Reavivados por Sua Palavra


JÓ 33 by jefersonquimelli
24 de janeiro de 2020, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/job/33

Eliú, o jovem orador que estava esperando para falar até os outros terminarem, agora se direciona a Jó.

O idealismo juvenil de Eliú segue a trajetória errada, quando ele começa com a falsa suposição de que Jó se vê sem pecado e cria um argumento de que Jó tem problemas porque não está seguindo a receita espiritual correta.

Eliú nem sequer considera que o sofrimento humano, muito real de Jó, tenha acontecido sem culpa sua. Em vez disso, Eliú afirma que Jó não era religioso o suficiente ou perspicaz o suficiente para compreender as tentativas de Deus para salvá-lo da “cova” através de sonhos, ou anjos, ou outras tentativas de comunicação, e as experiências de Jó devem lhe ensinar uma lição.

Neste mundo, coisas ruins estão constantemente acontecendo com pessoas boas. É fácil dizer: “Tudo acontece por uma razão” e, em seguida, tente descobrir o que é essa “razão”, mas esse tipo de lógica de adesivo não ajuda, assim como as palavras de Eliú não ajudaram Jó. Deus não promete uma vida livre de problemas se formos justos, mas sim que Ele estará conosco em nosso sofrimento e que teremos um futuro melhor com Ele na eternidade.

Michael Peabody
Advogado
Los Angeles, Califórnia EUA

Texto mundial: https://www.revivalandreformation.org/?id=715
Tradução: Jeferson e Gisele Quimelli



JÓ 33 – COMENTÁRIO PR. ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
24 de janeiro de 2020, 0:55
Filed under: Sem categoria



JÓ 33 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jefersonquimelli
24 de janeiro de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

JÓ 33 – A complexidade da vida faz as pessoas investirem seus pensamentos na busca de respostas às perplexidades da humanidade.

Mesmo para os religiosos, surgem mais enigmas que respostas. A sabedoria dos filósofos, a ciência dos pesquisadores e a inteligência dos pensadores são insuficientes para esclarecer os problemas da existência. Carecemos de algo mais!

Eliú intentará desvendar mistérios. Sua abordagem difere da dos outros que intentaram, mas foi tão infeliz quanto eles em revelar os enigmas da vida. Apesar disso, neste capítulo Eliú apresenta temas bem interessantes, vale a pena prestar atenção juntamente com Jó (vs. 1-4):

1. Eliú intenta fazer com que Jó percebesse que ao declarar sua inocência, mas, culpando a Deus, foi injusto de sua parte; pois, nós humanos, somos formados por Deus do pó da terra, nossa visão é limitada demais para acusar nosso Criador, nosso padrão de justiça é pequeno demais para colocar Deus no banco dos réus (vs. 5-18).

2. Eliú concentra-se nos vários métodos usados por Deus para falar ao ser humano (vs. 19-30). O alvo de Deus é resgatar/salvar; por isso, fala-nos por meio…

a) De visões e sonhos;
b) Do sofrimento;
c) De doenças graves;
d) De um anjo.

3. Eliú enfoca na sabedoria, sendo ela o caminho mais coerente para a explicação dos complexos mistérios da existência humana (vs. 31-33).

Eliú não se aproximou de Jó como juiz, mas como amigo e irmão; ele não acusou falsamente a Jó, mas aceitou a afirmação de sua justiça; Ele não usou linguagem abusiva, mas respeitosa; ele não falou visando torturar Jó, mas ajudá-lo.

Eliú deseja agir como revelador de Deus para Jó, sua intenção é ser um intérprete de Deus perante o sofredor angustiado e exausto de tanta dor. Ele almeja orientar Jó em sua forma de lidar com Deus. Seus discursos são o elo entre os discursos filosóficos de Jó e seus amigos e os discursos divinos, o qual virá em seguida – após o seu.

O ser humano frustrado possui uma necessidade incontida de explorar algo novo em busca de respostas satisfatórias. Explorar não é errado; precisamos ser curiosos como crianças e exploradores como adolescentes, mas sempre firmados no alicerce da Palavra de Deus – pois, ela é a fonte da verdadeira sabedoria!

Reavivemo-nos na Palavra! – Heber Toth Armí.



JÓ 33 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
24 de janeiro de 2020, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Eis que diante de Deus sou como tu és; também eu sou formado do pó” (v.6).

Segundo as palavras de Eliú, ele não pretendia ser maior do que Jó, nem tampouco se colocou em posição de inferioridade, mas proferiu o seu discurso de igual para igual. Alegando sinceridade de coração, ele manifestou interesse em justificar a Jó e fazê-lo refletir que mesmo em face de sua terrível condição, Deus tinha poder de redimi-lo e mudar a sua sorte. Que todo aquele que aceita o resgate divino “verá a face de Deus, e Este lhe restituirá a sua justiça” (v.26); o que se cumpriu com precisão na vida de Jó, conforme o capítulo 42 deste livro.

Podemos notar em algumas expressões a ansiedade de Eliú de proferir as suas razões. Contudo, diferente dos três amigos de Jó, suas palavras, apesar de não conter o teor rebuscado dos discursos dos mais velhos, não revelam soberba ou motivações egoístas. Parece que estava bastante incomodado com tudo o que até então tinha ouvido, pelo modo com que Jó havia sido tratado e como este havia se esforçado por justificar-se a si mesmo. Eliú declarou que a verdadeira intercessão e resgate vem de Deus, o que nos remete à obra de Cristo.

Na primeira carta de Paulo a Timóteo, a Bíblia deixa claro que “há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem” (1Tm.2:5). Aquele que veio a esta Terra “para declarar ao homem o que lhe convém” (v.23) é o único “pelo qual importa que sejamos salvos” (At.4:12). Através do ministério de Cristo no santuário celestial, olhando para o Santíssimo, “mediante a fé, temos paz com Deus” (Rm.5:1). “Por isso” (v.7), não devemos temer o homem e nem o que possa tentar contra nós. “Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu ou, antes, ressuscitou, O qual está à direita de Deus e também intercede por nós” (Rm.8:33-34).

Temos à nossa disposição um Sumo Sacerdote que no Céu realiza a Sua obra intercessora e que está para selar os Seus últimos eleitos antes do cumprimento da derradeira promessa. Dentro em breve, muitos hão de passar por um momento de terrível angústia, mas, como Jó, serão redimidos e resgatados para receberem a sua recompensa. Porque, pela fé, “aspiram a uma pátria superior, isto é, celestial” (Hb.11:16).

Olhemos para Jesus e para a nossa futura redenção, quando estaremos “em pé no mar de vidro, tendo harpas de Deus”, entoando “o cântico de Moisés, o servo de Deus, e o cântico do Cordeiro, dizendo: Grandes e admiráveis são as Tuas obras, Senhor, Todo-Poderoso! Justos e verdadeiros são os Teus caminhos, ó Rei das nações!” (Ap.15:3). Vigiemos e oremos!

Bom dia, redimidos por Cristo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Jó33 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



JÓ 33 – COMENTÁRIO PR. RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
24 de janeiro de 2020, 0:10
Filed under: Sem categoria



JÓ 33 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jefersonquimelli
24 de janeiro de 2020, 0:05
Filed under: Sem categoria

599 palavras

Ouve, pois, Jó. O discurso deste capítulo é dirigido a Jó. O principal propósito é convencer Jó de que ele errou em seus pontos de vista sobre o sofrimento. Os amigos de Jó consideram a aflição como um castigo. Jó discordou; ele parece considerar o sofrimento simplesmente como uma expressão da soberania divina. Eliú crê que Jó e seus amigos não têm a resposta correta. Ele acredita que o verdadeiro objetivo da aflição é purificar, fortalecer, melhorar, provar, esclarecer, desenvolver a fé e salvar. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 3, p. 661.

preste atenção a tudo que eu vou dizer. Está totalmente convicto da importância e da sabedoria dos conselhos que está para transmitir (cf.v. 31, 33). Bíblia de Estudo NVI Vida.

contesta-me. Eliú promete que o debate entre ele e Jó será realizado em termos justos. Promete não tentar sobrecarregar Jó de repreensões e reconhece que Jó tem o direito de lhe responder e de discordar dele. CBASD, vol. 3, p. 661.

Estou limpo. Isto é um exagero. Jó não havia reivindicado perfeição absoluta (ver Jó 7:20, 21; 9:28; 13:26; 14:4, 17). CBASD, vol. 3, p. 661.

12 você não está certo. Eliú acha que Jó precisa ser corrigido. Certamente Jó erra ao considerar Deus um inimigo (cf v.10; 13.24; 19.11), mas Eliú também está ofendido com o que lhe parece ser uma alegação de Jó a favor da própria pureza (cf v.9). Jó, no entanto, nunca alegara estar “limpo e sem pecado”, embora algumas de suas palavras tivessem sido entendidas dessa forma por Elifaz (15.14-16). Jó reconhece-se pecador (7.21; 13.26), mas nega ter cometido os pecados brutais por que pensa estar sendo castigado. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Deus é maior. Poder não significa justiça, e dizer que Deus pode fazer o que Lhe agrada porque é todo-poderoso é um argumento incoerente para defendê-Lo. CBASD, vol. 3, p. 661.

13 O maior teste de Jó não era o sofrimento, mas que ele não sabia porque estava sofrendo. Nosso maior teste pode ser que devemos confiar na bondade de Deus mesmo quando não entendemos por que nossas vidas seguem certo caminho. Devemos aprender a confiar em Deus, que é bom, e não na bondade da vida. Life Application Study Bible Kingsway.

14 Deus fala de um modo, sim, de dois modos. Deus tem mais de um modo de falar ao homem, mas o homem nem sempre reconhece Sua voz. CBASD, vol. 3, p. 661.

19 castigado com dores. Eliú se aproxima progressivamente do problema de Jó Ele expressa sua própria compreensão do ministério da dor. Para ele, Deus é bom e amoroso ao infligir a dor, não como punição, mas como disciplina. Parece haver certa progressão no discurso de Eliú. Primeiramente, ele menciona sonhos, depois, advertências e, então, a dor. CBASD, vol. 3, p. 661.

20 sua vida abomina o pão. O sofrimento de Jó o havia levado a uma situação tal que coisas que comumente trariam prazer, como guloseimas, haviam perdido todo o atrativo. CBASD, vol. 3, p. 662.

23 o que lhe convém. Isto é, o caminho que ele deve seguir. CBASD, vol. 3, p. 662.

25 a sua carne se renova … como a de uma criança.  Linguagem semelhante é empregada em 2Rs 5.14, em referência a alguém curado de lepra. Bíblia de Estudo NVI Vida.

29 duas e três vezes. Sua inferência é a de que as aflições de Jó são disciplinares e, dessa forma, podem atuar para seu benefício. CBASD, vol. 3, p. 662.

30 para recuperar sua alma da cova. Eliú ensina que o que parece crueldade de Deus quando castiga os seres humanos é, na realidade, gesto de amor, já que o homem nunca recebe nesta vida todos os castigos que de fato merece (cf. v. 27). Bíblia de Estudo NVI Vida.




%d blogueiros gostam disto: