Reavivados por Sua Palavra


I CRÔNICAS 26 by jquimelli
9 de julho de 2016, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário RBHW:

As funções mais importantes do reino de Israel eram desempenhadas pelos levitas. Alguns atuavam como porteiros, outros como tesoureiros e outros ainda como administradores e juízes da nação.

Os porteiros eram os vigias, os guardas do templo. A presença deles era muito necessária a fim de preservar a integridade dos adoradores e também para proteger o edifício em si. O templo de Salomão era revestido de ouro e abrigava os mais valiosos tesouros da nação. Cabia aos porteiros garantir a segurança de toda esta riqueza.

Zacarias, um dos porteiros, era também um conselheiro muito sábio. Isto ilustra que não precisamos ficar restritos a nossa atividade básica de sobrevivência, mas podemos ampliar a nossa área de atuação a fim de dar a melhor contribuição possível à sociedade.

Alguns levitas atuavam como tesoureiros. Eles zelavam pela correta utilização das dádivas do povo e dos espólios de guerras que haviam sido consagrados ao Senhor.  Aqueles que ocupavam esta função eram descendentes de Gérson e Eliézer, filhos de Moisés.

Seis mil levitas foram separados para atuar como administradores e juízes. Eles cuidavam de questões religiosas ligadas ao templo e de assuntos seculares ligados a administração civil. Ao redor do país, eles eram os encarregados pelo ensino religioso e pela sábia condução do reino como um todo.

O sucesso de qualquer empreendimento depende da atuação dedicada e fiel de alguns colaboradores chaves. Davi encontrou nos levitas homens capazes e consagrados, que lhe ajudaram a fazer da nação de Israel um reino próspero e justo. Hoje, também, Deus está procurando por pessoas de confiança a quem Ele possa usar para abençoar a humanidade.

Rei celestial, use-me para dar uma importante contribuição para o Seu reino.

 

Jobson Santos

UNASP



I CRÔNICAS 26 – Comentários selecionados by jquimelli
9 de julho de 2016, 0:50
Filed under: Sem categoria

1-19 A mais extensiva das listas de porteiros em Crônicas (v.9-17-27; 16.37,38) [NC: designados por Davi]. Uma lista de porteiros no período pós exílico acha-se em Ed 2.42 (Ne 7.45) (Biblia de Estudo NVI Vida).

1 porteiros. Havia quatro mil porteiros (23.5) cujos deveres eram abrir e fechar todos os portões, agir como guardas contra os intrusos, ajudar e encorajar aos adoradores, impedir os imundos de entrarem nos recintos sagrados (2Cr 23.19). Estavam encarregados dos vasos sagrados e das ofertas voluntárias (2Cr 31.14) e habitavam nas câmaras ao redor do templo (1Cr 9.27). Eram levitas e vinham das vilas levíticas cada sete dias para servirem por turnos (1Cr 9.25). Seu serviço era honroso, como o dos cantores, abaixo dos sacerdotes (Biblia Shedd).

1 Asafe. Este não é o Asafe do cap. 25.2 [o músico], que era gersonita (1Cr 6:38-43). Os coraítas, descendentes de Corá, eram levitas coatitas [descendentes de Coate, filho de Levi] (CBASD – Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 3, p. 198).

4,5 Inúmeros filhos são, aqui também, um sinal da bênção divina (Biblia de Estudo NVI Vida).

Deus o abençoou.Assim como a Hemã (25.4-5), Obede Edom tinha muitos filhos. Sendo levita, ele cuidou da arca por três meses e isto lhe foi uma fonte de grande bênçãos (Andrews Study Bible).

10 a quem o pai constituiu chefe. Isto é, tornou-o um “fratriarca” (líder entre seus irmãos), com o direito de exercer autoridade além dos direitos que em geral acompanhavam a primogenitura (ver The Biblical Archaeologist, vol. 3, nº 1, p. 9,10) (CBASD, vol. 3, p. 198, 199).

14 porta leste. Esta, a primeira porta mencionada, era a porta de honra, pois o santuário dava para o leste (CBASD, vol. 3, p. 198, 199).

A entrada principal; tinha seis guaritas para os guardas , em contraposição com quatro diante das demais portas (v. 17) (Biblia de Estudo NVI Vida).

15 porta sul. Os palácios de Davi e de Salomão ficavam ao sul do monte do templo. A porta do sul seria a principal usada pelo rei, e essa destinação provavelmente reflete uma honraria especial para Obede Edom (Biblia de Estudo NVI Vida).

16 porta Salequete. A única referência a uma porta com esse nome; presumidamente ficava no lado oeste. O cronista escreve a leitores familiarizados com esses pormenores topográficos (Biblia de Estudo NVI Vida).

Significado provável: “a porta por onde se tira”, isto é, a “porta dos resíduos”. Imagina-se que tenha sido a porta pela qual eram retirados os dejetos do templo (ver Ne 3.13) (CBASD, vol. 3, p. 199).

24 filho de Gérson. Exemplo de “filho” no sentido de descendente remoto (CBASD, vol. 3, p. 198, 199).

29-32 Esses versículos designam os 6 mil oficiais e juízes (23.4) que trabalhariam fora de Jerusalém; são tirados de dois subclãs de Coate (6.18) [NT: um dos filhos de Levi]. Dt 17.8-13 prevê uma função judicial para os sacerdotes e levitas (v. 2Cr 19.4-11) (Biblia de Estudo NVI Vida).

Sendo levitas, conheciam a lei e podiam promover e administrar a justiça (Biblia Shedd).

31 No ano quarenta. O último ano do reinado de Davi (Biblia de Estudo NVI Vida).



I CRÔNICAS 26 – Comentário Pr Heber by Ivan Barros
9 de julho de 2016, 0:45
Filed under: Sem categoria

Até nos mínimos detalhes da casa de Deus precisa ter ordem e organização. Isso revela o respeito que se tem pelas coisas sagradas referentes ao único Deus vivo e verdadeiro. Os levitas das famílias de Coré e Merari ficaram responsáveis pela segurança do Templo como porteiros (I Crônicas 26:1-19). Os quais foram selecionados por causa de seus dons, não aleatoriamente (v. 8). A função deles era prezar, guardar e cuidar a Casa de Deus de dia e de noite, sem parar (vs. 14-19). Hoje, os diáconos devem exercer esse papel de preservar, guardar e manter a ordem, a organização e proteger o patrimônio particular de Deus aqui na terra. Tudo deve ser feito com zelo, dedicação e amor; tudo está ligado à Deus e à adoração. Ainda hoje é preciso verificar quem tem habilidades e responsabilidades para desempenhar tais funções; ela é tão importante quanto qualquer outra, tanto é que está bem especificada e detalhada na Bíblia. Os porteiros tinham seus postos, horários e funções bem definidos. Isso poderia ser informado mais rapidamente para nós, porém o Espírito Santo pensou ser melhor colocar como está escrito. Há muitas igrejas que escolhem para diáconos àqueles que não sabem fazer nada, pessoas de idade avançada ou aqueles que não se encaixam em nenhuma outra função; isso é diferente do que nos ensina este capítulo. Aprendamos a servir com ordem e com organização diante de tudo aquilo que pertence a Deus e à Sua Casa de Culto.
Além dos líderes espirituais, pastores, evangelistas e mestres, a igreja de Deus na terra deve ter um grupo de administradores e tesoureiros (I Crônicas 26:20-28). Estes não eram escolhidos aleatoriamente dentre o povo. Eram levitas também, pessoas consideradas consagradas. Naquele tempo os tesouros do templo incluíam as ofertas dedicadas por Davi, Samuel e Saul (vs. 26-28). Além disso, eram eles que coletavam impostos para o rei (vs. 29-32), tudo estava ligado ao templo. A vida de todo o povo estava centralizada no templo. Todas as atividades deveriam estar relacionadas com o templo, pois a vida só tem sentido se Deus for o centro de uma nação e do coração de cada indivíduo. Deus deve estar acima da política, acida do poder econômico e financeiro, acima do poder legislativo e judicial. Deus deve reger cada indivíduo, cada família, cada empresa, cada bairro, cada cidade, cada corporação, cada nação e assim todo o Planeta Terra como Ele faz com cada astro, cada planeta, cada cometa, cada constelação, cada galáxia, etc. Onde Deus não tem permissão para reger, é muito fácil sair de órbita e sofrer tragédias. É por Deus não ser o centro da vida das pessoas como deveria ser é que o nosso mundo e a nossa sociedade está um caos, uma baderna, uma situação deplorável. E, a tendência é piorar cada vez mais caso não permitimos que Deus assuma o centro de nossa vida e da vida de todas as nações. Faça você o que sabe que deve fazer sem esperar pelos outros!

É importante que a igreja seja organizada e bem administrada! As Associações/missões, as Uniões, as Divisões e a Associação Geral é fundamental para o bom andamento da igreja de Deus no mundo de forma harmoniosa. Como disse Matthew Henry, “A magistratura é uma ordenança de Deus para bem da igreja, tão verdadeiramente como o ministério, e não deve ser descuidada”. O pastor Jan Paulsen disse que “A estrutura da igreja deve ser sempre uma agente funcional”; e complementa falando de dois objetivos, “funções essenciais na administração da igreja e unidade da missão”. Paulsen ainda diz, “cremos que, desde o início, Deus deseja que [a] igreja seja uma família unida; não uma igreja regional e, certamente, não congregacional… Para mim, é inconcebível que a igreja possa se manter unida, como uma comunidade global dotada da mesma habilidade de maximizar os recursos para a missão, se não houver uma Associação Geral – uma estrutura mundial que ajuda a manter essa unidade”. Por isso, cada filho de Deus que se une a Sua igreja deve valorizar, considerar e respeitar a organização da mesma. A igreja de Deus é organizada e todos os que se unem a ela, se organizam conforme o Deus de ordem organiza a Sua igreja. Que cada um de nós aprendamos os princípios e lições práticas contidos em I Crônicas 26 com respeito à ordem, organização e administração da igreja de Deus neste mundo. Sejamos zelosos, reverentes e respeitosos pelas coisas de Deus aqui no mundo!

(Heber Toth Armí)



I CRÔNICAS 26 – #RPSP – Comentário Rosana Barros  by Ivan Barros
9 de julho de 2016, 0:30
Filed under: adoração

“Para cada porta deitaram sortes para designar os deveres tanto dos pequenos como dos grandes, segundo as suas famílias” (v. 13).
Os porteiros, os guardas “dos tesouros das coisas consagradas” (v. 20), os oficiais e juízes “em todo serviço do SENHOR e interesses do rei” (v. 30), foram separados por Deus, cada qual, “segundo as suas famílias” (v. 13). Ontem vimos acerca dos cantores e como estes, separados por família, receberam de Deus um privilégio dado a anjos. Hoje, continuamos percebendo o cuidado e zelo do SENHOR pela Sua Casa. Todos os servidores do templo possuíam suas atribuições, mas todos juntos trabalhavam no mesmo objetivo de adoração ao Deus de Israel. Observem que Deus não tem o cuidado e o zelo referentes apenas à manutenção de Sua Casa e ao culto ao Seu nome, mas também deixa evidente o seu cuidado e zelo pela instituição que Ele mesmo deu início lá no Éden: à família. O SENHOR não chamava somente um membro da família para servir em Sua Casa, mas designava a FAMÍLIA para o ministério sagrado. 
Vejam o que escreveu a escritora norte-americana Ellen White: “A primeira obra dos cristãos é manter a unidade da família. Quanto mais intimamente forem unidos os membros da família em sua obra no lar, tanto maior será a influência que pais, mães, filhos e filhas exercerão fora dele” (Fundamentos do Lar Cristão, p. 20).

Indubitavelmente, famílias que entendem este princípio, possuem uma eficácia na obra de salvação que supera multidões de sermões. Deus tem uma obra especial a ser realizada em cada lar. Não se pode mensurar o poder dado por Deus em uma família que se coloca nas mãos do Oleiro. O desejo do SENHOR é de derramar sobre cada família a Sua bênção (v. 5), a coragem (v. 6), a capacidade e a saúde (v. 8 ) e a prudência (v. 14). Para tanto, precisamos, a cada dia, nos colocar a Seu serviço. Deus deseja fazer de cada lar uma extensão de Sua Casa. Desde a porta (Vide Deuteronômio 6:9), o nosso lar deve ser lugar de adoração ao SENHOR. Tudo quanto temos deve ser dedicado ao SENHOR (v. 28). Todos os nossos “negócios externos” devem revelar o caráter de Cristo. 

Aceite hoje o desafio de fazer de sua casa um lugar de adoração, um lar de esperança, e tenha absoluta certeza de uma coisa: DEUS ABENÇOARÁ O TEU LAR!

Bom dia, lares de esperança!
*Leiam #1Crônicas26
Rosana Garcia Barros




%d blogueiros gostam disto: