Reavivados por Sua Palavra


O ESTUDO DE DANIEL – comentários by jquimelli
10 de janeiro de 2020, 20:48
Filed under: Sem categoria

O livro de Daniel esteve nas raízes do movimento adventista e é sempre muito bom conhecer seus detalhes.

Para os que estão neste trimestre estudando este fascinante livro, reunimos em danielcomentado.blogspot.com comentários que veiculamos aqui, no ReavivadosporSuaPalavra.org, para sua facilidade de pesquisa.

Confira: danielcomentado.blogspot.com



JÓ 19 by jquimelli
10 de janeiro de 2020, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/job/19

Por quanto tempo ainda você vai me atormentar e me atacar com suas palavras? Eu estou arrasado.

Aqueles que amo se voltaram contra mim. Tenha piedade!

Quando a doença e a tragédia ocorrem, é comum que o doente seja mal interpretado, atacado verbalmente ou abandonado por amigos e familiares. Quando a doença ou perda não é facilmente resolvida ou explicada, muitas pessoas são incapazes de lidar com o sofrimento a longo prazo. Então eles se afastam, deixando o doente se sentindo esquecido e sozinho, se perguntando por que os entes queridos se recusam a cuidar e apoiar.

Outras vezes, familiares e amigos atacam os motivos do coração do sofredor, acusando-os de coisas terríveis. Com demasiada frequência, os doentes são duplamente feridos, a dor da perda ou da doença agravada pelas palavras cruéis daqueles que se recusam a entender. Aqueles que mais deveriam se importar são geralmente os que menos se importam.

Deus ouve as palavras que te ferem e difamam. Ele vê as atitudes que te atacam e os corações que te rejeitam. Ele conhece as feridas do teu coração. Se amigos e familiares o abandonarem, Deus te defenderá. Ele trará pessoas compassivas à tua vida como bálsamo para as tuas feridas, pessoas que trarão vida à tua vida com o amor curador de Deus. Confie no coração dEle.

Lori Engel
Capelã (atualmente com deficiências
Eugene, Oregon EUA

Texto mundial: https://www.revivalandreformation.org/?id=701
Equipe de tradução: Pr. Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



JÓ 19 – COMENTÁRIO PR. ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
10 de janeiro de 2020, 0:55
Filed under: Sem categoria



JÓ 19 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
10 de janeiro de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

JÓ 19 – A vida é marcada pela dor, mas a vida cristã é recheada de esperança. A caminhada cristã não é sem sofrimento; contudo, o cristão é motivado por elevadas expectativas. Os grandes homens do passado sofreram, tais como os patriarcas, profetas e reis, até mesmo os apóstolos no Novo Testamento – dos quais muitos se tornaram mártires por causa de sua fé.

Os grandes teólogos da igreja primitiva e também grandes reformadores enfrentaram amargos sofrimentos. Alguns foram perseguidos, como John Wycliffe; outros foram queimados vivos, como John Huss e Girolamo Savonarola; e, outros foram até esquartejados, como William Tyndale. Muitos, como Lutero, foram difamados e acusados tanto pela igreja quanto pelo estado. Contudo, todos eles resistiram porque tiveram esperança.

Jó, se não tivesse esperança, teria dado fim a sua vida ou desistido de Deus. A esperança é tão real para o cristão quanto o é o sofrimento. Jó é nosso exemplo bíblico de como o cristão enfrenta a dor; além disso, sua história revelada do ponto de vista divino ajuda-nos entender muitos mistérios sobre aquilo que incomoda nossa paz, alegria e felicidade.

No capítulo em questão, Jó se sente…
• …provocado pelas palavras cruéis de seus amigos que tinham como alvo lhe oprimir, esmagar e destruir (vs. 1-4);
• …como um animal preso em uma rede (v. 6);
• …como um réu no tribunal (v. 7);
• …como um viajante impedido de seguir seu caminho (v. 8);
• …como um rei destituído de seu trono (v. 9);
• …como uma construção devastada (v. 10);
• …como uma árvore extirpada (v. 10);
• …como uma cidade cercada (vs. 11-12);
• …isolado, solitário (vs. 13-22);
• …motivado pela esperança (vs. 23-29).

Temos que aprender com Jó, que, apesar de intensos sofrimentos, sabia que seu fim não seria trágico; sabia para onde ia e que lá chegaria, ainda que passasse pela morte. Essa esperança o manteve resoluto em sua fé. Ele não se rendeu ao pecado, não vendeu sua alma ao diabo.

Quem crê na esperança de Jó, pode gritar como ele em meio a mais terrível dor: “Eu sei que meu Redentor vive e por fim se levantará… Vê-lo ei por mim mesmo…”  – Heber Toth Armí.



JÓ 19 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
10 de janeiro de 2020, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Porque eu sei que o meu Redentor vive e por fim Se levantará sobre a Terra” (v.25).

Não sabemos por quanto tempo durou o sofrimento de Jó e nem por quanto tempo ele foi obrigado a ouvir as acusações de seus amigos. Mas foi tempo suficiente para levá-lo à exaustão emocional e piorar ainda mais o seu estado físico. Apesar de seus constantes apelos e pedidos de socorro, Jó sentia-se mais e mais oprimido por Aquele a quem buscava socorro: “Arruinou-me de todos os lados… e arrancou-me a esperança” (v.10). Em seu desespero, sentia-se completamente só, e afligido pelo Único que tinha o poder de ajudá-lo.

Seus irmãos, seus conhecidos, seus parentes, seus servos e servas, as crianças, seus amigos íntimos, até sua mulher e todos os que ele amava o desprezavam. Jó estava desamparado e carente nem que fosse de um olhar de compaixão. Em sua angústia, como um grito por socorro, apelou aos seus acusadores: “Compadecei-vos de mim, amigos meus, compadecei-vos de mim” (v.21).

A descrição de sua condição física (v.20) nos dá um pálido vislumbre não somente de sua enfermidade, mas da dureza de coração de seus amigos, que encurralaram Jó numa espécie de tribunal arbitrário não importando o que este falasse em sua defesa, sendo considerado como um réu condenado à pena de morte. Mesmo sentindo-se perseguido e abandonado à própria sorte, Jó revelou a sua plena confiança no Único que fielmente Se levantaria em sua defesa: “Porque eu sei que o meu Redentor vive e por fim Se levantará sobre a Terra” (v.25).

O desejo de Jó de ter suas palavras “gravadas em livro” (v.23) e “esculpidas na rocha” (v.24) foi atendido acima de qualquer registro jurídico. Suas palavras foram registradas na “Palavra de Deus, a qual vive e é permanente” (1Pe.1:23), como testemunho perpétuo de sua integridade e do poder de Deus em sua vida. Mesmo que não houvesse na Terra quem agisse em sua defesa, Jó revelou a sua esperança no glorioso advento de Cristo e a sua saudade de estar diante do Seu Redentor.

Todo aquele que ama a Deus e O busca com humildade de coração, sente uma saudade imensa de um Deus que nunca viu e de um lugar que nunca foi. Mas são nos momentos de maior angústia e perseguição que esta saudade aumenta. Como Jó, sentimos “fome e sede de justiça” (Mt.5:6) e um intenso desejo de estar no lugar onde reinará o amor e a harmonia; onde “não haverá luto, nem pranto, nem dor” (Ap.21:4), nem “contendas e rixas” (Is.58:4), nem “iniquidade associada ao ajuntamento solene” (Is.1:13).

A esperança que sustentava o cansado e enfermo Jó deve ser a esperança que nos sustenta hoje neste mundo afetado por milênios de pecado. Se o Redentor veio primeira vez “para o que era Seu, e os Seus não O receberam” (Jo.1:11), não devemos esperar um tratamento diferente. Quanto a isto, Paulo nos advertiu: “Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos” (2Tm.3:12). Olhando para a cruz, olhando para o que Jesus suportou em nosso lugar e para a Sua vitória sobre a morte, avancemos confiando em Sua derradeira promessa: “Certamente, venho sem demora”. E nossa resposta corresponda em atos de misericórdia às palavras do discípulo amado: “Amém! Vem, Senhor Jesus!” (Ap.22:20). Vigiemos e oremos!

Bom dia, misericordiosos do Senhor Jesus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Jó19 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



JÓ 19 – COMENTÁRIO PR. RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
10 de janeiro de 2020, 0:11
Filed under: Sem categoria



JÓ 19 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS – “EU SEI QUE MEU REDENTOR VIVE” by jquimelli
10 de janeiro de 2020, 0:05
Filed under: Sem categoria

855 palavras

respondeu. Jó responde ao segundo discurso de Bildade, protestando contra a falta de consideração dos amigos e reiterando sua miséria (CBASD, vol. 3, p. 614).

Nesta resposta, Jó acusa os seus “consoladores” de caluniarem e perseguirem-no. Logo a seguir, atesta a sua inocência, e expressa sua clara convicção de que o seu Redentor está vivo (Biblia Shedd).

até quando afligireis a minha alma […]? Jó […] não é insensível aos ataques de seus amigos. Ao contrário, as palavras deles lhe causam sofrimento e tortura e ferem sua alma. O ataque de Bildade foi o mais cruel de todos. A resposta de Jó indica quão profundamente ele foi afetado. Bildade havia perguntado até quando Jó continuaria a falar (cap 18:2). Jó responde perguntando até quando Bildade vai continuar a feri-lo (CBASD, vol. 3, p. 614, 615).

haja eu, na verdade, errado. Não necessariamente uma admissão de culpa moral, mas um reconhecimento de suas limitações humanas (CBASD, vol. 3, p. 615).

Comigo ficará. “Isso não prejudica ninguém exceto a mim mesmo.” (CBASD, vol. 3, p. 615).

Mesmo que Jó tivesse pecado, ele não estava prejudicando seus amigos, mas estava sendo duramente castigado; portanto, eles não precisam irar-se (Biblia Shedd).

Deus é quem me oprimiu. Jó não era vítima no sentido de ser mal interpretado por seus amigos, mas também no sentido de se achar objeto da ira de Deus. Bildade havia mencionado as armadilhas, ciladas e redes preparadas para os ímpios (cap. 18:7-12) e insinuou que Jó havia caído nas armadilhas que ele próprio armou. Jó responde que a rede em que está preso foi armada por Deus (CBASD, vol. 3, p. 615).

10 como a uma árvore. A expectativa de Jó era levar uma vida tranquila e piedosa, cercado por parentes e amigos, até atingir idade avançada e poder descer à sepultura dignamente. Essa esperança havia sido arrancada pelas raízes quando lhe sobrevieram as calamidades (CBASD, vol. 3, p. 615).

11 seu adversário. Jó não diz que ele e Deus são inimigos, mas sim, que Deus o trata como se ele fosse inimigo, e Jó não consegue entender o porquê disso (CBASD, vol. 3, p. 615).

13-19 Os parentes de Jó, os seus amigos íntimos, os seus servos e a sua própria esposa, todos os abandonaram com repugnância e ele ficou privado do afeto daqueles que mais significavam para si (Biblia Shedd).

15 vim a ser estrangeiro. Isto é, deixaram de me tratar como o chefe da família (CBASD, vol. 3, p. 616).

16 não me responde. Jó estava acostumado à obediência por parte de seus servos. Nesse período, eles o ignoravam (CBASD, vol. 3, p. 616).

18 crianças. As crianças são descritas como se não estivessem dando a Jó o respeito devido à sua idade (CBASD, vol. 3, p. 616).

20 pele dos meus dentes. Só as gengivas ficaram (Biblia Shedd).

21 compadecei-vos. Este é um dos apelos mais tocantes do livro. Jó mostrou como se encontrava abandonado e solitário e retratou seu infortúnio de maneira eloquente. Aqui, ele implora piedade aos amigos (CBASD, vol. 3, p. 616).

22 devorar a minha carne. Um idiomatismo oriental que significa: “Porque vocês estão me caluniando?” Em Daniel 3:8, a palavra traduzida como “acusaram” é, literalmente, “comeram fragmentos de”. O caluniador ou acusador é figurativamente alguém que devora a carne de sua vítima (CBASD, vol. 3, p. 616).

24 esculpidas na rocha. Jó deseja que seu relato seja gravado na rocha com um cinzel de ferro e que os caracteres esculpido em baixo relevo sejam preenchidos com chumbo (CBASD, vol. 3, p. 616).

25 Eu sei que meu Redentor vive. É a resposta à dúvida e à esperança de 14.13-14. Redentor. Heb go’el, libertador, protetor, defensor, redentor, justificador ou vindicador. É Ele, segundo a esperança e certeza de Jó, que vai livrá-lo das acusações infundadas dos seus amigos (Bíblia Shedd).

Esta é uma das passagens mais frequentemente citadas do livro. Representa um avanço significativo na trajetória de Jó, do desespero para a confiança e esperança. “Das profundezas do desencorajamento e do desânimo Jó se levanta para as alturas da implícita confiança na misericórdia e no poder salvador de Deus” (PR, 163). A palavra hebraica traduzida como “redentor”, go’el, também é traduzida como “vingador” (Nm 35.12, 19, 21, 24, 25, 27), “parente chegado” (NTLH) ou “resgatador” (Rt 2:20; 3:9, 12; 4:1, 3, 6, 8, 14). Deus é frequentemente chamado de go’el, no sentido de que Ele vindica os direitos de Deus filhos e resgata os que foram colocados sob o domínio de outrem (Is 41:14; 43:14; 44:24; 47:4, etc.). Jó havia expressado seu desejo de ter um “árbitro” entre ele e Deus (Jó 9:32-35). No cap 16:19, ele havia declarado sua convicção de que sua “testemunha está no Céu”; no cap. 16:21, ele pede a Deus que seja o seu fiador. Tendo reconhecido a Deus como “árbitro”, testemunha, advogado e fiador, é perfeitamente lógico que ele chegasse ao reconhecimento de Deus como seu redentor. Este texto representa uma das revelações do AT sobre Deus como redentor do ser humano, uma verdade profunda que foi plenamente revelada na pessoa e na missão de Jesus Cristo (CBASD, vol. 3, p. 616, 617).

Por fim. O significado é que, por mais tempo que Jó tivesse de sofrer, por mais prolongadas que fossem suas calamidades, ele tinha a máxima confiança no fato de que Deus finalmente o vindicaria. As palavras dos v. 25 e 26 indicam que a vindicação divina ocorreria quando Deus se levantasse sobre a terra e quando Jó visse a Deus. Este é um vislumbre inequívoco da ressurreição (CBASD, vol. 3, p. 617).




%d blogueiros gostam disto: