Reavivados por Sua Palavra


Gálatas 2 facilitado (sem os parênteses) by jquimelli
28 de julho de 2017, 9:57
Filed under: Sem categoria

Para você que está estudando neste trimestre a justificação pela fé em Gálatas, apresentamos Gálatas 2 de maneira mais fácil de ler. Como todo o livro de Gálatas é um desenvolvimento de Gálatas 2:16, cremos que será útil para o estudo.

 

Paulo, escreveu a epístola aos Gálatas aos cristãos que haviam vindo do judaísmo e queriam manter a observação dos ritos cerimoniais judaicos, principalmente a circuncisão, mas incluindo outras cerimônias também. Ele os chamava de “judaizantes”.

Com o objetivo de deixar o texto sem nenhuma má interpretação, Paulo foi colocando parênteses (ou explicações auxiliares) a fim de que nada servisse de argumento para distorção. Infelizmente, isto deixou o texto um tanto difícil de entender, à primeira leitura. se você encontrou dificuldades em entender este capítulo, não se preocupe, você não foi o primeiro. Pedro foi o primeiro que registrou que os textos de paulo não éram de fácil e rápido entendimento… (veja 2Pd 3:15, 16.)

Assim, abaixo segue o texto integral de Gálatas 2 na NVI, com o texto da argumentação principal deixado em preto e os textos parentéticos (de explicação) marcados em vermelho. Esperamos que isso deixe a mensagem principal mais clara. (Jobson Santos e Jeferson Quimelli)

 

Gálatas 2 NVI (http://biblia.com.br/novaversaointernacional/galatas/gl-capitulo-2/)

1 Catorze anos depois, subi novamente a Jerusalém, dessa vez com Barnabé, levando também Tito comigo.
2 Fui para lá por causa de uma revelação e expus diante deles o evangelho que prego entre os gentios, fazendo-o, porém, em particular aos que pareciam mais influentes, para não correr ou ter corrido inutilmente.
3 Mas nem mesmo Tito, que estava comigo, foi obrigado a circuncidar-se, apesar de ser grego.
4 Essa questão foi levantada porque alguns falsos irmãos infiltraram-se em nosso meio para espionar a liberdade que temos em Cristo Jesus e nos reduzir à escravidão.
5 Não nos submetemos a eles nem por um instante, para que a verdade do evangelho permanecesse com vocês.
6 Quanto aos que pareciam influentes — o que eram então não faz diferença para mim; Deus não julga pela aparência — tais homens influentes não me acrescentaram nada.
7 Ao contrário, reconheceram que a mim havia sido confiada a pregação do evangelho aos incircuncisos[4], assim como a Pedro, aos circuncisos[5].
8 Pois Deus, que operou por meio de Pedro como apóstolo aos circuncisos, também operou por meu intermédio para com os gentios.
9 Reconhecendo a graça que me fora concedida, Tiago, Pedro[6] e João, tidos como colunas, estenderam a mão direita a mim e a Barnabé em sinal de comunhão. Eles concordaram em que devíamos nos dirigir aos gentios, e eles, aos circuncisos.
10 Somente pediram que nos lembrássemos dos pobres, o que me esforcei por fazer.
11 Quando, porém, Pedro veio a Antioquia, enfrentei-o face a face, por sua atitude condenável.
12 Pois, antes de chegarem alguns da parte de Tiago, ele comia com os gentios. Quando, porém, eles chegaram, afastou-se e separou-se dos gentios, temendo os que eram da circuncisão.
13 Os demais judeus também se uniram a ele nessa hipocrisia, de modo que até Barnabé se deixou levar.
14 Quando vi que não estavam andando de acordo com a verdade do evangelho, declarei a Pedro, diante de todos: Você é judeu, mas vive como gentio e não como judeu. Portanto, como pode obrigar gentios a viverem como judeus?
15 Nós, judeus de nascimento e não gentios pecadores,
16 sabemos que ninguém é justificado pela prática da Lei, mas mediante a fé em Jesus Cristo. Assim, nós também cremos em Cristo Jesus para sermos justificados pela fé em Cristo, e não pela prática da Lei, porque pela prática da Lei ninguém será justificado.
17 Se, porém, procurando ser justificados em Cristo descobrimos que nós mesmos somos pecadores, será Cristo então ministro do pecado? De modo algum!
18 Se reconstruo o que destruí, provo que sou transgressor.
19 Pois, por meio da Lei eu morri para a Lei, a fim de viver para Deus.
20 Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo[7], vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim.
21 Não anulo a graça de Deus; pois, se a justiça vem pela Lei, Cristo morreu inutilmente!


JEREMIAS 3 by jquimelli
28 de julho de 2017, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário Devocional

Como alguém consegue parar de pecar? Essa é uma pergunta que as pessoas tem feito há séculos. Passou a ser também a minha dúvida, levando-me quase ao desespero, logo depois que eu comecei a buscar sinceramente a vontade de Deus para a minha vida. Nesta busca comecei a escrever um diário de oração.

No começo eu me senti desconfortável em escrever à mão as minhas súplicas. Minha primeira oração foi muito simples: “Querido Deus, obrigado por este dia. Obrigado pela vida. Por favor, perdoe meus pecados. Por favor, salve meus pais, minha irmã e meus outros parentes. Ajuda-me a honrar-Te hoje. Amém”.

No dia seguinte, e nos próximos, eu me assentei para escrever a minha oração e escrevi exatamente as mesmas palavras. No quarto dia, eu comecei a pensar que aquela situação estava ficando ridícula. Eu estava pedindo pelas mesmas coisas todos os dias! Eu estava ficando entediado e me perguntava se Deus não estava sentindo o mesmo por conta de minhas repetições.

Então eu transformei o diário de oração em um diário onde eu compartilhava meus pensamentos mais profundos e também os meus pecados com Deus. Foi então que a angústia tomou conta de mim.

Uma década de vida egoísta tinha me deixado com uma mente espiritual mal disciplinada que oferecia fácil acesso à tentação. Ao longo das semanas, notei um padrão no meu diário de oração: Se eu tivesse cometido um pecado particular, ainda que pequeno, eu me arrependia de tê-lo cometido e pedia a ajuda de Deus para não cometê-lo novamente; mas eu acabava escrevendo que eu tinha cometido o mesmo pecado novamente! Minhas preces foram se tornando novamente repetitivas, e o mais triste para mim é que eu estava repetindo os mesmos pecados.

Finalmente, interrompi o meu diário de oração. Eu não podia suportar a dor de escrever sobre minha infidelidade vez após vez. Mas eu estava errado – nenhum de nós deve nunca desistir de lutar contra o pecado. Deus nos assegura que não precisamos ficar repetindo os mesmos pecados egoístas. Ele diz: “Voltem, filhos rebeldes! Eu os curarei da sua rebeldia” (v. 22 NVI). Esse não é somente um convite, é uma promessa!

“Querido Deus, por vezes, parece que eu não consigo sair da terrível situação de cometer o mesmo pecado vez após vez. Mas hoje eu me volto para Ti e me agarro à Tua promessa de me curar da minha apostasia. Voltarei a estudar a Bíblia e orar diariamente. Não vou desistir. Cura-me. Amém.”

Andrew McChesney
Adventist Mission Editor

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/jer/3, https://www.revivalandreformation.org/?id=1040 e http://revivedbyhisword.org/en/bible/jer/3/
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/05/04
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Jeremias 3 NVI
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/



JEREMIAS 3 – COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
28 de julho de 2017, 0:55
Filed under: Sem categoria



Jeremias 3 – Comentário Pr Heber Toth Armí by jquimelli
28 de julho de 2017, 0:45
Filed under: Sem categoria

JEREMIAS 3 – Existem dois tipos de ateísmo: O ateísmo declarado e o ateísmo prático. O ateu declarado assume clara e destemidamente sua convicção. O ateu prático se diz crente em Deus, mas em suas atitudes revela-se ateu. Crer em Deus e viver como se Ele não existisse é outra forma de ser ateu.

Além disso, existem dois tipos de crentes, o fiel e o sincretista. O fiel adora exclusivamente o Deus verdadeiro, já o outro não – ele vive num sincretismo religioso. Assim vivia os judeus no passado, da época de Jeremias: “Segundo o capricho do momento, ou à conveniência, Judá ora invocava a Baal, ora a Jeová, claudicando, como sempre, entre dois caminhos” (Siegfried Júlio Schwantes).

Nos dias do profeta Elias, também era assim, o povo de Deus coxeava, mancava de um lado para o outro, demonstrando indiferença à voz profética (I Reis 18:21).

• Será que hoje é diferente? Veja o diagnóstico de Deus para os dias atuais em Apocalipse 3:14-22. Devemos tomar cuidado para não sermos ateus práticos ou religiosos sincréticos, ou ecumênicos, aceitando todo tipo de crenças, extras e anti bíblicas.

O terceiro capítulo de Jeremias oferece-nos preciosos princípios a serem considerados:

1. Alguns religiosos são como esposas, aparentemente comprometidas com o marido, mas têm seus amantes reais ou imaginários. Se o adultério no casamento é pecado, quanto mais o adultério religioso, quando Deus nem sempre recebe atenção exclusiva. Precisamos rever nossas atitudes e mudar, pela graça de Cristo, nossa devoção a Deus (vs. 1-10).

2. Aqueles que bebem de fontes dúbias, sujas, imundas, que buscam orientação longe de Deus, procuram prazeres contrários aos princípios bíblicos, nas cloacas deste mundo, certamente se enfermarão espiritualmente. O pecado infecta a alma, corrompe a moral e deturpa a religião. Devemos correr ao Médico da alma, se quisermos ser curados, restaurados e reavivados (vs. 21-25).

3. Deus usa todos os recursos possíveis e até impossíveis para despertar-nos da letargia espiritual. Pior do que ficar doente é não reconhecer ou aceitar a doença. Deus tenta mostrar o quadro clínico (vs. 11-20).

“Assim como Jesus, Jeremias enxergou além da aparência religiosa e ensinou que Deus estava em busca de devoção do coração” (Warren W. Wiersbe).

Precisamos converter-nos, isso significa um rompimento com um passado de frouxidão espiritual! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



JEREMIAS 3, Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
28 de julho de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Voltai, ó filhos rebeldes, Eu curarei as vossas rebeliões. Eis-nos aqui, vimos ter Contigo; porque Tu és o SENHOR, nosso Deus” (v. 22).


A adolescência, mais do que qualquer outra fase da vida, certamente é uma das mais difíceis. É um período de transição entre a fase infantil e a fase adulta, também conhecida como a “fase da rebeldia”. O corpo começa a mudar, a voz vai ganhando nova entonação e as prioridades de criança vão sendo abandonadas. O cérebro experimenta uma verdadeira “explosão” de emoções e sentimentos que podem definir as escolhas que nortearão toda uma vida. Porém, estas escolhas não precisam ser feitas de forma aleatória e emocional. Os pais têm um papel fundamental neste despertar, e precisam orientar, amar e disciplinar, e continuar conduzindo seus filhos no caminho em que devem andar (Provérbios 22:6).
 
O procedimento dos filhos de Israel equiparava-se à condição de adolescentes rebeldes. Deus, como Pai de amor, procurava de todas as formas conduzi-los de volta ao caminho, mas vez após vez eles rejeitavam Seus apelos. Apesar da rebelião assumida, sabiam que tinham um Pai, mas não voltavam para Ele de todo o coração (v. 10). Declaravam da boca para fora: “Pai meu, Tu és o amigo da minha mocidade” (v. 4), mas cometiam maldades até não poder mais (v. 5). E mesmo diante de tudo isso, o Pai ainda esperava que voltassem para Ele, mas não voltaram (v. 7).
 
Além de Pai, Deus também assume outra posição: a de patriarca. Ele diz: “Eu sou o vosso Esposo” (v. 14). Diante do pérfido estado de prostituição de Seu povo, Ele estava sempre em prontidão para aceitá-lo de volta. Como prostitutas cultuais, as “irmãs” Israel e Judá, eram infiéis a seu Esposo “debaixo de toda árvore frondosa” (v. 13), prostituindo-se “com muitos amantes” (v. 1). Você pode imaginar um esposo traído implorando pelo amor da esposa infiel? Aos olhos humanos parece muita humilhação. Mas aos olhos do Pai isto se chama COMPAIXÃO.
 
Deus tem um lugar preparado para que os Seus filhos nele habitem. Uma Cidade onde “se reunirão todas as nações em nome do SENHOR” (v. 17). E mesmo na condição de “filhos rebeldes” e de esposa adúltera, Deus não cessava de clamar ao coração do Seu povo. Por mais que a situação fosse tão grave e por mais que os pecados de Seus filhos O aborrecessem sobremaneira, Ele não desistiria daquela gente e nem desistirá de filho algum, até ver cumprida as Suas palavras naqueles que herdarão “a terra desejável”:
 
“Pai Me chamarás e de Mim não te desviarás” (v. 19).
“Convertei-vos, ó filhos rebeldes” (v. 14)!
“Voltai, ó filhos rebeldes” (v. 22)!
 
É o apelo do Pai ao coração de cada filho que tem assumido as rédeas da vida à própria maneira. O tempo a que se refere o verso 17 está mais perto do que nunca e o SENHOR tem conduzido os Seus filhos aos “pastores segundo o [Seu] coração”, para que sejam apascentados “com conhecimento e inteligência” (v. 15), e não pelo impulso das emoções. Somos seres racionais e é desta forma que temos o privilégio de ouvir a voz do Espírito Santo e de render a Deus um culto aceitável e racional (Romanos 12:1). De certa forma, todos estamos vivendo uma fase de transição e corremos o perigo de nos perder em meio às rebeliões de nosso coração. Precisamos confiar no nosso Pai e seguir as orientações que Ele nos deixou em Sua Palavra. Pois, “com efeito, no SENHOR, nosso Deus, está” a nossa salvação (v. 23).
 
Bom dia, filhos do Pai de amor!
 
Rosana Garcia Barros
 
#PrimeiroDeus
#Jeremias3
#RPSP


JEREMIAS 3 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
28 de julho de 2017, 0:25
Filed under: Sem categoria

1 Repudiar. Alusão a uma lei mosaica específica (Dt 24:1-4). … Jeremias tinha a difícil tarefa de convencer o povo de seus dias que Deus não o tomaria de para Si até que ele experimentasse uma profunda mudança de coração. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 388, 389.

Muitos amantes. Porque Judá se uniu em solene relacionamento de aliança com Deus, a procura por outros deuses foi considerada como adultério espiritual. CBASD, vol. 4, p.  389.

Torna. “Embora, de acordo com os regulamentos jurídicos, Eu não deva receber você, retorne para Mim”. CBASD, vol. 4, p.  389.

2 Altos. O cenário dos adultérios espirituais de Judá (ver 2Rs 21:3; cf. Jr 2:20). CBASD, vol. 4, p.  389.

Como o arábio (ARA). NVI: “nômade”.

Chuva serôdia. A chuva serôdia caía em março e abril, enquanto a chuva temporã precipitava-se em outubro e novembro (ver com. de Dt 11:14; Jr 5:24; Jl 2:23). CBASD, vol. 4, p.  389.

Fronte de prostituta. A imagem indica atrevimento, obstinação e falta de vergonha (Jr 6:15; 8:12; cf. Ap 17:5). A aflição não causou nenhuma impressão em Judá. CBASD, vol. 4, p.  389.

4 Agora mesmo tu Me invocas. Possivelmente, uma referência às reformas de Josias, que começaram no 12º ano do reinado dele e culminaram na grande celebração da festa da Páscoa, seis anos mais tarde (2Cr 34:3; 35:19). embora o rei fosse fervoroso, a resposta do povo foi, em grande parte, superficial. CBASD, vol. 4, p.  389.

Conservarás para sempre a Tua ira? O povo expressa a confiança de que a ira do Esposo divino passará, a despeito de sua infidelidade. CBASD, vol. 4, p.  389.

6 Disse mais o SENHOR. O profeta compara as atitudes idólatras de Judá e Israel. Judá estava inclinada a considerar com desprezo as tribos do norte, que foram levas cativas pela Assíria. jeremias salientou que a culpa de Judá era maior. CBASD, vol. 4, p.  390.

Dias do rei Josias. isto ocorreu nos primeiros anos do ministérios de Jeremias. CBASD, vol. 4, p.  390.

Viste o que fez a pérfida Israel? Os israelitas foram levados cativos cerca de 100 anos antes. CBASD, vol. 4, p.  390.

Foi. A forma verbal hebraica pressupõe uma prática habitual (ver Jr 2:20). CBASD, vol. 4, p.  390.

10 Não voltou de todo o coração. A reforma de Josias (v. 6) foi um aparente retorno a Deus. Contudo, no íntimo do coração, o povo ainda se agarrava aos ídolos. Os cidadãos de Judá caíram em idolatria declarada após a morte do rei (2Rs 23:31, 32; 2Cr 36:5-8). CBASD, vol. 4, p.  390.

11 Israel se tornou mais justa do que a falsa Judá. A hipocrisia era tão ofensiva a Deus como a apostasia declarada (PP, 523). O fato de Judá possuir grandes privilégios [1) sucessão initerrupta de reis/equilíbrio político, 2) o templo, 3) maioria dos sacerdotes e levitas, 4) a queda de Israel] intensificava sua culpa. … Apesar todas essas vantagens, o povo de Judá se tornou infiel, hipócrita e orgulhoso. Consequentemente, a despeito de sua declarada apostasia, Israel era menos culpado que Judá (ver Ez 16:51, 52; 23:11; Mt 12:41, 42; Lc 18:14). CBASD, vol. 4, p.  390.

12 Norte. As províncias do norte do império assírio, para onde foram exiladas as dez tribos (ver 2Rs 15:29; 17:6; 18:11; Jr 16:15; 23:8; 31:8). Os exilados foram convidados a se arrepender e retornar. CBASD, vol. 4, p.  391.

Volta, ó pérfida. O apelo a Israel foi, sem dúvida, para estimular Judá ao arrependimento e ao zelo piedoso (ver Rm 11:14). CBASD, vol. 4, p.  391.

13 Reconhece a tua iniquidade. Arrependimento e reconhecimento do pecado devem preceder o perdão. É necessário ter coragem e reconhecer os pecados com franqueza (ver Sl 51:3; Is 59:12; Jr 14:20). Nada deve ser mantido em oculto, nem serem apresentados desculpas inúteis. CBASD, vol. 4, p.  391.

14 Um de cada cidade. O profeta contemplava o retorno de uma minoria. Os que se arrependessem verdadeiramente constituiriam um pequeno remanescente. Deus trataria a cada pessoa de forma individual. CBASD, vol. 4, p.  391.

Família. “Um clã” ou “uma subdivisão de tribo”. CBASD, vol. 4, p.  391.

15 Dar-vos-ei pastores segundo o meu coração. os pastores escolhidos por Deus são contrastados com os reis de Israel, nomeados não por Deus, mas segundo os desejos da nação (ver Os 8:4). Esses reis levaram a nação à apostasia e ruína. CBASD, vol. 4, p.  391.

16 A arca da Aliança. A arca era o símbolo da permanente presença do Senhor. … Sobre ela era revelada a glória do shekinah, o símbolo visível da presença do Deus Altíssimo. Ela era o centro da presença do serviço simbólico de Israel [foi provavelmente escondida por sacerdotes quando da invasão babilônica]. Jeremias predisse a vinda de um tempo quando Deus estabeleceria Sua morada na terra. A real presença de Deus tornaria obsoleto o símbolo de Sua presença. A experiência do antigo Israel teria sido gloriosa se o povo tivesse aceito o plano de Deus. CBASD, vol. 4, p.  391.

17 Chamarão a Jerusalém de Trono do SENHOR. Se Israel tivesse atendido á luz celestial, Jerusalém teria sido estabelecida como”a poderosa metrópole da Terra” (DTN, 577). CBASD, vol. 4, p.  392.

18 Com a casa de Israel. Israel e Judá sairiam simultaneamente da terra do cativeiro e a unidade nacional seria restaurada… A inimizade que existiam entre os dois povos irmãos desapareceria, e ambos se voltariam para Deus [citações omitidas]. CBASD, vol. 4, p.  392.

Terra do Norte. As terras do cativeiro: Assíria … e Babilônia. CBASD, vol. 4, p.  392.

21 Ouviu uma voz. Numa transição rápida e dramática (v. 21-25), o profeta retrata seu povo como estando em confissão penitente e em arrependimento sincero. CBASD, vol. 4, p.  392.

Nos lugares altos. Os antigos locais que foram o cenário da idolatria licenciosa são ilustrados como ecoando clamores e súplica (ver Jr 7:29). Segundo o costume oriental, lugares altos ou destacados eram geralmente escolhidos para a lamentação pública (ver Jz 11:37; Is 15:2). CBASD, vol. 4, p.  392.

22 Voltai, ó filhos rebeldes. “Convertei-vos”. CBASD, vol. 4, p.  392.

Eis-nos aqui, vimos ter contigo. O Senhor lhes deu “as próprias palavras com que podiam voltar a Ele” (PR, 410). CBASD, vol. 4, p.  392.

23 Os outeiros não passam de ilusão. É feito um nítido contraste entre o inútil e ilusório culto idólatra e a segurança do culto a Yahweh. CBASD, vol. 4, p.  392.

24 A coisa vergonhosa devorou o labor de nossos pais. Alguns comentaristas indicam se referir ao grande número de ovelhas e gado sacrificados a divindades pagãs e ás crianças queimadas como sacrifício a Moloque, deus de Amom (Sl 106;38; Jr 7:31). CBASD, vol. 4, p.  392.

25 Deitemo-nos. O Senhor desejava completo reconhecimento do pecado e a aceitação da punição sem apresentação de escusas nem causas atenuantes para suas faltas. Uma pessoa em dor ou tristeza geralmente se atira ao chão ou sofá (ver 2Sm 12:16; 13:31; 1Rs 21:4) a fim de dar vazão às intensas emoções que a esmagam. CBASD, vol. 4, p.  392.



JEREMIAS 3 – COMENTÁRIO PR EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
28 de julho de 2017, 0:20
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: