Reavivados por Sua Palavra


ÊXODO 10 by jquimelli
11 de dezembro de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/exodo/ex-capitulo-10/

Êxodo 10 conta a história de Faraó tentando impedir que os escravos israelitas deixassem o Egito, e das diferentes pragas que Deus envia para convencê-lo. No entanto, o faraó endurece seu coração e tenta estabelecer condições para que os israelitas pudessem sair.

Quantas vezes tentamos fazer acordos com Deus e tiramos certas partes de nossas vidas deste acordo? Obstinados, colocamos outras coisas em nível mais alto de importância do que o relacionamento com Deus. Nesse sentido, nos tornamos como o Faraó que concordou em abrir mão de apenas certos grupos dos israelitas. Quando chegamos a Deus pela primeira vez, permitimos que Ele tenha controle de apenas certas partes de nossas vidas, mas, por fim, precisamos permitir que Deus tenha toda a nossa vida, para que Ele possa trabalhar em nós e através de nós.

Você se vê lutando para dar algo específico em sua vida a Deus e permitir que Ele trabalhe inteiramente em você?

Você está retendo algo Dele que você acha que é mais importante do que seguir a Deus completamente?

Suvan Campbell
Estudante
Academia Adventista dos Grandes Lagos
Cedar Lake, MI, EUA

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=306
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli

Ouça em áudio (Voz: Valesca Conty):



ÊXODO 10 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
11 de dezembro de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



ÊXODO 10 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
11 de dezembro de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

Com as pragas ficam evidentes que a guerra dos deuses não é mitologia, nem filmes de ficção científica: Aconteceu de verdade – embora possa ter inspirado a ambos.

1. Transformar águas do Nilo (7:14-25) em sangue demonstrou que o rio, ora como Hâpi (doador da vida), ora como Osíris, (deus da fertilidade), não era nada diante do Soberano do Universo;

2. A praga das rãs (8:1-5) foi um golpe desferido à outra divindade; rã era adorada como símbolo de Hekt, uma forma da deusa Hathor;

3. Ao ferir o pó da terra para, então, surgir piolhos (8:16-19), pode ter sido um ataque ao deus do deserto, Set;

4. A praga das moscas (8:20-32) pode ser uma humilhação aos deuses Rá e/ou Uatchit, ambos representados por insetos. “Esses julgamentos eram um golpe contra o prestígio de Ísis, esposa de Osíris, e Hathor, maior deusa egípcia” (Merril R. Unger);

5. A peste nos animais (9:1-7) revela o falso poder dos deuses: Ápis, geralmente representado como touro; Hathor, como vaca; Khnum e Amon, como carneiros;

6. A praga dos tumores/úlceras que causaram feridas purulentas (9:8-12) “talvez visasse a três divindades egípcias: Sekhmet, deusa que supostamente controlava as enfermidades; Sunu, deus da pestilência; e Ísis, deusa da cura” (Abel Ndejarareou);

7. A chuva de pedras/saraivas (9:13-35) pode foi um golpe à deusa egípcia do céu, Nut; evidenciando que o verdadeiro Deus do Céu é o Senhor Jeová;

8. A praga dos gafanhotos (10:1-20) devia afetar a crença na deusa Serafis e Ísis, que supostamente protegiam a lavoura egípcia;

9. A praga dos três dias de trevas/escuridão totais (10:21-29) afrontou ao deus Ra, nome dado ao sol – principal deus do panteão egípcio.

Cada praga golpeava fatalmente vários deuses egípcios, pois havia muitíssimos. O Deus verdadeiro revelou a incapacidade de qualquer outro ser deus; intentando assim, atrair todos (egípcios e israelitas), da adoração dos falsos deuses para Ele, o único Deus verdadeiro.

Não existem deuses, feitiços, macumbas, ciências ocultas, alquimia, etc. que invalidem o poder de Deus!

Há um grande conflito: Satanás tentando iludir com falsas divindades, e Deus revelando a verdade. Cabe a cada um de nós tomarmos decisão sábia de honrar e testemunhar do verdadeiro Deus – sem titubear como titubeou Faraó!

Querido(a): Não endureça teu coração! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



Êxodo 10 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
11 de dezembro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Agora, pois, peço-vos que me perdoeis o pecado esta vez ainda e que oreis ao Senhor, vosso Deus, que tire de mim esta morte” (v.17).


Após sete terríveis pragas, Faraó não mais endureceu o coração, mas, de fato, estava “de coração endurecido” (Êx.9:35). Uma vida que continuamente se recusa a dar ouvidos à voz de Deus, corre o sério risco de fechar de uma vez por todas a porta do coração. Petrificado pela soberba, o orgulhoso monarca permanecia firme em seu propósito de não deixar ir os filhos de Israel. Não obstante a sua oposição, o Senhor a usaria para fazer os Seus “sinais no meio deles” (v.1) e para que as futuras gerações de Seu povo soubessem que Ele é o Senhor (v.2).

Mesmo diante da incredulidade irredutível de Faraó, Deus não desistia de lhe falar, apelando-lhe à consciência: “Até quando recusarás humilhar-te perante Mim?” (v.3). Enquanto o seu antecessor reconheceu, através de José, o Senhor como Deus verdadeiro, ele permanecia negando obedecer-Lhe a voz e trazendo ruína sobre toda a terra do Egito. As consequências da oitava praga foram aterradoras, de forma que a fala de Faraó parecia bem convincente de que, finalmente, não só deixaria ir o povo de Deus, mas também de que o seu próprio coração havia sido quebrantado. Contudo, motivações erradas produzem frutos indignos da bênção divina. Como a escuridão que dominava o coração de Faraó, toda a terra do Egito seria mergulhada em densas trevas.

Ignorando as advertências da Palavra de Deus, muitos têm caminhado como que tateando no escuro enquanto sustentam a falsa ideia de que está tudo bem. Cerrando o coração aos apelos do Espírito Santo, insistem em desafiar o poder do Senhor e ignorar Seus instrumentos humanos enviados para o próprio benefício deles. E confundindo liberdade com libertinagem preferem arriscar a própria vida e a de outros, a ter que se submeter à vontade de Deus. Muitos egípcios morreram por causa da teimosia de seu governante. De igual modo, milhares têm perecido devido à impiedade dos que os cercam. As escolhas erradas que fazemos não nos afetam apenas, mas podem tornar-se flechas fatais na vida de outros.

Você e eu, recebemos do Senhor uma missão desafiadora e urgente. Proclamar ao mundo as verdades de Sua Palavra. Há um “Egito” que precisa conhecer a Deus, e mesmo que nem todos aceitem a Cristo como Senhor e Salvador de suas vidas, certamente alguns o farão. Quando Jesus voltar, “nem uma unha ficará” (v.26) daqueles que O amam. Mas todo aquele que resistir ao último chamado de Deus, morrerá em seus pecados no dia em que vir o Seu rosto. Aproxima-se o tempo em que a graça estará encerrada e após um curto período de “trevas espessas” (v.22), quando o relógio deste mundo marcar a hora mais escura, brilhará o Sol da Justiça trazendo em Seus raios a luz triunfante da salvação.

Há uma Canaã prometida para você e para mim. Que estejamos prontos para subir, fazendo a vontade de Deus em todo o momento, “até que cheguemos lá” (v.26).

Bom dia, aqueles que amam ao Senhor!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Êxodo10 #RPSP

Comentários em áudio:
https://www.youtube.com/user/nanayuri100
https://www.youtube.com/channel/UCzzqtmGdF4UqBopc6CRiqLA



ÊXODO 10 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
11 de dezembro de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria



ÊXODO 10 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
11 de dezembro de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria

696 palavras

2 para que contes quantos prodígios fiz. O relato aos descendentes serviria para manter viva a lembrança dos atos remidores de Deus. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Uma clara afirmação do plano divino que envolvia Faraó. As pragas visavam ensinar a Israel e deixar uma indelével impressão sobre a sua posteridade. Bíblia de Genebra.

De fato, durante toda subsequente história de Israel, o motivo básico para toda a vida religiosa do povo era esta história de como Deus tinha salvo e resgatado um povo particularmente Seu, que reconhecia Sua soberania. saibais. Não … teorias vãs acerca de Deus, mas sim, uma verdadeira experiência religiosa de andar com Deus. Bíblia Shedd.

4 gafanhotos. Esta oitava praga já é mais severa: mesmo as invasões normais no oriente formam nuvens de gafanhotos que devoram em poucas horas toda espécie de alimento em área de quilômetros quadrados. Mas esta invasão foi excepcional (6; cf Jl 2.1-11). Bíblia Shedd.

7 os oficiais. Assim como os magos já se retiraram da luta (9.11), agora são os oficiais que estão se rendendo à evidência, chegando a se opor abertamente à política louca de um rei totalitário. Bíblia Shedd.

8 porém. a obediência a Deus dos não sinceramente convertidos contém sempre um “porém” significativo. Este porém é a condenação dos ímpios, porque, na verdade, é rebeldia contra Deus. Bíblia Shedd.

11 Só os homens podem ir. Da perspectiva de Faraó: 1) as mulheres e crianças deviam ficar como reféns, e 2) em geral eram só os homens que participavam plenamente do culto. Bíblia de Estudo NVI Vida.

12 [O] v. 12 nos ensina que a sequência ao pecado é o julgamento divino, que é inevitável, quando não imediato. A terra inteira sofreu as consequências, pois o pecado sempre traz grandes danos até para terceiros inocentes. Bíblia Shedd.

16 pequei. Uma ideia muito fraca sobre o pecado é de quem antevê as consequências do seu erro, e quer se livrar delas. Faraó teme os poderes manifestos em Moisés, mas não teme ao poder de Deus. Como todo pecador, pensa que se trata de um erro esporádico (esta vez ainda) e não percebe o abismo em que se precipita sem possibilidade de se salvar sozinho. Bíblia Shedd.

19 nem ainda um só. Deus faz Sua parte com perfeição, em resposta à oração da fé do seu servo obediente. Bíblia Shedd.

21-29 A próxima praga com sua escuridão tem como alvo Amon-Ra, o deus sol do Egito e um dos deuses mais importantes. Amon-Ra era considerado o pai divino de Faraó. Portanto, a exposição do desamparo de Amon-Ra diante do poder do Senhor destruía o cerne da crença egípcia.

21 trevas. Assim como a terceira e a sexta praga, essa nona chegou sem o faraó ter sido previamente avisado. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Resposta imediata à perfídia de Faraó, mencionada no v. 20. Bíblia Shedd.

22 trevas espessas. Essas trevas, como é óbvio, eram mais do que uma tempestade de areia ou um eclipse do sol. Foram trevas sobrenaturais, como aquelas associadas com o Dia do Senhor (Is 8.22; 58.10; Jl 2:2; Am 5:20; Sf 1.15; cf Dt 28.29). Os egípcios tipicamente celebravam a luz matinal quando o deus-sol, Rá, segundo se pensava, vencia a temível serpente do caos e das trevas hostis. Essas trevas sobrenaturais foram outra demonstração da superioridade do Senhor sobre o panteão egípcio (7.19; 8.3). Bíblia de Genebra. [NC: A maioria dos demais comentários aponta para a possibilidade de uma densa tempestade de areia. Pessoalmente, achamos hipótese das trevas sobrenaturais a mais razoável].

26 nem uma unha ficará. Moisés já aprendeu a lição de obediência completa à vontade de Deus, e sabe que o alívio momentâneo de algum compromisso com as exigências do mundo comprometeria a plenitude de alegria da vitória, na sua comunhão com Cristo. Bíblia Shedd.

28 Retira-te. Ordenar a retirada do profeta de Deus era a maneira de tentar excluir Deus da vida de Faraó. Mas Deus não pede audiência aos homens. Bíblia Shedd.

29 nunca mais. Era o fim da missão de Moisés para com aquele rei egípcio. Em 12.31 apenas atende ao rei para ouvir sua confissão de derrotado, sem pedir audiência, pois quem persuadiu a Faraó com a praga final fora o próprio Deus. Bíblia Shedd.

nunca mais verá a minha face. Numa praga de trevas, essas palavras soam um pouco irônicas. Bíblia de Estudo NVI Vida.



ÊXODO 9 by jquimelli
10 de dezembro de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/exodo/ex-capitulo-9/

A sétima praga, de granizo, espalhou a morte na terra do Egito, mas “na terra de Gósen, onde estavam os filhos de Israel, não houve granizo”. Isso é um lembrete de que Deus exercita Seu poder para proteger Seu povo, não para prejudicá-lo. O Salmo 91: 9-10 nos diz que nenhuma praga prejudicará aqueles que fazem de Deus seu refúgio. À medida que nos aproximamos do fim da história deste mundo, quando as sete últimas pragas caírem sobre este mundo, sou agradecido de que Deus use Seu poder para proteger e libertar Seu povo de seus inimigos.

Outra coisa que me surpreendeu foi o falso arrependimento do faraó. Faraó confessou que havia pecado, porque “o SENHOR é justo” e deixaria os israelitas livres. Mas quando o trovão e o granizo cessaram, o faraó endureceu seu coração novamente e não deixou os israelitas partir.

Com que frequência eu ajo como o faraó? Com que frequência eu me volto para Deus apenas para “sair de apuros”, quando deveria estar focado em Sua bondade? Sua bondade é a única coisa que leva ao verdadeiro arrependimento (Rm 2 4).

Aron Crews
Capelão da Great Lakes Adventist Academy
Cedar Lake, MI, EUA

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=305
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli

Ouça em áudio (Voz: Valesca Conty):




%d blogueiros gostam disto: