Reavivados por Sua Palavra


ATOS 14 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
8 de maio de 2018, 0:20
Filed under: adoração, humildade, idolatria, sofrimento, testemunho | Tags: , , ,
1 Falaram de tal modo. Eles falaram em diversas ocasiões. Em algumas delas, não só judeus, mas também gentios pareciam estar presentes. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 6, p. 306.
Grande multidão. Assim como na pregação em Antioquia da Síria (At 11:21,24), houve êxito na pregação do evangelho em Icônio. CBASD, vol. 6, p. 306.
3 Muito tempo. Provavelmente, meses. Como os novos crentes eram muitos, era necessária uma longa permanência para confirmá-los na fé. CBASD, vol. 6, p. 306.
6 Sabendo-o. Sem dúvida, havia pessoas do lado dos apóstolos com contato suficiente com o grupo de oposição, a ponto de saberem do plano. CBASD, vol. 6, p. 307.
9 Fixando nele os olhos. A fé do coxo resplandeceu em sua face, e Paulo reconheceu nele alguém pronto a ser curado e se tornar um sinal para o povo de Listra. CBASD, vol. 6, p. 308.
Possuía fé. Este é um pré-requisito para o milagre. CBASD, vol. 6, p. 308.
12 Júpiter Mercúrio. Do gr. Zeus … Hermes, ou seja Zeus, chefe de todos os deuses, e seu filho Hermes, arauto e mensageiro dos deuses, patrono da eloquência. No panteão romano, os equivalentes a esses deuses eram Júpiter e Mercúrio, nomes usados pela versão ARA. A adoração a Zeus e Hermes parecia bem popular na região de Listra. CBASD, vol. 6, p. 308.
13 Sacrificar. O sacrifício devia consistir de cortar a garganta de bois e derramar parte do sangue sobre o altar. CBASD, vol. 6, p. 309.
14 Rasgando as suas vestes. Entre os judeus, esta era uma expressão de horror, sobretudo como protesto contra a blasfêmia (Mt 26:65). Paulo e Barnabé perceberam que era isso que os habitantes pagãos de Listra estavam prestes a fazer em ignorância. Não se sabe até que ponto a população compreendeu este ato, mas seu caráter drástico deve ter chamado a atenção e detido o povo.  CBASD, vol. 6, p. 309.
15 E vos anunciamos. Para os idólatras, a mensagem que exaltava o Deus vivo em lugar de ídolos devia ser, de fato, uma ótima notícia, especialmente considerando que Jesus Cristo Se fez Deus encarnado, o Salvador da humanidade. CBASD, vol. 6, p. 309.
18 Com dificuldade que impediram. Tamanha era a avidez do povo em reatar o ato de adoração. Sem dúvida, alguns dos que foram impedidos deixaram as “coisas vãs” e passaram a servir o Deus vivo. De todo modo, Paulo trabalhou em Listra o suficiente para que uma igreja fosse fundada ali. A judia Loide, junto com a filha Eunice e o neto Timóteo estiveram entre os primeiros conversos (2Tm 1:5). CBASD, vol. 6, p. 310.
19 Instigando as multidões. A mudança súbita de atitude por parte do povo de Listra lembra a transformação da multidão em Jerusalém, das hosanas para o clamor “Seja crucificado!” (Mt 21:9; 27:22). Não é difícil compreender essas ondas de emoção no caso de pessoas supersticiosas, como os licaônicos, tradicionalmente vistos como não confiáveis. CBASD, vol. 6, p. 310.
Apedrejando a Paulo. A forma de punição característica dos judeus, nesse caso ajudados pelos habitantes pagãos de Listra. Este é o único episódio registrado da vida de Paulo em que sofreu esse tipo de ataque (2 Cor 11:25). CBASD, vol. 6, p. 310.
20 Levantou-se. A recuperação da consciência de Paulo, a demonstração imediata de vigor e a ousadia ao entrar de novo na cidade podem ter sido consideradas um milagre. O fato de um apedrejado por uma multidão irada, considerado morto, reviver e sair andando como se nada houvesse acontecido era uma evidência ainda mais clara do poder de Deus do que a cura do coxo. CBASD, vol. 6, p. 311.
22 Fortalecendo. A ação de Paulo aqui está em harmonia com a ordem de Jesus a Pedro: “Tu,pois, quando te converteres, fortalece os teus irmãos” (Lc 22:32). Paulo podia fazer isso por meio de advertências e exortações extraídas das próprias tribulações e dos livramentos que recebera. CBASD, vol. 6, p. 311.
26 Que haviam já cumprido. Paulo e Barnabé haviam sido enviados pela igreja em Antioquia para a realização de uma tarefa específica: a evangelização dos gentios. Então podiam retornar para sua congregação com a alegria de uma missão cumprida. Embora tivessem apenas iniciado a obra de pregar aos gentios, o que realizaram fora bem feito. CBASD, vol. 6, p. 313.
28 Não pouco tempo. Naturalmente, Paulo se sentia mais atraído por Antioquia do que por Jerusalém, pois foi ali que os gentios formaram uma igreja pela primeira vez, e essa era a igreja que o enviara como missionário. Durante este período, com certeza, os dois apóstolos continuaram a atrair muitos conversos gentios, além dos que já haviam sido conquistados. CBASD, vol. 6, p. 313.


ATOS 12 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
6 de maio de 2018, 0:20
Filed under: cuidado de Deus, libertação, testemunho | Tags: , , ,

740 palavras

1 Por aquele tempo. O evento narrado neste capítulo não deve ter ocorrido muito antes da morte de Herodes Agripa I. Como ele morreu em 44 d.C, os eventos da primeira parte deste capítulo podem datar do ano anterior ou dos primeiros meses de 44 d.C. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 6, p. 272.

O rei . Herodes Agripa I era filho de Aristóbulo e Berenice, neto de Herodes, o Grande, e da princesa hasmoneia Mariane, irmão de Herodias, mencionada na história de João Batista. CBASD, vol. 6, p. 272.

Maltratar. Isto é, “ferir” ou “afligir”, como Agripa estava ansioso para ser considerado um judeu devoto, era fácil para os judeus incitá-lo a atacar os cristãos. Assim começou a perseguição da igreja, “pilhando as casas e os bens dos crentes”. CBASD, vol. 6, p. 273.

2 Fazendo passar […] a Tiago. Se o apóstolo fosse culpado de blasfêmia ou heresia, o Sinédrio o teria sentenciado à morte por apedrejamento. Como no caso de João batista, a decapitação de Tiago mostra que sua morte foi decretada por um governante civil, que usava métodos romanos de punição. Não há como saber por que Herodes escolheu Tiago como sua primeira vítima. No entanto, enquanto pregava o evangelho, é possível que tenha continuado a ocupar a posição proeminente que compartilhava com Pedro e João. Talvez uma de suas características fosse uma veemência natural, pois era chamado de filho do trovão (Mc 3:17). CBASD, vol. 6, p. 273.

3 Prosseguiu, prendendo. Literalmente, “acrescentou a tomar”. Ele prendeu Pedro e Tiago. Esta é uma tradução literal de uma expressão comum do hebraico. CBASD, vol. 6, p. 273.

Também a Pedro. Por ser uma figura de destaque entre os doze, Pedro era um alvo lógico do ataque de Herodes. CBASD, vol. 6, p. 273.

5 Pedro […] estava guardado. Isto sugere vários dias de prisão. CBASD, vol. 6, p. 274.

Uma luz iluminou. Assim como “a glória do Senhor brilhou ao redor” dos pastores, a presença do anjo levou glória celestial à prisão escura. CBASD, vol. 6, p. 274.

9 Não sabendo. Para Pedro, a situação parecia muito semelhante ao transe e à visão registrados em Atos 10. Ele deve ter pensado que acordaria acorrentado aos dois soldados, assim como antes acordara e percebera que tivera uma visão no eirado da casa, enquanto orava. CBASD, vol. 6, p. 274.

12. Considerando. Ou; “entendendo” “compreendendo”. A princípio, Pedro ficou “como quem sonha”, em relação ao livramento, mas depois conseguiu compreender a verdade maravilhosa e foi capaz de partir para a ação. CBASD, vol. 6, p. 275.

14 Tão alegre. Não foi por falta de fé, mas por pura alegria que Rode não abriu a porta. Ela compartilhava da ansiedade dos irmãos pelo apóstolo e participara das orações em seu favor. O desejo de contar a boa-nova a levou a perder o equilíbrio de ação. CBASD, vol. 6, p. 276.

16 Ficaram atônitos. Seria difícil encontrar uma expressão melhor da dificuldade, inclusive de pessoas boas, de crer que suas orações foram respondidas com tal rapidez. Quando Pedro apareceu diante dos fiéis, mal conseguiam admitir que era ele mesmo que estava ali. Todavia, Jesus dera plena garantia a Seus seguidores de que suas orações de fé seriam atendidas (Jo 14:13, 14). CBASD, vol. 6, p. 276.

17 Tiago. Trata-se, sem dúvida, do Tiago que presidiu o concílio em Jerusalém sobre a circuncisão e que apresentou seu parecer sobre o assunto (At 15:13). De alguma forma,

ele era o ancião líder da igreja em Jerusalém, e era natural que Pedro quisesse informá-lo

de sua libertação. Este pode ser o Tiago filho de Alfeu, ou o Tiago irmão do Senhor. CBASD, vol. 6, p. 276.

19 Fossem justiçadas. Literalmente, “para que fossem levados embora”, isto é, para execução. CBASD, vol. 6, p. 277.

20 Havia séria divergência. Ou, estava exasperado”, “estava num estado de espírito hostil”, sugerindo raiva. CBASD, vol. 6, p. 278.

22 Voz de um deus. Provavelmente no sentido de adoração pagã ao imperador, não de um ser celestial. CBASD, vol. 6, p. 278.

23 Um anjo do Senhor o feriu. No v. 7, um anjo toca Pedro para despertá-lo e salvá-lo. Aqui, o toque.do anjo fere Herodes, para destruí-lo. A ferida por um agente divino costuma significar grave juízo. CBASD, vol. 6, p. 278.

25 Cumprida a sua missão. Ou, “ministério”, “diaconato”, “ministração”. A palavra grega é a mesma traduzida por “socorro” em Atos 11:29. Barnabé e Saulo cumpriram a missão que os levara a ser enviados à igreja de Antioquia. CBASD, vol. 6, p. 281.

Levando também consigo a João. A escolha se explica, parcialmente, pela ligação entre João e Barnabé (Cl 4:10), mas também mostra João se envolvendo no ministério aos gentios. Ao que tudo indica, ele morava numa casa em Jerusalém até essa ocasião. CBASD, vol. 6, p. 281.

 

Compilação: Tatiana W



Tiago 5 – Comentários Selecionados by tatianawernenburg

1 Atendei, agora. A dura repreensão no cap. 4:13 se dirige àqueles que buscam riquezas sem considerar o plano de Deus para sua vida. Tiago reprova aqueles que alcançaram seu objetivo material e enriqueceram. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 7, p. 586.

3 Testemunho. Essa ferrugem que indica que as posses não foram usadas será uma evidência clara contra os “ricos” no dia do juízo. O dinheiro que possuíam foi acumulado com egoísmo, quando poderia ter sido usado no serviço de Deus e para o próximo. A destruição de seus tesouros prevê sua condenação iminente. Homens do AT tinham o costume de deixar seu dinheiro num lugar secreto que consideravam seguro (Is 45:3), pois não havia bancos para se depositarem fundos particulares. CBASD, vol. 7, p. 587.

5 Vivido regaladamente. Do gr. truphaõ, “ter uma vida tranquila e luxuosa”. As riquezas acumuladas à custa do pobre são gastas na busca do prazer. CBASD, vol. 7, p. 588.

Resistência. Do gr. antitassõ, “opor-sé”, “oferecer resistência”. O testemunho desses justos “condenados” e maltratados se levantará em terrível condenação de todos os opressores no dia do juízo. Os justos oprimidos não podem resistir à tirania dos ricos nesta vida, e terão justiça somente quando Deus Se levantar para vingar a causa deles. Então, lhes será feita justiça: eles serão recompensados, e os opressores ímpios, destruídos (v. 3 , 5). CBASD, vol. 7, p. 588.


Uns dos outros. Depois de exortar seus leitores a serem pacientes para suportar as injustiças dos ricos opressores (v. 7), o apóstolo os exorta a serem pacientes uns com os outros. Cristãos que enfrentam com destemor as mais severas injustiças às vezes se tornam impacientes com problemas menores dentro da igreja. Os cristãos precisam do encorajamento de seus irmãos de fé ao enfrentarem aflições. CBASD, vol. 7, p. 589.


11 Perseveram. A fidelidade constante em meio aos problemas (Tg 1:3) revela lealdade completa a Deus e se torna um requisito para a vida eterna (Mt 10:22; 24:13). Quando os membros da igreja passam por dificuldades, podem reclamar as mesmas bem-aventuranças. CBASD, vol. 7, p. 590.


12 Sim sim. Quando as palavras de uma pessoa se provam verdadeiras por meio de seus atos, ela não terá a necessidade de reforçá-las com um juramento.  CBASD, vol. 7, p. 590.


15 Oração da fé. A falta de fé é um obstáculo para a cura (Mc 6:5), assim como para a salvação (Ef 2:8). A pessoa que possui fé confia na sabedoria e no amor de Deus e busca se identificar com Seu desígnio e cumpri-lo. Por isso, a oração da fé é a oferecida pela pessoa que se destaca por sua fé. CBASD, vol. 7, p. 591.

16 Confessai. O primeiro requisito da fé sincera na oração é a consciência limpa. As faltas cometidas em segredo devem ser confessadas a Deus. Pecados que envolvam outras pessoas devem ser confessados também aos que sofreram dano. Uma consciência culpada é uma barreira à fidelidade completa a Deus e um entrave à oração. CBASD, vol. 7, p. 592.

19 Meus irmãos, se algum. Tiago conclui sua epístola de advertência e instrução, demonstrando seu interesse solícito pela salvação de cada um dos leitores. A nota dominante da epístola de Tiago é a preocupação com o bem-estar eterno de seus amados irmãos. CBASD, vol. 7, p. 593.


20 Cobrirá. Do gr. kalu-ptõ, “cobrir”, “velar” (SI 32:1; IPe 4:8). Quando a pessoa se converte, é como se seus pecados fossem lançados “nas profundezas do mar” (Mq 7:19). Tiago conclui sua majestosa exortação a seus irmãos de fé com a tônica do NT: o resgate do ser humano de seus pecados e sua restauração à estatura plena de Jesus Cristo. CBASD, vol. 7, p. 594.



II Timóteo 1 by Jeferson Quimelli
17 de maio de 2015, 22:22
Filed under: amor, Cartas de Paulo, graça, poder de Deus, testemunho | Tags: , ,

Comentário devocional:

Esta é a última epístola do apóstolo Paulo, escrita enquanto estava na conhecida Prisão Mamertina de Roma, aguardando sua execução. Como você agiria em tal situação? Paulo responde no verso 3, dizendo: “Dou graças a Deus, a quem sirvo com a consciência limpa…” (NVI).

Faço uma pausa e me pergunto: se eu estivesse na mesma situação de Paulo, poderia dizer a mesma coisa? Louvo a Deus em todas as situações pelas quais passo, mesmo através de provações? Bem, eu não posso realmente saber porque não passei ainda por todas as provações que podem cruzar meu caminho – nem você. Passaremos por dificuldades até o dia em que dormiremos no pó ou veremos Jesus vindo nas nuvens. O que eu sei é que para as provas de hoje Deus já garantiu a você e a mim: “Minha graça é suficiente para você …” (2Co 12:9, NVI).

A graça de Deus é a chave para nos ajudar no presente e no que está por vir no futuro, independentemente das nossas circunstâncias. Alcançando-nos quando estamos no nosso ponto mais baixo, Seu poder fará o seu trabalho perfeito, transformando-nos à Sua imagem. Assim, Paulo podia dizer: “Por isso, por amor de Cristo, regozijo-me nas fraquezas, nos insultos, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias. Pois, quando sou fraco é que sou forte” (2Co 12:10, NVI).

O evangelho não produz fraqueza espiritual: “Pois Deus não nos deu espírito de covardia, mas de poder, de amor e de equilíbrio (v. 7, NVI). O rei Davi entendeu este conceito de “nada temer” quando ele escreveu Sl 27:1: “O Senhor é a minha luz e a minha salvação; de quem terei temor? O Senhor é o meu forte refúgio; de quem terei medo?” A resposta, claro, é: ninguém!

Deus nos chamou para sermos santos, permanecer fortes Nele. Ele nos deu todas as ferramentas e recursos que nos capacita ao poder, ao amor e a uma mente sã. Para descrever essa potência Paulo usa a palavra grega dunamis – da qual vem a palavra dinamite. Este poder explosivo deve ser unido com o amor – o amor de Deus. A combinação do poder divino e o amor devem ser guiados por uma mente – a mente de Cristo, tal como descrito em Filipenses 2.

Colocado em movimento desde os “tempos eternos” este triplo poder da graça – o poder e amor divino e a mente de Cristo -, é concedidos a nós através do Espírito Santo. É esse “pacote da graça” o responsável pela transformação de Paulo. Vejam que “não há limite para a utilidade e influência de alguém que consagre a sua vontade à vontade de Deus” (BC Vol 7 p. 331). Paulo descobriu esta verdade emocionante; Timóteo também. E nós? Descobrimos?

Jim Ayer
Vice-Presidente da Rádio Mundial Adventista
Conferência Geral, EUA



Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/2ti/1/
Traduzido por JAQ/GASQ
Texto bíblico: II Timóteo 1 
Comentários em áudio



I Timóteo 6 by Jeferson Quimelli
16 de maio de 2015, 1:00
Filed under: dinheiro, relacionamento, testemunho | Tags: ,

Comentário devocional:

A maioria de nós não vive em uma sociedade de senhores e escravos. Então como podemos aplicar o conselho dos versos 1-5? Bem, nós vivemos em uma sociedade de empregador e empregado, de professor e aluno, de ricos e pobres, de marido e mulher, pais e filhos. Como posso me relacionar com meu empregador ou com quem trabalha para mim, assim como todas as outras pessoas com quem estou em contato diariamente? Um cristão não deve ser hostil a um empregador ou supervisor ou membro da família, mas sim, provar que vive como Jesus, mesmo através dos aborrecimentos da vida diária.

Os versos 6-10 podem ser a antítese do “evangelho da prosperidade.” Nós todos conhecemos as palavras, “o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males” (v. 10, NVI). Aceitemos esta verdade e aprendamos a gerenciar nossa renda de acordo com ela. Coloquemos Deus em primeiro lugar em nossas vidas, busquemos o Seu conselho e direção e todas as coisas ocorrerão de acordo com a Sua santa vontade.

Nos versos 11-16, Paulo se dirige diretamente a Timóteo, e faríamos bem em aplicar a nossas vidas: “Você, porém, homem de Deus” (v. 11). “Homem de Deus”, que título! Quem merece tal nome? “Mas tu, ó mulher de Deus.” “Tu, ó Juventude de Deus” – “fuja de tudo isso [cobiça] e busque a justiça, a piedade, a fé, o amor, a perseverança e a mansidão … até a manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo” (vs 11, 14, NVI). Este é o objetivo do Senhor para cada um de nós. Esta é em grande parte a nossa maneira de testemunhar ao mundo.

Lembro-me de visitar uma pessoa que trabalhava em um escritório onde Mable, uma de nossos membros da igreja também trabalhava. A pessoa disse: “Mable é a melhor cristã que eu já conheci.” As circunstâncias da vida de Mable tornavam difícil para ela estar presente todos os sábados. Apesar de irregular em sua presença aos cultos, ela mostrava Cristo brilhando de dentro para fora, influenciando aqueles com quem ela trabalhava, assim como seu marido incrédulo.

Ser fiel a Cristo e Sua doutrina é a mensagem desta carta a Timóteo, e o tema de Reavivamento e Reforma.

Como o meu amor por Jesus cresceu nestes últimos dois anos? Pode o Mundo ver Jesus em mim?

David Manzano
Pastor aposentado
Collegedale, TN USA
Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/1ti/6/
Traduzido por JAQ/GASQ
Texto bíblico: I Timóteo 6 
Comentários em áudio 



O uso do véu, corte e pintura do cabelo – 1Co 11:3-15 by Jeferson Quimelli
25 de março de 2015, 21:17
Filed under: bom senso, discernimento, imoralidade, testemunho | Tags: , , ,

Na cidade de Corinto, uma mulher que cortasse o cabelo ou deixasse de usar o véu estava dizendo perante a sociedade que não mais estava sob a responsabilidade do marido, pai ou irmão mais velho e que, dali em diante, se tornara uma prostituta. Assim, para que as irmãs não fossem confundidas com as prostitutas e o testemunho delas se tornasse uma pedra de tropeço para a pregação do evangelho, Paulo pediu a elas que acatassem àquele costume da cidade de Corinto. Seria horrível para a igreja cristã se as irmãs fossem rotuladas por aquela cultura como sendo prostitutas. Já nos dias do Antigo Testamento, uma mulher prostitua foi identificada por encobrir o rosto com um véu (Gênesis 38:15). Percebeu o fator cultural?

O mesmo se dava em relação aos homens: em Corinto, todo aquele que deixasse o cabelo crescer era considerado homossexual. Já na época de Jesus (e do Antigo Testamento), o homem usava cabelo comprido normalmente. Era em Corinto que havia tal preconceito.

Assim, podemos ver que o assunto da calça comprida e do corte de cabelo não são princípios, mas questões culturais. Há na Bíblia costumes, que podem variar com o tempo por que foram dados apenas para um povo, de forma local. Existem também princípios, que são eternos, por terem sido transmitidos a todos e não a um povo específico. Nisto se enquadra o Sábado como dia de adoração e culto. Sendo que esse mandamento consta no Decálogo e que foi ordenado a todas as pessoas, não apenas para os judeus (ver Gênesis 2:1-3, Isaías 56:1-7, Marcos 2:28, etc.), deve ser observado para sempre em memorial ao Deus Criador. É importante diferenciarmos na Bíblia um PRINCÍPIO de um COSTUME.

Infelizmente, muitos se apegam a um costume cultural e deixam de lado um princípio universal e moral como o Sábado do Criador.

É lícito e correto o cristão se vestir decentemente e com modéstia (1 Timóteo 2:9), pois inclusive em nosso modo de vestir podemos refletir o caráter de Jesus. Porém, isto não significa que devamos ser desleixados com nossa aparência ou com o corpo, pois isso desagrada a Deus. Aqui podemos tratar do pintar o cabelo. Se a pessoa o faz por uma necessidade, para corrigir um problema ocasionado pelo pecado (Deus não criou o ser humano para envelhecer) qual o problema nisto? O errado seria pintar o cabelo com cores chamativas, que não levam a atenção dos outros para Deus.

Sendo que o corpo é o “templo do Espírito Santo” (1 Coríntios 3:16-17, 6:19-20) e o cabelo faz parte dele, também deve ser cuidado. Entretanto, tal questão (de cortar ou não o cabelo) deve ser analisada por cada um, individualmente, respeitando a opinião daqueles que pensam diferente. Também nesse tipo de atitude nosso cristianismo é manifesto.

Leandro Quadros

http://novotempo.com/namiradaverdade/calca-comprida-corte-e-pintura-do-cabelo-deut-225-e-1-cor-113-15/



Romanos 14 – Comentários Pr. Heber by Jeferson Quimelli
12 de março de 2015, 22:37
Filed under: testemunho, unidade, Vida Cristã

Se queremos reavivamento e reforma espirituais mesmo em nossa vida individual, familiar e eclesiástica, precisamos começar a interessar-nos por teologia e corrigir nossos conceitos equivocados. Atitudes erradas (práticas) no cristianismo surgem de posturas erradas em relação a Deus (teologia).

Cuidado com religião “pode-e-não-pode”. Pode comer carne sacrificada a ídolos vendida no mercado e/ou praticar festas judaicas?

Sobre estes pontos havia liberais e conservadores. Sempre existiram tolerantes e intolerantes, que julgam seu ponto de vista como melhor, criticando aqueles dos quais divergem. Entretanto, o cristão não se ocupa “com acusações mútuas e destrutivas […]. O cristão autêntico fará tudo para não prejudicar um irmão a favor de quem Cristo morreu” (Siegfried Schwantes).

Note que…

1. O cristão, movido pelo amor, deve tratar com cortesia, gentileza e bondade os de opiniões fortes, mas fracos na fé (v. 1);

2. Ninguém deve impor sua opinião sobre a convicção de ninguém, nem criticar aquele que desconhece o que você conhece; deixe com Deus os casos indefinidos biblicamente (vs. 2-4);

3. Em questões secundárias, de meras opiniões, deixe Deus ser Senhor; Ele nos liberta “das pequenas tiranias de cada um” (vs. 5-9, AM);

4. Não critique outros por terem opiniões divergentes sobre assuntos periféricos. “Além do mais, o que você vai ganhar ao criticar um irmão? E quando você é intolerante com uma irmã? Preciso dizer que isso faz você parecer um todo – ou algo pior”. Cada um cuide da própria vida (vs. 10-12);

5. Antes de criticar, saiba que o cristianismo verdadeiro revela amor e mostra o valor elevado do reino de Deus. “Não comam, não façam ou falem nada que interfira na livre troca de amor cristão” (vs. 13-23).

A questão principal não é dias sagrados e comidas, mas relacionamento. “Recebam de braços abertos…”. “Não atropelem…”. “Tratem-nos com gentileza” (v. 1). “Parem de preocupar indevidamente com os outros” (v. 12). “Assim estaremos empregando nosso esforço na boa convivência fraterna” (v. 19).

“Nosso viver é um excelente reflexo do valor real de nossa teologia” (Larry Hurtado). “Muito mais importante que comida e bebida é justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo” (Schwantes).

Filipe Schaff propôs:

• Em questões fundamentais, unidade.
• Em questões secundárias, liberdade.
• Em todas as demais questões, caridade.

Tome medidas cristãs em cada situação! – Heber Toth Armí.

https://www.facebook.com/ReavivadosPorSuaPalavra



Atos 28 – Comentários selecionados by Jeferson Quimelli
26 de fevereiro de 2015, 0:00
Filed under: Evangelho, evangelismo, influência, testemunho | Tags: , , ,

1 Malta. Conhecida por Melita pelos gregos e romanos. Fazia parte da província da Sicília, estando localizada 92 km ao sul dessa grande ilha. Bíblia de Estudo NVI Vida.

2 bárbaros (ARA; NVI: habitantes da ilha). Do gr. barbaroi, palavra originada de uma onomatopéia, aplicada a povos cujo idioma soava como grunhidos rudes aos ouvidos gregos e romanos (ver com. de Rm 1:14). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 6, p. 499.

Os gregos davam esse nome a todos os povos que não falavam o grego. Longe de ser membros de tribos sem civilização, eram de antecedência fenícia e falavam um dialeto fenício, mas também tinham sido totalmente romanizados.

A ilha de Malta era governada por romanos desde a Segunda Guerra Púnica (ver vol. 5, p. 13).  CBASD, vol. 6, p. 499.

Singular humanidade. Ou seja, com uma humanidade ou gentileza “fora do comum” (ver At 19:11), texto em que a mesma expressão grega é traduzida por “extraordinários”. CBASD, vol. 6, p. 499.

estava chovendo e fazia frio. Era fim de outubro ou início de novembro [início do inverno no hemisfério norte]. Bíblia de Estudo NVI Vida.

3-5 uma víbora prendeu-se-lhe á mão. Por terem sangue frio, as cobras podem tornar-se rígidas e sem movimento no clima frio, e Paulo deve ter pego a serpente junto com os gravetos. Alguns sugerem que a serpente não era venenosa, mas a palavra grega traduzida por “víbora” no v. 4, é usada para designar animais perigosos e cobras venenosas, e há pouca razão para duvidar da identificação dos ilhéus da cobra como sendo venenosa. Bíblia de Genebra.

5 sacudindo. Paulo permaneceu calmo e sereno diante desse novo perigo. Deus não prometera que ele compareceria perante César? CBASD, vol. 6, p. 500.

6 nenhum mal. Assim foi cumprida a promessa de Cristo em Lc 10.19. Bíblia Shedd.

mudando de parecer, diziam ser ele era um deus. Correspondente à tentativa dos habitantes de Listra de adorar a Paulo e a Barnabé (14.11-18). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Os pagãos na antiguidade atribuíam divindade aos homens com a maior facilidade, muito contrário aos judeus. Bíblia Shedd.

mudando de parecer. Existe alguma ironia na reavaliação que os ilhéus fizeram do caráter de Paulo – de um assassino destinado à morte para o de um deus. Isto relembra os eventos de Listra, onde primeiro o povo aclamou Paulo e Barnabé como deuses e, então, apedrejaram Paulo quase até à morte (14.11-20). Bíblia de Genebra.

7 homem principal. Do gr. protos, “primeiro”, isto é, líder. CBASD, vol. 6, p. 500.

A arqueologia confirma que este era o título oficial do governador de Malta. Bíblia Shedd.

11 Passados três meses. Isto é, depois que a temporada de tempestades passou e voltou a ser seguro seguir viagem. CBASD, vol. 6, p. 500.

Foram obrigados a permanecer ali até o início da estação, em fins de fevereiro ou início de março. Bíblia de Estudo NVI Vida.

navio alexandrino. Provavelmente, outro navio com grãos egípcios (cf. At 27:6, 38). CBASD, vol. 6, p. 500.

emblema. Uma provável referência à figura de proa no navio, abaixo do gurupés. CBASD, vol. 6, p. 500.

Dióscuros. Do gr. Dioskouroi, literalmente, os “gêmeos”, os lendários filhos de Júpiter [Zeus, para os gregos] e Leda. Os nomes latinos dos dois eram Castor e Pólux, chamados de Gemini. CBASD, vol. 6, p. 500.

Algumas traduções [como a NVI] tem Castor e Polux, adorados como protetores dos marinheiros. Bíblia Shedd.

De sua experiência recente (27:1-44), Lucas conhece muito bem a identidade do Guardião real dos navegantes. Andrews Study Bible.

12 Siracusa. A principal cidade [e porto] da Sicília, na costa sudeste da ilha. No passado, fora uma colônia grega e cenário de um grande desastre naval ateniense durante a guerra do Peloponeso. É provável que o grupo tenha passado três dias ali à espera de ventos favoráveis. CBASD, vol. 6, p. 500.

13 bordejando. Do gr. perierchomai, literalmente , “ir em volta”, “fazer um circuito”; neste caso, uma provável manobra em zigue-zague, a fim de progredir em face de ventos desfavoráveis. CBASD, vol. 6, p. 500.

vento sul. Era possível singrar para o norte, em vez de fazer movimentos de ziguezague, como fora necessário de Siracusa até Régio. CBASD, vol. 6, p. 500.

Putéoli. Atual Pozzuoli, a quase 320 km de Régio. Estava situada na parte norte da baía de Nápoles, sendo o porto principal de Roma, embora dela distasse 120 km. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Já existia igreja ali. Bíblia Shedd.

15 Tendo ali os irmãos ouvido notícias nossas. Paulo escrevera sua carta à Igreja de Roma uns três anos antes. Conhecidos e convertidos de Paulo também chegaram antes dele (Rm 16). Bíblia Shedd.

A semana de intervalo em Putéoli dera tempo para que a notícia da chegada de Paulo passasse ao conhecimento dos cristãos em Roma. A capital estava em constante comunicação com Putéoli, por causa de seu porto. A chegada de navios era relatada prontamente, com informações tanto da carga quanto da lista de passageiros. CBASD, vol. 6, p. 501.

A Praça de Ápio (Apii Forum) estava a 65 km de Roma e Três Vendas [Pousadas, Tabernas] a 48 km. Paulo muito apreciou o apoio e amizade dos cristãos, assim como nós também deveríamos apreciar. Andrews Study Bible.

Deu origem ao nome da famosa Via Ápia, que levava de Roma a Brindisi. … Ali uma delegação de Roma aguardava Paulo. CBASD, vol. 6, p. 501.

dandograças a Deus. Todos os cristãos que já passaram por experiências de provação se identificam prontamente com a gratidão de Paulo pela viagem segura. CBASD, vol. 6, p. 501.

sentiu-se mais animado. Paulo era hábil em encontrar motivos para ter grande esperança em meio às circunstâncias mais desanimadoras (ver 2 Co 4:7-10; AA, 449). Era um cristão otimista, convicto e inabalável. CBASD, vol. 6, p. 501.

16 Uma vez em Roma. O leitor do último capítulo de Atos fica com o ávido desejo de que houvesse um relato mais completo da experiência de Paulo e m Roma. Talvez Lucas tivesse a intenção de acrescentar mais detalhes ou de começar um novo livro com a chegada de Paulo à cidade. CBASD, vol. 6, p. 501.

Um dos motivos principais de Lucas é historiar o avanço do evangelho desde Jerusalém até os “confins da terra” (1.8) que seria Roma, uma vez que lá havia representantes de todo o mundo. Bíblia Shedd.

morar por conta própria. “…na casa que havia alugado”. Não cometera nenhum crime flagrante, não sendo rival político perigoso. Por isso, foi-lhe permitido ter moradia própria, sempre, porém, com um guarda a acompanhá-lo (Ef 6.20; Fp 1.13, 14, 17; Cl 4.3, 18; Fm 10.13). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Sem dúvida, consideração demonstrada no tocante à moradia de Paulo se deveu, em parte, ao centurião Júlio, que ainda estava com a custódia do apóstolo quando este chegou a Roma. Paulo fora responsável, em grande parte, pelo sucesso da parada de emergência em Malta, junto com outras evidências de seu caráter nobre, sabedoria assinalada e poder espiritual, isso lhe conquistara o favor e a gratidão do centurião. Sem dúvida, tudo foi incluído no relatório a seu respeito, junto com a declaração enviada por Festo. CBASD, vol. 6, p. 502.

Note que Paulo está preso por cadeias. Andrews Study Bible.

que o guardava. O soldado ficaria acorrentado a Paulo (ver verso 20), com o grilhão indo de um dos pulsos do guarda até um pulso do apóstolo. O apóstolo faz alusões frequentes a estas cadeias nas epístolas escritas durante o período em que ficou preso em Roma (Ef 6:20; Fp 1:7, 13, 14, 16; Cl 4:3, cf. At 28:20). Qual deve ter sido o efeito, sobre um soldado pagão, de ficar acorrentado, hora após hora, ao apóstolo Paulo? Qual seria o efeito sobre um pagão que ficasse acorrentado, desta mesma maneira, a um de nós? À medida que os guardas eram trocados, os efeitos da vida de Paulo sobre eles durante os dois anos de prisão devem ter se difundido amplamente por toda a corporação (ver com. de Fp 1:13). CBASD, vol. 6, p. 502.

17 os principais [NVI: líderes] dos judeus. O decreto do imperador Cláudio (ver 18.2) [anterior a Nero] tinha caído em desuso, e os judeus tinham voltado a Roma com os líderes deles. Bíblia de Estudo NVI Vida.

A regra de Paulo sempre fora “primeiro do judeu e também do grego” (Rm 1:16; 2:9; cf. At 13:5, 14, 46; 17:1, 2, 10; 18:4; etc). Então, ele convidou os anciãos dos judeus a ouvirem um relato direto sobre como ele fora parar em Roma. CBASD, vol. 6, p. 502.

irmãos. Epíteto [qualificação] que reconhecia o sangue judaico que Paulo tinha em comum com eles [os judeus]. Bíblia de Estudo NVI Vida.

18 quiseram [os romanos] soltar-me. Ou, “colocar-me em liberdade” (comparar com At 25:25; 26:32). Se o corrupto governador Félix houvesse recebido suborno como esperava, sem dúvida teria libertado Paulo (At 24:26). Todos os oficiais perante os quais o apóstolo comparecera tinham certeza de sua inocência, assim como os tribunos da guarda. CBASD, vol. 6, p. 502.

19 nada de que acusar. Paulo amava o povo judeu (ver Rm 9:1-3; 10:1) e o afeto que sentia por seus compatriotas não diminuíra depois de sofrer nas mãos deles. A despeito da injustiça que enfrentava, Paulo não os culpava. CBASD, vol. 6, p. 504.

Paulo quer que fique bem claro que não apelara para César com a intenção de acusar os dirigente da nação judaica. Bíblia Shedd.

20 esperança de Israel. Isto é, a expectativa da vinda do Messias. Paulo cria que Jesus fora o cumprimento completo desta expectativa. Sua fé era a mesma de todos os judeus. O único e grande problema era a aplicação desta fé a Jesus, o nazareno. CBASD, vol. 6, p. 504.

é pela esperança de Israel que estou preso com esta cadeia. Na verdade, fora sua firme crença no judaísmo que o levara a ser preso. Ele preferia sofrer com as cadeias e até a morte a desistir da esperança de Israel. CBASD, vol. 6, p. 504.

21 Nós não recebemos nenhuma carta. Isto não era estranho. Seria improvável que um navio partindo de Cesareia, depois de Paulo apelar a César, chegasse a Roma antes dele. Logo, a mente daqueles judeus não se encontrava cheia de preconceito contra ele. Lucas não dá indícios da chegada de qualquer carta de Jerusalém contra o apóstolo durante os dois anos (v. 30) que ele passou em Roma, nem de providências que os líderes judeus tenham tomado contra ele (cf. AA, 453). CBASD, vol. 6, p. 504.

22 queremos ouviro que você pensa. Os judeus de Roma estavam bem conscientes da controvérsia em torno de Jesus ser ou não o Messias. Queriam ouvir do próprio Paulo, e ele estava bem disposto a fazer sua exposição antes que chegassem as ideias adversas dos líderes judaicos de Jerusalém. Bíblia de Estudo NVI Vida.

a respeito desta seita. Cf 24.5. O cristianismo já chegara em Roma (talvez levado pelos romanos presentes no Dia de Pentecostes, 2.10). A expulsão dos judeus por Cláudio (cf 18.1n) tornou os judeus ignorantes do evangelho de Cristo. É igualmente possível que os líderes não quiseram admitir quanto sabiam de Cristo esperando uma exposição de doutrina pelo grande Paulo. Bíblia Shedd.

por toda a parte, é ela impugnada. Entre os judeus devia haver muitos relatos nada lisonjeiros sobre os cristãos. Tácito escreveu os maiores disparates sobre a nova seita (Annals, xv.44), e Suetônio (Nero, xvi.2) é igualmente condenador. Justino Mártir (morte c. 165 d.C.) falou de calúnias contra os cristãos, provindas, com certeza, de fontes judaicas (Diálogo com Trifo, 17). CBASD, vol. 6, p. 504.

23-29 O segundo encontro, no qual Paulo apresenta e debate sobre Jesus, “desde a manhã até a tarde” (v. 23 NVI). A cena é uma conclusão apropriada para Atos ao ilustrar a estratégia evangelística consistente de Paulo (“primeiro aos judeus e depois aos gregos”; Rm 1:16), sua mensagem consistente (Jesus como Messias e Salvador; ver At 9:22), e a resposta usual (mista; 28:24). Paulo cita Is 6:9-10 (comparar com Mt 13:14-15). Como antes (At 22:21-22), a menção à salvação dos gentios interrompe o encontro (vv 28-29). Andrews Study Bible.

23 fez uma exposição. Embora preso, Paulo ainda assim conseguiu pregar o evangelho aos ouvintes judeus. Ele deve ter feito uma apresentação teológica bem pensada, comparável à de Estêvão (At 7:2-53) e ao sermão que ele próprio pregara em Antioquia da Pisídia (At 13:14-41). CBASD, vol. 6, p. 504.

testemunho. Ele testemunhou da esperança messiânica, então personificada em Jesus, e da certeza do retorno de Cristo. CBASD, vol. 6, p. 504.

reino de Deus Jesus. A esperança sobre o Reino se baseou na vida do messias conquistador. Através das profecias do AT Paulo tenta corrigir o conceito errado e persuadi-los que Jesus é o verdadeiro alvo da esperança dos judeus. Bíblia Shedd.

Lei de Moisés e nos Profetas. O Antigo Testamento (ver Lv 24.17, 44). Bíblia de Estudo NVI Vida.

24 algunsficaram persuadidos. Reação costumeira à pregação de Paulo (ver At 14:4; 17:4; 19:9). Na verdade, esta é a experiência de todo evangelista cristão. Ciente de que a consciência de cada ser humano é livre, ele deve dar graças a Deus pelos que creem e nunca se desanimar pelo fato de alguns não crerem. CBASD, vol. 6, p. 504.

25 bem falou o Espírito Santo a vossos pais. Paulo reconhece plenamente a inspiração dos autores humanos das Escrituras, neste caso Isaías. Bíblia Shedd.

26, 27 Esta citação de Is 6.9, 10, utilizada contra os judeus por Jesus (Mt 13.13ss e paralelos; Rm 11.8; Jo 12.39, 40) é frequente. Confirma que a rejeição de Cristo por Israel cumpre as profecias. Bíblia Shedd.

28 esta salvação de Deus é enviada ao gentios. O pensamento principal de Atos. O evangelho é para todos. Bíblia de Estudo NVI Vida.

E eles a ouvirão. Paulo se dirige, em particular, aos judeus que se recusaram a ouvir (ver com. dos v. 24-26). Quando os judeus recusavam a mensagem desta forma, Paulo se voltava para os gentios. CBASD, vol. 6, p. 505.

É notável o fato de que a partir desta data os cristãos se preocuparam muito pouco com a evangelização dos judeus até os nossos dias. Bíblia Shedd.

30 dois anos inteiros. O mesmo termo técnico usado em 24.27. Paulo foi detido pelo período máximo legal, o que sugere que seu caso não foi ouvido pelo tribunal de César (talvez por falta de acusadores). Fm 22 revela a esperança que Paulo alimentava de logo ser liberto. Bíblia Shedd.

Parece que Lucas não foi guiado pelo Espírito ou pela própria inclinação a registrar os acontecimentos desses dois anos. Talvez ele planejasse escrever uma terceira obra para complementar Lucas e Atos. A única informação sobre esses dois anos vem das quatro epístolas do cárcere, as quais devem ter sido escritas em Roma nesse período: Efésios, Filipenses, Colossenses e Filemom. Sabemos que o apóstolo sentiu o preço da prisão, tanto psicológica quanto fisicamente (Ef 3:1; 4:1; Fp. 1:16; Cl 4:18; Fm 1:9, 10). Ele se preocupava com o resultado de seu julgamento (Fp 2:23, 24). Sabemos que Lucas e Aristarco (At 27:2) estavam com ele, assim como Tíquico (Ef 6:21), que levou a epístola a Éfeso e a Timóteo, cujo nome é citado junto com o do apóstolo nas cartas, a Filipos (Fp 1:1), Colossos (Cl 1:1) e ao convertido senhor de escravos, Filemom (Fm 1). Epafrodito levou auxílio a Paulo, de Filipos (Fp 4:18). Onésimo, que fugira de seu senhor Filemom, fizera amizade com o apóstolo enquanto estava em Roma (Cl 4:9; Fm 10). Marcos, parente de Barnabé, e o converso Jesus, conhecido por Justo, além de Epafras de Colosso, também estavam com ele (Cl 4:10-12). Demas também estava lá (Cl 4:14; cf. 2 Tm 4:10). Embora fosse prisioneiro, o testemunho de Paulo foi tão eficaz durante esses anos que, no fim de seu encarceramento, pôde declarar: “as coisas que me aconteceram têm, antes, contribuído para o progresso do evangelho” (Fp 1:12). CBASD, vol. 6, p. 505.

sua própria casa, que alugara. Deve ter chegado apoio financeiro dos amigos de Roma e de outros lugares, em especial de Filipos (Fp 4:18), uma vez que Paulo não podia mais trabalhar manualmente para custear suas despesas pessoais. CBASD, vol. 6, p. 505.

recebia todos. Paulo desfrutava liberdade de comunicação. CBASD, vol. 6, p. 505.

31 sem impedimento algum. Nem imperador, tribuno ou guarda, nem judeu proibiram Paulo de proclamar o evangelho. O evangelista estava preso, mas a mensagem do evangelho, não. CBASD, vol. 6, p. 505, 506.

referentes ao Senhor Jesus Cristo. Este era o centro e o tema das conversas de Paulo. Este é o encerramento da história bíblica da igreja apostólica. Caso Lucas tenha escrito mais um relato, ele não se encontra mais disponível. Durante os anos que se seguiram à libertação de Paulo e em seu segundo período encarcerado, só encontramos pistas nas chamadas epístolas pastorais (1 Timóteo, 2 Timóteo e Tito) e na tradição da igreja apostólica (ver também p. 88-90, 94, 95). CBASD, vol. 6, p. 506.

Paulo serviu ao Senhor (v. 31) enquanto esperou que seus acusadores levassem adiante o processo em Roma. Há vários indícios de que foi solto desse encarceramento: 1. Atos cessa abruptamente nessa ocasião. 2. Paulo escrevia às igrejas na expectativa de visitá-las em breve, de modo que deve ter previsto sua soltura (v Fp 2.24; Fm 22). 3. Vários pormenores das epístolas pastorais não se encaixam no contexto histórico de Atos. Depois do encerramento desse livro, esses pormenores mostram uma volta à Ásia Menos, a Creta e à Grécia. 4. Reza a tradição que Paulo foi até à Espanha. mesmo que não tenha ido, a própria existência da tradição faz supor um período em que possa ter feito essa viagem. Bíblia de Estudo NVI Vida.

30-31 Atos se encerra triunfantemente. Paulo havia expresso seu desejo, “Eu devo ver Roma” (19:21; Rm 15:23). O caminho foi difícil, mas Deus respondeu às orações de Paulo de ministrar em Roma. apesar de preso, Paulo, no coração do império romano, “ensinava a respeito do Senhor Jesus Cristo, abertamente e sem impedimento algum” (v. 31 NVI). O evangelho havia penetrado no centro do mundo. Dali, ele se espalharia para todo o mundo. Andrews Study Bible.

De 60 a 62 d.C., Paulo esteve sob prisão domiciliar pregando e ensinando a qualquer um que quisesse ouvir. Seu assunto pode ser resumido como o reino de Deus e Jesus cristo. No final de Atos, Paulo ainda não tinha sido julgado perante Nero, como o Senhor disse que iria acontecer (27.24). Parece que Paulo esperava ser inocentado e solto (Fp 1.25; 2.24; Fm 22). Isto deve ter ocorrido antes de 64 d.C., quando Nero incendiou Roma e acusou os cristãos desse crime. Quando solto, Paulo parece ter retomado seu ministério, indo até a Grécia (Nicópolis, Tt 3.12; Tessalônica, 2Tm 4.10), Grécia (Tt 1.5) e Ásia Menor (Éfeso, 2Tm 1.18; 4.12; Trôade, 2Tm 4.13; Mileto, 2Tm 4.20). Possivelmente ele foi até a Espanha (Rm 15.23-24, 28), como o escrito do século I de Clemente parece indicar. Em cerca de 67 d.C., Paulo foi preso novamente por Nero e executado. Em 2Tm 4.6-8, Paulo prevê o fim de sua vida. Bíblia de Genebra.



Atos 26 by Jeferson Quimelli
24 de fevereiro de 2015, 1:00
Filed under: gentios, testemunho, Trabalho de Deus | Tags: , , , , ,

Comentário devocional:

Paulo nunca poderia arranjar um encontro com o governador e o rei para lhes apresentar o evangelho. Mas Deus pode qualquer coisa. O rei Agripa estava bem informado sobre todas as questões judaicas, então Paulo poderia ter falado aberta e diretamente sobre as questões jurídicas que supostamente o trouxeram a julgamento. Mas em vez disso, Paulo contou sua história de conversão desde que era um membro do Sinédrio, enviado para caçar e destruir os cristãos, até se tornar um apóstolo de Jesus, comissionado a buscar e salvar o que estava perdido.

Paulo procurou impressionar o rei e os presentes mostrando a mudança radical de um homem que uma vez estava cheio de ódio hipócrita para alguém cujos olhos se abriram ao vasto oceano do amor de Deus. Os presentes tinham ouvido falar de Jesus e de Seus seguidores, mas nunca tinha ouvido uma história que os deixasse extasiados como esta, da mudança radical na vida de um homem. Uma luz mais brilhante que o sol? Uma Voz se dirigindo a ele pelo nome? Uma ordem para alcançar os gentios, “para abrir-lhes os olhos e convertê-los das trevas para a luz, e do poder de Satanás para Deus, a fim de que recebam o perdão dos pecados e herança entre os que são santificados pela fé” em Cristo? (v. 18 NVI) Que história notável!

Então, Paulo chegou ao ápice do seu discurso. “Assim, rei Agripa, não fui desobediente à visão celestial” (v. 19 NVI), disse ele. Após receber a visão, Paulo começou a compartilhar Jesus imediatamente, onde quer que fosse. É por isso que os judeus queriam vê-lo morto. Mas tudo o que ele fez foi ajudar a cumprir aquilo que “o Cristo haveria de sofrer e, sendo o primeiro a ressuscitar dentre os mortos, proclamaria luz para o seu próprio povo e para os gentios” (v 23 NVI). Em outras palavras, Paulo não havia inventado tudo aquilo. Séculos antes Deus já tinha planejado que a história de Cristo fosse contada ao redor do mundo, para que todas as pessoas “se arrependessem e se voltassem para Deus” (v.20 NVI).

No crescente da oratória e apelo de Paulo, Festo interrompeu, provavelmente um pouco envergonhado pelo poder deste prisioneiro de dominar a atenção de todos. Paulo educadamente disse ao governador que o que estava dizendo era “verdadeiro e de bom senso” (v.25). Então, Paulo, voltando-se para o rei, fez seu último apelo: “Rei Agripa, crês nos profetas? Eu sei que sim”(v. 27 NVI). Quando o rei disse que Paulo quase o fizera um crente em Jesus, o apóstolo, com genuína paixão, articulou seu desejo de que todos dentre seus ouvintes daquele dia, se tornassem tão livres e alegres em Cristo como ele era, apesar de suas correntes.

O rei Agripa II foi o último da dinastia dos Herodes [e aparentemente não aceitou a Cristo como seu salvador pessoal]. Nunca mais um rei judeu teve a grande chance de se arrepender.

Jesus certa vez disse: “vocês serão levados à presença de governadores e reis como testemunhas a eles e aos gentios. Mas quando os prenderem, não se preocupem quanto ao que dizer, ou como dizê-lo. Naquela hora lhes será dado o que dizer, pois não serão vocês que estarão falando, mas o Espírito do Pai de vocês falará por intermédio de vocês”(Mt 10:18-20 NVI). Isto é o que aconteceu naquele dia.
Ron E. M. Clouzet
Diretor do Instituto de Evangelismo NAD
Professor do Ministério e Teologia
Seminário da Universidade Andrews

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/act/26/
Traduzido por JAQ
Texto bíblico: Atos 26 
Comentário em áudio 



Atos 25 by Jeferson Quimelli

Comentário devocional:

Este capítulo nos prepara para o próximo, quando Paulo fala a Festo, na sua primeira semana como governador. Paulo tinha sido mantido sob custódia por dois anos. Tendo Festo percebido que algo não estava certo na insistência dos judeus em querer que Paulo fosse julgado em Jerusalém, ele lhes disse que Paulo ficaria em Cesaréia, e se eles quisessem prestar queixa, eles poderiam vir até ele nesta cidade (v. 4, 5).

As acusações eram falsas, Festo percebeu isto e viu nelas o ódio veemente que os judeus tinham por Paulo. Mas tentou um acordo, perguntando a Paulo se ele estaria disposto a ser julgado pelo Sinédrio. Paulo sabia que esta seria sua sentença de morte, pois eles já haviam conspirado para matá-lo antes, quando ele estava em Jerusalém.

Então, como um cidadão romano, Paulo apelou para César. Se um cidadão romano sentisse que não estava recebendo justiça em um tribunal provincial, ele poderia apelar para que o próprio imperador ouvisse o seu caso. E Festo acatou o pedido de Paulo. Isso deve ter frustrado profundamente os inimigos de Paulo. Eles não conseguiam entender por que eles não conseguiam matar este homem. Eles falharam em Jerusalém e diante do governador anterior. Agora falharam novamente. Obviamente, Deus ainda tinha trabalho para Paulo fazer.

Quando o rei Agripa II – rei da Galiléia e da Pereia, veio apresentar seus respeitos ao novo governador, Festo lhe contou sobre o caso de Paulo.

Enviar Paulo a Roma não era tão simples: as acusações contra um cidadão romano tinham que ser acompanhadas de uma carta claramente escrita descrevendo as acusações, e Festo estava com dificuldades em acusar Paulo! Agripa tornou-se interessado em ouvir o próprio Paulo, que havia se tornado famoso por seus feitos em nome de Cristo e pelo ódio intenso que seus inimigos judeus nutriam contra ele.

Preste atenção nos contrastes! Entra em cena o rei, vestido de púrpura, e sua esposa Berenice, com toda a pompa de apresentação real e acompanhantes. Em seguida, vem Festo, vestido com a cor escarlate do governador, e a comitiva de comandantes da cidade seguem atrás dele, com suas armaduras reluzentes. Por último vem Paulo, um despretensioso seguidor de Cristo, algemado. Entretanto, toda a atenção estava dirigida para este último homem.

Ron E. M. Clouzet
Diretor do Instituto de Evangelismo NAD
Professor do Ministério e Teologia
Seminário da Universidade Andrews

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/act/25/
Traduzido por JAQ/JDS
Texto bíblico: Atos 25 
Comentário em áudio 




%d blogueiros gostam disto: