Reavivados por Sua Palavra


Ezequiel 45 by jquimelli
11 de agosto de 2014, 0:00
Filed under: Israel, Justiça | Tags: ,

Comentário devocional:

O capítulo 45 continua a descrição detalhada da área do templo e da cidade restaurada de três maneiras:

Primeiro, descreve um bloco especial de terra que deveria abrigar o templo, a terra para os sacerdotes e levitas e uma propriedade para o príncipe. Esta área especial ficava fora das áreas de terras que pertenciam às tribos como herança perpétua. Parte da razão de existir este bloco especial de terra para o príncipe é lhe fornecer terra suficiente para que não se sentisse tentado a obter irregularmente para si terra de outros israelitas. Esta área do templo seria o centro político e religioso do país.

Em segundo lugar, este capítulo descreve as tarefas específicas do príncipe. Ele deveria manter pesos e medidas justos em todo o país para que as pessoas comuns não fossem enganadas por pesos falsos. Este é um elemento fundamental de retidão e justiça que faríamos muito bem em promover em nossa sociedade atual. Outra grande tarefa do príncipe seria fornecer os sacrifícios regulares do Templo. As demais ofertas para sacrifício viriam do povo, através de uma percentagem de seus animais e de sua agricultura.

A terceira e última seção deste capítulo trata das festas da Páscoa e dos Tabernáculos. Ezequiel anseia que as pessoas pratiquem estas festas na nação restaurada de Israel. Ele menciona especificamente essas duas festas porque os sacrifícios adicionais de animais dessas duas festas, vêm do príncipe.

Contentar-se com o que tem, garantir o uso de pesos e medidas corretos e doar parte de seus bens para incentivar a espiritualidade de seus liderados: grandes exemplos a serem seguidos por aqueles em posição de liderança!

Jon Dybdahl
Universidade Walla Walla, EUA

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/eze/45/

Traduzido por JAQ/JDS

Texto bíblico: Ezequiel 45 

Comentário em áudio 

 

Comentários selecionados:

1 repartirdes […] por sortes. O significado parece ser o de repartir por quotas. Na verdade, a cada tribo foi designada uma porção definida (Ez 48:1-29). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 805.

uma oferta. Pequena parte desta “porção santa da terra” devia ser ocupada pelo santuário, e o restante, dado aos sacerdotes e levitas. CBASD, vol. 4, p. 805.

2 terá em redor […] cinquenta côvados. O templo estava situado num átrio de 500 côvados quadrados … Aqui uma faixa de terra de 50 côvados (26 m) é deixada do lado de fora, ao redor do muro exterior, para ajudar a impedir sua profanação. CBASD, vol. 4, p. 805.

6 cidade. A Jerusalém antiga continha a área do templo. A nova cidade santa não, mas ficaria adjacente ao templo. Bíblia de Estudo NVI Vida.

9 os príncipes. Aqui se refere aos magistrados, juízes e anciãos.  Bíblia Shedd.

desapropriações. Esta injustiça, cuja forma clássica se vê no caso da vinha de Nabote (1 Rs 21.1-16); dentro de um século veio a ser rotina em Samaria (Mq 2.2). O vivo protesto de Ezequiel se lença em forma simbólica nas medidas imutáveis que se tomam para as heranças tribais (48.1-7). Bíblia Shedd.

11 sua medida. Ver Lv 19:35, 36; Dt 25:13-15; Pv 16:11; Os 12:7; Am 8:5; Mq 6:10. O efa [NVI: arroba] era usado para medida de secos, e o bato [NVI: pote], para medida de líquidos. Aqui é dito que eles tem a mesma capacidade e equivalem à décima parte do ômer [NVI: barril]. Em equivalentes modernos, um efa ou um bato seria cerca de 22 litros. CBASD, vol. 4, p. 805.

O ômer é de 220 litros ou quilos. Bíblia Shedd.

12 mina. Uma transliteração do heb menah. … Um menah ou uma mina [ou “arrátel”, 1Rs 10:17; Ed 2:69] equivalia a 50 siclos, CBASD, vol. 4, p. 805. [Nota: O siclo, ou shequel é a moeda de Israel, hoje. Mina ou menah é o termo usado em Daniel 5:25, 26]. 

siclo … gera … mina. Estes são os valores para a cobrança da mercadoria; são pesos de prata: o siclo tendo 10 g., a gera tendo metade de um grama, e a mina tendo 500 g. Isto quer dizer que a moeda chamada de “cinco ciclos” terá este peso em prata pura. O siclo seria equivalente a um dólar americano, pelo poder aquisitivo. Bíblia Shedd. 

13 a oferta. Os v. 13 a 15 descrevem o imposto a ser pago, presumivelmente ao príncipe (ver v. 16) que, por sua vez, forneceria as ofertas sacrificiais requeridas. CBASD, vol. 4, p. 805.

O príncipe seria o mordomo do tesouro nacional, cuidando da ordem cívica e das despesas do templo e das ofertas religiosas. Bíblia Shedd.

18 no primeiro mês. A partir do v. 18, até o v. 15 do cap. 46, é descrito o ritual sacrificial a ser seguido em ocasiões especiais. Há alguma diferença em relação à lei mosaica. CBASD, vol. 4, p. 805.

Este dia, primeiro de Nisã, não tem equivalente fixo em nosso calendário, porque os israelitas tinham doze meses lunares, e mais um mês extra, intercalado de quatro em quatro anos,para fazer Nisã cair na primavera local, março/abril. Esta data do ano novo foi estabelecida por ser o mês em que Deus libertara Seu povo da escravidão do Egito (Êx 12.2). Bíblia Shedd.

19 tomará do sangue. Segundo a lei mosaica, no Dia da Expiação, o sangue das ofertas pelo pecado era aspergido sobre o propiciatório e diante dele, dentro do véu (Lv 16:14, 15). De acordo com o novo ritual, no que diz respeito á cerimônia de purificação, o sangue era posto “nas ombreiras da casa”, e nos quatro cantos da fiada do altar, e nas ombreiras da porta do átrio interior”. CBASD, vol. 4, p. 806.

21 Páscoa. Os regulamentos quanto à observância da Páscoa eram semelhantes aos da lei mosaica, mas as ofertas eram em maior número (Êx 12:6; Lv 23:5-8; Nm 28:16-25). CBASD, vol. 4, p. 806.

25 Sétimo mês. A referência é a Festa dos Tabernáculos (Êx 23:16; 34:22; Lv 23:34; Dt 16:13, 16). Alguns afirmam que a razão pela qual a festa não é mencionada aqui por esse nome é que o costume de habitar em tendas seria descontinuado. CBASD, vol. 4, p. 806.




%d blogueiros gostam disto: