Reavivados por Sua Palavra


OSEIAS 5 by jquimelli
24 de novembro de 2017, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário Devocional

A mensagem profética contra os pecados dos sacerdotes do Israel do norte começa em Oséias 4:4.

Eles tinham feito locais de adoração de ídolos em Mispa e na encosta do Monte Tabor (5:1). Aqueles que inventaram a adoração do bezerro de ouro e o rei que introduziu a adoração de Baal em Israel não hesitaram em abater os verdadeiros adoradores de Deus (5:2). A causa desta maldade e degradação era a adoração de ídolos e o espírito de devassidão sexual. Sua desobediência intencional contra Deus em fazer o bezerro de ouro e a introdução em Israel do culto ao Baal de Sidom eram uma rejeição direta das instruções de Deus e Sua lei. E eles ainda queriam que Deus os escutasse! Tais adoradores não tinham capacidade de estabelecer uma verdadeira relação de amor com Deus (5:4).

O final do versículo 7 [“Agora suas festas de lua nova os devorarão”, NVI] pode ser lido: “Um mês os devorará e à sua herança.” Um mês judaico tinha 30 dias e estes 30 dias poderiam ser interpretados profeticamente como 30 anos, cada dia por um ano. De fato, do final do reinado de Jeroboão II (753 a.C.) até a destruição de Samaria (722 a.C.) e cidades circunvizinhas se passaram cerca de 30 anos. Oséias 5:8-9 ressalta a certeza da vinda da Assíria para destruir o reino do norte de Israel (5:13).

Enquanto eles não reconhecessem seus pecados e buscassem o perdão de Deus, Ele não poderia abençoá-los, nem poderia restaurar um bom relacionamento com eles como seu Criador e Redentor (5:15).

Deus está sempre disposto a Se relacionar conosco. Precisamos reconhecer que santidade como um povo significa nossa dedicação total a Ele.

Yoshitaka Kobayashi
Japão

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/hos/5 e https://www.revivalandreformation.org/?id=1113
Também disponível no blog mundial RPSP/BHP da IASD, em: https://www.revivalandreformation.org/bhp/pt/biblia/hos/5
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/08/31/
Equipe de tradução: Jeferson Quimelli/Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Oseias 5 NVI
Ouça online: Bíblia NVI em áudio
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/



OSEIAS 5 – COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
24 de novembro de 2017, 0:55
Filed under: Sem categoria



OSEIAS 5 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
24 de novembro de 2017, 0:45
Filed under: Sem categoria

Desprezar a Deus equivale a arruinar a vida. O declínio espiritual causa ruína física e material, rouba a paz e a tranquilidade, promove o perigo e atrai o castigo divino.

Medite na Bíblia!

Após conceber três filhos da prostituta Gômer (Jezreel, Lo-ammi e Lo-ruama) a mensagem se define. Baseando-me em Duane A. Garret, exponho este esboço para maior compreensão da mensagem de Oseias:

1. Jezreel: Queixa geral

• Nem fidelidade, nem amor, nem conhecimento de Deus (4:1);
• Lista de delitos (4:2);
• Resultado (4:3).

2. Lo-ammi: Os três grupos de culpados

• Líderes religiosos (4:4-10);
• Transição: Provérbios sobre linguagem (4:11);
• Superstição do povo (4:12-13a);
• Mulheres [cargos desestimados por propósitos retóricos] (4:13b-14).

3. Lo-ruama: Três advertências para Israel e Judá

• A apostasia de Israel é uma advertência para Judá (4:15-19);
• Israel conduz Judá ao pecado (5:1-7);
• Israel e Judá enfrentam à ira de Deus (5:8-15).

Ninguém deveria liderar pecados ou ser uma influência a favor do mal. Pior ainda quando líderes espirituais se tornam líderes do pecado e exercem influência maligna ao povo de Deus. Assim, no antigo Israel, “aqueles que deviam ter sido baluartes espirituais, conduzindo o povo de volta à genuína relação com Deus, estavam sendo uma desonra para Seu nome” (Robert H. Pierson).

A profecia de Oseias 5 cumpriu-se quando a Assíria invadiu Israel em 725 a.C., conquistou Samaria em 722 a.C., e destruiu as cidades fortificadas de Judá, exceto Jerusalém, em 701 a.C. Israel e Judá aliam-se com a Assíria, contudo a ruína os alcança; pois, deveriam ter-se aliado a Deus (vs. 13-14). Apesar de ignorado, Deus esperaria o arrependimento, mesmo sem evidências de que os pecadores se arrependeriam (vs. 4-5, 15).

A profecia de Oseias 5 tem grandes ensinamentos para nós atualmente:

• Deus permite a ruína causada pelo pecado para que nos voltemos para Ele e Sua graça;
• A liderança espiritual tem culpa por negligenciar a função outorgada por Deus, mas o povo também não está isento de culpa quando não há líderes para corrigi-lo;
• A disciplina divina visa à restauração física, mental, espiritual e moral do povo negligente;
• Deus quer líderes fortes na fé e liderados dedicados ao Seu serviço antes que venha o juízo;
• Tudo o que Deu faz visa nossa restauração total, e salvação!

Vivamos os propósitos divinos! – Heber Toth Armí.



OSEIAS 5, Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
24 de novembro de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“O seu proceder não lhes permite voltar para o seu Deus, porque um espírito de prostituição está no meio deles, e não conhecem ao SENHOR” (v.4).


O contraste entre o justo e o perverso, destacado pelo sábio no livro de Provérbios, confirma uma verdade contida em toda a Bíblia que tem sido lançada por terra desde que o pecado entrou no mundo: a diferenciação entre o certo e o errado, entre o santo e o profano.

O conteúdo deste capítulo traz uma séria advertência aos líderes de Israel. “Na prática de excessos” (v.2), corromperam-se, levando consigo todo o povo. E o que o Senhor tem para nós, hoje, são palavras de dura repreensão, mas também de incomensurável amor e infinita misericórdia, a fim de que despertemos para a solene hora em que estamos vivendo.

Deus nos diz em Sua Palavra que usar o corpo de forma a corromper os princípios estabelecidos por Ele como santos, chama-se abominação. Pecados secretos como, pornografia, adultério, masturbação e pedofilia têm sido as principais práticas “de excessos” (v.2), nas quais o mundo tem se aprofundado. O Senhor também nos diz que causar contendas entre irmãos é abominável (Pv 6:16-19). Muitos, guiados pela cobiça e pela inveja, têm disseminado veneno, e causado divisões e desconfiança. Isto é diabólico e vai tirar muita gente do Céu, assim como tirou terça parte dos anjos! E, infelizmente, eu não me refiro aqui a casos de pessoas não cristãs, mas famílias cristãs que têm sido destruídas “por causa da sua iniquidade” (v.5). Agora pense nisto tudo acontecendo na vida daqueles que deveriam ser instrumentos de Deus para guiar o Seu povo.

O Senhor não se referiu a homens ignorantes quanto à verdade, mas a líderes cuja vida religiosa aparentava estar “à procura do SENHOR” (v.6). Porém, em sua soberba, jamais encontrariam Aquele que nem ao menos conheciam, “porque foi do seu agrado andar após a vaidade” (v.11). Chegamos em um ponto muito delicado da mensagem deste capítulo. Termos como, “prostituído”, “contaminado” (v.3) e “enfermidade” (v.13) revelam o resultado de uma vida destituída do Espírito de Deus, referindo-se aos líderes de Israel, mas que também alcançou todo o povo. Confirmando as palavras do Senhor no capítulo anterior: “porque o teu povo é como os sacerdotes aos quais acusa” (Os 4:4). Em linguagem atual, tornaram-se todos “farinha do mesmo saco”.

Sobre isto, escreveu o profeta Isaías: “Na verdade, a terra está contaminada por causa dos seus moradores, porquanto transgridem as leis, violam os estatutos e quebram a aliança eterna” (Is 24:5). Amados, religiosidade não é sinônimo de santidade. A verdade é que vivemos em um mundo de pecado, carregamos a terrível natureza pecaminosa e necessitamos desesperadamente da graça de Jesus. Pastores, líderes ou simplesmente membros de igreja, todos, somos igualmente propensos a cair. A diferença está na nossa reação diante do pecado. Estamos realmente fazendo diferença entre o santo e o profano?

Alguém que busca a Deus constantemente, que diariamente alimenta-se do maná do Céu e que faz da oração o seu respirar, vive uma intimidade com Deus que não o impede de ser tentado, mas que, certamente, o fortalecerá para resistir às tentações. Em contraste, uma vida de aparências é a pior mentira que existe e a forma mais perigosa de se perder em meio à comodidade de parecer ser o que não é. O apelo de Deus para todos nós, hoje, líderes ou não, é que façamos uma análise de nossa condição espiritual, confessemos os nossos pecados e O busquemos enquanto ainda há tempo. Ele olha para nós e não vê líderes e membros, mas pessoas pelas quais Ele entregou o Seu próprio Filho. Não permita que o seu coração seja envolvido pelo “espírito de prostituição” (v.4) que governa este mundo que jaz no Maligno, mas que seja movido e transformado, um dia de cada vez, pelo Espírito Santo. Aceite o conselho do sábio Salomão: “Filho meu, não rejeites a disciplina do SENHOR, nem te enfades da Sua repreensão. Porque o SENHOR repreende a quem ama, assim como o pai, ao filho a quem quer bem” (Pv 3:11-12).

Bom dia, filhos do Pai de amor!

Desafio do dia 8/21: Oremos confessando diante de Deus os nossos pecados e clamemos pelo poder restaurador que há na pessoa do Espírito Santo.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Oseias5
#RPSP



OSEIAS 5 – COMENTÁRIO PR EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
24 de novembro de 2017, 0:25
Filed under: Sem categoria



OSEIAS 5 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
24 de novembro de 2017, 0:20
Filed under: Sem categoria

1. Ouvi isto. No reino imperial de Deus, com suas exigências morais e espirituais, todos são livres e iguais para obedecer ou desobedecer à lei divina da justiça. Não há acepção de pessoas, todos são colocados no mesmo nível e serão julgados pelo mesmo padrão. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 993.

Este juízo é contra vós. O anúncio do “julgamento” cumpre a ameaça implícita no nome simbólico de “Lo-Ruama” (Os 1:6, ARC; ver com. ali). Aqui, o “julgamento” é equivalente a Lo-Ruhamah, “sem piedade” ou “nenhuma misericórdia” (ver com. de Os 2:23). CBASD, vol. 4, p. 993.

2. Eu castigarei. Homens voluntariosos e desesperadamente pecaminosos podem abandonar todos os critérios de justiça, mas Deus não pode ser expulso da consciência e da experiência humanas (ver At 26:14). O pecador não precisa de nenhuma outra testemunha a não ser sua própria consciência. CBASD, vol. 4, p. 993.

3. Ó Efraim. Esta tribo poderosa e líder aparentemente também era líder na adoração ao bezerro e em outros tipos de idolatria. Por meio desta influência maligna, todo o Israel foi contaminado. CBASD, vol. 4, p. 993.

5:3 prostituído. 0 termo geralmente descreve uma pessoa inapta para adorar a Deus. É o contrário da palavra hebraica que significa “limpo” ou “puro”. No contexto de Oseias, refere-se à impureza moral. Bíblia de Estudo Andrews.

4. O seu proceder não lhes permite voltar. Quão poderosamente isso indica a força do hábito na experiência humana (ver Jr 13:23; 2Pe 2:12-14). As ações externas do povo indicam que eles se tornaram tão corruptos que o “homem interior” não poderia ser alcançado pelo Espírito (ver Ef 3:16). CBASD, vol. 4, p. 993.

5. A soberba de Israel. A riqueza engendrou a arrogância que indispôs o povo

a fazer a vontade de Deus; CBASD, vol. 4, p. 994.

Judá cairá juntamente. O ônus da mensagem do profeta foi dirigido a Israel, mas, ocasionalmente, o reino de Judá também era incluído. CBASD, vol. 4, p. 994.

O v. 8 menciona Benjamim, que costumava se aliara Judá. Bíblia de Estudo Andrews.

6. Porém não O acharão. O povo de Israel não era movido pelo verdadeiro arrependimento, mas por medo da aflição que se aproximava. O amor a Deus, que produz obediência, não estava em seus corações (ver Hb 12:16, 17; ver com. de Gn 27:38). CBASD, vol. 4, p. 994.

8. Trombeta. Do heb. shofar (ver vol. 3, p. 24). Oseias apresenta um quadro dos inimigos de Israel como que já em marcha para executar o juízo divino. CBASD, vol. 4, p. 994.

O chifre de carneiro era um instrumento usado para sinalizar aos soldados a hora de iniciar um ataque ou uma conquista (ver J z 3:27; 7:20). Bíblia de Estudo Andrews.

Gibeá. Gibeá e Ramá se localizavam em Benjamim, perto da sua fronteira norte e dentro do reino do sul. Eram locais adequados para dar avisos de perigo iminente, por se situarem em terras altas. CBASD, vol. 4, p. 994.

Bete-Áven. Significa “casa da perversidade”. 0 termo é usado para substituir o nome Betel, que significa “casa de Deus”. Portanto, Bete-Áven é uma designação depreciativa, mostrando um destino fracassado. A casa de Deus,

que deveria demonstrar justiça e retidão, havia se transformado num lugar de maldade. Bíblia de Estudo Andrews.

10. Os que mudam os marcos. Aquele que se atrevesse a remover os marcos [limites de terra] do seu próximo estaria violando um dos preceitos de Yahweh (ver Dt 19:14; 27:17). Em seu desprezo totalmente irresponsável e egoísta pelos direitos dos outros, os líderes de Judá não hesitaram em se inclinar para males como a remoção desses limites. CBASD, vol. 4, p. 994.

Derramarei, pois, o Meu furor. Significa um enfático e vigoroso transbordamento da ira divina que oprimiria totalmente esses líderes quebrantadores da lei. CBASD, vol. 4, p. 994.

11. Andar após a vaidade. Literalmente, “uma ordem”. Ao invés de seguir os mandamentos de Deus, o povo obedeceu aos dos homens (ver Mt 15:7-9). E provável que isto se refira especificamente à ordem de Jeroboão 1 para adorar os bezerros, quando ele se revoltou contra Judá (ver l Rs 12:25-33). CBASD, vol. 4, p. 994.

13. Sua enfermidade. Israel e Judá sentiram seu declínio nacional. No entanto,

em vez de se voltar para Deus e pedir ajuda, Efraim virou-se para a Assíria. Só Efraim é mencionado em busca dessa ajuda, porque o reino do norte foi o primeiro a se envolver com a Assíria (2Rs 15-18). CBASD, vol. 4, p. 995.

A aliança e as manobras políticas de Israel, como as denunciadas no livro de Isaías, também surgem em Oseias. O profeta é claro: o resgate e cura só poderiam vir de Deus, não da Assíria. Bíblia de Estudo Andrews.

14. Como um leão. Um símbolo do conquistador que destrói. Como um leão que primeiro despedaça sua presa e depois a leva embora, o povo de Deus seria primeiro feito em pedaços, e depois levado ao cativeiro. CBASD, vol. 4, p. 995.




%d blogueiros gostam disto: