Reavivados por Sua Palavra


ÊXODO 3 by jquimelli
4 de dezembro de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/exodo/ex-capitulo-3/

Em Êxodo 3, Deus diz a Moisés para voltar ao Egito e levar os israelitas à terra prometida. Esse chamado pode parecer uma tarefa fácil a realizar, uma vez que Moisés cresceu na família real egípcia. No entanto, “fácil” definitivamente não era o caso. Moisés estava em uma situação embaraçosa pois havia no passado assassinado um supervisor egípcio. Por causa dessa “situação” nem os israelitas, nem os egípcios, confiavam nele plenamente. É verdade que Moisés havia assassinado o homem por causa de um israelita, mas assassinato ainda é assassinato.

Moisés tinha que convencer o Faraó a deixar os israelitas partirem rumo ao deserto, e os israelitas tinham de ser convencidos de que Deus realmente ungira a liderança de Moisés.

Talvez parte da razão pela qual Moisés estivesse tão hesitante, em seguir os desejos de Deus, fosse que de alguma forma ele sabia que teria que enfrentar esses desafios. Certamente, Moisés experimentou o milagre de Deus chamando-o a partir de uma sarça ardente, mas esse milagre não impediu que Moisés discutisse com Deus sobre seu chamado.

Há muitas coisas que podemos aplicar da história de Moisés às nossas próprias vidas, mas acho que o mais importante é lembrar que quando Deus nos chama para fazer algo por Ele, Ele nos equipa para fazê-lo.

Ryan Whitsett
Aluno da Great Lakes Adventist Academy
Cedar Lake, MI USA
Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=29
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli

 

Ouça em áudio (Voz: Valesca Conty): 



ÊXODO 3 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
4 de dezembro de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



ÊXODO 3 – COMENTÁRIOS PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
4 de dezembro de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

Neste capítulo Moisés está beirando 80 anos. Dos quais, metade viveu no Egito e a outra metade nos desertos midianitas, cuidando do rebanho do sogro. Nesse contexto, aparece Deus para fazer uma revolução na vida pacata desse acomodado cidadão.

Você sabia que Deus dá chance a quem não tem nenhuma? E que, Ele dá oportunidade de fazer algo grande para quem não vê nenhuma possibilidade de fazer mais nada?

Deus tem uma missão. Ele poderia fazê-la sozinho, mas prefere dar oportunidade aos humanos objetivando transformá-los, e, revelar-Se através deles. Deus quer tornar-Se conhecido. Teologia é o estudo sobre Deus, do qual todos nós deveríamos ser eternos alunos. Infelizmente muitos fogem destas aulas!

Contudo, para chamar nossa atenção Deus usa coisas simples como uma sarça ardente!

Diante da possibilidade de agir com poder em nome de Deus, Moisés revela a verdadeira fraqueza e insignificância humana. Comentando sobre esse relato Erwin W. Lutzer observa que “a boca fala do que existe em abundância no coração” e, então, lista as desculpas de Moisés:

1. Não sou adequado. Sou um zé-ninguém – longe dos planos de Deus não sabemos quem somos (vs. 11-12);
2. Não sei o suficiente – afastado de Deus temos medo até de não saber responder perguntas que nem sabemos se existirão (vs. 13-14).

No capítulo 4 veremos mais objeções de Moisés. O que importa agora é conhecer a maneira de Deus lidar com pessoas resistentes ao Seu chamado. “Êxodo 3 e 4 é um relato teológico denso. Praticamente cada versículo revela tanto a natureza do Deus descrito [na Bíblia] quanto o papel da raça humana nos planos divinos de erradicar o mal e cumprir as promessas feitas a Abraão, Isaque e Jacó” (Paul R. House).

1. Deus diz: “Certamente eu serei contigo”. Isso basta! A presença de Deus em nossa vida faz toda a diferença diante de quaisquer desafios.
2. Deus diz: “EU SOU O QUE SOU”, e assim deves dizer: “EU SOU me enviou a vós”. Saber quem é Deus destrói nossa descrença.

Está claro que a questão não é quem somos, mas Quem está conosco ao permitirmos ser Seus instrumentos na execução de Sua missão.

Encontre-se com Deus e verás que tua vida não será a mesma! Deixe Deus revolucionar tua vida! – Heber Toth Armí.



Êxodo 3 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
4 de dezembro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Vendo o Senhor que ele se voltava para ver, Deus, do meio da sarça, o chamou e disse: Moisés! Moisés! Ele respondeu: Eis-me aqui!” (v.4).


Apascentando os rebanhos de seu sogro no deserto por quarenta anos, Moisés aprendera a mansidão e a paciência que requeria o seu serviço. Não era fácil encontrar pastagens e água no deserto. Poucos eram os lugares que lhe oferecia tais privilégios, mas a fim de manter os animais em boas condições, não exitava em caminhar por longo período para saciar suas necessidades. Foi assim que o bravo guerreiro tornou-se um homem pacato e paciente. Suas mãos não mais se erguiam para ameaça ou violência, mas para o amparo e o cuidado dos rebanhos que o ensinaram a amar.

Foi diante de um cenário desértico e montanhoso, talvez no lugar mais difícil de se pastorear, que Moisés teve o seu primeiro encontro com Deus. Foi em meio aos perigos de penhascos e de caminhos íngremes que algo lhe chamou a atenção. Seus olhos brilharam na direção de uma planta que ardia em chamas, porém não se consumia. Precisava ver de perto aquele fenômeno jamais visto. Foi quando, “do meio da sarça” (v.4), ouviu uma potente voz que lhe chamava pelo nome. Ainda atordoado pela situação e sem saber como lidar com ela, Deus o orientou a não mais se aproximar e retirar dos pés as sandálias. Percebendo estar perto do próprio Senhor, “Moisés escondeu o rosto, porque temeu olhar para Deus” (v.6).

Chegada era a hora do livramento de Israel. A grande aflição fizera com que clamassem a Deus por socorro. Moisés estava pronto para liderar esta obra grandiosa. Se o Senhor regredisse quarenta anos e chamasse Moisés quando ainda era um príncipe do Egito, certamente encontraria um bravo e ousado líder declarando o seu desejo em vingar o seu povo. Contudo, quarenta anos depois, ao chamá-lo para liderar talvez a maior missão de livramento registrada no Antigo Testamento, Ele encontrou um homem tão manso quanto as ovelhas que pastoreava e que, cheio de temor, declarou: “Quem sou eu para ir a Faraó e tirar do Egito os filhos de Israel?” (v.11).

A arrogância, o orgulho e a presunção que aprendera nos anos em que viveu no palácio foram trocados pela humildade de anos de serviço útil. Seu temor fazia parte da transformação realizada em seu caráter. Foi quando reconheceu a sua incapacidade, que o Senhor Se apresentou para torná-lo capaz. O “Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó” (v.15) é Deus justo, que cumpre com fidelidade as Suas promessas. Davi escreveu: “que é o homem, que dele Te lembres? E o filho do homem, que o visites?” (Sl.8:4). Mas Aquele que diz: “EU SOU O QUE SOU” (v.14) não pode falhar. Moisés fora escolhido não por causa de méritos próprios, mas por reconhecer a sua insuficiência diante do grande “EU SOU” (v.14).

Estamos vivendo em tempos decisivos. Certamente, O SENHOR está vendo a aflição de Seu povo e ouvindo o seu clamor. Ele conhece os nossos sofrimentos e está prestes a descer para nos livrar e nos fazer subir deste mundo de pecado para “uma terra boa e ampla” (v.8), “a cidade santa, a nova Jerusalém” (Ap.21:2). E assim como escolheu Moisés para liderar o Seu povo na marcha para a terra prometida, o Senhor nos escolheu para conduzir o Seu último exército para a Canaã celestial. Ele nos chama, hoje: “Vem, agora, e Eu te enviarei” (v.10). Foi o mesmo chamado de Cristo: “Vinde após Mim, e Eu vos farei pescadores de homens” (Mt.4:19). Você se acha incapaz para tamanha obra? Ótimo! É tudo o que o Senhor precisa.

Deus está prestes a estender a Sua “mão forte” (v.19) e ferir esta terra com todos os Seus prodígios. Deixe Deus ser Deus em sua vida e muitos “ouvirão a tua voz” (v.18) e te seguirão na certeza de que você e Jesus andam numa só pegada para o eterno Lugar de paz.

Bom dia, servos do EU SOU!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Êxodo3 #RPSP

Comentários em áudio:
https://www.youtube.com/user/nanayuri100
https://www.youtube.com/channel/UCzzqtmGdF4UqBopc6CRiqLA



ÊXODO 3 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
4 de dezembro de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria



ÊXODO 3 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
4 de dezembro de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria

1283 palavras

1 De acordo com o discurso de Estêvão, Moisés tinha passado 40 anos como pastor de ovelhas, antes desta vocação (At 7.30). Já tinha passado 40 anos no Egito, recebendo elevada cultura, e agora, após 40 anos de vida no campo, estava preparado para ser guia, pastor, profeta e legislador do seu povo (Biblia Shedd).

Deserto . Uma área não cultivada, mas capaz de manter pastagem. De acordo com 34.3 e Nm 10.11, o deserto do Sinai sustentou os rebanhos de Israel por um ano. monte de Deus. Essas palavras descrevem a montanha como um santuário, uma designação que antecipa o cap. 19. (Biblia de Genebra).

Horebe. Literalmente, “lugar seco”, é também descrita como a “montanha de Deus.” Aparece também em 17:6 e 33:6. Em outros contextos a montanha é chamada Sinai (19:1, 18, 20, 23; 24:16). Ambos os nomes podem ser associados à mesma cadeia montanhosa (Andrews Study Bible).

2 Anjo do SENHOR. Esta frase já é conhecida de Gên. 16 e 22. O contexto sugere que se refira aos nomes de Deus (vs. 4-6,11-16) e do Senhor (vs. 2, 4, 7, 15-16, 18), usados intercambiadamente (Andrews Study Bible).

fogo. O fogo é um frequente símbolo bíblico para a presença de Deus (13.21; 19.18; 1Rs 18.24,38); exprime, particularmente, a santidade consumidora de Deus (Hb 12.29) (Biblia de Genebra).

não se consumia. Luz e calor sem destruição. Moisés podia, através desse milagre, compreender a natureza da comunhão com Deus (Biblia Shedd).

5 Tire as sandálias. Sacerdotes sempre entravam descalços nos templos para manter pureza e expressar humildade e respeito (Jos. 5.15). A santidade divina é um tema muito importante em Êxodo (Andrews Study Bible).

Essa prática é ainda respeitada pelos muçulmanos ao entrarem numa mesquita. Bíblia de Estudo NVI Vida.

santa. O local foi santificado pela presença de Deus. Ver 19.23; 24.2. A questão de como deve alguém aproximar-se de Deus é crucial em Êxodo. Essa questão foi resolvida no simbolismo do tabernáculo (Biblia de Genebra).

Moisés teve de tirar suas sandálias, pois o local onde estava pisando era terra santa. No evangelho vemos Deus fazendo com que o crente seja santo. Agora, seus pés estão calçados com o evangelho da paz (Ef 6.15), de modo que ele pode levar a mensagem de salvação àqueles que estão em terra profana (Biblia NVI Evangelismo em Ação).

6 Eu sou. Prefigura a subsequente autorevelação de Deus (v. 14). Por ora, Ele é o “Deus de seu pai” (Andrews Study Bible).

7-10 Esta passagem contem a razão para o aparecimento divino. Note os sete verbos descrevendo a percepção e ação divinas, incluindo ver, ouvir, preocupar-se, etc. Porque Deus escutou o choro de Israel, Ele enviou Moisés (Andrews Study Bible).

8 Desci. Ainda que Deus esteja presente em todo o lugar, em alguns encontros com certos homens, como nesta ocasião, Deus se manifesta de modo especial (Biblia Shedd).

cananeu. Povo habitante das terras costeiras siro-palestinas. heteu. Cf. Gn 10.15 amorreu. O Antigo Testamento usa este termo de forma vaga, às vezes se referindo aos habitantes pagãos da Palestina em geral (15.16; Js 10.5) e, às vezes, ao povo palestino das regiões montanhosas (Nm 13.29), cf. Gn 10.6. ferezeu. Talvez os aldeões que estavam localizados na Palestina central (Js 17.15). heveu. Os heveus viviam no Líbano e na Síria (Js 11.3; Jz 3.3) e também na área de Siquém e Gibeão (Gn 34.2; Js 9.1,7), cf Gn 10.17. jebuseu. Os ocupantes originais de Jerusalém [Jebus], posteriormente deslocados dali por Davi (Gn 10.16; 2Sm 5.6-9) (Biblia de Genebra).

10 Eu te enviarei. Nota-se que quando Deus se compadece dos aflitos, e promete sua intervenção, é o próprio homem que recebe uma comissão sobrenatural para ser o instrumento nas mãos divinas (Biblia Shedd).

Faraó. Provavelmente Tutmés III (1504 – 1450 a.C.) (Biblia de Genebra).

11 Quem sou eu? Moisés se sentia incapaz para a tarefa, tal como sucedeu a Giseão (Jz 6.15) e a Jeremias (Jr 1.6) (Biblia de Genebra).

O ser humano sempre deve reconhecer sua impossibilidade de fazer as obras de Deus. Mas Moisés está levantando a primeira de uma série de objeções (Biblia Shedd).

12 Eu serei contigo. A promessa da presença real de Deus é a resposta total à fraqueza humana (compare a missão e a promessa descritas em Mt 28.18-20) (Biblia Shedd).

sinal … prestarão culto neste monte. O chamado de Deus seria confirmado por Sua ação futura. Deus estaria com Moisés para que voltasse àquela mesma montanha para adorar (Biblia de Genebra).

13 Qual é o Seu nome? Moisés previu uma pergunta que seria feita pelo povo de Israel, e que também era a pergunta dele. Moisés já buscava a auto-revelação de Deus. Se o livramento divino tivesse de ser plenamente apreciado e garantido, aquEle que seria adorado naquele monta teria de ser conhecido (33.12). Um nome pessoal não era apenas uma maneira de tratamento, mas uma descrição do caráter e da personalidade de Deus (Sl 9.10, cf 1Sm 25.25) (Biblia de Genebra).

14 Eu sou. Este verbo, numa forma que produz o passado, o presente e o futuro ao mesmo tempo, dá o nome transliterado Jeová (Yahweh[YHWH]), que indica a natureza eterna e imutável de Deus (Biblia Shedd).

EU SOU O QUE SOU. O Senhor não pode ser definido ou determinado a não ser por Si mesmo. Na qualidade de auto-existente, as Suas promessas são firmes; ele se revelaria em Seus atos de salvação (Biblia de Genebra).

Jesus aplicou esse nome a Si; ao fazê-lo, declarou ser igual a Deus, arriscando ser apedrejado por blasfêmia . Bíblia de Estudo NVI Vida.

15 O SENHOR.   Hebraico: YHWH. O termo assemelha-se à expressão Eu sou em hebraico (Biblia NVI).

Quando os nomes SENHOR e DEUS se escrevem em letra maiúscula, é uma tradução da palavra hebraica Yahweh, que vem do verbo “ser”, e mostra que Deus é eterno e imutável (Biblia Shedd).

Em hebraico, esse nome é Iavé (muitas vezes grafado, incorretamente, “Jehovah” ou “Jeová”. Bíblia de Estudo NVI Vida.

assim serei lembrado de geração em geração. Javé [ou Jeová, ou Yahweh, ou YHWH], o nome divino particularmente associado com o relacionamento entre Deus e Israel segundo a aliança, dali por diante deveria ser usado na adoração. As versões na língua portuguesa do Antigo Testamento geralmente traduzem esse nome como “o SENHOR”, seguindo a prática do Novo Testamento, bem como a prática dos judeus durante o período intertestamentário. Os judeus consideravam esse nome sagrado demais para ser pronunciado e, quando liam a Bíblia, substituíam-no por outro, ‘adonay (“meu Senhor”). No hebraico, os sinais vocálicos da palavra ’adonay foram juntados às consoantes do nome hebraico YHWH, para torná-las pronunciáveis, e essa forma híbrida foi traduzida por “Jehovah”, por William Tyndale em sua tradução inglesa (1530 d.C) do Novo Testamento. Ali, “SENHOR” (Javé) é aplicado a Jesus (Rm 10.13, citando Jl 2.32) (Biblia de Genebra).

16 anciãos. Lit. “os barbados”. Esses são os cabeças de famílias que representariam Israel. Eles se reuniram para ouvir a respeito da fidelidade de Deus (4.30-31) (Biblia de Genebra).

17 leite e mel. A usual descrição bíblica da terra de Canaã (Biblia de Genebra).

18 caminho de três dias. Talvez uma expressão para indicar um breve período de tempo (Biblia de Genebra).

Provável expressão convencional com o significado de “breve viagem”, mas não necessariamente de três dias. Bíblia de Estudo NVI Vida.

19 Eu sei. Deus sempre quer oferecer a oportunidade para o arrependimento e a obediência, mas sabe quão duro é o coração do homem: assim também Jesus nos conhece (cf Jo 2.24-25) (Biblia Shedd).

mão poderosa. Juntamente com a “mão estendida”, esta frase aparece repetidamente na história do êxodo (6:6; 32:11; Deut. 4:34; 5:15; 7:19; 26:8) e ecoa terminologia egípcia indicando conquista. Geralmente, era apenas Faraó quem conquistava assim. Contudo, desde que o conflito entre Deus e Faraó é descrito em termos de uma batalha espiritual, é o Senhor quem tirará Israel do Egito com mão forte e braço estendido (Andrews Study Bible).

20 prodígios. Esta menção de feitos extraordinários antecipa as pragas (7.14-12.30) (Biblia de Genebra).

21 não será de mãos vazias. Conforme tinha prometido (Gn 15.14), Deus providenciaria para que seus anos de servidão fossem recompensados (Biblia de Genebra).

22 despojareis. Novamente uma terminologia de guerra destaca o tema do grande conflito (Andrews Study Bible).




%d blogueiros gostam disto: