Reavivados por Sua Palavra


Jeremias 52 by Jobson Santos
15 de setembro de 2017, 6:37
Filed under: Aliança | Tags: ,

Comentário devocional:

O final do capítulo 51 diz: “Aqui terminam as palavras de Jeremias” (Jeremias 51:64, NVI).

Então, quem escreveu o capítulo 52? Jeremias começou seu ministério profético em torno de 625 aC. Ele provavelmente não estava vivo no momento em que o rei Nabucodonosor morreu e Evil-Merodaque tornou-se o rei de Babilônia em 562 aC. Isso aconteceu no 37 º ano do rei Joaquim, depois de ter sido exilado na Babilônia. Além disso, o capítulo 52 é quase idêntico à última porção de 2 Reis (24:18-25:30). Portanto, o escriba de Jeremias pode ter acrescentado esta parte, considerando necessário colocá-la no final do livro de Jeremias como uma nota adicional de confirmação da queda de Jerusalém.

O capítulo 52 (vs. 1-11) retrata o reinado de Zedequias, a derrota de Judá pelos caldeus, e o fim desastroso da família real e dos oficiais de Judá. A razão pela qual Deus permitiu que tudo isso acontecesse a Jerusalem foram as maldades cometidas pelos reis Zedequias e Joaquim (vs. 2-3).

Como é triste ler sobre a destruição de Jerusalém! Sobre o templo ter sido saqueado e queimado! O povo de Judá poderia ter prosperado se tivesse obedecido a Deus.

Oração: Senhor, eu Te louvo porque és justo e bondoso. Ajuda-me a ser fiel a Ti a fim de que as bênçãos que desejas para mim possam se realizar de modo completo. Amém.

Yoshitaka Kobayashi
Japão

 

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/jer/52 e https://www.revivalandreformation.org/?id=992
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/06/21/
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Jeremias 52 NVI
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/

 



JEREMIAS 52 – COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
15 de setembro de 2017, 0:55
Filed under: Sem categoria


JEREMIAS 52 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
15 de setembro de 2017, 0:45
Filed under: Sem categoria

JEREMIAS 52 – A profundidade da Palavra de Deus é incrível. Quando mais você se aprofunda mais você percebe o quanto tem para aprender.

Este último capítulo é um anexo histórico, uma retrospectiva da história do povo de Deus. Observe:

1. Com 21 anos Zedequias foi colocado por Nabucodonosor para reinar em Judá. Reinou 11 anos. Porém, por ser rebelde, mau, instável, e independente das mensagens proféticas, indignou-se e provocou rebelião contra o rei de Babilônia (vs. 1-3).

2. Consequentemente, Nabucodonosor ordenou seus exércitos cercarem Jerusalém – o que durou um ano e meio. Devido à falta de alimento e água, o Zedequias e seu exército fogem em direção ao Jordão (vs. 4-7).

3. Zedequias, fugindo, foi encontrado; Nabucodonosor assassinou seus filhos, depois furou os seus olhos e o levou cativo – ficando preso em Babilônia até morrer (vs. 8-11).

4. Em Jerusalém, logo em seguida, Nebuzaradã ateou fogo no templo, no palácio do rei e nas casas grandes da cidade, quebrou os muros, levaram os mais nobres ao exílio com os móveis do templo. E, os mais pobres foram estabelecidos para cuidar das plantações (vs. 12-27).

5. Os judeus foram deportados em fases (vs. 28-30):

• Em 605 a.C., no reinado de Joaquim, quando iniciou os 70 anos de exílio;
• Em 597 a.C., no reinado de Jeoaquim;
• Em 586 a.C., sob o governo de Zedequias;
• A campanha de deportação mais prolongada se deu de 581 a 582 a.C.

6. Exilado, o rei Joaquim, recebe privilégios, é liberto da prisão e come junto ao rei babilônico (vs. 31-34).

A graça de Deus suplanta a desgraça do pecado. Onde parecia que Satanás tinha vencido, Deus Se mostra no controle. As profecias referentes ao Messias não foram sufocadas com o pecado de Israel nem com a opressão de Babilônia.

(Para entender melhor a profecia dos setenta anos de cativeiro babilônico você precisa estudar o que escreveram os escritores de II Reis e II Crônicas e mais os livros de Ezequiel, Daniel, Esdras e Neemias inspirados pelo Espírito Santo).

Em Jeremias aprendemos, resumidamente, que:

• …a Palavra de Deus não caduca, ela se cumpre até quando é improvável seu cumprimento.
• …Deus permite a disciplina para educar Seu povo, mas jamais desiste de operar para salvar.
• …com Deus, sempre há esperança!

Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

Conte-nos, o que te chamou a atenção ao passar quase dois meses estudando Jeremias:



JEREMIAS 52, Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
15 de setembro de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Assim, Judá foi levado cativo para fora de sua terra…” (v.28).


O último capítulo do livro de Jeremias relata um resumo das profecias quanto ao cativeiro babilônico. Desde os dias do rei Josias, Deus enviou o Seu profeta para alertar o povo acerca do que deveria fazer. Por muitos anos Jeremias pregou sobre a necessidade de arrependimento e conversão, mas também sobre juízo. Porém, um rei após outro fazia “o que era mau perante o SENHOR” (v. 2). O convite da graça foi rejeitado e pronunciada foi “a sentença” (v. 9) sobre “todas as casas de Jerusalém” (v. 13).

O rei Zedequias, dentre os demais, teve a oportunidade maior de dar ouvidos às palavras do SENHOR. Estabelecido como rei a mando de Nabucodonosor (II Reis 24:17), ocupou o trono de seu sobrinho Joaquim, que foi levado cativo “no oitavo ano do seu reinado” (II Reis 24:12). “Zedequias, no início do seu reinado, desfrutou inteiramente a confiança do rei de Babilônia, e teve como experimentado conselheiro ao profeta Jeremias” (EGW, Profetas e Reis, p. 224). No entanto, recusou-se a seguir as orientações divinas e o último rei de Judá terminou seus dias sem honra alguma dentro de uma prisão.

Apesar de ter seguido os passos de seu pai (II Reis 24:9), o rei Joaquim teve um fim diferente. Recebeu honra maior do que os demais reis que se encontravam em Babilônia, comeu pão na presença do rei dos caldeus e ainda recebeu uma espécie de salário diário de natureza vitalícia “até ao dia da sua morte” (v. 34). Pelo que parece, Joaquim entendeu os propósitos de Deus e aprendeu “no exílio a lição da obediência tão necessária para sua futura felicidade” (EGW, Profetas e Reis, p. 242).

Quantos apelos o Espírito Santo vai ter que fazer até que possamos entender que já não nos resta muito tempo? Assim como Babilônia foi tomada e “apanhada de surpresa” (Jr. 51:41), “à hora em que não cuidais, o Filho do Homem virá” (Mateus 24:44). “Pois assim como foi nos dias de Noé, também será a vinda do Filho do Homem” (Mateus 24:37). O Espírito Santo já está sendo retirado deste mundo. Ele “não agirá para sempre no homem, pois este é carnal” (Gênesis 6:3).

“Desde o princípio, o Espírito Santo tem agido em favor da humanidade. Da mesma forma em que trabalhou no coração dos ouvintes de Noé, tem agido em benefício de cada um que haverá de existir. A Sua função é a de nos unir em comunhão com Cristo e uns com os outros. E, para isso, precisamos estar dispostos a ouvi-Lo e a obedecê-Lo no tempo que se chama HOJE: ‘Hoje, se ouvirdes a Sua voz, não endureçais o vosso coração'” (Hebreus 3:15; Rosana Barros, O Último Chamado de Deus, p. 18, 19).

Estamos vivendo no tempo em que o apóstolo Paulo chamou de “tempos difíceis” (II Timóteo 3:1), onde somos aconselhados a fugir de tudo e de todos os que recusam o governo divino: “Foge também destes” (Idem, v. 5). Uma mente que não é guiada pelo Espírito de Deus torna-se uma arma letal nas mãos de Satanás. “Tendo forma de piedade” (Idem), agem com sutileza e cativam os que se deixam guiar pelas próprias paixões e que “jamais podem chegar ao conhecimento da verdade” (Idem, v. 7).

Oh, amados, o verso final deste livro fantástico e sobremodo apaixonante nos deixa uma linda mensagem de esperança:

Mesmo ainda em solo estrangeiro; mesmo sabendo que o nosso lar não é aqui; mesmo conscientes de que o pecado ainda faz separação entre nós e nosso Deus; mesmo sofrendo perseguições, ameaças e por vezes, nos sentirmos sozinhos; o SENHOR nunca nos abandonará! Dentro em breve Jesus virá sobre as nuvens do céu com poder e grande glória e, diante de todos, nos falará “benignamente” e nos dará “lugar de mais honra do que o dos reis” (v. 32) que já pisaram nesta terra, e nos levará Consigo para a Casa de Seu Pai (João 14:1-3). Ele mudará as nossas “vestes do cárcere” em “uma vestidura branca” (Apocalipse 6:11) e passaremos “a comer pão na Sua presença” (v. 33) e a desfrutar dos doze frutos da árvore da vida (Apocalipse 22:2), de onde receberemos uma “subsistência vitalícia, uma pensão… durante os dias” de nossa vida por toda a eternidade!

Quer você receber este dom GRATUITO? Então, prepara-te! Eis que o Rei do universo vem vindo!

Bom dia, estrangeiros à caminho de Casa!

Desafio do dia: Compartilhe esperança! Amanhã daremos início ao livro de Lamentações. Convide seus amigos e familiares para participar do projeto Reavivados por Sua Palavra.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Jeremias52
#RPSP

Deixe um comentário:



JEREMIAS 52 – COMENTÁRIO PR EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
15 de setembro de 2017, 0:25
Filed under: Sem categoria



%d blogueiros gostam disto: