Reavivados por Sua Palavra


I REIS 4 by jquimelli
3 de agosto de 2019, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/1rs/4

Salomão se dirigia rapidamente para o auge de sua glória. Ele pediu humildemente a Deus por sabedoria, e Deus deu a ele não apenas sabedoria que superou a de todos os outros, mas também poder, riqueza e paz. Seu reino era bem organizado, com governadores, sacerdotes, oficiais e escribas para manter as coisas funcionando como um relógio. Durante esse tempo ele manteve sua lealdade a Deus e se preparou para a construção do grande templo que Davi havia planejado.

Eu acho que esta passagem mostra qual o desejo de Deus para nós se permanecêssemos fiéis a Ele. Raramente neste mundo você vê um governante com poder e riqueza, dedicado a Deus, íntegro, imparcial e justo. Se todos nós confiássemos em Deus para obter sabedoria e administrássemos os dons que Ele nos dá para a Sua glória, que mundo melhor seria este! Enquanto a maioria de nós não é chamada para administrar fortunas ou governar nações, Deus dá a cada um de nós dons e responsabilidades que são igualmente importantes. Aquele que é fiel no pouco é fiel também no muito. Vamos tirar uma lição de Salomão e pedir a Deus sabedoria em todas as coisas!

Lisa Ward
Contadora da IASD Vida no Campo
Texas EUA

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=541
Equipe de tradução: Pr. Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



I REIS 4 – VÍDEO COMENTÁRIO PR. ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
3 de agosto de 2019, 0:55
Filed under: Sem categoria



I REIS 4 – COMENTÁRIO PASTOR HEBER TOTH ARMÍ  by Maria Eduarda
3 de agosto de 2019, 0:45
Filed under: Sem categoria

A Bíblia seria bem diferente se não fôssemos tão difíceis para aceitar e assimilar os sublimes ensinamentos espirituais. Se o povo de Israel aceitasse ser súdito de Deus como Rei sobre a nação hebraica, nunca teriam existido os livros de Reis.

• A história seria diferente se não fôssemos tão indiferentes à revelação divina.

“Metade de 1 Reis é dedicado ao reinado próspero de Salomão. O resto do livro fala da divisão deste reino em nação do norte (Israel) e nação do sul (Judá), e registra a historia de cada um por volta de 852 a.C. Os reis de cada reino são avaliados de acordo com os seus atos, ou seja, se fizeram o que era bom ou o que era mau ‘aos olhos do Senhor’. O impacto causado por cada governo, quer para o bem, quer para o mal, é explicado” analisa Richard O. Lawrence.

Como temos o livro de Reis, graciosamente temos lições importantes para nossa vida que não teríamos se não fossem os inúmeros erros nossos antepassados. Vamos observar algumas deste capítulo:

• O mais sábio não é quem lidera sozinho, mas quem divide as tarefas a fim de realizar mais (vs. 1-28). Salomão tinha em seu reino: Líderes e intendentes para auxiliá-lo na administração dos planos.
• O mais sábio não é quem se gaba de sua inteligência, mais quem reconhece sua necessidade constante de estudar (vs. 29-34). Salomão era um exímio estudioso. Ele usava muito bem seu tempo. Assídua e exaustivamente se dedicava a estudar a natureza, a música e a escrever provérbios.

O reino de Salomão foi ampliando, cada dia prosperava mais. Sua fama corria por todo o mundo. Sua sabedoria atraia aos mais importantes do planeta. Havia alegria, paz e riquezas em Israel. Contudo, a prática religiosa começou a perder a sua força.

Embora a sabedoria de Salomão fosse maior do que a de todos os seres humanos, Jesus foi muito maior que ele.

1. Jesus teve doze discípulos para auxiliá-Lo!
2. Jesus, por ser o Criador, usou a natureza mais vastamente do que Salomão.
3. Jesus, por ser Quem deu sabedoria e riqueza a Salomão, é mais sábio e rico do que ele (Colossenses 1:19; 2:3, 9).

Procuraremos a Jesus como as pessoas procuraram a Salomão? – Heber Toth Armí.



1REIS 4 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
3 de agosto de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“De todos os povos vinha gente a ouvir a sabedoria de Salomão, e também enviados de todos os reis da terra que tinham ouvido da sua sabedoria” (v.34).

O filho de Davi que aos olhos humanos seria o menos promissor, foi revelado por Deus como o mais sábio monarca de Israel. Salomão construiu um grande império, estabeleceu uma nação próspera e tornou-se o homem mais afamado da Terra. Mantinha um governo bem estabelecido e organizado, mediante a administração dividida em doze territórios subordinados a ele. Dentre os seus oficiais principais, o ministro “era amigo do rei” (v.5), e dois de seus doze intendentes eram seus genros.

O receio de Salomão diante da responsabilidade de liderar os filhos de Israel não era sem razão, visto que estes eram “numerosos como a areia que está ao pé do mar” (v.20). E para tão grande e sublime tarefa, o Senhor o capacitou na medida equivalente, pois lhe deu também “sabedoria, grandíssimo entendimento e larga inteligência como a areia que está na praia do mar” (v.29). Em matéria de aconselhamento, composição musical e conhecimento das espécies, certamente poderia ter sido o campeão de troféus do mundo antigo.

Em meio a tanta prosperidade, Judá e Israel “comiam, bebiam e se alegravam” (v.20), e “habitavam confiados” (v.25). Mas logo eles perceberiam que esta falsa tranquilidade lhes custaria um alto preço. Salomão submeteu o povo a pesados tributos e ao trabalho forçado na construção do templo e de seus palácios. Consequências que o Senhor já havia predito por intermédio do profeta Samuel, quando o povo lhe exigiu um rei: “vós lhe sereis por servos” (1Sm.8:17).

É de fundamental importância que a igreja de Deus seja organizada. O Senhor dividiu Israel em doze tribos. Salomão organizou o seu reino em doze repartições. Jesus convocou doze discípulos para auxiliá-Lo em Seu ministério. O povo de Deus precisa, hoje, de ministros que sejam amigos do Rei do Universo e líderes que amem a igreja do Senhor como a sua própria família; que não sejam conhecidos apenas por sua fama, mas por obras que testemunhem do propósito altruísta de seu chamado e de sua consagração a Deus.

Ao vislumbrar a cidade santa, João a descreveu como a cidade dos doze fundamentos, das doze portas e da “árvore da vida, que produz doze frutos” (Ap.22:2). Nem todos fomos chamados para assumir a posição de liderança na obra de Deus, mas todos fomos chamados, primeiramente, como discípulos de Jesus Cristo. Não é um nome de destaque nesta Terra que vai nos garantir entrada na cidade santa, mas um nome inscrito “no Livro da Vida do Cordeiro” (Ap.21:27). Perseveremos, portanto, como discípulos de Cristo, vigiando e orando, “pois a vinda do Senhor está próxima” (Tg.5:8).

Feliz sábado, súditos do Rei dos reis!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #1Reis4 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



I Reis 4 – Comentários selecionados by jquimelli
3 de agosto de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria

1078 palavras

1-20 Esta passagem pretende ensinar que a sabedoria de Salomão é também demonstrada pelas suas capacidades administrativas. Andrews Study Bible.

1 Reinou sobre todo o Israel. A ênfase na palavra “todo” sugere que o escritor compilou o material após a divisão do reino. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 2, p. 812.

Benaia. Substituiu Joabe como comandante do exército(v. 2.35; 2Sm 8.18). Bíblia de Estudo NVI Vida.

amigo do rei. O título significa: “conselheiro pessoal do rei”. Andrews Study Bible.

Superintendentes dos que trabalhavam forçados. Trata-se do grupo de trabalhadores forçados empregados por Salomão para seus grandes projetos de construção (ver 1Rs 5:13, 14). … Aquele que desempenhou essa função foi apedrejado até a morte na rebelião contra Roboão (1Rs 12:18). CBASD, vol. 2, p. 813.

dos que trabalhavam forçados. Enquanto os israelitas eram temporariamente forçados ao serviço, o trabalho forçado dos escravos estrangeiros era permanente. Andrews Study Bible.

doze intendentes (ARA; NVI: “governadores distritais”). O número corresponde às doze tribos, entretanto os territórios designados a estes governadores não correspondem aos territórios das tribos. Deste modo, Salomão tenta enfraquecer a autoridade dos líderes tribais. Andrews Study Bible.

…a decisão administrativa de Salomão violava fronteiras tribais tradicionais e provavelmente despertava lealdades tribais antigas, as quais acabaram contribuindo para o desmantelamento do reino unido [Israel/norte + Judá/sul]. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Isto implicava a cobrança de impostos, fosse em dinheiro ou em alimento, para a manutenção da corte e da casa real. Esse ofício deve ter sido importante, pois em dois casos (v. 11, 15) os que o ocuparam se uniram por casamento à casa real. Os distritos sobre os quais os oficiais tinham jurisdição não correspondiam às 12 tribos. Sem dúvida, isso se devia em parte ao fato de que, nesse tempo, já era obsoletas a primeira divisão das tribos no país. Seu número, 12, não tem relação com as 12 tribos, mas com os 12 meses do ano, nos quais cada um deles tinha a r esponsabilidade de cobrar os tributos reais. CBASD, vol. 2, p. 813.

Ben-Hur. O nome significa “filho de Hur”. Andrews Study Bible.

20 eles comiam, bebiam e eram felizes (NVI). Judá e Israel prosperavam. Bíblia de Estudo NVI Vida.

20-25 Ao longo da maior parte de seu reinado, Salomão aplicou bem sua sabedoria porque buscava a Deus. Os frutos de sua sabedoria foram: paz, segurança e prosperidade da nação. A era de Salomão é frequentemente mostrada como o ideal do que uma nação pode se tornar quando unida em confiança e obediência a Deus. Life Application Study Bible Kingsway.

21Sobre todos os reinos. O império de Salomão consistia em parte de um grupo de pequenos estados vassalos semi-independentes que eram governados por seus próprios reis, mas que reconheciam a soberania do rei hebreu e pagavam a ele um tributo anual. CBASD, vol. 2, p. 814.

desde o Eufrates até à fronteira do Egito. A terra prometida a Abraão de estende desde o rio Eufrates até o rio do Egito e do mar Mediterrâneo até o deserto da Arábia. Andrews Study Bible.

Salomão governava um império que representava o cumprimento das promessas feitas aos patriarcas, há muito esperado (cf. vs. 24-25). Bíblia Shedd.

Ver Gn 15:18; Js 1:4. O escritor chama atenção para o fato de o reino de Salomão ter atingido a extensão prometida a Abraão, Moisés e Josué. CBASD, vol. 2, p. 814.

No entanto, estavam sendo tramadas rebeliões em Edom (11.14-21) e em Damasco (11.23-25). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Este é o maior limite que o território de Israel atingiu… Apesar da glória do reino de Salomão… podia se notar, já, as causas de uma facção [divisão] posterior: o fato de Salomão exigir tributos e serviços forçados mostrava o início da ação de um tirano, que o profeta Samuel descreveu como antipático aos ideais do povo de Deus (1Sm 8.11-18). Bíblia Shedd.

22 provimento diário. Essas provisões atendiam às necessidades da corte de Salomão, do seu palácio e de sua numerosa família. Bíblia Shedd.

trinta coros (ARA; NVI: “trinta tonéis”). O coro era uma medida de capacidade. Bíblia de Estudo NVI Vida. Estima-se que o coro [heb kor] equivalia a 220 litros. A corte de Salomão devia ter de 10 a 15 mil pessoas. CBASD, vol. 2, p. 814.

24 paz por todo o derredor. Davi teve que travar muitas guerras para garantir a posse do reino e Salomão desfrutou desse resultado. Condições de paz eram um requisito prévio para grandes projetos de construção, tais como o templo e o palácio real (2Sm 7.10-11; 1Rs 5.3-5). Bíblia Shedd.

25 sua videira… sua figueira. Um termo agrícola que descreve a vida em paz e contentamento especialmente na terra de Canaã. Andrews Study Bible.

Esta frase era comum entre os hebreus (Mq 4:4; Zc 3:10) e era empregada também pelos assírios (2Rs 18:31). ela descreve um período ideal de paz e prosperidade. CBASD, vol. 2, p. 814.

desde Dã até Berseba. Maneira típica de dizer “todo o Israel”, do norte ao sul. Andrews Study Bible.

26 quarenta mil cavalos. Com esta multiplicação de forças, o rei desobedecera completamente à lei de Deus sobre a natureza do poderio real, pela qual se proibia o acúmulo de material bélico (Dt 17.16; 1Rs 10.29). Bíblia Shedd.

A multiplicação de cavalos e cavaleiros, proibida para o então futuro rei (Dt 17:16), mas predita por Samuel quando Saul subiu ao trono (1Sm 8:11, 12), é um indício do crescimento do império por uso de força militar. Na época das conquistas de Josué, cavalos e carros capturados dos inimigos eram destruídos (Js 11:9). CBASD, vol. 2, p. 815.

28 Cevada. A cevada era e a inda é o alimento comum dos cavalos no Oriente. Às vezes, era usada para fazer bolos e pães (Jz 7:13; Jo 6:9). O trigo era o cereal para o consumo humano. CBASD, vol. 2, p. 815.

Os cavalos. Provavelmente, melhor traduzido por “cavalos velozes”, pois é citado o serviço real de mensageiros (ver com. de Et 8:10). CBASD, vol. 2, p. 815.

Para os cavalos e os ginetes (ARA; NVI: “para os cavalos de guerra e os outros cavalos”).

30 A sabedoria dos egípcios. A sabedoria do Egito era famosa por todo o Oriente. Incluía áreas como astronomia, medicina, arquitetura, matemática, música, pintura, embalsamento e filosofia mística. Boa parte da literatura de sabedoria do Egito foi preservada. CBASD, vol. 2, p. 815.

31 Ele era mais sábio do que qualquer outro homem. Até a vinda de Jesus (v. Lc 11.31). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Etã… Hemã. Foram autores de alguns salmos bíblicos. V. títulos dos Sl 88 e 89. Andrews Study Bible.

32 três mil provérbios. Somente uma parte deles é preservada no livro de Provérbios. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Outros escritos bíblicos de Salomão incluem os salmos 72 e 127 e os livros de Eclesiastes e Cantares. A sabedoria de Salomão foi conhecida em todo o mundo. Life Application Study Bible Kingsway.



I REIS 4 – VÍDEO COMENTÁRIO PR. RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
3 de agosto de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: