Reavivados por Sua Palavra


JEREMIAS 48 by jquimelli
11 de setembro de 2017, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário Devocional

Este capítulo é uma profecia contra os moabitas, que eram os descendentes de Ló (Gên 19:37). Os moabitas viveram inicialmente no sudeste da Transjordânia e ocuparam a cidade de Ar, que estava no lado leste do Mar Morto (Deut 2:9).

Quando os israelitas quiseram ir para a terra de Canaã, os moabitas não lhes permitiram passar por suas terras. No entanto, Deus não permitiu que os israelitas lutassem contra os moabitas porque eles eram seus parentes e Ló era um verdadeiro adorador de Deus (Deut 2:19).

A mensagem de destruição de Deus para Moabe era condicional. Ele enviou esta mensagem aos moabitas através de Jeremias para que eles se arrependessem e retornassem para o Senhor. Se os moabitas tivessem se arrependido, Deus os teria libertado da prisão espiritual da adoração de ídolos e restaurado (v. 47).

Muito antes dessa profecia por Jeremias, Rute, uma mulher moabita, creu em Deus, através da influência da vida piedosa de Noemi. Que possamos ser como Noemi e através da nossa vida piedosa influenciar os nossos vizinhos a crerem em Deus e serem fiéis a Ele como aconteceu com sua nora Rute, que está listada na genealogia de Jesus (Mt 1:1, 5).

Yoshitaka Kobayashi
Japão

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/jer/48 e https://www.revivalandreformation.org/?id=997
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/06/18/
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Jeremias 48 NVI
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/



JEREMIAS 48 – COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
11 de setembro de 2017, 0:55
Filed under: Sem categoria


JEREMIAS 48 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
11 de setembro de 2017, 0:45
Filed under: Sem categoria

JEREMIAS 48 – O livro de Jeremias é o segundo maior livro do Antigo Testamento. Suas profecias, acompanhadas de sua autobiografia, tornam o livro muito interessante.

Por várias razões Jeremias é bem conhecido entre aqueles que apreciam a Bíblia. Contudo, suas mensagens são pouco conhecidas, talvez por não serem tão valorizadas como deveriam.

• Vamos estudar sua profecia contra Moabe?

C. Paul Gray observa que “entre os oráculos encontrados nos capítulo 46-49, essa profecia é singular em relação a sua extensão, seu grande número de lugares e suas semelhanças com outras passagens das Escrituras”. Abaixo segue a divisão que Gray faz do capítulo em questão:

1. As consequências da confiança inapropriada (vs. 1-10);
2. A desgraça da vida indisciplinada (vs. 11-17);
3. O desastre chega (vs. 18-28);
4. Um lamento pela orgulhosa nação de Moabe que caiu (29-39);
5. Não há escape de juízo (vs. 40-47).

Orgulho, arrogância, prepotência e soberba levam indivíduos e nações a um fim indesejado. Uma existência desregrada, indiferente aos princípios divinos e sem parâmetros bíblicos enfrentará situações em que a desgraça será sua melhor definição de vida.

Apesar Moabe ter Quemos como seu deus, ainda que os pecados de Moabe eram extravagantes, Deus começa com uma mensagem de juízo e destruição (vs. 1-2); mas, termina com uma mensagem de restauração e esperança (v. 47).

A profecia declara que Moabe iria para o cativeiro. Contudo, depois da disciplina, o próprio Deus promete: “Chegará o dia em que vou restaurar a sorte de Moabe”. A misericórdia divina tem a última palavra, não o juízo!

Outras aplicações espirituais:

• Através da profecia a Moabe, observa-se que Deus ama, trata com um amor firme e disciplinador aos povos que adoram outros deuses, além de oferecer um futuro promissor a todas as nações e quer a restauração de todos os povos.
• Com Moabe, aprendemos que a vida desgraçada resulta de uma rejeição à graça de um Deus que deseja o melhor para os habitantes deste mundo imoral e decadente.
• A mensagem do servo de Deus pode parecer dura e pesada contra seus destinatários; todavia, ele termina com esperança, oferece consolo e promete a ação graciosa de Deus.
• O evangelho é destinado a todas as pessoas, Deus age para restaurar o caído e destruído pelo pecado.

Portanto, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



JEREMIAS 48, Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
11 de setembro de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Moabe será destruída, para que não seja povo, porque se engrandeceu contra o SENHOR” (v. 42).


Dentre os profetas que descrevem a ruína de Moabe, a descrição do profeta Jeremias é a mais detalhada. Em minúcias, o SENHOR revelou os juízos que sobreviriam àquela nação devido à sua extrema soberba, arrogância, orgulho e altivez do coração (v.29). Confiaram nas suas próprias obras e tesouros (v.7) e fizeram “a obra do SENHOR relaxadamente” (v.10).

Moabe foi um dos filhos de Ló com uma de suas filhas. Ou seja, Ló era o pai, mas também era o avô (Gênesis 19:37). Uma abominação que deu início a um dos povos inimigos de Israel. No entanto, Deus, em Sua infinita graça, consegue extrair bênção do meio dos escombros e suscitou uma moabita chamada Rute para ser bisavó do rei Davi e, consequentemente, fazer parte da genealogia de Jesus Cristo.

Moabe “se engrandeceu contra o SENHOR” (v.42), permitindo que seus corações fossem tomados pelo mesmo sentimento maligno que teve origem no coração de Lúcifer. A soberba e o orgulho próprio são dois “venenos” mascarados. Eles vão matando aos poucos. São doses diárias que vão enlevando o coração até o ponto de estar completamente envenenado. Só existe um antídoto contra este perigo letal: JESUS. O “manso e humilde de coração” (Mateus 11:29) nos convida a dEle aprender para nEle caminhar (João 14:6).

“Contudo” (v. 47), a mensagem profética não encerrou anunciando uma destruição definitiva, mas uma restauração futura: “mudarei a sorte de Moabe, nos últimos dias” (v.47). Deus tem um propósito de restauração nos últimos dias para “cada nação, e tribo, e língua, e povo” (Apocalipse 14:6). Ele tem chamado o Seu povo, a título de urgência, para proclamar o alto clamor. E “maldito” todo aquele que, à semelhança de Moabe, “fizer a obra do SENHOR relaxadamente” (v.10)!

Amados, estamos vivendo no “olho do furacão”. Aparentemente, parece que está tudo muito tranquilo, quando de repente sobrevém a fúria deixando um rastro de destruição. “E eis que venho sem demora” (Apocalipse 22:12), “diz o Rei, cujo nome é SENHOR dos Exércitos” (v.15), e precisamos estar preparados. A arrogância de Laodiceia será abatida assim como foi a de Moabe. É tempo, portanto, de sermos zelosos na obra do SENHOR e nos arrependermos de nossos maus caminhos (Apocalipse 3:19). Só assim Jesus poderá realizar em nosso coração a mudança que nos fará servos operantes semeando “para o Espírito” e, “do Espírito”, colheremos “vida eterna” (Gálatas 6:8).

Bom dia, servos operantes do SENHOR!

Desafio do dia: Seja um agente da esperança. Distribua algum material ou compartilhe em suas redes sociais uma mensagem que fale sobre a volta de Jesus.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Jeremias48 #RPSP



JEREMIAS 48 – COMENTÁRIO PR EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
11 de setembro de 2017, 0:25
Filed under: Sem categoria


JEREMIAS 48 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
11 de setembro de 2017, 0:20
Filed under: Sem categoria

Antes do tempo de Moisés, os moabitas adoravam o ídolo Quemos. Por causa disso Deus permitiu que os amorreus viessem e tomassem parte de suas terras (Núm 21:26). Mais tarde, no tempo de Moisés, Balaque, rei de Moabe, pediu a Balaão que amaldiçoasse Israel. Isto aconteceu quando os moabitas adoravam Baal-Peor e levaram os homens de Israel a fazer o mesmo (Núm 25:1-3).

Nos dias em que Jorão, o filho de Acabe, era o rei de Israel, Mesa, rei de Moabe se voltou contra Israel. Seu deus era Camos, e ele mesmo ofereceu seu filho a este deus em holocausto (2 Rs 3:27). Na guerra que se seguiu, Mesa, recusou-se a render-se a Israel. Então, Israel continuou a lutar contra os moabitas, e estes estavam em vias de serem exterminados. Foi quando Deus interveio, interrompendo a luta e permitindo que o remanescente dos moabitas retornasse para casa.

Aparentemente, não havia ainda chegado o momento para Deus exterminar os moabitas, mesmo sendo eles adoradores de ídolos, pois o Senhor queria que eles se arrependessem e voltassem para Ele.

No entanto, algumas cidades moabitas deveriam ser destruídas porque: (1) eles ainda adoravam o deus Camos (Jer 48:13); (2) Gabavam-se contra o Deus de Israel e escarneciam de Judá (v. 27, 29, 42); (3) diziam que o reino de Judá não era diferente de todas as outras nações, porque Judá havia sido destruída pelos babilônios (Ez 25:8), e (4) eles amaldiçoavam o povo de Judá e violavam suas fronteiras de Judá ( Sof 2:8). Yoshitaka Kobayashi, em https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/06/18/.

Tramaram. Do hrb. chasav. Há um trocadilho neste versículo, pois o hebraico para Hesbom está grafado como Chesvon. Esse recurso literário é uma boa ilustração do forte tom poético da profecia. O v. 2 parece indicar que, no tempo de Jeremias, Hesbom foi o centro de uma conspiração contra os moabitas. CBASD, vol. 4, p. 559.

10 Maldito. O anúncio de uma maldição sobre aqueles a quem Deus escolheu como Seus vingadores, que poderiam se abster de executar Seus juízos, é uma forma poética de enfatizar a inevitabilidade dos eventos preditos. CBASD, vol. 4, p. 560.

12 Trasfegadores. Do heb. tso’im, “inclinadores”, isto é, aqueles que inclinam utensílios, a fim de derramar seu conteúdo. CBASD, vol. 4, p. 560.

 




%d blogueiros gostam disto: