Reavivados por Sua Palavra


JÓ 38 by jefersonquimelli
29 de janeiro de 2020, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/job/38

Anjos e outros seres celestes ficaram entusiasmados com a criação da terra. Alguns “exultaram de alegria” e outros “cantaram em côro”, o que me faz pensar que as emoções angélicas não são tão diferentes daquelas dadas a Adão e Eva.

Mas o que mais noto em Jó 38:7 é que alguns desses seres santos são chamados de “filhos de Deus”, assim como os descendentes de Sete foram chamados de “filhos de Deus” alguns séculos depois. Pense sobre isso. Deus teve filhos antes da existência de úteros, algo característico da raça humana.

Veja bem, “filhos” antigamente não tinha necessariamente relação com DNA ou descendência física. A “semente” da serpente cuja inimizade contra nós foi predita em Gênesis 3:15 são pessoas, não cobras. João Batista chamou essas pessoas de “filhos de víboras” e Jesus disse aos judeus de sangue vermelho que eles pertenciam ao “pai” deles, o diabo (ver João 8).

Tudo isso mostra que a filiação, antigamente, era uma referência à semelhança de caráter. E é por isso que “todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus”. Romanos 8:14. E é por isso que Miguel (que significa “quem é como Deus”) é outra palavra para “Filho de Deus”. Os filhos de Deus são como Ele, e Jesus é como Deus em todos os aspectos. Nesse sentido, Ele é o Filho de Deus por excelência.

Eugene Prewitt
Diretor
Instituto de Treinamento da Ásia Oriental, Malásia

Texto mundial: https://www.revivalandreformation.org/?id=720
Tradução: Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



JÓ 38 – COMENTÁRIO PR. ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
29 de janeiro de 2020, 0:55
Filed under: Sem categoria



JÓ 38 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jefersonquimelli
29 de janeiro de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

JÓ 38 – Quando Deus entra em cena, nada fica igual. Deus desce do Céu até a Terra para fornecer satisfação humana, orientar as informações deficientes e repreender as teorias erradas sobre a vida, sobre o ser humano e principalmente sobre Sua pessoa.

Deus não respondeu as diversas perguntas intrigantes de Jó, pelo contrário, fez mais perguntas a Jó do que ele havia feito a Deus. O psicólogo Paul Turnier explica: “A resposta de Deus não é uma ideia, uma proposição como a conclusão de um teorema; Ele próprio é a resposta. Jó recebeu a revelação de Deus e encontrou um relacionamento pessoal com Ele”.

Deus responde por meio de perguntas. Deus não fala nada a Jó sobre seu sofrimento, muito menos aborda as razões do sofrimento. No capítulo em questão, Deus introduz Sua fala com 32 interrogações.

No capítulo anterior, “Eliú procurava defender sua compreensão religiosa, atacando a credibilidade de Jó. O sofrimento de Jó constituía um desafio à tradição teológica dos quatro amigos. E Eliú achava que, se pudesse deter o protesto de Jó contra Deus, o desafio desapareceria. Ele procurava mostrar que, sendo Jó tão insignificante diante da grandiosidade de Deus, não tinha o direito de interrogá-Lo” (Charles H. Betz).

Mas, Eliú estava equivocado em suas ideias filosóficas e teológicas. Betz continua: “O Senhor, por meio de perguntas similares [às de Eliú], queria que Jó visse que, se não conseguia compreender como Deus atua nos fenômenos naturais bem conhecidos, como poderia compreender por que Ele permite o sofrimento? Assustado, Eliú queria ver-se livre de Jó, ao passo que Deus, em Seu amor, desejava fazer com que Jó percebesse a diferença fundamental entre o Criador e a criação. O Senhor levou Jó a sério, ajudando-o a reconhecer o fato de que, mesmo que Deus explicasse todos os mistérios do sofrimento, Jó não conseguiria compreendê-los. O patriarca precisava crer simplesmente que Deus sabe o que faz”.

1. Precisamos mais de confiança em Deus do que de compreensão e explicação de nossa situação.
2. Precisamos de um real encontro com Deus mais do que explicação de nossa intrigante situação.
3. Precisamos mais da atenção de Deus do que entendimento de nossa aflição.
4. Precisamos mais de Deus que de qualquer coisa.

Amigos, oremos: Senhor, reaviva-nos! – Heber Toth Armí.



JÓ 38 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
29 de janeiro de 2020, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Cinge, pois, os lombos como homem, pois Eu te perguntarei, e tu Me farás saber” (v.3).

Desconhecendo o grande conflito em que estava envolvido, finalmente, Jó obteve alguma resposta. Na verdade, não era bem o que esperava, mas foi surpreendido com a voz de Deus a lhe declarar o Seu poder e sabedoria supremos através das obras da criação. Através de uma série de perguntas, o Senhor ilustrou a Sua majestade com os cenários da natureza e do Universo. O Criador do Universo estava diante de uma criatura a lhe descortinar os sentidos para um conhecimento acima de qualquer ciência humana.

Do “meio de um redemoinho”, Deus “respondeu a Jó” (v.1) e lhe deu uma ordem um tanto curiosa. A expressão “cinge, pois, os lombos” (v.3) se referia a prender as vestes com um cinto de modo que pudesse facilitar na realização de trabalhos físicos ou de algum tipo de esforço prolongado. Também era um símbolo de preparo mental para o trabalho. Para quem estava com o corpo coberto de feridas em extremo dolorosas, este pequeno esforço lhe seria praticamente impossível. Contudo, era provável que o Senhor já tivesse iniciado o Seu discurso declarando a breve cura física e mental de Seu fiel servo.

Iniciando pelos “fundamentos da terra” (v.4), Deus enumerou uma série de detalhes da criação não contidos no livro de Gênesis. Como, por exemplo, o cântico alegre do Universo enquanto a Terra era criada. Quando lemos o relato da criação, imaginamos tão somente a voz da Onipotência dando ordens e tudo surgindo em perfeita obediência. Mas enquanto o Criador falava e tudo surgia, milhares de seres santos olhavam para a diversidade de cores e espécies, para os detalhes de cada criatura, para a singular beleza das coisas inanimadas, para aqueles cuja atenção divina se demorou em moldar-lhes com as mãos à Sua própria imagem, e em uníssono encheram o espaço infinito de harmoniosa melodia em louvor a Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo.

A mensagem dada a Jó ressoou em tempo determinado e nos alcança com a força de sua urgência: “e adorai Aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas” (Ap.14:7). Desde que iniciado o tempo do fim, o homem tem intensificado seus estudos a fim de atestar o seu conceito de que não há um Criador. E o que é pior, há líderes religiosos reforçando esta ideia e defendendo de que o relato da criação não passa de uma literatura poética. Entretanto, este tipo de tese lança por terra toda a Bíblia e faz do cristianismo a maior farsa de todos os tempos.

Anule os primeiros capítulos do livro de Gênesis, então, não houve pecado. Se não houve pecado, não precisamos de perdão. Se não precisamos ser perdoados, para quê a graça? E se não precisamos do perdão e da graça, qual a necessidade de um Salvador? E se o Salvador não veio e não ressuscitou, é vã a nossa fé (1Co.15:17). Se fizermos uma releitura das palavras do Senhor a Jó, encontraremos um eloquente apelo para que adoremos ao Criador, O mesmo que nos deixou escrito um claro lembrete como mandamento: “Lembra-te do dia de sábado para o santificar… porque, em seis dias, fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há e, ao sétimo dia, descansou; por isso, o Senhor abençoou o dia de sábado e o santificou” (Êx.20:8).

O sábado vem até nós à cada semana como um presente de Deus, como o “redemoinho” no tempo, para que possamos nos encontrar com o nosso Criador e ouvir Sua voz de uma forma especial. Não perca este privilégio aqui, e você o viverá pela eternidade (Is.66:22-23). Vigiemos e oremos!

Bom dia, obra-prima da criação!

* Deixe nos comentários o seu pedido de oração. #EuOroPorVocê

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Jó38 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



JÓ 38 – COMENTÁRIO PR. RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
29 de janeiro de 2020, 0:10
Filed under: Sem categoria



JÓ 38 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jefersonquimelli
29 de janeiro de 2020, 0:05
Filed under: Sem categoria

808 palavras

o SENHOR. A resposta de Deus a Jó ocupa quatro capítulos (38-41), interrompidos apenas por uma curta confissão de Jó (40:3-5). Os cap. 38 e 39 estão intimamente ligados, e constituem uma exortação a Jó, em vista de sua ignorância sobre a criação natural de Deus. Deus tenta ampliar o conceito de Jó sobre o Ser divino. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 3, p. 675.

respondeu a Jó. Deus não vindica Jó imediatamente. Seu propósito divino não é resolver uma disputa, mas revelar-Se. Ele também não explica a Jó a razão de seu sofrimento. Uma compreensão clara de Deus é mais importante do que uma revelação de todas as razões pelas quais Deus age como o faz. CBASD, vol. 3, p. 675.

rejubilavam. Três vezes é mencionada a alegria dos anjos: na criação, na redenção e na recriação da Terra. CBASD, vol. 3, p. 676.

9 O mar é como um recém nascido envolvido em nuvens de escuridão (idêntico ao termo grego em Lucas 2:7). Andrews Study Bible.

11 quando Eu lhe disse. Deus, o Pai, controla o mar falando a ele, assim como faz Deus, o Filho (v. Lc 8.24, 25). Bíblia de Estudo NVI Vida.

14 A terra se modela como o barro debaixo do selo (ARA; NVI: “sinete”). Ou sinete cilíndrico … ou sinete de carimbar. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Como o selo muda o barro, fazendo-o deixar de ser uma massa inexpressiva e sem forma e imprimindo em sua superfície uma figura, assim a vinda da alva transforma a Terra, de uma massa indistinta, num objeto que tem forma e cor. CBASD, vol. 3, p. 677.

como vestidos. O nascer do sol faz com que a terra tome forma e cor, como o desenho ricamente bordado numa veste. CBASD, vol. 3, p. 677.

15 dos perversos se desvia a sua luz. É à noite que os ímpios estão ativos (v. Jo 3.19) Bíblia de Estudo NVI Vida.

A luz do dia não traz alegria para os ímpios. Suas trevas interiores fazem com que procurem escapar da luz exterior. CBASD, vol. 3, p. 677.

o braço levantado para ferir se quebranta. O braço levantado para cometer um ato violento é quebrado pela chegada da luz. As atividades ilícitas são interrompidas. CBASD, vol. 3, p. 677.

16 o mais profundo. As cavernas inexploradas no fundo do mar são desconhecidas por Jó. CBASD, vol. 3, p. 677.

17 O que você realmente sabe a respeito da morte? Andrews Study Bible.

20 para a sua casa [da luz e das trevas]. A luz e as trevas são personificadas e apresentadas como se residissem em casas. Quando a noite cai a luz volta para sua habitação e as trevas saem. Pela manhã, são as trevas que voltam para casa e a luz sai. CBASD, vol. 3, p. 677.

22 depósitos da neve… saraiva. Fenômenos naturais, como a neve o granizo (saraiva) representaram um mistério durante muitos séculos, mas não constituíam um mistério para Deus. CBASD, vol. 3, p. 677.

Deus usou granizo para ajudar Josué e os israelitas a vencer uma batalha (Josué 10:11). Life Application Study Bible Kingsway.

31 poderás…? Apontando para várias constelações brilhantes e conhecidas, Deus pergunta se Jó se acha capaz de guiá-las em sua rota ao longo do espaço. CBASD, vol. 3, p. 677.

laços do Órion. Alguns sugeriram que esta palavra designa as três estrelas popularmente como o “cinturão de Órion”. Embora aparentemente próximas no céu, essas estrelas não são membros de um aglomerado como as plêiades. Na verdade, estão viajando a um grande velocidade em direções diferentes. Esta sugestão estaria em harmonia com o óbvio contraste do texto entre o “atar” das Pléiades e o “soltar” do Órion. CBASD, vol. 3, p. 678.

32 os signos do Zodíaco (ARA; NVI: “as constelações”; NKJV: “Mazzaroth”; BLH: “a estrela d’alva”; NKJA: “a Alva, a estrela da manhã”). Do heb. mazzaroth. Esses 12 “signos” ou constelações … formam um cinturão ao redor do Equador e, assim, marcam o caminho através do qual o sol aparece para viajar em seu circuito ao longo dos céus estrelados durante o decorrer do ano. O termo mazzaroth provém de uma raiz que significa “brilhar” ou “ser brilhante”. CBASD, vol. 3, p. 678.

36 meteoro (ARA; NVI: “mente”). A palavra hebraica traduzida por “meteoro” ocorre somente aqui, e o seu sentido tem estado em dúvida desde os tempos antigos. Bíblia de Genebra.

Heb sewi, palavra derivada do conceito de “vigiar”, e traduzida “galo” ou “mente”. Exprime aqui a ideia de um fenômeno celestial. Note-se que muitos versículos de Jó têm causado grandes dificuldades ao tradutor e depois ao leitor. Bíblia Shedd.

37 numerar … as nuvens. As nuvens, como os grãos de areia na praia, não podem ser estatisticamente computadas. CBASD, vol. 3, p. 679.

os odres dos céus … despejar. A expressão diz, literalmente, “quem pode deitar os odres”, isto é, incliná-los para que o conteúdo saia. CBASD, vol. 3, p. 679.

38 para que o pó se transforme em massa sólida. Este verso complementa o pensamento da figura de linguagem anterior. Quando o solo está duro e seco, quem pode persuadir as nuvens a derramar água sobre ele?  CBASD, vol. 3, p. 679.




%d blogueiros gostam disto: