Reavivados por Sua Palavra


SALMO 48 by jquimelli
18 de dezembro de 2016, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário devocional:

Este é um “poema sobre Jerusalém”. Cantar hinos em louvor ao lugar de adoração significa louvar o Deus que ali habita. Não sabemos se era um hino cantado pelos peregrinos que subiam a estrada íngreme até o Monte do Templo, ou se era um hino com o qual os “filhos de Coré” animavam os viajantes, quando chegavam.

Por séculos, pessoas tem feito peregrinações em feriados e em suas benvindas férias; contudo, esta não é uma canção aprendida por viajantes piedosos como parte de uma turnê turística, pois esses visitantes não vieram a Jerusalém para visitar os seus pontos turísticos. Também eles não vieram como parte de uma penitência por seus pecados ou na esperança de obter algum mérito. Esta é uma jornada em que os pecadores vão ao local onde Deus está, com a intenção de estar em Sua presença e adorá-Lo. Aqui eles esperam encontrar refúgio contra o inimigo de suas almas, pois sabem que a sua fortaleza é o próprio Deus.

O salmista está confiante de que assim como Deus empregou o Seu poder para salvar em face de ameaças passadas, Ele vai permanecer eternamente como o protetor do Seu povo.

Neste salmo o peregrino é convidado a participar de uma procissão até o templo para adorar a Deus, e, em seguida, marchar ao redor do templo (v. 12), reconhecendo este lugar de culto como a melhor fonte de segurança.

Pai, eu testemunhei a Tua bondade, amor e justiça. Mas como a minha experiência é limitada, vejo apenas uma pequena parte da Tua majestade; minha voz é apenas um sussurro no grande louvor erguido diante de Teu trono; mesmo assim, com alegria, eu me uno aos cânticos que são oferecidos a Ti. Amém.

Helen Pyke
Southern Adventist University

 

Texto original: blog Conferência Geral em inglês
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2013/09/24/
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli
Texto bíblico: Salmo 48 NVI
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leitura da semana programa Crede em Seus Profetas: blog Conferência Geral e blog Crede em Seus Profetas



SALMO 48 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
18 de dezembro de 2016, 0:50
Filed under: Sem categoria

Como os salmos 46 e 47, o 48 é um cântico de livramento, e talvez tenha sido escrito para ser cantado no serviço de adoração no templo. Ele celebra o cuidado de Yahweh para com Jerusalém e o livramento de Seu povo das mãos do inimigo. Este salmo é um dos poemas mais alegres de Davi (ver PR, 203). Os exércitos de Josafá o cantaram depois de uma notável vitória (ver PR, 201-203). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol 3, p. 841.

Grande é o SENHOR. Davi começa louvando a Yahweh por ter livrado Seu povo de grande perigo (v. 4-8). CBASD, vol 3 p. 841.

na cidade. Jerusalém (ver Sl 46:4; 48:8). CBASD, vol 3 p. 841.

Seu santo monte. O monte Sião (ver Sl 2:6; 68:16; ver com. de 48:2). CBASD, vol 3 p. 841.

sobranceiro. “Alto”. A elevação de Jerusalém acima do território circundante seja talvez o aspecto mais marcante de sua topografia. A cidade está situada em uma  das maiores elevações do país. É provável que esta característica tenha amedrontado os inimigos e feito com que desistissem de atacá-la (v. 4, 5). CBASD, vol 3 p. 841.

lados do Norte. O significado exato desta expressão não está totalmente claro, embora a seguinte explicação pareça razoável. Originalmente, monte Sião se referia apenas à parte da cidade conquistada dos jebusitas (2Cr 5:2; cf 2Sm 5:7). O monte Moriá ficava ao norte do monte Sião e foi nesse local que, mais tarde, o templo e o palácio de Salomão foram construídos (2Cr 3:1; cf1Rs 8:1). Geograficamente, Sião e Moriá constituem uma única elevação. Depois da construção do templo, todo o monte se tornou conhecido como “Sião” (ver Is 8:18; Jl 3:17). Devido à presença do santuário e do palácio na parte norte da colina desde a época de Salomão, a parte norte se tornou a parte mais importante da cidade. Sendo assim, com a expressão “lados do Norte”, o salmista pode ter tentado representar de modo figurado a sede do governo civil e religioso e, especificamente, a morada de Deus, conforme indica o contexto do salmo. Essa interpretação também esclarece Isaías 14:13, em que se diz que Lúcifer anelava sentar-se “nas extremidades do Norte”. Assumir tal posição significava participar nos conselhos de Deus e nos propósitos divinos. Essa era exatamente a ambição de Lúcifer (ver PP, 37). CBASD, vol 3 p. 841.

a cidade do grande Rei. Jesus cita esta frase como come de Jerusalém (Mt 5:35). CBASD, vol 3 p. 841.

os reis se coligaram. Os v. 4 a 6 apresentam uma destruição repentina provocada por um exército inimigo.  CBASD, vol 3 p. 841.

fugiram apressados. Os inimigos olharam a cidade inatingível, perceberam que não podiam conquistá-la, viram que sua própria segurança estava em risco e fugiram apressados. CBASD, vol 3 p. 842.

dores domo de parturiente. Esta comparação, indicando dr extrema, é frequente no AT (ver Jr 4:31; Mq 4:9, 10). CBASD, vol 3 p. 842.

destruíste as naus de Társis. Esta segunda comparação descreve o poder de Deus revelado na confusão e dispersão dos inimigos. Társis é identifica com Tartessos, no sul da Espanha, ao norte de Cádiz, embora possa indicar outros lugares. “Naus de Társis” era uma expressão empregada para indicar navios capazes de viajar até Tartessos. … Assim como uma tempestade derrubou essas naus, Deus destruiu os inimigos. CBASD, vol 3 p. 842.

Como temos ouvido dizer. Nossos pais nos contaram dos maravilhosos livramentos do passado. Agora os temos visto com nossos próprios olhos. CBASD, vol 3 p. 842.

SENHOR dos Exércitos. Um título militar que identifica Deus como aquele que lidera Seu exército celeste em batalha, visando a proteção de Seu povo. Bíblia de Genebra.

Deus a estabelece para sempre. O livramento presente é promessa de vitória futura. CBASD, vol 3 p. 842.

misericórdia. Do heb. chesed, “amor divino” (ver com. de Sl 36:7). CBASD, vol 3 p. 842.

Teu templo. Ver com. do Sl 5:7. Ao adentrar à casa de Deus, os pensamentos se dirigem a Ele. CBASD, vol 3 p. 842.

11 exultam as filhas de Judá. Talvez um emprego figurado, indicando as cidades de Judá (ver Js 15:45). CBASD, vol 3 p. 842.

12 rodeai-a toda. Com o propósito de contemplar e examinar a cidade que Deus preservou do inimigo por meio de uma maravilhosa demonstração de poder. CBASD, vol 3 p. 842.

Depois que um exército inimigo assediava Jerusalém sem sucesso, era importante que o povo rodeasse a cidade, inspecionando suas defesas e louvando a Deus pelas proteções que elas tinham oferecido. Em tempos de grande alegria ou depois de Deus nos ter conduzido através de alguma grande provação, devemos inspecionar nossas defesas para garantir que os fundamentos – fé em Deus, conhecimento de sua palavra e comunhão e orações do corpo dos crentes – permaneçam fortes (Efésios 2:20-22). Então devemos louvar a Deus por Sua proteção! Life Application Study Bible Kingsway.

14 Ele será nosso guia até à morte. Deus nos guiará por toda a vida. Ele nos acompanhará até o fim. O cristão tem essa certeza, ele não precisa temer. O Pastor conduzirá Seu rebanho até a eternidade (ver Sl 23:6). … Questiona-se se “até á morte” é uma tradução adequada para ‘al-muth. … A LXX traz “para sempre”  CBASD, vol 3 p. 842.

Freqüentemente oramos pela orientação de Deus enquanto lutamos com as decisões. O que precisamos é tanto de orientação como de um guia – um mapa que nos forneça pontos de referência e orientações e um companheiro constante que tenha um conhecimento íntimo do caminho e garanta que interpretemos o mapa corretamente. A Bíblia será este mapa, e o Espírito Santo será o companheiro e guia constante. Ao caminhar pela vida, use o mapa e o seu Guia. Life Application Study Bible Kingsway.



SALMO 48 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
18 de dezembro de 2016, 0:45
Filed under: Sem categoria

SALMO 48 – A presença, proteção e provisão de Deus elevam o coração humano à exuberante júbilo e à efusiva adoração.

Do Salmo 47, o comentário Bíblico Adventista declara: “Nada menos que demonstrações como palmas e gritos de júbilo eram suficientes para o salmista a fim de expressar o louvor devido a Deus”. Agora, sobre o Salmo em questão, o mesmo comentário diz: “é um dos poemas mais alegres de Davi”.

F. B. Meyer observa: “O salmista celebra a beleza e a glória de Sião (vs. 1-3). A igreja, hoje, é a cidade do grande Rei. Sem Deus o mais lindo palácio não chega a ser um refúgio; mas uma cabana se transforma num palácio, se Deus é conhecido e amado ali. A recente libertação de Judá é comemorada com gratidão (vs. 4-8). Eis um belo quadro: os exércitos reunidos; o espanto, a fuga e a destruição do inimigo. Vem, então, o convite para que pensemos com amor no cuidado e na misericórdia de Deus (vs. 9-14)”.

Sião ou Jerusalém não se tornou o que Deus sonhou para ela. Os judeus falharam no plano que Deus lhes outorgou. Contudo, Deus não desistiu de fazer de Jerusalém o que planejou para ela.

A Nova Jerusalém é nova proposta de Deus para Jerusalém terrestre, a qual será destruída para dar lugar a outra bem melhor (Apocalipse 21-22). Então, no fim do milênio, quando a terra toda for restaurada dos efeitos destrutivos do pecado, a…

• …beleza de Sião será uma realidade ímpar, produzirá louvor ao Senhor, alegria e dignidade da presença do rei soberano (vs. 1-3);
• …eternidade de Sião será evidente, inimigos passaram, se maravilharam, se turbaram, temeram e fugiram (vs. 4-8);
• …alegria de morar em Sião será indescritível, pois a misericórdia, o amor e a justiça divina reinarão ali, além de toda segurança existente (vs. 9-14).

Por isso, meditemos no amor de Deus “até que nosso coração se inflame para louvá-lO; e lembremos que esse Deus é o nosso Deus para sempre e sempre” (Meyer).

Devemos glorificar a Deus no templo e fora dele. Devemos exaltar as investidas de Deus existentes apesar de nossa negligência. Nosso fervor deve intensificar – quanto mais se aproxima o dia do Senhor cumprir Suas promessas (Hebreus 10:25; Romanos 13:11-14).

Esperemos… Alegremo-nos… Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



SALMO 48 – #RPSP – COMENTÁRIO ROSANA BARROS by Ivan Barros
18 de dezembro de 2016, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Grande é o SENHOR e mui digno de ser louvado, na cidade do nosso Deus” (v. 1).

Jerusalém era considerada por Israel como sendo “a cidade de Deus”, a morada do Altíssimo. Seus limites eram sagrados e inabaláveis. Foi quando começaram a inverter valores, elevando Jerusalém a um patamar ilusório. Lá não era um forte indestrutível, mas um lugar de onde deveria sair a mais forte mensagem. Só que não foi isso o que aconteceu e a cidade tão preeminente e tão querida, foi subjugada devido ao orgulho de seus líderes.

Existem muitos lugares em que gosto de ir e que me sinto bem, contudo, por mais agradáveis que sejam, nenhum deles se compara à minha casa. É lá que eu posso ficar à vontade, estar com minha família, me alimentar melhor, descansar, enfim, minha casa é meu oásis. Creio que todos nós gostamos dessa sensação de chegar em casa, quer seja ela uma mansão ou um casebre. Na verdade, sentir prazer em estar em casa é definido pela atmosfera que ali predomina.

Por mais que Jerusalém fosse a cidade da nação eleita, por mais que tivesse sido escolhida como capital de Israel, não deveria ali ser depositada a sensação de completa satisfação. Porque é muito bom estar em casa, é muito bom estar em família, é muito bom saber que ali está a bênção de Deus. Mas, nem o espaço geográfico de Jerusalém, nem tampouco o espaço físico de nossa casa é a nossa real morada. O Grande SENHOR não conhece limites geográficos e não escolhe uma casa terrena para morar. Ele está em todo lugar, sondando cada coração e, através de Seu Espírito, por meio de gemidos inexprimíveis (Vide Romanos 8:26), nos dizendo:

– Vocês ainda não estão em casa!

Deus estabelecerá um lugar onde a alegria reinará; onde palácios trarão as digitais de um Criador que não desampara os Seus filhos. “Na cidade do SENHOR dos Exércitos” (v. 8) não haverá mais choro, nem dor, nem morte (Vide Apocalipse 21:4). Ali, pensaremos na misericórdia de Deus enquanto O adoramos (v. 9) e nossa mente, restaurada à perfeição edênica, romperá em um cântico que ecoará por todo o Universo, pois o SENHOR manifestou a Sua perfeita justiça.

Amados, o nosso lar não é aqui. Precisamos, a cada dia, sentir saudades do lugar em que nunca fomos, mas que pela fé, aguardamos (Vide Hebreus 11:1). Se Deus habita em você, você pode dar a volta ao mundo, não importa aonde você estiver, VOCÊ será a morada de Deus.

Precisamos ser templo do SENHOR (Vide I Coríntios 6:19) aqui, para que, muito em breve, sejamos levados para Casa. Que no meu e no teu coração haja a firme resolução de “que este é Deus, o nosso Deus para todo o sempre; Ele será nosso guia até a morte” (v. 14). Lembre-se de que apenas querer a casa dos sonhos não a torna uma realidade. Todo aquele que almeja o Céu, procura vivê-lo na Terra. Comece a viver o Céu aqui e, então, vivê-lo-ás para sempre!

Bom dia, futuros cidadãos celestes!

Desafio do dia: Faça uma lista especial com o nome de pessoas que você deseja ver no Céu e ore por esta lista todos os dias.

*Leiam #Salmo48

Rosana Garcia Barros




%d blogueiros gostam disto: