Reavivados por Sua Palavra


ECLESIASTES 10 by jquimelli
10 de maio de 2017, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário devocional:

Salomão começa este capítulo comparando o frágil processo usado para fazer perfumes com o ainda mais frágil processo de vida do crente, que tenta ser uma testemunha perfeita, especialmente se ele é considerado uma pessoa sábia e honrada.

Nos velhos tempos, uma pequena, insignificante e inofensiva mosca morta, era capaz de estragar o equilíbrio das essências e óleos necessários para fazer perfume. Perfumes cujas essências haviam sido deterioradas eram simplesmente descartados. A mesma coisa acontece com uma pequena expressão de raiva, uma palavra impensada, um defeito em nosso caráter, ou um mau hábito. Qualquer dessas coisas pode tornar inútil a influência de uma pessoa boa.

Salomão conclui este capítulo sugerindo que cuidemos de nossas palavras. A pessoa sábia falará pouco, cuidando de suas palavras, tentando evitar que estas sejam mal-entendidas.

Que a nossa oração seja:
Senhor, dá- me um coração sábio e compreensivo para que eu possa pensar e falar corretamente e representá-Lo dignamente diante outros. Amém.

Pr. Roberto O. Gullón
Secretário Executivo da União Argentina da IASD

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/Ecc/10, https://www.revivalandreformation.org/?id=915 e http://revivedbyhisword.org/en/bible/Ecc/10/
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/02/14
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Eclesiastes 10 NVI
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/



ECLESIASTES 10 – COMENTÁRIO PR. EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
10 de maio de 2017, 0:55
Filed under: Sem categoria



ECLESIASTES 10 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
10 de maio de 2017, 0:45
Filed under: Sem categoria

ECLESIASTES 10 – A revelação do mistério daquilo que para nós está oculto se dá graças à misericórdia de Deus. “Só a revelação divina pode dar simetria e significado à vida. O homem ‘debaixo do sol’ dá aqui mais provas da sua falta de iluminação espiritual”, comenta Merril Frederick Unger.

• A distinção entre aqueles que assimilam a revelação divina em sua vida e os que vivem de sua própria intuição é tão contrastante quanto é diferente o sábio e o tolo.

Harold L. Willmington destaca que neste capítulo “Salomão reflete sobre os diferentes tipos de pessoas”, e, então, oferece-nos o seguinte esboço:

I. OS INDIVÍDUOS DESCRITOS POR SALOMÃO:
1. O sábio:
a) Seu coração direciona-se pelo que é certo (v. 2a);
b) Sua boca pronuncia palavras graciosas (v. 12a).
2. O tolo:
a) Seu coração direciona-se pelo que é mal (v. 2b);
b) A maneira que anda denuncia suas tolices (v. 3);
c) A ele é frequente e tragicamente dada autoridade (vs. 6-7);
d) Ele é consumido por suas próprias palavras (vs. 12b-14);
e) Ele se esgota com tarefas simples (v. 15).
3. O que possui autoridade:
a) Fique calmo, não desista se seu superior irar-se com você (v. 4);
b) Ai da terra cujo rei é uma criança (v. 16);
c) Feliz da terra cujo rei é um nobre (v. 17);
d) Não amaldiçoe o rei [líder político], nem mesmo em pensamento (v. 20).
4. O preguiçoso: Deixa o teto desabar e goteiras na casa (v. 18).

II. OS DANOS SOBRE OS QUAIS SALOMÃO ALERTA. Ele recomenda cuidado:
1. Cavando uma cova, não caia nela (v. 8a);
2. Derrubando um muro, cuidado para que a cobra não o pique (v. 8b);
3. Trabalhando em pedreira, atente para que as pedras não o machuquem (v. 9a);
4. Derrubando árvores, vigie para que o machado não o acerte (vs. 9b-10).

III. AS OBSERVAÇÕES DE SALOMÃO:
1. Uma festa produz risadas (v. 19a);
2. A vinha produz felicidade (v. 19b);
3. O dinheiro produz tudo (v. 19c).

Deus deseja nosso bem e desenvolvimento integral. Rejeitar Sua revelação é dar preferência ao mal e à decadência em nossa existência. As instruções espirituais fazem bem inclusive nos aspectos físicos, emocionais e sociais.

Portanto, precisamos priorizar Deus e Seus princípios! – Heber Toth Armí.



ECLESIASTES 10 – Comentário Rosana Barros by Ivan Barros
10 de maio de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“O coração do sábio se inclina para o lado direito, mas o do estulto para o da esquerda” (v. 2).


Na cidade em que moro há um hotel à beira-mar cuja arquitetura frontal dá a ideia de que parte do prédio é inclinado para a esquerda. É claro que é só uma faixada criativa e que tudo lá dentro segue os padrões de uma construção normal. Mas, em meus pensamentos de criança, ficava imaginando que tudo lá dentro também deveria ser inclinado. O texto de hoje também se refere a uma inclinação, na verdade, duas: uma natural e ainda outra, adquirida.
 
Somos naturalmente inclinados, ou seja, tendenciosos, para o mal. E por mais insignificante que seja considerado o pecado cometido, ele pode colocar tudo a perder (v. 1). Nossa natureza pecaminosa nos torna inevitavelmente culpados. Contudo, recebemos, mediante a graça de Jesus Cristo, a oportunidade ímpar de, apesar desta inclinação, permitir que Ele construa em nosso interior os padrões celestiais. Ao recusar que o grande Arquiteto e Edificador promova a reforma necessária em nossa vida, inclinamos cada vez mais para o lado errado, e a jornada da vida vai revelando isso (v. 3). Paulo escreveu: “Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las porque elas se discernem espiritualmente” (I Coríntios 2:14).
 
Por outro lado, aquele que permite que a obra do Espírito Santo seja realizada em sua vida, inicia uma jornada cujo fruto vai sendo revelado em suas palavras e atitudes. O “ânimo sereno” (v. 4) ou mansidão faz parte do fruto do Espírito (Gálatas 5:23) e é indispensável na vida de todos os que desejam herdar o Reino eterno: “Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra” (Mateus 5:5); além de ser uma das características que Cristo nos convidou a adquirir: “Tomai sobre vós o Meu jugo, e aprendei de Mim, porque sou MANSO e humilde de coração…” (Mateus 11:29). A mansidão, aliada ao domínio próprio, nos torna aptos a discernir melhor como reagir em determinadas situações e nos livra de ações tolas e constrangimentos desnecessários.
 
A excelência da sabedoria está na vida e obra do Deus que Se fez homem. Suas palavras ecoavam vida. Suas ações manifestavam amor. Seus pensamentos eram de paz. Tudo nEle revelava uma sabedoria excelente e inquestionável. O Rei dos reis não almejou tronos ou posições terrenas. O Príncipe da Paz andou “a pé como” servo “sobre a terra” (v. 7) e nos deixou traçado, em solo enegrecido pelo pecado, o Caminho que DEVEMOS seguir. Apesar de nossa natural inclinação, não estamos fadados à queda, se tão-somente permitirmos que Cristo entre em nosso coração e nos torne coparticipantes com Ele de Seu banquete que nos refaz as forças (v. 17).
 
Que o meu e o seu coração esteja até o fim inclinado para o lado direito. Pois, não tarda a hora em que Cristo dirá aos que estiverem à Sua direita: “Vinde, benditos de Meu Pai! Entrai na posse do Reino que vos está preparado desde a fundação do mundo” (Mateus 25:34).
 
Bom dia, salvos por Cristo!
 
Desafio do dia: Por mais que a sua natureza seja acostumada a reagir de modo contrário, escolha ser manso. Não revide. Não responda ao insulto. Se não for para falar com mansidão, prefira o silêncio. Que hoje seja o início de uma reforma em sua vida.
 
Rosana Garcia Barros
#PrimeiroDeus #Eclesiastes10 #RPSP



%d blogueiros gostam disto: