Reavivados por Sua Palavra


JEREMIAS 16 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
10 de agosto de 2017, 0:20
Filed under: Sem categoria

Não tomarás mulher. Esta proibição ocorreu na juventude do profeta, porque os jovens hebreus geralmente se casavam em uma idade precoce (ver com. de Gn 38:1; 2Rs 22:1; 23:36; ver vol.2, p. 134, 135). A razão desta proibição é indicada em Jeremias 16:3 e 4. Pais e filhos em breve sofreriam a mais dura fatalidade. O estado civil de Jeremias como solteiro era, portanto, um sinal para aquela geração rebelde (ver Is 8:18; Ez 24:24, 27). Conduzir o trabalho de Deus, muitas vezes, requer sacrifícios pessoais (Lc 14:26; ver com. de 1Co 7:29). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 453.

4 Não serão pranteados. Visto que os judeus consideravam muito importantes as observâncias e cerimônias fúnebres, negligenciá-las era uma grande desonra (ver Jr 9:20-22; 14:16). CBASD, vol. 4, p. 454.

Nem se farão por eles incisões, nem por eles se raparão as cabeças. Estas práticas pagãs pelos mortos foram proibidas na lei (ver Lv 19:28; 21:5; Dt 14:1; cf. Jr 7:29). Evidentemente, os israelitas adotaram esses costumes, seguindo-os com frequência cada vez maior durante os reinados de Acaz e Manassés (ver Jr 41:5; Mq 1:16). CBASD, vol. 4, p. 454.

Casa do banquete. Jeremias não devia apenas evitar o lugar de luto (ver v. 5), ele também deveria se abster de frequentar qualquer ocasião social de alegria ou diversão. Na consciência de sua missão solitária, ele deveria permanecer distante de tais encontros. CBASD, vol. 4, p. 454.

10 Qual é a nossa iniquidade … ? Os apóstatas, por causa de seu embotamento espiritual ou surpresa hipócrita … não conseguiam ver que seus pecados eram piores do que os outros e encontravam falso e reconfortante alívio na comparação. CBASD, vol. 4, p. 454.

14 Nunca mais se dirá. O cativeiro de Babilônia estaria mais vívido na mente deles do que a escravidão egípcia. Quando os exilados voltassem, eles pensariam em sua libertação de Babilônia como notável sinal de misericórdia e poder divinos, e não no êxodo do Egito. CBASD, vol. 4, p. 454.

15 Terra do Norte. Isto é, Babilônia [referindo-se ao caminho dos conquistadores e do cativeiro]. Isto é, Babilônia (ver com. de Jr 1:14). CBASD, vol. 4, p. 454.

16 Muitos pescadores. Metáfora representativa dos invasores babilônios, que cercariam Judá e Jerusalém com uma pesca de arrastão, não permitindo que ninguém escapasse (ver Am 4:2; Hc 1:15). CBASD, vol. 4, p. 454.

Caçadores. Outra ilustração dos invasores, talvez enfatizando o pensamento de buscar o israelita individualmente por meio de captura ou morte, enquanto os “pescadores” ilustram a tomadas dos judeus como um todo numa rede da campanha militar. CBASD, vol. 4, p. 454.


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: