Reavivados por Sua Palavra


GÊNESIS 15 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
28 de janeiro de 2022, 1:00
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO GÊNESIS 15 – Primeiro leia a Bíblia

GÊNESIS 15 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

GÊNESIS 15 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

Acesse os comentários em vídeo em nosso canal no Youtube (pastores Adolfo, Valdeci, Weverton, Ronaldo e Michelson)



GÊNESIS 15 by Jeferson Quimelli
28 de janeiro de 2022, 0:55
Filed under: Sem categoria

Abrão era muito parecido conosco. Quando lemos as promessas da Bíblia, também nos perguntamos como podemos saber que se cumprirão. Ao examinar a resposta de Deus às perguntas de Abrão, vemos a paciência de Deus. Deus se humilhou e comunicou-se com Abrão no nível dele, de um modo que este pudesse compreender.

Quando Deus pediu os animais específicos, Abrão entendeu o que Deus estava fazendo. Deus estava seguindo as tradições culturais de um contrato entre duas pessoas, típico dos dias de Abrão. Ele estava fazendo um pacto de sangue. A chama de Deus passando entre os animais era a promessa de que Deus haveria de se empenhar ativamente a favor de Abrão. Quando Abrão estava dormindo, Deus revelou a ele o futuro de seus descendentes. Deus lhe disse que levaria séculos até que a promessa fosse realizada. Deus escolheu trazer Abrão para o Seu círculo de amigos íntimos.

O mesmo Deus de Abrão é o nosso Deus hoje. Temos nosso próprio pacto de sangue com Deus através da morte de Jesus na cruz. A ressurreição de Jesus é a nossa garantia de que Deus nos redimiu e está vivo, ativamente empenhado em nos abençoar. Através das escrituras, Deus revelou o futuro da raça humana. E prometeu que voltará para nos levar para o Céu. Que Deus maravilhoso nós temos!

Kathlyn Mayer
Troy, Nova Iorque, EUA



GÊNESIS 15 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
28 de janeiro de 2022, 0:50
Filed under: Sem categoria

730 palavras

veio a palavra do SENHOR. Esta frase tipicamente introduz uma revelação a um profeta (12.7, 20.7; Jr 18.1; Ez 6.1; Os 1.1) (Bíblia de Genebra).

A promessa divina é introduzida pela primeira declaração  “não temas” encontrada na Escritura (26:24, 46:3; Num. 21:34; Deut. 1:21) (Andrews Study Bible).

mas Abrão disse. Embora o endereçamento seja respeitoso, o diálogo de Abrão com Deus sugere um relacionamento íntimo. Ele ainda está pronto a questionar Deus (Andrews Study Bible).

sem filhos. Esta expressão, no hebraico, pode significar “viver sem filhos” ou “morrer sem filhos”. Abraão estava perplexo, talvez em parte porque não ter filhos era visto como um sinal de castigo divino (Lv 20.20-21; 1Sm 1.11; Jr 22.30) (Bíblia de Genebra).

um servo… será o meu herdeiro. Esta prática de um casal sem filhos adotar um escravo como herdeiro é confirmada nos textos de Nuzi (cerca de 1.500 a.C.), uma coleção de mais de 4.000 tábuas de argila encontrados pertos de Kirkuk, no Iraque (Bíblia de Genebra).

creu… imputado para justiça. Definição clássica de fé. Mesmo apesar de Abrão não poder ver o cumprimento da promessa, ele “acreditou”. A fé é demonstrada em momentos de crise (Is. 7:9; Jon. 3:5; Sal. 78:22, 32). imputado para justiça. A terminologia sugere uma interação que vai além de um sentido relacional. Deus declarou Abrão justo não por causa de suas grandes ofertas ou sacrifícios, mas com base em sua fé (Andrews Study Bible).

Neste significativo versículo aparecem, pela primeira vez, as palavras: “creu”, “imputado” e “justiça”, que fazem parte do contexto da “fé salvadora”. Em todos os tempos, a salvação fora oferecida aos homens sob a base da fé. Os santos do AT olhavam para Cristo e eram salvos mediante Sua morte expiatória, exatamente como nós olhamos para aquela morte vicária em nosso lugar e recebemos os benefícios dela mediante a fé (cf. Rm 4.18-24) (Bíblia Shedd).

Este verso nos dá o mais antigo núcleo da doutrina da justificação pela fé e não pelas obras (Gl 3.6-14). Abraão creu na promessa do nascimento de um herdeiro dentre os mortos (Rm 4.17-21; Hb 11.11-12), e Deus imputou isto como justiça a Abraão, satisfazendo o mandato da sua aliança. A justificação de Abraão pela fé é um modelo para a nossa fé na ressurreição de Jesus Cristo, o sacrifício de Deus pelo pecado e o ato de Deus em nos imputar justiça pela fé (Rm 4.22-25) creu. Abraão é o pai de todos aqueles que creem (Rm 4.11) e todos os que creem são filhos de Abraão (Gl 3.7) (Bíblia de Genebra).

Eu sou o SENHOR que te tirei. Uma forma de autoidentificação de Deus depois do êxodo (Ex 20.2) (Bíblia de Genebra).

8 O nome “Senhor Deus” (em heb Adonai Jahweh) significa “dono”, indicando a submissão de Abraão como escravo de Deus. O mesmo nome (“Senhor”) é empregado pela mulher em relação ao marido, indicando a intimidade do amor e a dependência em submissão ao marido (cf 1 Pe 3.6) (Bíblia Shedd).

11 aves de rapina. Um simbolismo das nações impuras tentando destruir os descendentes de Abraão. enxotava. Abraão simbolicamente defende a sua herança prometida contra os agressores estrangeiros  (Bíblia de Genebra).

12-14 Israel deverá herdar Canaã através do ato sobrenatural de Deus, redimindo-os da escravidão (Bíblia de Genebra).

13-16 quatrocentos anos…quarta geração. Descrição profética do tempo de escravidão no Egito. Aparentemente, uma geração significa 100 anos. Estes números devem ser entendidos como número arredondados (Ex. 12:40 refere-se a 430 anos). Os amorreus representavam todos os povos de Canaã (Andrews Study Bible).

15 ditosa velhice. Ver 25.8 (Bíblia de Genebra).

17 fogareiro fumegante e tocha de fogo. O ritual tem seu clímax em fumaça e fogo, que são frequentemente símbolos da presença de Deus (Ex. 12:21; 19:18; 20:18). Jer. 34:18 provê um texto paralelo ao ritual da aliança. Todo animal sacrifical possível está incluído neste significante ritual de aliança (Andrews Study Bible).

Símbolos da presença de Deus com Israel no seu caminho para a Terra Prometida (Ex 13.21, 19.18; 20.18). (Bíblia de Genebra).

passou entre os pedaços. Assim como indicado em outros textos do Oriente Próximo e em Jr 34.18, passar entre os pedaços de animais significava a punição daqueles que quebram a aliança… Deus jura por si mesmo que manteria os termos da aliança. Ver 22.16-17; Hb 6.13  (Bíblia de Genebra).

18 desde o rio o Egito ao grande rio Eufrates. Provavelmente a extensão da terra prometida a Abraão e a sua semente; compreendia desde a corrente que dividia a Filístia do Egito até o rio Eufrates. Estas foram, efetivamente, as fronteiras de Israel no tempo do rei Salomão (Bíblia Shedd).

19-21 Além das fronteiras geográficas, a terra é identificada por seus ocupantes. Ver 10.15-18 (Bíblia de Genebra).



Gênesis 15 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
28 de janeiro de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Abrão creu no Senhor, e isso lhe foi atribuído para justiça” (v.6).

Quão difícil deve ter sido a peregrinação de Abrão, tendo que lidar com povos inimigos, conflitos, a separação de seu sobrinho Ló e o risco de perder sua esposa. Afinal de contas, será que de fato valeu a pena obedecer a Deus, sair de sua terra e viver como um forasteiro em terra estranha? O que faria um homem viver desse modo não fosse a confiança no Deus que ele conhecia? Os últimos acontecimentos, porém, certamente abalaram as emoções do ancião que, diante das ameaças que o cercavam, foi consolado pela voz familiar: “Não temas, Abrão, Eu sou o teu escudo, e teu galardão será sobremodo grande” (v.1).

É certo que Abrão estava cercado de povos pagãos, mas a angústia que lhe consumia a alma estava em um berço vazio. Além da esterilidade de Sara, ambos já alcançavam idade avançada. O tempo tornou-se inimigo do idoso peregrino. Mas ao contemplar os céus e a infinidade de estrelas, algo diferente aconteceu. Sob o manto de um céu que palavra alguma pode descrever, Abrão foi convidado a vislumbrar o plano divino, e compreendeu que o mesmo Deus que criou cada uma daquelas estrelas, era poderoso para suscitar-lhe descendência na velhice. E o tempo que antes lhe roubava o sonho, se tornaria em aliado para a realização de um milagre, pois “de um, aliás já amortecido, saiu uma posteridade tão numerosa como as estrelas do céu e inumerável como a areia que está na praia do mar” (Hb.11:12).

Abrão “creu no Senhor” e foi justificado (v.6). Ele tanto confiou, que foi declarado justo por isso. Você consegue conceber essa ideia de justificação? Não por ter saído de sua terra, não por ter lutado bravamente, não pelos sacrifícios que ofereceu, não pelo dízimo que devolveu. Mas pelo simples motivo de ter crido, isso lhe foi atribuído por justiça. Sem dúvida alguma, a justificação pela fé é uma das doutrinas bíblicas mais difíceis de se compreender, simplesmente porque a ideia humana sobre justificação implica em explicação, esclarecimento, motivo, mérito. E, ao colocarmos na balança da vida um ser humano pecador, é difícil entender como o simples gesto de crer o torna justo diante de um Deus santo.

Fazendo distinção, contudo, entre crer de fato e apenas dizer que crê, entendemos melhor esta doutrina. Quando avançamos até o livro de Hebreus, ali encontramos o verdadeiro significado da fé: “Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não veem” (Hb.11:1). Então, mais a frente, percebemos, através da trajetória de vários homens e mulheres, que a fé sempre precedia a ação. Foi pela fé que “Abraão, quando chamado, obedeceu” (Hb.11:8). Eis o verdadeiro sentido da obediência: ela é movida pela fé. É até possível ser obediente sem crer (os fariseus que o digam), mas é impossível crer e ser desobediente. Porque a obediência genuína e agradável a Deus provém de um coração completamente dependente e submisso a Ele.

Quando Deus chama Seus filhos, os chama para a liberdade. Foi assim com Abrão: “Eu sou o Senhor que te tirei de Ur dos caldeus, para dar-te por herança esta terra” (v.7). Foi assim com Israel: “Eu sou o Senhor, teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão” (Êx.20:2). Foi com esse objetivo que Jesus veio ao mundo: “Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” (Jo.8:36). E será com esse objetivo que Ele virá segunda vez: “O vencedor herdará estas coisas, e Eu lhe serei Deus, e ele Me será filho” (Ap.21:7). Pela fé em Cristo, todos nos tornamos filhos de Abraão e herdeiros segundo a promessa, o derradeiro “Israel de Deus” (Gl.6:16). E o conselho de Jesus ao antigo Israel ecoa aos nossos corações, hoje: “Se sois filhos de Abraão, praticai as obras de Abraão” (Jo.8:39).

Amados, não é o mero conhecimento da Bíblia, nem tampouco uma obediência legalista o que nos libertará de nossa condição miserável. Assim como Abrão foi acometido de “grande pavor e cerradas trevas” (v.12), mas logo após, “fez o Senhor aliança com Abrão” (v.18), os filhos de Deus também têm sofrido pela inconstância de um enganoso coração. E somente o verdadeiro conhecimento poderá libertar-nos desta prisão: “Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte? Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor” (Rm.7:24-25). “E a vida eterna é esta: que Te conheçam a Ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a Quem enviaste” (Jo.17:3). Portanto, meus irmãos, “conheçamos e prossigamos em conhecer ao Senhor; como a alva, a sua vinda é certa; e Ele descerá sobre nós como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra” (Os.6:3). A Bíblia tem todas as respostas de que necessitamos para termos uma vida de fé e comunhão com Deus. Perseveremos em examiná-la. Vigiemos e oremos!

Bom dia, amigos de Deus! (Leiam Is.41:8 e Jo.15:14)

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Gênesis15 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



COMENTÁRIO GÊNESIS 15 – PR. HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
28 de janeiro de 2022, 0:40
Filed under: Sem categoria

GÊNESIS 15 – Nesse ponto da história, por três vezes Abrão recebera de Deus a promessa que até agora não se cumprira. Por três vezes Deus havia instigado a esperança do velho Abrão, de um filho com sua esposa estéril (Gênesis 12:2, 7; 13:6); contudo, ainda era apenas promessa.

Muitas vezes quando parece que Deus brinca com sentimentos, na verdade Ele está trabalhando o desenvolvimento espiritual do pecador. Nesse diálogo íntimo entre Deus e Abrão, há indagações, propostas; e, Deus corrige as boas intenções do ansioso: “Levando-o para fora da tenda, disse-lhe: ‘Olhe para o céu e conte as estrelas, se é que pode contá-las’. E prosseguiu: ‘Assim será a sua descendência’. Abrão creu no Senhor, e isso lhe foi creditado como justiça” (Gênesis 15:5-6). Na sequência, ambos entraram em aliança através de rituais culturais da época (Gênesis 15:7-11).

Quando olhamos a imensa criação, entendendo que Deus é maior que o infinito Universo, depositaremos nossa confiança nEle e tranquilizaremos nosso coração. Existe uma ligação dessa confiança, com a justificação pela fé. Quanto mais o pecador conhece a grandeza de Deus, menos confia em si mesmo, passando a confiar mais nEle. “Deus declarou que Abrão era justo não por causa de atos de justiça ou grandes sacrifícios, mas com base em sua fé”, comenta a Bíblia Andrews.

O Deus que faz promessas conhece o futuro e interage na história. Ele revelou o que aconteceria à descendência de Abrão no Egito e indicou as terras dos povos que daria a sua posteridade (Gênesis 15:12-21).

A grande questão é, por que Deus tiraria nações das próprias terras para entregá-las a Israel?

• Deus é Soberano do Universo, e está no controle da cada situação julgando o mal, a fim de fazer com que o bem prevaleça neste mundo tomado pelo maligno. O Egito seria o primeiro a ser julgado; antes, porém, teria portentosas provas para render-se a Deus.
• As nações teriam um tempo de graça, e só deveriam ser destruídas quando estivessem totalmente saturadas de pecado – assim como um saco de batatas podres.

Nossa sociedade já está saturada da imundícia do pecado. Está podre! Se o retorno de Cristo é o próximo “basta” divino frente à multiplicação da iniquidade, deve estar quase no tempo dEle voltar!

Compartilhe essa revelação! – Heber Toth Armí.



GÊNESIS 14 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
27 de janeiro de 2022, 1:00
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO GÊNESIS 14 – Primeiro leia a Bíblia

GÊNESIS 14 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

GÊNESIS 14 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

Acesse os comentários em vídeo em nosso canal no Youtube (pastores Adolfo, Valdeci, Weverton, Ronaldo e Michelson)



GÊNESIS 14 by Jeferson Quimelli
27 de janeiro de 2022, 0:55
Filed under: Sem categoria

A escolha de Ló de se estabelecer perto das cidades de Sodoma e Gomorra o colocou em sério perigo. Quando Quedorlaomer, rei do Elão e seus aliados pagãos atacaram Sodoma, Ló foi levado cativo. Ao ouvir a trágica notícia, Abraão reuniu seus homens para libertar Ló. É notável que Abraão não culpou Ló por sua infeliz escolha de se estabelecer perto de Sodoma. Nem exibiu uma atitude de superioridade deixando Ló sofrer as consequências de suas más escolhas.

Há momentos em que o amor age de forma imprudente. O amor busca e recupera os que fazem escolhas erradas. Certamente há momentos em que as pessoas devem enfrentar o resultado de suas escolhas, mas também há momentos em que o amor deve agir, apesar das escolhas dos outros.

É digno de nota que quando Abraão retornou da peleja, ele deu um dízimo dos despojos a Melquisedeque, o “sacerdote do Deus Altíssimo” (v. 18 NVI). Ao devolver fielmente o dízimo, Abraão reconheceu as bênçãos de Deus sobre sua vida.

Há um outro notável ato de Abraão neste capítulo que não devemos perder: ele se recusou a tomar para si mesmo dos despojos, mesmo “uma correia de sandália” que fosse (v. 23). Ele deu tudo que foi capturado pelos seus homens ao rei de Sodoma. Corações altruístas e espírito de doação abrem caminho para que as bênçãos do armazém celeste fluam sobre nós.

Mark Finley
Evangelista Aposentado



GÊNESIS 14 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
27 de janeiro de 2022, 0:50
Filed under: Sem categoria

731 palavras

1-24 Abraão demonstrou uma fé obediente, numa guerra arriscada, para libertar seu sobrinho Ló. Sua vitória é surpreendente, já que esta confederação de saqueadores, composta por cinco reis, havia acabado de conquistar muitos cananeus e uma confederação de cinco reis da região do mar Morto (Bíblia de Genebra).

Anrafel… Arioque… Quedorlaomer… Tidal. Os nomes dos quatro reis que aterrorizaram as cidades-estado do vale do Jordão sugere uma união etnicamente mista, incluindo grupos elamitas, amoritas, horeus e hititas (Andrews Study Bible).

Monumentos recentemente descobertos confirmam a narrativa acerca da confederação dos reis, (Comentário Bíblico Devocional – Velho Testamento).

Nenhum desses reis foi identificado concretamente em fontes extrabíblicas. Um vem de Elão (parte do Irã moderno), um da Babilônia (parte do Iraque moderno) e dois, provavelmente, da região da Turquia moderna (Bíblia de Genebra).

Mar Salgado. Isto é, o mar Morto (Bíblia NVI).

O mar Morto cobre parte do que foi, no passado, o “vale de Sidim”, onde teria sido travada a batalha, próximo às cidades de Sodoma e Gomorra (Bíblia Shedd).

Serviram. Eles foram sujeitos como vassalos ao rei de Elão, com a obrigação de pagar tributo (Bíblia de Genebra).

5-11 Havia uma grande diferença entre o vale do Eufrates e Sodoma. Os pequenos reis confederados ousaram rebelar-se contra Quedorlaomer, que veio contra eles como um furacão e subiu o vale do Jordão carregado despojos e levando Ló. Não podemos gozar das doçuras do mundo sem provar também suas amarguras (Comentário Bíblico Devocional – Velho Testamento).

refains… zuzins… emins. A menção destes gigantes derrotados enfatiza ainda mais quão impressionante foi a vitória de Abraão (Bíblia de Genebra).

12 morava em Sodoma. Note a progressiva identificação de Ló com Sodoma: acampava perto dela (13.12), morava nela e residia como um respeitado cidadão da mesma (19.1,6; cf. Sl 1.1) (Bíblia de Genebra).

13 irmãos. Ou parentes; ou, ainda aliados.  Amorreu. Ás vezes, um rermo genérico para os antigod habitantes da Palestina (48.22; Dt 1.11; Js 2.10). Manre, o amorreu, um aliado de Abrão que o acompanhou em batalha, foi abençoado através de sua identificação com Abrão (v 24; 12.3) (Bíblia de Genebra).

14 seu sobrinho. No hebraico, “seu irmão”, explicando o caráter da ação de Abrão: os justos demonstram lealdade amorosa com seus irmãos (Bíblia de Genebra). Homens dos mais capazes. Homens treinados no uso de armas. Uma força de trezentos homens era um exército considerável nos tempos de Abrão (Bíblia de Genebra).

18 Salém. Isto é, Jerusalém (Bíblia NVI).

Melquisedeque. Lit. “rei de justiça”. A palavra hebraica melech significa “rei” e zedek significa “justiça” (Bíblia de Genebra).

rei de Salém… sacerdote de Deus. A apresentação de Melquisedeque não só enfatiza que ele era um rei, mas também um sacerdote.Desta forma, ele é um tipo de Cristo, que é nosso Profeta, Sacerdote e Rei (Bíblia Shedd).

19 Deus altíssimo. No hebraico, El Elyon (Bíblia de Genebra).

20 de tudo. Dos despojos. dízimo. A décima parte. A prática de se pagar o dízimo ao rei ou a um deus era comum no antigo Oriente Próximo e é anterior à lei mosaica (28.22; 27.30-33; Nm 18.21-32). O presente de Abrão a Melquisedeque… era… uma oferta que refletia o respeito de Abrão para com Melquisedeque como sacerdote do Deus verdadeiro (Bíblia de Genebra).

23 nada tomarei de tudo o que te pertence. Em contraste com seu procedimento com relação a Melquisedeque, de quem aceitou pão e vinho (v. 18) e a quem deu o dízimo (v.20) , Abraão não queria nenhuma relação com o ímprio rei de Sodoma (Bíblia de Genebra).

O momento de sucesso é sempre um momento de perigo. O rei de Sodoma traiçoeiramente propôs que repartissem os despojos! Mas como Abraão poderia depender exclusivamente dos cuidados de Deus se enchesse seus bolsos da maculada riqueza de Sodoma?  Abrão tivera antes uma entrevista que o fortalecera. Melquisedeque era sacerdote e rei da tribo que habitava em Jeerusalém. (Ler Hebreus 7). Ele trouxe pão e vinho, e uma nova revelação do caráter do Deus no qual Abrão descansava sua alma. Que tinha ele a ver com Sodoma, ele que era filho de um Pai tão poderoso? (Comentário Bíblico Devocional – Velho Testamento).

Verifique-se o contraste nas atitudes de Abraão diante dos dois reis: o de Sodoma e o de Salém: 1) Diante do primeiro, uma demonstração de independência, enquanto, para o segundo, sua atitude é de dependência (cf Hb 7.4-10); 2) Diante do rei de Sodoma, um comportamento de igual para igual, enquanto, diante de Melquisedeque, a admissão de inferioridade; 3) Para com o rei de Sodoma, dignidade; para como rei de Salém, humildade (Bíblia Shedd).



Gênesis 14 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
27 de janeiro de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Abençoou ele a Abrão e disse: Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, que criou os céus e a terra” (v.19).

Este é o primeiro registro na Bíblia de guerras entre nações. Segundo o relato, havia uma espécie de acordo entre reinos. A partir do momento em que a parte mais fraca desta relação entre povos não suportou mais os danos sofridos, se rebelou e iniciou um conflito que resultaria na vitória do lado opressor e na captura de Ló, sobrinho de Abrão, bem como de “todos os bens de Sodoma e de Gomorra e todo o seu mantimento” (v.11). Quando Abrão tomou conhecimento do ocorrido, prontamente reuniu seus homens e alguns da parte de Manre, Escol e Aner, “os quais eram aliados de Abrão” (v.13).

Abrão não era um guerreiro, mas não hesitou em lutar em prol de resgatar o seu amado sobrinho. Em nome de Deus, marchou em direção a um exército bem maior e bem mais preparado. Contudo, sua coragem e determinação provinham de sua fé nAquele que jamais perdeu uma só batalha, o Senhor dos Exércitos. Abrão retornou não somente com a vitória de um conflito terrestre, mas seu encontro com Melquisedeque prefigurou a vitória do grande conflito cósmico.

Além de rei, Melquisedeque também era “sacerdote do Deus Altíssimo” (v.18). Apesar de sua origem ser desconhecida, e de que o sacerdócio levítico só surgiria muito tempo depois pela descendência de Abrão, Melquisedeque prefigurou o sacerdócio de Cristo, que não foi “segundo a ordem de Arão”, e sim “segundo a ordem de Melquisedeque” (Hb.7:11 e 17). Ou seja, um sacerdócio superior e, portanto, originador de uma nova aliança.

Até então, a Bíblia também não havia feito referência à devolução do dízimo. A atitude de Abrão em devolver o dízimo de tudo (v.20) revela que este era um princípio que o Senhor já havia estabelecido. Não era uma barganha pela vitória obtida, mas o reconhecimento de que tudo quanto possuía e tudo quanto havia conquistado eram bênçãos concedidas por Deus. A devolução dos dízimos e das ofertas quando não compreendida como parte da verdadeira adoração, quando não se trata do fruto de um coração submisso e grato a Deus, torna-se tão vil quanto a oferta do rei de Sodoma, e, como Abrão, a mesma resposta é dada do Céu: “nada quero para mim” (v.24). Amados, Deus não precisa do nosso dinheiro. Ele é o Dono do ouro e da prata (Ag.2:8). Participando deste ato de adoração, nos tornamos os maiores beneficiados. Pois se “o amor do dinheiro é raiz de todos os males” (1Tm.6:10), a mordomia cristã através dos tesouros que o Senhor nos dá é uma forma de nos proteger do egoísmo e da avareza.

Dentro em breve, o Rei da Paz virá buscar os Seus verdadeiros adoradores, todo aquele que depositou o coração diariamente nos tesouros do Céu. Ele virá buscar o Seu exército que não temeu marchar em defesa da verdade e por amor a seus semelhantes. Como o exército de Abrão, e como nos dias de Noé, será um pequeno povo contra os reis desta terra. Mas, sob a bênção do nosso Sumo Sacerdote, e sob a bandeira ensanguentada do Cordeiro de Deus, marcharemos como exército triunfante rumo à Terra Prometida. Um exército cuja arma é a verdade e cujo escudo é a fé. Vigiemos e oremos!

Bom dia, exército militante do Deus Altíssimo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Gênesis14 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



COMENTÁRIO GÊNESIS 14 – PR. HEBER TOTH ARMÍ (atualizado 27/01/2022 09:13) by Jeferson Quimelli
27 de janeiro de 2022, 0:40
Filed under: Sem categoria

GÊNESIS 14 – Nossa existência é marcada por resoluções de problemas; pois, desafios constantes surgem a qualquer momento na vida!

Como o coração humano se corrompeu com o pecado, as pessoas se tornaram mais agressivas do que passivas, mais briguentas do que pacíficas, mais vingadoras do que perdoadoras, mais desumanas que humanas, mais ambiciosas que generosas, mais egoístas que altruístas. Nisso reside o princípio de todas as guerras e responde o porquê das nações sempre estarem em tensões.

Escolhendo lugares próximos a Sodoma e Gomorra, Ló colocava em risco sua família. O pior aconteceu: Numa das guerras entre os povos da região, toda a família de Ló foi saqueada e levada cativa (Gênesis 14:1-12). Ló perdeu tudo! Nossas escolhas têm consequências; entretanto, muitas vezes a ambição cega nossos olhos a elas, até percebê-las durante a dor.

Ao saber, Abrão tomou providências; e, pela fé, confiando em Deus, conseguiu reverter as consequências. Sua atitude abençoou também aos pagãos, a tal ponto do rei sodomita procurá-lo oferecendo-lhe recompensas; todavia, ele se negou recebê-las. Sua rejeição foi a forma dele testemunhar de sua fé em seu Deus (Gênesis 14:13-17, 20-24).

Temos muito que aprender a crescer espiritualmente com Abrão. Além de lutar por seus familiares, resolver um problema para povos pagãos e testemunhar do Deus Altíssimo, seu encontro com Melquisedeque, rei de Salém, a quem ele entregou o dízimo de tudo, é bastante significativo (Gênesis 14:18-20).

O lugar de Melquisedeque é associado a Jerusalém (Salmo 72:2). Entretanto, “nada se sabe de sua família e origem. Sua aparição e seu desaparecimento súbitos como rei-sacerdote são retomados no NT e compreendidos como um tipo de Jesus, o verdadeiro Rei-Sacerdote (Hb 7:1-15… Abrão reconheceu as bênçãos de Deus e devolveu um décimo ao representante de Deus, a quem ele claramente reconhece como tal. A prática de dizimar com fidelidade não foi uma inovação posterior da lei (Lv 27:30-33; Dt 14:22-29), mas um princípio enraizado na natureza do Senhor. Por ser dono do universo e doador de bênçãos, Ele verdadeiramente merece a expressão de fé e gratidão do Seu povo” , comenta a Bíblia Andrews.

Cresçamos em fé como Abrão! Sejamos fieis a Deus! Confiemos nEle para testemunharmos dEle em todo tempo a todas as pessoas!

Amadurecimento é essencial ao reavivamento! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: