 1, 2). Esta foi uma ilustração do amor de Deus para Israel. No início Israel era a pura esposa de Deus (v. 2, 7), como, provavelmente, também era a esposa de Oséias. Deus queria ter Israel de volta, assim como Oséias aceitou de volta sua esposa. Deus aceitaria o retorno da arrependida esposa Israel (“Voltarei a estar com o meu marido como no início”, 2:7 NVI). Então Oséias deveria aceitar a esposa de volta e amá-la, assim como às crianças que dela nasceram.

Deus aceita com amor todos aqueles que estão dispostos a retornar para Ele, e, unidos como um só ao Seu povo, viver sob Sua proteção e prosperar (1:10-11).

Yoshitaka Kobayashi
Japão

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/hos/1 e https://www.revivalandreformation.org/?id=1109
Também disponível no blog mundial RPSP/BHP da IASD, em: https://www.revivalandreformation.org/bhp/pt/biblia/hos/1
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/08/27/
Equipe de tradução: Jeferson Quimelli/Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Oseias 1 NVI
Ouça online: Bíblia NVI em áudio
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/



OSEIAS 1 – COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
20 de novembro de 2017, 0:55
Filed under: Sem categoria



OSÉIAS 1 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
20 de novembro de 2017, 0:45
Filed under: Sem categoria

OSEIAS 1 – Quando parece que nada mais tem jeito, Deus dá jeito de restaurar!

O profeta Oseias “não começa com coisas serenas, nem de fato exorta com gentileza o povo a se arrepender, nem adota um curso tortuoso para suavizar a aspereza de sua doutrina. Ele demonstra que nada dessa espécie ele usava, mas diz que havia sido enviado tal como arautos ou mensageiros que proclamam a guerra. O começo, então, do que o Senhor falou através de Oseias foi isto: ‘Esse povo é uma raça adulterina, todos nascem, por assim dizer, de meretriz, o reino de Israel é o mais imundo dos bordeis; e agora eu os repudio e rejeito, não mais os tenho como meus filhos’. Era uma veemência incomum” (João Calvino).

“Ora, se for perguntado por que Deus estava tão grandemente descontente, por que Ele primeiro não pediu aos homens vis para voltar para Si – visto que o método usual parece ter sido que o Profeta tentasse, por um discurso amável e paternal, restaurar a uma mente sã àqueles que tivessem se apartado da pura adoração a Deus – por que, então, Deus não adotou esse curso ordinário? Contudo, daqui inferimos” – diz Calvino – “que as doenças do povo eram incuráveis. O Profeta, sem dúvida, proclama aqui, de modo evidente, que foi enviado por Deus quando o estado de coisas era quase insanável. Sabemos, certamente, que Deus não tem o costume de lidar tão severamente com os homens, senão quando haja tentado todos os outros remédios. E isso pode, indubitavelmente, ser facilmente descoberto pelos registros da Escritura”.

Certamente, Deus não desiste de tentar nos salvar. Observe este esboço com atenção:

Casamento de Oseias e nascimento de seus filhos:

• Mandato de casamento (v. 2);
• Nascimento de Jezreel (vs. 3-5);
• Nascimento de Lo-Ruama ou Não-Amada (vs. 6-7);
• Nascimento de Lo-Ami ou Não-Meu-Povo (vs. 8-9);
• Mudança de nomes revela esperança (1:10-2:1).

Duas mensagens gerais podem ser extraídas deste texto profético:

1. Ignorar a Deus, substituí-lO por qualquer coisa, viver relaxadamente a religião, são tipos de adultério ou prostituição espiritual que ofendem terrivelmente a Deus.
2. Deus é bondoso e anseia restaurar inclusive aqueles que não têm mais jeito, oferece graça a quem está na pior das desgraças.

Frente a situações desesperadoras, Deus promove a bendita esperança. Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



OSEIAS 1, Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
20 de novembro de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“… Vai, toma uma mulher de prostituições e terás filhos de prostituição, porque a terra se prostituiu, desviando-se do SENHOR” (v.2).


Amor incondicional é a expressão que melhor define este livro. A ordem inusitada dada a Oseias declarava a infidelidade de Israel e, ao mesmo tempo, o desejo de Deus de redimir o Seu povo. Através do casamento entre o profeta e Gômer, o Senhor ilustrou o contraste entre o amor e as baixas paixões.

Os três filhos gerados deste casamento receberam nomes incomuns. O primogênito, Jezreel, significa “Deus dispersará”, e declarava o futuro de Israel mediante suas próprias ações. Depois, Oseias teve uma filha, que recebeu o nome de Lo-Ruama, “Desfavorecida” (v.6). Aqui, Deus faz uma divisão entre os reinos do Norte e do Sul. Israel não mais seria digno de compaixão, mas a “casa de Judá” (v.7) receberia o Seu favor. Já o terceiro filho declarava a mensagem mais dura a Israel. Lo-Ami, “Não-Meu-Povo” (v.9), foi uma mensagem de exclusão. Deus estava dizendo: “A partir de agora, vocês não são mais o Meu povo, e Eu não serei mais o Deus de vocês”.

Contudo, a partir do verso dez, o Senhor começa a declarar o Seu amor incondicional. O fim da dinastia dos reis de Israel não significava a destruição do povo, mas a perpetuidade da dinastia do Rei dos reis. Espalhados entre as nações, Deus voltaria a reunir os Seus filhos que constituiriam “sobre si uma só cabeça” (v.11).

De modo muito claro, percebemos a distinção entre a fidelidade de Deus e a infidelidade do Seu povo. A prostituição na Bíblia indica a idolatria. Israel se envolveu com deuses pagãos esquecendo-se “do Deus vivo” (v.10). Esta metáfora não é uma mensagem ultrapassada, mas tão atual quanto o noticiário de hoje. Quando partimos da premissa de que quem casa espera que haja exclusividade, entendemos melhor o que Deus espera de nós: a entrega total, a integridade do ser.

Creio que uma das piores situações na vida do ser humano seja a falta de compromisso. Um relacionamento, por exemplo, onde não há compromisso, está fadado ao fracasso. O casamento representa a união entre um homem e uma mulher onde ambos assumem votos que devem ser cumpridos. Não é diferente quando assumimos um compromisso com Cristo. Quando entendemos que Ele é  “o cabeça” (Ef 5:23) da relação, passamos a nos submeter aos Seus cuidados e a respeitar os Seus desígnios, não como uma forma de conquistar o Seu amor, mas de aceitar o amor que nos ama incondicionalmente.

O que o Senhor espera como resultado do estudo deste livro, é que façamos uma análise de nossa condição espiritual. Realmente estamos sendo fiéis ao compromisso que fizemos com Ele? Realmente fizemos um compromisso com Ele, ou nosso coração está dividido? O amor de Deus é incondicional, mas também requer compromisso de nossa parte. Se temos “adulterado”, da mesma forma que, um dia, Jesus fez calar uma turba acusadora, Ele nos diz hoje que também não nos condena, mas conclui com uma ordem: “Vai, e não peques mais” (Jo 8:11). Em ser fiéis a esta ordem, há verdadeira felicidade.

Bom dia, “filhos do Deus vivo” (v.10)!

Desafio do dia 4/21: Oremos para que sejamos fiéis ao Senhor em qualquer circunstância.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Oseias1
#RPSP



OSEIAS 1 – COMENTÁRIO PR EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
20 de novembro de 2017, 0:20
Filed under: Sem categoria



OSEIAS 1 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS [com B. E. Andrews] by Jeferson Quimelli
20 de novembro de 2017, 0:20
Filed under: Sem categoria

O nome de Oseias significa “salvação” ou “Deus salva”. Pode ser uma forma abreviada de Hoshea ou Josué, que quer dizer “Yahweh salva” (como em Nm13:8). A forma grega correspondente desse nome é Iesous. Portanto, Josué, Hoshea, Oseias e Jesus são quatro variantes do mesmo nome. … O tema de Oseias é a “angústia do amor incondicional”. O livro fala sobre a vida amorosa de Oseias e sobre o amor incondicional de Deus. … quando o amor é incondicional, a rejeição e a infidelidade causam grande angústia. Uma vez que o amor continua presente mesmo depois que a pessoa amada não o retribui, o resultado é um sofrimento tremendo. A infidelidade de Israel causa angústia inexprimível ao coração divino, cheio de amor incondicional. A própria experiência de Oseias, de ter uma esposa infiel, ensinou o profeta sobre a dor no coração de Deus por causa de Israel. Bíblia de Estudo Andrews.

Oseias. O nome (“Deus salva”) expressa um aspecto surpreendente de um livro que anunciou a queda trágica de Israel, o reino do norte, em 722. a.C. Bíblia de Estudo Andrews.

Toma uma mulher.Alguns consideram que a experiência de Oseias não foi literal, mas o realismo da história sugere mais do que mera alegoria. A traição da esposa de Oseias, de fato, reflete a apostasia de Israel. A identificação da idolatria com a prostituição já está presente em Êx 34:15. Bíblia de Estudo Andrews.

A expressão “de prostituições” pode simplesmente descrever sua ancestralidade, não necessariamente seu caráter pessoal, ou pode, por projeção, descrever a futura condição da mulher. Parece claro que ela se tornou infiel mais tarde (Os 3:1-3); no entanto, não se sabe o momento exato de sua queda. Das três crianças nascidas, é dito que somente o primeiro, Jezreel, nasceu de Oseias. … A narrativa é essencialmente histórica e, na ausência de qualquer evidência que prove o contrário, é preferível tomá-la como tal. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 978.

Gômer. Nenhuma explicação satisfatória foi encontrada sobre o significado deste nome. Isso adiciona peso à crença e que Gômer era o nome histórico de uma personagem literal. O mesmo se pode dizer a respeito do nome Diblaim. CBASD, vol. 4, p. 978.

Jezreel. O significado do nome em hebraico é “Deus vai semear”, ou “Deus dispersará”. Alguns chamam atenção para a ambiguidade do nome hebraico em si porque, antigamente, a semente era espalhada no processo de semeadura, a palavra “espalhar” também significava “semear” ou “plantar”. O primeiro significado do nome de Jezreel, aplicado no tempo da infidelidade de Gômer, indica que Oséias “espalhou”, ou impediu-a, isto é, restringiu seus privilégios. Mais tarde, quando ela se arrependeu, Oséias “plantou-a”, ou seja, devolveu-lhe seu antigo status e seus privilégios. CBASD, vol. 4, p. 978.

Pelo sangue de Jezreel. Sob a ordem de Deus, Jeú tinha exterminado toda a casa de Acabe, na cidade de Jezreel (2Rs 9:6, 7; 10:17). Por que, então, a ação de Jeú devia ser castigada? Muito provavelmente porque sua motivação em destruir a dinastia de Acabe era pecaminosa. Destruir a casa de Acabe fundava-se no desejo egoísta de Jeú de obter o reino. O propósito de Deus em exterminar a casa de Acabe era apagar completamente a idolatria tão propagada de modo geral por Acabe e Jezabel. Embora Jeú pusesse fim à adoração de Baal, ele ainda manteve o culto ao bezerro de Jeroboão (ver 2Rs 10:21-31) [com fins políticos de impedir que os israelitas do reino do norte fossem a Jerusalém adorar]. O cumprimento de metade da ordem divina revelou um coração dividido, e isso trouxe sobre Jeú  uma condenação maior, uma vez que anulou o objetivo divino. Ele colocou seus propósitos pessoais  à frente dos de Deus e, assim, a sentença foi pronunciada contra ele – “castigarei”. Um homem pode ser usado por Deus e, mesmo assim, ser rejeitado se seu coração não for justo. CBASD, vol. 4, p. 978, 979.

E farei cessar. Isto ocorreu porque o episódio em que a casa de Jeú foi destruída (o assassinato de Zacarias) deu início a um período de confusão política que rapidamente desencadeou a queda do reino do norte (ver vol. 2, p. 69, 70). A pronunciada prosperidade secular da nação, sob Jeroboão II, não era uma prova do favor divino. O resultado final da desobediência era o mesmo que em nossos dias – a destruição. CBASD, vol. 4, p. 979.

5. Quebrarei o arco. Ou seja, destruir o poder militar de Israel. CBASD, vol. 4, p. 979.

No vale de Jezreel. O castigo sobre a nação foi descrito como tendo lugar na mesma região onde Jeú matou a família de Acabe (ver 2Rs 9:15-37). CBASD, vol. 4, p. 979.

6. Deu à luz uma filha. Alguns julgam significativo que o registro não declare “lhe deu um filho”, como foi dito sobre Jezreel (ver v. 3). Esse fato [n]os leva a concluir que Desfavorecida não era filha de Oséias, mas nasceu como resultado do adultério de Gômer. Esse ponto de vista é reforçado se o cap. 2 for considerado uma experiência real do profeta com sua esposa Gômer (ver com. de 2:4). CBASD, vol. 4, p. 979.

Desfavorecida. Do heb. Lo’ruchamah, “sem receber piedade”, ou “não ter recebido compaixão”. Paulo … aparentemente interpreta a frase no sentido de “não ser amada” (cf. Rm 9:25). A nação de Israel estava numa situação na qual um Deus de amor não podia mais ter compaixão dela (ver Gn 6:3). CBASD, vol. 4, p. 979.

Da casa de Judá Me compadecerei. Predição do livramento milagroso de Judá em 701 a.C., das mãos de Senaqueribe e do cerco do exército assírio (ver 2Rs 19:32-36; Is 37:29). Bíblia de Estudo Andrews.

A condição espiritual do reino do sul, “a casa de Judá”, era muito melhor do que a do reino do norte. Embora houvesse um declínio espiritual em Judá, a nação como um todo mantinha, em alguma medida, o culto a Deus, o respeito à lei, e os serviços do templo e os sacrifícios que apontavam para o “Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (Jo 1:29). Isso moveu a compaixão divina sobre o reino do sul, em contraste com a censura e reprovação ao reino de Israel. CBASD, vol. 4, p. 979.

E os salvarei. Deus salvou Judá da sorte sofrida por Samaria em 723/722 a.C. Ele a salvou de Senaqueribe, mais tarde, matando 185 mil soldados no acampamento assírio (2Rs 19:35, 36; Is 37:36, 37). CBASD, vol. 4, p. 979.

Não os salvarei pelo arco. Judá, embora contaminado com a idolatria, manteve em grau considerável sua devoção e confiança em Deus e não na força militar, como fez Israel. … quando Deus liberta Seu povo, Ele não precisa de arco ou espada, cavalos ou cavaleiros, para alcançar a vitória, e que estes, quando usados, não pode salvar sem Ele. CBASD, vol. 4, p. 979, 980.

8. Deu à luz um filho. Outra vez não há indicação de que o profeta seja o pai dessa criança (ver com. do v. 6). CBASD, vol. 4, p. 980.

Não-Meu-Povo. Do heb. Lo’ ‘ammi, “não meu povo”. Alguns veem neste nome um reconhecimento final por Oseias do adultério de Gômer, ou seja, o profeta afirma que acriança não é de seu próprio sangue. Em qualquer caso, o nome dado à criança foi simbólico sobre o relacionamento de Deus com o reino do norte de Israel. CBASD, vol. 4, p. 980.

Vós não sois Meu povo. Deste modo veemente Deus indica Sua rejeição a Israel como nação, por causa de seus pecados, e o rompimento de Sua relação de aliança com eles. CBASD, vol. 4, p. 980.

10 O número dos filhos. Observa-se aqui a semelhança com a promessa dada a Abraão e a Jacó (Gn 22:17; 32:12). CBASD, vol. 4, p. 980.

Se lhes dirá: vós sois filhos do Deus vivo. Esta promessa encontra seu cumprimento na igreja cristã. CBASD, vol. 4, p. 980.

11 Os filhos de Judá. Judá e Israel são mencionados em conjunto para indicar que o plano de Deus para Seu povo escolhido era que eles deveriam se unir em uma só nação. … Indivíduos das tribos de Israel estavam entre os exilados que retornaram depois do cativeiro de Judá (ver com. de Ed 6:17). CBASD, vol. 4, p. 980.

E subirão da terra. Evidentemente é uma referência ao retorno dos cativeiros assírios e babilônico. CBASD, vol. 4, p. 980.

Jezreel. Enquanto, no v. 4, Oseias usa  nome “Jezreel” para representar a dispersão do povo, neste versículo (como em Os 2:22, 23), o profeta emprega “Jezreel”para expressar a sementeira do amor e da misericórdia de Deus para com Seu povo. Este capítulo enfatiza a verdade de que “de Deus não se zomba” (Gl 6:7). Se desobedecermos, não podemos esperar escapar da pena por nossas transgressões. Os três filhos de Oseias, que representam os filhos apóstatas de Israel, declaram, por seus nomes, as punições mais severas por sua apostasia. No entanto, a misericórdia divina é aqui retratada tão forte como é o juízo divino. O Senhor é Deus de justiça e de amor (ver Sl 85:10; 89:14). CBASD, vol. 4, p. 980.




%d blogueiros gostam disto: