Reavivados por Sua Palavra


BEM VINDO AO ESTUDO DO LIVRO DE NÚMEROS! by Jeferson Quimelli
7 de fevereiro de 2019, 7:00
Filed under: Sem categoria



NÚMEROS 1 by Jeferson Quimelli
7 de fevereiro de 2019, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/numeros/nm-capitulo-1/

Você já se perguntou se é realmente possível para Deus finalizar o plano da salvação? A igreja de Deus é muitas vezes fraca e às vezes os desafios parecem esmagadores.

O Livro de Números, supostamente cheio de listas áridas e regulamentos é, na verdade, uma história de aventura emocionante que demonstra as capacidades surpreendentes de Deus.

Pense nas circunstâncias por um momento: os filhos de Israel tinham saído há apenas um ano da escravidão no Egito. Agindo sob a direção explícita de Deus, o primeiro dever de Moisés foi criar um sistema de adoração que antecipava eventos sagrados que terminariam com o fim do pecado. Uma vez que os israelitas reconheceram o Senhor e Seu caráter santo através do sistema do tabernáculo, e viram que Ele conhece o fim desde o princípio, o Senhor começou o processo de forjá-los em uma arma inquebrável.

O segundo passo de Moisés, observado no Livro de Números, foi a contagem de todos os homens de combate disponíveis. Após cuidadosa investigação para determinar quem era capaz de lutar, descobriu-se que eram exatamente 603.550 soldados. Este número era muito pouco ou excessivo? Nem uma opção nem outra. Era o número disponível, e com esse número Deus lutaria.

Mark Sheffield
Southern Adventist University

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=364
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



O LIVRO DE NÚMEROS by Jeferson Quimelli
7 de fevereiro de 2019, 0:56
Filed under: Sem categoria

O título hebraico do livro é Bemidbar, “No deserto”, o que identifica a localização da história [esta palavra, que em hebraico inicia o livro, se refere mais propriamente a um ambiente ermo, semi-árido, deserto de pessoas, do que a um deserto de areia. De fato, o deserto do Sinai tem mais pedras do que areia. Em inglês: wilderness].
O título “Números” se origina da nome do livro na Septuaginta Grega [tradução no AT para o grego, efetuada para os judeus na dispersão, antes do nascimento de Jesus]. Este nome se refere à contagem do número de israelitas em um recenseamento de adultos que deixaram o Egito (caps. 1-4) e um censo posterior da geração mais nova que prosseguiu para possuir a terra prometida (cap. 26). Andrews Study Bible.

Historicamente, o livro de Números começa onde termina o livro de Êxodo, com o espaço necessário, naturalmente, para as seções históricas espalhadas pelo livro de Levítico. Cobre um período de aproximadamente quarenta anos, da história do avanço de Israel em direção à Palestina. Apesar de que esses anos são usualmente descritos como anos de peregrinação, torna-se claro que o povo viveu ao sul da própria terra de Canaã, parcialmente na área conhecida como o Neguebe [ou Negueve], não muito distante de Cades-Barnéia, durante cerca de trinta e sete anos. Durante esse tempo o tabernáculo foi o ponto central tanto da vida civil como da vida religiosa, visto que foi ali que Moisés desempenhou os seus deveres administrativos. Pode-se supor que o povo seguia as atividades domésticas dos nômades, levando seus rebanhos a pastarem nas estepes semi-áridas. Essas circunstâncias requeriam provisões divinas quanto à alimentação e água. …
Diversas referências ao livro de Números podem ser encontradas no Novo Testamento, onde o livramento da escravidão egípcia é reputado como um modelo terreno da redenção eterna. As experiências no deserto são, no Novo Testamento, consideradas histórias registradas para nossa admoestação (1 Co 10.11). Nosso Senhor Jesus Cristo usou o incidente da serpente de bronze a fim de ilustrar o modo pelo qual Ele mesmo haveria de ser levantado, para que todos aqueles que nEle confiassem, não perecessem mas tivessem a vida eterna. Bíblia Shedd.

“É um livro vivo, que tem inspirado a vida espiritual dos cristãos ao longo da história. Seu principal objetivo é exaltar Yahweh como Deus supremo, em Sua santidade, majestade e no cuidado pelo povo escolhido.” CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 892.

Alguns assuntos mencionados em Números que nos lembram de Jesus, conforme se lê em 1 Co 10.1-11: 1) O Nazireu, cap 6; 2) A Novilha vermelha, cap 19; 3) O Pão dos Céus, 11.7-9; 4) A Água da Vida, 20.11; 5) A Serpente de Bronze, cap 21; 6) A Estrela, 24.17; 7) As Cidades de Refúgio, 35.9-15. Bíblia Shedd.



NÚMEROS 1 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
7 de fevereiro de 2019, 0:55
Filed under: Sem categoria



NÚMEROS 1 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
7 de fevereiro de 2019, 0:45
Filed under: Sem categoria

Tem muita gente que não concorda com a Bíblia. Quem procede assim discorda de Deus. O que esperar de pessoas que discordam de um Deus bondoso, amoroso e atencioso? Se Deus não fosse assim, não teria deixado a Bíblia. Ela é evidência de Sua benevolência!

Vamos ler o livro de Números com milhares de pessoas?

A versão grega do Antigo Testamento, Septuaginta, deu ao livro que em hebraico é chamado de Bed midbbãr (no deserto) o nome de ‘Números’ devido ao “destaque dado aos números de censo no livro” (Gleason L. Archer, Jr).

No primeiro capítulo nota-se a ênfase em números, o primeiro recenseamento do povo de Deus. Realiza-se contagem dos peregrinos que saíram do Egito, atravessaram o Mar Vermelho e, nesta circunstância, estavam acampados próximo ao Monte Sinai.

A despeito do título e da ênfase numérica, o livro é histórico. “Compreende a história de entre trinte e oito e trinta e nove anos, isto é, de 1490 a.C. a 1451 a.C., e traz um relato distinto das várias etapas da viagem dos israelitas, os vários acontecimentos no caminho, suas provações, rebeliões, punições, libertações, conquistas, etc. com as várias leis e ordenanças não mencionadas nos livros precedentes, além de uma repetição e explicação de várias outras que foram previamente mencionadas” (Adam Clarke).

Deste modo, o livro de Números forma, “no geral uma história muito interessante da justiça, misericórdia e providência de Deus”, observa Clarke.

No primeiro capítulo destacam-se os seguintes pontos:

1. Conta-se homens de 20 anos para cima, capazes de guerrear (vs. 1-3);
2. Cada tribo possui chefes ligados a Moisés e Arão (v. 4);
3. Cataloga-se nomes dos líderes/príncipes das tribos (vs. 5-16);
4. Classifica o povo conforme a genealogia de cada família (vs. 17-19);
5. Considera-se o número das tribos. Os descendentes de…

• …Rúbem: 46.500
• …Simeão: 59.300
• …Gade: 45.650
• …Judá: 74.600
• …Issacar: 54.400
• …Zebulom: 57.400
• …Efraim: 40.500
• …Manassés: 32.200
• …Benjamim: 35.400
• …Dã: 62.700
• …Aser: 41.500
• …Naftali: 53.400

603.550 era o número de homens para a guerra; sem contar crianças, mulheres, doentes, velhos e levitas (vs. 44-54).

Deus preocupa-Se com quantidade e qualidade. Ele quer todos preparados para a guerra espiritual no deserto desta vida, enquanto avançamos para a Canaã Celestial!

“Senhor, por favor, conta-me como membro de Teu povo!” – Heber Toth Armí.



NÚMEROS 1 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
7 de fevereiro de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Como o Senhor ordenara a Moisés, assim os contou no deserto do Sinai” (v.19).


Do monte para o deserto. Esta mudança de cenário introduz o livro de Números com o primeiro censo da nação israelita. Foi no tabernáculo recém inaugurado que Moisés recebeu as orientações de Deus quanto à forma de proceder com a contagem do povo. Ele e Arão contariam os homens de “vinte anos para cima, todos os capazes de sair à guerra em Israel” (v.3). O Senhor ainda declarou o nome dos príncipes de cada tribo que os auxiliariam nesta missão. Não era propósito de Deus que o Seu povo se envolvesse em conflitos com as demais nações. Uma clara prova disto foi a sua saída do Egito, em que o povo não precisou erguer uma espada sequer, mas apenas confiar no poder de Deus. Todavia, chegaria o tempo em que Israel rejeitaria o governo de Deus e sob a monarquia de reis terrenos precisaria estar pronto para as guerras que inevitavelmente surgiriam.

Contados “nominalmente… cabeça por cabeça” (v.18), cada homem capacitado a lutar fora recrutado pelo alistamento militar do deserto. Cada tribo dispôs o seu destacamento. Em cada família havia pelo menos um hábil soldado capaz de representá-la. Na tribo de Levi, porém, não fora realizado o censo. Aos levitas cabia a responsabilidade de “cuidarem do tabernáculo do Testemunho, e de todos os seus utensílios, e de tudo o que lhe pertence” (v.50). Quando Israel acampava, cada tribo possuía o seu lugar próprio, “cada um junto ao seu estandarte, segundo as suas turmas” (v.52). Já a tribo de Levi acampava-se “ao redor do tabernáculo do Testemunho” (v.53), para que ninguém comum do povo tivesse acesso às coisas santas e morresse. A tribo de Levi, portanto, era uma espécie de exército do santuário. E todas as tribos, mesmo divididas por estandartes, deveriam estar sempre unidas pela mesma bandeira: “O Senhor É Minha Bandeira” (Êx.17:15).

Estamos vivendo o tempo do maior censo já realizado pelo Senhor: o censo dos “inscritos no Livro da Vida do Cordeiro” (Ap.21:27). O Espírito Santo está recrutando os últimos escolhidos de todas as nações, tribos, línguas e povos. Todos, sem restrição de idade, sexo ou etnia, podem alistar-se para o exército do Deus vivo. No entanto, a convocação tem prazo para acabar e se apressa para o fim. Há um conflito ocorrendo neste exato momento. Desde a entrada do pecado no mundo, a humanidade tem enfrentado um inimigo cruel e desleal. E somente mediante o uso da armadura correta poderemos estar em pé no Dia do Senhor. Eis a ordem superior que devemos obedecer: “Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo” (Ef.6:11). Enfrentamos uma guerra que seria facilmente vencida pelo inimigo não fosse a graça do Senhor dos Exércitos. Acerca disto, Ellen White escreveu:

“O antagonismo que existe entre Cristo e Satanás revelou-se de maneira flagrante na recepção que Jesus teve. A pureza e santidade de Cristo suscitaram o ódio dos ímpios contra Ele. Sua vida de renúncia era uma perpétua reprovação a um povo orgulhoso e sensual. Satanás e os anjos caídos uniram-se aos homens maus contra o Campeão da verdade. A mesma inimizade é manifesta em relação aos seguidores de Cristo. Quem quer que resista à tentação, suscitará a ira de Satanás. Cristo e Satanás não podem harmonizar-se.’Todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus, serão perseguidos'” (2Tm.3:12, O Grande Conflito, p.223).

Cumpre-nos fazer o que fez Israel: “Assim fizeram os filhos de Israel; segundo tudo o que o Senhor ordenara a Moisés, assim o fizeram” (v.54). Através de Sua Palavra, o Senhor continua instruindo o Seu povo e preparando-o para as moradas do Céu. Temos o Céu a nosso favor e precisamos deixar isso muito claro através de nossas escolhas. “Sujeitai-vos, portanto, a Deus; mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós” (Tg.4:7). Eis a nossa arma secreta: “Ao som de fervorosa oração, treme todo o exército de Satanás… É quando anjos todo-poderosos, revestidos da armadura do Céu, vêm em auxílio da desfalecida e perseguida alma, Satanás e seus anjos retiram-se, pois bem sabem que está perdida a sua batalha” (Ellen G.White, Mensagens aos Jovens, p.53).

Encerre o seu estudo de hoje com uma leitura cuidadosa de Efésios 6:10-18.

Bom dia, exército do Deus Altíssimo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Números1 #RPSP

Comentário em áudio:
https://www.youtube.com/user/nanayuri100
https://www.youtube.com/channel/UCzzqtmGdF4UqBopc6CRiqLA



NÚMEROS 1 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
7 de fevereiro de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria



NÚMEROS 1 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
7 de fevereiro de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria

871 palavras

1-10 Aqui o Senhor instrui os israelitas a se prepararem para retomar sua jornada a Canaã para conquistar aquela terra. Andrews Study Bible.

1 no primeiro dia do segundo mês. Isto é, um mês após a construção do Tabernáculo (Êx 40.1), que foi feito um ano após a saída do povo de Israel do Egito. Deus convoca o povo para um encontro, através de Moisés, Seu servo, no Tabernáculo recém construído. Bíblia Shedd.

tenda da congregação. Heb mo’ed, isto é, “encontro” (de Deus com o povo). É o tabernáculo, que foi construído para ser um Templo portátil. Bíblia Shedd.

Literalmente, “tenda do encontro”(ver Nm 3:7; Êx 27:21; Lv 1:1, 3). Era o lugar onde Deus se encontrava com Moisés e com Seu povo. … Moisés enfatizou o fato de o Senhor ter lhe falado no tabernáculo, no deserto do Sinai, porque as revelações seguintes ocorreram ali, depois de ele ter sido levantado. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 896.

2 segundo as suas famílias. A organização militar tribal era efetiva porque os os líderes tribais já exerciam liderança social. Além disso, parentes próximos apoiariam e protegeriam uns aos outros.  Andrews Study Bible.

A casa de seus pais. Neste contexto, o grupo é a família. No entanto, o termo pode ser usado para uma tribo inteira descendente do mesmo ancestral (Nm 17:2) ou para uma porção de uma tribo (Nm 3:24; Êx 6:14). CBASD, vol. 1, p. 896.

Da idade de vinte anos para cima. Idade na qual os homens eram considerados aptos para guerrear (ver 1:8, 45). Em Lv 27:3, os homens entre 20 e 60 anos são os mais bem avaliados devido a sua capacidade de realizar trabalhos físicos. Bíblia de Estudo Andrews.

capazes de sair à guerra. Recenseamento militar para avaliar a potência bélica do povo israelita, tanto para a defesa como para a conquista da terra prometida; compare vv. 19 e 20. Bíblia Shedd.

4-18 Homens escolhidos dos mais destacados de cada tribo, para serem chefes e assistentes de Moisés, junto às suas respectivas tribos; designados com a investidura do cargo com os títulos de “Príncipes de Israel” e “Cabeças dos milhares de Israel”. Veja v 16. Bíblia Shedd.

Os nomes. Os v. 5 a 15 contêm uma lista de 12 homens principais, cujos nomes reaparecem em Números 2, 7 e 10. … Oito deles tinham nomes compostos por ‘El, um título de Deus. … O súbito aumento de nomes que levavam ‘El sugere um maior interesse no Deus de seus antepassados, à medida que os líderes dos israelitas aguardavam expectante a libertação prometida por Deus (‘Elohim) a José (Gn 50:24, 25). CBASD, vol. 1, p. 896.

33 da tribo de Efraim. A tribo de Levi não foi contada entre os filhos [povo] de Israel, por causa da sua missão espiritual [v 47]. Para completar o total de doze tribos, incluem-se os dois filhos de José, Efraim e Manassés. Bíblia Shedd.

46 seiscentos e três mil quinhentos e cinquenta. Com exceção de Josué e Calebe, todos esses morreram no deserto. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Este total do censo militar não inclui os homens com menos de 20 anos, as mulheres, nem o “misto de gente” que se uniu aos israelitas (Êx 12:38). Bíblia de Estudo Andrews.

47 Os levitas. Havia 2 tribos, porque Jacó adotara Efraim e Manassés, os dois filhos de José (Gn 48:5, 6). Portanto, em vez de uma só tribo de José, havia duas tribos distintas: Efraim e Manassés. CBASD, vol. 1, p. 897.

entre eles. A numeração dos levitas haveria de ser um assunto separado, com fins meramente religiosos, 3.39. Os números dados, nestas condições de não incluir levitas, mulheres, crianças e velhos, dão a entender que o total absoluto dos israelitas montava a quase dois milhões e meio. Bíblia Shedd.

50 Tabernáculo do Testemunho. A expressão “Testemunho”se refere aos dez mandamentos e ocorre 49 vezes no AT. … sugere que os dez mandamentos declaram a natureza moral e ética do caráter de Yahweh e que Ele espera a manifestação das mesmas características em Seu povo. CBASD, vol. 1, p. 897.

Ministrarão. A palavra traduzida desse modo só é usada em Números para designar a função sagrada dos levitas. O significado do termo é sempre honroso e também se refere à santa ministração dos anjos (Hb 1:14). CBASD, vol. 1, p. 897.

51 O estranhos que se aproximar. O não levita que desrespeitasse os limites de função e espaço reservados aos levitas (comparar com 3:10, 38; 18:7). Bíblia de Estudo Andrews.

52 Estandarte. Segundo a tradição judaica, o estandarte de Rúben tinha a figura de um homem, o de Judá, a de um leão, o de Efraim, a de um boi. o de Dã, a de uma águia. CBASD, vol. 1, p. 897.

53 para que não haja ira. A profanação das coisas sagradas sempre provoca a ira de Deus. É por isso que os levitas, incumbidos das coisas do tabernáculo, acampavam ao redor do tabernáculo para que não fosse fácil a um estranho ter acesso a ele, vv 50 e 51. Bíblia Shedd.

A palavra traduzida por “ira”vem de um radical relacionado ao siríaco e ao área que significa “quebrar”, “soltar-se”. … Assim também, a ira de Deus envolve a ideia de cortar da igreja aquele que pecou em relação a Suas coisas santas. Os levitas ficavam posicionados ao redor do tabernáculo para impedir que qualquer pessoa não autorizada entrasse nos recintos sagrados da habitação de Deus. Fora do cordão de isolamento sacerdotal, os laicos de Israel armavam suas tendas de acordo com um plano divinamente estabelecido. O Senhor estava no meio deles. CBASD, vol. 1, p. 898.




%d blogueiros gostam disto: