Reavivados por Sua Palavra


PROVÉRBIOS 31 by jquimelli
30 de abril de 2017, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário devocional:

Este capítulo de Provérbios foi escrito pelo rei Lemuel, que nos repassa os conselhos de sua mãe acerca do que significa ser um bom filho e uma esposa virtuosa.

Nos meus primeiros anos de faculdade a ideia de casamento me amedrontava. Alguns chamavam o casamento de “sentença de prisão perpétua”. Minha mãe conversava comigo a respeito dos privilégios e responsabilidades de um casamento e me aconselhava a casar com uma mulher virtuosa. Mesmo concordando com o que ela dizia, a ideia era simplesmente assustadora. Como poderia uma pessoa imperfeita como eu me casar com alguém virtuosa?

Uma mulher virtuosa me atraía e me assustava ao mesmo tempo, porque sua moralidade desafiaria a minha questionável moralidade masculina, eu pensava. Mas em apenas sete semanas de casado (sim, somos recém-casados) minha mulher mudou esse conceito de três maneiras.

Ela me mostrou o seu valor. A capacidade da minha esposa de se manter firme, nas pequenas coisas e no que é correto, me mostrou seu valor como namorada e, depois, como esposa e mãe em potencial.

Ela era genuína em tudo que falava e fazia. No começo, quando ainda não estava interessada em mim, ela mostrou claramente isso. Ela não retornava minhas ligações, mensagens ou e-mails. A partir do momento em que se interessou em mim, ela mostrou isso ao convidar-me para caminhadas nas horas de folga, enviando mensagens e indo até o café do campus onde eu trabalhava.

Ela ansiava pelo favor de Deus. Ela foi e ainda é uma mulher poderosa de oração. Ela amava a Deus e isso se podia ver no seu sorriso, no modo de se vestir e de se relacionar com as pessoas e no seu envolvimento com os serviços de adoração. Isso me levou a me apaixonar por ela e valorizar muito o plano de Deus em criar a mulher como companheira do homem.

“Querido Deus, obrigado porque, através dos conselhos sábios de uma mãe, demonstrastes a importância da mulher virtuosa, motivo de estabilidade e felicidade no lar. Que possamos, todos, também, buscar a virtude da retidão e pureza em nossas vidas. Amém.”

Elroy Byam
Hope Channel , Inc.

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/pro/31 e https://www.revivalandreformation.org/?id=905 e http://revivedbyhisword.org/en/bible/pro/31/
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/02/04
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Provérbios 31 NVI
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/



PROVÉRBIOS 31 – COMENTÁRIO PR EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
30 de abril de 2017, 0:55
Filed under: Sem categoria



PROVÉRBIOS 31 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
30 de abril de 2017, 0:45
Filed under: Sem categoria

PROVÉRBIOS 31 – Certamente não foram apenas judeus que escreveram as palavras de Deus. Outra coisa, Deus nunca menosprezou mulheres, pelo contrário, na Bíblia ela sempre é valorizada pelo Criador.

Este capítulo em foco “desdobra-se em duas partes, ambas são declarações da mãe de Lemuel. O fato de que Lemuel e sua mãe provavelmente não sejam israelitas demonstra não somente a natureza universal da natureza do movimento da sabedoria, mas também a aceitação da sabedoria bíblica fora de Israel”, explica o teólogo Paulo R. House.

Desta forma, o próprio livro de Provérbios prova que suas aplicações servem para todos nós ainda hoje. Todos eles são aplicáveis universalmente, inclusive estes:

1. Pessoas sábias fogem da devassidão e da lascívia. A falta de sabedoria na escolha do cônjuge é a perdição inclusive de reis e rainhas (vs. 1-3).

2. Ainda que bebidas alcoólicas tenham alguma utilidade, os sábios não devem prejudicar sua capacidade de liderar, administrar, julgar e decidir ingerindo álcool (vs. 4-7).

3. Os reis e governadores, os políticos em geral, têm a obrigação de defender aos desamparados e prestar auxílio aos necessitados, nada deve fazê-los desviar-se destas responsabilidades – o constituiria loucura (vs. 8-9).

Mulheres e homens, gentios e judeus, podem ser igualmente sábios. Reflita nesta declaração do Dr. House:

“O livro é concluído com uma extensa definição de uma boa esposa (31:10). A mãe de Lemuel inclui toda característica de uma mulher honrada que poderia possivelmente contrastar com a característica da mulher má em outra parte do livro (7:6-27). Essa esposa trabalha incansável, efetiva e valentemente (31:10-24). Ela fala palavras sábias e tem força e dignidade (31:25-26). A mãe de Lemuel a elogia com o louvor mais alto que o livro oferece: ela teme o Senhor (31:27-31). Mais uma vez é a relação com Yahweh que conduz à vida sábia. Esse princípio é verdade para homens e mulheres, israelitas e gentios”.

Agur, Lemuel e sua mãe são provas reais de que a sabedoria está acessível inclusive aos não judeus, sejam homens ou mulheres. Rute, a Sulamita de Cântico dos cânticos, Abigail e Maria, mãe de Jesus, são exemplos de mulheres sábias.

Já que todos podem ser sábios… por que não…

• …livrarmo-nos de vez da loucura?
• …obtermos sabedoria?
• …seguirmos diariamente os passos indicados em Provérbios?

Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

ATENÇÃO: Escreva como o Livro de Provérbios te influenciou nestes 31 dias…



PROVÉRBIOS 31 – Comentário Rosana Barros by Ivan Barros
30 de abril de 2017, 0:25
Filed under: Sem categoria

“Mulher virtuosa, quem a achará? O seu valor muito excede o de finas joias” (v. 10).

Quando pensamos em Provérbios 31 rapidamente lembramos do louvor da mulher virtuosa. Em forma poética e ao mesmo tempo em linguagem acessível, esta “mulher de força” tornou-se o padrão que toda mulher piedosa deseja alcançar. Porém, há outra mulher neste capítulo, que mesmo não sendo protagonista, deveria igualmente ser admirada. Observe com cuidado o que diz o verso 1:”Palavras do rei Lemuel, de Massá, as quais LHE ENSINOU SUA MÃE”. As palavras deste capítulo vieram de uma mãe. Uma mulher que compreendeu o seu papel no lar e cujas palavras excederam a excelência de tronos.

O primeiro conselho dado por aquela sábia mãe a seu filho redunda em um contraste com o modelo estabelecido nas Escrituras a partir do verso 10: “Não dês às mulheres a tua força, nem os teus caminhos às que destroem os reis” (v. 3). Foi quando os filhos de Deus olharam e tomaram para si as filhas dos homens (Gênesis 6:2), que o mundo entrou numa corrupção tão terrível cujo desfecho foi a destruição pelo dilúvio (Gênesis 6:5-7). Não deve ser passado por alto um conselho tão antigo e ao mesmo tempo tão contemporâneo. Relacionamentos sem a aprovação de Deus são fadados ao fracasso e geram problemas de ordem social seja qual for a época.

O segundo conselho requer uma abstinência do álcool e de tudo o que pudesse entorpecer a mente. Sabemos que naquele tempo não havia as drogas atuais, mas o vinho fermentado ou as bebidas misturadas, além de serem usadas para bebedices, também o eram para torpor de doentes e condenados à morte. O verso 6 não se trata de uma autorização especial, mas de um contexto histórico. A Cristo mesmo, em Sua profunda agonia na cruz, foi-Lhe oferecida uma bebida entorpecente, uma espécie de mistura de vinagre e fel, a qual o nosso Salvador rejeitou.

O terceiro conselho trata-se mais de uma ordem, que poderia resumir-se a isto: “Abre a boca” (v. 8 e 9) só se for para fazer justiça! 

Isto é, cuidado com as tuas palavras e que da tua boca só proceda bênção. Então, começa o “Bê a bá” da mulher segundo o coração de Deus. Geralmente é um texto muito admirado por mulheres, mas que deveria fazer parte do acervo de leituras de todo homem, principalmente daqueles cujos propósitos ainda não se uniram em aliança com uma mulher. Em forma de acróstico com as 22 letras do alfabeto hebraico, o louvado texto apresenta uma mulher agradável, forte e sábia. Era exatamente o tipo de mulher que deveria ocupar a posição de rainha, ao lado de Lemuel.

Como mãe, desejo e peço ao SENHOR que desde já prepare para meus filhos mulheres virtuosas que antes de serem rainhas do lar, sejam súditas do Rei dos reis. As palavras de uma mãe temente a Deus acompanham seus filhos na jornada da vida e produzem resultados que somente o Céu revelará com exatidão. Assim como Agur, independente de quem tenha sido Lemuel, com certeza foi alguém que reconheceu na sabedoria de sua mãe, a voz de ordem do SENHOR: “… Crede no SENHOR, vosso Deus, e estareis seguros” (II Crônicas 20:20).

Não existem mulheres naturalmente virtuosas, e sim mulheres que buscam viver essas virtudes. Busquemos, pois, mulheres do SENHOR, viver com humildade a Palavra de Deus, permitindo que Ele opere em nós os frutos de Suas virtudes. Mães, busquemos a sabedoria do Céu, conduzindo a herança do SENHOR para escolhas que lhe confira à vida o tempo que se chama eternidade. Filhos, dêem ouvidos aos conselhos de sua mãe, pois são “como maçãs de ouro em salvas de prata” (Pv. 25:11). 

Bom dia, sábios do SENHOR!

Desafio do dia: Compartilhe conosco sua experiência com o estudo do livro de Provérbios e convide amigos para juntos estudarmos Eclesiastes a partir de amanhã!

Rosana Garcia Barros

#RPSP #PrimeiroDeus #Provérbios31



PROVÉRBIOS 30 by Maria Eduarda
29 de abril de 2017, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário devocional:

Muito frequentemente alguns cristãos se gabam de que eles têm “a verdade”, como um monopólio. Sem dúvida, os cristãos têm uma vantagem, já que o próprio Jesus disse: “quando o Espírito da verdade vier, ele os guiará a toda a verdade “(João 16:13 NVI).

Mas o Espírito de Deus também é como o vento, você “não pode dizer de onde vem nem para onde vai” (João 3:8 NVI). E é isso que se vê claramente nas Escrituras. Deus escolhe quem Ele quer: um rei pagão Ciro foi chamado de o “ungido” (Isaías 45:1); Rute, uma não judia, se tornou a bisavó de Davi, e a genealogia de Jesus Cristo inclui quatro mulheres não judias (Mt 1). Repetidas vezes, a Bíblia afirma que todos os habitantes da Terra são filhos de Deus.

Provérbios 30 contém ditados de Agur, um homem que vivia na região de Massá (Prov. 30:1 ARA). A identidade de Agur era desconhecida, mas sabemos que ele provavelmente proveniente de Massá, uma palavra que em hebraico primariamente significa um lugar. Isto poderia significar que ele não era um israelita. Mas guiado pelo Espírito Santo Agur escreveu os provérbios que foram incluídos no capítulo de hoje.

Embora um homem sábio, Agur reconhece a sua pequenez e exibe a sua humildade: “Não aprendi sabedoria, nem tenho conhecimento do Santo” (v 3, NVI). E ele apresenta no v. 5 a fonte daquilo que alcançou: Deus. Ele é o único que concede a verdadeira sabedoria e entendimento. Ao permitir que Deus fale com você através do Seu Espírito, você obterá a verdadeira sabedoria que tantos procuram alcançar.

“Senhor, mantenha-me perto de Ti e através de Teu Espírito Santo guia a minha vida e pensamentos. Preciso de Ti. Amém”.

Oleg Kostyuk
Hope Channel , Inc.

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/pro/30 e https://www.revivalandreformation.org/?id=904 e http://revivedbyhisword.org/en/bible/pro/30/
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/021/03
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Provérbios 30 NVI
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/



PROVÉRBIOS 30 – COMENTÁRIO PR EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
29 de abril de 2017, 0:55
Filed under: Sem categoria



PROVÉRBIOS 30 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
29 de abril de 2017, 0:45
Filed under: Sem categoria

PROVÉRBIOS 30 – A loucura repele as pessoas; entretanto, a sabedoria atrai.

Precisamos saber que nossa mente é como paraquedas, se não abrir, ela cai. Agur abriu sua mente, e o resultado foi magnífico. Talvez Agur fosse atraído a Salomão por sua sabedoria, e certamente se converteu ao princípio da verdadeira sabedoria: O temor do Senhor.

Agur era árabe, de Massá, no Oriente, um professor de renome, que enviou uma carta ao dois de seus alunos destaques: Itiel e Ucal – após sua conversão. Ele havia sido grande homem intelectual, mas desprovido do conhecimento do Deus verdadeiro.

Provavelmente, Agur ouviu falar da Sabedoria de Salomão, ou ele próprio foi visitar ao rei israelita. Ele abriu a mente, aprendeu a verdadeira sabedoria e agora compartilha com seus pupilos (e conosco também).

De seus escritos, extraio alguns princípios:

1. Quem tem contato com a verdadeira sabedoria e se rende a ela, torna-se a humildade em pessoa; despreza a arrogância, o orgulho e a vaidade e até o conhecimento que antes pensava equivocadamente ser sabedoria (vs. 1-3).
2. Quem se converte genuinamente à sabedoria divina reconhece que a Palavra de Deus é a verdade e, qualquer coisa contrária a ela não passa de ilusão, fraude e mentira (vs. 4-6).
3. Quem se converte deixa de ser ambicioso, materialista e ganancioso, passa a desejar somente o essencial para não perder-se do caminho da salvação, de sua fidelidade a Deus e, de Seus princípios morais (vs. 7-9).

“O desenvolvimento da mente é um dever que devemos a nós mesmos, à sociedade e a Deus. Nunca devemos, entretanto, planejar meios para o cultivo do intelecto à expensas da parte moral e espiritual. E é somente pelo harmonioso desenvolvimento das faculdades mentais, tanto como das morais, que se alcança a mais alta perfeição de ambos” (Ellen G. White).

Na sequência do texto bíblico, Agur, inspirado por Deus, oferece-nos máximas sapienciais:

• Não humilhe os humildes (v. 10);
• Fuja da arrogância (vs. 11-14);
• A ganância é insaciável (vs. 15-16);
• Filhos arrogantes sofrerão terrivelmente (v. 17);
• Enigmas da vida (vs. 18-20);
• Coisas intragáveis (vs. 21-23);
• Coisas pequeninas que ensinam importantes lições (vs. 24-28);
• Coisas ilustres (vs. 29-31);
• A arrogância causa desgraça, a humildade atrai graça (vs. 32-33).

Amigo(a), anima-te! Faça como Agur, converta-se e compartilhe sabedoria! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: