Reavivados por Sua Palavra


II CRÔNICAS 28:22 – “NO TEMPO DA SUA ANGÚSTIA…” by jquimelli
9 de agosto de 2016, 10:38
Filed under: Sem categoria

"No tempo da sua angústia, cometeu ainda maiores transgressões contra o Senhor;"

Dificuldades e aflições podem devastar pessoas. Ou podem estimular crescimento e maturidade. Para Acaz, grandes problemas levaram ao colapso espiritual. Nós não precisamos responder como Acaz. Quando enfrentarmos problemas ou tragédias devemos nos lembrar que tempos difíceis nos dão a chance de crescer (Tiago 1:2-4). Quando você estiver enfrentando dissabores, não se afaste de Deus – volte-se para Ele. Veja estes momentos como uma oportunidade para clamar pelo socorro de Deus. Life Application Bible Study Kingsway NIV.



II CRÔNICAS 28 by jquimelli
9 de agosto de 2016, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário devocional:

No capítulo 28, Acaz assume o trono aos 20 anos de idade. Ele era jovem, cheio de energia e tinha tudo para ser um bom rei. Ele cresceu tendo uma boa educação e os melhores exemplos a seguir. O reino era rico, forte e a religião estava firmemente estabelecida. Mas, apesar disso, vemos já nos versos de abertura que o rei se corrompeu miseravelmente.

Acaz teve a chance de fazer um reinado de impacto, deixando um poderoso exemplo para séculos vindouros. Mas, ao invés isto, ele dirigiu a nação por um obscuro caminho idólatra e degradou a mente do povo de Deus. Ele abandonou o Templo do Senhor, sacrificou e queimou incenso nos montes, como se isso fosse colocá-lo mais perto do céu. Ele ainda fez ídolos e os adorou, sacrificando no fogo seus filhos a eles. Ele estava completamente e totalmente possuído pelo príncipe das trevas. Então, desde que Acaz abandonou a Deus e Sua proteção, o Senhor também o abandonou, deixando-o nas mãos de seus inimigos. Devido a isso, o povo sofreu e muito sangue foi derramado, famílias foram arruinadas e o país foi desolado.

Durante a leitura deste capítulo, várias lições se destacaram para mim: 1) bons pais e uma boa educação não garantem a salvação; 2) a decisão de um único líder em desobedecer a Deus pode levar milhares a se desviar e 3) quando alguém se coloca voluntariamente nas mãos do diabo, essa pessoa voluntariamente se afasta do plano de proteção de Deus.

A trágica história de Acaz é uma advertência solene de que, no final, é a graça de Deus que salva a alma, e não o meio ambiente, a educação ou até mesmo o exemplo de pais piedosos.

 

Grace Shim
Geração Juventude para Cristo

 

Também disponível em: http://www.revivalandreformation.org/bhp/pt/biblia/2ch/28 e https://www.facebook.com/ReavivadosPorSuaPalavra/
Texto original: http://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/2ch/28
Publicação anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2013/05/16/
Tradução Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Jobson Santos/Cindy Tutsch
Texto bíblico: II Crônicas 28
Comentário em áudio Pr Valdeci



II CRÔNICAS 28 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
9 de agosto de 2016, 0:50
Filed under: Sem categoria

1-27 O reino de Acaz foi um dos pontos mais baixos na história da dinastia de Davi. Este capítulo tem paralelo em 2Rs 16 (Andrews Study Bible).

3 Vale dos filhos de Hinom. Este vale ficava a sudoeste de Jerusalém (ver Js 15:8; 18:16). Foi palco de alguns dos ritos mais cruéis e revoltantes (CBASD – Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 3, p. 304).

queimou a seus próprio filhos. Na história bíblica esta forma de sacrifício humano, o aspecto mais vil da decadência pagã, está ligada a Moloque, divindade amonita equivalente ao Baal dos fenícios, cujo culto foi introduzido em Israel por Jezabel, esposa de Acabe e filha do rei e sumo sacerdote dos sidônios (Bíblia Shedd).

6 abandonado o Senhor. Quando a proteção do Senhor é removida, o ser humano descobre, para sua tristeza, que o senhor escolhido pode ser terrivelmente cruel. Depois de perdas tão grandes, não havia nada que pudesse impedir a Síria e Israel de sitiarem Jerusalém. Contudo, não a tomaram (2Rs 16:5). O objetivo dos aliados era depor Acaz e estabelecer um novo governante de sua própria escolha (Is 7:6). O pânico de Acaz é vividamente descrito em Isaías 7:2) (CBASD, vol. 3, p. 304).

8 duzentos mil. Eram mulheres e crianças levadas como escravas (CBASD, vol. 3, p. 304).

O exército de Israel ganhou a vitória não pela superioridade das armas, mas como consequência do julgamento divino. Se o povo de Judá tivesse confiado nas promessas vindas de Deus pelo próprio profeta Isaías, nada teria acontecido, mas Acaz as recusou, Is 7.1-16 (Bíblia Shedd).

10-11 Deus irou-se porque Israel foi além da comissão que recebera, de punir a Judá praticando a crueldade e escravizando seus irmãos (Bíblia Shedd).

15 vestiram […] ungiram. Este ato de amor para com os inimigos é singular no antigo testamento. É um exemplo daquilo que Cristo ordena em Mt 5.44, e que ensina mediante a parábola do bom samaritano em Lc 10.25-37. É raro uma vitória bélica resultar em virtude, ou uma conquista resultar em consideração (Bíblia Shedd).

A bondade com que os captores do norte trataram seus prisioneiros de Judá, sobretudo conforme os pormenores registrados nos v. 14, 15, talvez seja o antecedente histórico para a a parábola do Bom Samaritano, contada por Jesus (Bíblia de Estudo NVI Vida).

16 Assíria. Durante o reinado de Acaz, Judá foi reduzido à condição de vassalo da Assíria (Andrews Study Bible).

No seu desespero, Acaz apelou para os reis pagãos, em vez de recorrer a Deus pela fé e pela oração (Bíblia Shedd).

17 Edomitas. Descendentes de Esaú que habitavam a sudeste do mar Morto (Andrews Study Bible).

20 em vez de fortalecê-la. O rei da Assíria não estava interessado no bem estar de Acaz ou do povo de Judá. Quando atacou a Filístia e a Síria, o que buscava era promover seus próprios interesses e os de sua nação. Os assírios estavam tão prontos a destruir a nação hebraica como a qualquer outra nação. E Acaz e Ezequias logo descobririam isso (CBASD, vol. 3, p. 305).

21 As pessoas do mundo agem sempre assim: exigem tudo quanto se lhes pode dar, retribuindo com angústias e dificuldades ao doador (Bíblia Shedd).

22 ainda maiores transgressões. Em vez de aprender lições de sua angústia, Acaz se tornou mais amargo e obstinado. Ele passou de um pecado para outro, conduzindo seu povo por um caminho descendente que só poderia terminar em ruína (CBASD, vol. 3, p. 305).

23 deuses de Damasco. Acaz chegou ao cúmulo de dar maior valor aos ídolos dos inimigos do seu povo do que ao próprio grande profeta nacional, Isaías, no decurso daquela crise (vide Is 7) (Bíblia Shedd).

Em vez de cair em si e perceber que a aflição se devia a ter abandonado o Senhor, Acaz se tornou mais enraivecido e amargo contra Deus, e seguiu um procedimento que atraiu juízos ainda mais severos sobre si e a nação. Quando Tiglate-Pileser conquistou Damasco, Acaz foi a essa cidade para prestar homenagem ao rei assírio. Enquanto estava lá, viu um altar do qual fez uma cópia e a colocou em frente ao templo de Jerusalém, tirando o altar de bronze de seu lugar (ver 2Rs 16:9-16) (CBASD, vol. 3, p. 305).

24 altares em todos os cantos. Um único grande altar de holocaustos era um método poderoso para impressionar a mente do povo com a doutrina de um único Deus verdadeiro. Numerosos altares em todas as partes de Jerusalém mostravam inequivocamente o politeísmo que Acaz promovia (CBASD, vol. 3, p. 305 e 306).



II CRÔNICAS 28 – Comentário Pr Heber Toth Armí by jquimelli
9 de agosto de 2016, 0:45
Filed under: Sem categoria

II CRÔNICAS 28 – A interpretação teológica é fundamental para entender corretamente os eventos históricos. Visando essa interpretação, o cronista fundamenta-se em II Reis 16 para fazer sua teologia inspirada.

Baseando-me no esboço de Richard Pratt Jr. apresento-lhes os pontos do capítulo em análise:

INÍCIO DO REINADO DE ACAZ (vs. 1-5)
I. Fidelidade de Israel do norte para com Deus (vs. 6-15)
1. Israel vitorioso toma despojos e prisioneiros (vs. 6-8)
a) Israel recebe repreensão profética (vs. 9-11)
b) Israel responde à repreensão profética (vs. 12-13)
2. Israel vitorioso devolve os despojos e os prisioneiros (vs. 14-15)
II. Infidelidade de Acaz para com Deus (vs. 16-25)
1. Acaz falha em receber ajuda da Assíria (vs. 16-21)
a) Apelo inicial de Acaz à Assíria (v. 16)
• Acaz busca ajuda dos assírios (v. 16)
[EXPLICAÇÃO DOS ATOS DE ACAZ (vs. 17-19)]
• Acaz recebe resposta negativa (v. 20)
2. Acaz apela novamente à Assíria (v. 21)
a) Acaz busca intensamente a ajuda dos assírios (v. 21)
b) Acaz recebe resposta negativa novamente (v. 21)
3. Acaz fracasse em receber ajuda dos deuses siros (v. 22-25)
a) O aumento da infidelidade de Acaz (v. 22)
• Acaz adora os deuses siros (v. 23)
[A RUÍNA DE ACAZ É EXPLICADA (v. 23)]
• Mais adoração de outros deuses por Acaz (vs. 24-25)
b) Juízo sobre Acaz (v. 25)
FIM DO REINADO DE ACAZ (vs. 26-27)

O cronista faz teologia da história sagrada. Nenhuma liderança é significativa se Deus for desconsiderado.

• O líder político que não tem Deus como seu Líder não conseguirá fazer o melhor por sua nação.

A humilhação que Deus permitiu Judá passar foi para despertar a humildade em Acaz; contudo, Deus não obteve sucesso – humildade é uma questão pessoal. Tudo o que Deus faz (ou permite) visa nossa salvação; porém, a decisão de aceitar ou não é de cada indivíduo.

Crônicas é uma recapitulação teológica da história do povo de Deus, um processo inverso de Deuteronômio, o qual refletia olhando para o futuro. Deuteronômio alerta ao povo que adentrava na Terra Prometida a fim de que não a perdesse; Crônicas explica aos que retornaram recentemente do cativeiro a razão de Israel passar por tantas adversidades.

• Reflita: O que você acha que Deus diria se Ele recapitulasse tua história?

Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



II CRÔNICAS 28 – #RPSP – Comentário Rosana Barros by Ivan Barros
9 de agosto de 2016, 0:30
Filed under: Sem categoria

“No tempo da sua angústia, cometeu ainda maiores transgressões contra o SENHOR; ele mesmo, o rei Acaz” (v. 22).

Sai Jotão, um rei sóbrio, e entra um rei ébrio. Se o povo já estava corrompido, ficou pior ainda, pois Acaz “permitira que Judá caísse em dissolução” (v. 19). Acaz “andou no caminho dos reis de Israel” (v. 2) e em nenhum momento recorreu ao SENHOR, mas cometeu grandes abominações, como a terrível prática pagã de queimar “a seus próprios filhos” (v. 3). 

Além dos siros, Deus também entregou Judá à ira de seus próprios irmãos israelitas. Mas o SENHOR, o mesmo Deus que o povo havia rejeitado, lhe enviou um mensageiro para que agisse em sua defesa. Odede, usado pelo poder de Deus, foi ao encontro de alguém do exército num cantinho e lhe falou a mensagem. Foi assim? Ah, não? Muito bem, isto mostra que vocês estão examinando as Escrituras. Na verdade, Odede foi ao encontro do exército; ele se colocou diante de um exército mau, sanguinário e tomado pela raiva. Quem seria o homem que em sã consciência se colocaria em frente a um exército terrorista, por exemplo, para dizer que voltassem atrás no que estavam fazendo porque tinham despertado a ira divina? Somente pela confiança no poder divino Odede se colocou a frente daquele exército de homens irados. Mas ele foi e disse o ASSIM DIZ O SENHOR, mais ou menos assim, numa linguagem atual:

— Aonde vocês pensam que vão com estes Meus filhinhos? É certo que eles estão colhendo o que plantaram, mas vocês fizeram algo muito pior castigando-os com tamanha raiva. Vocês fizeram isso com tanta raiva que todo o Céu se comoveu. Como assim vocês irão fazer de seus irmãos seus próprios escravos? Acaso pensam que também não têm culpa diante de Mim? Eu ordeno que libertem agora o Meu povo e o leve de volta para casa, antes que vocês também colham a raiva que plantaram.

Vocês compreenderam? A ira divina não tem nada a ver com a raiva humana. Porque a raiva humana age como um animal, de forma impensada. Já a ira do SENHOR é repleta de misericórdia, é instrumento de correção para vida, e não de punição para morte. Israel acatou às palavras do profeta de Deus e reconheceu a sua culpa (v. 13), cuidou do povo cativo e o fez retornar para casa em segurança (v. 15). E vocês pensam que depois deste episódio da grande misericórdia divina, Acaz se arrependeu de Seus maus caminhos? Pelo contrário, ao invés de se voltar para Deus, foi pedir ajuda “aos reis da Assíria” (v. 16), e “de todo, se entregou à transgressão contra o SENHOR” (v. 19). E a ajuda que esperava não chegou (v. 21), pelo contrário, foi colocado em mais aperto ainda (v. 20). Contudo, “no tempo da sua angústia” (v. 22), resolveu buscar ao SENHOR, certo? Errado. “Cometeu ainda maiores transgressões contra o SENHOR, ele mesmo” (v. 22). Opa! Chegamos num ponto delicado. A Bíblia deixa bem claro que ELE MESMO escolheu agir desta forma. Até ali o SENHOR o havia chamado de todas as formas, mas ele escolheu não somente fechar “as portas da Casa do SENHOR” (v. 24), mas as portas de seu coração. “Ele mesmo”, causou “a sua ruína e de todo o Israel” (v. 23). Observem que o capítulo não inicia dizendo que Acaz fez o que era mau, mas que “não fez o que era reto perante o SENHOR, como Davi, seu pai” (v. 1). Ou seja, as oportunidades que Deus lhe deu não eram para que ele se tornasse como Jotão, seu pai, mas como Davi. Acaz inverteu a sua vida. Ao invés de estar escrito que na sua angústia foi pior ainda em seus pecados, poderia estar escrito: “Na minha angústia, invoquei o SENHOR, gritei por socorro ao meu Deus. Ele do Seu templo ouviu a minha voz, e o meu clamor lhe penetrou os ouvidos” (Salmo 18:6). Davi dirigiu a Deus este salmo quando Ele o livrou dos seus inimigos e da perseguição de Saul. Poderia também ter sido o louvor de Acaz, se ele não tivesse escolhido endurecer o coração. Ele fechou as portas do lugar que Deus disse que ouviria todo pecador arrependido!

Oh, amados, o que ainda tem nos impedido de sermos homens e mulheres segundo o coração de Deus, como foi Davi? O SENHOR nos convida HOJE a enxergarmos em cada circunstância de nossa vida oportunidades de salvação. Nunca houve tempo tão oportuno para que busquemos ao SENHOR de todo no nosso coração, de todo o nosso entendimento e com todas as nossas forças. O Espírito Santo tem feito uma santa convocação e só ouvirá o Seu chamado quem já estava ouvindo a Sua voz através da comunhão diária.

Confiar a nossa salvação a seres humanos falhos como nós só nos levará a quedas piores, mas aceitar ao convite incansável de Cristo: “Vinde a Mim” (Mateus 11:28), eis o que nos tornará, muito em breve, à perfeita imagem edênica: “à imagem de Deus” (Gênesis 1:27). 

Bom dia, futuras perfeitas imagens do Criador!
OBS: A cada dia estarei lançando o “Desafio do dia” para cada um de nós. Não é algo somente para aquele dia, mas para que faça parte integrante de nosso estilo de vida cristão. Aceitam o desafio?

Desafio do dia: tratar nossos semelhantes como gostaríamos de ser tratados.

*Leiam #2Crônicas28

Rosana Garcia Barros




%d blogueiros gostam disto: