Reavivados por Sua Palavra


NEEMIAS 3 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
30 de agosto de 2016, 0:45
Filed under: Sem categoria

NEEMIAS 3 – Levante-se! Leia a Bíblia! Há muitas lições neste capítulo de Neemias para tua vida! Ore e medite:

O capítulo em vista, “é um dos mais importantes do livro todo” (Cyril Barber). “Neemias 3 é um dos textos mais fantásticos da Bíblia. Ele tem muitos princípios sobre liderança e aponta vários caminhos para o sucesso” (Hernandes Dias Lopes).

1. Organizar mutirão através de uma sábia mobilização resulta em um bom trabalho com resultados rápidos: São identificados nominalmente 38 trabalhadores e 42 grupos (havia outros trabalhadores que não foram citados). Foi grande a mobilização para a reconstrução do muro de Jerusalém, e muita motivação!

• Até o sumo Sacerdote se dispôs a reconstruir (v. 1). Ele foi o primeiro a abraçar a causa, sua posição não o isentou do trabalho. Não havia imposição, mas disposição ao trabalho.
• Baruque trabalhou com grande ardor, cheio de entusiasmo. “As palavras ‘com zelo’ são as únicas palavras descritivas que há neste capítulo […]. Este homem fez seu trabalho de tal modo, que Neemias anotou sua atitude. Trabalhou com entusiasmo […]. Graças a seu entusiasmo, Baruque continua sendo um exemplo para nós” (Rick Warren).

2. Sempre tem quem não move um dedo por nenhuma obra; não se deve desperdiçar energia com preguiçosos, eles nunca farão nada (v. 5).

3. As mulheres não podem ser subestimadas, mas valorizadas, em toda mobilização. Neemias reconheceu a importância delas no trabalho e atribuiu méritos a elas (v. 12).

4. Ser prático e diversificar atividades com sabedoria aliviam “os trabalhadores de ansiedades desnecessárias e os encoraja a fazer o máximo” observa Lopes. “Neemias organizou pessoas para trabalharem tão perto de casa quanto possível. Assim eles tinham interesse pessoal em construir aquela seção do muro que defenderia suas próprias casas ou negócios […]. Neemias organizou grupos de trabalho em várias bases diferentes. Algumas foram organizadas pela vizinhança; outras por família, posição social e profissão […]. Deus dá às pessoas diferentes dons e chama-nos de diferentes culturas e formações. Contudo, a igreja é única; e crentes devem trabalhar e adorar juntos” (Lawrence O. Richards).

A obra de Deus precisa avançar em unidade e harmonia, com estratégia e sabedoria!

Oração dá discernimento espiritual para a realização das obras divinas no mundo!

Oração gera ação comunitária, reavivamento e reforma! – Heber Toth Armí.

Impulsionar publicaçã


NEEMIAS 3 – #RPSP – Comentário Rosana Barros by Ivan Barros
30 de agosto de 2016, 0:30
Filed under: Sem categoria

“… seus nobres, porém, não se sujeitaram ao serviço do seu senhor” (v. 5).

“Ao seu lado”, “a cujo lado”, “ao lado destes”, “junto deles”, “junto a estes”, “ao lado dele” (v. 4-12), são expressões que se destacam neste capítulo. São quase quarenta grupos, divididos por famílias, trabalhando na reconstrução dos muros de Jerusalém. Percebemos um esforço por parte de cada grupo, mas também a união que os movia a ajudarem-se mutuamente. Eles estavam unidos num só propósito.Porém, houve alguns em particular que “não se sujeitaram ao serviço do seu senhor”. A Bíblia não diz que eles não trabalharam, no entanto, afirma que estes não seguiam as ordens dos que lideravam a obra. Enquanto todos realizavam a obra sob a orientação dos cabeças das famílias, os nobres tecoítas se recusavam a fazê-lo. Apesar do título que carregavam, não faziam ideia do significado de nobreza. Alguns sinônimos de nobreza podem nos ajudar a entender melhor o sentido real desta palavra, que são: magnanimidade, generosidade e liberalidade. A atitude que os demais trabalhadores tiveram declaravam verdadeira nobreza, e a atitude dos nobres declarava que a nobreza só estava presente no título. Porque a verdadeira nobreza está em SERVIR. Foi o que Jesus nos ensinou, e nos deixou exemplo: “Ora, se Eu, sendo o Senhor e o Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros. Porque Eu vos dei exemplo, para que, como Eu vos fiz, façais vós também” (João 13:14-15).

Não há pessoa mais nobre do que aquela que serve! Nós estamos inseridos em um mundo altamente competitivo e de valores distorcidos. É cada um por si, e todos por nenhum. Apesar da desenfreada busca pela união, nunca houve tanta desunião de propósitos, de pensamentos e de ação. O bem-estar geral é facilmente esquecido quando o bem-estar pessoal é alcançado. Não há nobreza alguma em agir desta forma. E não foi para isto que Cristo nos chamou para a Sua boa obra. As expressões que destaquei no início do texto, estas sim devem ser a prática de todo aquele que compreende que não há nobreza se não houver disposição em sujeitar-se ao serviço do SENHOR. Cada passo que damos neste mundo revela a quem seguimos e para onde estamos indo. E cabe a cada um de nós a escolha de que direção tomar. A carreira cristã exige uma total confiança em Quem nos dirige. Jamais cruzaremos os muros da Cidade Santa se antes não seguirmos os passos dAquele que foi o maior dos servos e o maior dos nobres. A escolha é pessoal, mas os seus resultados devem refletir na coletividade. Vimos ontem que Neemias foi cauteloso quanto ao início da obra do SENHOR, e só revelou os seus propósitos quando se sentiu seguro para isso. Ele agiu sozinho por um momento, porém, visando fazer a vontade de Deus e o bem-estar do povo. Ele poderia não ter se importado com as ruínas de Jerusalém, afinal ele morava em um palácio e era um homem benquisto pelo rei. No entanto, ele deu mais valor ao amor que tinha por Deus e pelo Seu povo do que à sua própria vida. E o que seria de nós se Cristo não tivesse pensado da mesma maneira? Ele deixou o Seu trono de glória, o seu título de Rei dos reis e SENHOR dos senhores para vir a este mundo como um Servo. Ele serviu para que pudéssemos viver! Este foi o maior exemplo que Ele nos deixou. Precisamos, como Cristo, nos despir do nosso eu. Precisamos deixar de lado as nossas opiniões e gostos até que possamos com ousadia declarar, como o apóstolo Paulo: “logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim” (Gálatas 2:20). Então, poderemos entender perfeitamente o sentido da cruz. Foi ali que verdadeiramente se cumpriu o ditado: UM POR TODOS; e é quando este Um habita em nosso coração que podemos cumprir a segunda parte do ditado popular: TODOS POR UM. “Os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus” (Apocalipse 12:17) unidos num só propósito: de revelar ao mundo o caráter de Cristo. Trabalhar nos “muros” não significa boa obra; sujeitar-se ao SENHOR da obra, sim. A obra está terminando, meus amados. Falta pouco para que todo olho veja o Filho de Deus vindo entre as nuvens dos céus (Vide Apocalipse 1:7). E de que lado você estará? “Ao lado destes” (v. 5) que perseverarão até ao fim em fazer a vontade do SENHOR? Ou ao lado dos “nobres” que não se submeteram à santa Palavra de Deus? Prossiga examinando as Escrituras, e elas lhe conduzirão à boa obra de acordo com a vontade do SENHOR, e Ele mesmo estará “ao seu lado” (v. 4) até o fim (Vide Mateus 28:20).

Bom dia, servos do SENHOR da obra!

Desafio do dia: faça uma lista de todas as coisas que ainda o impedem de se submeter totalmente à vontade de Deus, e ore pedindo a Deus que o livre desses empecilhos.

*Leiam #Neemias3

Rosana Garcia Barros

 



NEEMIAS 2 by jquimelli
29 de agosto de 2016, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário devocional

Neemias não só confiou em Deus para lhe dar as palavras certas a serem ditas ao rei, mas também para abrandar o coração do rei e, assim que ele pudesse, responder ao seu pedido favoravelmente. E, como pedir permissão para visitar Jerusalém não fosse suficiente, Neemias pede ao rei uma carta que lhe autorizasse a reconstruir os muros de Jerusalém, a paixão que Deus implantara em seu coração. Deus impressiona o rei e ele concede isso. Amém!

Como é sempre o caso, nem todos ficam felizes quando se começa a fazer algo para Deus. Oposição sempre aparece quando se tenta realizar a vontade de Deus. Satanás leva as pessoas a se oporem à obra de Deus. Neste caso, Satanás usou Sambalate e Tobias, os funcionários amonitas a se oporem a Neemias.

A resposta de Neemias foi: “O Deus dos céus é quem nos dará bom êxito” (v. 20). A chave para a prosperidade e sucesso, quando nos propomos a fazer a vontade de Deus, é confiar plenamente em Deus.

Além disso, Neemias era um trabalhador cuidadoso. Ele não começou a trabalhar antes de fazer uma avaliação clara dos prejuízos, de forma que pudesse conhecer a amplitude do trabalho a ser feito. É exigido rigor sempre que fizermos a obra de Deus.

“Deus de Abraão, ajuda-nos sempre a fazer o Seu trabalho com perfeição.”

 

Pardon Mwansa
Ex Vice-Presidente Geral da Conferência Geral da IASD
Vice Reitor da Universidade Rusangu, Zambia

 

Também disponível em: http://www.revivalandreformation.org/bhp/pt/biblia/neh/2/ e https://www.facebook.com/ReavivadosPorSuaPalavra/

Texto original: http://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/neh/2

Tradução Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli

Comentário em áudio Pr Valdeci

Leituras da semana programa Crede em Seus Profetas:

http://www.revivalandreformation.org/bhp/pt/sop/pp/49-50 e https://credeemseusprofetas.org/



NEEMIAS 2 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
29 de agosto de 2016, 0:50
Filed under: Sem categoria

2 temi sobremaneira. A despeito das palavras bondosas e compassivas do rei, Neemias percebeu o perigo. Ele compareceu triste diante do rei e estava prestes a pedir permissão para deixar o palácio. As duas coisas eram contrárias ao pressuposto fundamental da vida na corte persa: desfrutar da presença real era o auge da felicidade. O rei se indignaria, recusaria o pedido, destituiria o copeiro de seu posto e o colocaria na prisão ou perdoaria a aparente desonra e atenderia ao pedido? (CBASD- Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 3, p. 431).

3 onde estão os sepulcros dos meus pais. Como outras nações antigas, os persas tinham grande respeito por tumbas e desaprovavam sua violação. Neemias utilizou sabiamente as palavras para atrair a simpatia de Artaxerxes para seu pedido com relação à cidade de seus antepassados (CBASD, vol. 3, p. 432).

4 orei. Uma oração instantânea e silenciosa, uma prática que deve acompanhar a vida ativa de cada crente (Bíblia Shedd).

Com muito pouco tempo para pensar, Neemias imediatamente orou. Oito vezes neste livro lemos que ele orou espontaneamente (2.4; 4.4-5, 9, 5.19; 6.14; 13.14; 22.29). Neemias orava a qualquer hora, mesmo quando conversava com outros. Ele sabia que Deus está sempre no comando, está sempre presente e escuta e atende cada oração. Neemias podia orar confiantemente ao longo do dia porque havia estabelecido um relacionamento íntimo com Deus durante horas de oração estendida (1.4-7). Se queremos alcançar Deus com nossas orações de emergência, precisamos cultivar tempo para cultivar um forte relacionamento com Deus através de momentos de oração de maior profundidade (Life Application Study Bible).

8 matas. [NVI: floresta]. A palavra hebraica assim traduzida é pardes, empréstimo de uma palavra do persa antigo que significa “recinto”, parque ou retiro agradável (Bíblia de Estudo NVI Vida).

No grego, a palavra se tornou paradeisos, da qual vem a palavra “paraíso”. (CBASD, vol. 3, p. 432).

9 Exército. A escolta do novo governador (Bíblia Shedd).

9, 10, 19 Quando Neemias chegou em Judá, ele encontrou oposição. A oposição à reconstrução de Jerusalém durou 90 anos por parte daqueles que se assentaram na região quando os judeus foram levados cativos. Em todas as gerações sempre houveram pessoas com ódio do povo de Deus e tentaram frustrar os planos de Deus. Quando você tentar fazer o trabalho de Deus, alguns se oporão a você; alguns esperarão mesmo que você falhe. Se você aguardar oposição, você estará preparado para ela, em vez de ser surpreendido (1 Jo 3:13). Saber que Deus está por trás de seu trabalho é o melhor incentivo em face à oposição (Life Application Study Bible).

10. Sambalate […] Tobias. Sambalate era o principal oponente político de Neemias (v. 19; 4.1,7; 6.1,2,5,12,14; 13:28). Ocupava o cargo de governador da Samaria (cf. 4.1,2). […] Tobias era provavelmente governador da Transjordânia, sob o governo dos persas (Bíblia de Estudo NVI Vida).

Há muitos descendentes desses dois homens, hoje, em todas as igrejas cristãs, criando obstáculos à obra de Deus. Esse homem corajoso [Neemias] enfrentou a zombaria deles e o pessimismo do povo com uma fé firme e grande confiança na mão de Deus (v.18) (Comentário Bíblico Devocional VT – FBMeyer).

13 porta do monturo. Aparentemente recebeu este nome devido ao fato de o lixo da cidade ser levado através dela até o vale de Hinom (CBASD, vol. 3, p. 434).

17,18 Reavivamento espiritual geralmente começa com a visão de uma pessoa. Neemias teve uma visão e ele a compartilhou com entusiasmo, inspirando os líderes de Jerusalém a reconstruir os muros. Nós frequentemente subestimamos as pessoas e não as desafiamos com os nossos sonhos para o trabalho de Deus no mundo. Quando Deus plantar uma ideia em sua mente para fazer alguma coisa por Ele, compartilhe-a com outros e confie no Espírito Santo para impressioná-los com pensamentos similares. Não olhe para si mesmo como se fosse o único sobre o qual Deus está trabalhando. Frequentemente Deus Se utiliza de uma pessoa para levar a visão e outros para trazê-la à realidade. Quando você encoraja e inspira outros, você coloca a equipe de trabalho em ação para alcançar os objetivos de Deus (Life Application Study Bible).

 



NEEMIAS 2 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
29 de agosto de 2016, 0:45
Filed under: Sem categoria

NEEMIAS 2 – Embora Neemias fosse um líder político, administrador, governador, dedicado à construção do muro de Jerusalém, sua vida era tão consagrada a Deus como a do sacerdote Esdras.

Neemias “começa como oficial do governo a serviço de um rei estrangeiro. Depois, torna-se um empreiteiro, chamado para construir os muros de Jerusalém, trabalho que ele nos relata. Esdras, seu cooperador, era um estudioso e mestre que se dedicava às Escrituras. Neemias trabalhava com pedras e argamassa. As histórias desses dois homens estão entrelaçadas num tecido sem emendas de vocação sagrada. Um trabalho não era mais importante ou mais sagrado que o outro” (Eugene Peterson).

Antes de considerar os tópicos do capítulo em apreço, tenha em mente que um capítulo sobre oração precedeu a estes eventos. Agora…

• Na rotina do serviço no palácio, o rei lhe pergunta sobre sua tristeza; certamente ele era alguém que exalava alegria por onde ia, tinha disposição e contagiava o ambiente em que estava. Sua mudança de humor foi nítida e o rei persa se preocupou com ele (vs. 1-3).

• Respeitosa e educadamente, sem arrogância e autoritarismo, Neemias pede licença para interromper seu trabalho no palácio para ir a Jerusalém reconstruir a cidade. O rei o liberou, ainda ofereceu-lhe recursos (vs. 4-6).

• Diante da solicitação de Neemias, o rei, bondosamente, deu mais do que ele pediu: Uma escolta para protegê-lo na viagem (vs. 7-9).

• Qualquer pessoa que fizer algo pelo povo de Deus enfrentará oposições e provocações. Neemias experimentou (vs. 10, 19-20).

• Neemias chega a Jerusalém, passeia pela cidade, não faz estardalhaço, anima aos líderes do seu povo, motivando-os a reconstruir os muros da cidade (vs. 11-18).

Embora este capítulo seja prático, cheio de atividades aparentemente seculares, o espírito do trabalho estava cercado por oração e espiritualidade.

Neemias ora antes de responder ao rei (v. 4); diante da resposta do rei ele nota a mão de Deus (v. 8); e, frente às ameaças ele declara: “O Deus dos céus nos dará sucesso” (v. 20).

• Nossa rotina diária deveria ser pautada pela mesma religiosidade que nossas atividades na igreja.
• Deveríamos consagrar nosso trabalho a Deus e agir sempre com oração, dedicação, educação e respeito.
• Precisamos abolir a diferença entre santo e profano; em tudo devemos priorizar a vontade de Deus.

Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



NEEMIAS 2 – #RPSP – Comentário Rosana Barros by Ivan Barros
29 de agosto de 2016, 0:30
Filed under: Sem categoria

“… não declarei a ninguém o que o meu Deus me pusera no coração para eu fazer em Jerusalém” (v. 12).

Neemias estava diante de um grande desafio: expor diante do rei a sua angústia. Como copeiro do rei, a sua função lhe exigia um constante estado de satisfação, de forma que até a sua expressão facial declarasse o quão bom era estar na presença do monarca e servi-lo. Mas naquele dia específico aconteceu o que Neemias temia, e ele não pôde conter a sua tristeza, pois “nunca antes estivera triste diante dele” (v. 1). Só que Neemias não era um copeiro qualquer, e sim alguém que havia conquistado a confiança e a simpatia do rei. Notem que após ser questionado a respeito de sua tristeza, Neemias temeu sobremaneira (v. 2). Pois tal atitude poderia ser punida até com a morte. Daí, algo interessante também aparece no mesmo versículo. O rei percebe que a tristeza de seu servo não procedia de algum mal estar físico, mas emocional: “Tem de ser tristeza do coração” (v. 2). O rei foi sensível aos sentimentos de Neemias. Ele teve a sensibilidade de notar que o seu fiel copeiro estava com o coração ferido, e dele se compadeceu, a ponto de conceder-lhe a palavra e ouvir-lhe as lamentações, e ainda por cima perguntar-lhe o que ele poderia fazer para amenizar o seu sofrimento: “Que me pedes agora?” (v. 4).O pedido de Neemias não foi proveniente de sua angústia, ou de seu desabafo, mas a resposta de sua oração. Observem que o final do verso 4 apresenta uma das menores orações da Bíblia. Diz que Neemias orou a Deus e, logo em seguida, falou ao rei. Ora, ele não teve tempo de se ajoelhar, nem de se prostrar, nem de levantar clamores audíveis, nem tampouco olhou para o rei e disse:

— Com licença, rei. Deixa eu perguntar a Deus o que Ele deseja que eu fale.

Não, amados. Neemias simplesmente elevou o seu pensamento aos céus e falou mediante um coração contrito, inteiramente nas mãos do SENHOR. E ele não era mais um súdito do rei Artaxerxes, mas tornou-se alguém tão querido, e cuja presença o fazia tão bem, que por mais que concordasse em lhe deixar retornar a Jerusalém, a sua ausência seria sentida: “Quanto durará a tua ausência? Quando voltarás?” (v. 6). Ele era alguém que fazia falta, que fazia a diferença no reino. A boa mão do SENHOR foi com Neemias (v. 8 ), e ele logrou êxito no início do projeto da reconstrução dos muros. No entanto, ele passou um tempo silente com relação aos planos que Deus lhe pôs no coração. Ninguém sabia, a não ser o rei, o que ele pretendia fazer.

Isto me lembra algo muito interessante que uma amiga me contou outro dia. Ela me disse que sonhou comigo e com minha família, e o sonho tinha a ver com a volta de Jesus. Eu fiquei muito feliz e admirada com o que ela me disse, até porque a irmã dela também já havia sonhado comigo e o teor do sonho era o mesmo, como se estivéssemos preparadas para a vinda Cristo. Então, logo em seguida, ela me disse que contou a uma outra pessoa outro sonho que teve. E sabem quando você vai contar com empolgação algo que é especial para você e alguém lhe joga um balde de água fria? Pois é, foi o que aconteceu com ela. A pessoa disse que tudo era coisa da cabeça dela e que seus sonhos eram apenas reflexos do que ela tinha vivido ou pensado naquele dia. Ela me disse que todo aquele ânimo foi embora na mesma hora. Ou seja, nem todos estão preparados para ouvir de nossas experiências com Deus ou de nossos momentos de dificuldade. E precisamos, assim como Neemias, ter muita cautela quando o assunto diz respeito aos planos de Deus para nós, para que não sejamos desmotivados. Porque quando atingimos os dois extremos de nosso estado de espírito, quer positivo, quer negativo, a nossa tendência natural é de desejarmos compartilhar as nossas vitórias ou desilusões com alguém. Porém, algumas vezes fazemos isto de forma impensada, agindo por impulso, movidos pelas nossas emoções. Neemias usou da razão e foi comedido. Ninguém sabia aonde ele ia e nem o que fazia (v. 16), até que ele percebeu que poderia contar com aqueles que o estavam acompanhando, relatou a eles o que realmente estava fazendo ali, e o final do verso 18 diz que aqueles homens “fortaleceram as mãos para a boa obra”. Tanto é que no verso seguinte encontramos os que discordaram daquela obra e zombaram e desprezaram tanto de Neemias quanto dos que com ele se uniram (v. 19). E a resposta de Neemias aqueles zombadores são palavras que confirmam que a sua decisão em ser cauteloso só lhe trouxe benefícios. Ele canalizou a sua confiança em Deus, reafirmou a sua confiança nos que a ele se uniram e ignorou aqueles néscios que não tinham parte alguma na obra do SENHOR.

Quer reconhecer um servo do Altíssimo? Quer saber com quem contar? Quer que os planos de Deus se cumpram em sua vida? ORE MAIS E FALE MENOS. Quando confiamos mais em Deus, Deus nos mostra, a Seu tempo, aqueles com quem podemos contar. Aquela minha amiga aprendeu esta lição tendo que passar por uma experiência desagradável para aprender. Pode ser que já tenhamos passado por experiências assim também. Que tal se a partir de hoje tomarmos a decisão de sermos mais cuidadosos com relação a isto? Com certeza Deus nos ajudará e colocará em nosso caminho Seus servos, e, unidos a eles, fortaleceremos “as mãos para a boa obra” (V. 18) do SENHOR! Então, como Neemias, seremos sempre pessoas cuja presença é almejada e cuja ausência é sentida.

Bom dia, servos da boa obra do SENHOR!

Desafio do dia: Fazer o bem a alguém sem contar para ninguém. “E teu Pai, que vê em secreto, te recompensará” (Mateus 6:6).

*Leiam #Neemias2

Rosana Garcia Barros



NEEMIAS 1 by jquimelli
28 de agosto de 2016, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário devocional:

Deus chama as pessoas de formas diferentes para tarefas que Ele lhes quer dar. Para Neemias, tudo começou quando ele ouviu um relatório que dizia que “Aqueles que sobreviveram ao cativeiro e estão lá na província passam por grande sofrimento e humilhação. O muro de Jerusalém foi derrubado, e suas portas foram destruídas pelo fogo” (versículo 3).

Deus plantou a paixão em Neemias para fazer algo sobre isso e fazer a diferença – voltar a Jerusalém e reconstruir os muros. Essa paixão o levou a chorar, jejuar e orar sobre o assunto, para ter clareza e entender o que estava incluído no chamado de Deus (v. 4).

A resposta para fazer qualquer coisa para Deus começa com a oração – com a busca da presença de Deus.

Muitas vezes, fazer a vontade de Deus não é fácil, mas quando se ora sobre o assunto, pode-se confiar que Deus abrandará os nossos corações e dará uma orientação sobre o que fazer para realizar a Sua vontade. Neemias não sabia como o rei iria reagir ao seu desejo de responder ao chamamento de Deus. Mas há poder na oração e Neemias orou pelo poder de Deus para amolecer o coração do rei e Deus fez.

Senhor Deus, cria uma paixão em cada um de nós para fazer a tua vontade e dirija os nossos passos que o façamos.

 

Pardon Mwansa
Vice Reitor da Universidade Rusangu, Zambia
Ex Vice-Presidente Geral da Conferência Geral da IASD




%d blogueiros gostam disto: