Reavivados por Sua Palavra


NÚMEROS 2 by jquimelli
8 de fevereiro de 2019, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/numeros/nm-capitulo-2/

O Senhor já sabia o número de combatentes em Israel. A contagem de Israel foi feita por causa de Israel, não de Deus. Na verdade, toda a estrutura organizacional descrita em Números 2 foi concebida para benefício do povo. Eles precisavam conhecer os propósitos e o caráter de Deus.

As pessoas faziam parte de um plano divino. Deus não precisava de 603.550 combatentes. Deus não estava interessado em aumentar o número de soldados. Se assim quisesse, Ele não teria separado os levitas do povo para servir no tabernáculo.

Imagine-se sendo uma criança ou um idoso israelita. A partir da sua observação da ordem criada por Deus para a marcha, você perceberia não apenas o enorme tamanho do exército do Senhor, mas aprenderia que você, individualmente, tinha um lugar especial entre estas pessoas. Pense na emoção e no sentimento de participação! Apesar de não ser um dos 603.550 soldados, no coração você estava se movendo junto com Deus.

Deus sabe como obter a vitória, e Ele sabe também como fazer seus filhos se sentirem vitoriosos. Graças a Deus pela vitória que Ele compartilha com todo o Seu povo!

Mark Sheffield
Southern Adventist University

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/num/2
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



NÚMEROS 2 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
8 de fevereiro de 2019, 0:55
Filed under: Sem categoria



NÚMEROS 2 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
8 de fevereiro de 2019, 0:45
Filed under: Sem categoria

A Bíblia não deve ser utilizada como restaurante self-service, do qual escolhemos alimentos conforme nosso interesse, onde desprezamos outros. A totalidade da Palavra de Deus deve estar ligada a nossa fidelidade.

Não se alimenta de toda Palavra que sai da boca de Deus quem ignora certas partes desta Palavra!

Assim como tem quem come presunto defumado, calabresa ou bacon, tem quem gosta de alimentar-se espiritualmente de coisas que contaminam a alma, ao substituir a Bíblia por qualquer literatura ou subsídios supérfluos.

O capítulo em apreço revela preciosas verdades que devem ser fundamentais para nós:

• Deus deve ser central na vida diária. A rotina de quem não inclui Deus no centro de tudo leva à ruína (vs. 1-2);
• Deus deve organizar a vida de cada indivíduo e de toda família. Se Deus não tiver permissão para administrar cada membro da família, tua vida será uma bagunça/desordem/baderna (vs. 3-34).

O próprio Deus organizou o acampamento de Seu povo no deserto antes de avançar em direção à Canaã. Ele sistematizou a localização geográfica de cada tribo. Do…

1. …Lado leste do Tabernáculo: Judá, Issacar e Zabulom (vs. 3-9);
2. …Lado sul do Tabernáculo: Rubem, Simeão e Gade (vs. 10-16);
3. …Lado oeste do Tabernáculo: Efraim, Manassés e Benjamim (vs. 18-24);
4. …Lado norte do Tabernáculo: Dã, Aser e Naftali (vs. 25-34).

A nação que não tem Deus como Senhor no centro de tudo não terá prazer em viver. Povo assim anda desnorteado, na incerteza do amanhã, trabalha por trabalhar, vive por viver; o estresse é o resultado da ganância, e a morte é simplesmente o fim do cansaço.

A tribo de Levi foi organizada para estabelecer-se no meio do acampamento (v. 17). Levitas cuidariam da espiritualidade tanto quanto as outras tribos cuidariam do sustento e da segurança. A espiritualidade não deve ser periférica, deve ser central para todo crente.

As tribos do leste iniciavam a jornada, em seguida as do sul, os levitas no meio, logo seguiam as do oeste e, por último, as do norte. Que organização! “Ciência é o conhecimento organizado. Sabedoria é vida organizada” (Immanuel Kant).

Organize tua vida: Convide a Deus para tomar conta dela!

Vida organizada resulta em família bem ordenada. Famílias estruturadas resultam em igreja e sociedade bem ordenadas! – Heber Toth Armí.



NÚMEROS 2 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
8 de fevereiro de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Os filhos de Israel se acamparão junto ao seu estandarte, segundo as insígnias da casa de seus pais; ao redor, de frente para a tenda da congregação se acamparão” (v.2).


A disposição das tribos de Israel enquanto acampavam no deserto foi meticulosamente organizada por Deus. Cada tribo, conforme a turma de sua seleção, deveria permanecer em seu lugar tanto acampados quanto em marcha. As primeiras tribos compunham o “arraial de Judá” (v.9), que ficava “ao lado oriental (para o nascente)” (v.3); estes marchariam primeiro. O segundo arraial, o “arraial de Rúben” (v.16) era composto por outras três tribos, que acampavam “para o lado sul” (v.10), sendo estes a marchar “em segundo lugar” (v.16). O arraial dos levitas ficava no meio dos demais arraiais, ao redor do tabernáculo. “Para o lado ocidental” (v.18) ficariam as tribos de Efraim, Manassés e Benjamim, compondo o “arraial de Efraim”, que marcharia “em terceiro lugar” (v.24). E, finalmente, o “arraial de Dã”, localizado ao norte e que marcharia por último. Esta ordem foi estabelecida pelo próprio Deus e certamente obedecia uma lógica para fins especiais.

Tal organização promovia confiança nas promessas de Deus. Ele prometera habitar no meio do Seu povo. Acampando ou marchando, os filhos de Israel tinham sempre a presença de Deus no meio deles: “como se acamparem, assim marcharão, cada um no seu lugar” (v.17). Sendo vista do alto, a planta do acampamento de Israel, conforme a disposição das tribos, formava a imagem de uma cruz com o santuário ao centro. E ao marcharem assim dispostos, carregavam a “cruz” por onde quer que fossem. Também eram organizados por famílias e “segundo a casa de seus pais” (v.34). Ou seja, os membros de cada família estavam sempre juntos, quer acampando quer marchando. Israel estava dividido por tribos, estandartes, turmas e famílias, mas era um só povo com um só objetivo de alcançar a terra prometida.

Na visão de João, do livro selado com sete selos, o apóstolo ficou perturbado e chorou muito com a informação de que ninguém era digno de abrir aquele livro e desatar-lhe os selos. Até que um dos vinte e quatro anciãos se dirigiu a ele em sua aflição e disse que “o Leão da tribo de Judá… venceu para abrir o livro e os seus sete selos” (Ap.5:4). Percebam que o arraial que marchava à frente de Israel era o arraial de Judá. Um símbolo inquestionável de Cristo, o Senhor dos Exércitos, marchando à frente do Seu povo. Uma marcha vitoriosa dAquele que “saiu vencendo para vencer” (Ap.6:2). Jesus declarou a Seus discípulos: “Se alguém quer vir após Mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-Me” (Mt.16:24). Quem sabe o Salvador visualizou o acampamento de Israel ao proferir estas palavras. Este símbolo faz com que estas palavras de Jesus tenham um sentido muito mais significativo e pontual. Assim como o antigo Israel acampava e marchava conforme a orientação de Deus, colocando o plano divino acima de suas terrenas aspirações, como povo remanescente, precisamos fazer o mesmo. Todas as vezes que Israel se desviava da vontade de Deus, desfigurava o projeto divino e colocava em risco a segurança e bem-estar de todos.

Tomar a cruz de Cristo e levá-la não tem a ver com labor excessivo e nem com autoflagelo, mas em que nos tornemos um reflexo do amor sacrifical do Salvador, de forma que Ele sempre esteja no centro de nossa vida. Esta é uma obra que Ele deseja realizar não somente em nós, mas em nós, em nossa casa, na igreja e, então, no mundo. Esta é a sequência que precisamos obedecer. Esta é a mensagem da cruz que o mundo precisa conhecer. Que Deus tem uma família na Terra composta por pessoas de todas as tribos, línguas, povos e nações, mas unida num só propósito e marchando para o mesmo lugar. Pela fé, façamos parte desta família mundial, “coluna e baluarte da verdade” (1Tm.3:15) que, cheia do Espírito Santo, acampada ou em marcha, é uma prova inequívoca de que “o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor” (Dt.6:4).

Bom dia, Israel de Deus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Números2 #RPSP

Comentário em áudio:
https://www.youtube.com/user/nanayuri100
https://www.youtube.com/channel/UCzzqtmGdF4UqBopc6CRiqLA



NÚMEROS 2 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
8 de fevereiro de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria



NÚMEROS 2 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
8 de fevereiro de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria

1021 palavras
1-34 Narra a ordem e a disposição das tribos acampadas e em viagem. As doze tribos eram divididas em quatro grupos de três tribos cada grupo, formando assim quatro exércitos. Bíblia Shedd.

Os levitas acamparam-se ao redor do tabernáculo (1.53). Nas marchas, as tribos deveriam seguir umas às outras, na mesma ordem segundo a qual foram mencionadas. Comparar essa disposição com a cidade quadrangular em Ap 21.16, o lugar de habitação final de Deus com os homens. Bíblia de Genebra.

O formato das quatro divisões da tribo de Levi encontram-se em Números 3:23, 29, 35 e 38. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 899.

O segundo capítulo nos ensina: 1) Deus é um Deus de ordem, 1 Co 14.33, 40; 15.23; 2) A união da diversidade é um grande princípio da vida, Ef 4.7-12; 3) A presença de Deus no centro de tudo (v. 17), é o lugar da reunião da Igreja inteira, Sl 46.5; 4) A simetria espiritual deve ser cultivada, não havendo desigualdade nem o desenvolvimento de uma parte só, prejudicando assim as demais, Ap 21.16. … A distância entre o Monte Sinai e a Terra Prometida era de apenas quinze dias de marcha. A Lei e a Promessa ficam próximas. Bíblia Shedd.

2 estandarte … insígnias. O estandarte pertencia a um grupo mais amplo (v. 3, 10, 18, 25), ao passo que cada grupo familiar exibia sua “insígnia”. CBASD, vol. 1, p. 899.

A nação de Israel foi organizada de acordo com as tribos por várias razões: 1) Era um modo efetivo de gerenciar e governar um grande grupo. 2) Tornou mais fácil a divisão da terra prometida. 3) Era parte da sua cultura e herança (as pessoas não eram conhecidas por um sobrenome, mas pela família, clã e tribo). 4) Tornou mais fácil manter genealogias detalhadas, e genealogias eram o único modo de provar fazer parte da nação escolhida por Deus. 5) Tornou a viagem muito mais eficiente. As pessoas seguiam o estandarte da tribo (um tipo de bandeira) e portanto permaneciam juntos, evitando que se perdessem. Life Application Study Bible.

A tradição judaica faz crer que os emblemas tribais correspondiam, quanto às cores, às 12 pedras no peitoral do sumo sacerdote (Êx 28.15-21). A tradição também sustenta que a bandeira da tríade liderada por Judá tinha a figura de um leão, a de Rúben, a figura de um homem, a de Efraim, a figura de um boi, e a de Dã, a figura de uma águia (v. os quatro seres viventes descritos em Ez 1.10; cf. Ap 4.7). Mas não há confirmação independente dessas tradições. Bíblia de Estudo NVI Vida. [Existe ainda interpretação que relaciona os quatro evangelhos a estas figuras, relacionando-as a aspectos do ministério de Jesus: realeza, humanidade, serviço, divindade].

3-7 ao lado oriental … o estandarte do arraial de Judá. Por ser a tribo preeminente, a Judá foi designado o leste, a posição de honra.  CBASD, vol. 1, p. 900. [A leste do tabernáculo ficavam as tribos de Judá (tribo líder), Issacar e Zebulom, filhos de Lia (cf Gn 29-30).]

10 O estandarte do arraial de Rúben … estará para o lado sul. Rúben era o mais velho dos 12 filhos de Jacó (Gn 35:23), mas perdeu o direito à honra e às prerrogativas do primogênito por causa da instabilidade de seu caráter. CBASD, vol. 1, p. 900. [Ao sul do tabernáculo ficavam as tribos de Rúben (tribo líder) e Simeão, filhos de Lia, e Gade, filho de Zilpa (cf. Gn 29-30).]

17 O arraial dos levitas. A posição que os levitas ocupavam na peregrinação. Por causa da sua missão, os levitas ficavam ao redor do tabernáculo. Bíblia Shedd.

18-25 O estandarte do arraial de Efraim. Os dois filhos de Raquel (José e Benjamim) estavam a oeste. Os dois filhos de José, Manassés e Efraim, receberam uma bênção especial do avô deles, Jacó, mas o filho mais jovem, Efraim, recebeu precedência sobre Manassés (Gn 48.5-20). Bíblia de Estudo NVI Vida.

O terceiro exército, das tribos de Efraim, Manassés e Benjamim. Assim acampavam juntos os descendentes de Raquel. Bíblia Shedd.

25 O estandarte do arraial de Dã estará para o norte. Dã era filho de Jacó e Bila (Gn 30:6; 35:25). … A posição exaltada de Dã nas circunstâncias deste versículo contrasta com as profundezas em que a tribo caiu posteriormente; pois se estabeleceu entre os pagãos, foi eliminada do registro sagrado e não é mencionada entre as 12 tribos da nova Jerusalém (ver Jz 18; Ap 7:5-8). CBASD, vol. 1, p. 901. [Ao norte do tabernáculo ficavam as tribos de Dã (tribo líder) e Naftali, filhos de Bila e Aser, filho de Zilpa (cf. Gn 29-30). A ordem das tribos tentava agrupar as tribos que eram descendentes das mesmas mães. Apenas os filhos de Zilpa, Aser e Gade, foram separados (norte e sul).]

33 Mas os levitas não foram contados entre os filhos de Israel. Os levitas eram oficiais e guardas no santuário (ver 1:47-53). Ao invés de acampar a uma distância do santuário como as outras 12 tribos (2:2), os levita deveriam acampar próximo, ao redor dele (1:50), como um cordão protetor. Haviam 13 tribos descendentes dos 12 filhos de Jacó/Israel porque Jacó deu a José uma herança dupla ao adotar seus filhos, Efraim e Manassés, como seus próprios (Gn 48). Andrews Study Bible.

34 Assim fizeram os filhos de Israel; conforme tudo o que o SENHOR ordenara a Moisés. Assim como em 1.54, essas palavras de obediência total formam um contraste com a tolice posterior de Israel. Bíblia de Estudo NVI Vida.

junto às suas bandeiras … cada um com o seu clã e com a sua família. Realização importante para um povo tão numeroso, tão recentemente escravizado e, mais recentemente ainda, uma turba desorganizada. Talvez fosse a boa ordem reinante nesse acampamento que tivesse levado Balaão a dizer: “Quão belas são as suas tendas, ó Jacó, as suas habitações, ó Israel!” (24.5). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Os capítulos 1 e 2 informam o tamanho e a disciplina da hoste israelita. O centro das atenções era o tabernáculo, o lugar da morada de Deus. Yahweh estava no meio deles (Dt 4:7; 23:24; Sl 78:52, 53; ver Rm 8:31), provendo garantia de esperança, segurança e progresso. … O temor e a reverência que o tabernáculo inspirava se deviam ao fato de Yahweh habitar ali. A separação do lugar da presença divina das ocupações da vida diária ajudava a inspirar respeito pela autoridade e um sentido de disciplina entre o povo. Atualmente, a igreja é como um exército em marcha, e o Senhor está com ela (ver 2 Co 6:16; 1 Pe 2:9).  CBASD, vol. 1, p. 901.




%d blogueiros gostam disto: