Reavivados por Sua Palavra


DANIEL 8, Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
15 de novembro de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria


“Ele me disse: Até duas mil e trezentas tardes e manhãs; e o santuário será purificado” (v.14).


Um intervalo de dois anos ocorreu entre a primeira e a segunda visão de Daniel (v.1). Como se estivesse em outro lugar, o profeta levantou os olhos e viu (v.3) outros símbolos cujos significados apontavam novamente para o tempo do fim. Desta vez, apenas dois animais lhe são apresentados: um carneiro (v.3) e um bode (v.5). Perante Daniel estava a revelação do que haveria “de acontecer no último tempo da ira” (v.19).

Percebam que os animais representam apenas dois reinos dos quatro que já estudamos (v.20-21). No entanto, um terceiro poder surge no enredo da visão. Vejamos:

O “carneiro com dois chifres, que viste, são os reis da Média e da Pérsia” (v.20). Sobre ser um chifre maior do que o outro, escreveu Henry Feyerabend: “Os medos vieram primeiro, mas os persas tornaram-se os membros dominadores dessa união” (Daniel Verso por Verso, p. 134).

O próprio texto bíblico declara que “o bode peludo é o rei da Grécia; o chifre grande entre os olhos é o primeiro rei” (v.21). “Os gregos costumavam falar de si mesmos como o povo do bode, e tinham esse animal como símbolo nacional… Assim como o carneiro do verso 21, o bode é claramente identificado pelo anjo como a Grécia, e o estupendo chifre é identificado como o primeiro rei, Alexandre o Grande” (Idem, p. 135).

Os “quatro chifres notáveis” (v.8) representam os quatro dos principais comandantes do exército grego que dividiram o império entre si, após a morte de Alexandre (Idem, p. 136). Sobre o chifre pequeno requer uma especial atenção. Quando, no verso nove declara que “de um dos chifres saiu um chifre pequeno”, ou, na edição Almeida e Corrigida, de 1995, onde lemos: “E de uma delas”, a melhor forma de compreendermos é extraindo o sentido do original hebraico:

“Numa leitura superficial, pode parecer que o pequeno chifre saiu de um dos quatro chifres. Um especialista no texto hebraico descartaria essa possibilidade. Chifres, em hebraico, são do gênero feminino, e a palavra original correspondente a ‘delas’ está no masculino. Por isso, não pode se referir aos chifres, mas sim aos ventos (v.8), que tanto podem ser masculino ou feminino” (Idem, p. 136-137). Partindo desta premissa, chegamos a uma linha de perfeita coerência entre esta visão, a visão anterior e o sonho de Nabucodonosor, considerando que o chifre pequeno se refere a Roma, pelos seguintes aspectos:

  1. “Roma segue a Grécia em Daniel 2 e 7. É lógico que Roma também devesse seguir a Grécia em Daniel 8.
  2. Roma levantou-se do oeste, encaixando-se assim na descrição de um poder vindo dos quatro ventos.
  3. O império romano dominou o Oriente Médio, ‘para a terra gloriosa’ (Daniel 8:9).
  4. Roma ‘engrandeceu-se até ao príncipe do exército’ (Daniel 8:11). Pôncio Pilatos e os soldados que condenaram e crucificaram Jesus eram todos romanos.
  5. Roma tornou em ruínas o lugar do santuário, em 70 d.C., e terminou permanentemente os sacrifícios que ali ocorriam” (Idem, p. 138).

O domínio romano tomou forma religiosa quando deu início a era de Roma papal, que “deitou por terra a verdade; e o que fez prosperou” (v.12). A Idade “escura” permaneceu durante o exato período de 1260 anos, como revelado nas profecias. Porém, ainda em meio às trevas espirituais, Deus começou a levantar servos fiéis que encontraram nas verdades da Palavra de Deus a verdadeira fonte de vida. Huss, Jerônimo, Lutero, dentre outros, iniciaram a obra que revolucionaria o mundo e que o prepararia para o cumprimento da profecia de Daniel 8:14 e de Apocalipse 10.

Sabendo que, em profecia, um dia equivale a um ano, as “duas mil e trezentas tardes e manhãs” (v.14), o período de 2300 dias (tardes e manhãs) refere-se, portanto, a dois mil e trezentos anos, que estudaremos no próximo capítulo.

Como Daniel, mesmo que tentemos compreender os propósitos divinos, não somos capazes de fazê-lo a menos que Deus mesmo, de alguma forma, nos revele (v.15). O aparecimento do anjo Gabriel representa uma maneira muito especial do Senhor nos dizer que o que Ele mostrou ao Seu profeta tem tanta importância quanto a primeira vinda de Jesus a esta Terra: “Entende, filho do homem, pois esta visão se refere ao tempo do fim” (v.17).

“Entende”, meu querido irmão e minha querida irmã: já estamos vivendo no “tempo determinado do fim” (v.19), e o príncipe deste mundo tenebroso tem feito “prosperar o engano” para destruir “a muitos que vivem despreocupadamente” (v.25). Mas, a pedra que arrojou a estátua do sonho de Nabucodonosor, quebrará, “sem esforço de mãos humanas” (v.25), o reino das trevas. Não existem mais diante de nós “dias mui distantes” (v.26), mas uma profecia que “se apressa para o fim e não falhará” (Hc 2:3). Portanto, tomemos, hoje, uma firme decisão ao lado da verdade que liberta (Jo 8:32) e que, muito em breve, quebrará o nosso jugo de pecado. Levantemos os olhos (v.3) e contemplemos, pela fé, o Deus que Se aproxima: “Olhai para Mim e sede salvos, vós, todos os limites da terra” (Is 45:22).

Bom dia, libertos pela verdade que salva!

Desafio do dia: Pense em alguém especial que você gostaria muito que aceitasse estudar a Bíblia. Comece a orar por esta pessoa e envie uma mensagem dizendo que está orando por ela.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Daniel8
#RPSP


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: