Reavivados por Sua Palavra


JEREMIAS 44 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
7 de setembro de 2017, 0:20
Filed under: Sem categoria

Terra do Egito. Esta mensagem de Deus, possivelmente, chegou poucos anos depois dos eventos ocorridos no cap. 43. CBASD, vol. 4, p. 545.

Queimando incenso. Estas palavras indicam que, além de continuar nas familiares práticas idólatras de sua própria terra, eles se envolveram nas práticas idólatras dos egípcios. Foi o perigo desta ligação idólatra com o Egito que fez Jeremias se opor a qualquer plano de aliança com aquele país. CBASD, vol. 4, p. 546.

12 Que se obstinou. Há um jogo de palavras nesta expressão. Deus voltou o rosto contra Seu povo (v. 11) porque ele pôs o rosto de modo contrário [e obstinado] ao Seu conselho. CBASD, vol. 4, p. 546.

14 À qual desejam voltar. Uma indicação de que os exilados ainda se apegavam à esperança de retornar à sua terra natal. A segurança de que haveria só “alguns fugitivos” é repetida de modo pleno no v. 28. CBASD, vol. 4, p. 546.

11-14; 25-30. Os judeus que se mudaram para o Egito se estabeleceram em quatro lugares: Migdol e Tafnes, na fronteira, Mênfis (Baixo Egito) e Patros (Alto Egito). A última mensagem profética de Jeremias para este povo deixava claro que o motivo dos problemas que enfrentavam, entre eles a fome e a destruição de Jerusalém, era a sua adoração de ídolos e por servirem a outros deuses (v. 2-10). Mesmo após a destruição de Jerusalém eles não haviam se arrependido e voltado para Deus. A mensagem de Deus entregue ao povo de Judá, no Egito, foi uma mensagem de punição. Ali eles não viveriam ilesos como pensavam que seria (v. 11-14). Mesmo que a mensagem de Deus possa parecer apenas uma mensagem negativa, devemos entender que toda a mensagem de punição é condicional. Por exemplo, a mensagem de Deus ao povo de Nínive era negativa (Jonas 3:4). No entanto, quando o povo se arrependeu, a cidade não foi destruída (Jonas 3:10). Também a mensagem dada a Ezequiel era negativa (Ezequiel 3:18); no entanto, se o ímpio se arrependesse, sua vida poderia ser prolongada (Ezequiel 3:21). Yoshitaka Kobayashi, em https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/06/14/.

17 A Rainha dos Céus. Esta deusa é normalmente identificada com a Ishtar assírio-babilônica. Dado que havia cerimônias imorais ligadas a essa adoração, ela despertou calorosa indignação em Jeremias, particularmente porque isso parece ter sido uma parte preeminente da idolatra então praticada. A Ishtar assírio-babilônica, a deusa mãe, era equivalente à divindade conhecida pelos hebreus como Astarote e pelos cananeus com Astarte, cujas estatuetas são encontradas na Palestina (ver vol. 2, p. 21, 22, 325, 3260. Esta deusa da fertilidade, da maternidade, do amor sexual e da guerra, era adorada em ritos extremamente degradantes e imorais. Era a mesma deusa adorada com vários nomes e, em vários aspectos, como a mãe-terra, a mãe virgem e é identificada em sentido geral como Atargatis, a “GrandeMãe” da Ásia Menos, Artemis (Diana) dos efésios, Vênus e outras. Vários nomes aplicados à deusa mãe contém um elemento que significa “senhora” ou “dona”, como Nana, Innini, Irnini, Beltis. Algumas das designações eram Belti, “minha senhora” (o equivalente exato do italiano Madonna). Belit-ni, “nossa senhora” e”rainha do céu”, o nome com o qual Ishtar era adorada nos telhados como estrela matutina ou vespertina, com uma oferta de bolos, vinho e incenso. Ishtar também era conhecida como a mãe misericordiosa que intercedia junto aos deuses em favor de seus adoradores. CBASD, vol. 4, p. 546.

22 Desabitada. Uma ilustração da extrema desolação de Judá. CBASD, vol. 4, p. 547.

30 Faraó-Hofra. Este rei egípcio, conhecido pelos gregos como Ápries, reinou por aproximadamente 20 anos (589-570 a.C.). Por causa de uma revolta armada teve que ceder o trono ao comandante do exército, Ahmés, mais conhecido pelo nome grego Amósis (ver vol. 2, p. 75). A tradição judaica diz que, devido ao fato de Jeremias condenar seu destino, os judeus no Egito apedrejaram o profeta até a morte, embora de acordo com outras tradições ele tenha sobrevivido até a invasão de Nabucodonosor ao Egito e sido levado para Babilônia ou de volta a Judá, onde teve morte natural. CBASD, vol. 4, p. 547.

Anúncios

Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: