Reavivados por Sua Palavra


JEREMIAS 7 by jquimelli
1 de agosto de 2017, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário Devocional

Um dos meus versos favoritos é Isaías 50:4, que diz: “Ele me acorda manhã após manhã, desperta meu ouvido para escutar como alguém que está sendo ensinado” (NVI). Eu gosto da ideia de que Deus gentilmente me desperta para que eu passe tempo com Ele e seja instruído.

Mas e se não quisermos ser instruídos? Deus reprovou os israelitas por se recusarem a passar tempo com ele. Ele disse em Jeremias 7:13: “vos falei, começando de madrugada, e não me ouvistes, chamei-vos, e não me respondestes” (ARA). E porque os israelitas persistiram em não ouvi-Lo e praticaram más ações, Deus disse que os lançaria fora de sua vista (v. 15).

Existe uma relação direta entre o tempo gasto com Deus e evitar o mal. Mais tempo com Deus significa menos tempo a considerar o pecado e estar em contato com o “inimigo”. O sono tem seus benefícios, mas o sono não é nada comparado ao tempo de qualidade na companhia do nosso Criador e Pai celestial.

Oração: “Querido Deus, acorde-me todas as manhãs para passar mais tempo conTigo. Posso estar com sono ou mal-humorado às vezes. Mas eu sei que alguns minutos extras conTigo logo mudarão isto e trarão bênçãos inimagináveis sobre o meu dia. Amém “.

Andrew McChesney
Editor da revista Adventist Mission

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/jer/7, https://www.revivalandreformation.org/?id=1037 e http://revivedbyhisword.org/en/bible/jer/7/
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/05/08
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Jeremias 7 NVI
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/



JEREMIAS 7 – COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
1 de agosto de 2017, 0:56
Filed under: Sem categoria


JEREMIAS 7, Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
1 de agosto de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Não confieis em palavra falsas, dizendo: Templo do SENHOR, templo do SENHOR é este” (v. 4).


Você já ouviu a frase: “Placa de igreja não salva ninguém”? Pois é, ela está certa. Não salva mesmo. Porém, pode indicar o caminho. Eu explico: É como no trânsito. Quando estamos em uma estrada, as placas que indicam a velocidade máxima, as curvas sinuosas ou a possibilidade de haver animais na estrada não podem nos livrar de acidentes, mas podem nos indicar a forma mais segura de trafegar pelo caminho a fim de evitá-los.

O templo de Jerusalém era o orgulho da nação judaica. Sua magnífica estrutura denotava imponência e enchia o coração do povo de uma falsa segurança. Eles haviam perdido o foco. O templo indicava a salvação, ele não era a salvação. Trocaram o SENHOR do templo pelo “templo do SENHOR”. E esta é uma das trocas mais perigosas que existe.

Após censurar energicamente os escribas e os fariseus, “tendo Jesus saído do templo” (Mateus 24:1), Seus discípulos se aproximaram para mostrar-Lhe não somente a beleza do templo visto de fora, mas também mostrar-Lhe que ainda não haviam compreendido o que Ele acabara de declarar aos líderes judeus.  Deslumbrados com as construções do templo receberam um verdadeiro “balde de água fria” com a resposta de Jesus: “Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derribada” (Mateus 24:2).

Atualmente, um dos templos mais simbólicos do Iraque, a Mesquita Al Nuri em Mossul, foi destruída, como alvo dos ataques do Estado Islâmico. Uma recente ilustração do que Jesus disse aos discípulos. Quando depositamos a nossa confiança no fato de fazermos parte de uma igreja e em participarmos ativamente de seus “rituais”, pensando: “Estamos salvos” (v. 10), na verdade estamos direcionando a nossa adoração para a igreja e não para o SENHOR da igreja.

“Que é isso” (v. 9) que acontece? Entrar em um lugar onde deveria reinar a verdadeira adoração, o amor e a união e transformá-lo num covil de serpentes (Mateus 23:33) que não se preocupam com a presença de Deus nem tampouco uns com os outros é, no mínimo, incoerente. Porque a vida de Jesus e Suas palavras incomodaram tanto os judeus? Porque Ele não veio com a missão de adulá-los, mas de salvá-los. E a maior barreira que impede a ação do Espírito Santo na vida de alguém não é apenas uma vida de pecados declarados, mas uma vida de pecados não confessados. Acredite: quem está fora da igreja e admite estar errado está em melhor condição do que o “crente” que está dentro da igreja com pecados acariciados.

O SENHOR não foi insensível ao dizer ao profeta para não interceder pelo povo (v. 16), nem tampouco estava desmerecendo a importância da oração intercessora. Ele estava apenas revelando por Sua onisciência, a dureza do coração dos filhos de Judá.  Enquanto continuassem confiando “em palavras falsas” (v. 8), ao invés de confiar na palavra do SENHOR por intermédio do Seu profeta, continuariam a transgredir a Sua lei “tranquilamente” sem sentir nenhum arrependimento por isso.

Hoje, corremos o perigo de cair na mesma cilada maligna, vivendo uma religião de “faz de conta”, hipócrita e negando o chamado de Deus de andar “em todo o caminho” que Ele nos ordena para o nosso próprio bem (v. 23). Oh, amados, é hora de despertarmos do “vale encantado” da sonolência e clamarmos pelo poder do Espírito Santo! O SENHOR não deixou a Sua casa como um lugar de exposição de falsa piedade, mas como um centro de recuperação de pecadores. “Começando de madrugada” (v. 13) Ele nos fala e nos chama. Se nós O ouvirmos e atendermos ao Seu chamado, certamente não seremos “igrejeiros”, mas voluntários na obra de salvar vidas!

Bom dia, igreja do Deus vivo!

Desafio do dia: Seja a igreja do SENHOR. Ore pedindo ao Espírito Santo que lhe conduza na melhor forma de servir a Deus e aos seus semelhantes.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Jeremias7
#RPSP

 



JEREMIAS 7 – COMENTÁRIO PR EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
1 de agosto de 2017, 0:25
Filed under: Sem categoria



JEREMIAS 7 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
1 de agosto de 2017, 0:25
Filed under: Sem categoria

Templo do SENHOR. Essa frase, repetida três vezes, expressava o orgulho que as pessoas sentiam com a grandeza da instituição religiosa representada pelo templo. Era uma espécie de apego supersticioso. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 416.

18 Para se fazerem bolos à Rainha dos Céus. A oferta de bolos sacrificiais era um elemento característico de uma série de cultos no oriente Médio. Essa prática pagã, mais tarde, encontrou seu caminho para o cristianismo. Epifânio (Contra Heresias, lxxviii.23;lxxix.1) declarou que algumas mulheres foram longe, a ponto de “oferecer bolos em nome e honra da bem-aventurada Virgem”. CBASD, vol. 4, p. 417.

Rainha dos Céus. Esta deusa é normalmente identificada com a Ishtar assírio-babilônica … , a deusa mãe, … equivalente à divindade conhecida pelos hebreus como Astarote e pelos cananeus como Astarte. … Era a mesma deusa adorada com muitos nomes e, em vários aspectos, como a mãe-terra, a mãe virgem e é identificada em sentido geral como Atargatis, a “Grande Mãe” da Ásia Menor, Artemis (Diana) dos efésios, Vênus e outras. Vários nomes aplicados á deusa-mãe virgem contém um elemento que significa “senhora” ou “dona”, como Nana, Innini, Irnini, Beltis. Algumas das designações eram Belti, “minha senhora” (o equivalente exato do italiano Madonna), belit-ni, “nossa senhora” e “rainha do céu”, o nome com a qual Ishtar era adorada nos telhados como estrela matutina ou vespertina, com uma oferta de bolos, vinho e incenso. Ishtar também era conhecida como a mãe misericordiosa que intercedia junto aos deuses em favor de seus adoradores. Alguns desses nomes e atributos são aplicados hoje à virgem Maria, e acredita-se que muitos aspectos dos cultos à virgem Maria no catolicismo sejam vestígios modernos da antiga adoração a essa deusa-mãe do mundo pagão.  CBASD, vol. 4, p. 546 [com. de Jer 44:17].

22 Nada falei. O profeta não está negando a validade do sistema sacrificial, o que fica claro em outras declarações ditas por ele (Jr 17:26, 31:14; 33:11, 17-24). … A passagem enfatiza que a obediência à lei moral está acima da obediência a um sistema cerimonial (ver 1Sm 15:22; Sl 51:16, 17). As observâncias externas foram elaboradas para ajudar na preservação da obediência sincera (ver Dt 6:1-3), mas nunca para ser um substituto para a santidade de coração. CBASD, vol. 4, p. 417.

29 Corta os teus cabelos. A cidade é comparada a uma mulher que, na profunda dor pela perda dos filhos, corta os cabelos e vai lamentar nas montanhas (ver Jz 11:37; Lm 1:1-3). Cortar o cabelo era sinal de extrema tristeza (Jó 1:20; Is 15:2; Jr 16:6; 48:37; Mq 1:16). CBASD, vol. 4, p. 418.

31 Altos. Lugares estabelecidos para a adoração idólatra (ver 1Rs 11:7; 2Rs 17:9; Ez 16:16). CBASD, vol. 4, p. 418.

Tofete. Certo lugar no vale de Hinom, onde crianças eram sacrificadas a Moloque (2Rs 23:10) e a Baal (Jr 19:5, 6). CBASD, vol. 4, p. 418.

Hinom. Um vale a sudoeste de Jerusalém, hoje chamado Wadi er-Rababeh. … Durante o período dos reis de Judá, o vale foi associado à adoração a Moloque. Salomão foi o primeiro a introduzir esse ritual abominável (ver 1Rs 11:7; 2Rs 23:13). A adoração a Moloque se tornou particularmente importante nos dias de Acaz e Manassés (ver 2Cr 28:3; 33:6). Para pôr fim a essas abominações, Josias “profanou” o vale (2Rs 23:10, 14), tornando-o, segundo a tradição, o receptáculo de cadáveres e lixo. … O nome grego do NT, gehenna, é uma transliteração do heb. ge Hinnom, o nome desse vale. CBASD, vol. 4, p. 419.

Queimarem seus filhos. O sacrifício de crianças fazia parte da adoração idólatra dos fenícios, moabitas, amonitas e outros. … O salmista declarou que tais sacrifícios eram oferecidos “aos demônios” (Sl 106:37, 38). CBASD, vol. 4, p. 419.

32 Por não haver outro lugar. O pensamento parece ser  que o abate seria tão grande que nenhuma sepultura seria deixada livre. CBASD, vol. 4, p. 419.




%d blogueiros gostam disto: