Reavivados por Sua Palavra


EZEQUIEL 30 by jquimelli
20 de outubro de 2017, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário Devocional

A expressão “Dia do Senhor” é algo que nós, como cristãos, aplicamos especialmente para a segunda vinda de Jesus (2 Tess 2:2). Entretanto, esta expressão ligada a um final definitivo tem seu precedente histórico. Para o Egito, o “dia do Senhor” havia chegado. Amós garante aos seus leitores que não será um dia agradável:

“Será como se um homem fugisse de um leão e encontrasse um urso;
como alguém que entrasse em sua casa e,
encostando a mão na parede, fosse picado por uma serpente.
O dia do Senhor será de trevas e não de luz.
Uma escuridão total, sem um raio de claridade”
(Amós 5:18-20 NVI).

Na época de Ezequiel, o “dia do Senhor” traria nuvens e desgraça a Jerusalém e ao Egito. Não haveria meio de escapar da força da Babilônia.

É preciso muita sabedoria para entender o funcionamento da história e saber de antemão quem serão os vencedores e os derrotados em um determinado cenário e assim decidir quando resistir e quando ficar quieto. Mesmo assim, o desfecho de um conflito é totalmente imprevisível aos olhos humanos. Apesar disso, para os homens é muito mais fácil se apoiar no poder humano visível do que no braço do Deus invisível. Que hoje e sempre possamos confiar na sabedoria e no braço poderoso do nosso Deus e não na força e visão limitados do homem. O destino das nações está nas mãos do Senhor.

Ross Cole
Avondale College, Austrália

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/eze/30 e https://www.revivalandreformation.org/?id=1078
Também disponível no blog mundial RPSP/BHP da IASD, em: https://www.revivalandreformation.org/bhp/pt/biblia/eze/30
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/07/27/
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Ezequiel 30 NVI
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/



EZEQUIEL 30 – PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
20 de outubro de 2017, 0:55
Filed under: Sem categoria



EZEQUIEL 30 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
20 de outubro de 2017, 0:45
Filed under: Sem categoria

EZEQUIEL 30 – A Bíblia e a experiência espiritual nos ensinam que qualquer coisa ruim pode acontecer com aqueles que preferem confiar em si mesmos e em conceitos filosóficos humanos em detrimento dos princípios e ensinos divinos.

O Egito é “a sétima e última nação dessa lista de juízo… Os juízos aqui descritos parecem ser os mais severos de todos. Sem o rio Nilo, o Egito morreria. Enquanto seria natural seu povo dar valor à vida, o Egito é a terra da morte. O livro mais conhecido da cultura egípcia é o Livro dos Mortos. Os maiores monumentos dessa nação são túmulos gigantescos em forma de pirâmide. Seus reis construíram palácios pequenos, mas sepulcros enormes, e eram embalsamados para desfrutar o tempo na sepultura! Seguros de si, os egípcios não se impressionavam com a morte. Deus considerou necessário, portanto, julgar essa nação que, na Bíblia, retrata o mundo, em especial o mundo sem Deus” (William MacDonald).

Reflita:

• O dia do Senhor é nublado, escuro e medonho aos amantes do pecado (vs. 1-3).
• O Egito e as cidades vizinhas que se aliaram confiando em seu poder serão destruídos a fim de que reconheçam ao único Deus verdadeiro (vs. 4-8).
• Deus revela detalhes de como se dará o fim do Egito, pois só Ele conhece o fim desde o princípio (vs. 9-12).
• É Deus quem executa o juízo e a sentença; Seu objetivo primário não é destruição de pessoas, mas a restauração da verdadeira religião (vs. 13-19).
• O rei babilônico será instrumento de Deus contra o Egito, pois Ele está soberanamente no controle de tudo o que acontece no Universo (vs. 20-26).

O juízo divino é como uma tempestade, as profecias são como os trovões que a anuncia (vs. 1-5). Povos poderosos não podem escapar à ira da natureza, muito menos da ira divina (vs. 6-19). O maior objetivo de Deus é revelar Seu poder e tornar-se conhecido visando à conversão do mundo (vs. 20-26).

Quatro vezes aparece no texto a expressão: “Saberão que Eu sou o Senhor”. O juízo fará o que Israel negligenciou: Revelar Deus ao mundo!

• E nós, temos investido na missão?

Israel estava no cativeiro porque não priorizou o reino de Deus. O Egito seria devastado porque desprezou a Deus. E nós, aprendemos a lição?

Vamos priorizar Deus? – Heber Toth Armí.



EZEQUIEL 30, Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
20 de outubro de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Porque está perto o dia, sim, está perto o Dia do SENHOR, dia nublado; será o tempo dos gentios” (v.3).


O Egito havia feito aliança com outras nações. Algumas eram aliadas econômicas, visando incrementar  o comércio entre as nações através da troca de mercadorias e, outras, aliadas militares, com o objetivo de unir forças tanto para proteger seus territórios, quanto para lutar contra as nações inimigas. Estas alianças eram comuns, também naquela época.

Estes acordos tiveram, além disso, o efeito de fortalecer todas as práticas pagãs e idólatras que envolviam aquelas nações. O envolvimento delas com o Egito fez com que a “Etiópia, Pute, Lude e toda a Arábia, os de Cube e os outros aliados” caíssem “juntamente com ele à espada” (v.5). Levando em consideração o jogo de interesses ali envolvido, a aliança estabelecida parecia só conceder vantagens aos envolvidos. Havia uma troca de favores que garantiam a paz, a segurança e a prosperidade. Não é exatamente por estas coisas que o mundo clama?

Contudo, repentinamente, a destruição os desolou “no meio das terras desertas” (v.7). Foi cessada “a pompa do Egito” (v.10), e “destruídos todos os que lhe prestavam auxílio” (v.8). E uma das nações, em particular, sofreu “grande dor” (v.4) e angústia, “a Etiópia descuidada” (v.9). Todo o orgulho do poder do Egito foi humilhado (v.6) pela espada que o SENHOR colocou “na mão do rei da Babilônia” (v.25). Aquela união de nações, aparentemente tão bem sucedida, mostrou, em seus efeitos, que nem toda união faz a força.

As profecias para o tempo do fim apontam para uma união que será proposta “aos reis do mundo inteiro a fim de reuni-los para a peleja do grande Dia do Deus Todo-Poderoso” (Ap 16:14). Influenciados pela tríade satânica, “três espíritos imundos” (Ap 16:13), todos serão reunidos “no LUGAR que em hebraico se chama Armagedom” (Ap 16:16). Este é o nome de um lugar, e não do nome de uma batalha; em hebraico, Armagedom significa “monte de Megido”. Megido era uma planície litorânea da Palestina, palco de muitas batalhas envolvendo o povo de Israel. Entretanto, a maior batalha espiritual do passado ocorreu não na planície de Megido, mas no monte que domina a planície, o monte Carmelo. Esta é a referência para a profecia em questão.

Foi naquele monte que um único homem teve de enfrentar a fúria de líderes idólatras e de 850 profetas de deuses pagãos. Foi ali que, diante de todos, ficou mais do que provado de que “Só o SENHOR é Deus” (1Rs 18:39). Acusado de ser um perturbador da paz, Elias prosseguiu em cumprir o ASSIM DIZ O SENHOR a passos firmes (1Rs 18:17). Da mesma forma, a Bíblia prevê uma união promovida por Satanás que, aparentemente, parecerá, de forma quase irresistível, forte e admirável diante do mundo inteiro. E o remanescente do SENHOR, como um só homem, não aliado à corrente do mal, será acusado de perturbar a paz mundial.

Naquele monte aconteceu o que já está acontecendo nestes últimos dias. E “eis que já vem” (v.9) o desfecho da batalha entre falsos adoradores e verdadeiros adoradores. Assim como “Elias restaurou o altar do SENHOR” (1Rs 18:30), o remanescente restaurará a verdadeira adoração e diante de todo olho será notório o poder do Espírito Santo na vida deste pequeno povo. Falta muito pouco para vermos cumprida esta profecia em sua totalidade e apenas aqueles que oram como Elias orou (1Rs 18:36-37), e que clamam em profunda contrição (1Rs 18:42), persistentemente (1Rs 18:43), pelo derramamento da chuva serôdia, do alto receberão “grande chuva” (1Rs 18:45).

A união que nos levará à vitória final não tem a ver com ideologias humanas e nem com tratados de paz “como a dá o mundo” (Jo 14:27), e sim aquela que, por causa da Palavra do SENHOR, levará o mundo a nos odiar, porque não pertencemos a este mundo (Jo 17:14). Santificados na verdade (Jo 17:17), e perseverantes em seguir os passos do Salvador, grande angústia aguarda o povo de Deus. Oxalá que você e eu façamos parte deste seleto grupo que, assim como Elias, não passará pela morte (2Rs 2:11). Despertai, ó sete mil joelhos (1Rs 19:18) que não se curvam aos deuses deste século! Eis que o dia está nublado e, pela fé, já podemos avistar “uma nuvem pequena como a palma da mão do homem” (1Rs 18:44) e ouvir a voz do nosso Pastor a declarar: “Certamente, venho sem demora” (Ap 22:20).

“VEM, SENHOR JESUS!” (Ap 22:20).

Bom dia, verdadeiros adoradores!

Jornada espiritualChuva Serôdia. Chegou a hora!“, 5° dia: “Coloque uma cadeira em sua frente e peça ao Espírito Santo para sentar-se nela. Agora comece a conversar com Ele, que está diante de você, disposto a ouvir e interessado em suas histórias, necessidades e pedidos. Faça isso diariamente – é um bom caminho para desenvolver sua amizade com Ele” (Chuva Serôdia. Chegou a hora!, p. 42).

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Ezequiel30
#RPSP



EZEQUIEL 30 – COMENTÁRIO PR EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
20 de outubro de 2017, 0:25
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: