Reavivados por Sua Palavra


ÊXODO 9 by jquimelli
10 de dezembro de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/exodo/ex-capitulo-9/

A sétima praga, de granizo, espalhou a morte na terra do Egito, mas “na terra de Gósen, onde estavam os filhos de Israel, não houve granizo”. Isso é um lembrete de que Deus exercita Seu poder para proteger Seu povo, não para prejudicá-lo. O Salmo 91: 9-10 nos diz que nenhuma praga prejudicará aqueles que fazem de Deus seu refúgio. À medida que nos aproximamos do fim da história deste mundo, quando as sete últimas pragas caírem sobre este mundo, sou agradecido de que Deus use Seu poder para proteger e libertar Seu povo de seus inimigos.

Outra coisa que me surpreendeu foi o falso arrependimento do faraó. Faraó confessou que havia pecado, porque “o SENHOR é justo” e deixaria os israelitas livres. Mas quando o trovão e o granizo cessaram, o faraó endureceu seu coração novamente e não deixou os israelitas partir.

Com que frequência eu ajo como o faraó? Com que frequência eu me volto para Deus apenas para “sair de apuros”, quando deveria estar focado em Sua bondade? Sua bondade é a única coisa que leva ao verdadeiro arrependimento (Rm 2 4).

Aron Crews
Capelão da Great Lakes Adventist Academy
Cedar Lake, MI, EUA

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=305
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli

Ouça em áudio (Voz: Valesca Conty):



ÊXODO 9 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
10 de dezembro de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



ÊXODO 9 – COMENTÁRIOS PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
10 de dezembro de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

O foco primário de Deus não é humilhar/destruir Seus opositores/inimigos, mas salvar a todos; se desejarem, inclusive Seus inimigos podem salvar-se (do contrário, Deus os destruiria em frações de segundos).

O tema que permeia a Bíblia é o grande conflito entre Deus e Satanás. É notável um conflito cósmico entre Deus e Seu povo de um lado, e poderes do mal e seus seguidores do outro. Aqui, representado por Moisés e Faraó!

Entretanto, em cada praga, Deus quer despertar interesse espiritual em Faraó e nos egípcios. Deus quer a conversão de grandes líderes políticos, eles que não querem render-se a Ele. Consequentemente, as pragas continuam:

  • Doença mortal/pestes nos animais domésticos (vs. 1-7);
  • Tumores/úlceras malignas (vs. 8-12);
  • Saraivada/chuva de pedras (vs. 13-35).

Deus dava evidências e mais evidências de Seu grande poder, Sua incomparável capacidade e Sua grandeza, mas Faraó, em sua torpeza mental, mantinha firme a sua defesa: “Não deixarei ir o povo!”

Deus não obriga ninguém a servi-lO; contudo, quer que todos O conheçam. Observe as nítidas evidências do Seu soberano propósito:

  1. Doenças e catástrofes naturais não eram acidentais ou circunstanciais, eram providenciais e intencionais: Faraó verificou que enquanto os animais egípcios estavam mortos, os animais dos israelitas estavam vivos – todavia, Faraó continuou inflexível (vs. 6-7);
  1. Até os magos/feiticeiros ficaram cheios de úlceras, desprovidos de proteção; contudo, Faraó exaltou-se diante do Deus Todo-poderoso (vs. 11-12);
  1. Deus esclarece Sua missão: “Você sabe que eu já poderia ter eliminado você [Faraó] e seu povo com doenças mortais, sem deixar ninguém para contar a história. Mas eu o mantive vivo por uma única razão: Fazê-lo reconhecer o meu poder, para que a minha reputação se espalhe por toda a terra” (vs. 13-19).

Após a chuva de pedras, “atemorizado com o poder do Senhor, Faraó confessa: Esta vez eu pequei; o Senhor é justo, porém eu e o meu povo somos ímpios (9:27) e suplica pela misericórdia de Deus, prometendo que agora deixaria o povo ir (9:28). Porém, mais uma vez, volta atrás em sua permissão. Passa a impressão de ser sincero em suas palavras durante a crise, mas parece mudar de ideia conforme as circunstâncias”, pondera Abel Ndjerarerou.

Cuidemos para que não sejamos como Faraó em nosso compromisso com Deus! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí ‪



Êxodo 9 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
10 de dezembro de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Mas, deveras, para isso te hei mantido, a fim de mostrar-te o Meu poder, e para que seja o Meu nome anunciado em toda a terra” (v.16).


O Egito estava em colapso. A população, afetada pelas manifestações divinas, gemia diante da possibilidade de novas pragas. De forma que alguns do povo começaram a temer a palavra do Senhor e obedecer às orientações dadas por Moisés. Peste nos animais, úlceras e chuva de pedras arrasaram aquela superpotência da antiguidade de uma forma tão grande, que o Egito jamais voltaria a ser uma nação de destaque novamente. Tudo o que o Senhor fizera ganharia notoriedade mundial e todos os povos saberiam quem era o Deus de Israel.

O Senhor designou certo tempo” (v.5) para a realização de Seu quinto prodígio. Ele jamais manifesta a Sua ira sem que haja tempo para o homem se arrepender. Mais uma vez, Faraó recebeu o prazo divino, mas ao invés de buscar ao Senhor diante dos resultados de sua rebelião, “mandou ver” (v.7) se realmente os animais dos hebreus não haviam sofrido dano. E, tomando ciência de que, em Gósen, havia paz e tranquilidade, de novo endureceu o coração, de forma que Deus ainda mostraria outras revelações de Seu poder.

Para quem dizia não conhecer ao Senhor, Faraó tornou-se instrumento involuntário para revelar ao mundo inteiro que só o Senhor é Deus. Após terem sofrido com muitas úlceras, “o Senhor deu trovões e chuva de pedras, e fogo desceu sobre a terra” (v.23). Toneladas de pedras caíam do céu ao chão, ferindo homens, animais e vegetação. O som dos trovões era tão intenso e alto e a chuva e o fogo causaram tanta ruína e sofrimento, que o próprio Faraó, pela primeira vez, reconheceu a sua condição de pecador e ao Senhor como justo Juiz. E pedindo que os líderes de Israel orassem por ele, não mostrou resistência quanto a permitir que o povo finalmente fosse mandado embora. Mas, cessada a chuva, “tornou a pecar” (v.34), cauterizando o coração, tornando-o cada vez mais endurecido.

Deus nunca avalia ninguém pelo que tem ou pela situação em que se encontra. Deus olha para o que somos e sonha com o que podemos ser se apenas aceitarmos a Sua graça transformadora. A presunção, o orgulho e a cobiça são a escória da maldade, muitas vezes disfarçados das vestes da humildade. Muitos há que, à semelhança de Faraó, demonstram arrependimento e confessam seus pecados, mas basta a tempestade passar para que tornem a pecar e endurecer o coração. Não possuem intenções sinceras e nem o desejo real de fazer a vontade de Deus. Baseados em conceitos criados pelo próprio coração rijo de maldade, aparentam arrependimento, mas na primeira oportunidade, demonstram o que realmente contém dentro de si.

Meus irmãos, será que realmente estamos sendo tementes à Palavra do Senhor, ou não estamos lhe dando a devida importância deixando o que temos e somos ao relento, onde facilmente podemos perecer? Há livramento e segurança para aqueles que permanecem no aprisco do Senhor; para aqueles que entendem que praticar a Palavra de Deus não é um teatro, não é um discurso convincente, e sim o temor genuíno de quem verdadeiramente se dispõe a conhecer ao Senhor e adorá-Lo com inteireza de coração. A todo aquele que ainda não fez esta entrega total e completa, ainda há esperança. Ainda não foi encerrada a maravilhosa obra da graça de Cristo. Entregue o seu enganoso coração aos cuidados do Senhor e, certamente, Ele não permitirá que caia sobre você a chuva da destruição e sim a chuva de poder do Espírito Santo.

Bom dia, tementes à Palavra do Senhor!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Êxodo9 #RPSP

Comentários em áudio:
https://www.youtube.com/user/nanayuri100
https://www.youtube.com/channel/UCzzqtmGdF4UqBopc6CRiqLA



ÊXODO 9 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
10 de dezembro de 2018, 0:05
Filed under: amizade, Sem categoria

1373 palavras

1 Essa foi a quinta vez que Deus enviou Moisés a Faraó com a exigência: “Deixa ir o Meu povo!”. Desta vez Moisés deve já estar cansado e desencorajado, mas ele continuou a obedecer. Existe algum conflito que você tem que enfrentar repetidas vezes? Não desista quando você sabe que este é o correto a fazer. Como Moisés descobriu, a persistência é recompensada. Life Application Study Bible Kingsway.

Assim diz o SENHOR. Se o crente [aquele que crê] deseja falar com autoridade e com poder, antes de mais nada tem que possuir a certeza de que Deus lhe deu uma mensagem para transmitir aos seus semelhantes. Só aqueles que crêem que a Bíblia é a Palavra de Deus, e que a ela submetem sua vida, têm autoridade para falar ao povo em nome de Deus. Bíblia Shedd.

Pestilência. A doença específica mencionada aqui afetava apenas os animais. Assim, a palavra poderia ser traduzida por “praga de animal”. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 570.

Distinção. O próprio Deus estabelece o tempo (em oposição ao tempo definido pelo faraó em 8:9, 10). Bíblia de Estudo Andrews.

Mais uma vez veio uma prova definida que não se trata de fenômenos naturais; o próprio Faraó teria verificado que a pestilência não atingiu o gado dos israelitas (7). Bíblia Shedd.

certo tempo. A praga não ocorrera por mera coincidência. O relato bíblico não dá margem a explicações naturalistas (como uma epidemia de antraz proveniente das rãs mortas). Bíblia de Genebra..

todo o rebanho. Uma tradução melhor seria “todos os tipos de rebanho”, provavelmente aqueles expostos nos campos. Em outras pragas posteriores, outros animais foram afetados. Bíblia de Estudo Andrews.

Ou seja, tudo que estava nos campos (Êx 9:3). No tempo da praga seguinte muitos dos egípcios ainda possuíam animais (v. 19). O fato de muitos egípcios terem trazido seus rebanhos indica como foram impressionados pelo poder de Deus e pelas catástrofes que se seguiram. CBASD, vol. 1, p. 570.

Porém. O processo de rebelião contra Deus se desenvolveu de tal maneira que Faraó nem mais precisou de motivos nem de desculpas para. recusar deixar ir o povo de Deus. Bíblia Shedd.

8-12 A sexta praga [úlceras] afetou diretamente a saúde e a vida das pessoas e dos animais, marcando a intensificação crescente das pragas. Subjacente ao evento se encontra o conceito bíblico de um Deus criador que também sustenta a saúde (15.26). Bíblia de Estudo Andrews.

Tumores. Talvez um “abcesso”ou uma “úlcera que estourava formando bolhas”. A natureza clara desta doença não é clara. CBASD, vol. 1, p. 570.

11 Os magos não podiam permanecer. Parece que até aqui os magos estiveram presentes quando os milagres eram realizados, embora tivessem falhado algumas vezes em produzir sua contrafação. Nesta ocasião, a praga caiu sobre eles com tamanha severidade que não podiam continuar com o rei. Em vez disso, fugiram para suas casas, em busca de proteção e tratamento. CBASD, vol. 1, p. 571.

A derrota dos mágicos do Egito foi clara desde o começo, quando o bordão de Arão, que virara serpente, devorou as serpentes por eles produzidas 7.12). Eles foram capazes de imitar a água transformada em sangue e de produzir rãs; mas só puderam imitar, e não reverter essas pragas (7.22; 8.7). Quando não puderam imitar a produção de piolhos, disseram a Faraó que as pragas eram julgamentos divinos, e não artes mágicas (8.18-19). Finalmente, os magos egípcios retrocederam, feridos de tumores, derrotados e envergonhados (9.11). Bíblia de Genebra.

14 Para que saibais que não há quem me seja semelhante em toda a terra. Que este propósito surtiu efeito, temos prova em 1Sm 4.8, onde se percebe que, 400 anos mais tarde, os filisteus ainda guardavam esta história. Bíblia Shedd.

16 A fim de mostra-te o Meu poder, e para que seja o Meu nome anunciado em toda a terra. Os eventos que precederam e acompanharam o êxodo ficaram famosos no mundo todo. Como o costume dos egípcios era não registrar eventos adversos, não deixaram sinais do êxodo em seus monumentos, mas não poderiam impedir que a maravilhosa história se espalhasse e chegasse a outras nações. … Atualmente, embora tenha passado mais de três milênios desde que essas “coisas maravilhosas” aconteceram … a história ainda é lida em mais de mil idiomas, em todos os países do mundo. … Poderia alguma profecia ser cumprida de forma mais literal que esta proferida ao rei do Egito? CBASD, vol. 1, p. 571.

13-15 O granizo (que raramente ocorre no Egito) desceu com violência incomum. Os egípcios que acreditaram na ameaça divina recolheram seu gado antes da chegada da tempestade, mas os céticos perderam tudo, tamanha foi a violência do granizo. Bíblia de Estudo Arqueológica NVI Vida.

15 Eu já poderia. Os juízos divinos são temperados com misericórdia. Deus evita uma destruição total a fim de que os egípcios saibam de seu poder e se arrependam (v. 15). Bíblia de Genebra.

16 Paulo cita este versículo como ilustração notável da soberania de Deus (v. Rm 9.17). Bíblia de Estudo NVI Vida.

20, 21 Pelo menos alguns egípcios aprenderam a temer a palavra de Deus (10.7). Bíblia de Genebra.

Assim como antes houvera uma distinção entre o povo de Israel e os egípcios, agora a distinção não é mais de nacionalidade, mas entre aqueles que aceitam a Palavra de Deus e os que rejeitam. O novo Israel de Deus é composto dos que têm fé (Rm 4.11). Bíblia Shedd.

O texto indica uma polarização da sociedade egípcia: aqueles que começaram a levar o Senhor a sério (alguns deles talvez tenham se tornado parte do “misto de gente”em 12:38) e, por isso, prepararam-se para a praga, e aqueles que não o fizeram. Bíblia de Estudo Andrews.

23 Trovões e chuva de pedras, e fogo (ARA; NVI: “Caiu granizo, e raios cortavam o céu em todas as direções”). Embora tivesse sido predita apenas a chuva de pedras, raios e trovões em geral acompanham as tempestades em climas quentes. CBASD, vol. 1, p. 573.

27 pequei. Faraó confessa sua culpa pela primeira vez, mas as palavras “esta vez”mostram a superficialidade de sua confissão. Embora não acreditando nele, Moisés mostra o poder de Deus sobre a terra, fazendo parar a chuvada pedras. Bíblia de Genebra.

A confissão foi notável, porém não representava arrependimento sincero, como indica a expressão “esta vez”. Ela foi compelida mais pelo efeito do terror ocasionado pelos trovões e raios amedrontadores e da chuva de pedras destrutiva do que por pesar genuíno pelo pecado. CBASD, vol. 1, p. 573.

29 Em saindo eu da cidade. Possivelmente Mênfis ou Tânis, sendo a última a mais provável … onde o rei morava. CBASD, vol. 1, p. 573.

Estenderei as mãos. Este é um dos vários textos em que se menciona o costume de estender as mãos em oração. Não foi apenas Moisés que orou desta maneira, mas também Jó (Jó 11:13), Salomão (2Cr 6:13) e Esdras (Ed 9:5). CBASD, vol. 1, p. 573.

30 Eu sei que ainda não temeis ao Senhor. Moisés, sabendo que a atitude do rei permaneceria tão inflexível quanto antes, tão logo a praga fosse removida, foi ousado o suficiente para expressar sua convicção desse fato na presença do rei. Verdadeiro temor a Deus é demonstrado pela obediência aos Seus mandamentos. No entanto, o medo do faraó era do tipo que os demônios sentem, pois eles também “creem e temem”(Tg 2:19). … O temor genuíno de Deus não foi o tipo sentido pelo faraó, mas um espírito de temos reverente resultante da consciência da sublime majestade e do poder de Deus. CBASD, vol. 1, p. 574.

31 O linho. As informações com respeito às plantações que sofreram com a praga indicam a época do ano em que ela ocorreu. CBASD, vol. 1, p. 574.

Em flor. Isso indica que era final de janeiro ou começo de fevereiro. CBASD, vol. 1, p. 574.

34 Tornou a pecar. Com perversa impenitência, o rei endureceu seu coração, como predisse Moisés. Ao que tudo indica, seus oficiais o apoiaram nessa decisão, embora a praga seguinte os convencesse da inutilidade de sua resistência (Êx 10:7). … Como algumas das pragas anteriores, a sétima outra vez mostrou a inutilidade do arrependimento nascido do temor. Assim, Deus poderia obter a submissão de todos, mas a conquista seria inútil, porque o coração ainda não seria dEle. Deus não é encontrado na tempestade ou no fogo, mas na voz suave que fala dentro do peito. Muitos pecadores têm passado pelos portões do medo, quando ouvem a voz de Deus, confessam Seu poder e reconhecem sua própria indignidade, mas o caráter humano só é transformado quando, no silêncio, ouve a voz divina. CBASD, vol. 1, p. 574.



ÊXODO 9 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
10 de dezembro de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: