Reavivados por Sua Palavra


ISAÍAS 54 by jquimelli
13 de julho de 2017, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário Devocional

O resultado do ministério salvador de Jesus mencionado em Isaías 53 é visto neste capítulo e no próximo. Neste capítulo, Deus fala àqueles que o conhecem; no próximo, àqueles que não o conhecem.

A linguagem em Isaías 54 é simplesmente linda. Deus é o nosso Criador, Redentor, Marido, e Professor. Mas a linguagem predominante é de Deus como nosso amoroso marido. Veja a riqueza do versículo 5, por exemplo: “Pois o seu Criador é o seu marido”. Ele não é qualquer um, Ele é o Criador do universo! Ele é aquele que lhe formou e lhe criou. Este é o seu marido! Seu nome é “o Senhor dos Exércitos”. Em algumas culturas, quando uma mulher se casa ela passa a ter o sobrenome do marido. Você gostaria de ter o sobrenome “de Deus” no seu nome? Você inspiraria o reconhecimento imediato daqueles ao seu redor que você pertence a Deus?

As promessas desse capítulo também nos pertencem. Promessas de prosperidade, proteção, paz e alegria. Permaneçamos fiéis ao nosso Marido, Jesus e recebamos tudo o que Ele tem planejado para nós nesta vida e na eternidade!

Ron E M Clouzet
Pastor ministerial na Divisão Norte da Ásia e do Pacífico

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/isa/54, https://www.revivalandreformation.org/?id=979 e http://revivedbyhisword.org/en/bible/isa/54/
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/04/18
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Isaías 54 NVI
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/

Anúncios


ISAÍAS 54 – COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
13 de julho de 2017, 0:55
Filed under: Sem categoria


ISAÍAS 54 – COMENTÁRIOS ADICIONAIS PR RON E M CLOUZET by jquimelli
13 de julho de 2017, 0:55
Filed under: Sem categoria

Há mais verdades lindas nesse capítulo.

Deus não nos convidou para sermos sua esposa por causa da nossa beleza, talento ou inteligência. Quando Ele nos encontrou eramos como “uma mulher abandonada e aflita de espírito”, ou ainda, como “uma mulher que se casou nova apenas para ser rejeitada” (v. 6, NVI). E depois que Ele nos tomou como esposa, ​​não desempenhamos o papel mais importante que se esperava de uma mulher na época. “Ó estéril… você que nunca esteve em trabalho de parto ” (v.1, NVI). Nos tempos bíblicos, não havia maior desgraça para uma mulher do que não ser capaz de gerar filhos para seu marido. E, no entanto, diz Isaías, o Senhor ainda nos amou. Nós não somos como uma mulher desamparada! Somos amados por nosso Deus!

É por isso que o profeta diz: “Cante, ó estéril… irrompa em canto, grite de alegria” (v. 1, NVI) . Cante alegremente, porque você, que não podia engravidar, vai ter mais filhos do que aquela que teve muitos. Você terá que ampliar a sua tenda para ter espaço para eles (v. 2), e “seus descendentes desapossarão nações e se instalarão em suas cidades abandonadas” (v. 3, NVI) . “Você esquecerá a vergonha de sua juventude” (a experiência de Israel no deserto) “e não se lembrará mais da humilhação de sua viuvez” (seu exílio para a Babilônia) (v. 4, NVI).

Quando Deus disse: “Por um breve instante eu a abandonei” Ele se referia ao cativeiro Babilônico. Entretanto, contrabalançando qualquer dor que Ele tenha permitido para o bem de seu povo, a promessa de Deus é clara: “com profunda compaixão eu a trarei de volta… com bondade eterna terei compaixão de você” (vv. 7-8, NVI). As montanhas podem desaparecer, mas “a minha fidelidade para com você não será abalada, nem será removida a minha aliança de paz” (v. 10, NVI).

Deus assegura a Israel, sua esposa, que em vez de guerra, pedras preciosas irão rodeá-la, e os seus filhos serão ensinados diretamente por Ele, o Senhor (vv.12-13). “Nenhuma arma forjada contra você prevalecerá”, pois “esta é a herança dos servos do Senhor” (v. 17, NVI).
Deus tinha grandes planos para o Israel pós-exílico, mas depois do cativeiro babilônico eles tornaram-se hipócritas e teimosos e assim impediram que os planos de Deus se cumprissem para eles como nação.

Fonte: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/04/19/



ISAÍAS 54 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
13 de julho de 2017, 0:45
Filed under: Sem categoria

ISAÍAS 54 – Casar é fácil. O difícil é permanecer casado. Inclusive Deus usa diversas estratégias para permanecer casado, do contrário, o divórcio teria acontecido há muitos séculos.

Graças a Sua compaixão, insistência e amor incondicional, porque do jeito que lidamos com Ele sobejam os motivos para abandonar-nos. Quantas vezes…

• …deixamos de priorizar Deus em nossa vida?
• …somos infiéis a Ele a despeito de Sua fidelidade exemplar?
• …lidamos com tudo, até tempo para “perder tempo” temos, mas não para orar a Deus ou ler a Sua Palavra cheias de amor por nós?
• …dividimos nosso amor a Deus com outras coisas, não sendo fieis exclusivamente a Ele – será que realmente O amamos?
• …adulteramos, traímos a Deus, desrespeitamos Sua pessoa e não damos o real valor ao compromisso com Ele… e mesmo assim Ele não desiste de nós?

A antiga igreja judaica foi considerada esposa infiel. Ela sofreu as consequências de sua infidelidade, o amor aos pecados e aos deuses falsos. A Jerusalém do passado parece um espelho da igreja cristã no presente. Portanto, temos muito que aprender, pois Deus promete desfazer Sua esterilidade espiritual e promover sua alegria (vs. 1-4).

1. O marido por excelência, com ternura e paciência, é o Criador e Redentor, o Santo de Israel, o Deus de toda a Terra – o teu e o meu Deus (v. 5).

2. O marido modelo deixa sua esposa sofrer as consequências da falta de compromisso sério e leal para, então, ao aprender a lição, poder abençoá-la para sempre – haverá uma grande festa nupcial universal (vs. 6-10; Mateus 22:1-14; Apocalipse 3:20).

3. A cidade de Jerusalém será definitivamente restaurada, totalmente embelezada, cheia de pedras preciosas, onde não entrará nada que macule a felicidade dos salvos; ela descerá do céu, adornada como uma noiva para seu marido (vs. 11-17; Apocalipse 21-22).

Ampliando, “não se faz menção aqui de qualquer conexão entre esta profecia e a do capítulo 53; não obstante, existe entre elas uma profunda afinidade intrínseca. A salvação da comunidade redimida descrita aqui é o futuro do sofrimento do Servo do Senhor. Os habitantes da cidade de Deus são Sua ‘posteridade’ (53.10). A paz e a justiça em que eles se regozijam foram adquiridas por Ele (53.5,11)” (J. Ridderbos).

Portanto, renovemos o compromisso com Deus! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



ISAÍAS 54 – Comentário Rosana Barros by Ivan Barros
13 de julho de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Porque o Teu Criador é o teu marido; o SENHOR dos Exércitos é o Seu nome; e o Santo de Israel é o Teu Redentor; Ele é chamado o Deus de toda a terra” (v. 5).


Na cultura antiga, ser estéril era considerado uma grande vergonha. Geralmente, a mulher que não tinha filhos era repudiada e abandonada pelo marido, ficando a mercê da própria sorte.

O SENHOR compara o Seu povo a uma viúva que não teve filhos e por isso sofreu humilhação (v. 4). Israel havia atravessado um período de apostasia e, por suas próprias escolhas, tornaram-se como uma “viúva negra”, “matando” o seu próprio Marido. Deram as costas à aliança do SENHOR, assumindo assim as trágicas consequências de sua alienação. Ao contrário de uma mulher estéril que desejaria filhos de seu marido, rejeitaram as bênçãos de Deus e os resultados foram desastrosos. Porém, até mesmo diante de uma condição de desvantagem, Deus provê grandes vantagens. Assim como a esterilidade não define a maternidade, a nossa condição pecaminosa não define a medida do amor de Deus por nós.

De uma forma vitoriosa e triunfante, o SENHOR convida o Seu povo a cantar alegremente e a exultar “com alegre canto” (v. 1), porque por mais que a sua condição não fosse aparentemente favorável, Ele multiplicaria a sua esperança muito mais do que seria em boas condições. Para Deus, a esterilidade, tanto física quanto espiritual, não é sinônimo de derrota ou de vergonha, mas de superação e de abundância de amor.

“Alarga o espaço da tua tenda” (v. 2) é uma mensagem de fartura na escassez. Só o SENHOR tem o poder de fazer transbordar “para a direita e para a esquerda” (v. 3) o que, aos olhos humanos, são fontes secas. Ele reergueria um povo que, massacrado e humilhado como uma viúva sem filhos, seria elevado à posição de cônjuge do “Deus de toda a terra” (v. 5).

Percebam que Deus não concedeu esta honra a um povo cujo procedimento era perfeitamente harmônico com a Sua vontade, mas a um povo cujas atitudes foram tão terríveis a ponto de causarem o Seu afastamento (v. 8). E esta mesma honra, de um Deus que não muda (Malaquias 3:6), foi confirmada nas palavras de Jesus: “Porque o Filho do Homem veio salvar o que estava perdido” (Mateus 18:11). “O SENHOR te chamou” (v. 6) é uma mensagem para cada ser humano que reconhece a sua condição pecadora e a sua incapacidade de justificação. Nossos pecados podem causar a indignação de Deus por um momento, “mas com misericórdia ETERNA” (v. 8) Ele Se compadece de nós e nos oferece a aliança da Sua paz (v. 10).

“Ó tu, aflita, arrojada com a tormenta e desconsolada!” (v. 11). Ó, igreja do Deus vivo, “o Teu Criador é o Teu marido” (v. 5) e Ele está te conduzindo à Sua preciosa morada! Ó, filhinhos do SENHOR, que sentem-se massacrados pelo pecado e que não suportam mais esta condição de ignomínia, “não temas” (v. 4)! Muitos podem ser os teus acusadores, e “eis que poderão suscitar contendas”, porém “quem conspira contra ti cairá diante de ti” (v. 15). Deus está ajuntando os Seus filhos, e quando todos forem “ensinados do SENHOR”, por meio da salvação em Cristo Jesus (João 6:45), Ele nos estabelecerá “em justiça, longe da opressão” (v. 14), em um lar preparado especialmente para nós (v. 11 e 12).

“Esta é a herança dos servos do SENHOR e o seu direito que [dEle] procede, diz o SENHOR” (v. 17).

Apegue-se a Jesus Cristo! Em sua vergonhosa situação, confie nos méritos dAquele que pagou o preço que jamais seríamos capazes de pagar! Louve a Deus! “Canta alegremente” (v. 1), “Porque o Filho do Homem veio salvar o que estava perdido”, ou seja, VOCÊ e EU!

Bom dia, salvos unicamente pela graça de Jesus Cristo!

Desafio do dia: Envie uma mensagem ou faça uma visita a alguém que está precisando de conforto.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Isaías54
#RPSP



ISAÍAS 54 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
13 de julho de 2017, 0:25
Filed under: Sem categoria

Canta alegremente, ó estéril. Israel, que então era “estéril” de resultados (ver p. 17-19; cf. Is 5:1-7; Jo 3:3, 5; Gl 5:22, 23), teria êxito em sua tarefa. Seus próprios filhos e filhas seriam “ensinados do SENHOR” (Is 54:13), os gentios se converteriam (56:6) e o templo de Jerusalém se tornaria “Casa de Oração para todos os povos” (56:7). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 311.

Alarga o espaço. “Quando o número de Israel aumentasse, deveriam ampliar os limites até que seu reino abarcasse o mundo” (PJ, 290). Citado em CBASD, vol. 4, p. 311.

Não o impeças. Deus não estará satisfeito, e Sua obra na Terra não poderá ser concluída, até que a igreja se levante com fé e se una aos agentes divinos para proclamar ao mundo o Salvador crucificado, ressuscitado e prestes a vir. CBASD, vol. 4, p. 311.

Transbordarás. Se Israel se erguesse com fé para cumprir seu destino como nação, o êxito excederia suas maiores expectativas. Assim será no tempo do fim quando o povo de Deus estiver pronto para receber o poder que Ele deseja manifestar. CBASD, vol. 4, p. 311, 312.

Da vergonha da tua mocidade. Yahweh tirou Israel do Egito para ser Sua noiva, mas ela se prostituiu ao servir a outros deuses (Jr 3:1-11; Ez 16:8-16; Os 2:5-13). Essa foi a sua desgraça e vergonha. CBASD, vol. 4, p. 312.

Da tua viuvez. Uma alusão ao cativeiro em Babilônia, quando, por causa da infidelidade a seu Marido, a nação foi levada cativa (Lm 1:1; 2:5, 6; cf. Os 2:6-13). CBASD, vol. 4, p. 312.

Teu marido. Embora a nação  de Israel tivesse abandonado seu “marido”, Ele a traria de volta e seria novamente seu esposo (ver Ez 16:8; Os 2:14-20; cf. 3:1-5). CBASD, vol. 4, p. 312.

Repudiada. Ou, “rejeitada”, isto é, como “esposa”. CBASD, vol. 4, p. 312.

Por breve momento. Durante os 70 anos do cativeiro babilônico, Israel pareceu estar abandonado e esquecido. Contudo, na verdade, Deus permitiu essa experiência amarga a fim de revelar a Israel a tolice de seus caminhos e persuadi-lo de que a sabedoria consiste em ser fiel a Ele (ver Os 2:6-23). Em meio às dificuldades e às desilusões da vida, o povo de Deus tem o privilégio de ouvir a voz divina que chama a deixar os próprios caminhos e a andar com o Senhor. CBASD, vol. 4, p. 312.

Como as águas de Noé. Depois do dilúvio, Deus prometeu que não destruiria a terra com água (Gn 9:11-15). Promessa semelhante foi dada ao povo de Judá desde que permanecesse fiel a Deus, depois que retornasse à sua terra natal. CBASD, vol. 4, p. 312.

10 A aliança da minha paz. Isto é, a aliança divina que resulta em paz (ver Nm 25:12; Ez 34:25; 37:26). CBASD, vol. 4, p. 312.

13 Filhos. Expressão hebraica comum para designar descendência, sem levar em conta a idade. CBASD, vol. 4, p. 313.

15 Poderão suscitar contendas. Se tivessem permanecido fiéis a Deus depois do cativeiro, os judeus teriam recebido bênçãos inumeráveis (ver p. 16, 17). Seus inimigos conspirariam para tomar deles essas bênçãos, mas cairiam nessa tentativa (ver Ez 38:8-23); Zc 12:2-9; 14:2, 3). … Nos últimos dias, haverá também, da parte dos exércitos do mal, um esforço conjunto para destruir os santos, mas não terão êxito (ver Ap 16:14-16; 19:11-21; ver p. 17, 21-23). CBASD, vol. 4, p. 313.

16 O assolador. Isto é, aquele que devasta. deus afirma Seu controle soberano sobre os poderes da Terra. nenhuma força pode operar a menos que Ele permita (ver com. de Dn 4:17). nenhum inimigo pode ultrapassar os limites de Deus estabelece. CBASD, vol. 4, p. 313.

17 Seu direito. Ou, sua “vindicação”. Deus vindicará a causa de Seus servos. Quando o inimigo os acusar e lutar contra eles, Ele os declarará inocentes e os libertará. CBASD, vol. 4, p. 313.



ISAÍAS 54 – COMENTÁRIO PR EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
13 de julho de 2017, 0:20
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: