Reavivados por Sua Palavra


APOCALIPSE 3 by jquimelli
23 de setembro de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/apocalipse/ap-capitulo-3/>

Em suas cartas às sete igrejas Jesus apresenta a história cristã e a nossa história. Desde os falsos apóstolos em Éfeso até a sinagoga de Satanás em Esmirna, os nicolaítas de Pérgamo e Jezebel em Tiatira (v. 2, 9, 15, 20), os problemas se tornam progressivamente piores. É um quadro de declínio que culmina com a mais longa das sete cartas (v. 18-29), que descreve a igreja sob o poder de uma mulher sedutora que leva o povo de Deus à idolatria e fornicação espiritual. Esta mulher reaparece mais tarde no livro como “Babilônia, a Grande, a mãe das prostituições” (Ap 17:5).

A sétima e última igreja, a igreja de Laodicéia, parece não ter nenhuma qualidade. É a única igreja em que Jesus não encontra nada para elogiar.

Mas ainda existe esperança para Laodicéia. Jesus se recusa a desistir, porque Ele ama a Sua Igreja. Nós somos o objeto de Sua suprema atenção. Ele morreu por nós. Nós somos o objeto de Sua total atenção. Ele está retornando – para nos levar ao lugar que Ele preparou para nós. Jesus diz: [Eu] “repreendo e disciplino aqueles que eu amo. Por isso, seja diligente e arrependa-se” (v. 19 NVI).

Não podemos desenvolver o arrependimento por outros – essa é uma questão pessoal. A mensagem a Laodicéia é dirigida a cada um de nós, individualmente. Jesus está batendo.

Clinton Wahlen, PhD
Diretor Associado do Instituto de Pesquisa Bíblica
Estados Unidos

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=1416
Comentário original completo: https://reavivadosporsuapalavra.org/2015/06/30
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Gisele Quimelli e Jeferson Quimelli
Comentário em áudio Pr. Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/ReavivadosB/Reavivados23-09-2018.mp3

Audio online [voz: Valesca Conta]:



APOCALIPSE 3 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
23 de setembro de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



APOCALIPSE 3 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
23 de setembro de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

APOCALIPSE 3 – Jesus fez uma promessa antes de subir aos Céus, em Mateus 28:18-20, aos crentes:

“Eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos”.

Após ressuscitar, Jesus passou 40 dias com Seus discípulos, depois subiu ao Céu (Atos 1:3). Decorridos 70 anos, quando os apóstolos tinham sido martirizados (exceto João), e a igreja perseguida, Jesus apareceu em Patmos para consolar o aflito apóstolo, revelando que cumpria a promessa de estar presente.

Isso explica porque cada carta às sete igrejas menciona Jesus com títulos característicos da visão de João no capítulo 1. Observe: “Estas são as palavras daquele que…”

1. “…tem as sete estrelas em sua mão direita e anda entre os sete candelabros de ouro” (2:1; conf. 1:12-13, 16, 20).
2. “…é o Primeiro e o Último, que morreu e tornou a viver” (2:8; conf. 1:17-18);
3. “…tem a espada afiada de dois gumes” (2:12; conf. 2:16);
4. …é o “Filho de Deus, cujos olhos são como chamas de fogo e os pés como bronze reluzente” (2:18; conf. 1:14-15);
5. “…tem os sete Espíritos de Deus e as sete estrelas…” (3:1; conf. 1:4, 16);
6. “…é santo e verdadeiro, que tem as chaves de Davi…” (3:7; conf. 1:14, 18);
7. …é o “Amém, a Testemunha Fiel e Verdadeira, o Soberano da Criação de Deus” (3:14; conf. 1:5).

A síntese do capítulo 3, de G. K. Beale, revela que:

• Cristo condena à igreja de Sardes por sua falta de testemunho e suas transigências e anima-a a superar tudo isto para herdar as bênçãos de uma vida de salvação (vs. 1-6);
• Cristo elogia à igreja de Filadéfia por perseverar em seu testemunho, no qual Ele dará a seus membros mais autoridade, e anima-os a seguir perseverando para conseguir uma comunhão e identificação com Ele no fim dos tempos (vs. 7-13);
• Cristo condena à igreja de Laodiceia por seu testemunho ineficaz e sua deplorável condição espiritual e exorta a seus membros a perseverar convertendo-se em testemunhas fieis e renovando sua comunhão com Ele para então reinar com Ele (vs. 14-22).

Sardes ilustra a igreja sem vida; Filadélfia, a igreja missionária; e, Laodiceia, a igreja morna. Aprendamos que testemunhar é a melhor forma de desenvolver-se espiritualmente; ação missionária é o segredo da vida espiritual. Portanto, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



Apocalipse 3 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
23 de setembro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas” (v.6).


Além de se tratar de mensagens proféticas, sem dúvida as cartas às sete igrejas da Ásia são claros recados de Deus ao Seu povo. Somos chamados a ouvir “o que o Espírito diz às igrejas” (v.6, 13 e 22).

A igreja de Sardes representa o período profético de 1517-1798 d.C. A respeito dela, Jesus declarou: “Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives mas estás morto” (v.1). A igreja permanecia em pé, mas permitiu que a apostasia entrasse pelas portas. A sua fé estava morta e os princípios bíblicos lançados por terra. Porém, a Bíblia continua dizendo: “Tens, contudo, em Sardes, umas poucas pessoas que não contaminaram as suas vestiduras e andarão de branco junto comigo, pois são dignas” (v.4). Nesse mesmo período, homens como Lutero, Knox, Calvino, dentre outros, foram precursores do movimento de reforma que mudaria a história do cristianismo. Encontrando forte resistência por parte da igreja romana, milhares de cristãos fiéis foram perseguidos e muitos foram mortos (Dn.7:21). A promessa feita à igreja de Sardes é a garantia das vestes de justiça de Cristo e de um nome digno de ser confessado diante do Pai: “O vencedor será assim vestido de vestiduras brancas, e de modo nenhum apagarei o seu nome do Livro da Vida; pelo contrário, confessarei o seu nome diante de Meu Pai e diante dos anjos” (v.5).

O período inicial da igreja de Filadélfia marca o fim da supremacia papal, em 1798, quando terminaram os 1260 anos proféticos (Dn.7:25; Ap.12:6; 13:5), até o ano de 1844, dando fim às 2300 tardes e manhãs da profecia de Daniel 8:14. Esse período ficou assinalado pelo empenho missionário e pela divulgação e distribuição da Bíblia. “Conheço as tuas obras – eis que tenho posto diante de ti uma porta aberta, a qual ninguém pode fechar – que tens pouca força, entretanto, guardaste a Minha palavra e não negaste o Meu nome” (v.8). O movimento de Reforma ainda era tímido, mas levava avante a obra de proclamar a Palavra de Deus. Foram fundadas neste período a Sociedade Bíblica Britânica (1804) e a Sociedade Bíblica Americana (1816). Em Mateus 24:19, Jesus relatou alguns sinais que precederiam a Sua volta, sinais que foram evidenciados e registrados na História: o escurecimento do sol e a lua vermelha como sangue (19/5/1780); a queda de estrelas (13/11/1833). A palavra Filadélfia significa “amor fraternal”, o que nos leva à conclusão de que o amor era o que impulsionava os cristãos a levantarem a bandeira da verdade. Eles guardaram a Palavra de Deus e Deus também os preservaria (v.10). Logo, o amor faz toda a diferença! Quando andamos em amor, o caráter de Deus é impresso em nós e é-nos feita a promessa de que seremos colunas no Santuário de Deus, e o SENHOR mesmo gravará em nós o Seu nome e o nome da Santa Cidade, a Nova Jerusalém (v.12).

Finalmente, chegamos à última igreja, Laodiceia, que compreende o período de 1844 até a volta de Cristo. Conforme a profecia dos 2300 anos, em 1844 Jesus passou do lugar Santo para o lugar Santíssimo do Santuário Celestial, atuando como o nosso Sumo Sacerdote e dando início à fase do juízo investigativo. Jesus descreveu Laodiceia como uma igreja morna, a ponto de Lhe causar náuseas. Trata-se de um povo que se considera “rico e abastado” (v.17), como se de nada precisasse, um povo presunçoso e acomodado, porém, não sabe que é “infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu” (v.17). Jesus disse, contudo, que chama a atenção daqueles a quem Ele ama (v.19) e faz um convite ao arrependimento. Nós fazemos parte desta igreja profética, portanto, Jesus nos fala agora: “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a Minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, Comigo” (v.20). Eis que Cristo está à porta de nosso coração e bate, e bate, e bate… Você consegue ouvir? É lindo ouvir as batidas de um coração em seu ritmo constante e bombeando sangue para todo o corpo. Isto é vida! Cada batida representa um chamado de Jesus, pois Ele deseja bombear o Seu sangue purificador em todos nós. Isto é vida eterna!

E a promessa que o Senhor nos faz nestes últimos dias é esta: “Ao vencedor, dar-lhe-ei sentar-se Comigo no Meu trono, assim como também Eu venci e Me sentei com Meu Pai no Seu trono” (v.21). Permita que Jesus faça morada em seu coração! Ele te diz, hoje: “Venho sem demora. Conserva o que tens, para que ninguém tome a tua coroa” (v.11).

Feliz semana, salvos pela graça de Jesus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Apocalipse3 #RPSP

*Participe deixando um comentário:



APOCALIPSE 3 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
23 de setembro de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

653 palavras

1 Nome. Neste caso, “reputação”. A hipocrisia caracterizava essa igreja, que não era aquilo que fingia ser. As igrejas da Reforma professaram ter descoberto o que significa viver pela fé em Jesus Cristo. Todavia, em sua maioria, caíram em um estado semelhante ao da organização da qual haviam se separado (cf. 2Tm 3:5). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 7, p. 835.

Estás morto. Protegidas pelo poder e prestígio do estado e abrigadas pelo refúgio de credos confessionais rígidos, as igrejas nacionais do mundo protestante passaram a se contentar, de modo geral, com a forma de piedade, sem seu poder. CBASD, vol. 7, p. 836.

8 Uma porta aberta. Os adventistas do sétimo dia defendem que o encerramento do período de Filadélfia (1844) marca o início do juízo investigativo (ver com. de Dn 7:10; Ap 14:6,7). … O ritual do santuário terrestre consistia essencialmente de duas partes, o serviço diário da ministração pelo pecado, no lugar santo, e o serviço anual, no Dia da Expiação, que era considerado um dia de juízo, no lugar santíssimo (ver Hb 9:1, 6, 7; ver com. de Dn 8:11, 14). Considerando que o santuário terrestre era “figura e sombra das coisas celestes” (Hb 8:5), conclui-se que os serviços diário e anual do santuário terrestre encontram correspondentes no ministério de Cristo no santuário celestial. Falando em termos do santuário terrestre, que era uma “figura do verdadeiro” (Hb 9:24), no antitípico Dia da Expiação, iniciado em 1844, nosso grande Sumo Sacerdote deixou o lugar santo do santuário celestial e entrou no santíssimo. Assim, a “porta fechada” seria a do lugar santo do santuário celestial e a “porta aberta”, a do santíssimo, no qual Cristo se acha envolvido na obra do grande antitípico Dia da Expiação, desde 1844. … Em outras palavras, a “porta fechada” indica o encerramento da primeira etapa do ministério celestial de Cristo e a “porta aberta”, o início da segunda etapa. CBASD, vol. 7, p. 838.

Ninguém pode fechar. Cristo levará avante a obra de redenção até terminá-la. O ser humano nada pode fazer para impedir Seu ministério nas cortes do Céu, nem em Sua jurisdição e em Seu controle sobre as questões terrenas. CBASD, vol. 7, p. 838.

12 Nova Jerusalém. Não é “nova” no sentido de ser uma réplica da cidade literal com o mesmo nome, mas o contraste celestial de sua correspondente terrena. A antiga Jerusalém deveria ter se tornado uma metrópole nesta Terra e perdurado para sempre (ver vol. 4, p. 16, 17). Todavia, por sua falha em cumprir o plano designado, esse papelk será concedido à nova Jerusalém. A expressão “nova Jerusalém” só ocorre no Apocalipse, mas o conceito é anterior (ver Gl 4:26; Hb 12:22; sobre o conceito de “Jerusalém”, ver com. de Js 10:1). CBASD, vol. 7, p. 838.

18 Ouro. Representa as riquezas espirituais, oferecidas como o remédio de Cristo para a pobreza espiritual dos laodicenses. Este “ouro” figurado pode ser interpretado como uma referência à “fé que atua pelo amor” (Gl 5:6; Tg 2:5; cf. PJ, 158) e às obras que resultam da fé (ver 1Tm 6:18). CBASD, vol. 7, p. 843.

Refinado pelo fogo. Sem dúvida, a referência aqui é à fé que foi provada e purificada pelo fogo da aflição (ver com. de Tg 1:2-5; cf. Jó 23:10). CBASD, vol. 7, p. 843.

Vestiduras brancas. Fazem contraste com a nudez dos laodicenses, que se destacava diante da ostentação de acharem que não careciam de nada (v. 17). As vestiduras brancas podem ser interpretadas como a justiça de Cristo (Gl 3:27; ver com. de Mt 22:11; Ap 3:4; cf. T4, 88). CBASD, vol. 7, p. 843.

Colírio. Perto de Laodicéia, havia um templo dedicado ao deus frígioMen Karou. Uma famosa escola de medicina se desenvolveu junto com o templo, e lá era possível conseguir um pó para os olhos. Esse fato pode formar o contexto para a figura empregada aqui. O colírio figurado oferecido aos laodicenses é o antídoto do Céu para a cegueira espiritual. O propósito é abrir os olhos para a verdadeira condição da igreja. Esta é a obra do Espírito Santo (ver Jo 16:8-11). Somente por meio de Sua obra de convencimento é que a cegueira espiritual pode ser removida. CBASD, vol. 7, p. 843.



APOCALIPSE 3 – COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
23 de setembro de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria



APOCALIPSE 2 by jquimelli
22 de setembro de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/apocalipse/ap-capitulo-2/

A visão de João acerca de Cristo em Apocalipse 1 a 3 descreve Jesus com imagens altamente simbólicas e também descreve a Igreja de Jesus de forma simbólica. Essa é uma das muitas pistas de que as sete igrejas da Ásia representam simbolicamente a Igreja ao longo da história. Jesus encontra algo a elogiar na maioria das igrejas. Mas, como um médico fiel, Ele também diagnostica os males da Igreja em cada época.

O quadro geral apresentado em Apocalipse 2 é o de uma igreja sob ataque, de dentro e de fora. A igreja de Éfeso, representando a era apostólica, é uma igreja fiel e ativa. Eles erradicam a apostasia e não se cansam de fazer o bem. A primeira igreja teve um sucesso evangelístico tão grande que Paulo pode dizer que o evangelho tinha sido “pregado a toda criatura debaixo do céu” (Col. 1:23). Mas, com o tempo, eles perderam o primeiro amor (Ap. 2:4). “Depois de algum tempo, porém, começou a minguar o zelo dos crentes, bem assim seu amor a Deus e de uns para com os outros” (White, Atos dos Apóstolos, 324).

Mesmo em nossa melhor fase, podemos estar tão preocupados com a obra do Senhor, que perdemos de vista o Senhor da obra. Esquecemo-nos de que o verdadeiro sucesso, na estimativa divina, só é possível quando olhamos para Jesus. Todos os dias precisamos nós também de uma nova visão acerca de Cristo; precisamos ter o nosso amor por Ele renovado; precisamos da garantia de que começamos o dia em Sua força e com o senso de Sua presença. Então, nos lembraremos de que o nosso trabalho é na verdade o Seu trabalho e nossas vidas beneficiarão aqueles que nos rodeiam com a fragrância do Seu amor e graça.

Clinton Wahlen, PhD
Diretor Associado do Instituto de Pesquisa Bíblica
Estados Unidos

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=1415
Comentário original completo: https://reavivadosporsuapalavra.org/2015/06/29
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Gisele Quimelli e Jeferson Quimelli
Comentário em áudio Pr. Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/ReavivadosB/Reavivados22-09-2018.mp3




%d blogueiros gostam disto: