Reavivados por Sua Palavra


JEREMIAS 33 by jquimelli
27 de agosto de 2017, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário Devocional

Minha esposa e eu gostamos de cantar músicas bíblicas como uma forma de memorizar a Palavra de Deus. Este capítulo contém uma de nossas promessas bíblicas favoritas: “Clame a mim e eu responderei e lhe direi coisas grandiosas e insondáveis que você não conhece” (Jeremias 33:3, NVI).

Seja qual for o desafio ou a oportunidade que você esteja enfrentando hoje, apegue-se ao que Deus prometeu em Sua Palavra. “Clame a mim”, Ele diz. Este convite me faz lembrar as palavras de Jesus no Sermão da Montanha: “Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será aberta” (Mateus 7:7, NVI).

Quando criança, eu imaginava que eu deveria pedir “coisas”. Agora eu percebo que os maiores presentes que o Pai anseia nos dar são sabedoria para saber como viver e a presença capacitadora do Seu Espírito Santo. Dê-lhe hoje a oportunidade de guiá-lo e capacitá-lo na realização dos seus deveres. E lembre-se, nada é difícil demais para Deus.

“Senhor , obrigado por sua incrível promessa, feita não só a Jeremias, mas também a mim. Alegro-me por poder pedir a Sua ajuda a qualquer momento, em qualquer lugar, sabendo que não há nada difícil demais para você. Amém”.

Derek J. Morris
Associação Ministerial da Conferência Geral

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/jer/33, https://www.revivalandreformation.org/?id=1012 e http://revivedbyhisword.org/en/bible/jer/33/
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/06/03/
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Jeremias 33 NVI
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/



JEREMIAS 33 – COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
27 de agosto de 2017, 0:56
Filed under: Sem categoria



JEREMIAS 33 – COMENTARIO PR HEBER TOTH ARMI by Maria Eduarda
27 de agosto de 2017, 0:45
Filed under: Sem categoria

JEREMIAS 33 – Se com nossos pecados, transgressões e insubmissão às orientações de Deus nosso choro pode durar uma noite, pela graça, misericórdia e bondade de Deus, a alegria certamente vem pela manhã (Salmo 30:5).

Ainda que as alianças com Deus sejam desprezadas e quebradas, Deus a renova. A graça divina nos livra de nossa desgraça. O perdão de Deus nos livra da condição precária que o pecado nos conduz. A disciplina divina visa despertar nossa vida a uma realidade que até então não foi percebida. O plano de Deus para nós é maior que nossas mais ousadas ambições.

Reflita:

• Reiteração da mensagem de esperança ao povo judeu aponta para um tempo quando Deus derrotaria a nação (Babilônia) que derrotou o Seu povo (os judeus). Além da restauração, Deus oferecerá Seu perdão aos transgressores de Seu povo (vs. 1-8).

• Promessa de restauração amplia a noção de remanescente fiel em Jerusalém. Um reavivamento se dará pela dinâmica e direta ação de Deus na Terra, a qual será tão gloriosa e impactante a tal ponto de atrair, inclusive, gentios de muitas partes do mundo para a adoração do Senhor (vs. 9-13).

• Confirmação das promessas antigas revela que nada impede Deus de realizar Seus planos no mundo, nem mesmo pecados e suas consequências na vida de Seu povo inconsequente. Mesmo que para isso seja necessário o próprio Deus entrar em cena, liderar diretamente e reinar como descendente de Davi para que Suas palavras se cumpram (vs. 14-26).

Deus não mede esforços para nos salvar. Ele fortalece Seu argumento com ilustrações visíveis:

• A promessa da perpetuidade da dinastia davídica e do sacerdócio levítico é tão firme quanto são o dia e a noite: Jesus é o descendente de Davi que viverá para reinar eternamente. Seu sacerdócio é mais nobre que o sacerdócio levítico.

• A aliança de Deus com Seu povo é tão fixa quanto as leis que regem a natureza. Deus não rejeita ao pecador, nem abandona quem O abandona. Sua igreja do Antigo Testamento aumentaria sob a regência de Cristo no Novo Testamento (Romanos 9-11).

Se Deus tivesse desistido dos pecadores já há muito tempo não haveria oportunidade de salvação para nenhum de nós. Portanto, aproveitemos que a graça está disponível para livrarmo-nos de nossas desgraças!

“Senhor, restaura-nos!” – Heber Toth Armí.



JEREMIAS 33, Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
27 de agosto de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Invoca-Me, e te responderei; anunciar-te-ei coisas grandes e ocultas, que não sabes” (v. 3).


Paz e prosperidade têm sido aclamados no mundo desde que o pecado iniciou seus nefastos resultados. Assim, a humanidade têm experimentado as terríveis consequências da sua própria maldade (v. 5). Encarcerado, Jeremias experimentou na pele o que o povo de Deus teria de passar. Mas, se tão-somente confiassem e buscassem ao SENHOR de todo o coração, e fossem fiéis à Sua Palavra, assim como esteve com Jeremias até na prisão, Ele estaria com eles também.

A promessa da restauração de Jerusalém e do regresso de Israel às suas cidades deveria encher o coração do povo de Deus de esperança. O só cumprimento das palavras de Jeremias sobre o exílio babilônico deveria lhes ser prova suficiente de que assim como se cumpriram as palavras de juízo, também se cumpririam as palavras de paz. A ira do SENHOR não duraria para sempre, mas findo o período pré-estabelecido de setenta anos, o Seu povo voltaria a gozar de “abundância de paz” (v. 6).

Em todo o tempo, Deus tem falado através das profecias. E, “certamente, o SENHOR Deus não fará coisa alguma, sem primeiro revelar o Seu segredo aos Seus servos, os profetas” (Amós 3:7). As “coisas grandes e ocultas” já podem ser entendidas por todo aquele que com sinceridade busca as verdades do SENHOR. Infelizmente, no meio do povo de Deus houve uma classe rebelde que recusou-se a ouvir as palavras da profecia e, usando suas próprias armas, suas casas foram alvo de destruição e morticínio (v. 5).

Amados, as profecias para o tempo do fim apontam para uma mesma batalha sangrenta, onde o alvo principal da fúria do maligno é a família. Munidos de justiça própria e incredulidade, muitos têm derrubado as suas casas e as tornado trincheiras vulneráveis. E o terrível resultado disto tem sido “cadáveres de homens” (v. 5), mulheres e crianças, vítimas da rebelião que devastará este mundo até que o “SENHOR, Justiça Nossa” (v. 16) estabeleça o Seu Reino de eterna paz.

Vejam que o SENHOR não nos deixou desprevenidos. O Seu amor revelado nas páginas sagradas nos apontam o tempo em que Ele restaurará “a sorte da terra como no princípio” (v. 11). Mas, “ainda passarão os rebanhos pelas mãos de quem os conte, diz o SENHOR” (v. 13). Ainda existem ovelhas desgarradas que o Bom Pastor precisa trazer de volta ao Seu aprisco. O SENHOR cumprirá a Sua “boa palavra” (v. 14), “sobre a terra, cabalmente e em breve” (Romanos 9:28). E o que Ele nos pede que façamos até lá não inclui a destruição do nosso lar, mas a restauração das famílias de Seu povo.

Um lar em que o SENHOR habita é a melhor oferta “de ações de graças” (v. 11) que podemos Lhe oferecer. Como está escrito no livro do profeta Malaquias, a grande obra “antes que venha o grande e terrível Dia do SENHOR” (Malaquias 4:5) será a da restauração do altar da família, em que Deus “converterá o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos a seus pais” (Malaquias 4:6). Não permita que Satanás destrua a sua casa numa guerra em que ele já foi vencido. Mas, com destemida convicção e mediante os méritos do “Renovo de justiça” (v. 15), decida firmemente: “eu e minha casa serviremos ao SENHOR” (Josué 24:15).

Bom dia, famílias do SENHOR!

Desafio do dia: Restaure o altar da família. Todos os dias, realize em sua casa o culto familiar. Faça de seu lar o cumprimento da profecia de paz.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Jeremias33
#RPSP



JEREMIAS 33 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
27 de agosto de 2017, 0:20
Filed under: Sem categoria

2 O SENHOR. Do heb. Yahweh, o tetragrama sagrado (ver vol. 1, p. 149-151. CBASD, vol. 4, p. 515

3 Coisas grandes. Ou, “coisas incompreensíveis”. CBASD, vol. 4, p. 515.

8 Purificá-los-ei. Para os que se arrependeram genuinamente, Deus estendeu a promessa de perdão pleno e gratuito. CBASD, vol. 4, p. 516

9 Por nome, por louvor. Não importa para quão longe uma pessoa tenha ido do caminho da retidão, ela pode ser aceita diante de Deus como se não tivesse pecado (CC, 62). CBASD, vol. 4, p. 516.

11 A voz de júbilo. Os sons de alegria que se silenciariam durante o exílio (ver com. de Jr 7:34) seriam novamente ouvidos na terra. CBASD, vol. 4, p. 516.

20 Minha aliança com o dia. Mais uma vez, como anteriormente, Deus garante a certeza da aliança com Seu povo ao Se referir à segurança da lei natural [sucessão de dias e noites] (ver com. de Jr 1:35). CBASD, vol. 4, p. 516.

24 As duas famílias que Deus elegeu. Reinos de Israel e Judá (ver Ez 35:10; 36:19, 20) [v. 26] …. [ou] família de Davi [real] e de Levi [sacerdotal] (v. 22]. CBASD, vol. 4, p. 516




%d blogueiros gostam disto: