Reavivados por Sua Palavra


ESDRAS 3 by Jobson Santos
22 de novembro de 2019, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/ed/3

Quando acordo todas as manhãs, tenho uma rotina. Vou ao banheiro, tomo banho, visto o roupão e vou para a sala onde abro as persianas e dou corda nos relógios. Em seguida, vou para a cozinha a fim de preparar o desjejum. Sento-me na mesma cadeira à mesma mesa com meu desjejum e minha Bíblia onde oficialmente começo o dia – com oração e estudo da Bíblia.

Após sete meses, o povo se uniu “como um homem” para reconstruir o altar no mesmo lugar e sobre a mesma fundação. Você pode criticá-los por terem demorado sete meses. Por que eles não colocaram Deus em primeiro lugar? Talvez pela mesma razão, considero o começo oficial do meu dia depois de descansada, com banho tomado e alimentada. Pessoas cansadas, com fome, com sede, sem teto onde morar, podem se distrair, tornarem-se irritadiças e irracionais. Deus não espera que essas pessoas se aprofundem em Sua Palavra ou no Seu serviço.

Quando todos se estabeleceram, eles colocaram as primeiras coisas primeiro – Deus e Sua adoração. Antes de construírem o templo, antes de construírem os muros da cidade, antes de estabelecerem um governo. Deus em primeiro lugar. Afinal, essa é sempre a nossa melhor defesa!

Merle Poirier
Gerente de Operações
Revistas Adventist Review / Adventist World

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=652
Equipe de tradução: Pr. Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



ESDRAS 3 – COMENTÁRIO PR. ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
22 de novembro de 2019, 0:55
Filed under: Sem categoria



ESDRAS 3 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
22 de novembro de 2019, 0:45
Filed under: Sem categoria

ESDRAS 3 – Existem livros bíblicos que não recebem o mesmo tratamento que outros. Assim, crentes deixam de receber nutrientes que Deus deixou em Sua Palavra para instruir-nos e fortalecer nossa fé. Quem ouviu ou pregou sermões expositivos extraídos do livro de Esdras? Eis diante de nós um livro relevante, onde há um Deus aparentemente distante, mas atuante em meio às crises que desafiam nossa existência. Deus libertou Seu povo da Babilônia e protegeu os libertos na caminhada de quase 1500 km até Jerusalém.

Este capítulo, intitulado “altar e templo” é assim sintetizado por Derek Kidner:

  1. Primeiro o primeiro (vs. 1-6a);
  2. Preparativos para o templo (vs. 6b-9);
  3. Clímax e anticlímax (vs. 10-13).

Apesar do perigo, desafios e supostas ameaças, o medo não deve determinar nenhuma decisão e atitude do povo de Deus. Contudo, não importa a situação, Deus deve ser sempre o primeiro. Devemos adorá-lO sempre.

As práticas eclesiásticas não são negligenciadas quando o medo é sufocado pela determinação de servir ao Senhor. Apesar da escassez e crises econômicas, Deus nunca deve ser deixado em segundo plano – pior ainda é substituí-lo por coisas insignificantes ou apegar-se ao dinheiro como mais importante que Deus.
Quem idolatra dinheiro expulsa Deus de sua vida. Por outro lado, quem é liberto da escravidão do pecado é generoso em suas ofertas para a obra divina. Quando Deus é levado a sério, Sua obra é feita sob o cuidado de supervisores. Para Deus, sempre o melhor!
Quando há sério investimento de tempo e recursos na obra de Deus, a satisfação, alegria e entusiasmo na adoração toma conta do coração dos crentes: há louvores, pulos de alegria, cânticos alegres e choros nostálgicos – consequentemente, “o barulho podia ser ouvido de longe”.
Choro e alegria? Sim! É assim que vive os extremos de duas gerações: Nostalgia dos velhos e alegria dos novos. Os jovens celebravam porque teriam novamente um templo. Os velhos choravam por lembrarem-se do Templo de Salomão.
• É perigoso ignorar o passado, mas também o é viver apenas do passado.
• É necessário aproveitar a experiência dos anos vividos com a força da juventude!
• É preciso existir harmonia entre a nova geração e a velha guarda – esta lição era importante no passado tanto quanto é no presente!

Reavivamento depende de tuas prioridades! – Heber Toth Armí.



ESDRAS 3 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
22 de novembro de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Cantavam alternadamente, louvando e rendendo graças ao Senhor, com estas palavras: Ele é bom, porque a Sua misericórdia dura para sempre sobre Israel. E todo o povo jubilou com altas vozes, louvando ao Senhor por se terem lançado os alicerces da Sua casa” (v.11).

Assim que estabelecido em Jerusalém e nas cidades de Judá, aproximando-se o tempo da “Festa dos Tabernáculos” (v.4), “ajuntou-se o povo como um só homem, em Jerusalém” (v.1). Alguns de seus principais se levantaram para edificar o altar do Senhor, firmando-o “sobre as suas bases” (v.3). Celebrando a festa, “como está escrito, ofereceram holocaustos diários” (v.4) ao Senhor, bem como os sacrifícios prescritos para “todas as festas fixas do Senhor” (v.5).

Antes de colocarem “os fundamentos do templo do Senhor” (v.6), houve um período de resgate da verdadeira adoração. Houve um preparo pessoal e coletivo. Mesmo que estivessem “os filhos de Israel já nas cidades” (v.1), as festas anuais promoviam o ajuntamento de todos num mesmo lugar e num só propósito. Isso contribuiria na obra de construção do templo, mantendo-os unidos e fortalecidos.

Finalmente, chegado era o tempo de iniciar “a obra da Casa do Senhor” (v.8.). “Quando os edificadores lançaram os alicerces do templo do Senhor, apresentaram-se os sacerdotes, paramentados e com trombetas, e os levitas, filhos de Asafe, com címbalos, para louvarem o Senhor” (v.10). Não havia sequer uma nota dissonante ali. Harmoniosamente e com muita alegria, eles cantavam, “rendendo graças ao Senhor”: “Ele é bom, porque a Sua misericórdia dura para sempre sobre Israel” (v.11).

Neste cenário de louvor e adoração, onde “o povo jubilou com altas vozes” (v.11), também havia vozes de choro. Aqueles que tinham conhecido a glória do primeiro templo, “choraram em alta voz” (v.12), ao contemplar uma estrutura ainda informe. E entre gritos de alegria e vozes de choro, “de mui longe” (v.13) a voz do povo podia ser ouvida.

Deus tem filhos Seus espalhados por todo o mundo. E as festas que apontavam para o plano da redenção, ainda que não mais celebradas, devem nos remeter ao Seu profundo desejo de nos unir num só propósito. Foi quando os discípulos compreenderam este princípio que, reunindo-se com seus irmãos, “perseveravam unânimes em oração” (At.1:14). Podemos estar, hoje, “mui separados, longe uns dos outros” (Ne.4:19), mas quando “nós oramos ao nosso Deus” (Ne.4:9), o Espírito Santo nos une, coração a coração, e derrama sobre nós o poder que nos torna “como um só homem” (v.1) na obra de testemunhar do evangelho de Cristo.

Antes da ação vem a oração. Antes da reforma vem o reavivamento. Quando o povo de Deus estiver assim unido, as discussões serão cessadas, as disputas dissolvidas, as contendas desfeitas, as mágoas esquecidas, o amor amadurecido, e “será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim” (Mt.24:14). Vigiemos e oremos!

Bom dia, unidos pelo Espírito Santo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Esdras3 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



ESDRAS 3 – COMENTÁRIO PR. RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
22 de novembro de 2019, 0:10
Filed under: Sem categoria



ESDRAS 3 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
22 de novembro de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria

696 palavras

Resumo do capítulo: No sétimo mês eles celebram a festa das cabanas e começam a oferecer holocaustos ao Senhor. Quando os construtores lançaram os alicerces do templo, os sacerdotes e levitas cantaram louvores ao Senhor.

Nota-se neste terceiro capítulo que os israelitas aprenderam que a pedra fundamental de uma nação é a verdadeira religião, e assim, cuidaram primeiro de ter um altar que simboliza o (sacrifício e a oração) antes de falarem de Carta Magna, comércio, indústria, direitos civis, eleições, etc. Nada fica de pé a não ser aquilo que esteja firme no Senhor (Sl 127.1-2) (Bíblia Shedd).

Jesua … Zorobabel. O sacerdote tem precedência sobre o líder civil, tendo em vista a natureza da ocasião (Bíblia de Estudo NVI Vida).

holocaustos. Os holocaustos eram a oferta básica (Lv 1), mas também havia outras ofertas (Lv 5). Os holocaustos eram a base contínua sobre a qual um povo pecaminoso podia viver na presença de um Deus santo (êx 29.42). Isso prenunciava o futuro sacrifício de Cristo como o sacrifício final que leva os pecadores à presença de Deus (Hb 10.19-20) (Bíblia de Genebra).

como está escrito. Sob a liderança de homens como Daniel e Ezequiel, os exilados decidiram, desde o início, começar a Adorar a Deus de acordo com a Sua vontade expressa e não cais outra vez nos pecados da indiferença e da idolatria devido aos quais sofreram tanto (CBASD – Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 3, p. 365).

sob suas bases. Ou, “em seu lugar”, signficando que o altar foi erguido no lugar exato onde o antigo altar de holocaustos havia sido construído no templo de Salomão (CBASD, vol. 3, p. 365).

estavam sob o terror. Embora o povo houvesse retornado havia pouco tempo de Babilônia, já estavam conscientes da hostilidade dos povos vizinhos, descontentes pelo retorno dos judeus à sua terra. Os vizinhos devem ter ocupado algumas partes da Judeia durante o exílio e então lhes era ordenado que devolvessem as propriedades aos seus antigos donos. … Essa hostilidade deve ter sido expressa através de ameaças (CBASD, vol. 3, p. 365).

lua nova. O primeiro dia de cada mês (lunar) era uma festa religiosa (Nm 28-11-15; Cl 2.16) (Bíblia Shedd).

8 Porque o templo do Senhor foi reconstruído antes mesmo que os muros da cidade? O templo era utilizado para fins espirituais; o muro para fins militares e políticos. Deus tinha sido sempre o protetor da nação e os judeus sabiam que uma grande muralha de pedras não os protegeria se Deus não estivesse com eles. Eles sabiam que colocar sua vida espiritual em dia era mais importante que garantir a defesa nacional (Life Application Study Bible).

12 porém muitos … já idosos … choraram. Cinquenta anos após sua destruição, o templo estava sendo reconstruído (536 a.C.). Alguns dos mais idosos se lembraram do templo de Salomão e choraram porque o novo templo não era tão glorioso quanto o primeiro. Mas as belezas do edifício não eram, nem de perto, tão importantes quanto a atitude dos construtores e adoradores. Deus se importa mais com o que somos do que com o que nós fazemos. Nosso mundo está sempre mudando e grandes realizações desmoronam e desaparecem. Busque servir a Deus de todo o coração. Então você não precisará comparar o seu trabalho com o de ninguém (Life Application Study Bible).

Era um “dia dos humildes começos” (Zc 4:10), e o novo edifício, em comparação com o antigo, parecia ser “nada” (Ag 2:3). Salomão havia empregado os melhores artesãos de seu próprio país que alcançava a fronteira do Egito ao Efrates, e também os construtores mais hábeis das terras vizinhas, como os de Tiro. Zorobabel dependia de seus próprios súditos, os poucos cidadãos da pequena província da Judeia (CBASD, vol. 3, p. 368).

As lágrimas dos membros mais idosos da comunidade não eram lágrimas de alegria, mas de desapontamento por causa do contraste entre este pequeno começo (cf Zc 4.10) e o esplendor do templo de Salomão. Desapontamentos similares seriam, posteriormente, repreendidos (Ag 2.1-5), mas pelo momento a alegria do Senhor era a força de muitos (Bíblia de Genebra).

“Nós vimos”, diziam os anciãos, “e os velhos tempos eram melhores do que estes.” “Nós veremos,”  diziam os moços, “e faremos os dias futuros melhores que todos os que já existiram desde o princípio do mundo!” (Comentário Bíblico Devocional – Velho Testamento, F.B.Meyer).




%d blogueiros gostam disto: