Reavivados por Sua Palavra


GÊNESIS 39 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
20 de novembro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria


“O Senhor era com José, que veio a ser homem próspero; e estava na casa de seu senhor egípcio” (v.2).


Longe de sua casa e dos olhos de seu pai, José se mostrou um jovem íntegro, reto e temente a Deus. Ao fazer de Deus o seu Conselheiro, sua vida iluminou a casa de Potifar, de forma que era visível “que o Senhor era com ele” (v.3). Notando Potifar “que tudo o que ele fazia o Senhor prosperava em suas mãos” (v.3), logo tratou de colocar José na administração de tudo quanto possuía. Porém, antes que a história continue, há um adendo: “José era formoso de porte e de aparência” (v.6). E quando a Bíblia faz referência a alguém quanto à beleza, é porque realmente era uma característica de destaque. A formosura de José, porém, foi a causa da cobiça da mulher de Potifar.

Além de belo, José exalava encantadora simpatia. Era cortês e gentil, não sabendo agir de forma diferente. Mas ao tomar conhecimento dos sentimentos de sua senhora, tomou cautela de ignorar suas lisonjas e evitar a sua companhia. Todos os dias aquela mulher o tentava. Certamente, se tratava de uma linda mulher, visto ser esposa de um oficial de Faraó. José não estava diante de qualquer tentação, mas de uma atraente e persistente tentação. José era um jovem belo, forte e cheio de vida. Além do mais, estava longe de sua família. Ou seja, tinha tudo para cair em pecado. Mas a sua atitude provou que, já no caminho para o Egito, fez um voto ao Senhor de Lhe permanecer sendo fiel, e assim o foi.

Tudo em nossa vida gira em torno das escolhas que fazemos. E sempre há um momento decisivo de acender ou de apagar a chama das tentações que nos rodeiam. Não foi diferente com José, posto que, “certo dia” (v.11), pensando ser um dia normal de trabalho, entrou na casa de seu senhor e percebeu algo estranho: a casa vazia. É isso que Satanás faz. Ele cria estratégias para facilitar a prática do pecado. Quão surpreso não ficou José ao deparar-se com a mulher de Potifar, imagino eu, em trajes provocantes. Seria a oportunidade perfeita de cair em tentação. José foi logo agarrado pelas vestes, e, assediado pela voz da sedução, “deixando as vestes nas mãos dela, saiu, fugindo para fora” (v.12).

José não ficou ali discutindo com a tentação. Não se achou forte o suficiente para resisti-la. Mas reconheceu que a sua única alternativa era fugir, ir para bem longe do mal. Amados, estamos em um grande conflito e do outro lado está um inimigo que não temos forças para derrotar. Mas quando fazemos do Senhor a nossa força, e a Ele nos apegamos, passamos a fazer parte do lado vencedor, pois que Cristo já venceu por nós. Sair correndo ou fugir do mal não é sinal de fraqueza, mas de coragem e de nobreza de caráter. Tudo era favorável para que José caísse em pecado, mas a sua fala revelou o seu íntimo relacionamento com o Senhor: “como, pois, cometeria eu tamanha maldade e pecaria contra Deus?” (v.9).

Meus irmãos, Satanás sabe como mexer com o brio de jovens na flor da idade. Ele preparou para José um cenário de privacidade, de aromas agradáveis, com uma mulher sedutora e atraente. A atitude de José, porém, superou todas as suas expectativas e provou que um jovem com Deus é uma força a ser considerada. Por isso que o apóstolo João escreveu: “Jovens, eu vos escrevi, porque sois fortes, e a palavra de Deus permanece em vós, e tendes vencido o Maligno” (1Jo.2:14). Naquele dia, pelo poder de Deus, José venceu o Maligno. Ele poderia ter todas as desculpas possíveis para cair em tentação, mas ele escolheu o caminho da vitória: “Sujeitai-vos, portanto, a Deus; mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós” (Tg.4:7).

Não há desculpas para o pecado. Desde nossos primeiros pais, somos tendenciosos a lançar a culpa em alguém ou em alguma coisa. José teria todos os motivos possíveis para se desculpar, mas preferiu colocar a sua vida nesta Terra em risco a perder a vida eterna. Aos olhos humanos, aquela situação lhe gerou grave prejuízo, mas além da experiência adquirida na gestão dos bens de Potifar, aquela prisão tornou-se apenas uma segunda escola de administração preparando o jovem hebreu para o governo de uma nação e para salvar o seu povo.

Há um inimigo que conhece as nossas fraquezas, mas há um Deus que nos habilita a vencê-las. A chave do sucesso não está no que fazemos, e sim no que permitimos que Deus faça em nós e através de nós. O verdadeiro adorador não depende das circunstâncias para glorificar a Deus com sua vida. Quer numa casa luxuosa ou numa prisão, a bênção do Senhor está sobre todo aquele que O busca reconhecendo a sua total dependência dEle. Pode alguém até conservar “junto de si” (v.16) provas de acusação contra um servo do Deus vivo, mas os frutos incontestáveis de sua fidelidade mais cedo ou mais tarde lhe farão justiça. Apegue-se ao Senhor, decida fugir do mal que lhe assedia e o Senhor será com você, por onde quer que você andar.

Bom dia, servos fiéis de Deus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Gênesis39 #RPSP

Comentários em áudio:
https://www.youtube.com/user/nanayuri100
https://www.youtube.com/channel/UCzzqtmGdF4UqBopc6CRiqLA


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: