Reavivados por Sua Palavra


Tiago 5 by jquimelli

Comentário devocional:

Num futuro próximo, os cidadãos do mundo que alcançaram uma boa situação financeira por meios desonestos estarão chorando por causa dos problemas que sobrevirão a todos. Se obtivemos sucesso financeiro através de meios egoístas, nosso dinheiro e todos os bens que possuirmos se tornarão inúteis. Nossas roupas caras serão destruídas por traças e nossas preciosas moedas acumuladas se enferrujarão (vs. 1-3).

Precisamos prestar atenção à forma como tratamos os outros. Alguns nem sequer pagam um salário adequado aos seus trabalhadores. Estes clamam a Deus em desespero diante da injustiça sofrida. Deus tem ouvido seus clamores. Muitos vivemos como se não houvessem conseqüências para as escolhas que estamos fazendo. A vida é tão curta, podemos estar aqui num dia e não estarmos no próximo (vs. 4-6).

Estamos nós sofrendo? Encontramos dificuldades em cada curva da jornada da vida? Precisamos levar nossos problemas ao nosso Pai celestial (v. 13a). Ele nos dará a força necessária para seguirmos em frente através das dificuldades da vida. Por outro lado, se tudo está bem conosco, alegremo-nos pelas bênçãos e favor divinos em nossa vida (v. 13b).

Lembremo-nos que devemos confessar nossos pecados somente a Deus e admitir nossos “erros” para os outros (v. 16a). Precisamos orar uns pelos outros, e se Deus em Sua grande misericórdia escolher nos curar, Ele o fará (v. 16b). As orações sinceras e consistentes dos justos têm um poder tremendo junto ao Senhor. As orações coletivas de Seu povo em prol dos necessitados tocam o coração de Deus.

Se trazemos alguém de volta para Deus, salvamos essa pessoa da morte eterna e a conduzimos a uma vida melhor neste mundo (vs. 19, 20). Seus pecados serão lançados nas profundezas do mar para nunca mais ser revelados. A pessoa receberá a vida eterna. O lado bom de tudo isso é que o Senhor nos escolheu para desempenhar um papel em trazer um “filho pródigo” para casa, para os braços amorosos de seu Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Robin Pratt
Estados Unidos
Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/jam/5/
Traduzido por JAQ/JDS/IB
Texto bíblico: Tiago 5 
Comentário em áudio 



I Timóteo 6 by jquimelli
16 de maio de 2015, 1:00
Filed under: dinheiro, relacionamento, testemunho | Tags: ,

Comentário devocional:

A maioria de nós não vive em uma sociedade de senhores e escravos. Então como podemos aplicar o conselho dos versos 1-5? Bem, nós vivemos em uma sociedade de empregador e empregado, de professor e aluno, de ricos e pobres, de marido e mulher, pais e filhos. Como posso me relacionar com meu empregador ou com quem trabalha para mim, assim como todas as outras pessoas com quem estou em contato diariamente? Um cristão não deve ser hostil a um empregador ou supervisor ou membro da família, mas sim, provar que vive como Jesus, mesmo através dos aborrecimentos da vida diária.

Os versos 6-10 podem ser a antítese do “evangelho da prosperidade.” Nós todos conhecemos as palavras, “o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males” (v. 10, NVI). Aceitemos esta verdade e aprendamos a gerenciar nossa renda de acordo com ela. Coloquemos Deus em primeiro lugar em nossas vidas, busquemos o Seu conselho e direção e todas as coisas ocorrerão de acordo com a Sua santa vontade.

Nos versos 11-16, Paulo se dirige diretamente a Timóteo, e faríamos bem em aplicar a nossas vidas: “Você, porém, homem de Deus” (v. 11). “Homem de Deus”, que título! Quem merece tal nome? “Mas tu, ó mulher de Deus.” “Tu, ó Juventude de Deus” – “fuja de tudo isso [cobiça] e busque a justiça, a piedade, a fé, o amor, a perseverança e a mansidão … até a manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo” (vs 11, 14, NVI). Este é o objetivo do Senhor para cada um de nós. Esta é em grande parte a nossa maneira de testemunhar ao mundo.

Lembro-me de visitar uma pessoa que trabalhava em um escritório onde Mable, uma de nossos membros da igreja também trabalhava. A pessoa disse: “Mable é a melhor cristã que eu já conheci.” As circunstâncias da vida de Mable tornavam difícil para ela estar presente todos os sábados. Apesar de irregular em sua presença aos cultos, ela mostrava Cristo brilhando de dentro para fora, influenciando aqueles com quem ela trabalhava, assim como seu marido incrédulo.

Ser fiel a Cristo e Sua doutrina é a mensagem desta carta a Timóteo, e o tema de Reavivamento e Reforma.

Como o meu amor por Jesus cresceu nestes últimos dois anos? Pode o Mundo ver Jesus em mim?

David Manzano
Pastor aposentado
Collegedale, TN USA
Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/1ti/6/
Traduzido por JAQ/GASQ
Texto bíblico: I Timóteo 6 
Comentários em áudio 



II Coríntios 8 by jquimelli
7 de abril de 2015, 1:00
Filed under: bens materiais, Cartas de Paulo, dinheiro | Tags: , , , ,

Comentário devocional:

Este capítulo trata da generosidade. Agora que Paulo terminou de defender seu ministério e após confirmar os crentes de Corinto, ele os desafia a contribuir para um fundo de ajuda aos crentes pobres de Jerusalém (ver 1Co 16:1-4; Rm 15:22-23).

A situação se torna um pouco mais complicada, porque o apóstolo Paulo está longe, ministrando na Macedônia (que é agora o norte da Grécia), provavelmente nas igrejas de Bereia, Tessalônica e Filipos. Ele começa contando aos coríntios sobre a “graça de Deus” que foi dada às igrejas da Macedônia. 

A palavra no original grego traduzida por “graça” também pode ser traduzida como “privilégio” ou “agradecimento” (ver 8:4, 16). O desafio para os membros em Corinto é claro. Os coríntios não tem desculpa para não contribuir do que tinham em excedente porque os macedônios mostraram generosidade em meio a pobreza extrema (v 14). Pode ser que os crentes de Corinto não vivessem em muito melhores condições que os da Macedônia. Alguns historiadores estimam que mais de 90 por cento da população em geral do Império Romano vivia próximo ou abaixo do nível de subsistência (calorias necessárias para sobreviver).

Nos versos 7-12 Paulo elogia os coríntios pela sua fé cheia do Espírito Santo, pelo seu testemunho, conhecimento, dedicação total e amor. Ao invés de ordenar, ele procura incentivar a boa vontade deles para ajudar. Ele lhes fala que, na verdade, as contribuições aos necessitados estão muito aquém do infinito sacrifício de Jesus Cristo, “que, sendo rico, se fez pobre por amor de vocês, para que por meio de sua pobreza vocês se tornassem ricos.” (v 9 NVI).

Resumindo: o apóstolo Paulo recorda-lhes que ajudar os outros é uma questão de igualdade. Ao ajudar a outros, eles colaboravam em manter a igualdade. Apesar das desigualdades sociais, econômicas, e muitas outras que possam existir no mundo, como cristãos, temos a responsabilidade de lutar pelo ideal original de Deus de igualdade.

Na seção final (vs. 16-24) Paulo recomenda três delegados: Tito (vs 16, 23) e dois indivíduos não identificados (vs 18-19, 22-23) para coordenar o esforço de captação de recursos. Ele procede dessa maneira cuidadosa a fim de evitar que alguém os critiquem “quanto ao nosso modo de administrar essa generosa oferta” (vs. 20 NVI). 

Como membros da Igreja, temos uma responsabilidade sagrada de vigiarmos quanto à forma como nós lidamos com as finanças, em particular dentro da igreja, de modo que tudo que fizermos possa estar livre de qualquer repreensão ou suspeita.

Michael Campbell
AIIAS
Filipinas

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/2co/8/
Traduzido por JDS/JAQ
Texto bíblico: II Coríntios 8
Comentários em áudio



Atos 5 by jquimelli
3 de fevereiro de 2015, 1:00
Filed under: bens materiais, dinheiro, Espírito Santo, verdade | Tags: , , , ,

Comentário devocional:

O início deste capítulo aborda algumas questões muito importantes a respeito de nossas motivações que eu acredito que todos nós enfrentamos. Os crentes estava vendendo suas terras e trazendo o dinheiro a Pedro e João para distribuir aos necessitados. Diz o texto sagrado que “Não havia pessoas necessitadas entre eles.” (Atos 4:34 NVI). No entanto, mesmo durante este tempo de grande liberalidade na igreja, alguns retinham de forma egoísta seus bens. 

Aqui encontramos a história de Ananias e Safira, que fingindo ser também altruístas, venderam suas terras. No entanto, em vez de trazerem todo o dinheiro da venda (como se esperava), trouxeram somente parte dele. Provavelmente eles se justificavam em seus corações, dizendo: “Tudo bem se não contarmos tudo a Pedro e João; Deus sabe que o amamos. E nós usaremos esta parte que retivemos para uma boa causa.” 

Infelizmente, tenho ouvido pessoas usar raciocínio semelhante para justificar “mentiras” como essas. “Deus conhece o meu coração! Ele sabe que eu O amo. Eu estou dizendo o que escolhi dizer para sobreviver, mas está tudo bem, porque Deus me ama!” 

É interessante notar que a resposta de Pedro para a oferta parcial não foi: “Por que você mentiu para nós?” Mas em vez disso, ele disse “Você não mentiu aos homens, mas sim a Deus.” Alguém poderia perguntar: como é que se mente para Deus, se Deus tudo sabe? Contudo, se não estamos sendo honestos em nossas relações com os outros, embora isso possa parecer uma coisa pequena para nós, é realmente Deus quem estamos desonrando, porque Deus olha para os nossos motivos. 

No passado eu me preocupava muito com o que os outros pensavam de mim (e eu ainda faço às vezes!). Mas aprendi que é mais importante me preocupar com o que Deus pensa de mim. Quando faço algo para Deus, sempre me preocupo em saber se estou fazendo aquilo buscando a aprovação dos outros ou porque quero honrar a Deus. Isto é o que eu desejo. E oro por isso. Não apenas para aparecer bem diante dos outros, mas para realmente fazer o que é direito, vindo de um coração puro diante de Deus. “O homem olha para a aparência externa, mas Deus olha para o coração” (I Samuel 16: 7). Qual é a condição de seu coração hoje? 

Melody (Melodious Eco) Mason
Líder do Ministério de Oração ARME

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/act/5/
Traduzido por JAQ/JDS
Texto bíblico: Atos 5 
Comentário em áudio



Lucas 12 by jquimelli

Comentário devocional:

Era a maior multidão que havia se reunido até então. Tantas pessoas se reuniram para ver Jesus que um quase pisoteava o outro (v 1). Neste ambiente, um homem forçou caminho para chegar até Jesus com um pedido importante que, se atendido, iria lhe dar segurança financeira. Ele reclamou: “Mestre, dize a meu irmão que divida a herança comigo” (v 13 NVI).

Talvez seu irmão mais velho não quisesse lhe dar uma parte do espólio de seu falecido pai. Jesus ajudou muitas vezes aqueles que tinham sofrido injustiças dos outros. Assim, a resposta de Jesus surpreendeu a todos: “Homem, quem me designou juiz ou árbitro entre vocês?” (v 14 NVI). Por que Jesus negou assumir o papel de juiz e lhe respondeu do modo como fez? Porque Jesus não tinha sido nomeado para arbitrar os casos judiciais entre as pessoas. Ele está dizendo aqui: “Eu não sou um juiz para lidar com seu caso financeiro; Eu estou aqui para julgar o coração das pessoas”. Jesus julgou o homem pela sua ganância, não pela questão da herança entre ele e seu irmão.

E para certificar-se que a multidão entendera Seu ponto, Jesus lhes ensinou uma verdade fundamental: “Cuidado! Fiquem de sobreaviso contra todo tipo de ganância; a vida de um homem não consiste na quantidade dos seus bens” (v. 15 NVI).

Jesus conta então a história de um homem que planejava ampliar seus celeiros para armazenar suas grandes colheitas. Mas Deus lhe disse: “Insensato! Esta mesma noite a sua vida lhe será exigida. Então, quem ficará com o que você preparou?” (v 20).  Jesus então concluiu: “Assim acontece com quem guarda para si riquezas, mas não é rico para com Deus”(v 21 NVI) .

Uma vez que Deus é o Criador de tudo, Ele pode nos prover qualquer coisa que precisamos. Se realmente acreditamos nisso, iremos seguir o conselho de Jesus em Lucas 12:22-34 para buscar em primeiro lugar o reino de Deus e não nos preocuparmos com nossas necessidades físicas. Jesus diz: “Não se preocupe”, porque “o Pai sabe que vocês precisam delas” (v 30 NVI).

Jesus conclui com um chamado para que seus ouvintes vendessem suas coisas e ajudassem os pobres. O resultado será um tesouro no céu que não pode ser destruído, porque “onde estiver o seu tesouro, ali também estará o seu coração” (v 34 NVI). Em essência, Jesus está dizendo: “Aquilo que você valoriza determina o seu futuro.” Deus valoriza pessoas. Ele estava disposto a resgatá-los com Sua própria vida.

As suas posses são realmente valiosas quando elas são usadas para atender às necessidades das pessoas a quem Jesus ama.

Douglas Jacobs, D.Min.
Professor do Ministério e Homilética
School of Religion, Southern Adventist University 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/luk/12/
Traduzido por JAQ/GASQ
Texto bíblico: Lucas 12 
Comentário em áudio 



Lucas 12 – Comentários selecionados by jquimelli
27 de dezembro de 2014, 0:00
Filed under: bens materiais, crescimento espiritual, dinheiro, escolhas | Tags: ,

1 O tema do cap 12 de Lucas é a sinceridade e a devoção que caracterizariam o verdadeiro seguidos de Jesus, em contraste com a hipocrisia dos fariseus. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 876.

miríades. A palavra significa rigorosamente “dez mil”, mas é geralmente empregada para significar um grande número. Bíblia de Genebra.

Acautelai-vos. No incidente no lar do fariseu, os discípulos viram o fermento dos fariseus em ação (ver Lc 11.37-54). CBASD, vol. 5, p. 876.

fermento. A influência que corrompe. Bíblia Shedd.

5 temei. O temor reverente de Deus libera de todos os outros medos. Andrews Study Bible

tem poder para lançar no inferno. Só Deus tem este poder. A palavra traduzida “inferno” aqui é Gehena, o lugar de punição final (e não Hades, que designa o lugar de todos os mortos). Gehena deriva-se de uma palavra hebraica que significa vale de Hinom, localizado fora de Jerusalém. Bíblia de Genebra.

6 pardais. Faziam parte da alimentação do pobre. Bíblia Shedd.

8 confessar. Literalmente, “concordar com” e “reconhecer”. CBASD, vol. 5, p. 876.

11, 12 não vos preocupeis. A melhor defesa é um coração dominado pelo Espírito Santo (cf 1 Pe 3.15). Bíblia Shedd.

13 um homem. Isto é, alguém da “multidão” (ver v. 1) que aguardava Cristo na rua, fora da casa do fariseu que o hospedava (ver Lc 11:37). Este homem que se dirigiu a Jesus tinha ouvido as acusações contra os escribas e fariseus (ver Lc 11:39-52; PJ, 253) e o conselho aos discípulos sobre o comparecimento diante de magistrados (ver Lc 12:11; cf PJ, 252). Ele concluiu que se Jesus falasse com seu irmão com a mesma autoridade, ele não se atreveria a fazer diferentemente do que Jesus ordenasse. ele imaginou o evangelho do reino apenas como um meio de promover interesses egoístas (comparar com a atitude do mago Simão, em At 8:9-24). CBASD, vol. 5, p. 877.

A regra para a herança foi dada em Dt 21.17, e casos em disputa eram frequentemente resolvidos pelos rabinos. Este homem queria claramente uma decisão só a seu favor; ele não estava procurando um julgamento justo. Bíblia de Genebra.

ordena a meu irmão. Os dois irmãos eram ambiciosos; do contrário, haveria pouca possibilidade de briga entre eles. CBASD, vol. 5, p. 877.

14 juiz ou partidor. O reino que Jesus proclamou “não era deste mundo” (ver Jo 18:36). Ele não comissionou os discípulos como agentes de justiça social, importante como ela o seja, e em qualquer momento fez qualquer tentativa para agir judicialmente entre as pessoas (ver Jo 8:3-11). CBASD, vol. 5, p. 877.

15 avareza. A avareza pode ser definida como afeição indevida às coisas materiais. … A maior necessidade das pessoas não é de salário ou lucros maiores. Elas precisam de uma mudança de coração e mente que as levará a buscar primeiro o reino de Deus e Sua justiça, em plena confiança de que as necessidades da vida “serão acrescentadas” (ver com. de Mt 6:33). … O apego aos bens materiais é a raiz dos grande problemas do mundo. Ele está na base de grande parte das filosofias políticas e econômicas, sendo, assim, responsável pela maioria dos conflitos nacionais e de classes. A insatisfação com o que se possui gera o desejo de ter mair e conduz à exploração dos outros. Em vez disso, deve-se trabalhar honestamente. A avareza é a causa de muitos dos problemas mundiais insolúveis. CBASD, vol. 5, p. 877.

O tema de 12.13-34 é o contraste entre possuir e viver. … A única riqueza duradoura é possuir a Deus (v 21; Jo 17.3). Bíblia Shedd.

O pedido do homem foi induzido pelo mesmo espírito que leva empregadores a buscar mais rendimentos, a despeito dos meios pelos quais serão assegurados, e que leva trabalhadores a exigir salário crescente à revelia da contribuição deles para a produção da riqueza e da capacidade do empregador para pagá-los. … Jesus exortou a ver as coisas materiais na perspectiva correta e a subordiná-las às coisas de valore eteno (ver com. de Mt 6:24-34; Jo 6:27). Contrariamente à opinião da maioria, ter mais “coisas” não traz necessariamente mais felicidade. a felicidade depende não de “coisas”, mas da realização pessoal que inclui a relação com Deus (ver com. de Ec 2.1-11). CBASD, vol. 5, p. 877, 878.

16 uma parábola. Esta parábola, relatada apenas por Lucas, ilustra o princípio do v. 15, de que as “coisas” materiais não são o objetivo final da vida (ver também com. de Mt 19:16-22). CBASD, vol. 5, p. 878.

18 meu produto. Os pronomes possessivos revelam seu caráter: “meu frutos”, “meus celeiros”, “meus bens”, “minha alma” (cf Os 2:5). os pensamentos dele eram todos sobre si mesmo. CBASD, vol. 5, p. 878.

19 alma. A palavra grega pneuma se refere à vida de uma pessoa como um todo (Pv 10:3; At 2:41), mas às vezes se refere especificamente com a vida interna e pensamentos de alguém (Lc 10.27). Andrews Study Bible.

descansa. Ele construiu uma fortuna e estava pronto para se aposentar. Então, se entregaria ao consumo das boas coisas da vida, sem pensar mais em produção. CBASD, vol. 5, p. 878.

20 Louco (ARA. NVI: Insensato). Aquele cujo coração não é grato a Deus se torna “nulo” em seus “raciocínios”, e o “coração insensato” será “obscurecido” (ver Rm 1:21). O que é sábio aos próprios olhos torna-se louco aos olhos de Deus (ver Rm 1:22). Se ele persiste em tal procedimento, finalmente rejeita a Deus e se entrega à busca da felicidade material e do prazer físico (ver Rm 1:23-32); torna-se mais amigo dos prazeres que amigo de Deus (2Tm 3:4). CBASD, vol. 5, p. 878.

22 Por isso. A seção seguinte ensina a maneira sábia de encarar a vida em contraste com a maneia louca da parábola anterior. Bíblia Shedd.

33 Vendei os vossos bens. Aquilo que for impedimento para buscar e adentrar o reino (cf Mc 10.21-27), quando investido no bem dos necessitados e na obra remidora de Deus, torna-se uma ajuda (1 Tm 6.9, 18). Bíblia Shedd.

Alguns dos seguidores de Jesus tinham, pelo menos, riquezas moderadas (10.38, Jo 19.27), e Ele não está exigindo que todos os Seus discípulos sejam pobres. Mas eles devem ser generosos e não colocar seus corações nas posses terrenas. Bíblia de Genebra.

34 tesouro. Não ouro e jóias, mas almas redimidas e eternamente gratas. Bíblia Shedd.

35 cingido. Isto é, pronto para o serviço. Longa túnicas atrapalhavam os movimentos livres e eram mantidas acima dos joelhos com um cinto, quando necessário. Bíblia de Genebra.

Este versículo é um resumo da parábola das dez virgens. Bíblia Shedd.

37 há de cingir-Se. Esta é uma inversão de papéis, o senhor tomando o lugar do servo (cf 22.27). Bíblia de Genebra.

39 ladrão. Cf 21.34; 1 Ts 5.2; 2 Pe 3.10; Ap 3.3; 16.15. Vigiar significa guardar a fé e servir o Senhor. Bíblia Shedd.

50 batismo. Não o batismo de Jesus pelas mãos de João, que então já fazia mais de três anos, mas o “batismo” de Sua morte. CBASD, vol. 5, p. 879.

Liturgicamente, o batismo veio a simbolizar um velho estilo de vida e inaugurar um novo estilo. Jesus aceitou Sua própria morte como o plano divino para trazer a salvação aos pecadores. Bíblia de Genebra.

estou angustiado até que ele se realize. Jesus desejava que a hora do sofrimento já estivesse no passado. Bíblia de Estudo NVI Vida.

54-56 O povo podia discernir que um vento ocidental (do Mediterrâneo) significava chuva e um vento sul (do deserto) significava calor. Mas não era capaz de discernir o que Deus estava fazendo no meio deles. Bíblia de Genebra.

… não sabiam reconhecer os sinais da crise espiritual, a vinda do Messias, a iminência de Sua morte, a confrontação futura com Roma e as consequências eternas que esses fatos teriam para a vida delas mesmas.Bíblia de Estudo NVI Vida.

57-59 Em assuntos legais, qualquer um com um mau caso faz bem em obter um acordo extrajudicial, antes que o caso vá a julgamento. Os pecadores devem reconciliar-se com Deus agora, ou perecerão se esperarem até o Dia do Juízo. Bíblia de Genebra.



Lucas 8 – Comentários selecionados by jquimelli
23 de dezembro de 2014, 0:00
Filed under: bens materiais, dinheiro, gratidão, milagres, parábolas, ressurreição | Tags: , , , , ,

2 algumas mulheres. Os rabis recusavam-se a ensinar mulheres. Assim, ao aceitá-las em Seu grupo de seguidores, Jesus agiu de maneira incomum. Bíblia de Genebra.

É como se Lucas dissesse que o evangelho do reino dos céus era para homens e mulheres, e que a parte delas na proclamação era tão importante quanto a dos homens. … Com a segunda viagem à Galileia, o alcance do ministério de Cristo expandiu-se rapidamente, e o grupo de pessoas que então O acompanhava cresceu muito em comparação com o grupo que esteve na primeira viagem. Essa situação envolveu gastos e trabalho considerável, a fim de prover alimento e manter as roupas limpas e restauradas. Cristo nunca realizou milagres em proveitos próprio (ver com. de Mt 4:6); agir dessa forma seria contrário ao Seu propósito. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 848

3 com seus bens. Jesus e Seus discípulos mantinham os recursos numa bolsa comum (ver com. de Jo 13:29; cf. Lc 12:6), e parece que essas discípulas ajudavam a evitar que a bolsa ficasse vazia. Pode-se dizer que esse grupo de mulheres devotas constituiu a primeira sociedade missionária feminina da igreja cristã. CBASD, vol. 5, p. 849. 

4 parábola. Na parábola, os inimigos de Jesus não conseguiriam encontrar declarações diretas para usar contra Ele. Bíblia de Estudo NVI Vida.

5 o semeador. Inevitavelmente não era todo terreno em que a semente caiu era solo adequado para o desenvolvimento. Andrews Study Bible.

6 sobre a pedra. Isto é, sobre a pedra coberta com uma camada de terra muito rasa para ter umidade suficiente. Bíblia de Genebra.

10 mistérios. O reino de Deus envolve verdades que estão além da compreensão e sabedoria humanas, mas que Deus agora tornou conhecidas. Bíblia de Genebra.

15 retém a palavraperseverança. O Senhor frisa que só a perseverança garante a vida eterna. Bíblia Shedd.

16 a luz. A palavra de Deus pode ser comparada à luz que ilumina todas as coisas. Andrews Study Bible.

19 A família, pensando que estava “fora de si”, provavelmente queria afastá-Lo de Seu cronograma pesado de tarefas. Bíblia de Estudo NVI Vida.

irmãos. Na igreja primitiva surgiram várias interpretações quanto ao grau de parentesco deles com Jesus … A conclusão mais natural (proposta por Helvídio) é que eram os filhos mais novos de José e Maria, meio-irmãos de Jesus. Bíblia de Estudo NVI Vida.

21 Minha mãe e meus irmãos. Não uma rejeição de Sua própria mãe e irmãos, mas um convite para que todos se incluam em Sua família por escutarem e praticarem a palavra de Deus. Andrews Study Bible.

As palavras de Jesus não constituem um repúdio à família terrena; Ele mostrou cuidado para com maria mesmo quando estava pendurado na cruz (Jo 19.26-27). Seu ensino é que o serviço de Deus e Sua obra como Messias são mais importantes do que qualquer parentesco natural. Bíblia de Genebra.

22, 23 O mar da Galileia fica a duzentos e treze metros abaixo do nível do mar e é cercado por montanhas. Por isso o ar frio [do Mediterrâneo] pode descer canalizado e pode provocar repentinas tormentas. O sono de Jesus seguiu-se a um dia de trabalho pesado. Bíblia de Genebra.

24, 25 repreendeu. É possível que Jesus tenha reconhecido o interesse do maligno na tempestade. Bíblia Shedd

25 Quem é este? Esta pergunta e a anterior são deixadas para que a audiência de Lucas responda. Andrews Study Bible.

27 um homem possesso de demônio. A vítima dos demônios foi ao encontro de Jesus, provavelmente, para maltratá-Lo. Logo reconheceu sua fraqueza diante do poder absoluto de Deus. Bíblia Shedd.

37 Todo o povo rogou-Lhe que Se retirasse. Como na parábola do semeador, a colocação em prática da palavra de Deus resultou na rejeição de muitos mas o discipulado de alguns (vv. 38-39). Andrews Study Bible.

39 Volta para casa e conta aos teus tudo o que Deus fez por ti. A família e a vizinhança serão os que melhor poderão confirmar o poder de Deus numa vida transformada. Bíblia Shedd.

41 chefe da sinagoga. Era o homem que organizava o serviço litúrgico, escolhendo os que deviam ler as Escrituras ou conduzir a oração. Bíblia de Genebra.

42 filha única. Na mente de um oriental, um filho único ou filha única é a única chance de se preservar o nome da família; e, assim, é portador de grande responsabilidade. A morte desse filho ou filha era visto como especialmente trágica. Os israelitas consideravam esse acontecimento como uma tragédia para a família, que se extinguiria (ver com. de Dt 25:6). CBASD, vol. 5, p. 849.

43 uma hemorragia. A condição da mulher a tornava cerimonialmente imunda (Lv 15.25), excluindo-a de muitos relacionamentos sociais. Bíblia de Genebra.

44 tocou na orla da veste. Apesar de impura, o seu toque não contaminou Jesus; em vez disso, purificou a mulher. Andrews Study Bible.

45 a cura da mulher precisava ser conhecida publicamente, de modo que ela pudesse retornar à sua vida normal. Jesus tem o cuidado de providenciar isso. Bíblia de Genebra.

48 Filha. É a única mulher a quem Jesus chama de “Filha”, uma afirmação de ternura. Bíblia de Genebra.

50 Não temas, crê somente. 1) a razão diz: crê no possível; 2) a experiência diz: ninguém voltou do túmulo (Lc 16:30); 3) As emoções dizem: “terrores de morte me assaltam” (Sl 55.4); 4) Cristo diz: Crê somente em Mim; Eu sou a única esperança (Jo 11.25). Bíblia Shedd.

52 dorme. Jesus compara a morte ao sono, em vez de confortar seus pais com a afirmação de que ela está agora no Céu. Andrews Study Bible.

55 Voltou-lhe o espírito. Na palavra grega pneuma, que significa “vento” ou “respiração” [sopro]. Andrews Study Bible.

56 Ele lhes advertiu que a ninguém contassem. Cristo não queria que a multidão O seguisse para receber pão (Jo 6.26), e muito menos para que Ele levantasse os seus mortos. O motivo válido para segui-Lo é a comunhão que resulta em glória (cf Jo 5.44; Fp 3.11). Bíblia Shedd.




%d blogueiros gostam disto: