Reavivados por Sua Palavra


Mateus 3 by Jobson Santos
28 de janeiro de 2018, 1:00
Filed under: Mateus

Leia primeiro, em espírito de oração, o texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/mateus/mt-capitulo-3/  

 

Comentário devocional:

Todos os quatro Evangelhos dedicam uma atenção especial a uma pessoa específica, além de Jesus. Uma das pessoas mais mal compreendidas no Novo Testamento, mas que teve uma profunda influência sobre Jesus e o Cristianismo. Seu nome era João Batista.

Toda a história de Jesus e do cristianismo começa a partir do momento em que João batiza Jesus. O próprio Jesus disse em Mateus 11:11: “Digo-lhes a verdade: Entre os nascidos de mulher não surgiu ninguém maior do que João Batista” (NVI). Mas, entre os cristãos, há uma tendência a subestimar João como não mais que um mensageiro do Messias.

O  que João Batista tinha de tão especial que levou tantas pessoas a segui-lo? A resposta reside na mensagem de João Batista: ““Arrependam-se, pois o Reino dos céus está próximo” (v. 2). O ministério de João é um exemplo para todos os cristãos. Afinal, o próprio Jesus foi batizado, não porque Ele precisasse, mas para ser um exemplo para nós. O batismo é mais do que um ritual simbólico; é uma confissão pública de fé e compromisso com Cristo e Sua igreja. Ele simboliza uma verdadeira mudança de vida.

Se ainda não fomos batizados, façamos planos de demonstrar publicamente nossa fé e devoção a Jesus através dessa cerimônia. E quer sejamos novos ou antigos cristãos, aceitemos a mensagem de João Batista e vivamos uma vida que evidencie o verdadeiro arrependimento.

Oleg Kostyuk
Host of Cross Connection
Hope Channel

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/mat/3  ou https://www.revivalandreformation.org/?id=1178
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/11/04  
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli/Jeferson Quimelli
Comentário em áudio Pr Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/Reavivados/Reavivados28-01-2018.mp3  
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/  


POR QUÊ QUATRO EVANGELHOS? by jquimelli
28 de janeiro de 2018, 0:59
Filed under: Sem categoria

A fim de que um quadro completo da vida e do ministério de Jesus pudesse ser preservado para gerações futuras, o Espírito Santo conduziu e capacitou quatro homens para preservar um registro da narrativa do evangelho, escrito talvez a partir do ponto de vista que interessava a cada um pessoalmente. Cada evangelista foi guiado por um objetivo diferente ao escrever e omitiu certos incidentes mencionados pelos demais, acrescentando certos detalhes (ver p. 178-180).

É como se quatro pintores fizessem um quadro de Jesus, cada um a partir de um ponto de vista diferente. O sujeito é o mesmo, mas o aspecto é diferente. Em conjunto, os quatro retratos fornecem um conceito mais completo e perfeito de Jesus do que uma única figura. O retrato feito pelos quatro evangelistas nos possibilita contemplar a vida de Cristo numa perspectiva real. Tudo o que precisamos saber sobre o Salvador foi revelado (ver O Outro Poder, p. 158). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 272.



MATEUS 3 – COMENTÁRIO PR. ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
28 de janeiro de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria


MATEUS 3 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
28 de janeiro de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

MATEUS 3 – Quase 30 anos se passaram do capítulo anterior. Jesus não exibiu-Se ou exaltou-Se – esperou o tempo oportuno para começar Seu ministério. Ele não fez propaganda, nem campanha política nem usou recursos de marketing. Ele agiu diferentemente daqueles que, atualmente, dizem serem Seus representantes.

João Batista entrou em cena para ser Seu precursor; fez isso sem salário, num lugar nada promissor: o deserto. Não comia em restaurantes glamorosos e nem vestia-se com roupas de grife.

O resultado? Multidões afluíam da cidade para ouvi-lo no deserto da Judeia. Sua mensagem? Simples! “Arrependei-vos” (vs. 1-6).

• Guiado pelo Espírito Santo tudo foge à logica humana.

João tornou-se conhecido por Batista ao introduzir o batismo como evidência de arrependimento; todavia, profetizou que o Messias viria para batizar com Espírito Santo e fogo. Estes não são dois tipos de batismos, em diferentes momentos. A Bíblia não diz “ou com fogo”, mas “e com fogo” (v. 11).

Elucida LeRoy E. Froom que esse texto refere-se a “uma frase explicativa, completando a ideia. É a maneira escriturística de repetir para salientar e reforçar um só pensamento”.

Portanto, “devemos ser batizados com fogo divino agora para escaparmos da destruição do fogo consumidor mais tarde”, salienta Froom. João cumpriu a profecia de Isaías 40:3 e Malaquias 4:5.

Imagina o que seria hoje de um pregador como ele? “Raça de serpentes! O que vocês pretendem rastejando até o rio? Acham que um pouco de água nessa pele de cobra vai fazer alguma diferença? É a vida de vocês que precisa mudar, não a pele! […] O que conta mesmo é a vida. A vida de vocês mostra frutos? Se estiver como madeira morta, só serve para o fogo” (vs. 7-10).

Logo em seguida apareceu Jesus para ser batizado como todos os outros, para identificar-se com os pecadores. Ali a Trindade tornou-Se clara pela primeira vez: Jesus, o Emanuel, no rio Jordão; o Espírito Santo veio em forma de pomba; e, ouviu-se a voz do Pai (vs. 12-17). Três seres divinos, distintos, unidos num mesmo objetivo: salvar pecadores condenados à morte!

1. Precisamos atentar ainda hoje para a mensagem do Batista;
2. Precisamos batizar-nos com Espírito Santo e com fogo para livrar-nos do fogo do inferno.

Evidentemente, é imprescindível o reavivamento e a reforma! – Heber Toth Armí.



MATEUS 3, Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
28 de janeiro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus” (v.2).


Filho de pais zelosos e tementes a Deus, João Batista veio ao mundo com uma missão tão grandiosa, que o próprio Jesus o considerou o maior ser humano que já pisou nesta terra (Mt 11:11). Com vestes peculiares e uma mensagem arrebatadora, João atraía multidões ao “deserto da Judeia” (v.1). Como profetizara Isaías, “a voz do que clama no deserto” (v.3) iniciou a obra de preparar os corações para receber o Messias. João não estava preocupado em agradar pessoas e deixou isto bem claro ao dirigir-se aos fariseus e saduceus com as duras palavras: “Raça de víboras, quem vos induziu a fugir da ira vindoura?” (v.7). A sua vida, tal qual a sua mensagem, era um testemunho de amor, abnegação e serviço. E as pessoas “saíam a ter com ele” (v.5) porque viram em João o que jamais conseguiram ver em seus líderes religiosos.

Há uma sequência neste relato sobre a missão de João que nos aponta a realidade da igreja de Deus naquela época e nos últimos dias:

  1. Arrependei-vos” (v.2). Esta deveria ser a primeira atitude do povo. Este deve ser o nosso primeiro passo. É sempre a primeira entonação do chamado de Deus aos Seus filhos;
  2. … porque está próximo o reino dos céus” (v.2). Porque o Messias logo iniciaria o Seu ministério terrestre. Porque Cristo logo voltará a esta Terra;
  3. e não comeceis a dizer entre vós mesmos: Temos por pai a Abraão” (v.9). A “síndrome” de Laodiceia já existia e hoje tomou corpo bem mais preocupante, pois pouco tempo resta para definirmos de que lado estaremos na batalha final;
  4. Eu vos batizo com água” (v.11). O batismo é um passo essencial na vida do cristão. O próprio Jesus, livre de pecado, foi batizado para que se cumprisse “toda a justiça” (v.15), nos deixando exemplo para que façamos o mesmo;
  5. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo” (v.11). O Espírito Santo nos foi outorgado como nosso Consolador, Instrutor e Guia. Mediante a Sua obra, somos preparados para suportar a fornalha da aflição e de lá sairmos como ouro refinado;
  6. … recolherá o Seu trigo no celeiro, mas queimará a palha em fogo inextinguível” (v.12). Há uma sacudidura em andamento e só estarão a salvo aqueles que produzem “frutos dignos de arrependimento” (v.8).

O batismo de Jesus foi um dos Seus atos mais significativos. Ao ser mergulhado nas águas do Jordão, Cristo não “sepultou” os Seus pecados, pois não os possuía. Mas aceitou a Sua missão, cuja vitória da ressurreição foi aclamada com antecedência pelo Pai, logo que saiu da água: “Este é o Meu Filho amado, em Quem Me comprazo” (v.17). Lendo um testemunho sobre um jovem de um país do Oriente Médio me emocionei com a sua sinceridade. Ao estudar a Bíblia e sendo conduzido pelo Espírito Santo às verdades do Senhor, ele entrou no banheiro de sua casa, encheu um balde, fez uma oração e jogou a água na cabeça com a intenção de batizar-se. Algum tempo depois ele aprendeu que o batismo é por imersão e teve a oportunidade de ser batizado da maneira correta.

Meus irmãos, a missão de João Batista preparou o caminho para a primeira vinda de Cristo e recebemos a mesma missão, mas desta vez para preparar o caminho para o Seu segundo advento. Assim como o Espírito Santo trabalhou no coração daquele sincero jovem, Ele tem trabalhado em nossos corações incansavelmente para que sejamos guiados “a toda a verdade” (Jo 16:13). O batismo é apenas a subida do primeiro degrau. Precisamos continuar subindo, subindo e como Paulo buscando “as coisas lá do alto, onde Cristo vive” (Cl 3:1), almejando logo estar lá com Ele. Sigamos, pois, os passos de Jesus (1Pe 2:21) e, certamente, não erraremos o caminho.

Bom dia, trigo do celeiro do Senhor!

Desafio do dia: Se você ainda não se decidiu pelo batismo, não perca mais tempo. Procure uma igreja no site abaixo e prepare-se para tornar real a decisão mais importante de sua vida.
www.encontreumaigreja.com.br

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Mateus3
#RPSP



MATEUS 3 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
28 de janeiro de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

1 João Batista. “João”, heb Yohãnãn, “Deus teve misericórdia”. A palavra “Batista” refere-se à sua vocação especial de batizar, assinalando arrependimento em preparação para a aceitação de Cristo. Bíblia Shedd.

A influência que João exercia sobre o povo se tornou tão grande que Herodes Antipas, em princípio, hesitou em fazer-lhe dano (Mt 14:1, 5; Mc 11:32), e os líderes judeus não ousavam falar abertamente sobre ele (Mt 21:26; Lc 20:6). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 300.

Deserto da Judéia. Esta expressão em geral se refere aos montes áridos e escarpados entre o mar Morto e as montanhas do centro da Palestina, uma região de pouca chuva e de poucos habitantes. CBASD, vol. 5, p. 301.

2 Arrependei-vos. Operar uma mudança radical na vida como um todo. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Do gr metanoeo, literalmente, “pensar de forma diferente depois”, “mudar de idéia”, “mudar de propósito”. Inclui muito mais que a confissão de pecados, embora isso certamente estivesse incluído na pregação de João (v. 6). No sentido teológico, a palavra envolve não só mudança de pensamento, mas nova direção da vontade, uma mudança de propósito e atitude. CBASD, vol. 5, p. 301.

O reino dos céus. Mateus prefere usar “céus” ao invés de “Deus”, em deferência à prática judaica de evitar dizer o nome divino. Marcos e Lucas, que estavam escrevendo para uma audiência majoritariamente não judia, usam “reino de Deus” mais frequentemente. CBASD, vol. 5, p. 301.

a expressão significa a maneira de vida dos que se deixam dirigir por Deus em tudo. É o reino dos céus porque sua origem, seus propósitos, e seu rei, são celestiais. Bíblia Shedd.

O reino dos céus é a soberania de Deus, tanto uma realidade presente quanto uma esperança futura. A ideia do reino de Deus é fundamental nos ensinos de Jesus, sendo mencionada 50 vezes só em Mt. Bíblia de Estudo NVI Vida.

3 Voz. Mateus cita Is 40:3. Assim como João Batista foi a voz que conclamava a “preparar o caminho ao Senhor” na primeira vinda de Jesus, os seguidores de Deus, hoje, devem trabalhar para preparar Sua Segunda Vinda (ver Mat 28:19-20). Andrews Study Bible

João representava apenas uma voz, mas ela ecoou através dos séculos, até os nossos dias. Como profeta, João foi a voz de Deus à sua geração. CBASD, vol. 5, p. 301.

A figura de linguagem usada representa os preparativos que devem ser feitos antes da vinda do rei. Quando um monarca oriental queria visitar partes de seu reino ele enviava mensageiros aos lugares a serem visitados, anunciando sua visita e ordenando aos habitantes a se prepararem para sua chegada. Os habitantes de cada distrito deviam preparar o caminho pelo qual ele passaria, visto que pouco se fazia para conservar as estradas. CBASD, vol. 5, p. 301, 302.

A preparação deveria ser moral e espiritual. Bíblia de Estudo NVI Vida.

4 vestes … cinto … mel silvestre. Os alimentos, as roupas e o modo de vida singelos de João eram um protesto visual conta a vida regalada. Bíblia de Estudo NVI Vida.

João era nazireu de nascimento (DTN, 102), e sua vida simples e sóbria estava de acordo com as exigências desse voto sagrado. … Contudo, não se deve concluir que ele era essênio. … Os essênios se separaram da sociedade e se tornaram ascetas. João passou tempo considerável sozinho no deserto, mas ele não era um asceta, pois de tempos em tempos se misturava com o povo, mesmo antes do início de seu período oficial de ministério (ver DTN, 102). … não há evidência histórica de que João estivesse associado a essa seita rígida. Entretanto, observam-se notáveis semelhanças entre João e os essênios. CBASD, vol. 5, p. 302.

pelos de camelo. Não pele de camelo, como imaginavam alguns, mas uma vestimenta de pelo tecida em tear. CBASD, vol. 5, p. 302.

5 Saíam a ter com ele. João se estabelece num vau natural do Jordão conhecido como “Betabara” ou “Betânia do outro lado do Jordão” (Jo 1.28), por onde tinha de passar todo israelita que demandava Jerusalém. Bíblia Shedd.

A forma do verbo grego [saíam] indica ação continuada: o povo continuava saindo. As multidões continuavam indo ao Jordão para ver e ouvir João e para serem batizadas por ele. … O fato de eles estarem dispostos a deixar seu trabalho e caminharem quilômetros pelo deserto testemunha do poderoso magnetismo da mensagem que João proclamava. CBASD, vol. 5, p. 302, 303.

7 fariseus e saduceus. Os fariseus eram um grupo legalista e separatista que guardava de modo rigoroso, porém de modo também hipócrita, a lei de Moisés e a “tradição dos anciãos” não registrada por escrito (15.2). Os saduceus eram mais mundanos e dados à política e, além disso, não eram teologicamente ortodoxos – entre outras coisas, negavam a ressurreição, os anjos e os espíritos (At 23.8) [influências helenizantes]. Bíblia de Estudo NVI Vida.

9 por pai a Abrão. João adverte à sua audiência e Mateus aos seus leitores que passado familiar religioso não assegura salvação. Não é um direito de nascimento. Andrews Study Bible.

A salvação não ocorre por direito de nascença (nem sequer para os judeus), mas mediante a fé em Cristo (Rm 2.28, 29; Gl 3.7,9,29). Bíblia de Estudo NVI Vida.

10 Já está posto o machado à raiz das árvores. O juízo está próximo. Bíblia de Estudo NVI Vida.

11 batizo com água. Também traduzido “batizo na água”. O batismo por imersão era uma prática comum no judaísmo para não-judeus que se convertiam à religião judaica. Os Essênios, uma seita judaica, praticavam este rito como um ato simbólico através do qual as impurezas eram lavadas. Andrews Study Bible.  

mais poderoso do que eu. A pregação de João era tão cheia de poder que muitos criam que ele era o Messias. Até mesmo os líderes da nação foram forçados a considerar seriamente essa possibilidade (Jo 1:19, 20). CBASD, vol. 5, p. 306.

12 A sua pá. Do gr. ptuon, uma “peneira” com a qual se levantava o grão da eira e o lançava contra o vento para tirar a palha (ver com. de Rt 3:2). O grão caía no chão e a palha era levada pelo vento e, depois, queimada. CBASD, vol. 5, p. 307.

Essa pá é para joeirar. Aqui serve de figura do dia do juízo, na segunda vinda de Cristo. Os profetas do AT e os escritores do NT às vezes encaixam a primeira e a segunda vinda de Cristo de modo que parecem ser um só acontecimento. Bíblia de Estudo NVI Vida.

fogo inextinguível. Um fogo que não se apaga até que queime todo o combustível. Para mais sobre inferno e o fogo do inferno, ver 13:42; 25:41; Mc 9:43; Judas 7. Andrews Study Bible.

13-17 O batismo de Jesus não era para arrependimento. Era apenas um sinal de que Jesus se colocava do lado da minoria dos fiéis e que dava apoio à obra de João. Além disso, era a unção sacerdotal de Jesus, o cumprimento da cerimônia descrita em Ex 29.4-7. Bíblia Shedd.

15. Assim, nos convém. Isto é, “é adequado”, “é apropriado”. CBASD, vol. 5, p. 309.

16,17 saiu logo da água. Note que todas as pessoas da Trindade estão presentes no batismo (Jesus, sendo batizado; o Pai fala; o Espírito desce). Mateus conclui o seu evangelho com uma ênfase similar na presença dos três membros da Trindade no batismo de todos os crentes (ver 28:19). Andrews Study Bible.

17 me comprazo (ARA; me agrado, NVI). A forma verbal grega aqui empregada passa a ideia de algo interminável. Deus sempre Se agradou do Seu Filho e sempre Se agradará. Bíblia de Estudo NVI Vida.




%d blogueiros gostam disto: