Reavivados por Sua Palavra


A PORÇÃO SANTA – EZ 45:1-8; 46:16-18 by jquimelli
4 de novembro de 2017, 20:48
Filed under: Sem categoria

Diagrama mostrando a “Porção Santa”: as porções do príncipe, dos levitas, dos sacerdotes, da cidade e, ao centro, do templo.

Fonte: Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 806. Casa Publicadora Brasileira.



EZEQUIEL 45 by jquimelli
4 de novembro de 2017, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário Devocional

O capítulo 45 continua a descrição detalhada da área do templo e da cidade restaurada de três maneiras:

Primeiro, descreve uma porção especial de terreno que deveria abrigar o templo, a terra para os sacerdotes e levitas e uma propriedade para o príncipe. Esta área especial ficava fora das áreas de terras que pertenciam às tribos como herança perpétua. Parte da razão de existir este bloco especial de terra para o príncipe é lhe fornecer terra suficiente para que não se sentisse tentado a obter irregularmente para si terra de outros israelitas. Esta área do templo seria o centro político e religioso do país.

Em segundo lugar, este capítulo descreve as tarefas específicas do príncipe. Ele deveria manter pesos e medidas justos em todo o país para que as pessoas comuns não fossem enganadas por pesos falsos. Este é um elemento fundamental de retidão e justiça que faríamos muito bem em promover em nossa sociedade atual. Outra grande tarefa do príncipe seria fornecer os sacrifícios regulares do Templo. As demais ofertas para sacrifício viriam do povo, através de uma percentagem de seus animais e de sua agricultura.

A terceira e última seção deste capítulo trata das festas da Páscoa e dos Tabernáculos. Ezequiel anseia que as pessoas pratiquem estas festas na nação restaurada de Israel. Ele menciona especificamente essas duas festas porque os sacrifícios adicionais de animais dessas duas festas, vêm do príncipe.

Contentar-se com o que se tem, garantir o uso de pesos e medidas corretos e doar parte de seus bens para incentivar a espiritualidade de seus liderados: grandes exemplos a serem seguidos por aqueles em posição de liderança!

Jon Dybdahl
Universidade Walla Walla, EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/eze/45 e https://www.revivalandreformation.org/?id=1093
Também disponível no blog mundial RPSP/BHP da IASD, em: https://www.revivalandreformation.org/bhp/pt/biblia/eze/45
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/08/11/
Equipe de tradução: Jeferson Quimelli/Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Ezequiel 45 NVI
Ouça online: Bíblia NVI em áudio
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/



EZEQUIEL 45 – COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
4 de novembro de 2017, 0:55
Filed under: Sem categoria



EZEQUIEL 45 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
4 de novembro de 2017, 0:45
Filed under: Sem categoria

EZEQUIEL 45 – Aprofundar-se no estudo da Bíblia é a melhor coisa que alguém pode fazer na vida. Nas páginas sagradas você descobre mais do que simplesmente da existência de um Deus que vive eternamente. Você aprende que Deus…

1. …é sério e gosta das coisas organizadas;
2. …quer pessoas consagradas para serem usadas em Seu serviço;
3. …espera que os crentes não flertem com coisas que corrompem a alma;
4. …deseja que Seus servos sejam ávidos por informar ao povo sobre o que é certo e errado.

Considerando que após a instituição da igreja por Cristo, o sacerdote de Deus é todo aquele que se converte do pecado (Apocalipse 1:4-7; I Pedro 2:9-10), e o Israel de Deus é aquele que crê em Jesus (Romanos 9-11), devemos considerar o capítulo em pauta como relevante para nós, nos dias atuais.

A mensagem em análise revela quatro pontos interessantes, segundo Paul R. House:

1. Um pedaço de terra será separado para o lugar santo (vs. 1-6);
2. Príncipes governarão com justiça (vs. 7-9);
3. Os negócios serão feitos com honestidade (vs. 10-12);
4. Dias santos surgirão de acordo com os desejos de Deus (vs. 13-25).

Isso não aconteceu como Deus previu. Contudo, quando profecias condicionais não se cumprem, Deus não “cruza os braços” nem abandona aos pecadores a sua própria sorte. Observe esta declaração de Ellen G. White:

“Nos anais da história humana o crescimento das nações, o levantamento e queda dos impérios, aparecem como dependendo da vontade e façanhas do homem. O desenvolver dos acontecimentos em grande parte parece determinar-se por seu poder, ambição ou capricho. Na Palavra de Deus, porém, afasta-se a cortina, e contemplamos ao fundo, em cima, e em toda a marcha e contramarcha dos interesses, poderio e paixões humanas, a força de um Ser todo misericordioso, a executar, silenciosamente, pacientemente, os conselhos de Sua própria vontade”. Ed, 173.

• As decepções provocadas pelo povo de Deus não interrompem Seus planos (veja o livro de Apocalipse, onde Deus amplia Seus projetos descritos em Ezequiel).
• Os seres humanos não frustram as intenções de Deus. Deus está no controle, não os pecadores!
• A história do mundo está sob as rédeas de Deus e de Seu Filho; Seu propósito é transformar pecadores em cidadãos celestes.

Portanto, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



EZEQUIEL 45, Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
4 de novembro de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Tereis balanças justas, efa justo e bato justo” (v.10).


Divisando a terra prometida, o Senhor ordenou a “Moisés e a Eleazar, filho de Arão, o sacerdote”, que levantassem “o censo de toda a congregação dos filhos de Israel” (Nm 26:1-2). Feito o censo, Deus orientou Moisés a repartir a terra em herança conforme a proporção em número de cada tribo (Nm 26:54). Ou seja, a porção territorial de cada tribo deveria ser distribuída com justiça conforme o número de sua população.

À tribo de Levi, no entanto, não seria dada herança na terra: “Pelo que não terão herança no meio de seus irmãos; o SENHOR é a sua herança, como lhes tem dito” (Dt 18:2). Mas, “uma porção santa da terra” (v.1) seria separada para os sacerdotes para lhes servir “de lugar para casas” (v.4). Por algum tempo o povo havia sido oprimido, e dele exigido além do que era justo. As medidas citadas no texto de hoje se referem aos secos/comida (efa) e aos líquidos/bebida (bato). Em tudo, deveria prevalecer o juízo e a justiça. Deus não deixaria o Seu povo desassistido.

A sequência do capítulo, então, faz menção à entrada de ano dos israelitas, com uma espécie de cerimônia de purificação: “purificarás o santuário” (v.18). Um texto bem pertinente para nós, já que estamos iniciando o clima de final de ano e preparação para o ano porvir. Infelizmente, a realidade do mundo não tem nada a ver com purificação, e sim com contaminação. Há todo um preparo, organização e planejamento para o fútil, fazendo com que o que realmente importa seja desconsiderado e ignorado. Quando deveríamos estar fazendo um profundo exame de consciência, estamos preocupados com o que comer, beber e vestir.

Ora, Cristo foi direto ao ponto nessa questão, ao direcionar os olhos dos discípulos às aves do céu e aos lírios do campo. Assim como a Sua justiça foi ativa no passado, ela continuará em ação, sempre. Os Seus planos para os Seus filhos são justos em todos os seus efeitos e aquele que confia no Senhor não precisa temer quanto ao futuro. Mas há uma regra áurea que precisa ser seguida, e esta, Jesus repete a nós hoje: “Buscai, pois, em primeiro lugar, o Seu reino e a Sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas” (Mt 6:33).

‘Primeiro Deus’ não foi um slogan inventado pela Igreja Adventista, mas um princípio declarado pela boca do Cordeiro pascal. Erguer a bandeira do Reino de Deus e da Sua justiça e viver o evangelho com a intensidade de uma busca constante e perseverante, eis do que o mundo precisa. Foi quando estas verdades começaram a ser vividas pelos reformadores que as trevas do engano começaram a ser dissipadas pela luz da Palavra.

Praticar “juízo e justiça” (v.9) vai além de questões materiais ou religiosas, mas corresponde a colocar as coisas em seus devidos lugares:

  1. Primeiro Deus. Deus como a Fonte primária de todas as coisas.
  2. As nossas necessidades básicas atendidas (resultado).

“Todo o povo da terra” (v.16) tem sido chamado para fazer parte do reino eterno de justiça, mas nem todos estão dispostos a aceitar a justiça de Cristo como “oferta pelo pecado” (v.22). Muitos até afirmam aceitar e aparentam crer, mas ainda se apegam à própria justiça barata e imunda (Is 64:6).

Meu irmão e minha irmã, não há mais tempo para continuarmos seguindo os padrões mundanos e nos amoldando ao cenário pagão. É tempo de sermos as próprias “balanças justas” (v.10) que o Senhor erguerá como troféus perante o inimigo, assim como fez com Jó, “homem íntegro e reto, temente a Deus e que se desviava do mal” (Jó 1:1). Então, a justiça que nos aguarda será infinitamente mais completa e perfeita do que a que foi usada na repartição territorial de Canaã e na retribuição à fidelidade de Jó. Não receberemos recompensas terrenas, mas recompensas eternas. Não viveremos “sete dias” (v.21) de Páscoa para nos lembrar do Cordeiro, mas haverá sete dias de “silêncio no Céu” (Ap 8:1), porque toda a corte angélica virá  de lá, com Cristo, o Cordeiro, para trazer “juízo e justiça” definitivos.

Prepara-te, pois o Justo vem vindo!

Feliz sábado, justos do Senhor!

Jornada espiritualChuva Serôdia. Chegou a hora!“, 20° dia: Chegou a hora de purificar a sua casa! Em oração, peça ao Espírito Santo para lhe mostrar tudo aquilo que O desagrada e que lhe afasta dEle, como CDs, DVDs, jogos e outros, e se desfaça de tudo isso. Em seguida, ore novamente e destrua os objetos (Manassés Queiroz, Chuva Serôdia. Chegou a hora!, p. 116).

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Ezequiel45
#RPSP

Deixe um comentário:



EZEQUIEL 45 – COMENTÁRIO PR EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
4 de novembro de 2017, 0:25
Filed under: Sem categoria



EXEQUIEL 45 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
4 de novembro de 2017, 0:20
Filed under: Sem categoria

1 repartirdes […] por sortes. O significado parece ser o de repartir por quotas. Na verdade, a cada tribo foi designada uma porção definida (Ez 48:1-29). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 805.

uma oferta. Pequena parte desta “porção santa da terra” devia ser ocupada pelo santuário, e o restante, dado aos sacerdotes e levitas. CBASD, vol. 4, p. 805.

2 terá em redor […] cinquenta côvados. O templo estava situado num átrio de 500 côvados quadrados … Aqui uma faixa de terra de 50 côvados (26 m) é deixada do lado de fora, ao redor do muro exterior, para ajudar a impedir sua profanação. CBASD, vol. 4, p. 805.

6 cidade. A Jerusalém antiga continha a área do templo. A nova cidade santa não, mas ficaria adjacente ao templo. Bíblia de Estudo NVI Vida.

8-12 Deus ordenou que os príncipes e o povo fossem justos e corretos, especialmente em suas transações comerciais. Considere a maneira como você avalia bens, dinheiro e serviços. Se você é pago por um hora de serviço, trabalhe por um hora completa. Se você vende uma cesta de maçãs, certifique-se de entregar uma cesta completa. Deus é completamente digno de confiança e Seus seguidores também deveriam o ser. Life Application Study Bible Kingsway.

9 os príncipes. Aqui se refere aos magistrados, juízes e anciãos.  Bíblia Shedd.

desapropriações. Esta injustiça, cuja forma clássica se vê no caso da vinha de Nabote (1 Rs 21.1-16); dentro de um século veio a ser rotina em Samaria (Mq 2.2). O vivo protesto de Ezequiel se lença em forma simbólica nas medidas imutáveis que se tomam para as heranças tribais (48.1-7). Bíblia Shedd.

11 sua medida. Ver Lv 19:35, 36; Dt 25:13-15; Pv 16:11; Os 12:7; Am 8:5; Mq 6:10. O efa [NVI: arroba] era usado para medida de secos, e o bato [NVI: pote], para medida de líquidos. Aqui é dito que eles tem a mesma capacidade e equivalem à décima parte do ômer [NVI: barril]. Em equivalentes modernos, um efa ou um bato seria cerca de 22 litros. CBASD, vol. 4, p. 805.

O ômer é de 220 litros ou quilos. Bíblia Shedd.

12 mina. Uma transliteração do heb menah. … Um menah ou uma mina [ou “arrátel”, 1Rs 10:17; Ed 2:69] equivalia a 50 siclos, CBASD, vol. 4, p. 805. [Nota: O siclo, ou shequel é a moeda de Israel, hoje. Mina ou menah é o termo usado em Daniel 5:25, 26].

siclo … gera … mina. Estes são os valores para a cobrança da mercadoria; são pesos de prata: o siclo tendo 10 g., a gera tendo metade de um grama, e a mina tendo 500 g. Isto quer dizer que a moeda chamada de “cinco ciclos” terá este peso em prata pura. O siclo seria equivalente a um dólar americano, pelo poder aquisitivo. Bíblia Shedd.

13 a oferta. Os v. 13 a 15 descrevem o imposto a ser pago, presumivelmente ao príncipe (ver v. 16) que, por sua vez, forneceria as ofertas sacrificiais requeridas. CBASD, vol. 4, p. 805.

O príncipe seria o mordomo do tesouro nacional, cuidando da ordem cívica e das despesas do templo e das ofertas religiosas. Bíblia Shedd.

17 As condições e regulamentações dessas oferendas estão descritas detalhadamente em Levítico 1-7. Life Application Study Bible Kingsway.

18 no primeiro mês. A partir do v. 18, até o v. 15 do cap. 46, é descrito o ritual sacrificial a ser seguido em ocasiões especiais. Há alguma diferença em relação à lei mosaica. CBASD, vol. 4, p. 805.

Este dia, primeiro de Nisã, não tem equivalente fixo em nosso calendário, porque os israelitas tinham doze meses lunares, e mais um mês extra, intercalado de quatro em quatro anos,para fazer Nisã cair na primavera local, março/abril. Esta data do ano novo foi estabelecida por ser o mês em que Deus libertara Seu povo da escravidão do Egito (Êx 12.2). Bíblia Shedd.

19 tomará do sangue. Segundo a lei mosaica, no Dia da Expiação, o sangue das ofertas pelo pecado era aspergido sobre o propiciatório e diante dele, dentro do véu (Lv 16:14, 15). De acordo com o novo ritual, no que diz respeito á cerimônia de purificação, o sangue era posto “nas ombreiras da casa”, e nos quatro cantos da fiada do altar, e nas ombreiras da porta do átrio interior”. CBASD, vol. 4, p. 806.

21 Páscoa. Os regulamentos quanto à observância da Páscoa [para o terceiro templo] eram semelhantes aos da lei mosaica, mas as ofertas eram em maior número (Êx 12:6; Lv 23:5-8; Nm 28:16-25). CBASD, vol. 4, p. 806.

A Páscoa [em inglês, Passover, “passou por cima”] era uma festa anual de sete dias instituída por Deus para que o povo se lembrasse de quando Ele os trouxe da escravidão do Egito. Na primeira noite de Páscoa, o [anjo] destruidor passou por cima das casas marcadas com o sangue do cordeiro: ele entrou somente nas casas não marcadas (Êx 11:12). Life Application Study Bible Kingsway.

25 Sétimo mês. A referência é a Festa dos Tabernáculos (Êx 23:16; 34:22; Lv 23:34; Dt 16:13, 16). Alguns afirmam que a razão pela qual a festa não é mencionada aqui por esse nome é que o costume de habitar em tendas seria descontinuado. CBASD, vol. 4, p. 806.

Celebrada em outubro, ela comemorava a proteção de Deus ao povo em sua viagem pelo deserto, do Egito à terra prometida (Lv 23:33-43; Dt 16:13-17). Life Application Study Bible Kingsway.




%d blogueiros gostam disto: