Reavivados por Sua Palavra


EZEQUIEL 41, Comentário Rosana Barros by Ivan Barros
31 de outubro de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria


“Também mediu o seu comprimento: vinte côvados, e a largura: vinte côvados, diante do templo, e me disse: Este é o Santo dos Santos” (v.4).


Contemplando o interior do templo, Ezequiel se depara com a descrição do lugar Santíssimo. Era ali que Deus manifestava a Sua glória e a luz de Sua presença. Tendo “vinte côvados” (v.4) de comprimento e de largura, o Santo dos Santos formava um quadrado perfeito.

Em sua visão da nova Jerusalém, João também viu um quadrado perfeito: “A cidade é quadrangular, de comprimento e largura iguais. E mediu a cidade com a vara até doze mil estádios. O seu comprimento, largura e altura são iguais” (Ap 21:16). O que Deus tem preparado “para aqueles que O amam” (1Co 2:9) é nada mais, nada menos, do que o Santo dos Santos, o Santíssimo lugar de Sua habitação.

Quando, no dia da expiação, o sumo sacerdote entrava no lugar Santíssimo, todo o povo, em atitude de humilhação (Lv 23:29), era purificado de todos os pecados com que havia contaminado o tabernáculo. Da mesma forma, Deus espera realizar a mesma obra em nosso coração. Jesus afirmou: “se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus” (Mt 18:3). A menos que busquemos o coração de uma criança; a menos que peçamos a Deus “um coração puro” (Sl 51:10), rápido para amar, rápido para perdoar, nossos pés jamais pisarão a santíssima habitação do Eterno.

Há exatamente 500 anos atrás, um homem permitiu que Deus fizesse morada em seu coração, e, seguindo o princípio declarado por Pedro e os apóstolos: “Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens” (At 5:29), cheio de santa ousadia e fé inabalável, pregou com batidas de convicção as 95 teses contra as indulgências, na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, em 31 de outubro de 1517. Martinho Lutero não tivera a intenção de agir contra a igreja, mas em que a igreja reconhecesse o seu erro e promovesse o princípio que, em todos os tempos, deve nortear o povo de Deus: “Sola Scriptura“. Mas a humildade que guiava a sua busca em fazer a vontade de Deus foi rejeitada pelos que, professos religiosos, negaram a verdadeira mensagem da cruz.

A reforma não foi simplesmente um marco histórico, mas o início de um movimento cujo fundamento sobre a “pedra que vive” (1Pe 2:4) jamais cairá devido ao derradeiro grupo de “crianças” que irá perseverar até o fim (Mt 24:13). Cristo está para encerrar a Sua obra no santuário celestial e, quando isso acontecer, virá reclamar um povo que, à semelhança dos reformadores, não cederam às ameaças da abominável união  (Ap 16:14). Mas, “com jejuns, com choro e com pranto” (Jl 2:12), rasgaram seus corações na presença do Senhor, aborreceram o mal e amaram o bem (Am 5:15).

Muitos querem hoje comemorar o fim da reforma protestante, eu, porém, oro para que seja o início de uma reforma em nossa vida como a geração que contemplará, em vida, a vinda do Filho do Homem. Coloquemos em prática o conselho do próprio Lutero: “Não podemos atingir a compreensão das Escrituras, quer pelo estudo quer pelo intelecto. Teu primeiro dever é começar pela oração. Roga ao Senhor que te conceda, por Sua grande misericórdia, o verdadeiro entendimento da Sua Palavra. Não há nenhum intérprete da Palavra de Deus senão o Autor dessa Palavra, como Ele mesmo diz: ‘E serão todos ensinados por Deus’. Nada esperes de teus próprios trabalhos, de tua própria compreensão: confia somente em Deus, e na influência de Seu Espírito. Crê isto pela palavra de um homem que tem tido experiência” (O Grande Conflito, p. 129).

Bom dia, crianças de Deus!

Jornada espiritualChuva Serôdia. Chegou a hora!“, 16° dia: “Pegue um papel e uma caneta e faça uma lista de todas as reformas que você necessita realizar em sua vida, tendo em vista o que você aprendeu até agora. Apresente ao Senhor a lista e clame ao Espírito Santo pelo Seu poder para que toda a reforma seja realizada. Lembre-se de que é o Espírito que possui a capacidade de transformar a vontade” (Manassés Queiroz, Chuva Serôdia. Chegou a hora!, pág. 97).

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Ezequiel41
#RPSP

Deixe seu comentário:


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: