Reavivados por Sua Palavra


I REIS 18 by jquimelli
17 de agosto de 2019, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/1rs/18

A história do Monte Carmelo termina com uma pergunta, um milagre e uma resposta. Depois de obter toda a sua atenção, Deus faz através de seu profeta uma pergunta que altera a vida: “Até quando vocês vão oscilar para um lado e para o outro?” (v. 21), ou, “Quanto tempo você vai vacilar entre duas opiniões?” Esse chamado a despertar tem a ver com uma decisão. Uma decisão de escolher fielmente a Deus como seu único Salvador. Uma relação de lealdade é sempre uma questão do coração. É por isso que Elias ora: “Responde-me, ó Senhor, responde-me, para que este povo saiba que tu, ó Senhor, és Deus, e que fazes o coração deles voltar para ti.” (v. 37).

Deus concorda e responde com um milagre impecável. Evidência de que Ele quer ser o Deus de todo o Israel com todo o Seu coração. E assim, a reação deles é a resposta grata: “O Senhor é Deus! O Senhor é Deus!” O relacionamento deles com Deus Todo-Poderoso foi mais uma vez restaurado. Seus corações se voltaram para o Salvador!

Você está vacilando entre duas opiniões? Você está apaixonado por sua esposa e também por pornografia? Você está indo para a igreja e também para o mundo? Você é salvo pela graça e pelas obras? Hoje, Jesus está pedindo para você tomar uma decisão. Dê-lhe todo o seu coração! “Fixa teus olhos no Mestre” [Turn your eyes upon Jesus] (Hinário Adventista, 360).

Denis Lachmann
Paramédico
Lago Constança, Alemanha

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=555
Equipe de tradução: Pr. Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



I REIS 18 – VÍDEO COMENTÁRIO PR. ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
17 de agosto de 2019, 0:55
Filed under: Sem categoria



I REIS 18 – COMENTÁRIO PR. HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
17 de agosto de 2019, 0:45
Filed under: Sem categoria

Nas mãos de Deus você terá utilidades mil. Onde você estiver poderá fazer Sua obra, ou alguém fiel a Deus te abençoará. O mais importante, porém, é colocar-se quanto antes possível, ainda na juventude, inteiramente nas mãos de Deus para ser Seu instrumento onde Ele te colocar.

Analise:

• Obadias foi temente a Deus desde a juventude. Isso fez dele um homem íntegro, dependente de Deus, e ativo na missão: Trabalhando no centro de influência do diabo, na casa de Jezabel, Obadias sustentou a 100 profetas do Senhor.

• Acabe era escravo da esposa, não tinha pulso firme diante dos princípios elevados do Céu revelados por Deus nas Escrituras. Jezabel mandava em casa e no reino.

• Jezabel era anti-Yahweh, mas promovia adoração a deuses falsos. Visando impedir o avanço da religião verdadeira no mundo e entre o povo de Deus, mandou matar os profetas do Senhor.

• Os profetas viviam ameaçados; para provar a veracidade desta ameaça Jezabel havia mandado assassinar vários deles. Muitos profetas deram a vida pela sua fé, morreram como mártires.

• Profetas falsos foram trazidos do paganismo para introduzir teologia pagã na mente do povo de Deus: 450 profetas de Baal mais 400 profetas do poste-ídolo.

• Elias, o homem simples da terra de ninguém que orou para não chover e por três anos e meio não caiu uma gota de água nem orvalho na terra.

Além de todos esses personagens descritos nesse capítulo, o destaque principal não é nenhum deles. O centro do relato é Deus, não o homem.

• Deus preserva a vida e o cargo de Obadias (vs. 3-16);
• Deus ordena Elias a encontrar-se com Acabe e providencia um encontro com Obadias (vs. 1-2);
• Deus põe fogo no altar encharcado de água em resposta à oração de Elias diante de vários adoradores de deuses imprestáveis e incompetentes (vs. 17-40);
• Deus impediu a chuva por 42 meses, agora faz chover (vs. 41-45);
• Deus capacitou Elias para correr mais rápido que cavalos (v. 46).

Encerrando, reflita nestas importantes aplicações espirituais:

• Gritarias não caracterizam a religião verdadeira.
• Não podemos viver um sincretismo religioso.
• Devemos sinceramente adorar somente a Deus.
• Idolatria não combina com quem adora ao Deus verdadeiro.
• Deus é intolerante à hipocrisia.
• Deus merece nossa adoração!

Não titubeie! Entregue-se a Deus inteiramente! – Heber Toth Armí.



1REIS 18 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
17 de agosto de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Então, Elias se chegou a todo o povo e disse: Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, segui-O; se é Baal, segui-o. Porém o povo nada lhe respondeu” (v.21).

Após três longos anos de seca, quando “a fome era extrema em Samaria” (v.2), “veio a palavra do Senhor a Elias” (v.1) ordenando ao profeta que retornasse a Israel. Dos homens que serviam a Acabe, havia um homem chamado Obadias, descrito como alguém que “temia muito ao Senhor” (v.3). Enquanto Jezabel perseguia os profetas de Deus para os matar, Obadias providenciou esconderijo para cem deles “e os sustentou com pão e água” (v.4).

Enviado para terras distantes com a missão de encontrar alimento para os animais, Obadias teve um encontro inesperado. E diante daquele que imediatamente reconheceu ser Elias, “prostrou-se com o rosto em terra” (v.7) em sinal de profundo respeito e certificou-se: “És tu, meu senhor Elias?” (v.7). Reação totalmente contrastante em comparação ao perverso rei Acabe, que movido de indignação, lançou sobre o profeta a acusação que logo recairia sobre ele mesmo: “És tu, ó perturbador de Israel?” (v.17).

Ao abandonar os mandamentos do Senhor e seguir após outros deuses, Acabe e sua casa fizeram de Israel uma nação tão pior quanto as demais. Apesar disso, o povo ainda mantinha o status de nação eleita do Senhor, enquanto suas obras revelavam o quão longe estava dEle. Foi nesse contexto de incoerência e de falsa adoração, que Elias subiu ao monte Carmelo para provar de uma vez por todas o poder da norma elevada de Deus na vida do crente fiel.

À pergunta que exigia do povo uma posição inflexível e firme convicção, Elias só encontrou o silêncio daqueles cuja fé rasa precisava do sobrenatural para crer. Assim como o povo nada respondeu, também “não havia uma voz que respondesse” (v.26) aos rogos estridentes e derramamento de sangue dos profetas de Baal. Já sem forças e manquejando, tudo o que conseguiam ouvir era a potente voz de Elias a zombar de sua inútil e ridícula apresentação.

“Chegai-vos a mim” (v.30), foi o chamado do homem de Deus ao tremente povo. Provado o teor imprestável de Baal, chegada era a hora de restaurar e reacender o altar do Senhor. Ali estava o altar da verdadeira adoração, constituído sobre o inabalável fundamento do “assim diz o Senhor”. “No devido tempo” (v.36), Elias orou e o fogo do Senhor consumiu todo o altar. E a voz dantes emudecida já não pôde mais ser contida: “O Senhor é Deus! O Senhor é Deus!” (v.39); os falsos profetas receberam o devido juízo e em resposta à oração insistente do profeta, “caiu grande chuva” (v.45).

A poderosa e singular experiência de Elias pode provocar duas diferentes reações: a de Obadias ou a de Acabe. A ordem divina: “Crede em [Meus] profetas” (2Cr.20:20) se encaixa perfeitamente na atitude de Obadias. A ironia e a ira de Acabe, por outro lado, representa com precisão a classe daqueles que se sentem prejudicados pela presença dos fiéis servos de Deus. Em sua fidelidade e peculiar temperança, Elias tornou-se uma inconfundível norma que revelava os pecados do rei perverso e da nação errante. Em outras palavras, a presença de Elias causava desconforto aos ímpios obstinados.

Amados, eis que a última sentença dada pelo Senhor ao profeta Malaquias está ganhando cumprimento e se apressa para o fim: “Eis que vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o grande e terrível Dia do Senhor; ele converterá o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos a seus pais, para que Eu não venha e fira a terra com maldição” (Ml.4:5-6). Em meio a um mundo corrompido pelo pecado e seduzido pelo engano, somos chamados a testemunhar de um Deus único e verdadeiro; a restaurar o altar do Senhor em nosso coração e em nossa casa. Que a nossa vida, encharcada da derradeira chuva, dê ao mundo um testemunho claro e inconfundível de que só o Senhor é Deus! Para tanto, vigiemos e oremos!

Feliz sábado, verdadeiros adoradores!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #1Reis18 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



I REIS 18 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS – atualizado by jquimelli
17 de agosto de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria

2259 palavras

veio a palavra do SENHOR a Elias em quatro ocasiões sucessivas (17.2, 8; 18.1; 19.9). Deus tem muitas coisas a dizer-nos, se as quisermos ouvir. Sua palavra pode achar-nos em diversos lugares e atribuir-nos vários deveres; mas, viver por ela é realizar o plano de vida perfeito. Comentário Bíblico Devocional – Velho Testamento. F. B. Meyer.

Obadias. O nome quer dizer “Servo de Deus” e é comum no Antigo Testamento…. Deus preservara Seus filhos até mesmo em ambientes pecaminosos, na própria política, onde a luz do crente deve brilhar (Mt 5.13-16). Bíblia Shedd.

para que salvemos a vida aos cavalos. A fome não moveu Acabe ao arrependimento… Quando, porém, parecia correr risco a sua potência militar, buscou água e alimentos no país inteiro. Bíblia de Estudo NVI Vida.

De acordo com os anais do rei assírio Salmaneser III, Acabe possuía pelo menos 2 mil carruagens, portanto a provisão de comida e água para seus cavalos era essencial à manutenção do poder militar. Bíblia de Estudo Arqueológica NVI Vida.

10 Segundo os costumes pagãos, que o rei adquiriu de Tiro, capital da religião cananéia, a morte do “feiticeiro” quebraria o “feitiço” (para os adoradores de Baal, era Baal que regia as forças da natureza; razão por que a luta contra alguém que profetizara uma seca teria de prosseguir até o fim). Bíblia Shedd.

És tu, meu senhor Elias? Ele [Obadias] fez essa pergunta não para obter informação, mas porque estava surpreso. “Estás aqui [em perigo], enquanto o rei tem te procurado por todos esses anos em todo o país?”. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 2, p. 899.

12 Não sei para onde o Espírito do SENHOR poderá levar-te. O desaparecimento anterior de Elias e agora o seu reaparecimento repentino deram a Obadias a ideia de que o Espírito do Senhor estava milagrosamente transportando o profeta de um lugar para outro. (v. 2Rs 2.16). Bíblia de Estudo NVI Vida.

17 ó perturbador. O pecador nunca reconhece que é ele mesmo quem perturba o seu próprio íntimo, sua própria saúde, e seu próprio ambiente social. Sempre culpa a quem lhe desperta a consciência. É por isso que a psicologia pagã, vendo as pessoas perturbadas por um senso de culpa, admite abolir toda a moralidade, julgando que com a ausência da lei moral, o pecado jamais preocuparia, uma vez que o ilícito passaria a ser lícito. Mas sendo Deus justo e o homem pecador, tal inversão seria uma aberração moral. O próprio Deus nos deu o senso divino da realidade do pecado e o escape eterno para dele nos libertar – a vida e a morte do Seu próprio Filho Jesus Cristo, nosso Salvador (1 Jo 1.7 e 2.1-2). Bíblia Shedd.

18 seguistes os baalins. A origem da aflição de Israel não era Elias, nem sequer a seca, mas a violação da lealdade à aliança. Bíblia de Estudo NVI Vida.

A palavra hebraica Ba’al quer dizer “Dono”, “Senhor” e “Marido”. No paganismo de Canaã, [baalins, plural de baal] era o nome coletivo para expressar várias ideias que o povo fazia, das divindades da natureza, que seriam os protetores de certas regiões, especialmente de bosques e montanhas. Bíblia Shedd.

Em vez de adorar ao verdadeiro Deus, Acabe e sua esposa Jezabel adoravam a Baal, o mais popular deus cananita. As estátuas [ídolos] representando Baal eram geralmente feitas na forma de um touro, representando força e fertilidade e refletindo desejo lascivo por poder e prazer sexual [lembrando do famoso touro que se encontra à frente da Bolsa de Valores de NY]. Life Application Study Bible NVI Kingsway.

19 O monte Carmelo é uma alta cordilheira nas proximidades do mar Mediterrâneo, no qual os efeitos da seca seriam menos aparentes. Bíblia de Estudo Arqueológica NVI Vida.

Esse monte projeta-se ao longo do litoral do mar Mediterrâneo, na direção oeste do mar de Quinerete (Galiléia). Visto que ficava próximo às cidades fenícias, provavelmente fosse muito forte ali a influência da religião de Baal. Bíblia de Genebra.

que comem da mesa de Jezabel. Esses profetas falsos eram sustentados pelo Estado (2.7 [outro exemplo da aplicação da expressão “comem da mesa”, com Barzilai, o gileadita]). Bíblia de Genebra.

21 Até quando vocês vão oscilar para um lado e para o outro? Se o Senhor é Deus, sigam-nO; mas, se Baal é deus, sigam-no (NVI). Elias colocou uma escolha nítida diante do povo. Seu intuito era criar um forte contraste entre a adoração ao Senhor e o culto a Baal, a fim de eliminar a ideia apóstata de que as duas deidades pudessem ser adoradas de modo sincretista. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Oscilar. A palavra hebraica assim traduzida é a mesma traduzida por “dançavam” no v. 26 (v. nota). Elias fala com ironia mordaz: Israel, na sua ambivalência religiosa, está meramente ocupada numa “dança” religiosa e fútil. Bíblia de Estudo NVI Vida.

24 o deus que responder com fogo. Visto que os seguidores de Baal acreditavam que Baal controlava o trovão, o relâmpago e as tempestades, o desafio de Elias atingiu o âmago desse poder alegado. Bíblia de Genebra.

26 dançavam em volta do altar. A dança extática cultiva fazia parte do ritual pagão que visava despertar a deidade para realizar alguma ação desejada. Bíblia de Estudo NVI Vida.

até o meio-dia. Os sacerdotes idólatras tinham tudo a seu favor, porque, ao meio-dia, o deus-sol estava no seu trono; mas não havia uma voz que respondesse. Comentário Bíblico Devocional – Velho Testamento. F. B. Meyer.

manquejando. Os falsos profetas caminhavam ao redor do altar, ajoelhando-se a cada passo, fazendo uso alternado dos joelhos. Bíblia Shedd.

27 Elias zombava deles. Esses sacerdotes de Baal precisavam saber que o deus deles não podiam responder às suas orações. As palavras de Elias para eles foram expressões de completo desprezo. Os espectadores, que deviam decidir entre Yahweh e Baal, não ficaram isentos de ridicularização. CBASD, vol. 2, p. 901.

Clamai em altas vozes… pode ser que esteja… Os mitos de Baal retratam-no viajando, guerreando, visitando o submundo e, até mesmo, morrendo e voltando à vida. Elias sabia acerca dessas crenças e aproveitou-se disso, zombando dos seguidores de Baal. Bíblia de Genebra.

atendendo a necessidades. Esta frase é, provavelmente, um eufemismo com o sentido de aliviar o ventre. Bíblia de Genebra.

28 se retalhavam … até derramarem sangue. Feridas provocadas pela própria pessoa (fazendo fluir o sangue) simbolizavam o sacrifício de si mesmo como método extremado de despertar à ação à deidade. Bíblia de Estudo NVI Vida.

A automutilação é sinal de decadência espiritual. … Os israelitas estavam expressamente proibidos de tatuar ou desfigurar o corpo enquanto choravam seus mortos (Lv 19.28 [tb Dt 14.1]). Bíblia de Estudo Arqueológica NVI Vida.

…apesar disso [ser expressamente proibida], era praticada por alguns judeus (Jr 41.5; 47.5). Bíblia de Genebra.

31 doze pedras. Elias enfatizou a unidade do povo de Israel, apesar da divisão do reino em dois. Dessa forma, salientou que o fato ocorrido no monte Carmelo não era relevante somente para as tribos do Norte, mas para todas as tribos do Sul, por semelhante modo (Êx 20.25; 24.4; Js 4). Bíblia de Genebra.

Usar 12 pedras para reconstruir o altar exigiu coragem. Isto deve ter irritado boa parte do povo porque era uma repreensão silenciosa à divisão entre as tribos. Apesar das 10 tribos do Norte chamarem a si mesmas de Israel, este era o nome originalmente dado ao conjunto das 12 tribos originais. Life Application Study Bible NVI Kingsway.

Dessa maneira, Elias chamou a atenção à união de Israel como o povo de Deus, a despeito de sua divisão política. O que estava para acontecer dizia respeito à nação inteira, e não apenas às dez tribos do norte. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Este ato é uma condenação simbólica e profética da divisão das doze tribos, todas elas pertencentes a Deus. A divisão do reino levara Acabe a fazer aliança com os pagãos. O altar que “Elias restaurou” (30) teria sido, talvez, um centro de culto a Jeová, até os tempos de Acabe e a ascendência do paganismo. Bíblia Shedd.

33 Água. Ao ensopar a instalação inteira, Elias demonstrou a todos que não estava usando nenhum truque. Bíblia de Estudo NVI Vida.

36 No devido tempo para se apresentar a oferta de manjares (ARA; NTLH: “sacrifício da tarde”). Por um longo tempo de muito alvoroço, os profetas de Baal tinham saltado, gritado, proferido orações tumultuosas e balbuciado incoerentemente, mas sem resultado. Completamente cansados, exaustos, por fim se retiraram em desespero. A multidão também estava cansada da cena de horror e agitação e estava receptiva à ministração do profeta de Deus. CBASD, vol. 2, p. 901.

orou. A oração simples mas sincera de Elias fica em nítido contraste com os gritos, “danças” e automutilações frenéticos dos profetas Baal. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Deus de Abraão, de Isaque e de Israel [Jacó]. Apelo para o Senhor lembrar-se da sua antiga aliança com os patriarcas, e para Israel lembrar-se do que o Senhor tem feito a favor dele desde o dia dos seus antepassados. Bíblia de Estudo NVI Vida.

37 a ti fizeste retroceder o coração deles (ARA; NVI: “…que fazes o coração deles voltar para Ti “). O ato humano do arrependimento não é possível sem a graça divina. Bíblia de Genebra.

38 Então, caiu fogo do SENHOR. O povo reconheceu isso como o fogo consumidor de Deus. CBASD, vol. 2, p. 902.

40 ali os matou. Elias, agindo com a autoridade do Senhor que o enviara, executou a sentença decretada na lei mosaica contra os profetas das deidades pagãs (Dt 13.13-18; 17.2-5). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Este ato ofenderia à sensibilidade do homem moderno… mas para aquele povo, naquela situação histórica, se justificava por vários motivos: 1) Vingava a morte dos profetas do Senhor; 2) Era o cumprimento ao julgamento divino contra os falsos profetas em Israel (Dt 13.1-5); 3) Era uma guerra autêntica, dos servos de Baal contra Deus e Seus seguidores. Bíblia Shedd.

Israel era uma teocracia, uma sociedade fundada e constituída sob Deus. Dt 13.1-5 determina a execução dos falsos profetas: Dt 13.13-18; 17.2-7 prescreve a morte de qualquer um que abrace a idolatria ou incite outros a se tornarem idólatras. Bíblia de Genebra.

É notável que Acabe não adota nenhuma atitude – nem para executar a sentença mosaica, nem para impedir a atuação de Elias. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Elias não iria permitir que o zelo do povo se demonstrasse apenas por palavras. ele mandou que eles demonstrassem a conversão com atos que poderiam trazer sobre si mesmos a ira da rainha ímpia, mas que, uma vez realizados, significaria um rompimento com a causa de Baal. … A execução sumária desses sacerdotes por Elias foi um juízo terrível, porém necessário. Mostrava a indignação de Deus contra os que persistiam na rebelião e que estavam dispostos a corromper e desmoralizar toda a nação por seus interesses egoístas. A sentença contra eles serviu como exemplo e advertência. Com Deus não se brinca, e uma terrível retribuição aguarda todos os que desejam vender a alma em troca da corrupção humana. CBASD, vol. 2, p. 902.

41 come e bebe. A austeridade de Acabe podia terminar, porque a fome em breve terminaria. Bíblia de Genebra.

42 Elias, porém, subiu. Enquanto Acabe foi a um banquete, Elias foi orar. Sua oração foi de intercessão em favor do Israel impenitente. Ele sabia que a chuva viria, mas se preocupava que as condições para o recebimento da bênção celestial fossem totalmente satisfeitas e que os resultados da reforma fossem permanentes. CBASDvol. 2, p. 902 e 903.

43 seu moço. Há uma tradição que afirma que o filho da viúva de Sarepta passou a ser o companheiro constante do profeta (17.23). Bíblia Shedd.

45 Jezreel. Esta cidade, situada perto do monte Gilboa, parece que era uma segunda capital de Acabe, ou talvez sua moradia de verão (21.1). A capital central era Samaria (16.24; 20.43). Bíblia Shedd.

46 correu adiante de Acabe. O retorno de Acabe a Jezreel foi à noite, sob uma tempestade que cegava as vistas, por estradas montanhosas. Devido à dificuldade de ver o caminho, o profeta correu adiante do rei, guiando a carruagem real em segurança aos portões de Jezreel. Com esse ato de bondade, Elias mostrou que não tinha nenhum rancor para com o rei e que estava disposto a realizar qualquer serviço, humilde ou inconveniente, para o benefício de seu senhor. CBASD, vol. 2, p. 903.

Essa cena dramática … serviu de apelo poderoso para Acabe fazer um rompimento definitivo e total com Baal e, doravante, reinar como o servo do Senhor. Bíblia de Estudo NVI Vida.

 

Para meditar:

Deus prometeu a Seu povo que derramará, com abundância, bênçãos celestiais pelo envio do Espírito Santo no tempo da chuva serôdia. Estão hoje os santos como fez Elias, ou estão festejando como fez Acabe? Somente quando o povo de Deus estiver imbuído de intenso fervor e disposto a orar como Elias, e quando sua principal preocupação for a satisfação das condições necessárias, então a chuva serôdia cairá. […]

O mundo precisa de pessoas com a fé de Elias. A obra de Deus será completada por pessoas que trabalhem no espírito e poder desse profeta. Para elas, o céu estará bem próximo ao irem com fé à batalha contra as hostes do mal. Multidões deixarão o culto aos deuses deste mundo e se converterão ao Senhor que fez os céus e a terra. O Espírito de Deus será derramado sobre homens e mulheres de todos os lugares (Jl 2:28, 29), capacitando-os a fazer em sua esfera o que Elias fez na dele.

A mão de Deus não está fechada para que não possa salvar. Deus é poderoso e está disposto a conceder vitórias hoje, como nos dias de Elias. Quando o povo de Deus tiver o mesmo espírito que teve Elias, quando for tão sincero, corajoso, ativo e disposto a perseverar em oração, intrépido em face do perigo e ansioso para responder aos chamados do Senhor, então a obra de Deus será completada rapidamente e Jesus retornará. CBASDvol. 2, p. 902 e 903.




%d blogueiros gostam disto: