Reavivados por Sua Palavra


2 REIS 25 by jquimelli
15 de setembro de 2019, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/2rs/25

Algo que aprendi ao longo da minha vida é que Deus é justo e misericordioso. Eu o amo exatamente por isso. A vida é difícil quando temos que testemunhar amigos e familiares queridos sofrerem tragédias – um pescoço quebrado paralisando os membros, uma criança morta, ossos quebrados, casas destruídas. Este mundo definitivamente não é um lugar agradável de se estar. A dura realidade molda meus desejos em direção ao cumprimento das promessas de Deus e canaliza meus pensamentos para ver as bênçãos mesmo na dor. A esperança me salva.

A história da destruição de Jerusalém me exemplifica a justiça e misericórdia de Deus, o fundamento de Seu governo. Suas promessas a Abraão foram respondidas através da preservação do reinado de Davi até Jesus. Zedequias recusou-se a se submeter ao rei da Babilônia e sua linhagem foi extinta. O jovem rei Joaquim e suas esposas se submeteram ao rei da Babilônia, e ele teve uma vida longa como rei em cativeiro, com o selo do rei passado adiante.

Jesus é o descendente de Davi que reinará para sempre. A última mensagem de amor é sobre o casamento real do Rei, um dia de júbilo e alegria em que a justiça e a misericórdia estarão em destaque mais uma vez.

Cindy Rockney
Secretária da Escola Sabatina
IASD Placerville Califórnia EUA

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=584
Equipe de tradução: Pr. Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



2 REIS 25 – COMENTÁRIO PR. HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
15 de setembro de 2019, 0:45
Filed under: Sem categoria

A teimosia mata. Negar a mensagem de Deus é suicídio. A rebeldia causa muitos sofrimentos. O orgulho é pai de todos esses pecados, os quais castram qualquer futuro promissor.

Os reis de Israel foram líderes que influenciaram para o mal. O povo de Israel preferiu ter reis como as nações pagãs; para tanto, Deus foi desprezado como governador da nação. Deus cedeu aos caprichos de Seu povo, mas não os livrou das consequências de suas próprias decisões.

“O cativeiro assírio do reino do norte (Israel) marcou o fim da nação em 722 A.C. Não houve a volta de nenhum restante. O reino do sul (Judá) durou até 597 A.C., quando sua história quase acabou em matanças e uma séria de cativeiros na Babilônia. Um pequeno fragmento permaneceu na Babilônia por 70 anos. Depois, um pequeno número de cativos voltou a Jerusalém. Judá tornou-se o novo Israel. A velha glória nunca foi recuperada” (Russell Norman Champlin).

Neste último capítulo de Reis, o autor mostra o fim da nação israelita:
• Babilônia cerca Jerusalém (vs. 1-3);
• O rei foge com seus homens de guerra, mas são alcançados (vs. 4-5);
• Nabucodonosor envia sentença contra Zedequias (vs. 6-7);
• Ateou-se fogo à casa de Deus e à do rei (vs. 8-10);
• Jovens da nobreza foram levados cativos à Babilônia (vs. 11-12);
• O templo foi saqueado (vs. 13-17);
• Nabucodonosor matou a liderança política de Judá (vs. 18-21);
• Babilônia instituiu Gedalias como governador do remanescente judeu (vs. 22-23);
• Gedalias submeteu-se à Babilônia (v. 24);
• Ismaelitas assassinaram Gedalias (v. 25);
• O remanescente fraco fugiu para o Egito temendo Babilônia (v. 26);
• Encerramento positivo do livro: Joaquim, rei de Judá, foi bem tratado em Babilônia (vs. 27-30).

O comentarista africano Musa Gotom declara: “O autor de Reis não encerra seu livro em tom de desespero. Ainda havia esperança para Israel. A promessa de um messias continuava a vigorar”.

Cuidado com…
• A apostasia;
• A rebeldia;
• A idolatria;
• O orgulho;
• A rejeição de Deus e Sua Palavra;
• A teimosia.

Tudo isso são atitudes que roubam um destino bom, traçado por Deus! Seria tão diferente a história humana se cada pessoa substituísse o orgulho que leva à arrogância por humildade que leva à dependência de Deus.

Seja humilde e submisso ao Rei do Universo! Consagre-se! – Heber Toth Armí.



2 REIS 25 – VÍDEO COMENTÁRIO PR. ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
15 de setembro de 2019, 0:45
Filed under: Sem categoria



2REIS 25 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
15 de setembro de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Mudou-lhe as vestes do cárcere, e Joaquim passou a comer pão na sua presença todos os dias da sua vida” (v.29).

Último capítulo do relato dos Reis de Israel e percebemos os resultados desastrosos provenientes de más escolhas. Zedequias foi preso e teve os seus olhos vazados; o povo foi levado cativo; Jerusalém foi destruída, inclusive os seus muros; o templo do Senhor foi profanado, e todos os seus utensílios levados para a Babilônia. As consequências de um povo distante de Deus são aterradoras. A demolição dos muros da cidade foi muito além dos muros físicos. O povo havia rejeitado a proteção do Senhor. Pois “se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela” (Sl.127:1).

Gedalias também sofreu a consequência de confiar mais na palavra de homens do que em Deus: “Não temais da parte dos caldeus; ficai na terra, servi ao rei da Babilônia, e bem vos irá” (v.24). E com pouco tempo foi morto por aqueles que havia acolhido.

Não há abrigo, não há segurança, não há refúgio fora da presença de Deus. Nesta peleja, Daniel e seus amigos foram levados cativos, mas escolheram permanecer fiéis ao Senhor mesmo que em terra estranha. Hoje, meus amados, o Eterno nos convida para nEle descansar. Deus nos convida a fazermos dEle o nosso refúgio, e, certamente, estaremos sempre seguros.

Babilônia representa tudo o que é contrário à vontade de Deus; tudo aquilo que nos afasta do plano original do Senhor. E diante do último tempo de oportunidade em que vivemos, precisamos estar bem atentos às palavras de advertência: “Fugi do meio da Babilônia, e cada um salve a sua vida; não pereçais na sua maldade; porque é tempo da vingança do Senhor: Ele lhe dará a sua paga” (Jr.51:6). Uma falsa segurança paira sobre este mundo e multidões têm caído no mesmo erro que caiu Eva ao acreditar nas palavras sagazes de Satanás: “Certamente, não morrereis” (Gn.3:4).

Há uma Babilônia nestes últimos dias, de onde devemos nos retirar (Ap.18:4). E para manter-nos longe dela e de suas práticas, necessitamos dar ouvidos à Palavra de Deus. Muito em breve, Jesus voltará e trocará as nossas “vestes do cárcere” (v.29), pelas vestes brancas de Sua justiça, nossa pobreza por Sua “subsistência vitalícia” (v.30), e nos alegraremos em Sua presença por toda a eternidade. Persevere em examinar as Escrituras. Pela fé, escute o Espírito Santo a lhe falar “benignamente” (v.28). Continue sendo reavivado e santificado pela Palavra, então você será firmado sobre a Rocha, que é Cristo, e nada poderá abalar as estruturas de sua fé.

Feliz semana, firmados sobre a Rocha!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #2Reis25 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



2 REIS 25 – VÍDEO COMENTÁRIO PR. RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
15 de setembro de 2019, 0:10
Filed under: Sem categoria



2 REIS 25 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
15 de setembro de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria

636 palavras

no nono ano. Deus revelou a Ezequiel, na Babilônia, o dia em que o cerco de Jerusalém começou (Ez 24:1-4). CBASD-Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 2, p. 1088.

contra Jerusalém. O cerco não foi somente contra Jerusalém. Destacamentos do exército foram enviados “contra todas as cidades que restavam de Judá”. CBASD, vol. 2, p. 1089.

sitiada. Para detalhes do terrível cerco, ver Jeremias 37 a 39. CBASD, vol. 2, p. 1089.

apertada de fome. Por esse tempo a fome tinha se tornado tão severa que já não era possível se defender. As mães comiam seus próprios filhos e a pele das pessoas se tornara negra e ressecada (Lm 2:11, 12, 19, 20; 4:3-10; 5:10). CBASD, vol. 2, p. 1089.

arrombada. Os aríetes abriram uma brecha no muro da cidade. CBASD, vol. 2, p. 1089.

os homens de guerra fugiram de noite pelo caminho que está entre os dois muros. A fuga foi feita pelo vale do Tiropeon, adiante do tanque de Siloé, que estava no jardim do rei (Ne 3:15), próximo à junção dos vales de Hinom e Cedrom. Um segundo muro foi edificado a sul e sudeste do antigo muro para proteger o tanque de Siloé (ver 2Cr 32:4,5, 5; Is 22:9-11). Foi provavelmente entre esse muro e o antigo, de Sião, que a fuga ocorreu. CBASD, vol. 2, p. 1089.

sentença. A acusação nesse caso era de rebelião, a quebra de um voto solene feito por Zedequias (2Rs 24:20). Nabucodonosor tinha se familiarizado com o Deus dos hebreus e exigira que Zedequias confirmasse sua fidelidade por meio de um juramento em nome do Senhor (2Cr 36:13). CBASD, vol. 2, p. 1089.

a ele [Zedequias] vazaram os olhos. Jeremias constantemente alertava a Zedequias de que ele seria levado para Babilônia caso persistisse na rebelião (Jr 32:4, 5; 34:3; 38:23). Ezequiel predisse que ele seria levado para essa terra, mas não a veria (Ez 12:13). CBASD, vol. 2, p. 1089.

E queimou a casa do SENHOR. Esta ação acabou com o templo de Salomão. Além do templo, o palácio e outras estruturas importantes em Jerusalém foram queimadas. A cidade foi deixada em ruína e desolação: uma demonstração impressionante da destruição produzida pelo pecado. A conflagração não ocorreu sem advertência (Jr 21:10; 32:39; 34:2; 37:8, 10; 38:18, 23). CBASD, vol. 2, p. 1090.

10 derribou. Os muros permaneceram em ruínas até que foram reparados por Esdras (Ed 1:1-4; 7:6-9; 9:9) e Neemias (Ne 3; 6:15), muito tempo depois de Ciro ter concedido a repatriação no seu primeiro ano (2Cr 36:22, 23; Ed 1:1-11). CBASD, vol. 2, p. 1090.

11 os desertores. Estas foram as pessoas que aderiram aos babilônios durante o cerco. Jeremias constantemente insistiu a favor da submissão (Jr 27:12; 38:2-4, 17-23) e foi injustamente acusado de ter passado para o lado dos babilônios (Jr 37:13, 14).  CBASD, vol. 2, p. 1090.

21 Judá foi levado cativo. A deportação de cativos para a Babilônia não ocorreu num único ano [605 a.C., 598, 597, 586 e 582 a.C. Um período de 23-24 anos]. CBASD, vol. 2, p. 1090 e 1091.

22 Gedalias. Nabucodonosor diplomaticamente apontou um judeu para ser o governador da terra na administração babilônica. Gedalias vinha de uma família nobre. Seu pai, Aicão, fora um oficial de confiança de Josias (2Rs 22:12) e influenciara Jeoaquim a poupar Jeremias da morte (Jr 26:24). Gedalias apoiou a mesma política de moderação de Jeremias (ver Jr 40:9). CBASD, vol. 2, p. 1091.

23 Joanã. Ver Jr 40:8. Joanã alertou Gedalias que Ismael pretendia traí-lo e se ofereceu para matar Ismael, mas Gedalias não permitiu (Jr 40:13-16). Mais tarde Joanã se voltou contra Ismael e se tornou líder de um grupo de judeus que fugiram para o Egito, forçando Jeremias a acompanhá-lo (Jr 41:14, 15; 42:1, 2. 43:2-7). CBASD, vol. 2, p. 1091.

27 feriram Gedalias. Ismael foi contratado por Baalis, rei de Amom, para assassinar Gedalias(Jr 40:14). O assassinato poderia ter sido evitado se Gedalias tivesse dado atenção ao aviso de Joanã (Jr 40:13-16). Gedalias foi assassinado traiçoeiramente depois de acolher Ismael e seus homens com uma refeição amigável (Jr 41:1-3).

30 subsistência vitalícia [a Joaquim]. O escritor de Reis termina seu livro com a imagem de um antigo rei de Judá, depois de um cativeiro longo e tedioso, terminando a vida em relativo conforto e honra. Na aflição extrema, a semente de Davi não foi totalmente destruída. CBASD, vol. 2, p. 1092.



2 REIS 24 by jquimelli
14 de setembro de 2019, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/2rs/24

O Céu, o centro do universo e onde Deus vive, é um lugar de realidade concreta. A inspiração puxa a cortina para nos dar um vislumbre dessa realidade. Ali, no mesmo lugar em que o pecado se originou, os pecadores arrependidos e perdoados que escolheram acreditar nas promessas de Deus e agir de acordo com elas viverão um dia em corpos trasladados, imortais, ressuscitados.

Enquanto isso, de volta à Terra onde vivemos, nesta semana minha família encarou a tragédia e a morte, assim como o povo de Deus em 586 a.C. quando Jerusalém foi destruída. Os judeus escolheram a descrença e a desobediência diante dos conselhos de Jeremias e de Deus. Eles só olhavam para o presente e não mantinham a mente no céu.

A esperança é o que sempre me salva. A esperança surge quando leio este capítulo da Bíblia. Este capítulo me confirma que Deus está no comando e, eu tenha que enfrentar uma situação semelhante num futuro próximo, Deus é justo e misericordioso. Confio que Ele sabe o que é bom para mim. A esperança me dá coragem para agir pela fé na Palavra de Deus. O cativeiro judeu os curou da idolatria, e a destruição de nossos sonhos falsos também pode nos curar. Apegue-se à esperança!

Cindy Rockney
Secretária da Escola Sabatina
IASD Placerville Califórnia EUA

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=583
Equipe de tradução: Pr. Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli




%d blogueiros gostam disto: