Reavivados por Sua Palavra


NEEMIAS 5 by jquimelli
1 de setembro de 2016, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário devocional: 

Os líderes precisam ser corajosos para lidar com situações difíceis, para que a verdadeira reforma se realize, para a glória de Deus. Neemias foi um líder corajoso, capaz de enfrentar situações muito difíceis.

Geralmente na vida as relações são dominadas e controladas pelo poder econômico. Por conta de seu dinheiro os ricos exercem poder. Os pobres na época de Neemias haviam hipotecado a sua terra, filhos e tudo o que eles tinham para os ricos companheiros judeus, a fim de comprar comida. Neemias, então, apelou aos nobres ricos para que devolvessem as terras e casas tomadas por usura e que não cobrassem juros sobre os empréstimos dados aos pobres, como a Palavra do Senhor por intermédio de Moisés tinha dito. E os nobres concordaram com isso.

Um bom líder guia pelo exemplo. Enquanto Neemias tinha o direito de aplicar as mesmas políticas que os governantes anteriores haviam aplicado no passado para obter impostos do povo, ele não quis fazer assim porque a carga já era excessiva para os pobres. Em vez disso, Neemias mesmo deu o exemplo ao convidar muitos judeus para comer com ele em sua própria mesa. Ele não quis sobrecarregar ainda mais o povo.

“Senhor, Deus do céu, levante líderes nestes últimos dias que denunciem e repreendam o pecado e liderem o povo pelo exemplo.”

 

Pardon Mwanza

Vice Reitor da Universidade Rusangu, Zambia

Ex Vice-Presidente Geral Da Conferência Geral da IASD

 

Também disponível em: http://www.revivalandreformation.org/bhp/pt/biblia/neh/5/ e https://www.facebook.com/ReavivadosPorSuaPalavra/
Texto original: http://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/neh/5/
Publicação anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2013/06/08/
Tradução Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Neemias 5
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana programa Crede em Seus Profetas:
http://www.revivalandreformation.org/bhp/pt/sop/pp/49-50 e https://credeemseusprofetas.org/



NEEMIAS 5 – Comentários Selecionados by jquimelli
1 de setembro de 2016, 0:50
Filed under: Sem categoria

É incerto determinar quando ocorreram os eventos descritos neste capítulo. […] Não há sugestão ou narrativa de que a aflição estivesse ligada com a obra de reconstrução. As injustiças eram mais profundas e foram desenvolvidas durante um longo período (CBASD-Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 3, p. 452).

2 somos muitos. A queixa vinha principalmente de famílias grandes. A descendência numerosa não demonstrava ser uma bênção, como normalmente era considerada pelos orientais, mas um fardo e a razão de profunda perplexidade (CBASD, vol. 3, p. 452).

4 o tributo do rei. Como de outras províncias persas, da Judéia era requerido anualmente o pagamento de um tributo ao tesouro persa, parte em dinheiro e parte em gêneros alimentícios. Nos primeiros anos essa obrigação não pareceu opressora, mas nos anos improdutivos a aparição do cobrador de impostos geralmente prenunciava grande miséria. Os pobres contraíram dívidas para atender às taxas, sem esperança de reembolso (CBASD, vol. 3, p. 452).

5 mesma carne. Um grupo reclamava que suas famílias eram muito grandes e isso lhes impedia de conseguir alimento, outro grupo reclamava de ter hipotecado sua propriedade por causa da fome; outra parte recorreu aos agiotas, a fim de pagar as taxas e um quarto grupo caiu nas mãos de agiotas usurários. Essas pessoas sofriam não pela opressão de tiranos estrangeiros, mas pela extorsão de seus irmãos. […] Muitos dos antigos exilados escaparam do cativeiro babilônico para se encontrar em escravidão nas mãos de seus irmãos, e o último estado parecia pior do que o primeiro. Em Babilônia, as famílias permaneciam unidas; mas, em Jerusalém, os filhos eram tirados dos pais, para se tornar escravos de compatriotas judeus (CBASD, vol. 3, p. 453).

6-13 Neemias ouviu a reclamação e agiu após um período de reflexão (v. 7; ver tb 1:4; 2:11-15). Observe que a ira de Neemias não é uma reação emocional a uma crise, mas o resultado da contemplação e raciocínio (Andrews Study Bible).

6 muito me aborreci. Parece que a letra da lei não era violada, exceto na questão de se tirar vantagem (v. 11), algo que o povo não se queixou. […] No entanto, era o espírito e não a letra da lei que os ricos transgrediram. Em épocas de dificuldades econômicas, era dever deles auxiliar os irmãos mais pobres, não oprimi-los (v. 14, 17) (CBASD, vol. 3, p. 453).

9-11 “A preocupação de Deus para com os pobres é revelada em quase todos os livros da Bíblia. Neemias enfatizou que tratar os pobres e oprimidos com justiça era fundamental para seguirem a Deus. Os livros de Moisés claramente enunciavam aos israelitas a responsabilidade de cuidar dos pobres (Êx 22:22-27; Lev 25:35-37; Dt 14:28,29; 15:7-11). A maneira como ajudamos os necessitados reflete o amor e preocupação de Deus” (Life Application Study Bible).

10 dinheiro emprestado. Nota-se que não se condena o empréstimo de dinheiro, mas sim, a usura no caso de pessoas necessitadas. Isto não se estende a investimento em empresas (Ex 22.25; Lv 25.35-37; Dt 33.19-20) (Bíblia Shedd).

Não há nada aqui condenando hipotecas ou juros em si mesmos. Eles constituem um legítimo método de comércio, exceto quando são usados para se tirar proveito indevido das necessidade de um irmão (Comentário Bíblico Devocional VT – FBMeyer).

13 sacudi o meu regaço. Neemias realizou um ato simbólico, que constituiu em juntar a veste como se fosse carregar algo nela e então sacudi-la. […] Entre as nações da antiguidade, poucas coisas eram tão temidas como cair em maldição [ver Dt 28:16 a 44] (CBASD, vol. 3, p. 453).

14 fui nomeado. Pela primeira vez, Neemias declara abertamente que a autorização para ele retornar e reedificar os muros de Jerusalém era acompanhada da nomeação para ser governador da Judéia (CBASD, vol. 3, p. 453).

o pão devido ao governador. Durante todo o tempo em que esteve no cargo, ele não reivindicou a renda habitual à qual um governador tinha direito de receber de seus súditos, mas pagou ele mesmo suas despesas pessoais (CBASD, vol. 3, p. 453).

15,16 “Neemias liderou todo o projeto de construção, mas ele também trabalhou nos muros junto com os outros. Ele não era um burocrata num escritório confortável e seguro, mas um líder que se envolveu no trabalho do dia a dia. Ele não usou sua posição para dominar seu povo. Um bom líder se mantém em contato com o trabalho a ser feito. Os melhores líderes são os que lideram através do exemplo e do falar” (Life Application Study Bible).



NEEMIAS 5 – Comentário Pr Heber Toth Armí by jquimelli
1 de setembro de 2016, 0:45
Filed under: Sem categoria

NEEMIAS 5 – Em época de eleições precisamos atentar para este texto inspirado para saber o perfil do político que fará a diferença numa sociedade de tanta violência.

1. O povo carece de líderes que lutam em seu favor. É importante e necessária a existência de governadores. Há sempre indivíduos que gostam de aproveitar da situação difícil para explorar os mais fracos. Há injustiça, trapaça e opressão na sociedade, por isso é fundamental que haja bons líderes políticos (vs. 1-5).

2. O líder sábio pondera, medita, analisa a questão quando chega a suas mãos. Ele defende a causa do pobre e necessitado, auxilia o fraco e resolve suas questões desejando-lhes o bem. Neemias enfrentou aproveitadores e exploradores com argumentos lógicos e espirituais. Deus sempre deve ser a base de toda ação e resolução do líder cristão (vs. 6-13).

3. O bom líder sabe e aplica o princípio do “exemplo fala mais alto que as palavras e atitudes impactam mais que argumentos”. Neemias faz um resumo dos 12 anos em que ele governou Israel (vs. 14-19):

• Nunca exigiu salário do povo;
• Nunca tirou vantagem do cargo para conseguir propriedade;
• Nunca se beneficiou do cargo para garantir um futuro confortável;
• Empregou todo seu tempo e talento para tornar Jerusalém um lugar seguro para seu povo;
• Sustentava-se com recursos próprios;
• Dividia seus recursos com estrangeiros que vinham visitá-lo.

O que distingue Neemias de outros políticos?

Ele temia a Deus, O respeitava, e agia com responsabilidade sob o povo que ele liderava (vs. 15, 19). Para Neemias, “era suficiente saber que o Senhor prestava atenção a seu sacrifício pessoal” (William MacDonald).

Devido a seu temor do Senhor, Neemias e seus irmãos não comeram a comida devida ao governador; além de ele mesmo dedicar-se à obra do muro da cidade. Precisamos de políticos como Neemias, que não sejam…

1. Egoístas, interesseiros;
2. Ambiciosos, aproveitadores;
3. Exploradores, corruptos e imorais.

Amor pelo próximo e temor ao Senhor são características essenciais que fazem a diferença em uma sociedade marcada pela indiferença, injustiça e opressão.

• Diante da injustiça social, faça a diferença, seja excelente exemplo, e quebre tradições para fazer o certo.
• A liderança política que é espiritual fará total diferença na vida dos liderados.
• Precisamos de políticos convertidos a Cristo!

Gostou? Compartilhe! – Heber Toth Armí.



NEEMIAS 5 – #RPSP – Comentário Rosana Barros by Ivan Barros
1 de setembro de 2016, 0:30
Filed under: Sem categoria

 

“Lembra-te de mim para meu bem, ó meu Deus, e de tudo quanto fiz a este povo” (v. 19).

“Os nobres e magistrados” (v. 7) apertavam seus irmãos de uma forma desesperadora, fazendo com que estes clamassem grandemente em busca de justiça (v. 1). O aborrecimento de Neemias (v. 6) é compreensível já que se Deus aboliu o jugo babilônico, não fazia sentido transformar Jerusalém em um cativeiro patrício. E quem gosta de ser repreendido? Creio que não seja uma situação desejável por ninguém. Por natureza, amamos elogios e odiamos críticas. Mas Neemias precisou repreender a atitude daqueles que deveriam ser ajudadores e não algozes de seus irmãos: “não é bom o que fazeis” (v. 9). Qual seria a sua reação frente a uma repreensão como esta? Ponderaria sobre a questão e reconheceria o seu erro? Bem, os nobres e magistrados “se calaram e não acharam o que responder” (v. 9). Sabem por quê? Por um simples motivo: eles estavam errados. Está escrito: “Não repreendas o escarnecedor, para que te não aborreça; repreende o sábio, e ele te amará” (Provérbios 9:8). Aqueles nobres foram escarnecedores ou sábios? Eles mesmos nos respondem: “Restituir-lhes-emos e nada lhes pediremos; faremos assim como dizes” (v. 12). Tudo o que Neemias pediu que fizessem, eles prometeram fazer, e fizeram “segundo a sua promessa” (v. 13). Nas mãos deles estava o fazer o bem. “Não te furtes a fazer o bem a quem de direito, estando na tua mão o poder de fazê-lo” (Provérbios 3:27).

Amados, temos nas mãos o poder de fazer o bem aos que estão ao nosso redor. Conforme os dons e talentos que o SENHOR nos concedeu, precisamos usá-los como meios de auxílio aos nossos semelhantes, e jamais como pedras de tropeço. O bom exemplo de Neemias deve ser a nossa meta diária. O temor do SENHOR o conduzia e ele agia em conformidade com o que Deus lhe colocava nas mãos para fazer. Será que como ele, podemos orar: “Lembra-te de mim para meu bem, ó meu Deus, e de tudo quanto fiz a este povo”?

Quando João foi chamado para compor o primeiro discipulado de Cristo, Cristo mesmo o chamou de filho do trovão (Marcos 3:17). E de filho do trovão foi transformado em discípulo amado (João 20:2). E como discípulo amado foi que escreveu: “aquele que ama a Deus ame também a seu irmão” (I João 4:21). Portanto, quando Neemias disse àqueles principais do povo que eles precisavam temer a Deus (v. 9), estava dizendo que a atitude de misericórdia e de amor pelos seus irmãos era uma consequência de quem realmente teme e ama a Deus. Porque “se alguém disser: Amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê” (I João 4:20). Prestaram atenção como a Bíblia chama aquele que não ama a seu irmão e diz amar a Deus? MENTIROSO. É algo tão sério, amados, que Deus também exclui da eternidade os praticantes da mentira: “Nela, jamais penetrará coisa alguma contaminada, nem o que pratica abominação e MENTIRA” (Apocalipse 21:27). Isto é: quem ama tem a vida, quem não ama não tem a vida. Ponto.

Com certeza, foi preciso colocar em prática entre os nobres e o povo afligido o exercício do perdão. E o perdão, queridos, é um dom de Deus. O perdão e o amor andam juntos. Perdoar é amar e amar é perdoar. Não há como separar um do outro. Na vida surgem muitas situações adversas, muitas decepções e, por vezes, envolvendo pessoas que amamos. Precisamos encarar tais situações como oportunidades de colocar em prática o verdadeiro amor, o amor que perdoa. Estendendo o perdão ao amigo, tornar-se-á mais fácil conceder o perdão ao inimigo ou aquele que nos persegue. O exercício do perdão nos capacita a receber o caráter de Cristo e este caráter é o que nos dá uma compreensão cada vez maior do Seu amor e do Seu perdão sobre a raça caída. Cada vez que perdoamos ou que pedimos perdão, a influência de Jesus é lançada sobre nós e, consequentemente, nos tornamos mais parecidos com Ele. Um dia Simão tomou a cruz de Cristo e a carregou (Lucas 23:26) se fazendo ilustração do que Ele nos deixou escrito: “e quem não toma a sua cruz e vem após Mim não é digno de Mim” (Mateus 10:38). Se a tua cruz for alguém que lhe persegue, toma-a e segue a Jesus. Simão andou com a cruz por alguns instantes, mas foi Cristo que a ela foi pregado e morto. Portanto, é preciso apenas entender que a cruz foi instrumento de salvação. Entende agora qual é o papel de tua cruz? Faça o bem, pratique o amor, exercite o perdão e receberás de Deus o direito de a Ele clamar: “Lembra-te de mim!”

Bom dia, amados de Deus!

Desafio do dia: Precisa perdoar ou pedir perdão a alguém? Ore e dê o primeiro passo, mesmo que não sejas correspondido(a). Leia Romanos 12:9-21 e no que depender de você, tenha paz com todos.
*Leiam #Neemias5

Rosana Garcia Barros




%d blogueiros gostam disto: