Reavivados por Sua Palavra


JOEL 1 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
7 de março de 2021, 1:10
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO JOEL 1 – Primeiro leia a Bíblia

JOEL 1 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

JOEL 1 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

COM. VÍDEO PR ADOLFO SUÁREZ(link externo)

COM. VÍDEO PR VALDECI JÚNIOR (link externo)

COM. VÍDEO PR EVANDRO FÁVERO(link externo)

COM. VÍDEO PR WEVERTON CASTRO E EQUIPE (link externo)

COM. VÍDEO PR RONALDO DE OLIVEIRA (link externo)

COM. VÍDEO PR MICHELSON BORGES (link externo)



JOEL 1 by Jobson Santos
7 de março de 2021, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/jl/1

Cada geração enfrenta seus problemas. E vivemos em uma época em que os problemas se acumulam. Simultaneamente podemos ter uma pandemia mortal, nações fragmentadas e padrões climáticos assustadores.

O profeta Joel falou a uma geração como a nossa. A devastação causada pela praga de gafanhotos foi diferente de tudo já visto pelos pais ou avós.

Curiosamente, Deus disse que a praga deveria ser um tópico de conversação com as futuras gerações. “Contem o que aconteceu aos seus filhos, e eles aos seus netos, e os seus netos, à geração seguinte.” Joel 1:3, NVI.

Por qual motivo? Temos o hábito de conversarmos com nossos filhos acerca das coisas sérias? Ou sua vida é despreocupada, orientada pelo prazer e alheia ao sofrimento ao seu redor? Deus, por meio de Joel, diz, “fale com os filhos acerca das coisas mais importantes.”

Abraão foi escolhido porque incluiu seus filhos em conversas sobre coisas importantes (Gênesis 18:17-19). Moisés e Asafe descreveram tal compartilhamento com crianças como um dever com resultados abençoados, “que [as crianças] possam colocar sua esperança em Deus” (Deuteronômio 6:5-8; Salmo 78:1-8).

Então, enquanto esperamos por libertação e ajuda, não privemos nossos filhos de conversas significativas. Eles podem entender que precisamos de Deus. Eles podem entender que as coisas estão difíceis. Eles podem orar. E Deus pode ouvi-los. Talvez orar em meio às dificuldades seja o meio deles aprenderem a colocar sua esperança em Deus, onde ela deve estar.

Eugene Prewitt
Diretor do Instituto de Treinamento do Leste Asiático, Malásia

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1123
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



JOEL 1 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
7 de março de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

924 palavras

Contexto histórico.Joel não diz nada sobre o tempo de sua escrita. Ele não faz como muito de outros profetas (ver Is 1:1; Os 1:1; Am 1:1; etc.), que mencionam os reis sob os quais profetizaram. … Embora nenhuma data possa ser comprovada de forma conclusiva, este Comentário adotou o 7º século … .  CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 1035.

Como as antigas palavras de Joel contém uma mensagem divina atemporal, essa incerteza não diminui a importância de seu estudo e aplicação para a vida dos intérpretes atuais. … A mensagem de Joel, assim como a do profeta Sofonias, é dominada por um único tema: o dia do Senhor, ocasião da retribuição divina. Biblia de Estudo Andrews.

1 Palavra do SENHOR. Joel garante ao leitor que sua mensagem não se originou de si mesmo. Suas palavras foram ditas pelo Senhor. Ele assegura ter a inspiração divina, assim como outros profetas (Os 1:1; Mq 1:1; etc.; cf. 2Tm 3:16; 2Pe 1:20, 21). CBASD, vol. 4, p. 1037.

Joel. O nome provavelmente significa “o Senhor é Deus”. … Nada se sabe sobre Petuel. CBASD, vol. 4, p. 1037.

Aconteceu isto … ? A calamidade era algo novo na memória das pessoas. … Por esse dispositivo eficaz Joel sublinha a importância incomum de sua mensagem. CBASD, vol. 4, p. 1037.

Velhos. Ou, anciãos. Membros proeminentes da sociedade que desempenhavam uma importante função de liderança nos tempos de Joel (2:16). Eles também são mencionados em outros livros da Bíblia (2Rs 23:1; Jr 26:17). Biblia de Estudo Andrews.

terra. O reino do sul, Judá (3:1, 20). Biblia de Estudo Andrews.

4 São usadas quatro palavras hebraicas diferentes para se referir aos gafanhotos. No entanto, não se sabe se estas palavras denotam quatro espécies diferentes de gafanhotos, quatro etapas diferentes do desenvolvimento de um só gafanhoto (isto é, da pupa até a maturidade) ou se são sinônimos usados simplesmente para acrescentar variedade ao texto. De todo modo, a imagem é a mesma: destruição total do suprimento de comida. Biblia de Estudo Andrews.

Cortador. Do heb. gazam, que vem de uma raiz que significa “cortar”, portanto, empregada para representar um gafanhoto cortador. CBASD, vol. 4, p. 1037.

Migrador. Do heb. ‘arbeh, usado para representar o enxame ou os gafanhotos migradores. Os gafanhotos que assolaram os egípcios são identificados como ‘arbeh (Êx 10:4-19). CBASD, vol. 4, p. 1037.

Devorador. Do heb. yelek, que se considera ser um rastejante, um estágio não-alado do gafanhoto. CBASD, vol. 4, p. 1037.

5 Ébrios. De modo poético, os bebedores de vinho são chamados a lamentar seu destino. Privados de seu meio favorito de indulgência, eles são convidados a despertar de sua letargia para derramar as lágrimas de desilusão. CBASD, vol. 4, p. 1038.

6, 7 O “povo … inumerável” é uma referência ao enxame incontável de gafanhotos invasores. Por meio de uma linguagem metafórica, comparando gafanhotos a leÕes, o profeta se refere à habilidade deste inseto de devorar a vegetação e desfolhar as árvores. Biblia de Estudo Andrews.

7 Tirou-lhe a casca. Depois que os gafanhotos devoram tudo que é verde e suculento, atacam a casca das árvores. CBASD, vol. 4, p. 1038.

8 Marido da sua mocidade. Sem dúvida, se trata daquele com quem a moça estava comprometida e a quem ela amava sinceramente, mas que morreu antes de se casarem. Em vez de um vestido de noiva, ela coloca uma roupa de luto feita com pano áspero de saco. Sob a lei mosaica, um compromisso de noivado, em seus aspectos gerais, era considerado como um casamento (ver com. [CBASD] de Dt 22:23; Mt 1:18-20). CBASD, vol. 4, p. 1038.

pano de saco. Tecido rústico e escuro usado para expressar penitência (Jn 3:5-8) ou luto (Lm 2:10, ARC). Biblia de Estudo Andrews.

9 Oferta de manjares. Ou, “oferta de cereais”(sobre a natureza desta oferta, ver Lev 2:1). Uma parte destas ofertas era para o sustento dos sacerdotes (Lv 2:3; 6:16; 10:12-15). CBASD, vol. 4, p. 1038.

10 E a terra, de luto. Mediante uma personificação simbólica, a terra é representada como estando de luto em sua improdutividade. CBASD, vol. 4, p. 1038.

12 A vide … a figueira … a romeira … a palmeira e a macieira. A enumeração dos efeitos da seca … em várias plantas e árvores é, sem dúvida, para enfatizar a sua gravidade. Os v. 10 a 12 também descrevem adequadamente os efeitos da quarta das sete últimas pragas (Ap. 16:8, 9; cf. GC, 628). CBASD, vol. 4, p. 1038.

13, 14 Este “desastre natural”da praga de gafanhotos era, na verdade, uma crise espiritual. Os sacerdotes são chamados a exercer liderança espiritual, humilhando-se diante do Senhor em autonegação e arrependimento, e também convocando o povo para ir ao templo clamar ao Senhor. Biblia de Estudo Andrews.

14 Assembleia solene. Do heb. ‘atsarah, do radical ‘atsar, “deter”, “restringir”, no sentido de interromper todo o trabalho com o propósito de convocar uma assembleia. CBASD, vol. 4, p. 1039.

15 O Dia do SENHOR. Uma expressão comum entre os profetas (Is 2:12; 13:6; Ez 30:3; Am 5:18; Sf 1:14; etc.; sobre o significado da expressão, ver Is 13:6). Primeiramente, Joel está se referindo aos julgamentos iminentes sobre Judá. Em princípio, suas previsões se aplicam também ao dia do julgamento final que virá sobre o mundo (ver p. 24, 25 [CBASD]). CBASD, vol. 4, p. 1039.

Como Joel e outros profetas revelam (Am 5:18-20; Sf 3:8-13), será um tempo de destruição para todos que recusarem o arrependimento e um momento de salvação para quem “invocar o nome do SENHOR”(2:32). Biblia de Estudo Andrews.

Todo-Poderoso. Do heb. Shadai (ver vol. 1 [CBASD], p. 149). CBASD, vol. 4, p. 1039.

16 Destruído o mantimento … da casa do nosso Deus, a alegria e o regozijo? Quando os hebreus da Antiguidade traziam essas e outras ofertas ao Senhor, era uma ocasião de alegria (ver Dt 12:5-7). A praga pôs fim a essa alegria. CBASD, vol. 4, p. 1039.

18 Geme o gado. Este versículo mostra o efeito da infestação de insetos e da seca sobre o reino animal. CBASD, vol. 4, p. 1039.

19 Fogo. O fogo e as chamas provavelmente simbolizam o calor abrasador do sol. CBASD, vol. 4, p. 1039.



JOEL 1 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
7 de março de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

 “Promulgai um santo jejum, convocai uma assembleia solene, congregai os anciãos, todos os moradores desta terra, para a Casa do Senhor, vosso Deus, e clamai ao Senhor “ (v.14).

Apesar da incerteza quanto à época exata das profecias de Joel e de terem sido dirigidas mais especificamente para o povo de Judá, suas palavras têm propósitos escatológicos e globais, a serem transmitidas de geração em geração (v.3). O cancelamento dos rituais sagrados e a destruição dos produtos do campo representavam uma grande tragédia para o povo de Deus; sinais de que a bênção e a presença de Deus haviam se retirado do meio deles. Uma época em que Jerusalém precisava ser sacudida a fim de despertar para a necessidade de um reavivamento espiritual.

Com mensagem semelhante a que vimos ontem, em Deuteronômio 6:4-9, Joel iniciou seu livro enfatizando a importância de darmos ouvidos às palavras do Senhor e transmiti-las a nossos filhos, e estes replicá-las a seus filhos,  “e os filhos destes, à outra geração” (v.3). Um apelo que precisava avançar do círculo familiar para o mundo. Notem que existe uma ordem na convocação: primeiro os sacerdotes, depois os anciãos, e só então todos os moradores da terra (v.13-14). Se vestir  “de pano de saco” (v.13) era um símbolo de arrependimento e humilhação. O Senhor esperava que os líderes espirituais da nação fossem os primeiros a dar esse passo na Sua direção, preparando o caminho para que todos passassem pela mesma experiência.

Assim aconteceu no Pentecostes. De homens ambiciosos por posições no reino de Cristo, os discípulos foram convertidos em homens cheios do Espírito Santo a fim de liderar a igreja primitiva sob o estandarte da cruz. Com a promessa de um poder ainda mais expansivo, o remanescente dos últimos dias aguarda e anseia pelo cumprimento desta profecia. Não podemos, porém, aguardar o cumprimento da promessa enquanto não tivermos a mesma atitude dos discípulos de Jesus:  “Todos estes perseveravam unânimes em oração” (At.1:14). Foram dias de profundo arrependimento e confissão de pecados. Seus corações foram enternecidos pela cruz do Calvário. A cena do amor sem comparação de Seu Mestre pendurado no madeiro era-lhes uma constante lembrança de que seus pecados O haviam pendurado ali.

Quão maior e mais intenso deve ser a manifestação do Espírito Santo no Seu último povo! Não pela importância de quem O recebe, mas pela solenidade e proximidade do maior evento de todos os tempos:  “Ah! Que dia! Porque o Dia do Senhor está perto e vem como assolação do Todo-Poderoso” (v.15).  “Ébrios, despertai-vos e chorai” (v.5)! Aos que ainda estão bebendo do vinho de Babilônia (Ap.14:8), há um chamado a fim de que acordem e se arrependam de seus pecados. Amados, o mundo está caminhando para um colapso jamais visto e muitos têm despertado para isso e buscado a orientação divina para estar preparado para este tempo. E o Senhor deixou bem claro em Sua Palavra que o fator determinante da preparação é a comunhão com Ele.

Abra o seu coração ao  “Maravilhoso Conselheiro” (Is.9:6). Ele está disposto, através do estudo de Sua Palavra, a nos fazer vislumbrar a cruz com a mesma profundidade daqueles que foram testemunhas oculares do precioso sacrifício. Não é tempo de aperfeiçoar rituais e ajuntar tesouros. É tempo de clamar  “ao Senhor” (v.14) pela plenitude do Espírito Santo como preparação para o  “ressoar da última trombeta” (1Co.15:52).  “A Ti, ó Senhor, clamo” (v.19): Dá-nos Teu Espírito!

Vigiemos e oremos!

Feliz semana, cheios do Espírito Santo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Joel1 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



JOEL 1 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
7 de março de 2021, 0:40
Filed under: Sem categoria

O segundo advento de Cristo é o momento de maior expectativa do crente, o que o motiva a um preparo constante. Portanto, deveríamos aprender a observar calamidades que assolam ao mundo como avisos de que o dia do Senhor está próximo.

Em cada época o povo de Deus precisou consagrar-se, arrepender-se, converter-se e voltar a comprometer-se com Deus. Sempre foi necessário mensageiros de Deus erguerem a voz e convocar relapsos espirituais a reavivar-se e reforma-se espiritualmente.

Este capítulo nos revela dois passos usados por Joel para isso, deixando-os como legados a nós:

• Convocação da nação/igreja (vs. 1-12): “Quando ocorrem catástrofes naturais, elas provocam muitas perguntas, como: ‘Por que Deus permitiu que isso acontecesse?’, ‘Por que algumas pessoas vivem, enquanto outras morrem?’, ‘Podemos aprender uma lição com essa experiência?’. Joel não tinha dúvida de que a praga dos gafanhotos podia levar a um conhecimento mais profundo e universal de Deus. Sob inspiração divina, o profeta relacionou no capítulo primeiro a crise nacional com a situação espiritual da terra […]. Mas, ao contrário de muitos outros profetas, Joel não gastou muito tempo analisando as faltas do povo. Ele estava muito mais interessado em enfatizar a cura prescrita pelo Médico de Israel” (Zdravko Stefanovic).

• Convocação dos líderes espirituais à consagração reais (vs. 13-20): “O profeta exortou os líderes espirituais a proclamar um dia nacional de oração e jejum para que as pessoas examinassem profundamente seu coração, renunciassem seus pecados e voltassem para Deus… No fim, esse desastre [dos gafanhotos] podia levar os fies a um relacionamento mais profundo com seu Senhor” (Stefanovic).

Temos curto tempo de vida. O tempo de graça também é curto – Satanás sabe disso (Apocalipse 12:12).

“Sabendo que esse tempo é curto, Satanás se empenha ao máximo para impedir-nos de atender ao apelo da reforma e reavivamento. Agora é, porém, o tempo de implorar que Deus desmascare os embustes de Satanás. Agora, enquanto a trombeta do juízo soa das páginas de Joel, precisamos atender ao apelo para arrependimento e dedicar a vida totalmente à conclusão da obra de Deus em nossa própria pessoa e no mundo” (Leo R. Van Dolson).

• Aproveite cada oportunidade para reavivar tua espiritualidade!
• Em vez de rasgar as vestes, deve-se rasgar o coração!
• Em vez de tristezas, promovamos consagração!

Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



AMANHÃ COMEÇAREMOS A LER JOEL! by Jeferson Quimelli
6 de março de 2021, 12:15
Filed under: Sem categoria



OSÉIAS 14 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
6 de março de 2021, 1:10
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO OSÉIAS 14 – Primeiro leia a Bíblia

OSÉIAS 14 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)  

OSÉIAS 14 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

COM. VÍDEO PR ADOLFO SUÁREZ(link externo)

COM. VÍDEO PR VALDECI JÚNIOR (link externo)

COM. VÍDEO PR WEVERTON CASTRO E EQUIPE (link externo)

COM. VÍDEO PR RONALDO DE OLIVEIRA (link externo)

COM. VÍDEO PR MICHELSON BORGES (link externo)



OSÉIAS 14 by Jobson Santos
6 de março de 2021, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/os/14

O que torna um sacrifício aceitável? Caim ofereceu frutas e seu sacrifício foi rejeitado, enquanto Abel ofereceu um cordeiro que foi aceito. (ver Gênesis 4:3-7). Aparentemente, a resposta está no fato de que oferecer frutas não é um verdadeiro sacrifício: nenhuma delas precisa morrer, nenhuma delas pode doar sangue vital a fim de fazer expiação pelo pecado. Colher frutas realmente não faz mal à árvore ou planta de forma alguma. É um sacrifício que não custa nada.

É por isso que a escolha de palavras de Oséias 14:2 é tão interessante, “Tomai convosco palavras, e convertei-vos ao SENHOR; dizei-lhe: Tira toda a iniqüidade, e aceita o que é bom; e ofereceremos como novilhos os sacrifícios dos nossos lábios.” (ACF)

Aqui, a alusão é que há um sacrifício de palavras que o Senhor considera aceitável. Não quer dizer que as palavras tenham o poder de expiar pecados. Em vez disso, está dizendo que quando nos voltamos para o Senhor, devemos fazer uma confissão que nos custe algo. Precisamos pronunciar as palavras de arrependimento que mudarão tudo. Um “sinto muito” dito de coração, é um bom lugar para começar, junto com um “seja feita a Tua vontade”. Esta é uma oração que o Senhor considera aceitável.

Karen D. Lifshay
Secretária de Comunicação da Igreja Adventista de Hermiston, Oregon, EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1122
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



OSEIAS 14 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
6 de março de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

762 palavras

O último capítulo relembra as principais denúncias e as enquadra no contexto do arrependimento e da renúncia aos seguintes pecados: idolatria, dependência de alianças militares (em vez de depender de Deus) e apostasia. Bíblia de Estudo Andrews.

1 Volta. O cap. 14 é um clímax apropriado para a mensagem de Odeias. O profeta faz um último apelo ao seu povo para abandonar a maldade e voltar para o Senhor. Ainda não era tarde demais. Mas o dia da oportunidade estava passando rapidamente. As nuvens de guerra iam escurecendo o horizonte ao oriente. A Assíria estava no auge de seu poder, e suas ambições imperialistas logo engoliriam a nação israelita embriagada pelo vício e idolatria. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 1029.

2 Tende convosco. O povo podia ter esperado que o retorno ao Senhor exigisse holocaustos ou presentes materiais. Todavia, o profeta não se refere a nenhuma dessas coisas. Um simples pedido de misericórdia acompanhado de arrependimento sincero e confissão era tudo o que o Senhor exigia (ver com. [CBASD] do Sl 32:1). CBASD, vol. 4, p. 1029.

Toda iniquidade. O pecador sinceramente arrependido pode ser livremente perdoado. Uma vez perdoado, o pecado não é mais creditado na conta do pecador (ver com. [CBASD] do Sl 32:2). CBASD, vol. 4, p. 1029.

3 Assíria. O povo se empenhava no que dizia respeito a três dos seus pecados principais: esperar a ajuda da Assíria (ver Os 5:13, 7:11), confiar no cavalos e carros do Egito (ver Os 7:11; cf. Is 31:1) e permanecer na idolatria (ver Os 13:2; cf. Is 42:17). CBASD, vol. 4, p. 1030.

4 Curarei. Deus responde à oração penitente. A apostasia é aqui considerada como uma doença e somente o Médico divino podia curar as enfermidades da alma (ver Jr 8:22; Mt 9:12). CBASD, vol. 4, p. 1030.

É adequado um livro que anuncia o juízo terminar com uma nota de esperança: uma imagem que denota proteção. Bíblia de Estudo Andrews.

Amarei. Quando os pecados são perdoados e a justiça de Cristo cobre o pecador, não importa quão longe ele tenha ido, Deus o aceita como se ele nunca tivesse pecado. Seu registro passado de pecados de modo algum é mantido contra ele, e Deus o ama como a Seu próprio Filho (ver CC, 67). CBASD, vol. 4, p. 1030.

5 Como o orvalho. A imagem do orvalho está ligada à ideia de bênção (Dt 33:13; Mq 5:7). Bíblia de Estudo Andrews.

Em regiões em que há pouca chuva, o orvalho ajuda a refrescar as plantas carentes. Assim, o orvalho se torna um símbolo da fecundidade e a ausência dele, um sinal de seca e de devastação. Assim, Deus se tornaria a fonte da fecundidade espiritual de Israel. Como o orvalho cai, noite após noite, assim Deus, dia a dia, supriria graça suficiente para cada dia. CBASD, vol. 4, p. 1030.

Como o lírio. Uma figura sugerindo qualidades como beleza, pureza, perfume e rápido crescimento (ver Mt 6:28, 29). CBASD, vol. 4, p. 1030.

Suas raízes. As raízes do lírio são fracas, e, portanto, não são uma figura adequada de estabilidade prometida a Efraim. CBASD, vol. 4, p. 1030.

Como a do Líbano. Os cedros do Líbano ou das montanhas do Líbano. CBASD, vol. 4, p. 1030.

6 Como o da oliveira. Comparar com Jr 11:16. A oliveira é chamada de rainha das árvores frutíferas da Palestina. Era especialmente valiosa. Seu óleo era usado como alimento e iluminava. Seu fruto era tão abundante e útil, seu verde, tão esplêndido, e sua folhagem, tão firme e fresca, que provia uma imagem vívida da gloriosa perspectiva de Efraim. CBASD, vol. 4, p. 1030.

7 Voltarão. Por intermédio de Oseias, o Senhor procurou tornar o quadro o mais atraente possível, na esperança de que o convite não fosse recusado. O apelo constitui um clímax apropriado para o livro. CBASD, vol. 4, p. 1030.

O cereal. Literalmente, “eles vivificarão [cultivarão] os grãos”, ou “eles se fartarão com os grãos”(LXX). CBASD, vol. 4, p. 1030.

9 Quem é prudente. Oseias fecha sua profecia com o apelo para que seu povo seja atento às palavras que o Senhor falou por meio dele (para uma definição de sabedoria, ver com. [CBASD] de Pv 1:2). CBASD, vol. 4, p. 1030.

Os padrões de justiça são os caminhos de Deus. Nosso relacionamento com eles determina se somos considerados justos ou ímpios. Bíblia de Estudo Andrews.

Andarão neles. A questão foi claramente colocada diante dos israelitas. Havia dois caminhos diante deles. Eles poderiam continuar em seus maus caminhos e colher os inevitáveis ou poderiam buscar a Deus de todo o coração e obter a salvação. Os desígnios do Senhor, retos e imutáveis seriam cumpridos a despeito do que as pessoas poderiam fazer (Ml 3:6; Tg 1:17). Se elas se perdessem, a culpa seria delas, porque Deus as confrontou com cada estímulo para seguirem o caminho reto (Dt 30:15-20). CBASD, vol. 4, p. 1030, 1031.



OSEIAS 14 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
6 de março de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Quem é sábio, que entenda estas coisas; quem é prudente, que as saiba, porque os caminhos do Senhor são retos, e os justos andarão neles, mas os transgressores neles cairão” (v.9).

O último capítulo do livro de Oseias termina com o apelo comovente do Senhor a Seu povo: “Volta, ó Israel, para o Senhor, teu Deus, porque, pelos teus pecados, estás caído” (v.1). Quando os hebreus saíram do Egito, levaram consigo os costumes pagãos adquiridos nos anos de cativeiro e revelaram um espírito crítico e murmurador que acabou por postergar a sua entrada na terra prometida. Contudo, os quarenta anos no deserto foram significativos na formação do caráter da geração que entraria em Canaã. Em Sua bondade e misericórdia, Deus guiou o Seu povo manifestando constantemente provas de Sua presença e cuidado. Mas, com o passar dos anos, a fartura e a tranquilidade tornaram-se em soberba e egoísmo, e, vez após outra, a Bíblia relata os episódios em que Israel caiu em terrível apostasia.

A fim de evitar a idolatria e a apostasia, o Senhor deixou às famílias de Israel preciosas orientações: “Ouve, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força. Estas palavras que, hoje, te ordeno estarão no teu coração; tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te. Também as atarás como sinal na tua mão, e te serão por frontal entre os olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas” (Dt.6:4-9). Em cumprir essas palavras estava a promessa da bênção e da justiça de Deus de geração em geração.

A situação do povo nos dias de Oseias era resultado direto da desobediência a estas orientações. Os casamentos mistos e as demais associações com os idólatras tornaram Israel uma nação sem identidade, e, por consequência, espiritualmente adúltera. O plano divino para as famílias do antigo Israel deveria ser um modelo para o mundo em todas as gerações. O apelo “Volta, ó Israel” (v.1), apontava para a estrita obediência às Escrituras, para uma vida de fidelidade a Deus mediante “palavras de arrependimento” (v.2) e confissão. Era dever dos pais ensinar aos filhos por preceito e por exemplo, erguendo no lar a Palavra de Deus como perpétuo memorial da verdade que liberta e santifica.

O mesmo dever é requerido hoje dos responsáveis do lar. Como campos frutíferos e férteis, as famílias do Israel espiritual de Deus têm a mesma promessa como garantia de um Deus que não muda (Ml.3:6) e que deseja nos curar, amar (v.4) e vivificar (v.7). “Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e a tua casa” (At.16:31), não foram palavras ditas apenas ao carcereiro e sua família, mas a todos os que confiam no Senhor e nEle buscam o poder do Espírito a fim de ouvir e praticar os Sagrados Escritos. “Quem é sábio, que entenda estas coisas; quem é prudente, que as saiba” (v.9).

Lembremos de Noé, quando ele e sua casa foram os únicos a entrar na arca. Lembremos que no primeiro advento de Cristo, conseguimos contar nos dedos aqueles que reconheceram a Sua chegada. E que a Bíblia chama de “restantes” (Ap.12:17) aqueles que serão encontrados fiéis antes da segunda vinda de Jesus. Que, pela graça do Senhor, nosso Deus, nós e a nossa casa nos voltemos para Ele enquanto há tempo, “porque os caminhos do Senhor são retos, e os justos andarão neles, mas os transgressores neles cairão” (v.9). Vigiemos e oremos!

Feliz sábado, famílias de Deus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Oseias14 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100




%d blogueiros gostam disto: