Reavivados por Sua Palavra


JÓ 9 by jquimelli
28 de setembro de 2016, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário devocional:

Neste capítulo Jó responde a Bildade e a Elifaz, cujos discursos misturavam a verdade com o erro.

Jó até concorda com o pouco de verdade existente nas pretensas palavras de conforto. “Na verdade, sei que assim é” (v.2), diz Jó. Então Jó pergunta: “Como pode o homem ser justo para com Deus? Se quiser contender com Ele, nem a uma de mil coisas lhe poderá responder” (v.3).

De acordo com Jó, um juízo investigativo se faz necessário. Ele pede um mediador humano entre Deus e o homem (v. 32-33). Ele deseja que o Senhor lhe dê um alivio (v. 34). Mas não tem medo de Deus, porque ele sabe que não possui as respostas, que suas reflexões não são a resposta final para a realidade maior que ele desconhece (v. 35).

Querido Deus,
Jó teve dificuldades para entender porque estava sofrendo tanto quando sentia que estava no final da vida. Permanece como nosso protetor mesmo que não entendamos a origem do nosso sofrimento.

 

Koot van Wyk
Kyungpook National University
Sangju, Coreia do Sul

 

Também disponível em: http://www.revivalandreformation.org/bhp/pt/biblia/job/9 e https://www.facebook.com/ReavivadosPorSuaPalavra/
Texto original: http://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/job/9
Publicação anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2013/07/04/
Tradução Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Cindy Tutsch
Texto bíblico: Jó 9
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana programa Crede em Seus Profetas:
http://www.revivalandreformation.org/bhp/en/sop/pp/56-57 e https://credeemseusprofetas.org/



JÓ 9 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
28 de setembro de 2016, 0:50
Filed under: Sem categoria

2,3 Jó não se sente impecável, mas deseja ter a oportunidade de comprovar em juízo que é inocente do tipo de pecado que merece os sofrimentos por ele suportados. No seu desespero, faz queixas terríveis contra Deus (cf. v. 16-20, 22-24,29-35; 10.1-7,13-17). Mesmo assim, não abandona a Deus; não O amaldiçoa (v. 10.2-8-12) da maneira que Satanás disse que faria (v. 1.11; 2.5). O cap 42 dá a entender que Jó perseverou, mas os caps. 9 e 10 demonstram sua impaciência (v 4.2; 6.11; 21.4). V Tg 5.11, que fala da perseverança de Jó e não (como tradicionalmente se diz) da sua paciência (Bíblia de Estudo NVI Vida).

2 como pode o mortal ser justo diante de Deus? A resposta a uma pergunta tão profunda como esta é que um homem pode ser justificado pela graça, por meio da fé. V Ef. 2. 8,9 (Bíblia Evangelismo em Ação NVI Vida).

3 discutir. Cf. v.14. O discurso de Jó etá cheio da linguagem figurada forense: “argumentar”, “responder” (v. 3,15,23); “discutir com ele” (v. 14); “inocente […] implorar […] Juiz” (v. 15); “chamar”, “intimar” (v. 16,19); “declarar culpado” (v. 20); “juízes” (v. 24); “em juízo” (v. 32); “acusações […] contra mim” (10.2); “testemunhas” (10.17). Jó defende a própria inocência, mas raciocina que, como Deus é tão grandioso, não adiantará discutir com ele (v. 14). A inocência de Jó não lhe é de nenhum proveito (v. 15) (Bíblia de Estudo NVI Vida).

9 Ursa […] Órion […] Plêiades. Essas constelações são mencionadas de novo em 38.31,32, e as duas últimas são mencionadas em Am 5.8. Os israelitas da antiguidade, a despeito dos limitados conhecimentos, sentiam reverente temor pelo fato de Deus ter criado as constelações (Bíblia de Estudo NVI Vida).

20, 21 Mesmo que eu fosse inocente, minha boca me condenaria. Jó está dizendo: “a despeito de vida de bondade, Deus está disposto a me condenar.” À medida que seu sofrimento continua, Jó se torna mais impaciente. Apesar de Jó permanecer leal a Deus, ele fez declarações das quais mais tarde se arrependeria. Em tempos de longa doença ou dor prolongada, é natural que as pessoas duvidem, se desesperem ou se tornem impacientes. Durante estes momentos, estas pessoas precisam de alguém que as escutem, as ajudem a trabalhar seus sentimentos e frustrações. Você poderá, com a sua paciência, ajudá-los a superar a impaciência deles (Life Application Study Bible).



JÓ 9 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
28 de setembro de 2016, 0:45
Filed under: Sem categoria

JÓ 9 – Deus transforma males em bens. Satanás tornara os amigos de Jó em amigos da onça, sem saber que, por pior que fossem, Deus os usaria para o bem!

G. Ernest Whright observou que, “segundo o pensamento do Antigo Testamento, a maior maldição que pode recair sobre o homem é estar sozinho”. John Milton também declarou: “A solidão é a primeira coisa que o olho de Deus determinou não ser boa”.

Jó, felizmente, não estava sozinho. Deus transforma maldições em bênçãos. O inimigo faz estragos; entretanto, das cinzas Deus faz reparos. Devido aos confrontos filosóficos dos amigos de Jó, este foi forçado a ir além de sua dor; passou a pensar na grandeza do Criador, além de extravasar-se diante deles (vs. 1-4).

Jó desviou a atenção da grandeza de sua desgraça, então percebeu a grandiosidade de Deus, o qual é maior que a imensidão de Sua criação e de sua dor. Segundo a teologia de Jó, DEUS…

• …sacode grandes montanhas, põe tudo de cabeça para baixo, abala a terra como se fosse brinquedinho (vs. 5-6);
• …tem poder sobre o sol e as estrelas, os imensos astros siderais, as constelações, e anda sobre grandes tsunamis (vs. 7-9);
• …faz grandes coisas, quaisquer milagres Lhe são simples demais, porém Suas obras são grandes demais aos olhos humanos – Ele é maior que elas, mas invisível (vs. 10-11);
• …faz o que quiser, sem precisar dar satisfação a ninguém e sem que ninguém O impeça ou esteja à altura para questionar-Lhe Seus desígnios (vs. 12-14).

Sentindo-se humilhado, menor que um átomo diante de Deus, Jó esqueceu-se de suas queixas em prol de sua dor, para reconhecer sua necessidade de um mediador.

JÓ…

• …viu a necessidade de suplicar misericórdia a Deus, sem pretensão de requerer seus direitos (vs. 15-18);
• …reconheceu que sua mais elevada sabedoria é insuficiente para arguir perante Deus, seus fortes argumentos são insignificantes perante o Soberano do Universo (vs. 19-20);
• …embora sábio, revelou ser extremamente limitado em conhecimento (vs. 21-24);
• …fragilizado pela desgraça que lhe acometera, reconheceu sua efemeridade e insignificância (vs. 25-31);
• …revelou que (sem a revelação que temos), desconhecia a existência de um Sumo Sacerdote que intercede em favor do condenado (vs. 32-35).

Jesus é intercessor do pecador (1 Timóteo 2:5). Apresentemos-Lhe nossa causa!

Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



Jó 9 – COMENTÁRIO ROSANA BARROS by jquimelli
28 de setembro de 2016, 0:30
Filed under: Sem categoria

JÓ 9 – #RPSP

“Eu sou íntegro, não levo em conta a minha alma, não faço caso da minha vida” (v. 21).

Talvez este seja um dos textos mais fortes deste livro e uma das falas de Jó que mais revelam a sua falta de conhecimento acerca do grande conflito entre Deus e Satanás. Há uma intensa batalha em seu coração que o limita a dar qualquer tipo de resposta ao grande Juiz, e o que lhe resta é apenas pedir pela Sua misericórdia (v. 15). Jó reconhecia na natureza o poder de Seu SENHOR. No governar os astros, ter voz ativa sobre os mares e remover montanhas, está a forma visível de Deus manifestar as grandes coisas que fez e as maravilhas que por meio delas realiza (v. 10). Percebemos que Jó era um estudioso da natureza e das estrelas e que, por mais que não pudesse ver a Deus, Ele estava sempre por perto (v. 11).

O grande enfoque deste terceiro discurso de Jó é o de que Deus não é um de nós para que possa ser questionado. Não pode a criatura argumentar com o Criador. Isto não quer dizer que somos seres manipulados, isto quer dizer que Deus, por saber de todas as coisas, não poupa esforços para nos encaminhar para o que Ele sabe ser melhor para nós. Mas apesar disso, não nos obriga a fazer o que Ele quer que façamos. As dores e a aflição de Jó já tinham avançado a ponto de ele começar a perder a coerência em suas palavras. Não é nos momentos de dor e de tristeza que falamos e pensamos coisas que em sã consciência não diríamos ou pensaríamos? Em sua dor incomparável, Jó apelou pela misericórdia de Deus, mas, ao mesmo tempo, não tinha esperança de que Ele lhe desse ouvidos (v. 16).

Dos versos vinte ao vinte e dois, ele lança por terra a linha de pensamento de seus amigos de que o mal só sobrevém sobre os perversos, e reconhece em seu sofrimento um exemplo disso, referindo-se a ele mesmo, pela primeira vez, como uma pessoa íntegra: “Eu sou íntegro” (v. 21). Havia um desconforto enorme na mente de Jó: por um lado sentia-se inocente de qualquer culpa, por outro, pensava que diante de Deus não seria tomado por inocente (v. 28) e ainda afirma: “Serei condenado” (v. 29). Que situação desesperadora! A confusão mental provocada pelo pavor que suas dores lhe causavam fazia com que direcionasse para Deus a causa de seu terrível sofrimento (v. 34). E não é exatamente o que fazemos?

Quantas vezes não já atribuímos a Deus as nossas desventuras? Uma das maiores armadilhas atuais de Satanás tem sido a de fazer dele mesmo uma lenda, uma criatura folclórica que não existe. Então, ao passo em que ele opera as suas obras malignas, o homem lança a culpa para Deus. Enquanto ele destrói inocentes, enche o coração das pessoas de sentimentos perversos e alimenta o mundo com toda sorte de entretenimentos que nada edificam, diverte-se pelo fato de desconhecerem os seus desígnios e sente-se vitorioso porque a sua culpa é desvirtuada para Deus. Com certeza, Satanás sentiu uma ponta de vitória quando Jó proferiu estas palavras, pensando ele que estava começando a obter sucesso em sua empreitada. E é assim que ele se sente quando percebe um filho de Deus a lutar. Ele prontamente envia um de seus anjos caídos e disputa com Deus por aquela sofredora alma, assim como disputou pelo corpo de Moisés (Vide Judas 9). Mas, da mesma forma que o Arcanjo Miguel pelejou por Moisés, Ele também peleja por nós, dizendo ao inimigo: “O SENHOR te repreenda!” (Judas 9). Jó podia não enxergar o conflito, mas ali estava Satanás a esmagar-lhe, e Deus a dar-lhe forças. O grande Deus que Jó reconheceu ser “grande em poder” (v. 4) para mover montanhas e acalmar os mares seria o mesmo a livrá-lo do poder das trevas. Ainda que todas as tuas dores lhe apavorem (v. 28), ainda que estejas submergido no lodo (v.31) do pecado, há sim entre você e Deus um Árbitro (v.33): Jesus Cristo. Ele morreu para que você pudesse viver. Não esta vida “farta de amarguras” (v. 18), mas a vida eterna que Ele preparou para os que nEle confiam. Portanto, “Entrega o teu caminho ao SENHOR, confia nEle, e o mais Ele fará” (Salmo 37:5). A luta que enfrentamos envolve a nossa vida, mas Quem luta por nós já venceu! Aleluia! Amém!

Bom dia, vencedores em Jesus Cristo!

DESAFIO DO DIA:
Escreva em sua Bíblia esta linda oração: “Senhor, toma meu coração; pois não o posso dar. É Tua propriedade. Conserva-o puro; pois não posso conservá-lo para Ti. Salva-me a despeito de mim mesmo, tão fraco e tão dessemelhante de Cristo. Molda-me, forma-me e eleva-me a uma atmosfera pura e santa, onde a rica corrente de Teu amor possa fluir por minha alma.” – EGW

*Leiam #Jó9

Rosana Garcia Barros
IASD FAROL MACEIÓ/AL




%d blogueiros gostam disto: