Reavivados por Sua Palavra


ISAÍAS 44 by jquimelli
3 de julho de 2017, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário Devocional

Talvez os mais conhecidos versos de Isaías citados em oração pelos pais ao redor do mundo sejam Isaías 49:24-25. Eu creio que Isaías 44:5 vem logo depois. Numa manhã, não muito tempo atrás, acordei cedo preocupado com um de meus filhos. Ao abrir a Bíblia, aconteceu de eu abri-la no capítulo 44 de Isaías, e senti que Deus falou comigo a respeito dos meus três filhos: “derramarei meu Espírito sobre a sua prole, e a minha bênção sobre seus descendentes” (v.3 NVI), e “Um dirá: ‘Pertenço ao Senhor’; outro chamará a si mesmo pelo nome de Jacó; ainda outro escreverá em sua mão: ‘Do Senhor’” (v.5 NVI).

Anos atrás, escrevi os nomes dos meus três filhos ao lado de cada uma dessas três declarações. Nosso mais velho irá dizer: “Eu pertenço ao Senhor.” O nosso filho do meio vai chamar-se pelo nome de Jacó que, é claro, é Israel, “o vencedor”, e nossa filha vai escrever que ela pertence ao Senhor. Quantas vezes eu reivindiquei estas declarações a favor de meus filhos pelos méritos de Jesus Cristo!

Deus não é apenas nosso Criador, mas também o nosso Redentor (v. 24). Ele está aqui para nos ajudar. Apoiemo-nos nEle hoje e tragamos a Ele o nosso coração sobrecarregado com nossos problemas e preocupações. Aquele que fez o universo, certamente saberá solucionar os nossos problemas.

Ron E M Clouzet
Pastor ministerial na Divisão Norte da Ásia e do Pacífico

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/isa/44, https://www.revivalandreformation.org/?id=969 e http://revivedbyhisword.org/en/bible/isa/44/
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/04/09
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Isaías 44 NVI
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/

Anúncios


ISAÍAS 44 – COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
3 de julho de 2017, 0:55
Filed under: Sem categoria



ISAÍAS 44 – COMENTÁRIOS ADICIONAIS DE RON CLOUZET by jquimelli
3 de julho de 2017, 0:50
Filed under: Sem categoria

O que eu mais gosto neste capítulo é o que ele diz a respeito de meus filhos, hoje já adultos.

Mesmo a expressão para Jesurum, no versículo 2 (na NVI. “Amado”, na ARA), deve tocar o coração dos pais. A palavra refere-se a Jacó, e significa reto ou digno. No hebraico, o final “un” é um diminutivo de afeto, como “meu pequeno Jacó.” Não é difícil para nós imaginarmos uma jovem mãe contemplando sua bebê ao dormir e desejando muito que ela se torne uma jovem de princípios. Nem é difícil imaginar um pai de meia-idade de joelhos, ao ponto de doerem, orando fervorosamente por seus filhos, agora longe de casa, implorando para que eles se tornem pessoas de caráter. Este é o sentimento que Deus tem por nós, Seus filhos.

Mas há mais em Isaías 44. Esse mesmo Deus que promete derramar o Seu Espírito sobre nossos descendentes afirma claramente que não há ninguém como Ele (v.6), e nos dá uma prova de Sua capacidade de prever o futuro. “Quem há, como eu, feito predições desde que estabeleci o mais antigo povo?” (v.7 ARA). Deus foi tão específico em suas predições sobre Israel que previu, mais de um século e meio antes, o papel do general medo-persa Ciro na conquista da Babilônia. Predisse ainda que Jerusalém seria habitada novamente e as cidades de Judá seriam reconstruídas! (v. 26-28). O próximo capítulo falará mais sobre este ponto.

Tendo em conta quem Deus é, a adoração de ídolos não faz o menor sentido. Ao lermos acerca da inutilidade dos ídolos, nos versículos 9 a 20, somos tentados a sentir uma falsa sensação de segurança por não adorá-los. Afinal de contas, quem hoje iria se ajoelhar diante de um pedaço de madeira?

O cristão de hoje certamente não fará um ídolo ou uma imagem para, diante dele, se prostrar, orar a ele e o adorar. Mas não é o que fazemos com as formas equivalentes de idolatria de hoje? Elas podem estar na forma de esportes, filmes, fantasias, comida ou bebida, ou quaisquer outros meios que utilizamos para escapar das pressões e dores da vida. A quem ou a que recorremos quando desanimados, deprimidos ou derrotados? Aquilo que utilizamos como fonte de conforto ou fuga torna-se o nosso equivalente atual de um deus, o nosso ídolo moderno.

O Senhor lembra a todos aqueles que se apegam a ídolos que “as coisas que estimam são sem valor” (v.9 NVI).



ISAÍAS 44 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
3 de julho de 2017, 0:45
Filed under: Sem categoria

ISAÍAS 44 – Precisamos acordar para nossa triste realidade: “Um reavivamento da verdadeira piedade entre nós, eis a maior e mais urgente de todas as nossas necessidades. Buscá-lo deve ser nossa primeira ocupação” (Ellen G. White).

Vamos buscá-lo/priorizá-lo? A repreensão divina visa à salvação do perdido, nunca a destruição. Deus não quer jogar ninguém no abismo, Ele quer que todos aceitem Sua proposta de perdão e reconciliação.

O ser humano tem inerentemente uma pré-disposição para a adoração. Se não for corrigida, ele descamba para os deuses irrelevantes, aos ídolos inertes e às crenças mais esdrúxulas. Isso prova que “o ser humano foi projetado como um ser adoracional. Assim, ele tem necessidade de relacionamento com Deus” (Ozeas Caldas Moura).

O Comentário Bíblico Adventista divide este capítulo da seguinte forma:

1. Deus faz promessas a Seu povo (vs. 1-6);
2. A inutilidade dos ídolos (vs. 7-8);
3. A insensatez dos que fabricam ídolos (vs. 9-20);
4. Deus exorta Seu povo a louvá-Lo por Sua salvação e onipotência (vs. 21-28).

Devido aos desvios criados pelo opositor de Deus, muitos caminhos falsos estão à nossa disposição para tirar nosso foco da verdadeira adoração. A graça de Deus visa corrigir-nos, por isso Deus nos exorta com amor.

Uma visão espiritual construída sobre a Palavra de Deus nos fará acabar com todo tipo de deuses falsos, destruir todo tipo de ídolos sejam físicos ou imaginários, daremos ouvidos às promessas e exortações de Deus, então O louvaremos por quem Ele é, pelo que Ele faz e fará por nós – que não merecemos mais do que a morte por nossos pecados!

Destaco alguns pontos expostos por Hernandes Dias Lopes baseando-se nos versos 3-5:

• O derramamento do Espírito é uma promessa de Deus (v. 3)
• O derramamento do Espírito é uma necessidade da igreja (v. 3)
• O derramamento do Espírito deve ser desejado ardentemente pela igreja (v. 3)
• O derramamento do Espírito produz resultados extraordinários (vs. 4-5).

Ele declara que, “a igreja realiza mais num dia pela ação do Espírito do que em vários anos de trabalho na força da carne […]. Uma igreja cheia do Espírito Santo é uma agência evangelizadora irresistível” .

Vamos orar por isso? “Senhor, ajuda-nos a desvencilhar de tudo o que impede sermos verdadeiramente cheios do Espírito Santo. Amém” – Heber Toth Armí.



ISAÍAS 44 – COMENTÁRIO ROSANA BARROS by Ivan Barros
3 de julho de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Assim diz o SENHOR, Rei de Israel, seu Redentor, o SENHOR dos Exércitos: Eu sou o primeiro e Eu sou o último, e além de Mim não há Deus” (v. 5).


A idolatria havia atingido o povo de Deus de tal forma, que seus sentidos foram embotados e seu coração não mais entendia a razão de tal abominação (v. 18-19). De uma forma terrivelmente pessimista, o profeta descreve a situação dos seguidores de imagens de escultura como uma ilusão que não lhes permite ver e nem entender que estão seguindo uma prática mentirosa (v. 20). Conforme os dois primeiros mandamentos do Decálogo (Êxodo 20:3-6), além do SENHOR não há Deus (v. 6). À pergunta: “Há outro Deus além de Mim?”, a resposta é enfática e indubitável: “NÃO, não há outra Rocha que Eu conheça” (v. 8).

O uso da rocha como ilustração do poder divino vem desde que Israel foi dessedentado por Deus no deserto. Moisés feriu a rocha, e dela fluiu um manancial. Então, pela segunda vez, o povo teve sede, e a ordem do SENHOR a Moisés não mais foi para ferir, mas para falar à rocha. Porém, o povo havia, numa linguagem contemporânea, enchido a paciência do velho líder, que, com ira, feriu a rocha duas vezes. (Êxodo 20:7-12). Então, quando vamos ao novo testamento, no final do sermão da montanha, Cristo conta uma parábola acerca de dois homens. Um constrói a sua casa sobre a rocha e esta permanece firme, mesmo em meio à forte tempestade. Porém, outro homem que constrói a sua casa sobre a areia, sobrevindo a tempestade, sua casa transforma-se em ruínas (Mateus 7:24-27). Cristo é a Rocha! O antigo e o novo testamentos se fundem para testemunho de um só SENHOR (João 5:39), uma só Rocha: Jesus Cristo. E o próprio Pedro confirmou esta verdade: “Chegando-vos para Ele, a PEDRA que vive, rejeitada, sim, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa” (I Pedro 2:4).

Tudo o que o SENHOR fazia pelo Seu povo no deserto, além de ser uma prova de Seu cuidado e terno amor, era também com o lindo propósito de lhe desvendar o plano da redenção. A rocha representava a Cristo, que seria ferido uma vez, para que então pudéssemos falar com Ele sem reservas. Quando Moisés e Arão foram ferir a rocha pela segunda vez, o povo perdeu de entender tal sabedoria: a rocha representa o nosso Redentor, que foi ferido uma vez por todas (Hebreus 7:27). Diante deste precioso conhecimento, “ajoelhar-me-ia eu diante de um pedaço de árvore?” (v. 19), quando eu sirvo à Rocha que me remiu dos meus pecados (v. 22)?

Faz algum sentido me deter diante de “uma imagem de escultura, que é de nenhum préstimo?” (v. 10). O SENHOR mais uma vez nos diz: “Vós sois as Minhas testemunhas” (v. 8) e perante tal privilégio, nossa vida deve ser uma intensa e constante declaração: “Eu sou do SENHOR”! “Eu sou do SENHOR”! (v. 5).

“Agora, pois, ouve” (v. 1), Israel de Deus: não deposite a sua confiança em nada além do SENHOR. A promessa do derramamento do Espírito Santo (v. 3) não ficou no passado e nem está em um futuro distante. Ela é uma promessa para HOJE. Deus nos convida AGORA a abandonar os “deuses estranhos” que têm desvirtuado o nosso coração da verdadeira adoração. Eles podem ser em forma de uma televisão, de um celular, de um computador, ou até mesmo de alguém que você odeia ou inveja. Temos duas escolhas a fazer: ou ferimos a Rocha, ou falamos com ela.

Aquele que “te formou desde o ventre materno” (v. 24) ainda permanece com a destra estendida para te remir e fazer de tua vida glória ao Seu nome (v. 23).

Oh, amados, não temos mais tempo a perder ferindo Quem deseja ter uma relação de amizade conosco! Falar com Deus, ter uma vida de oração, e ir em busca de Seu auxílio com sinceras súplicas, abre a porta do nosso coração para que o Espírito seja derramado e estejamos alicerçados sobre o firme fundamento de Suas palavras. Que a minha e a tua vida cumpram o propósito de glorificar a Deus! Que nossos atos e palavras revelem de Quem somos:

“Eu sou do SENHOR”!

Bom dia, testemunhas da única Rocha!

Desafio do dia: O que tem impedido a tua total entrega a Deus? Fale com a Rocha e permita que Ele faça fluir de você rios de água viva!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Isaías44
#RPSP
#IASD



ISAÍAS 44 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
3 de julho de 2017, 0:25
Filed under: Sem categoria

Israel, a quem escolhi. Depois de repreender o povo por seus pecados(Is 43:22-28), o Senhor pronuncia palavras de conforto e coragem. eles devem se se lembrar de que Deus os escolheu e os ama; tem compaixão por eles e os salva. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 275.

Sobre o sedento. A primeira parte do texto é simbólica; sua explicação se encontra na segunda parte. O derramamento do Espírito de Deus é comparado às chuvas refrescante (Jl 2:23, 28, 29). O “sedento” é o que tem sede de Deus e de justiça (Sl. 42:1, 2; Mt 5:6; Jo 4:113, 14). CBASD, vol. 4, p. 275.

Quem há, como Eu, feito predições desde que estabeleci o mais antigo povo? (ARA). A AA traduz: “Quem tem anunciado desde os tempos antigos  as coisas vindouras?”, sem alteração da ideia fundamental. CBASD, vol. 4, p. 275.

9 As suas coisas preferidas. Isto é, coisas nas quais se comprazem, especialmente relacionadas com a adoração aos ídolos. CBASD, vol. 4, p. 275.

Eles mesmos são testemunhas. Os ídolos cegos e insensíveis dão testemunho eloquente de que são cegos e nada sabem. CBASD, vol. 4, p. 276.

15 Faz um deus. É mero acaso qual pedaço de madeira será usado para o fogo qual será usado para se fazer um ídolo! CBASD, vol. 4, p. 276.

20 Tal homem se apascenta de cinza. Quão tolo seria alguém que se alimentasse de cinzas, esperando nutrir-se delas. Da mesma forma é tolice pensar que um ídolo pode beneficiar o ser humano. CBASD, vol. 4, p. 276.

21 Lembra-te destas coisas. Deus ordena a Israel atentar para o que Ele disse sobre a tolice de se adorar ídolos. Israel pertence a Deus e deve servi-Lo. CBASD, vol. 4, p. 276.

22 Como a nuvem. Assim como o sol e o vento dispersam as nuvens, Deus faz desaparecer as transgressões de Seu povo. CBASD, vol. 4, p. 276.

25 Enlouqueço os adivinhos. Não no sentido de insanidade, mas de torná-los tolos. Quando dessem em nada, suas previsões manifestariam sua tolice. CBASD, vol. 4, p. 276.

26 Meu servo. Neste caso, provavelmente, o profeta Isaías (ver com. de Is 41:8). CBASD, vol. 4, p. 276.

27 digo à profundeza das águas: Seca-te, e eu secarei os teus rios. Esta predição se cumpriu quando Ciro desviou as águas do Eufrates para que os soldados pudessem entrar em Babilônia. CBASD, vol. 4, p. 276, 277.

28 Ciro. Esta profecia é surpreendente por mencionar Ciro pelo nome, um século e meio antes de seu tempo, e predizer o papel notável que desempenharia na libertação dos judeus (ver 1Rs 13:32, sobre uma profecia com respeito à reforma de Josias). Sem dúvida, Ciro deve ter ficado muito surpreso ao saber que uma profecia judaica o citava pelo nome, descrevia a conquista de Babilônia e predizia sua política com relação aos judeus cativos, um século e meio antes de seu nascimento (ver PR, 557). CBASD, vol. 4, p. 277.

Meu pastor. Ao derrotar Babilônia e libertar os judeus, Ciro fez pelo Israel nacional o que Cristo fará por todos os escolhidos ao derrotar a Babilônia espiritual e libertar Seu povo do domínio dela (Ap 18:2-4, 20; 19:1, 2). CBASD, vol. 4, p. 276.

Digo também de Jerusalém: Será edificada; e do templo: Será fundado. Logo após conquistar Babilônia, Ciro promulgou o decreto que permitiu aos judeus cativos retornar à sua terra natal e reconstruir o templo (2Cr 36:22, 23; ver com. de Ed 1:1-4).



ISAÍAS 44 – COMENTÁRIO PR EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
3 de julho de 2017, 0:25
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: