Reavivados por Sua Palavra


JEREMIAS 18 by jquimelli
12 de agosto de 2017, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário Devocional

De alguma forma, o povo especial de Deus nos dias de Jeremias tinha alterado a ordem das coisas. Embora fossem a criação do Mestre Oleiro, eles queriam dizer-Lhe como as coisas deveriam ser. Eles queriam fazer o trabalho do oleiro em vez de se deixarem transformar na peça que o Oleiro tinha originalmente criado!

Deus enviou uma forte mensagem ao Seu povo através de Jeremias. Ele os lembrou de que Ele era o Oleiro e tinha o direito e a capacidade de descartar a argila ou torná-la em algo diferente do que ela era.

A mensagem era: Abandonem os seus maus caminhos e salvem a vida de vocês! Continuem no caminho em que vocês estão e os resultados serão desastrosos! Deus apelou ao coração do Seu povo! Mas eles rejeitaram o Seu apelo. Então vem a pergunta do Criador: Você pode acreditar no que meu povo está fazendo? Eles se esqueceram de seu Criador e passaram a adorar ídolos sem valor. Eles estão trazendo desgraça sobre si mesmos! Deste modo eles me deixam sem alternativa. Vou ter que virar as costas para eles!

Você acha que seria seguro entregar essas mensagens de Deus a um povo rebelde? As pessoas estavam fartas de ouvir Jeremias profetizar contra eles e seu modo de vida. Então planejaram um complô para primeiro atacá-lo verbalmente e retirar a força das mensagens de Deus que o profeta estava apresentando. Depois planejaram um esquema para tirar a sua vida. Estava claro que a mensagem de Jeremias provinha de Deus – possuía todas as características de uma mensagem profética divina. Mas sempre foi plano do maligno diminuir e tornar sem efeito a Palavra de Deus. E quando a intenção do coração é má, ficamos profundamente ressentidos que apontem os nossos erros. No tempo de Jeremias, o povo culpado chegou até a tentar matar o mensageiro para se livrar da mensagem. Que terrível!

Precisamos ser humildes e aceitar as correções de Deus porque elas são para o nosso bem.

“Querido Pai,
Molda-me e faça de mim um vaso que trará honra a Ti como Mestre Oleiro. Eu me entrego para ser remodelado por Tuas mãos. Amém”.

Dan Houghton
Centro de Pesquisa Hart – http://www.hartresearch.org/
Califórnia, EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/jer/18, https://www.revivalandreformation.org/?id=1025 e http://revivedbyhisword.org/en/bible/jer/18/
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/05/19
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Jeremias 18 NVI
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/



JEREMIAS 18 – COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
12 de agosto de 2017, 0:55
Filed under: Sem categoria


JEREMIAS 18 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
12 de agosto de 2017, 0:45
Filed under: Sem categoria

JEREMIAS 18 – Deus é misericordioso e paciente, porém, não ignorante nem negligente. Ele demonstra paciência com Israel e Jeremias. Antes de aprofundar-se no capítulo, amplie tua visão nesta citação de John MacArthur:

“Há uma estreita ligação entre o cap. 17 e os caps. 18-20. A destruição está em pauta (cap. 17), mas o arrependimento pode impedir que ele venha (18.7-8). Contudo, o arrependimento não acontecia (18.12), de maneira que a imagem da botija despedaçada de Jeremias ilustra Deus despedaçando Israel como castigo (cap. 19). Então, o espírito da rejeição (cf. 19.15) levaria à perseguição do porta-voz de Deus (cap. 20)”.

Jeremias 18 oferece-nos estes excelentes pontos para reflexão:

• Feito do barro pelo próprio Deus, pessoas são como jarros moldados pelas mãos do oleiro Criador, nisso reside seu valor.
• O jarro deve ser usado para o propósito para o qual foi feito; mas, diferentemente do jarro de barro, o povo de Deus “declara que andará consoante os seus próprios projetos”, observa William MacDonald.
• Contrastando com o jarro, o povo possui comportamento antinatural: insubordinação e rebelião. A criação irracional obedece, a criação racional desobedece. “A neve não abandona o Líbano, mas Israel se esqueceu da fonte de água viva da qual a água da vida flui para a terra” (C. F. Keil).
• Desprezo pelo Criador faz o pecador submeter-se a conceitos e líderes falsos. Perde-se a percepção. Interpreta-se às avessas a vontade de Deus. Ignora-se que suas escolhas resultarão em autodestruição.
• Deus observa e faz tudo para salvar, mas quem O despreza terá de enfrentar Seu juízo. Deus não é ignorante, nem negligente!
• O pior ódio é o religioso; por não conseguir atacar Deus o alvo torna-se Seus mensageiros. “O povo de Jerusalém forja projetos contra Jeremias, afirma que continuará a confiar em seus próprios sacerdotes e profetas e tramam atacá-lo por meio da difamação” (MacDonald).
• Ao amadurecer, o mensageiro de Deus começa a entender melhor as coisas. Assim se deu com Jeremias, e o mesmo pode dar-se conosco.

A ignorância é um problema que nem Deus resolve se não houver humildade. Então, ore: “Eu quero ser, Senhor amado, como vaso nas mãos do oleiro. Quebra minha vida e faze-a de novo. Eu quero ser… um vaso novo”. “Renova-me, Senhor Jesus. Já não quero ser igual…” – Heber Toth Armí.



JEREMIAS 18, Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
12 de agosto de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Não poderei Eu fazer de vós como fez este oleiro, ó casa de Israel? – diz o SENHOR; eis que, como barro na mão do oleiro, assim sois vós na Minha mão, ó casa de Israel” (v. 6).


Mediante uma obra artesanal, Deus deu mais um recado ao Seu povo através de Jeremias. A situação era demasiadamente grave, porém, para o SENHOR, não era impossível. O furor de Sua ira contra uma nação pode ser contido através de uma atitude: CONVERSÃO. A mudança de rota do mal para o bem promove igualmente uma mudança no plano divino.

Quando o profeta Jonas se recusou a ir a Nínive, o seu medo não foi provocado simplesmente pela malícia daquele povo, mas por saber que as misericórdias do SENHOR são infinitamente maiores do que  a Sua ira: “pois sabia que és Deus clemente”, confessou Jonas, “e misericordioso, e tardio em irar-Se, e grande em benignidade, e que Te arrependes do mal” (Jonas 4:2). Jonas teve medo de que o SENHOR perdoasse aquela nação detestável e sentou de camarote esperando a destruição de Nínive.

Diferente de Jonas, Jeremias enfrentou a fúria do povo e aceitou o chamado proclamando as palavras de Deus com rogos e com lágrimas. Tomado de compaixão, o profeta clamava para que o povo se arrependesse e se convertesse de seus maus caminhos. Deus estava disposto a mudar-lhes a sorte e transformar-lhes de barro estragado em um lindo vaso. Mas a resposta do povo era terrível. E, em meio a ameaças e línguas ferinas, o profeta clama por justiça.

Não havia mais lembrança de Deus entre o povo (v. 15) e “a dureza do seu coração maligno” (v. 12) não permitia que reconhecessem as palavras de Jeremias como sendo uma revelação do SENHOR.

Abusavam da boa vontade e da sensibilidade do profeta ferindo-o com a língua. Usavam de falsidade para atingi-lo emocionalmente e para dar fim ao seu ministério.

Mas o clamor do homem de Deus não ficaria sem resposta. Nenhum filho de Deus que com o coração quebrantado diga: “Olha para mim, SENHOR” (v. 19), deixa de ser atendido. O Céu se volta para o contrito de coração e é movido para atender uma prece como estas. Jeremias não pediu algo diferente do que Deus já havia dito que faria aos ímpios. Ele simplesmente dirigiu a Deus o clamor de um bem-aventurado: “Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos” (Mateus 5:6).

Assim como em um contrato existem cláusulas que consistem em direitos e deveres, e o descumprimento de tais deveres suscitam penalidades; também a aliança feita entre o SENHOR e o Seu povo estava sendo quebrada, e passível tornou-se das sanções (maldições) muito bem elencadas pelo profeta (v. 21). À semelhança de Ananias e Safira, o povo vivia uma falsa religião e receberia a mesma sentença daquele casal avarento (Atos 5:1-11).

Devemos sim seguir a ordem do Mestre amando os nossos inimigos e orando pelos que nos perseguem (Mateus 5:44), mas assim como aquela geração de Israel, bem como Ananias e Safira receberam a maldição pelas obras de seus corações malignos, também podemos orar, como Jesus orou, que o SENHOR nos guarde do mal (João 17:15). Jeremias notou bem, pelo Espírito de Deus, com que espécie de gente estava lidando, a mesma que Paulo nos rogou para que nos afastemos: “Rogo-vos, irmãos, que noteis bem aqueles que provocam divisões e escândalos, em desacordo com a doutrina que aprendestes; AFASTAI-VOS DELES, porque estes tais não servem a Cristo, nosso Senhor, e sim a seu próprio ventre; e, com suaves palavras e lisonjas, enganam o coração dos incautos” (Romanos 16:17-18).

Está chegando a hora e, já chegou, em que  o SENHOR diz “a vós outros que conheceis o tempo: JÁ É HORA de vos despertardes do sono; porque a nossa salvação está, AGORA, mais perto do que quando no princípio cremos” (Romanos 13:11). Portanto, “convertei-vos, pois, AGORA, cada um do seu mau proceder e emendai os vossos caminhos e as vossas ações” (v. 11). É tempo de fechar a nossa boca para falar uns dos outros e a usarmos para erguer clamores diante do SENHOR.

A escolha é sua: barro estragado ou vaso de bênçãos?

Bom dia, vasos de bênçãos!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Jeremias18
#RPSP



JEREMIAS 18 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
12 de agosto de 2017, 0:24
Filed under: Sem categoria

3 Rodas. A roda que estava embaixo tinha o propósito de impelir a máquina com os pés; a roda que estava em cima segurava o pedaço de barro que as mãos do oleiro modelavam enquanto a revolvia.  CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 460

6 Não poderei Eu fazer de vós … ? Neste versículo, Deus fala a Israel, não a indivíduos, mem com respeito à salvação pessoal, mas como uma nação e em termos de seu relacionamento de aliança e em termos de aliança com Ele (ver v. 7). Todos os relacionamentos com Israel em tempos passados foram baseados no chamado da nação para servir como guardiã de Sua vontade revelada (Rm 3:1, 2) e para ser Seu instrumento especial para a salvação do mundo (Gn 12:1-3; Dt 4:6-9, 20; 7:6-14; ver p. 13, 14). CBASD, vol. 4, p. 460, 461.

Como o barro. Deus, como o mestre oleiro, estaria justificado ao descartá-los como nação. Contudo, Ele desejava recuperar o inútil vaso de barro e “fazer dele outro vaso” (v. 4). Todas as promessas. CBASD, vol. 4, p. 461.

10 Do bem. Os judeus não deveriam pensar que o papel deles como povo escolhido do Senhor lhes assegurava a continuidade do favor divino, independentemente de agirem em harmonia com a vontade divina. CBASD, vol. 4, p. 461.

12 Não há esperança. Uma representação do Senhor do que as pessoas estavam dizendo em seu íntimo e nas ações … expressando … uma atitude que desafiadoramente rejeita a proposta de misericórdia de Deus expressa no versículo anterior [“mau proceder”]. É como se os apóstatas dissessem: “Não adianta! Eu amo os deuses estrangeiros, e continuarei a ir atrás deles” (ver Jr 2:25, NVI). CBASD, vol. 4, p. 461.

13 Perguntai agora. Ver Jr 2:10, 11. Tragicamente, enquanto os gentios eram leais à sua falsa adoração, os israelitas eram infiéis a Deus. CBASD, vol. 4, p. 461.

Virgem. Do heb. Bethulah (ver com. De Is 7:14). Esta palavra apresenta de modo surpreendente a vergonha do adultério espiritual de Israel (Jr 14:17; Ez 16). CBASD, vol. 4, p. 461, 462.

14 A neve deixará. A força do Senhor, na qual o Seu povo deveria ter confiado, é como a inabalável neve do Líbano. CBASD, vol. 4, p. 462.

Faltarão. Os fluxos de tão desejada água fria que fluíam de alturas distantes ou estrangeiras nunca secaram. CBASD, vol. 4, p. 462.

15 Que os fizeram tropeçar. Referência aos falsos profetas e professores que desviaram o povo (ver Jr 14:13-18). CBASD, vol. 4, p. 462.

Nas veredas antigas. Referindo-se à fé dos patriarcas (ver com. De Jr 6:16). Deixando as largas “veredas” ou caminhos, para andar nas “trilhas” …, como Judá poderia esperar outra coisa senão “tropeçar”? CBASD, vol. 4, p. 462.

16 Um espanto. A invasão vindoura causaria despovoamento extremo. … A palavra é melhor traduzida por “horrorizado”. CBASD, vol. 4, p. 462.

Perpétuo assobio. Expressão idiomática de escárnio constante. CBASD, vol. 4, p. 462.

Meneará a cabeça. “Balançarão a cabeça” (NVI); não com desprezo, mas se condoendo em relação à desolada condição da terra. CBASD, vol. 4, p. 462.

17 Vento oriental. Vento abrasador, terrível, opressivo, cheio de pó que vinha do deserto [ao leste] (ver com. DeJr 4:11; cf. Sl 48:7; Jn 4:8). CBASD, vol. 4, p. 462.

Mostrar-lhes-ei as costas. Assim como a luz do “rosto” de Deus foi a plenitude da alegria e da paz (ver Nm 6:25, 26). virar Seu rosto significaria deixá-los nas sombras da miséria. Desta maneira, se faria a justa retribuição aos que viraram as costas ao Senhor (ver Jr 2:27). CBASD, vol. 4, p. 462.

18 Vinde. As mensagens dadas pelo profeta despertaram a hostilidade do povo, que eclodiu em ódio aberto e tentou matar Jeremias (ver Jr 11:21). CBASD, vol. 4, p. 462.

20 Abriram uma cova para minha alma. Uma imagem gráfica que representa os inimigos do profeta como tão hostis a ele que o prenderam em uma cova, como se fosse um animal selvagem. CBASD, vol. 4, p. 462.



JEREMIAS 18 – COMENTÁRIO PR EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
12 de agosto de 2017, 0:20
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: