Reavivados por Sua Palavra


HEBREUS 3 by jquimelli
20 de agosto de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/hebreus/hb-capitulo-3-2/

Ao lermos Hebreus 3 e pensarmos na enorme oportunidade desperdiçada pela geração israelita do deserto de entrar na terra prometida, podemos ser tentados a pensar que teríamos feito diferente caso estivéssemos na mesma situação. O autor de Hebreus diz, entretanto, que “hoje” temos exatamente a mesma oportunidade. Se quisermos, podemos entrar no descanso de Deus.

Por que Israel falhou aonde Jesus venceu? Penso que isso tem a ver com o “engano do pecado” (Hb 3:13 ARA). O pecado sugere que a única coisa que importa é “o hoje”. Quando a nossa segurança do “hoje” está ameaçada, tendemos a esquecer do cuidado de Deus no passado e suas promessas para o futuro, porque as exigências do presente sequestram nossa atenção.

Deus, no entanto, nas palavras do Salmo 95, convida-nos a fazer o oposto: a romper o domínio da urgência, a escravidão do presente, e “hoje” nos lembrarmos tanto do cuidado que Deus tem demonstrado no passado quanto de Suas promessas para o futuro. Então, e somente então, entramos em Seu descanso.

Felix H. Cortez
Universidade Andrews
Estados Unidos

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=1382
Comentário original completo: https://reavivadosporsuapalavra.org/2015/05/27
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Gisele Quimelli e Jeferson Quimelli
Comentário em áudio: Pr. Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/ReavivadosB/Reavivados20-08-2018.mp3

Áudio online [voz Valesca Conty]:



HEBREUS 3 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
20 de agosto de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



HEBREUS 3 – COMENTÁRIO PR Heber Toth Armí by jquimelli
20 de agosto de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

HEBREUS 3 – Pode ser que acostumamo-nos com o fato de sermos cristãos; consequentemente, relaxamos e nos acomodamos num estágio, quando deveríamos continuar avançando. O livro de Hebreus visa tirar-nos de nossa zona de conforto e apelar veementemente pela nossa consagração incessante.

Veja que este livro foi elaborado visando alcançar desde o culto ao iletrado. “Hebreus começa como um tratado, transcorre como um sermão e termina como uma carta. A carta tem linguagem, estilo e estrutura cuidadosamente elaborada. É o livro do Novo Testamento cuja linguagem mais se aproxima dos clássicos gregos e tem a mais refinada retórica de seu tempo” (Álvaro César Pestana).

O capítulo supracitado tem a seguinte síntese, conforme Simon Kistemaker:

A. Uma comparação entre Jesus e Moisés (vs. 1-6);
B. Uma advertência contra a descrença:
1. Escrituras (vs. 7-11);
2. Aplicação (vs. 12-15);
3. Conclusão (vs. 16-19).

Para meditar:

• Na jornada cristã é importante aceitar o apelo para considerar o Apóstolo e Sumo Sacerdote de nossa confissão: Jesus Cristo, maior que Moisés em honra e glória.

• A perseverança que o cristão deve prezar difere grandemente da premissa: “Uma vez salvo, salvo para sempre”. Por isso, “seremos companheiros de Cristo se continuarmos firmes até o fim na confiança que temos tido desde o princípio” (v. 14).

• Os crentes precisam ser confrontados pelas palavras do Espírito Santo: “Hoje, se ouvires a Sua voz [de Deus], não endureçais o vosso coração…” tanto quanto os descrentes e incrédulos.

• Rebelar-se contra Deus significa rejeitar a vida presente e a futura. Incredulidade só resulta em fatalidades.

• A desobediência tem sua raiz na incredulidade. A piedade prática tem sua raiz na consagração diária e submissão à Palavra de Deus.

• O passar do tempo não deve resultar num endurecer do coração, mas em amolecer, para que não venhamos esmorecer antes de chegar ao nosso destino.

• “Os cristãos hebreus compunham uma ‘igreja cansada’ e prestes a se desviar. A carta vai tentar impedir o desvio pelo fortalecimento da fé e esperança” (Pestana).

• O apelo incrustrado em cada página de Hebreus deve nos despertar para a realidade de perseverar.

O agora é a certeza que temos para tomar a decisão certa ao lado da salvação, amanhã é incerto.

Por conseguinte, nunca deixe para amanhã o que se deve fazer hoje! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



HEBREUS 3 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
20 de agosto de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Hoje, se ouvirdes a Sua voz, não endureçais o vosso coração” (v.15).


Pela primeira e única vez nas Escrituras, Jesus recebe o título de “Apóstolo” (v.1). Como alguém que deixa a sua própria vontade de lado, Cristo veio e cumpriu fielmente a Sua missão conforme a vontade de Seu Pai. Sendo o superior e incomparável Apóstolo, preparou a primeira formação de apóstolos que, seguindo o Seu exemplo, renunciaram a própria vida por amor ao evangelho que creram e abraçaram. Crer na Palavra de Deus e em Cristo consiste em seguir os passos de Jesus, assim como Ele andou sobre as pegadas de Deus (Jo 15:10). A expressão “santos irmãos” (v.1) indica o cuidado e o amor do autor para com os judeus cristãos, a fim de deixar claro que o seu objetivo não era feri-los, mas orientá-los quanto ao perigo de sustentar uma religião cerimonialista, tradicional, mas nada relacional.

A consideração e o respeito por Moisés e “suas leis” eram elevados acima da honra que deveria ser dada ao Legislador divino. O recado do autor foi mais ou menos o seguinte: “Ei, vocês que foram separados para habitar no Céu, considerem com muita atenção a obra realizada por Cristo na Terra e a obra que agora Ele realiza no Céu”. Ele não disse: “observem as obras de Moisés, ou de Abraão”, ou de outro patriarca. Mas colocou em ordem os papéis que estavam sendo invertidos. “E Moisés era fiel, em toda a casa de Deus, como servo… Cristo, porém, como Filho, em Sua casa” (v.5-6). Cristo, Cristo e tão somente Cristo, deve ser o fundamento de nossa fé. Construir a casa sobre esta Rocha, “a qual casa somos nós” (v.6), será a nossa única segurança frente à derradeira tempestade que se aproxima.

Tal fundamento possui um significado que Jesus mesmo descreveu: “Todo aquele, pois, que ouve estas Minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha” (Mt 7:24). Tiago complementou este pensamento, ao dizer: “Tornai-vos, pois, praticantes da Palavra e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos” (Tg 1:22). Ouvir e praticar são as duas ações que se fundem no plano da salvação. Precisamos compreender as palavras que Jesus dirigiu aos Seus conterrâneos judeus: “Porque, se, de fato, crêsseis em Moisés, também creríeis em Mim; porquanto ele escreveu a Meu respeito. Se, porém, não credes nos seus escritos, como crereis nas Minhas palavras?” (Jo 5:46-47). Ora, Jesus estava falando aos homens que se diziam fiéis cumpridores da lei de Deus e dos estatutos dados a Moisés. Como, pois, Jesus afirmou que eles não criam nos escritos de Moisés?

Ao citar o exemplo da rebelião de Israel no deserto, o autor revelou o verdadeiro significado do que seja crer conforme a Bíblia: “E contra quem jurou que não entrariam no Seu descanso, senão contra os que foram desobedientes? Vemos, pois, que não puderam entrar por causa da incredulidade” (v.18-19). Ao igualar a desobediência à incredulidade, o autor não abriu um precedente à salvação pelas obras, mas em que a salvação sempre redunda em boas obras, as obras do Espírito Santo. “Assim, pois, como diz o Espírito Santo: Hoje, se ouvirdes a Sua voz, não endureçais o vosso coração” (v.7-8.). A humanidade tem enganado a si mesma ao resistir à voz de um Consolador que está prestes a encerrar a Sua missão nesta terra. E o “engano do pecado” (v.13) enrijece o coração até que se torne insensível à voz do Espírito Santo.

A resposta de Paulo ao carcereiro romano, portanto, não foi uma frase de efeito apenas, mas uma firme decisão que pode nos custar a própria vida: “Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa” (At 16:31). Aquele que veio “engrandecer a lei e fazê-la gloriosa” (Is 42:21), está reunindo os Seus últimos e fiéis servos, cuja vida está edificada sobre a Rocha, “porque são estes que o Pai procura para Seus adoradores” (Jo 4:23). Homens e mulheres, jovens e velhos, que como o salmista, possam exclamar: “Quanto amo a Tua lei! É a minha meditação todo dia!” (Sl 119:97). Servos fiéis de Deus cuja obediência exale o bom perfume de Cristo, e não o legalismo de um fariseu. “Porque nos temos tornado participantes de Cristo, se, de fato, guardarmos firme, até ao fim, a confiança que, desde o princípio, tivemos” (v.14). Deseja ser um fiel servo de Cristo? Peça ao Espírito Santo que lhe ajude a viver como Ele viveu, “tornando-se obediente até à morte” (Fp 2:8.).

Bom dia, fiéis servos de Jesus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Hebreus3 #RPSP

Deixe o seu comentário



Hebreus 3 – Comentários Selecionados by jquimelli
20 de agosto de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

778 palavras

1 Santos irmãos. Todos os crentes são “irmãos” em Cristo. Considerando, porém, que Hebreus é dirigido principalmente aos judeus cristãos, o termo “irmãos” aqui parece se referir a esse grupo mais restrito. O assunto dos capítulos seguintes, as lições da história do antigo Israel, seria particularmente significativo para os “irmãos” judeus em Cristo. Eles são chamados de “santos”, no sentido de que sua vida era dedicada a Deus, não no sentido de que eles não tinham falhas ou deficiências. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 7, p. 439.

2 Fiel. A referência aqui é à fidelidade de Jesus a toda a Sua missão na Terra. Na encarnação, Ele Se humilhou, abriu mão das prerrogativas da Divindade. Tomando a natureza humana, suportou as privações e tentações que cercavam Sua vida na Terra e avançou com determinação e coragem para a cruz. Em todas as coisas, Ele foi fiel ao plano que tinha sido definido antes da criação do mundo. A salvação é grande por sua realização: a renovação do corpo, alma e espírito, e a exaltação da humanidade a um lugar no Céu. CBASD, vol. 7, p. 439.

Para testemunho. A vida e o serviço fiel de Moisés antecipavam a fidelidade de Cristo quando viesse à Terra. Na verdade, todo o sistema cerimonial instituído por Moisés, sob a direção de Deus, deveria servir “para testemunho das coisas que haviam de ser anunciadas”. Era um “testemunho” do ministério de Cristo como “o Apóstolo e Sumo Sacerdote da nossa confissão”. CBASD, vol. 7, p. 441.

8 Não endureçais o vosso coração. Ou seja, não rejeiteis nem negligencieis o apelo misericordioso da voz de Deus. CBASD, vol. 7, p. 442.

Viram as Minhas obras. Ou seja, os israelitas testemunharam múltiplos casos da providência divina, que deveriam ter sido suficientes para levá-los a uma experiência de plena confiança na sabedoria e no poder de Deus. Houve repetidas ocasiões em que Deus poderia tê-los abandonado para seguir seus próprios caminhos perversos. Mas, misericordiosamente, Ele continuou pacientemente a suportá-los. CBASD, vol. 7, p. 443.

12 Perverso coração de incredulidade. Esta sempre fora raiz da dificuldade na relação da humanidade com Deus. Assim foi com Israel no deserto e, mais tarde, na terra de Canaã. Essa mesma dificuldade impede que os cristãos nominais entrem na experiência do “descanso” que é possível por uma verdadeira fé em Cristo. A falta de fé de Israel está em contraste com a fidelidade de Moisés e de Cristo. CBASD, vol. 7, p. 445.

13 Engano. Ou, “ilusão”, “fraude”. As pessoas são atraídas para o pecado porque este parece desejável. Quando Eva viu que o que Deus tinha advertido a não comer parecia “bom”, “agradável” e “desejável”, ela cruzou a linha que separa a justiça e o pecado. O cristão sincero deve cuidar quando qualquer coisa contra o que Deus advertiu começa a parecer atraente e desejável. Quando o que Deus disse ser errado começa a parecer bom, o cristão pode saber que está no terreno encantado de Satanás, em que as coisas parecem ser opostas ao que realmente são. CBASD, vol. 7, p. 446.

14. Participantes de Cristo. Ou, “participantes em Cristo”. O cristão tem parte na vitória e no caráter do bendito Senhor. Participa dos benefícios e das bênçãos que a Jesus cabe desfrutar, como resultado do grande sacrifício na cruz e de Seu ministério como sumo sacerdote nas cortes celestiais. A união com Cristo, aqui e agora, é uma experiência preciosa. Este é o “descanso” em que devemos entrar. CBASD, vol. 7, p. 446.

Desde o princípio. Depois de um tempo, a fé envolvente que acompanha a conversão pode se arrefecer, e o coração cálido pode esfriar. Feliz o cristão que preserva sua primeira fé ao longo da vida. CBASD, vol. 7, p. 446.

16 Quais. Ou seja, os que se rebelaram em Cades-Barneia. Este é um eufemismo, pois quase todos os libertados do Egito estavam envolvidos na rebelião e pereceram no deserto. CBASD, vol. 7, p. 447.

19 Não puderam entrar. A geração de israelitas cuja rebelião atingiu o clímax em Cades-Barneia foi impedida de entrar na terra prometida por causa desse problema fundamental, e não por um ato arbitrário da parte de Deus ou porque Moisés houvesse falhado em prover liderança eficaz. Moisés foi “fiel em toda a casa de Deus” e, por isso, não pode ser acusado dessa falha. A falta de fé daquela geração, demonstrada pela desobediência, tornou impossível que entrasse na terra. CBASD, vol. 7, p. 447.

Incredulidade. A “falta de fé” do povo contrasta com a fidelidade de Moisés. Se o povo tivesse sido mais semelhante a ele, poderia ter entrado na terra. Assim como Moisés, Cristo também é “fiel” e não pode ser responsabilizado pela falha de alguns cristãos em entrar no “descanso” espiritual prometido. Esta é a lição extraída pelo autor da experiência do antigo Israel. CBASD, vol. 7, p. 447.

 

by tatianawernenburg



HEBREUS 3 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
20 de agosto de 2018, 0:06
Filed under: Sem categoria



Hebreus 2 by Jobson Santos
19 de agosto de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/hebreus/hb-capitulo-2-2/

Quando meus filhos eram ainda muito novos eu gostava de ir para o quintal de nossa casa e explorar com eles a magnificência dos céus à noite com a ajuda de um pequeno telescópio. Como somos pequenos em comparação com o vasto universo!

O autor de Hebreus sugere, no entanto, que este salmo tem um segundo significado. O salmo também fala que Jesus seria feito “um pouco menor que os anjos” para que pudesse morrer em nosso lugar e nos salvar (vs. 7, 9; Sl 8:5). O segundo capítulo de Hebreus, fornece, então, um complemento à descrição gloriosa de Jesus no capítulo 1.

O primeiro capítulo fala sobre a grandeza da exaltação de Jesus. O capítulo 2 fala sobre as profundezas da encarnação de Jesus (vs. 9-18). Hebreus 1:1-14 reflete sobre o relacionamento de Jesus com Deus, mas Hebreus 2:5-18 foca no relacionamento de Jesus com os seres humanos. A descrição de Jesus como sumo sacerdote fiel e misericordioso (vs. 17, 18) culmina a descrição do Filho como a manifestação suprema de Deus (1:1-4).

Sim, quando pecamos nos tornamos ainda menores em relação ao universo. Mas, ao enviar Seu Filho para morrer por nós, Deus mostrou o quanto somos importantes diante de Seus olhos.

Oh Deus, “Senhor nosso, como é majestoso o teu nome em toda a terra!” (Sl 8:1, 9 NVI).

Felix H. Cortez
Universidade Andrews
Estados Unidos

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=1381
Comentário original completo: https://reavivadosporsuapalavra.org/2015/05/26
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Gisele Quimelli e Jeferson Quimelli
Comentário em áudio: Pr. Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/ReavivadosB/Reavivados19-08-2018.mp3

Áudio online [voz Valesca Conty]:




%d blogueiros gostam disto: